BIDEN PEDIU QUE SERVIÇO DE INTELIGÊNCIA REDOBRE ESFORÇOS PARA DESCOBRIR A ORIGEM DA PNDEMIA

Biden ordena mais esforços para descobrir origem da pandemia

Serviço de inteligência tem 90 dias para descobrir se vírus surgiu no contato de humano com animal infectado ou em laboratório

INTERNACIONAL

 Da EFE

Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

KEVIN LAMARQUE/REUTERS – 20.05.2021

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quarta-feira (26) que pediu para que os serviços de inteligência “redobrem os esforços” para investigar a origem da pandemia de covid-19, após ter ganhado força recentemente a teoria de que o novo coronavírus surgiu em um laboratório em Wuhan, na China.

“Pedi aos serviços de inteligência para que redobrem seus esforços para coletar e analisar informações que possam nos aproximar de uma conclusão definitiva, e que me informem em 90 dias”, revelou Biden em comunicado emitido pela Casa Branca.

O mandatário explicou que os EUA avaliam agora “dois cenários prováveis”: se o coronavírus surgiu do contato humano com um animal infectado ou de um acidente de laboratório.

Biden destacou que duas das corporações dos serviços de inteligência americanos estão mais inclinados para o primeiro cenário, enquanto outro pende para o segundo.

“Cada um com uma confiança baixa ou moderada, mas a maioria não acredita que haja informação suficiente para avaliar que um seja mais provável que o outro”, declarou.

O presidente americano também disse que os EUA e aliados pressionarão a China para que participe de uma investigação internacional “completa, transparente e baseada em provas” e para proporcionar acesso a todos os dados e provas relevantes.

O principal epidemiologista do governo, Anthony Fauci, afirmou na terça-feira que “não está convicto” de que o vírus tenha se desenvolvido de forma natural e defendeu a realização de mais investigações sobre suas origens.

Na terça-feira (25), os EUA pediram à Organização Mundial da Saúde (OMS) estudos “independentes e transparentes” sobre a origem do coronavírus Sars-CoV-2, causador da covid-19.

Fonte: R7
Continuar lendo BIDEN PEDIU QUE SERVIÇO DE INTELIGÊNCIA REDOBRE ESFORÇOS PARA DESCOBRIR A ORIGEM DA PNDEMIA

PERGAMINHO DE ISAÍAS É O MAIS BEM PRESERVADO ENTRE OS MANUSCRITOS DO MAR MARTO

Inteligência artificial revela segredo dos Manuscritos do Mar Morto

Comparando caracteres, computador apontou que o Grande Pergaminho de Isaías foi escrito por duas pessoas diferentes

TECNOLOGIA E CIÊNCIA

 Do R7

O Grande Pergaminho de Isaías é o mais bem-preservado entre os Manuscritos do Mar Morto

WIKIMEDIA COMMONS

Descobertos em uma caverna israelense em 1947 e escritos há mais de 2 mil anos, os Manuscritos do Mar Morto ainda são estudados por cientistas em busca de respostas sobre como foram escritos. Usando a tecnologia da inteligência artificial (A.I.), pesquisadores da Universidade de Groningen, na Holanda, descobriram que o Grande Pergaminho de Isaías foi escrito por duas pessoas diferentes.

A conclusão foi feita após a análise do texto de 125 a.C., o mais bem preservado dos manuscritos, que mostrou diferentes padrões de escrita imperceptíveis a olho nu, mas que foram encontrados graças a uma análise feita por computador.

A caligrafia usada no Grande Pergaminho de Isaías parece idêntica até para leitores humanos altamente treinados em paleografia. Mas uma análise feita com A.I. publicada na revista científica PLOS One mostra que dois copistas diferentes colaboraram no documento.

“Com o uso da tecnologia e de estatísticas, pudemos encontrar diferenças muito sutis na caligrafia, que são muito difíceis de ver”, explicou o cientista líder da pesquisa, Mladen Popovic ao Art Newspaper. “Isso nos mostra que eles trabalharam em equipe para fazer o manuscrito. Isso não é mais uma conjectura, baseado nas evidências agora podemos dizer que é um fato”.

A pesquisa corrobora teorias de que os textos bíblicos antigos não foram copiados por um único escriba, mas teriam sido feitos em equipe, possivelmente com a ajuda de aprendizes, copiando detalhadamente o mesmo estilo.

O Grande Pergaminho de Isaías

Estudiosos já tinham detectado um intervalo que ocorre na metade do manuscrito do Livro de Isaías. No meio do texto, há um espaço de três linhas e uma segunda folha foi costurada na primeira. A partir desse ponto, segundo detectou o estudo, um segundo escriba assumiu o texto.

Para realizar a pesquisa, a equipe ensinou a inteligência artificial a analisar a imagem do texto e separar digitalmente a tinta do papiro. “Isso é importante porque a maneira como os traços foram feitos remete diretamente ao movimento dos músculos de cada pessoa e isso é individual”, afirmou um dos co-autores, Lambert Schomaker.

Os pesquisadores focaram em dois caracteres hebraicos, aleph e bet, e mapearam todas as vezes em que eles apareciam ao longo do pergaminho e todas as suas variações. Com isso, descobriram que as duas metades do manuscrito foram escritas em um estilo parecido, mas de dois modos distintos.

De acordo com o Museu de Israel, em Jerusalém, o Pergaminho de Isaías é um dos sete Manuscritos do Mar Morto encontrados nas cavernas de Cumran. É o maior e mais preservado deles e contém toda a versão hebraica do Livro de Isaías.

A descoberta abre caminho para novas maneiras de estudar os pergaminhos, segundo Popovic. “Esse é só o primeiro passo. Vamos poder estudar e separar os copistas que fizeram os Manuscritos e agora poderemos entender melhor como eles foram produzidos. Jamais saberemos os nomes deles, mas poderemos entender o papel de cada um”, comemorou.

Fonte: R7
Continuar lendo PERGAMINHO DE ISAÍAS É O MAIS BEM PRESERVADO ENTRE OS MANUSCRITOS DO MAR MARTO

RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA DOS EUA ALERTA SOBRE RISCO DE ATAQUES DE MILÍCIAS ARMADAS E SUPREMACISTAS BRANCOS NO PAÍS

EUA alertam para aumento da ameaça do terrorismo doméstico

Novo relatório alerta para risco de ataques de milícias armadas e supremacistas brancos no país

INTERNACIONAL

 Da Ansa

Alerta tem como foco milícias e supremacistas brancos

EPA

Um novo relatório da Inteligência dos Estados Unidos fez um novo alerta sobre o aumento do risco de ataques de milícias armadas e supremacistas brancos no país.

O documento está em um dossiê solicitado pelo presidente Joe Biden, segundo o jornal “The New York Times”, logo após a sua posse em 20 de janeiro.

As análises foram enviadas ao Congresso e evidenciam que é necessário enviar mais recursos para evitar ataques de terrorismo doméstico e que há um risco “elevado” de que ações do tipo ocorram nos “próximos meses” por conta de “fatores sociopolíticos controversos”.

De acordo com os membros dos serviços de Inteligência, os extremistas de matriz racial, especialmente os supremacistas brancos, são os mais capazes de organizar ataques em massa contra civis. Já as milícias armadas focam em forças de segurança e ordem e em funcionários e estruturas de governo.

Os criminosos solitários ou pequenas células extremistas são os mais propensos a conduzirem ataques. O relatório não foi divulgado de maneira completa para o público, apenas um resumo dos pontos principais. O documento integral foi entregue apenas para o Congresso e para a Casa Branca.

Esse é o segundo documento do tipo divulgado em menos de três meses. Em 27 de janeiro, um alerta nacional para terrorismo interno foi divulgado e teve como pano de fundo a invasão de apoiadores do ex-presidente Donald Trump ao Capitólio, ocorrida em 6 de janeiro, e que deixou cinco mortos.

Fonte: R7
Continuar lendo RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA DOS EUA ALERTA SOBRE RISCO DE ATAQUES DE MILÍCIAS ARMADAS E SUPREMACISTAS BRANCOS NO PAÍS

AUTOCONHECIMENTO: A MENTE A INTELIGÊNCIA SOB A ÓTICA DOS MAIORES CIENTISTAS DA HUMANIDADE

O artigo a seguir na coluna AUTOCONHECIMENTO desta sexta-feira faz a mais completa análise dos mistérios da e da inteligência, citando quase todos os grandes filósofos, matemáticos, físicos, psicanalistas e teólogos que já passaram nessa trajetória da humanidade para tentar entender onde a mente se liga ou desliga com o cérebro. Portanto, não deixe de ler esse sensacional artigo.

OS MISTÉRIOS DA MENTE E A INTELIGÊNCIA

Vai chegar o ponto em que a humanidade atingirá o ponto de fusão completa entre a matéria densa e a matéria sutil, chegando ao que se pode chamar de Inteligência Cósmica.

Por Francisco Claussen

Dos mistérios do cérebro: por que esquecemos as coisas? - Canaltech

Como dizia Walter Rudolf Hess (1881-1973), da Universidade de Zurique, Prêmio Nobel de Medicina em 1949: “Para estudar a mente, devemos começar pela introspecção observação de nossa própria experiência. Suponha que passemos juntos pelo meu jardim. Pelas reações e comentários que você fizer posso deduzir-lhe os sentimentos e pensamentos, e muitas coisas sobre o seu estado de espírito. Uma rosa amarela pode atrair-lhe atenção. A cor, o perfume e a picada do espinho formam em sua mente uma impressão dessa rosa, a qual se funde logo com impressões passadas. A sua imagem da rosa deveria ser igual à minha, porém elas não se assemelham porque duas mentes jamais são iguais”.

As impressões que recebemos se integram em nossas memórias e assim corporificam a nossa experiência. Nosso comportamento individual é determinado pela associação de impressões novas com a lembrança de experiências anteriores. A mente pode lidar com situações complexas usando a abstração e a associação, e chegar a conclusões lógicas que podem resultar em decisões ou criações. O modo pelo qual as intenções podem ser convertidas com precisão em movimentos hábeis (pense em um cirurgião, um pianista, um atirador) nos dá uma indicação geral da correlação entre o mental e o físico.

Através de experiências com homens e animais, sabemos que certos tipos de comportamento se relacionam com zonas bem definidas do cérebro. Pela estimulação elétrica do tronco encefálico e das áreas adjacentes podemos despertar reações de defesa, vôo e fome; estimulando níveis superiores, o riso compulsivo; pela estimulação do córtex, reações visuais e auditivas, entre outras. São fascinantes os resultados desse tipo de pesquisa no cérebro, mas e preciso compreender que eles mal chegam a constituir um começo. A grande lacuna que devemos transpor em nosso conhecimento da mente continua sendo esta: de que maneira as ações do sistema nervoso se transformam em consciência?

A MENTE E SEUS PROCESSOS SEMPRE FORAM TÃO MISTERIOSOS e fascinantes para o homem quanto o próprio universo. Mas, de um modo relativo, faz pouco tempo que o estudo da mente se tornou um campo da ciência experimental. Com tal abordagem científica, o conhecimento da mente veio a lucrar muito. No século 19, muita coisa se esclareceu sobre a natureza dos processos mentais, as origens da vida emocional e vário tipos de comportamento. E à medida que surgiam noções novas, as teorias antigas e simplistas foram sendo substituídas por indagações cada vez mais complexas.

René Descartes (1596-1650) definiu o pensamento como o conjunto dos processos mentais conscientes: pensamentos intelectuais, sentimentos, sensações e vontade. Achava que a mente trabalhava sempre, até durante o sono. Fez uma divisão completa e total entre o espírito e o corpo, bem mais drástica do que a divisão de Platão (427-347 a.C.), que pelo menos atribui a sensação ao corpo. Além disso, prestou um serviço inestimável por atribuir à mente todos os processos.

Mas o homem ainda pergunta: O que é a mente? Será que os mistérios vão desaparecer quando entendermos o funcionamento da complexa estrutura anatômica que chamamos de sistema nervoso? Ou a mente tem os seus próprios segredos?

A concepção que os antigos gregos tinham da mente era bem simples: ela era o órgão que se relacionava apenas com as idéias puras. Platão negava, do modo mais explícito, haver alguma ligação com a sensação. A seu ver, a sensação era a função do corpo inferior, sendo este destituído de qualquer atividade intelectual.

Já Aristóteles (384-322 a.C.) respeitava bem mais o corpo, achando que ele era governado por poderes psíquicos dignos da atenção dos filósofos, poderes relacionados com movimento e sensação. Tão precárias eram suas noções de anatomia que, para ele, a sede física da vida mental era o coração, e não o cérebro, não obstante ter antecipado o pensamento moderno com a crença de que a matéria viva era misteriosamente animada por poderes psíquicos.

OS PRIMEIROS CRISTÃOS ADMIRAVAM MAIS PLATÃO do que Aristóteles, e em toda a Idade Média considerava-se que a alma pertencia a Deus e o corpo, a Satanás. Apenas a alma podia conhecer a verdade de Deus. Apenas dois mil anos depois de Aristóteles, outro grande filósofo reabriu a velha questão com um novo espírito de investigação.

Foi o francês René Descartes. A mente ativa de Descartes abarcou todos os ramos do conhecimento de seu tempo: matemática, fisiologia, mecânica e filosofia. Cristão devoto, sua filosofia foi uma tentativa corajosa de reconciliar os métodos científicos com a fé em Deus, harmonizar a teoria mecanicista do mundo com a aceitação de que este era criação de Deus. Procurou usar métodos científicos para provar verdades sobre o espírito e a matéria. Daí sua famosa máxima: “Penso, logo existo”; isto é, a existência do espírito não era uma doutrina revelada, mas fato fácil de observar.

O conhecimento da mente era ainda concebido como uma acumulação de “idéias” estáticas, embora as sensações já estivessem incluídas como parte dele. Era como se a mente fosse vista como um depósito que, de repente, era encontrado repleto de todos os tipos possíveis de objetos. Há dois mil anos, o estadista e filósofo romano Lúcio Sêneca (3 a.C.-65 d.C.) declarou: “O homem é um animal que pensa”. E ao longo dos tempos os psicólogos continuaram a indagar: O que é o pensamento?

O médico alemão que se fez filósofo, Wilhelm Wundt (1832-1920), usando suas técnicas e métodos, expandiu suas investigações para muito além do campo da sensação pura. Começou a identificar uma série de funções mentais bem semelhantes àquelas em que o homem baseara suas primeiras alegações de superioridade sobre outros animais.

A MEMÓRIA E A APRENDIZAGEM SUSCITAM DIFICULDADES semelhantes. Os animais podem aprender muita coisa. O comportamento de alguns animais superiores, como os elefantes, por exemplo, mostra que usam a lembrança do que aprenderam para ajudar a resolver problemas posteriores.

Pensamento, consciência, memória e aprendizagem são termos diversos para indicar que a vida mental inclui significação, conhecimento. Fica, assim, clara a superioridade do homem sobre os animais. Desde que entendamos um conceito, podemos generalizar. Podemos evocá-lo repentinamente, como na memória, e com base nele fazer previsões com o uso da imaginação e de técnicas novas ainda em desenvolvimento, e nisso está a nossa maior esperança de obter o conhecimento pleno dos processos mentais.

Anatomistas e fisiologistas têm revelado a estrutura detalhada do sistema nervoso e os meios pelos quais funciona. Médicos estudam os efeitos de lesões e doenças, e, de suas observações sobre a mente anormal, chegam a conclusões sobre a mente normal. Psicólogos realizam experimentos sobre o comportamento e a percepção de homens e animais. Constroem-se máquinas eletrônicas para imitar, até onde é possível, os processos de pensamento, e com eles já aprendemos alguma coisa quanto à aprendizagem e memória. Com os sistemas mais complexos que quase diariamente estão sendo inventados, iremos certamente aprender mais sobre outras funções superiores desse fascinante fator da vida, que é a mente.

Conviria, nesse particular, dizer mais alguma coisa sobre a inteligência.. É muito comum nos referirmos a ela, mas nem sempre os significados atribuídos ao termo são idênticos e, às vezes, até um pouco contraditórios. É preciso que se entenda que a inteligência não é uma coisa, como uma mesa, uma cadeira, um animal, mas sim um conceito que só pode ser compreendido dentro de um conjunto global de fatos e teorias a ela associadas.

AS ORIGENS DESSA DEFINIÇÃO SE PERDEM NA ANTIGUIDADE. Sabe-se que Platão e Aristóteles já tinham formulado uma distinção entre os aspectos conhecidos da natureza humana, relacionada com pensamento, solução de problemas, meditação, raciocínio, reflexão, e ainda sobre categorias dos comportamentos humanos relacionados com emoções, sentimentos, paixões e vontade; até que Cícero, mais tarde, inventou o termo inteligência, que ainda usamos freqüentemente para nos referirmos aos poderes cognitivos e capacidades intelectuais de uma pessoa.

No século passado, a noção de inteligência foi aperfeiçoada pelo filósofo Herbert Spencer (1820-1903), pelo estatístico Karl Pearsone, e pelo primo de Darwin, gênio mundialmente conhecido, Sir Francis Galton. Eles introduziram as noções de mensuração, evolução e genética experimental no estudo da inteligência. Pode-se acrescentar a essas contribuições as dos fisiologistas, particularmente a do trabalho clínico de Hughlings Jackson, as investigações experimentais de Sherrington e os estudos microscópicos do cérebro, realizados por Campbell, Brodman e outros. Esses trabalhos fisiológicos serviram para confirmar a teoria de Herbert Spencer, de uma hierarquia das funções neurais em que um tipo básico de atividades se desenvolve através de estágios regularmente definidos, em formas mais altas e mais especializadas.

Descobriu-se que o cérebro sempre atua como um todo. Sua atividade, nas palavras de Sherrington, é padronizada e não indiferentemente difusa; a própria padronização sempre envolve e implica em integração, e o conhecimento cognitivo é governado por amplas áreas do cérebro e não por pequenas áreas especializadas. A ação de massa foi identificada teoricamente com a inteligência, por muitos autores.

A EVOLUÇÃO DA HUMANIDADE EM SEU CAMINHO PARA A ETERNIDADE vem se tornando possível com a agregação dessa energia cósmica ao último elo mais aperfeiçoado do gênero mamífero, que se desenvolveu durante milhões de anos em nosso planeta. Essa situação deverá levar a humanidade, progressivamente, a um estágio de aperfeiçoamento da sua matéria densa, quando ocorreria a fusão completa da matéria densa com a matéria sutil – a Inteligência Cósmica.

Ao ser atingido esse estágio, assim entendemos, tudo retornaria à pura e simples energia da qual surgiu o universo em que vivemos. Mas para que isso aconteça, ainda decorrerão bilhões de anos, e o que a ciência hoje já chama de crush-bang (o grande esmagamento).

O fluido energético, a Inteligência Cósmica de que fomos dotados há, provavelmente, cerca de 600 mil anos – quando a natureza encontrou o tipo ideal para estabelecer e desenvolver o ser humano que veio se formando durante milhões de anos em nosso planeta – aperfeiçoou a nossa vida intelectual, como uma virtude que sintetiza, de um modo excelente, a disposição duradoura adquirida pela repetição freqüente de um ato. À medida que essas primeiras virtudes intelectuais começaram a determinar e aperfeiçoar a atividade própria de nossa inteligência – no que diz respeito aos objetos que lhes eram imediatamente conaturais – a sabedoria foi aperfeiçoando nossa atividade intelectual naquilo que ela possui de mais puro e mais elevado.

Por natureza, há no homem o desejo pelo conhecimento, e esse desejo pode ser satisfeito, em, parte, pelas ciências ou outras formas de conhecimento intuitivo. Somente a virtude da sabedoria, entretanto, satisfaz plenamente a este anseio profundo do homem. A contemplação, por exemplo, nada mais é do que o ato excelente produzido por essa virtude. As demonstrações científicas ou as que procedem desse hábito, são normalmente mais rigorosas e mais corretas do que aquelas que derivam das demais ciências. Os julgamentos, obras do hábito da sabedoria, são, os mais penetrantes, os mais exatos.

Pode-se mesmo caracterizar o modo que a sabedoria imprime a todos os seus conhecimentos como uma maneira de unidade na perfeição. Este modo de unidade é, de fato, a feição própria de uma atividade intelectual perfeita, que tende a reduzir o mais possível as imperfeições de nossas atividades de conhecimento, sempre fragmentárias e sucessivas.

(Extraído da revista Sexto Sentido 54, páginas 20-24)

Fonte: IPPB
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: A MENTE A INTELIGÊNCIA SOB A ÓTICA DOS MAIORES CIENTISTAS DA HUMANIDADE

CIÊNCIA: UM NOVO ESTUDO REVELA QUE INDÍCIOS DE ALZHEIMER PODEM SER REVELADOS NA MANEIRA COMO VOÇÊ ESCREVE

A ciência continua na sua mais ferrenha batalha para encontrar a cura e/ou a prevenção contra o Alzheimer e neste sábado você vai conhecer, aqui na coluna CIÊNCIAS o novo estudo que afirma ser possível revelar indícios de Alzheimer, através da maneira como você escreve. Então, não perca tempo e comece logo a ler o artigo completo a seguir e ajude a você mesmo e/ou pessoas que você ama a detectar e prevenir esse mal do século!

A maneira como você escreve pode revelar indícios de Alzheimer, diz estudo

Share on Facebook

Escrita pode mostrar sinais. Foto: Pixabay

A inteligência artificial vai poder ajudar a detectar a doença de Alzheimer em breve com base na análise da escrita. Uma equipe da IBM e da Pfizer diz que treinou modelos de inteligência artificial para detectar os primeiros sinais da doença observando padrões linguísticos no uso das palavras.

Os resultados do estudo foram publicados nesta quinta-feira (22) na EClinicalMedicine e, de acordo com os pesquisadores, a ferramenta de triagem não exigiria exames ou varreduras invasivas. Para treinar os modelos de inteligência artificial, os pesquisadores usaram transcrições de respostas escritas à mão dos participantes do estudo.

O modelo de IA foi capaz de detectar alguns sinais precoces de deficiência cognitiva. Eles incluem certos erros de ortografia, palavras repetidas e o uso de frases simplificadas em vez de frases gramaticalmente complexas. A evidência está de acordo com a compreensão dos médicos sobre como a doença pode afetar a linguagem.

Continuar lendo CIÊNCIA: UM NOVO ESTUDO REVELA QUE INDÍCIOS DE ALZHEIMER PODEM SER REVELADOS NA MANEIRA COMO VOÇÊ ESCREVE

SAÚDE INTEGRAL: SAIBA COMO A INTELIGÊNCIA INFLUENCIA NO RESULTADO DA EVOLUÇÃO DO CÉREBRO

A ciência descobriu que a inteligência, quando estimulada pode contribuir geneticamente na evolução do cérebro das futuras gerações de uma determinada linhagem familiar. Que quando um indivíduo desenvolve bastante o seu intelecto, parte desse desenvolvimento intelectual é assimilado pela genética e se reflete em cérebros mais evoluídos nas próximas gerações. Saiba como isso acontecelendo o artigo completo a seguir!

A inteligência é o resultado de como o cérebro evoluiu

Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu

123RF | Dolgachov

Garoto sentado em escada lendo livro
Considero de antemão a inteligência como algo parcialmente genético e ambiental. O genético se torna primordial, já que ele é o molde necessário para a introdução de mais inteligência. Quando o ser nasce inteligente, a inteligência é um impulsionador natural para o desenvolvimento cognitivo, fazendo com que a pessoa fique ainda com mais capacidades.

A pessoa mais inteligente, ao procriar, vai passar não só o seu gene intelectual, que já tinha desde o seu nascimento, como também vai passar uma parte da inteligência adquirida no seu desenvolvimento até o momento da procriação. O grau em percentual desta inteligência adquirida e passada geneticamente ainda não temos como medir, mas eu acredito que seja pequeno o suficiente para ser necessário milênios para que possamos notar grandes alterações.

Professora em pé em frente quadro com estudos segurando livro e varinha apontada para quadro

Se posicionássemos, por exemplo, 100 gerações de pessoas inteligentes que buscassem mais conhecimento e desenvolvimento cognitivo para ser passado geneticamente, resultariam em pessoas de uma inteligência em padrões bem mais altos do que o natural, sem influências.

O cérebro é dividido em diferentes partes que determinam o tipo de memória, os sentidos, as emoções etc. O tipo de inteligência está relacionado à parte do cérebro mais desenvolvida. Uma inteligência plena poderia ter todas as partes bem desenvolvidas, o que promoveria um grande avanço intelectual se todas as partes trabalham em uma potência de conectividade que definem, por exemplo, por meio de uma cognição desenvolvida, melhores sentidos e suas interpretações com memórias de curto prazo e com interpretações rápidas e assertivas, assim como uma melhor memorização de longo prazo, com capacidade de manipular a emoção para um melhor mecanismo de armazenamento.

Isso mesmo! Estou dizendo que um cérebro desenvolvido pode ter um melhor controle sobre seus sentidos e sentimentos. É como uma ginástica muscular que há quem tenha o incentivo padrão de fazê-lo e como fazê-lo. A ginástica cerebral pode ser trabalhada com a própria inteligência e a consciência de como desenvolver cada necessidade para que seja possível um aprimoramento.

A força de vontade está relacionada à inteligência, assim como a preguiça é o descanso da inteligência de quem não quer pensar. Contudo, a permanência nela é a falta de determinação intelectual e desistência que promove um estacionamento no desenvolvimento da própria inteligência. É a racionalidade de como, quando e onde fazer para melhor se desenvolver. Somos organismos evolutivos, buscamos a evolução para a sobrevivência e isso é como um vício universal, evoluir, está impresso em nosso código genético.

O código genético evolutivo é uma determinação inconsciente de que temos que progredir. O nosso cérebro sente essa necessidade quando determinamos por diversas gerações essa necessidade. Por exemplo: se uma pessoa desenvolve o seu cognitivo durante a sua vida, seu filho vai ter um gene determinado a continuar esse caminho; por mais que ele não siga, pois o ambiente pode interferir nisso, ele sempre terá uma fagulha esperando ser acendida para seguir essa evolução, ele sempre sentirá a sensação de falta. A falta é uma sensação de algo interrompido que deveria ter sido prosseguido. Vou a mais um exemplo: hoje vivemos a sensação da solidão; isso se dá devido ao avanço tecnológico, que nos distanciou da interação social corpo a corpo. Temos em nosso traço genético a necessidade dessa interação; quando ela não ocorre, temos a sensação, mesmo que inconscientemente, de que nos falta algo que está impresso em nossa memória primitiva, então nos sentimos sós, mas às vezes não sabemos o motivo.

Quando interrompemos ou desviamos de algo que está impresso em nosso código genético, temos a sensação da falta. Ela não é consciente; é como se algo não fosse suprido, algo que fosse necessário para completar os vagões do comboio que precisa seguir sobre os trilhos; os trilhos são nossa linha genética evolutiva e os vagões somos nós e nossas nuances de personalidade, entre outras coisas que nos fazem ser humanos.

Menino brincando com peças de lego espalhadas no chão

A inteligência está no cruzamento entre dois espécimes com o gene da inteligência desenvolvido, podendo ser maior em um do que o outro, que moldam o terceiro espécime, resultado do seu cruzamento. Acredito que o gene da inteligência é determinante por meio do fator evolutivo, acompanhando o melhor padrão entre o casal. Por exemplo: uma mulher com um nível de inteligência maior que do homem; eles cruzam, então há duas tendências evolutivas no filho: uma delas é o fator determinante de percentual recebido da mulher e do homem – a ciência ainda não sabe qual percentual o filho leva da inteligência da mulher e do homem –, mas é determinante que o homem ou a mulher passa um percentual maior de inteligência, dependendo do sexo. A segunda é o fator evolutivo, ou seja, vamos dizer que o maior percentual genético da inteligência seja da mulher, e não do homem; mesmo assim, se o homem for inteligente, será aproveitado também esse fator para impulsionar o processo evolutivo.

Seria uma lógica intuitiva, já que somos projetados evolutivamente, portanto, para uma evolução cerebral, como já sabemos que ocorreu na nossa espécie, tanto é que temos os lobos frontais desenvolvidos, mas os primatas não os tem. Essa necessidade de evolução está relacionada à evolução intelectual, então nossos descendentes tendem a ser mais inteligentes que nós, pois buscam o melhor de nós para seguir adiante.

Mas há um último fator decisivo na inteligência humana: o desenvolvimento do feto. O indivíduo pode ter fatores genéticos para o desenvolvimento de um cérebro inteligente, mas, na formação, de acordo de como ela ocorre, é possível desenvolver um potencial maior ou menor de inteligência. Há muitos casos de pai e mãe com o QI menor do que do filho, por exemplo. Assim como há casos de pais com alto QI e o filho também, um dos pais com alto QI e o filho com baixo QI, mas dificilmente há casos de pais com baixo QI e filhos com alto QI. Ou seja, a evolução do feto pode ser determinante para o QI do indivíduo, de acordo com a forma como ele evolui aproveitando não só o gene da inteligência dos pais, mas também ao ter uma evolução cerebral de acordo, para que o cérebro use toda capacidade para desenvolver um alto QI.

Continuar lendo SAÚDE INTEGRAL: SAIBA COMO A INTELIGÊNCIA INFLUENCIA NO RESULTADO DA EVOLUÇÃO DO CÉREBRO

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: A PARÁBOLA DO LEÃO E DO IDIOTA. QUANTA SORTE VOCÊ TEM?

Na coluna DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL desta terça-feira temos a Parábola do Leão e do Idiota, contada por Camila Zen. Uma história que nos faz refletir sobre quanta sorte nós temos? E onde encontramos a nossa sorte? Eu espero que essa história possa te ajudar ou ajudar alguém que você ama. Amor e luz, namastê.

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: A PARÁBOLA DO LEÃO E DO IDIOTA. QUANTA SORTE VOCÊ TEM?

FÍSICA QUÂNTICA: CONVIDO VOCÊ A CONHECER A MAIOR SUMIDADE MUNDIAL EM FÍSICA QUÂNTICA, AMIT GOSWAMI

Na coluna FÍSICA QUÂNTICA deste domingo tenho a honra de trazer para vocês as impressões de Monica Marchese Damini sobre o extraordinário phd em física nuclear Amit Goswami, a maior referência mundial em Física Quântica e o Ativista Quântico número 1. Num bate papo descontraído ela extraiu informações valiosíssimas, inclusive o conceito de Ativista Quântico, que você não pode deixar de conhecer!

Conheci Amit Goswami!

Feriado de Páscoa de 2019, e lá estava eu, cara a cara com Amit Goswami, renomado phd em física nuclear, referência em mecânica quântica que participou do filme “Quem Somos Nós”, que eu assisti algumas vezes, autor de vários livros que eu tanto estudei nas mais diversas abordagens e técnicas de vários outros autores e terapeutas, em uma imersão incrível sobre espiritualidade e física quântica.

Amit é um homem simples, doce, com amor no olhar, que fala de perto, com doçura, alegria, entusiasmo e, ao mesmo tempo, tranquilidade.

Amit Goswami sorrindo em frente ao jardim de uma universidade, vestindo camisa e chapéu vinhos, além de um terno preto.

Que incrível foi estar ali, pertinho de uma figura tão importante desse mundo quântico, onde a ciência explica Deus e a criação da realidade falando de amor e meditação.

Puxa! Aquele homem encantador era o autor do primeiro livro de mecânica quântica que eu li, “O Universo Autoconsciente”, um livro que foi de leitura um tanto difícil para mim na época, tinha sido escrito por aquele homem amoroso, que estava lá, falando de amor e energias. Amei conhecê-lo.

Muitos temas foram abordados: Deus, morte, sentido da vida, inteligência, dualidade entre materialismo e espiritualidade e suas semelhanças na incapacidade de dar sentido satisfatório à vida.

Condicionamentos e crenças que não preenchem o vazio existencial de uma alma ignorada. Vazio que não se preenche nem parcelando em 12 vezes no cartão de crédito tudo aquilo que compramos sem parar.

Segundo Amit, somos nós quem escolhemos a nossa visão de mundo; aquilo que ressoa, ou não, conosco como forma de entender o mundo. Seres humanos funcionam pela razão, não pela lógica.

Precisamos aprender a responder a cada estímulo da forma apropriada com a expansão da consciência e não de forma automática seguindo todos os condicionamentos que a sociedade onde fomos criados nos impõe.

Quando estivermos infelizes, precisamos nos perguntar o que está acontecendo e não apenas nos enganar comprando, gastando e bebendo para preencher um vazio que não será preenchido com nada disso.

Enquanto estava falando em compras e outras adicções, incluindo o uso do celular, ele fez um comentário que tirou risos nervosos da plateia, de que mulheres adoram comprar sapatos quando estão aborrecidas porque a pressão nos pés deixa os órgãos sexuais excitados e a mulher se sente mais sexy, mais atraente e, assim, se sente bem a seu respeito!

A psicanálise tem uma versão um pouco diferente, mas uma identificação imediata aconteceu por lá.

Mulher escolhe entre um salto rosa claro e um vermelho na prateleira de uma loja de sapatos.

A conversa enveredou para o tema da manipulação, e, como na maioria das vezes, estamos inseridos num mundo determinista, onde acabamos não tendo escolhas, somos levados. Nesse ponto ele levantou o celular como veículo moderno para alienação, pelo excesso de informação e consideração que damos a opinião de pessoas famosas, populares e como somos guiados e manipulados por essas opiniões que, na verdade, podem não são ser importantes para nossa alma. Acabamos encontrando significado para nossa vida baseados nas opiniões dos outros. Triste, pois ficamos frustrados por não ser o que, na verdade, nunca seríamos mesmo.

Ele começou então a explicar que o Ativista Quântico é aquele que pratica o Ativismo Quântico e a questão principal dele é: qual o sentido da minha vida?

Putz, que pergunta mais comum a quem está no processo do Despertar… E qual é a resposta?

Ele discorreu sobre vivermos sob dois Sistemas de Crenças: Materialista x Espiritualista, e, em ambos, está tudo sempre determinado, obviamente que não por nós, que não temos nenhuma opção de escolha…

Na visão materialista, o mundo já é determinado pela ciência, Einstein, Darwin, e a elite comanda e faz cumprir. O que sentimos não tem importância nenhuma e, dessa forma, vivendo sob esse paradigma só nos resta, por nosso livre arbítrio, escolher nosso manipulador preferido, seja o Bem ou seja o Mal.

Homem caminha para a ponta de uma pedra, como se estivesse prestes a pular no abismo.

Na visão espiritualista/religiosa, está tudo igualmente determinado, porém aqui é Deus quem determina tudo, e todos esperam receber agrados Dele e aguardam o pós-morte para serem finalmente felizes.

Já pela visão Quântica de mundo, o grande mal é suprimir a liberdade de escolha de outra pessoa.

Aqui a regra é ouvir o nosso coração e agir conforme nossa própria intuição e insights.

No mundo do ativista quântico, o significado de nossa própria vida não vem dos condicionamentos; nele, nós mesmos o buscamos e ele é individual.

Isso significa fazer escolhas próprias e encontrar a nossa forma correta de viver. Isso é a felicidade.

Nesse mundo lindo, Felicidade vem da etapa seguinte ao Prazer, que é desejo do ego, sempre baseado nos condicionamentos sociais do que precisamos ser e ter.

Mulher sentada na praia observando o horizonte, com um copo de café na mão.

O ativista quântico tem escolhas e, apesar de viver no ego, que está pleno de condicionamentos e determinismos e nos faz reagir conforme o que nos foi ensinado, temos a liberdade de dizer não. Não sucumbimos aos desejos do ego.

Sabemos dizer não a ele.

Isso foi sensacional para mim! O caminho do meio é uma busca pessoal; e ouvir dele que vivemos, sim, no ego, que ele é útil e necessário para a existência, porém não somos obrigados a obedecê-lo, vai de encontro à filosofia do Yoga, que eu amo. Não precisamos matar o ego, mas sim conviver harmoniosamente com ele, sem lutas, brigas ou confusões, cientes de que ele é funcionário do Eu Superior; e, aliás, pode ser um funcionário maravilhoso porque é muito bem aparelhado. O ego precisa se expandir, porque é com ele que criamos, ele não é nosso inimigo.

O ego tem o poder de dizer não a cada emoção negativa, ao excesso de prazer, ao excesso de informação. Temos opção de são sermos servos do ego. Oba!

O condicionamento do ser humano no paradigma materialista substituiu o SER pelo TER, e favorece a cultura do centramento em MIM, que virou objeto para TER ao invés de SER, enquanto na visão quântica focamos no SER.

Homem medita de olhos fechados em meio a um gramado.

Precisamos expandir a consciência e, para isso, precisamos dizer não a certas tendências de dominação.

A única forma saudável de influenciar alguém deve ser pelo exemplo e jamais pela força ou poder, como tem sido feito há muito tempo.

Ele sugeriu algumas afirmações diárias para uma nova proposta de vida para quem sentir o chamado de sair do paradigma materialista e tornar-se um ativista quântico:

Da mesma forma, disse Gandhi: “Seja você a mudança que quer no mundo.“

Ghandi sorrindo, vestindo seus trajes característicos e um óculos redondo.

Essa é a proposta do Ativismo Quântico.

A resposta para a pergunta lá de cima de “qual o sentido da minha vida”, tem como resposta: aprender a sermos nós mesmos, livres dos condicionamentos, livres da escravidão de ceder aos desejos do ego e, assim, manifestar o Estado de Fluxo, onde a intenção tem poder e o inconsciente não condicionado cria a realidade, por isso a necessidade da expansão da consciência.

Seguindo o Fluxo da Vida, as coisas acontecem por si.

A cocriação acontece entre o ego e a Consciência Una.

O texto seria muito longo para contar tudo que foi vivido por lá.

Eu sei que existem cursos online que são ferramentas incríveis porque facilitam o acesso à informação, mas estar lá, naquela egrégora de afins, com ele, ali, no corpo físico, presencialmente, trabalhando energias, foi simplesmente sensacional! Uma experiência maravilhosa que, com certeza, pretendo repetir.

Eu já tinha minhas convicções, mas sai de lá ainda mais determinada a abrir mão dessa realidade que cobra culpa, dor e julgamento, e escolher a coragem de sair dos condicionamentos, fazendo valer minha consciência, que cria tudo de melhor para mim e para o Todo.

Pesquisei para trazer a dica de eventos presenciais de apenas um dia com ele que a Quantum Academy está promovendo.

Não, não é publicidade e não estou ganhando nada com isso, é apenas uma dica para quem sentir vontade de conhecer pessoalmente esse homem simples, de chapéu, que come na mesa com a gente, limpa a louça e passeia pelos jardins, mas é referência mundial nos estudos em conciliar ciência e consciência.

Nossa proposta aqui no site é partilhar conhecimentos e coisas boas.

Tour Amit GoswamiNamastê.

Monica Marchese Damini

 

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Continuar lendo FÍSICA QUÂNTICA: CONVIDO VOCÊ A CONHECER A MAIOR SUMIDADE MUNDIAL EM FÍSICA QUÂNTICA, AMIT GOSWAMI

AUTOCONHECIMENTO: BUSCADOR ENTENDA E ESCLAREÇA OS MISTÉRIOS DA MENTE E DA INTELIGÊNCIA

Caro(a) leitor(a),

O texto a seguir é uma verdadeira “obra de arte” em termos de aprofundamento do estudo da mente e da inteligência. É tudo que um buscador como eu , creio, como você mais procura para tirar as suas dúvidas sobre a existência da humanidade na face da terra. Não chega a ser a resposta para todas as perguntas e questionamentos, mas esclarece e une com muita maestria muitos dos pontos que estavam soltos na minha mente, já que se utiliza de praticamente todas as ciências fazendo as devidas conexões entre esses pontos que não se uniam antes. Então aconselho você a ler o texto completo a seguir e, assim como eu, expandira sua mente para um novo plano evolutivo!

Games melhoram a memória - e outras revelações do maior experimento sobre inteligência já realizado no mundo - BBC News Brasil

OS MISTÉRIOS DA MENTE E A INTELIGÊNCIA

Vai chegar o ponto em que a humanidade atingirá o ponto de fusão completa entre a matéria densa e a matéria sutil, chegando ao que se pode chamar de Inteligência Cósmica.

Por Francisco Claussen

Como dizia Walter Rudolf Hess (1881-1973), da Universidade de Zurique, Prêmio Nobel de Medicina em 1949: “Para estudar a mente, devemos começar pela introspecção observação de nossa própria experiência. Suponha que passemos juntos pelo meu jardim. Pelas reações e comentários que você fizer posso deduzir-lhe os sentimentos e pensamentos, e muitas coisas sobre o seu estado de espírito. Uma rosa amarela pode atrair-lhe atenção. A cor, o perfume e a picada do espinho formam em sua mente uma impressão dessa rosa, a qual se funde logo com impressões passadas. A sua imagem da rosa deveria ser igual à minha, porém elas não se assemelham porque duas mentes jamais são iguais”.

As impressões que recebemos se integram em nossas memórias e assim corporificam a nossa experiência. Nosso comportamento individual é determinado pela associação de impressões novas com a lembrança de experiências anteriores. A mente pode lidar com situações complexas usando a abstração e a associação, e chegar a conclusões lógicas que podem resultar em decisões ou criações. O modo pelo qual as intenções podem ser convertidas com precisão em movimentos hábeis (pense em um cirurgião, um pianista, um atirador) nos dá uma indicação geral da correlação entre o mental e o físico.

Através de experiências com homens e animais, sabemos que certos tipos de comportamento se relacionam com zonas bem definidas do cérebro. Pela estimulação elétrica do tronco encefálico e das áreas adjacentes podemos despertar reações de defesa, vôo e fome; estimulando níveis superiores, o riso compulsivo; pela estimulação do córtex, reações visuais e auditivas, entre outras. São fascinantes os resultados desse tipo de pesquisa no cérebro, mas e preciso compreender que eles mal chegam a constituir um começo. A grande lacuna que devemos transpor em nosso conhecimento da mente continua sendo esta: de que maneira as ações do sistema nervoso se transformam em consciência?

A MENTE E SEUS PROCESSOS SEMPRE FORAM TÃO MISTERIOSOS e fascinantes para o homem quanto o próprio universo. Mas, de um modo relativo, faz pouco tempo que o estudo da mente se tornou um campo da ciência experimental. Com tal abordagem científica, o conhecimento da mente veio a lucrar muito. No século 19, muita coisa se esclareceu sobre a natureza dos processos mentais, as origens da vida emocional e vário tipos de comportamento. E à medida que surgiam noções novas, as teorias antigas e simplistas foram sendo substituídas por indagações cada vez mais complexas.

René Descartes (1596-1650) definiu o pensamento como o conjunto dos processos mentais conscientes: pensamentos intelectuais, sentimentos, sensações e vontade. Achava que a mente trabalhava sempre, até durante o sono. Fez uma divisão completa e total entre o espírito e o corpo, bem mais drástica do que a divisão de Platão (427-347 a.C.), que pelo menos atribui a sensação ao corpo. Além disso, prestou um serviço inestimável por atribuir à mente todos os processos.

Mas o homem ainda pergunta: O que é a mente? Será que os mistérios vão desaparecer quando entendermos o funcionamento da complexa estrutura anatômica que chamamos de sistema nervoso? Ou a mente tem os seus próprios segredos?

A concepção que os antigos gregos tinham da mente era bem simples: ela era o órgão que se relacionava apenas com as idéias puras. Platão negava, do modo mais explícito, haver alguma ligação com a sensação. A seu ver, a sensação era a função do corpo inferior, sendo este destituído de qualquer atividade intelectual.

Já Aristóteles (384-322 a.C.) respeitava bem mais o corpo, achando que ele era governado por poderes psíquicos dignos da atenção dos filósofos, poderes relacionados com movimento e sensação. Tão precárias eram suas noções de anatomia que, para ele, a sede física da vida mental era o coração, e não o cérebro, não obstante ter antecipado o pensamento moderno com a crença de que a matéria viva era misteriosamente animada por poderes psíquicos.

OS PRIMEIROS CRISTÃOS ADMIRAVAM MAIS PLATÃO do que Aristóteles, e em toda a Idade Média considerava-se que a alma pertencia a Deus e o corpo, a Satanás. Apenas a alma podia conhecer a verdade de Deus. Apenas dois mil anos depois de Aristóteles, outro grande filósofo reabriu a velha questão com um novo espírito de investigação.

Foi o francês René Descartes. A mente ativa de Descartes abarcou todos os ramos do conhecimento de seu tempo: matemática, fisiologia, mecânica e filosofia. Cristão devoto, sua filosofia foi uma tentativa corajosa de reconciliar os métodos científicos com a fé em Deus, harmonizar a teoria mecanicista do mundo com a aceitação de que este era criação de Deus. Procurou usar métodos científicos para provar verdades sobre o espírito e a matéria. Daí sua famosa máxima: “Penso, logo existo”; isto é, a existência do espírito não era uma doutrina revelada, mas fato fácil de observar.

O conhecimento da mente era ainda concebido como uma acumulação de “idéias” estáticas, embora as sensações já estivessem incluídas como parte dele. Era como se a mente fosse vista como um depósito que, de repente, era encontrado repleto de todos os tipos possíveis de objetos. Há dois mil anos, o estadista e filósofo romano Lúcio Sêneca (3 a.C.-65 d.C.) declarou: “O homem é um animal que pensa”. E ao longo dos tempos os psicólogos continuaram a indagar: O que é o pensamento?

O médico alemão que se fez filósofo, Wilhelm Wundt (1832-1920), usando suas técnicas e métodos, expandiu suas investigações para muito além do campo da sensação pura. Começou a identificar uma série de funções mentais bem semelhantes àquelas em que o homem baseara suas primeiras alegações de superioridade sobre outros animais.

A MEMÓRIA E A APRENDIZAGEM SUSCITAM DIFICULDADES semelhantes. Os animais podem aprender muita coisa. O comportamento de alguns animais superiores, como os elefantes, por exemplo, mostra que usam a lembrança do que aprenderam para ajudar a resolver problemas posteriores.

Pensamento, consciência, memória e aprendizagem são termos diversos para indicar que a vida mental inclui significação, conhecimento. Fica, assim, clara a superioridade do homem sobre os animais. Desde que entendamos um conceito, podemos generalizar. Podemos evocá-lo repentinamente, como na memória, e com base nele fazer previsões com o uso da imaginação e de técnicas novas ainda em desenvolvimento, e nisso está a nossa maior esperança de obter o conhecimento pleno dos processos mentais.

Anatomistas e fisiologistas têm revelado a estrutura detalhada do sistema nervoso e os meios pelos quais funciona. Médicos estudam os efeitos de lesões e doenças, e, de suas observações sobre a mente anormal, chegam a conclusões sobre a mente normal. Psicólogos realizam experimentos sobre o comportamento e a percepção de homens e animais. Constroem-se máquinas eletrônicas para imitar, até onde é possível, os processos de pensamento, e com eles já aprendemos alguma coisa quanto à aprendizagem e memória. Com os sistemas mais complexos que quase diariamente estão sendo inventados, iremos certamente aprender mais sobre outras funções superiores desse fascinante fator da vida, que é a mente.

Conviria, nesse particular, dizer mais alguma coisa sobre a inteligência.. É muito comum nos referirmos a ela, mas nem sempre os significados atribuídos ao termo são idênticos e, às vezes, até um pouco contraditórios. É preciso que se entenda que a inteligência não é uma coisa, como uma mesa, uma cadeira, um animal, mas sim um conceito que só pode ser compreendido dentro de um conjunto global de fatos e teorias a ela associadas.

AS ORIGENS DESSA DEFINIÇÃO SE PERDEM NA ANTIGUIDADE. Sabe-se que Platão e Aristóteles já tinham formulado uma distinção entre os aspectos conhecidos da natureza humana, relacionada com pensamento, solução de problemas, meditação, raciocínio, reflexão, e ainda sobre categorias dos comportamentos humanos relacionados com emoções, sentimentos, paixões e vontade; até que Cícero, mais tarde, inventou o termo inteligência, que ainda usamos freqüentemente para nos referirmos aos poderes cognitivos e capacidades intelectuais de uma pessoa.

No século passado, a noção de inteligência foi aperfeiçoada pelo filósofo Herbert Spencer (1820-1903), pelo estatístico Karl Pearsone, e pelo primo de Darwin, gênio mundialmente conhecido, Sir Francis Galton. Eles introduziram as noções de mensuração, evolução e genética experimental no estudo da inteligência. Pode-se acrescentar a essas contribuições as dos fisiologistas, particularmente a do trabalho clínico de Hughlings Jackson, as investigações experimentais de Sherrington e os estudos microscópicos do cérebro, realizados por Campbell, Brodman e outros. Esses trabalhos fisiológicos serviram para confirmar a teoria de Herbert Spencer, de uma hierarquia das funções neurais em que um tipo básico de atividades se desenvolve através de estágios regularmente definidos, em formas mais altas e mais especializadas.

Descobriu-se que o cérebro sempre atua como um todo. Sua atividade, nas palavras de Sherrington, é padronizada e não indiferentemente difusa; a própria padronização sempre envolve e implica em integração, e o conhecimento cognitivo é governado por amplas áreas do cérebro e não por pequenas áreas especializadas. A ação de massa foi identificada teoricamente com a inteligência, por muitos autores.

A EVOLUÇÃO DA HUMANIDADE EM SEU CAMINHO PARA A ETERNIDADE vem se tornando possível com a agregação dessa energia cósmica ao último elo mais aperfeiçoado do gênero mamífero, que se desenvolveu durante milhões de anos em nosso planeta. Essa situação deverá levar a humanidade, progressivamente, a um estágio de aperfeiçoamento da sua matéria densa, quando ocorreria a fusão completa da matéria densa com a matéria sutil – a Inteligência Cósmica.

Ao ser atingido esse estágio, assim entendemos, tudo retornaria à pura e simples energia da qual surgiu o universo em que vivemos. Mas para que isso aconteça, ainda decorrerão bilhões de anos, e o que a ciência hoje já chama de crush-bang (o grande esmagamento).

O fluido energético, a Inteligência Cósmica de que fomos dotados há, provavelmente, cerca de 600 mil anos – quando a natureza encontrou o tipo ideal para estabelecer e desenvolver o ser humano que veio se formando durante milhões de anos em nosso planeta – aperfeiçoou a nossa vida intelectual, como uma virtude que sintetiza, de um modo excelente, a disposição duradoura adquirida pela repetição freqüente de um ato. À medida que essas primeiras virtudes intelectuais começaram a determinar e aperfeiçoar a atividade própria de nossa inteligência – no que diz respeito aos objetos que lhes eram imediatamente conaturais – a sabedoria foi aperfeiçoando nossa atividade intelectual naquilo que ela possui de mais puro e mais elevado.

Por natureza, há no homem o desejo pelo conhecimento, e esse desejo pode ser satisfeito, em, parte, pelas ciências ou outras formas de conhecimento intuitivo. Somente a virtude da sabedoria, entretanto, satisfaz plenamente a este anseio profundo do homem. A contemplação, por exemplo, nada mais é do que o ato excelente produzido por essa virtude. As demonstrações científicas ou as que procedem desse hábito, são normalmente mais rigorosas e mais corretas do que aquelas que derivam das demais ciências. Os julgamentos, obras do hábito da sabedoria, são, os mais penetrantes, os mais exatos.

Pode-se mesmo caracterizar o modo que a sabedoria imprime a todos os seus conhecimentos como uma maneira de unidade na perfeição. Este modo de unidade é, de fato, a feição própria de uma atividade intelectual perfeita, que tende a reduzir o mais possível as imperfeições de nossas atividades de conhecimento, sempre fragmentárias e sucessivas.

(Extraído da revista Sexto Sentido 54, páginas 20-24)

Fonte: IPPB
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: BUSCADOR ENTENDA E ESCLAREÇA OS MISTÉRIOS DA MENTE E DA INTELIGÊNCIA

POLÍTICA: PROTESTOS CONTRA GOVERNO DE BELARUS SÃO FINANCIADOS PELOS EUA, DIZ RÚSSIA

Rússia diz que EUA financiam protestos contra governo de Belarus

Chefe da inteligência russa afirma que norte-americanos enviaram cerca de US$ 20 milhões a ONGs antigoverno do país

INTERNACIONAL

Do R7

 

Eleições tiveram suspeita de fraude em Belarus

O chefe do Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia (SVR, na sigla em russo), Sergey Narishkin, acusou nesta quarta-feira (16) os Estados Unidos de patrocinarem com dezenas de milhões de dólares os protestos contra o governo de Belarus.

“Embora no plano público Washington tente se manter nas sombras, após o início dos protestos de rua em massa, os americanos aumentaram várias vezes o financiamento das forças anti-governamentais de Belarus”, disse Narishkin, em comunicado divulgado por agências de notícias russas.

Narishkin estimou esse financiamento em “várias dezenas de milhões de dólares” e lembrou que “o Ocidente começou a preparar os protestos muito antes das eleições em Belarus”.

“Só entre 2019 e o início de 2020, eles enviaram cerca de US$ 20 milhões por meio de ONGs a organizações antigovernamentais”, disse ele.

Em sua opinião, os EUA tentaram organizar uma “nova revolução das cores” e um “golpe inconstitucional”, mas que seus objetivos nada têm em comum com os interesses de Belarus.

“De acordo com os dados do SVR, os Estados Unidos desempenham um papel fundamental nos eventos atuais em Belarus”, afirmou.

Narishkin assegurou que Washington patrocinou a líder da oposição que está exilada, Svetlana Tijanovskaya, e outros opositores que ele apresenta como “líderes populares” e futuros líderes de um “Belarus democrática”.

Com o apoio da União Europeia (UE), os EUA pedem que seja exercida uma pressão sobre Minsk para que obrigue o presidente Aleksandr Lukashenko, a abrir um diálogo com o Conselho de Coordenação da oposição para a transferência de poder.

Lukashenko, que durante a campanha eleitoral acusou o Kremlin de tentar desestabilizar a situação na ex-república soviética, em meados de agosto acusou os Estados Unidos de estarem à frente dos protestos antigovernamentais e os membros da UE de jogarem seu jogo.

Na última segunda-feira, Aleksandr Lukashenko recebeu, durante encontro em Sochi, o apoio do presidente da Rússia, Vladimir Putin, que lhe prometeu US$ 1,5 bilhão em empréstimos e o incentivou a reformar a Constituição para sair da atual crise.

Fonte: R7 

Continuar lendo POLÍTICA: PROTESTOS CONTRA GOVERNO DE BELARUS SÃO FINANCIADOS PELOS EUA, DIZ RÚSSIA

DELEGADO DO PF É ESCOLHIDO PELO MINISTRO DA JUSTIÇA PARA SER O NOVO DIRETOR DE INTELIGÊNCIA DA SEOPI

Ministro da Justiça escolhe delegado da PF para comandar órgão de inteligência

Por Igor Gadelha e Thais Arbex, CNN  

Atualizado 05 de agosto de 2020 às 04:29

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, escolheu o delegado da Polícia Federal Thiago Marcatonio para ser o novo diretor de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) da pasta.

Ele entrará no lugar do coronel Gilson Libório Mendes, exonerado do cargo nesta terça-feira (4), após o órgão ser acusado de produzir dossiês contra servidores que fazem oposição ao governo Jair Bolsonaro

O afastamento havia sido informado pelo ministério em nota divulgada na noite desta segunda-feira, na qual a pasta anunciou a instauração de uma sindicância para investigar a denúncia sobre a produção de dossiês.

decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (5). Até então, o delegado da PF vinha atuando como assessor especial do ministro da Justiça.

Também nesta terça foi definido que Mendonça vai falar ao Congresso na próxima sexta-feira (7), às 15h. O ministro da Justiça vai se reunir por videoconferência com os integrantes da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência, atendendo a requerimentos apresentados pelos deputados Carlos Zarattini (PT-SP) e José Guimarães (PT-CE) e pelos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Jaques Wagner (PT-BA).

O presidente do colegiado, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), determinou que a reunião seja fechada, apenas com a participação dos integrantes da comissão.

Fonte: CNN

Continuar lendo DELEGADO DO PF É ESCOLHIDO PELO MINISTRO DA JUSTIÇA PARA SER O NOVO DIRETOR DE INTELIGÊNCIA DA SEOPI

EDITORIAL: A BELA LIÇÃO QUE ALEXANDRE GARCIA DEU A TODOS OS BRASILEIROS COM O EXEMPLO DOS JAPONESES

Caro(a) leitor(a),

Foi muito bom o presidente ter visto e publicado o vídeo de Alexandre Garcia que viralizou nas redes sociais. Algo precisa acontecer de diferente para acordar o brasileiro. Fazer ele sair do berço esplendido, arregaçar as mangas e começar a produzir o que deixou de produzir nos últimos 30 anos. Esse vídeo precisa mexer com os brios de todo os brasileiros, pois só assim conseguiremos sair desse marasmo!

Fonte:

Continuar lendo EDITORIAL: A BELA LIÇÃO QUE ALEXANDRE GARCIA DEU A TODOS OS BRASILEIROS COM O EXEMPLO DOS JAPONESES

BOAS NOTÍCIAS: BRASILEIRA RECÉM-FORMADA CRIA PRODUTO QUE LIMPA AGROTÓXICO DE ALIMENTOS

Na nossa coluna BOAS NOTÍCIAS deste sábado temos mais uma cabeça pensante brasileira colaborando com ciência, criando produto que tira agrotóxico de alimentos. Uma garota recém-formada em Gestão de negócios e inovação da Faculdade de tecnologia de São Paulo. Veja a reportagem completa e saiba qual é o produto! 

Recém-formada brasileira cria produto que tira agrotóxicos de alimentos

Taynara Alves - Fotos: CPS e Facebook

Taynara Alves – Fotos: CPS e Facebook

Uma aluna recém-formada criou um produto líquido para limpar e remover agrotóxicos de alimentos como vegetais e frutas.

Taynara Alves acabou de se formar em Gestão de Negócios e Inovação da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Sebrae.

Ela conta que o diferencial do produto, conhecido como Puro e Bom, é que ele permite uma limpeza profunda, capaz de remover até 85% dos metais pesados e substâncias químicas de agrotóxicos, que podem ser prejudiciais à saúde.

A ideia surgiu durante as aulas e foi apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Taynara.

Prêmio

O produto venceu o concurso da aceleradora Start Ambev, do qual participaram 2.400 mil inscritos.

Taynara ficou entre os 15 candidatos selecionados, recebeu um aporte de R$ 50 mil para investir no projeto e ganhou uma mentoria da aceleradora prevista para começar na segunda quinzena de novembro.

A empreendedora já participa do Vai Tech, programa de aceleração da Prefeitura de São Paulo que orienta os participantes sobre como viabilizar os projetos no mercado.

Para a ex-aluna da Fatec, a jornada de pesquisa é contínua porque a cada novo agrotóxico lançado no mercado, o produto Puro e Bom passa por uma nova revisão técnica para continuar sendo eficaz na remoção de substâncias químicas.

Vendas

A solução começou a ser vendida para pequenas e microempresas do segmento de alimentação saudável, como fabricantes de papinhas, refeições fitness, hortifrútis e alguns restaurantes.

As embalagens de um litro custam R$ 60.

Segundo a empreendedora, uma das vantagens é o custo benefício do produto, que tem um valor intermediário entre o alimento orgânico e o convencional.

E ela alerta que muita gente higieniza de forma errada os alimentos.

“A dificuldade que enfrentamos é concorrer com a mentalidade do brasileiro que confia muito nas soluções caseiras. O uso do vinagre e bicarbonato de sódio está muito enraizado na nossa cultura, apesar de essas substâncias não eliminarem os compostos químicos”, afirma Alves.

O negócio

Para produzir o Puro e Bom, Taynara criou a startup InQuímica quando fez a graduação em Química na Universidade Federal do ABC.

“Cansei de ver pesquisadores brilhantes fazendo trabalhos incríveis para colocar suas publicações em bibliotecas. Falta uma visão de gestão e empreendedorismo capaz de levar as boas ideias ao mercado”, diz.

No vídeo abaixo ela explica a criação e como age:

Com informações da AgênciaSPNotícias

Fonte: Boas Notícias

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: BRASILEIRA RECÉM-FORMADA CRIA PRODUTO QUE LIMPA AGROTÓXICO DE ALIMENTOS

BOAS NOTÍCIAS: FONOAUDIÓLOGA AMERICANA ENSINA CÃO A FALAR. INCRÍVEL!

TEXTO

Fonoaudióloga ensina cão a ‘falar’: já aprendeu 29 palavras. Assista

Foto: reprodução Instagram

Foto: reprodução Instagram

Uma fonoaudióloga está ensinando sua cachorrinha, de nome Stella, a ‘falar’ com ajuda de placas de som. Stella, de 18 meses, é uma mistura das raças Catahoula e Blue Heeler e já conhece 29 palavras diferentes. Com isso, começou a formar frases completas.

A notável capacidade da cachorra é resultado de muito treinamento da sua dona, Christina Hunger, que mora em San Diego, Califórnia e usa a terapia da fala, Comunicação Aumentativa e Alternativa (AAC) aliada a psicologia animal.

Ela desenvolveu um sistema de botões para permitir que Stella “converse” e se comunique. Os botões do tamanho de uma pata, emitem uma voz humana quando são pressionados.

O condicionamento permite que Stella pise na “palavra” que ela quer dizer ao seu dono e que forme pensamentos completos.

“Estou em constante espanto e choque”, disse Christina à Revista People.

“Todo dia ela diz algo mais legal do que disse no dia anterior.”

Stella usa palavras como “andar”, “venha” e “feliz” para dizer ao dono o que ela quer.

A fono conta que a cachorrinha fica animada quando consegue expressar uma nova palavra.

“Ela adora dizer ‘praia’”.

Botão quebrado

Um episódio curioso foi quando Stella percebeu que um dos botões das placas estava quebrado.

“Imediatamente depois, Stella disse, ‘olha’, então caminhou até o botão quebrado e … mantinha o botão apertado e nos olhava, como se disse, olha…está quebrado, descreve Hunger no Instagram.

Esse incidente ocorreu em agosto e agora, meses depois, a cadelinha já é capaz de comunicar frases totalmente formadas.

Hunger disse que Stella pode combinar até cinco palavras ao mesmo tempo.

“A maneira como ela usa as palavras para se comunicar e as palavras que combina é semelhante a uma criança de 2 anos”, explica.

Próximos passos

Christina diz que agora quer mostrar mais sobre os animais.

Ela continua ensinando novas palavras a Stella e aprendendo mais sobre o que os animais querem e precisam.

“Penso em como os cães são importantes para os seres humanos”, revela.

A fono, de 26 anos, mostra o progresso da aprendiz na página do Instagram e no blog, Hunger for Words.

Assista a baixo Stella pedindo pra passear, ao pressionar os botões “all done”, “look outside” e “park outside”.

Ela informou à dona que estava pronta pra passear!

Com informações da Aol/People

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: FONOAUDIÓLOGA AMERICANA ENSINA CÃO A FALAR. INCRÍVEL!

FILOSOFIA: O QUE É UMA PESSOA INTELIGENTE?, POR LUIZ FELIPE PONDÉ

O que é uma pessoa inteligente?, É a pergunta inteligente para o filósofo Luiz Felipe Pondé responder na nossa coluna FILOSOFIA desta quinta-feira. Assista ao vídeo da mini-palestra onde ele avalia com muitas ponderações e define no final com uma só palavra!

Fonte:

Continuar lendo FILOSOFIA: O QUE É UMA PESSOA INTELIGENTE?, POR LUIZ FELIPE PONDÉ

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar