Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!

DICA DE LIVRO: A ARTE DA GUERRA DE SUN TZU

Na sessão DICA DE LIVRO desta quarta-feira estou indicando um livro que todo ser humano deveria ler independente de crença, religião, sexo ou raça. Um verdadeira lição de vida e espiritualidade. Escrito há 500 anos antes de cristo resiste ao tempo e se torna atual até os nossos dias! É show!

SINOPSE:

O que faz de um tratado militar, escrito por volta de 500 a.C., manter-se atual a ponto de ser publicado praticamente no mundo todo até os dias de hoje? Você verá que, em A arte da guerra, as estratégias transmitidas pelo general chinês Sun Tzu carregam um profundo conhecimento da natureza humana. Elas transcendem os limites dos campos de batalha e alcançam o contexto das pequenas ou grandes lutas cotidianas, sejam em ambientes competitivos – como os do mundo corporativo – sejam nos desafios internos, em que temos de encarar nossas próprias dificuldades. Se você não conhece a si mesmo nem o inimigo, sucumbirá a todas as batalhas. Sun Tzu

Fonte: Amazon

Continuar lendo DICA DE LIVRO: A ARTE DA GUERRA DE SUN TZU

PONTO DE VISTA: O CONHECIMENTO É O MAIOR ATALHO PARA A VITÓRIA

A arte da guerra, de Sun Tzu pode ter uma lição embutida para o momento atual

Caro(a) leitor(a),

Em tempos de polarização e judicialização da política, uma tendência global, é incrível, mas as pessoas estão cada vez mais cegas. Cada vez mais ignorantes, já que se deixam levar pelo emocional ao invés de usar os neorônios, numa hora tão delicada, para refletir sobre toda essa situação.

Escritos muito antigos como o livro atribuído a Sun Tzu (544-496 a.C.), A Arte da Guerra”, um tratado filosófico-militar no qual reuniu estratégias e táticas militares para vencer o inimigo, ensinava que é preciso conhecer o inimigo a fundo para vencer uma guerra. Ele próprio um general, estrategista de guerra e filósofo chinês. 

Quem interpretou e entendeu a enigmática frase de Jesus Cristo: “conhecereis a verdade e ela vos libertará, sabe que Sun Tsu dizia a mesma coisa com outras palavras, ou seja, ao conhecer o inimigo tomarás “conhecimento” da “verdade” sobre ele e saberás os seus pontos fracos para conseguir a vitória e consequentemente se “libertar” do julgo opressor, se estiver defendendo sua cidadela.

Numa guerra ou num combate, seja ele qual for, os oponentes não podem ser guiados por sentimentos de ódio, rancor ou inveja. Se faz necessário e imperativo ter acima de tudo a razão como guia e só assim tomar decisões assertivas. Por isso o inimigo precisa ser estudado com profundeza. Mas o que ocorre hoje em dia é o contrário. Nenhum dos dois lados quer ler, conhecer e aprender sobre o outro. Dessa forma se torna muito fácil uma terceira via, entrar sorrateiramente no meio desse turbilhão de ódio e rancor e, com sabedoria, tendo estudado os pontos fracos de um do outro e conquistar o espaço que existe e os dois não estão visualizando. E assim essa terceira via pode terminar derrotando os dois que “se achavam”, embriagados pela “soberba”, e poderão terminar no abraço dos afogados e desesperados.

Continuar lendo PONTO DE VISTA: O CONHECIMENTO É O MAIOR ATALHO PARA A VITÓRIA

CANDIDATO DA ESQUERDA GABRIEL BORIC FOI ELEITO PRESIDENTE DO CHILE

Gabriel Boric é eleito presidente do Chile

Candidato da esquerda derrotou o conservador José Antonio Kast, que o cumprimentou pela vitória nas urnas

INTERNACIONAL

Do R7

Gabriel Boric é o novo presidente do Chile

CLAUDIO REYES/AFP – 19.12.2021

Gabriel Boric foi eleito neste domingo (19) o novo presidente do Chile. O deputado de esquerda representante do Partido Convergência Social já recebeu o telefonema de seu adversário, o advogado ultraconservador José Antonio Kast, cumprimentando-o pela vitória nas urnas. A votação em segundo turno foi realizada a partir das 8h deste domingo.

“Acabo de falar com Gabriel Boric e o felicitei por seu grande triunfo. Desde hoje ele é o presidente eleito do Chile, merece todo o nosso respeito e colaboração construtiva. O Chile está sempre em primeiro lugar”, escreveu Kast nas redes sociais.

Às 20h, com 45.362 urnas apuradas, o que corresponde a 96,74% do total, de 46.887, Boric tinha 55,81% dos votos, contra 44,19% de Kast.

No primeiro turno, disputado há pouco menos de um mês, o advogado Kast, de 55 anos, foi o primeiro colocado, com 27,91% dos votos, enquanto o deputado Boric, 35, obteve 25,83%.

O resultado do segundo turno também pode ser decisivo para a simples adoção da futura Constituição chilena, que está em elaboração e deve ser finalizada entre abril e julho de 2022. A tendência é que o governo Boric abrace com mais facilidade as novas leis, elaboradas por um grupo composto mais de independentes que de políticos mais tradicionais.

Durante o dia, os holofotes se voltaram para o próprio território chileno, onde não faltaram críticas aos problemas no transporte público e engarrafamentos, que atrapalharam a vida dos eleitores. Nas comunas de Puente Alto, Maipú, La Florida e San Miguel, todas na região metropolitana de Santiago, foi possível encontrar pessoas que esperavam até duas horas para conseguir condução e se deslocar para o local de votação.

“É o cúmulo que nós, idosos, tenhamos que esperar tanto tempo no sol, com este calor”, disse à Agência Efe a aposentada Mariana Vargas, que vive no bairro de La Reina, na cidade de Santiago. Integrantes das campanhas dos dois candidatos também se queixaram da situação e incentivaram eleitores a dar carona a vizinhos, com o objetivo de garantir mais um voto no pleito, que foi marcado pelo equilíbrio nas pesquisas.

Por volta do meio-dia, prefeituras disponibilizaram veículos oficiais para transportar moradores para os locais de votação. Boric chegou a afirmar que o governo do presidente Sebastián Piñera buscava “boicotar” as eleições. A ministra dos Transportes, Gloria Hutt, reconheceu o problema ao longo do dia e garantiu que estava fazendo “todos os esforços” para resolvê-lo o mais rapidamente possível.

“Há episódios de congestionamentos em vias importantes, e isso afeta a fluidez dos trajetos do transporte público, quando não há via exclusiva. Com isso, os tempos de espera aumentaram”, admitiu a titular da pasta, em entrevista coletiva.

O porta-voz do governo, Jaime Bellolio, por sua vez, negou acusações da existência de uma estratégia em prática para que as pessoas não votassem no segundo turno. “Temos cerca de 75% mais ônibus circulando do que em um domingo normal”, disse o representante do Executivo.

Continuar lendo CANDIDATO DA ESQUERDA GABRIEL BORIC FOI ELEITO PRESIDENTE DO CHILE

PONTO DE VISTA: PEC DA PRISÃO EM 2ª INSTÂNCIA CORRIGE ERRO GROTESCO DO STF E TRÁS NOVA ESPERANÇA DE JUSTIÇA PARA OS BRASILEIROS

Caro(a) leitor(a),

A PEC da prisão em segunda instância é um projeto que estava parado no Congresso Nacional há mais de 2 anos, desde que o projeto das 10 medidas contra a corrupção de Sérgio Moro foi quase totalmente desfigurado na Câmara dos deputados e que o STF em uma votação esdruxula voltou atrás e decidiu que qualquer cidadão só poderia ser preso depois do trânsito em julgado e sentença final, ocasião em que colocou nas ruas o bandido chamado Lula e mais uma corja de outros bandidos junto com ele. Agora o Deputado Marcel Van Hatten, depois de grande pressão conseguiu colocar em pauta o importantíssimo projeto, que se aprovado será uma vitória do povo brasileiro sobre o Establishment. Infelizmente não vai alcançar a descondenação do meliante Lula, mas pelo menos vai trazer de volta à prisão todos aqueles que ainda não conseguiram-na e vai colocar na cadeia todos aqueles que estão em vias de uma condenação em 2ª Instância. Vamos torcer para essa votação ocorrer o mais breve possível.

Marcel obtém importante vitória e, enfim, PEC da prisão em segunda instância será votada na Câmara (veja o vídeo)

Reprodução TV Câmara

A pressão do deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) finalmente surtiu efeito e nem mesmo os parlamentares esquerdopatas de oposição conseguiram mais obstruir a votação da Proposta de Emenda Constitucional que pode determinar a volta definitiva da prisão em segunda instância no Brasil.

O tema, analisado em comissão especial, é extremamente polêmico e dividiu o Supremo Tribunal Federal, na apertada decisão de novembro de 2019, por 6 votos a 5, que determinou o fim de prisões de réus condenados, mas com o processo ainda sem o trânsito em julgado.

“Acho que é muito bom lembrar porque acaba com qualquer argumento de cláusula pétrea, porque se fosse cláusula pétrea, como poderiam cinco ministros do STF votar contra? Aliás, tendo inclusive o próprio Supremo se pronunciado, reiteradas e divergentes vezes, ao longo de sua história, acerca deste tema que vem agora para a Câmara deliberar e o Congresso Nacional tratar. Quero deixar claro que este acordo vai ser feito para votar na semana que vem”, disse o parlamentar.

E completou:

“Esta casa precisa se pronunciar sobre um tema que é da sociedade. Haja visto que já foram dois anos e não podemos deixar de lembrar que a cada dia de atraso nessa discussão significa um criminoso potencialmente solto e um bandido que poderia estar preso, andando pelas ruas, sem falar naqueles que já foram condenados lá atrás e que foram soltos e que hoje, se não poderão voltar a ser presos, pelo menos deixarão de debochar do cidadão brasileiro com uma decisão profundamente equivocada do Supremo Tribunal Federal lá atrás”.

O deputado do Rio Grande do Sul, sem dúvida, se referiu ao ‘ex-quadrilheiro’(?) que ainda sonha em voltar à presidência da República e ainda aos muitos criminosos perigosos que têm sido libertado por meio de hábeas corpus deferidos pelo mesmo STF, de forma arbitrária e contra todos as evidências, como, por exemplo, os chefões do PCC, André do Rap e, mais recentemente, o Gordão do PCC.

Veja o vídeo:

Continuar lendo PONTO DE VISTA: PEC DA PRISÃO EM 2ª INSTÂNCIA CORRIGE ERRO GROTESCO DO STF E TRÁS NOVA ESPERANÇA DE JUSTIÇA PARA OS BRASILEIROS

SECRETÁRIO DE ESTADO AMERICANO AFIRMA QUE RESULTADO DAS ELEIÇÕES NA VENEZUELA NÃO REFLETE A VONTADE DO POVO

Eleições na Venezuela ‘não refletem a vontade do povo’, apontam EUA

Secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, não reconheceu a vitória política dos apoiadores de Nicolás Maduro

INTERNACIONAL

por AFP

Eleições na Venezuela 'não refletem a vontade do povo', apontam EUA - Notícias - R7 InternacionalAnthony Blinken não legitimou resultados eleitorais venezuelanosKEN CEDENO / POOL VIA AFP – 1.7.2021

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, afirmou nesta segunda-feira (22) que as eleições regionais de domingo (21) na Venezuela, nas quais o chavismo do presidente Nicolás Maduro venceu por esmagadora maioria, “não refletem a vontade do povo venezuelano”.”As detenções arbitrárias e o assédio de atores políticos e da sociedade civil, a criminalização das atividades dos partidos da oposição, a proibição de candidatos em todo o espectro político, a manipulação das listas de eleitores, a censura persistente dos meios de comunicação e outras táticas autoritárias sufocaram praticamente o pluralismo político e garantiram que as eleições não refletissem a vontade do povo venezuelano”, afirmou Blinken em um comunicado.

O chavismo no poder venceu no principal município, Caracas, e elegeu 18 de 23 governadores nas eleições regionais venezuelanas, nas quais a oposição voltou a participar depois de anos de boicote e pedidos de abstenção.

“O regime de Maduro privou os venezuelanos uma vez mais de seu direito de participar de um processo eleitoral livre e justo”, afirmou Blinken.

Os Estados Unidos e outros 50 países não reconhecem a reeleição de Maduro em 2018 por considerá-la fraudulenta.

“Temeroso da voz e do voto dos venezuelanos, o regime distorceu enormemente o processo para determinar o resultado desta eleição muito antes de que as cédulas fossem emitidas”, insistiu o secretário de Estado.

Continuar lendo SECRETÁRIO DE ESTADO AMERICANO AFIRMA QUE RESULTADO DAS ELEIÇÕES NA VENEZUELA NÃO REFLETE A VONTADE DO POVO

BOAS NOTÍCIAS: UMA LINDA HOMENAGEM DO HEPTACAMPEÃO LEWIS HAMILTON PARA O TRICAMPEÃO AYRTON SENNA

Uma homenagem linda, humilde e maravilhosa do hepta campeão mundial de Formula 1, Lewis Hamilton ao incomparável e imortal Ayrton Senna da Silva após vencer o Grande Prêmio do Brasil, no autódromo de Interlagos, empunhando a bandeira do Brasil e postando no seu Instagram uma foto montagem onde os dois caminham juntos pelo autódromo. Veja o artigo completo a seguir e conheça os detalhes. 

Lewis Hamilton levanta bandeira do Brasil e dedica vitória a Senna

Que cena linda! Que amor Lewis Hamilton tem por Ayrton Senna. O piloto britânico fez uma homenagem a Senna e levantou a bandeira do Brasil neste domingo, após uma vitória épica no Grande Prêmio de São Paulo de Fórmula 1. (video abaixo)

Sim, Lewis Hamilton comemorou a vitória no GP de São Paulo repetindo o tradicional gesto de Ayrton Senna e, claro, emocionou a torcida.

Era exatamente assim que Ayrton fazia toda vez que vencia, um gesto eternizado pelo piloto brasileiro nos anos 1980 e 1990.

E neste domingo, depois da vitória, o britânico além de dedicar a conquista a Senna, ainda publicou nas redes sociais dele a foto com a bandeira brasileira e escreveu: “Por Senna. Pelo Brasil”, em inglês. (veja abaixo)

Montagem com Ayrton Senna

heptacampeão mundial Lewis Hamilton jamais escondeu a admiração por Ayrton Senna.

Dois dias antes do GP Brasil de F1, Hamilton postou uma montagem no Instagram na qual aparece abraçado com Ayrton Senna no autódromo de Interlagos.

A montagem foi feita pela e equipe da Mercedes. Ele escreveu no post: “Minha maior inspiração” […] “Que o legado dele continue para sempre” (veja abaixo)

Vitória no Brasil

Neste domingo, Hamilton largou em décimo lugar, após sofrer uma punição e deixou para trás o principal rival da temporada, Max Verstappen.

Depois da vitória, o piloto britânico ainda mostrou o capacete utilizado especialmente para a etapa de São Paulo, onde também fez questão de homenagear Senna e o Brasil.

Revigorado com o triunfo, ele não escondeu a satisfação pelo resultado.

“Viemos para uma pista na qual perdemos em 2019, antecipamos que faria muito calor mas, por alguma razão, o carro funcionou de forma fantástica. Todo fim de semana eu tento colocar o carro no lugar em que desejamos, só que eles (RBR) estavam muito à frente na última etapa (no México). Fiquei muito surpreso porque estávamos tão perto e quando eu passei Max, eu ainda tinha pneus, então continuei. Foi estranho, não é normal mesmo. Mas estou feliz – disse.

A montagem de Hamilton abraçado com Senna em Interlagos:

Lewis Hamilton com a bandeira do Brasil em Interlagos - Foto: Lance
Lewis Hamilton com a bandeira do Brasil em Interlagos – Foto: Lance

Com informações do R7, GE e SNB

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: UMA LINDA HOMENAGEM DO HEPTACAMPEÃO LEWIS HAMILTON PARA O TRICAMPEÃO AYRTON SENNA

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: ESTAR NA PLENITUDE DO AGORA É ESSÊNCIAL PARA O EQUILÍBRIO PERFEITO CORPO-MENTE-ESPÍRITO

Nesta quinta-feira estamos publicando mais um texto extraordinário sobre o poder do Agora para que você tenha uma melhor noção sobre a importância desse estado de espírito. Estar na plenitude do Agora através da meditação é o melhor, ou talvez, o único caminho para se alcançar o equilíbrio perfeito Corpo-Mente-Espírito. Então, sem mais delongas convido você a ler o texto completo a seguir e expandir a sua consciência.

A Plenitude do Agora

Despertando

O Pão Nosso de Cada dia  

Mantenha-se firme e convicto, fortaleça sua aliança com Deus, e avance confiante da Vitória. Adversidades existem para serem superadas, elas são oportunidades que a vida apresenta, com uma intenção: aprimorar e aflorar potencialidades internas que permaneciam submersas, e com a presença dos obstáculos elas emergem. E te afirmo, você possui muitas a serem exploradas!

Assim, encare-as com otimismo e autoconfiança para desbravar este cenário esplendoroso que surge. Conserve a serenidade e os pensamentos positivos, afirme para si que já é vencedor e prossiga! Elimine as dúvidas e as incertezas, tenha convicção da conquista e faça o seu melhor, exerça a autoridade e a grandiosidade que Deus te concedeu!

Permaneça acompanhado por pessoas perseverantes, afirmativas e otimistas, isso potencializa suas forças! Observe como é em uma colmeia, uma abelha ajudando e incentivando a outra, e assim, obterem um resultado comum, no caso a produção do mel e a manutenção do enxame. Já no caso dos serem humanos, que possuem objetivos particulares, é a concretização dos projetos de cada pessoa, e isto é muito importante, é uma maneira inteligente de se motivarem mutuamente. É a natureza nos ensinando que a união e o incentivo, são fundamentais para a evolução de todos.

Mesmo com suas capacidades, tenha a presença de Deus a frente da sua vida, ele é a essência primeira de tudo, a nascente  das ideias, a fonte de inspiração, a renovação diária, o equilíbrio da serenidade, a paz da harmonia, a voz do seu coração, o caminho para a superação e o pódio da Vitória. Deus é simplesmente tudo em sua vida, ele é quem te sustenta e o impulsiona a prosseguir, portanto, aproveite ao máximo essa chance incrível que recebeu hoje, viva o AGORA em plenitude, hoje é o melhor momento da vida!

Autor: Reginaldo Rodrigues
Email: r3.reginaldorodrigues.7@gmail.com

 

Todas as  poesias e publicações são de autoria de Dom Romani (salvo quando dado o crédito a terceiros). É uma honra e um prazer que republiquem meus poemas, poesias e textos, desde de que com os devidos créditos.

Fonte: Leve Consciência

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: ESTAR NA PLENITUDE DO AGORA É ESSÊNCIAL PARA O EQUILÍBRIO PERFEITO CORPO-MENTE-ESPÍRITO

BOAS NOTÍCIAS: REBECA DÁ SHOW NO MUNDIAL DE GINÁSTICA NO JAPÃO E LEVA OURO E PRATA PARA O BRASIL

Na nossa coluna BOAS NOTÍCIAS deste domingo a homenagem vai para Rebeca, a brasileirinha que conquistou ouro e prata para o Brasil  no Mundial de Ginástica Artística, realizado em Kitakyushu no Japão. Parabéns querida Rebeca, você é 10! E amanhã tem mais!

Rebeca conquista ouro e prata no Mundial de Ginástica no Japão

A brasileira Rebeca Andrade acaba de se tornar a primeira ginasta a conquistar ouro e prata, ou seja, duas medalhas no Mundial de Ginástica Artística, realizado em Kitakyushu, no Japão.

Ela fez história novamente neste sábado, 23, ao garantir dois pódios.

A brasileira obteve um ouro na modalidade salto e uma prata nas barras assimétricas.

Única!

Rebeca Andrade é a única do País a ganhar duas medalhas na competição.

O marco acontece apenas dois meses após as Olimpíadas de Tóquio, onde Rebeca também somou uma vitória no salto e a segunda colocação na ginástica artística feminina.

No salto, Rebeca obteve a nota de 14,966 pontos, superando a italiana Asia D’Amato. Já nas barras assimétricas, a atleta brasileira atingiu a nota de 14,633.

Mais por aí?

Os títulos da ginasta ainda podem aumentar neste domingo, 24, às 5h de Brasília, quando ela encerra sua participação na competição final da trave.

Em seu perfil no Instagram, Rebeca comemorou as conquistas com um vídeo e uma mensagem:

Depois do malvadão vem o close hahah! Obrigada a todos pela torcida e vamos que amanhã tem mais! To muito feliz!”, escreveu.

Com informações de OPovo

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: REBECA DÁ SHOW NO MUNDIAL DE GINÁSTICA NO JAPÃO E LEVA OURO E PRATA PARA O BRASIL

INTERESSE POR BAÍA FORMOSA CRESCEU CONSIDERAVELMENTE APÓS VITÓRIA DE ÍTALO FERREIRA NAS OLIMPÍADAS DE SURF

Por Igor Jácome e Anna Alyne Cunha, G1 RN e Inter TV Cabugi

 

Baía Formosa, no litoral Sul potiguar — Foto: Canindé SoaresBaía Formosa, no litoral Sul potiguar — Foto: Canindé Soares

Todo mundo agora quer saber mais sobre a terra natal do campeão olímpico do surfe, Ítalo Ferreira. A procura por Baía Formosa cresceu consideravelmente no principal site de buscas na internet. Os pontos mais altos no gráfico representam uma maior popularidade de um termo na internet.

O pico de buscas por Baía Formosa foi na terça-feira (27) às 4h, exatamente no mesmo momento em que Ítalo Ferreira ganhava a medalha de ouro em Tóquio. Uma procura feita por pessoas de vários lugares do país. E o setor do turismo é um dos que quer “surfar” na onda do campeão.

Gráfico mostra alta nas buscas por Baía Formosa, na internet, após ouro olímpico de Ítalo Ferreira no surfe, em Tóquio. — Foto: ReproduçãoGráfico mostra alta nas buscas por Baía Formosa, na internet, após ouro olímpico de Ítalo Ferreira no surfe, em Tóquio. — Foto: Reprodução

A agência de viagens do empresário Wendell Paiva, que sempre teve foco no turismo regional, aposta nessa alta procura por Baía Formosa e lançou um pacote de viagem, com passagem pelo município, no mesmo dia do ouro olímpico.

“É o momento em que as pessoas querem conhecer uma casa, um familiar, ver a praia onde o campeão treinou”, conta.

É o caso da servidora pública Carmem Lúcia Morais, que é fã do atleta potiguar. “Eu passei aqui para comprar meu passeio para Baía Formosa, Barra de Cunhaú e Pipa. Agora, com Ítalo Ferreira campeão, ai é que eu quero conhecer. É o motivo porque eu estou querendo ir. Eu só passei uma vez lá na cidade e agora quero conhecer bem direitinho”, disse

Baía Formosa celebra medalha de ouro de Ítalo Ferreira

Segundo David Alves, que trabalha agenciando passeios de buugy e quadricíclos em Baía Formosa, as buscas pelos serviços – que eram cerca de 50 por semana – aumentaram em 80% nos últimos dias.

“A procura começou ainda na primeira bateria dele (Ítalo). Tem gente de São Paulo, Ceará, Paraíba e também aqui do estado agendando passeio”, conta.

Para Wendell, esse também é o momento propício para a cidade aproveitar e investir na estrutura do local. O empresário acredita em um “boom”, mas considera que o destino ainda tem muito a ser desenvolvido.

Pôr do sol em Baía Formosa, terra natal do campeão mundial e olímpico no surfe, Ítalo Ferreira. — Foto: Eros SenaPôr do sol em Baía Formosa, terra natal do campeão mundial e olímpico no surfe, Ítalo Ferreira. — Foto: Eros Sena

A secretária de Turismo do município, Bernadete Leite afirma que as pousadas do município estão lotadas. São cerca de 30 estabelecimentos na sede e em praias do município.

“Com a vitória do Ítalo, a cidade está sendo muito falada, muito comentada, muito procurada e acredito que vai ter um crescimento. A gente tentando organizar de todas as formas para que esse crescimento seja rápido, mas controlado, organizado”, afirmou Bernadete, ressaltando que o meio ambiente é o principal atrativo turístico da região.

Belezas naturais são principal atrativo de Baía Formosa, no litoral Sul potiguar — Foto: Fernanda Zauli/G1Belezas naturais são principal atrativo de Baía Formosa, no litoral Sul potiguar — Foto: Fernanda Zauli/G1

Paraíso potiguar

Os títulos, prêmios e o reconhecimento profissional não fizeram Italo Ferreira sair de Baía Formosa. É na pequena cidade com pouco mais de 9 mil habitantes que ele vive até hoje.

Após as temporadas de competições é pra lá que ele sempre volta. “Aqui é um lugar especial, é onde tudo começou. Surfar aqui no Pontal é sempre espetacular. O mar é muito bom e as ondas são sensacionais”, disse o surfista em 2015.

Ítalo Ferreira é campeão olímpico — Foto: Lisi Niesner / ReutersÌtalo Ferreira é campeão olímpico — Foto: Lisi Niesner / Reuters

A família e os amigos de infância também continuam por lá. No início do ano, Ítalo anunciou que pretende criar um instituto para ajudar crianças do município que se inspiram nele a também seguirem no surfe. A sede deverá ser a casa onde ele morava com a avó, que atualmente é uma pousada da família.

Na terça, os moradores da cidade saíram às ruas ainda durante a madrugada e amanheceram comemorando o primeiro ouro olímpico do surfe nas Olimpíadas. Também o primeiro conquistado por um potiguar.

Arco-íris em Baía Formosa, no litoral Sul potiguar. — Foto: Fernanda Zauli/G1Arco-íris em Baía Formosa, no litoral Sul potiguar. — Foto: Fernanda Zauli/G1

Continuar lendo INTERESSE POR BAÍA FORMOSA CRESCEU CONSIDERAVELMENTE APÓS VITÓRIA DE ÍTALO FERREIRA NAS OLIMPÍADAS DE SURF

OPINIÃO:O RELATOR E O PRESIDENTE DA CPI DA PANDEMIA ENFRENTARAM A EXPERIÊNCIA PARLAMENTAR DO DEPUTADO FEDERAL OSMAR TERRA QUE BARROU A TRUCULÊNCIA DA DUPLA

A acachapante vitória de Osmar Terra na CPI contra a jocosidade e truculência da dupla Aziz e Renan

Foto: Jefferson Rudy/Agência SenadoFoto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A jocosidade do relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros e a ironia de seu presidente, senador Omar Aziz, enfrentaram uma muralha na manhã desta terça, 22.

A experiência parlamentar do deputado federal Osmar Terra barrou a truculência da dupla.

Sem se alterar e sentindo-se em casa como parlamentar, Terra rebateu cada ironia e entrelinha. O gaúcho fez os dois perderem o rebolado e expôs a fragilidade desses inquisidores antibolsonaristas.

Sem preparo, os cabeças da CPI estão presos unicamente à cruzada contra o presidente Jair Bolsonaro, o verdadeiro alvo desta comissão. Até o senador Randolfe Rodrigues acabou dando um chilique e rodou a baiana em um embate paralelo com o senador Ciro Nogueira.

Médico, ex-ministro de Temer e de Bolsonaro, deputado por vários mandatos, Osmar Terra colocou os pontos nos “is” quando tentaram lhe imputar a defesa da “imunidade de rebanho”. Deixou claro que nunca foi estratégia, como tentava impor a dupla inquisidora. Ele apenas constatava uma verdade científica nos fins da pandemia.

Quem virou bola murcha foi o senador baiano Otto Alencar, que também é médico. Travestido de Professor Raimundo, tentava criar pegadinhas com respostas pré-elaboradas.

A grande contribuição de Osmar Terra foi desmontar a tese do gabinete paralelo e a defesa de imunidade de rebanho. A CPI começou a desmoronar nessa terça. Ficaram expostos o despreparo e os reais objetivos de seus dirigentes.

Texto de Cláudio Magnavita. Diretor de redação do Correio da Manhã. (Publicado originalmente no Correio da Manhã).

Fonte: Jornal da Cidade Online

Continuar lendo OPINIÃO:O RELATOR E O PRESIDENTE DA CPI DA PANDEMIA ENFRENTARAM A EXPERIÊNCIA PARLAMENTAR DO DEPUTADO FEDERAL OSMAR TERRA QUE BARROU A TRUCULÊNCIA DA DUPLA

CANDIDATO DA ESQUERDA PEDRO CASTILLO VENCE ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NO PERU

Apuração termina e aponta vitória de Castillo em eleições no Peru

Candidato da esquerda teve 50,12% dos votos, contra 49,87% da direitista Keiko Fujimori, que pede anulação de milhares de cédulas

INTERNACIONAL |

Da EFE

Pedro Castillo foi o mais votado no segundo turno, mas Fujimori contesta
PAOLO AGUILAR / EFE – 15.6.2021

O candidato de esquerda Pedro Castillo foi o mais votado no segundo turno das eleições presidenciais realizadas no Peru no último dia 6, com 50,12% dos votos, contra 49,87% da direitista Keiko Fujimori, de acordo com a apuração final, divulgada nesta terça-feira (15).

Embora o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE) tenha concluído a contagem dos votos, o vencedor ainda não pode ser proclamado, porque o partido de Keiko, o Força Popular, pediu a anulação de aproximadamente 200 mil votos devido a supostas irregularidades em seções eleitorais.

Considerando todos os votos contabilizados, Castillo obteve 8.835.579, e Keiko, 8.791.521.

Mais de 25 milhões de peruanos estavam aptos a ir às urnas no último dia 6, e 18,8 milhões (74,5%) o fizeram no país e no exterior, sendo que 17,6 milhões de votos foram considerados válidos.

O Júri Nacional de Eleições (JNE), o mais alto órgão eleitoral peruano, está atualmente analisando os casos de contestação de urnas, sendo que a maioria dos pedidos foi descartada por eles terem sido apresentados foram do prazo regulamentar ou sem provas contundentes de irregularidades.

A Constituição peruana não permite a anulação das eleições em nenhuma circunstância, exceto “quando os votos inválidos ou em branco, somados ou separadamente, excederem dois terços do número de votos válidos”, de acordo com o artigo 184.

Fonte: R7
Continuar lendo CANDIDATO DA ESQUERDA PEDRO CASTILLO VENCE ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NO PERU

BOLSONARO DEMONSTROU DISPOSIÇÃO PARA ENTRAR EM CONTATO COM NOVO PREMIÊ ISRAELENSE PARA PARABENIZÁ-LO PELA VITÓRIA

Mesmo com saída de Netanyahu, Bolsonaro tentará manter aliança com Israel

Segundo diplomatas brasileiros, presidente pretende entrar em contato nos próximos dias com o novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett

Gustavo Uribe

Por Gustavo Uribe, CNN  

 Atualizado 13 de junho de 2021 às 17:58

Mesmo com saída de Netanyahu, Bolsonaro tentará manter aliança com Israel

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende entrar em contato nos próximos dias com o novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, na tentativa de manter a aliança estratégica entre Brasil e Israel.

Segundo integrantes do Palácio do Itamaraty, neste domingo (13), o presidente demonstrou disposição em entrar em contato com o novo premiê israelense para parabenizar a sua vitória

Antes mesmo da vitória, que encerrou um período de 12 anos de Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro, assessores presidenciais já mantinham contato com integrantes da equipe de campanha de Bennett.

A aposta de diplomatas brasileiros é de que o americano George Birnbaum, um dos conselheiros políticos do novo primeiro-ministro, seja a ponte do governo federal na aproximação com Bennett.
Netanyahu era considerado um dos aliados estratégicos do governo brasileiro no cenário internacional.

Com a derrota de Donald Trump nos Estados Unidos, o ex-premiê israelense se tornou uma das principais referências de Bolsonaro como um governo estrangeiro que apoia a sua gestão.
Por isso, nas palavras de diplomatas brasileiros, tornou-se estratégico que o presidente brasileiro atue neste momento para manter com Bennett uma aliança estratégica.

Fonte: CNN

Continuar lendo BOLSONARO DEMONSTROU DISPOSIÇÃO PARA ENTRAR EM CONTATO COM NOVO PREMIÊ ISRAELENSE PARA PARABENIZÁ-LO PELA VITÓRIA

PARADA MILITAR NA RÚSSIA COMEMOROU O DIA DA VITÓRIA QUE FOI O FIM DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL E DO NAZISMO

Rússia comemora Dia da Vitória com tradicional parada militar

Para 69% dos russos, este é o principal feriado do ano; data celebra fim da Segunda Guerra Mundial e vitória sobre o nazismo

INTERNACIONAL

 Do R7, com AFP

Militares marcham ao longo da Praça Vermelha durante o desfile militar do Dia da Vitória em Moscou

DIMITAR DILKOFF / AFP – 09.05.2021

A Rússia comemorou neste domingo (9) o Dia da Vitória, data do fim da Segunda Guerra Mundial e da vitória sobre o nazismo. A festa foi celebrada com uma tradicional parada militar.

No ano passado, a festa foi realizada com 46 dias de atraso, em 24 de junho, devido à pandemia. Neste ano, o evento é realizado “com todas as medidas necessárias para conter o avanço da pandemia”, segundo a agência russa Sputinik News.

Participam neste ano mais de 190 unidades de equipamento bélico e 76 aeronaves militares, ainda de acordo com a agência.

Os eventos de 9 de maio em toda a Rússia, com paradas militares nas principais cidades, representam um momento de comunhão patriótica dedicado aos quase 20 milhões de soviéticos mortos durante o conflito mundial, segundo informações da AFP.

De acordo com o instituto de pesquisas Vtsiom, para 69% dos russos, este é o principal feriado do ano.

“Para mim e minha família, é um feriado que celebra uma vitória do povo russo. Estamos orgulhosos, lembramos e honramos nossos entes queridos e nossos bravos soldados”, declarou à AFP Yulia Goulevskikh, contadora que compareceu ao desfile militar com sua filha em Vladivostok, cidade no Extremo Oriente.

Somente após a queda da União Soviética, o grande desfile militar de 9 de maio na Praça Vermelha tornou-se um evento anual.

Em mais de 20 anos no poder, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, colocou essa data no centro de sua política, exaltando o sacrifício dos soviéticos e regularmente acusando seus adversários ocidentais de “revisionismo” histórico antirusso por tentar minimizar o papel da União Soviética na derrota de Adolf Hitler.

Continuar lendo PARADA MILITAR NA RÚSSIA COMEMOROU O DIA DA VITÓRIA QUE FOI O FIM DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL E DO NAZISMO

FORTALECIDA PELA VITÓRIA, PREMIÊ NA ESCÓCIA QUER UM REFERENDO DE AUTODETERMINAÇÃO

Premiê vence eleição na Escócia e quer referendo de independência

Partido nacionalista de Nicola Sturgeon ganha novo mandato e agora pressiona governo britânico por consulta popular

INTERNACIONAL

 Do R7

Após vitória neste sábado, Sturgeon vai governar a Escócia por mais 4 anos

ANDY BUCHANAN / AFP 8.5.2021

Fortalecida pela vitória de seu partido nas eleições locais, a primeira-ministra pró-independência da Escócia, Nicola Sturgeon, pediu a Boris Johnson neste sábado (8) que não se oponha à “vontade” do povo escocês em realizar um referendo de autodeterminação.

Faltando apenas uma cadeira para ter maioria absoluta, o SNP de Sturgeon ganhou um quarto mandato com 64 cadeiras de 129 no Parlamento escocês, de acordo com os resultados finais divulgados neste sábado.

Os verdes, também a favor da separação do Reino Unido, conquistam oito cadeiras, representando uma maioria a favor da independência, e conseguiram impedir o crescimento do novo partido Alba, do ex-primeiro-ministro escocês e ex-líder do SNP, Alex Salmond, que se tornou um ferrenho opositor de Sturgeon, mas que não obteve um assento sequer no Parlamento. Os conservadores do primeiro-ministro britânico ficaram em segundo, elegendo 31 parlamentares.

Os partidários da independência escocesa reivindicam uma maioria no Parlamento local em favor da separação de seu país do Reino Unido, o que segundo deles obriga Londres a aceirar o novo referendo de autonomia rejeitado por Johnson.

“O povo da Escócia votou para dar maioria aos partidos independentistas no Parlamento escocês”, declarou Sturgeon aos simpatizantes.

Onda conservadora segue forte

Dois dias após a “super quinta-feira” das eleições locais no Reino Unido, o primeiro-ministro britânico superou com folga o teste, arrebatando assentos em território tradicionalmente trabalhista, especialmente um reduto valorizado no nordeste do país, Hartlepool, e com avanços nas regiões desindustrializadas do norte cujo apoio foi conquistado com o Brexit.

Um resultado em que o sucesso da campanha de vacinação contra a covid-19 teve clara influência.

Após a vitória nas urnas, Sturgeon alertou Johnson contra qualquer recusa em autorizar um referendo de autodeterminação.

“Simplesmente não há justificativa democrática para Boris Johnson, ou quem quer que seja, tentar bloquear o direito do povo escocês de escolher seu próprio futuro”, afirmou Sturgeon em um discurso.

“É a vontade deste país”, concluiu Sturgeon, alertando que qualquer iniciativa dos conservadores para impedir um novo referendo os colocaria “em oposição direta à vontade do povo e demonstraria que o Reino Unido não é um parceiro igualitário.”

Johnson, que deve autorizar este referendo, opõe-se veementemente a tal, considerando que essa consulta só pode ser feita uma vez por geração. Em 2014, 55% dos eleitores votaram pela permanência no Reino Unido.

“Acho que um referendo no contexto atual é irresponsável e imprudente”, criticou Johnson ao jornal Telegraph.

Mas os partidários de um novo referendo apontam que o Brexit, que teve a oposição de 62% dos escoceses, mudou as coisas.

No entanto, Boris Johnson parabenizou Sturgeon pela vitória e a convidou a abordar com o governo britânico os “desafios comuns”, como a reativação da economia após a pandemia.

“Acredito fortemente que os interesses das pessoas em todo o Reino Unido, e em particular na Escócia, estão melhor servidos quando trabalhamos juntos”, escreveu o primeiro-ministro britânico.

A nível nacional, e apesar de uma série de escândalos sobre ligações estreitas entre poder e interesses privados, Johnson conseguiu manter os avanços que os conservadores alcançaram nas eleições legislativas de 2019 no chamado “muro vermelho” trabalhista, áreas do norte da Inglaterra afetadas pela desindustrialização e favoráveis ao Brexit.

Prefeito de Londres reeleito

O prefeito trabalhista de Londres, Sadiq Khan, que em 2016 se tornou o primeiro muçulmano a governar uma capital ocidental, foi reeleito para um segundo mandato.

O político de 50 anos, filho de imigrantes paquistaneses e criado em habitações sociais, derrotou o conservador Shaun Bailey, de ascendência jamaicana.

Durante sua gestão, Khan, um ex-advogado de direitos humanos, construiu uma reputação de eurófilo intransigente, contrário ao Brexit e a seu apóstolo Boris Johnson, seu antecessor como prefeito de Londres.

Na campanha, Khan adotou o slogan “empregos, empregos, empregos” como seu mantra na esperança de reavivar a economia de uma cidade marcada pela pandemia e pelo Brexit, que desferiu um golpe severo em seu poderoso setor financeiro.

Apesar da vitória em Londres, o Partido Trabalhista se vê perplexo após a derrota em Hartlepool, que deixou o líder do partido Keir Starmer “amargamente decepcionado”.

Ele prometeu fazer “todo o possível” para reconquistar a confiança dos eleitores.

Os trabalhistas podem presumir de resultados muito bons no País de Gales, onde mantêm o controle do parlamento local, permitindo-lhes permanecer no poder.

A trabalhista Joanne Anderson, de 47 anos, foi eleita prefeita de Liverpool (norte da Inglaterra), tornando-se a primeira mulher negra eleita à frente de uma grande cidade britânica.

Fonte: R7
Continuar lendo FORTALECIDA PELA VITÓRIA, PREMIÊ NA ESCÓCIA QUER UM REFERENDO DE AUTODETERMINAÇÃO

ATIVISTAS CELEBRAM VITÓRIA EM CUBA SOBRE DIREITOS DOS ANIMAIS

Cuba aprova lei de bem-estar animal após pressão da sociedade

Ativistas celebram a nova medida, que visa prevenir a crueldade e aumentar a conscientização sobre a proteção aos animais

INTERNACIONAL

por Reuters

Ativistas celebram vitória em Cuba sobre os diretos dos animais

REUTERS/ALEXANDRE MENEGHINI

Cuba aprovou um decreto há muito pedido sobre o bem-estar animal, que alguns ativistas de direitos humanos estão saudando como um triunfo incomum da sociedade civil no país comunista, onde o sacrifício de animais e as rinhas de galos e cães continuam sendo comuns.

A medida visa prevenir a crueldade e aumentar a conscientização sobre a necessidade de proteger os animais, marcando um avanço cultural em uma nação onde há muitos animais de rua e cujo litoral fica repleto de carcaças de galinhas sacrificadas em rituais religiosos.

Embora os detalhes ainda sejam escassos, a nova legislação ficará clara em 90 dias, quando for publicada no Diário Oficial cubano.

Avanço nos direitos dos animais

“Cuba era um dos poucos países da América Latina que não tinha uma lei de bem-estar animal, então tê-la agora é uma alegria imensa”, diz Fernando Gispert, presidente da filial de Havana da Associação Cubana de Medicina Veterinária.

O Ministério da Agricultura disse que o decreto, que regulamenta experimentos científicos, manejo de animais abandonados e práticas veterinárias, entre outros assuntos, respondeu às preocupações levantadas há três anos em um debate nacional sobre a nova Constituição naquele país.

Por décadas, porém, ativistas dos direitos dos animais pediram uma legislação sobre o bem-estar animal, em grande parte por meio de canais oficiais no Estado de partido único, onde a dissidência pública é malvista.

Continuar lendo ATIVISTAS CELEBRAM VITÓRIA EM CUBA SOBRE DIREITOS DOS ANIMAIS

A VITÓRIA DOS DEMOCRATAS NO SENADO DOS EUA, SIGNIFICA CONSOLIDAÇÃO DE MAIS PODER E UMA CHANCE DE UM GOVERNO TRANQUILO AO NOVO PRESIDENTE

O que significa o controle dos democratas no Senado dos EUA

Em eleição, partido de Biden consolidou mais poder para os próximos anos e uma chance de governo tranquilo ao novo presidente

Vitória democrata no Senado é sinal positivo para governo de Biden

A duas semanas do fim do mandato de Donald Trump, o atual presidente ainda tinha esperança de conseguir anular a vitória do democrata Joe Biden nas eleições de novembro de 2020.

Nos últimos 2 meses, o atual presidente teve 60 ações que tentavam cancelar, frear ou reverter a posse de Biden rejeitadas na Justiça dos EUA. Na noite de terça-feira (5), ele tentou a última sorte: a vitória republicana no Senado. Porém, o resultado nesta quarta-feira (6) não foi nada animador para Trump.

Os senadores democratas Raphael Warnock e Jon Ossoff venceram o segundo turno na Geórgia e os com isso o partido conquistou a maioria no Senado, posição que os republicano ocupavam na casa desde 2015. Assim como as eleições presidenciais, o resultado foi apertado e disputado até o fim.

A Geórgia, antigo reduto republicano e conservador, teve um giro nas últimas eleições, se tornando um dos estados decisivos nas eleições e elegendo o primeiro candidato democrata desde 1992. A mudança, porém, não é homogênea, com os democratas vencendo em grandes centros urbanos e os republicanos mantendo a força, poder e influência nas regiões mais rurais.

Assim como no Brasil, o papel do Senado é fundamental. Nos EUA, o Senado é a última etapa para a aprovação de “acordos internacionais, referendar embaixadores, processos de impeachment, votação de orçamento, decisão de pautas polêmicas e, em uma eventual guerra, tudo precisa da aprovação do Senado”, explica o professor de Relações Internacionais da ESPM, Roberto Uebel. “O Senado é a instituição fundamental para que a política externa dos EUA funcione”.

Maré calma (mas nem tanto) para Biden

Com um papel tão importante, um Senado de maioria democrata indica uma governança mais tranquila para Joe Biden, que não terá que se preocupar com projetos barrados pelos republicanos e nem negociar aprovações importantes com a oposição.

Apesar de a maré parecer tranquila, não significa que Biden não vá encontrar problemas na hora de aprovar pautas complexas, como as de meio ambiente, por exemplo, e pode encontrar rusgas dentro do próprio partido.

O partido democrata não é hegemônico, e tampouco pode ser encarado como sendo totalmente de esquerda. Apesar de ser menos conservador e mais disposto a negociar pautas polêmicas e se alinhar com pautas progressistas, o partido democrata está mais próximo do centro. Com isso, pautas progressistas podem acabar trazendo debates dentro do partido, entre os mais conservadores e os mais liberais.

“Mas, ainda assim, é melhor lidar com disputas dentro do próprio partido do que com os republicanos”, analisa o professor.

Além do Senado, os democratas também mantiveram o poder na Câmara, controlada por Nancy Pelosi, fazendo com que o partido detenha o poder em todas as esferas políticas e garantindo uma governabilidade mais tranquila para Biden.

O papel de Pence

Com mais um baque na frágil campanha de Trump para se manter no poder, ele recorreu ao aliado e vice-presidente, Mike Pence, que terá que oficializar a eleição de Joe Biden. Trump pediu ao vice que não o fizesse e o pressionou publicamente, por mensagens no Twitter. Apesar do apelo, especialistas não acreditam que o republicano cederá aos pedidos de Trump.

“Mike Pence é um político tradicional e uma figura forte no partido republicano. Ele não vai jogar fora essa carreira política”, analisa Roberto Uebel, que ressalta que não reconhecer Biden como presidente traria “resultados catastróficos” para os EUA e a política externa.

Quando entrou na chapa de Trump, em 2016, Pence era o elo entre o candidato, que nunca havia participado da política  antes, com os chefes e membros importantes do partido republicano. Agora, “ele é alguém que pode ser um candidato à presidência”, aponta Pedro Brites.

Mas, para isso, “ele vai ter que conseguir se firmar como um político que respeita a Constituição, apesar da proximidade com o Trump”, conclui.

E, para isso, terá que aceitar a vitória de Biden e do partido democrata no comando do Senado.

Membros do partido republicano alinhados a Trump pretendem protestar contra a vitória de Biden no Congresso, mas parte do partido já aceitou e reconheceu a vitória do democrata e tenta se distanciar de Trump.

Fonte: R7

Continuar lendo A VITÓRIA DOS DEMOCRATAS NO SENADO DOS EUA, SIGNIFICA CONSOLIDAÇÃO DE MAIS PODER E UMA CHANCE DE UM GOVERNO TRANQUILO AO NOVO PRESIDENTE

BIDEN TERÁ MAIORIA NO SENADO APÓS VITÓRIA DOS DEMOCRATAS NA GEÓRGIA

Democratas vencem na Geórgia e Biden terá maioria no Senado

Raphael Warnock e Jon Ossoff venceram por uma pequena margem de votos a disputa pelas duas últimas cadeiras

INTERNACIONAL |

 Do R7

Democrata Joe Biden terá maioria no Senado e na Câmara nos primeiros anos de mandato

O estado da Geórgia realizou o segundo turno da eleição para o Senado, na terça-feira (5), e os dois candidatos democratas na disputa Raphael Warnock e Jon Ossoff venceram, respectivamente, com uma pequena margem, os republicanos Kelly Loeffler e David Perdue.

Com esse resultado, o Senado fica dividido em 50 cadeiras para cada partido. No entanto, a vice-presidente eleita, Kamala Harris, que é democrata, tem o papel de decidir o desempate e deve favorecer seu partido. Pela legislação norte-americana, Kamala assume também a presidência da Câmara Alta, o Senado dos EUA, a partir de 20 de janeiro.

Com as vitórias do partido, Joe Biden vai governar durante os dois primeiros anos de seu mandato com a maioria no Senado, que era controlado pelos republicanos desde 2015, quando Barack Obama ainda estava na Casa Branca. O democrata conta também com maioria na Câmara que é presidida pela deputada Nancy Pelosi.

Eleição histórica

Raphael Warnock, de 51 anos, é pastor na Igreja Batista Ebenezer, em Atlanta, que foi dirigida por Martin Luther King.

Com a vitória se tornou o primeiro senador negro na história da Geórgia e o primeiro democrata negro a ser eleito para o Senado no estados do sul.

“Esta noite, mostramos que com esperança, trabalho árduo e pessoas ao nosso lado, tudo é possível”, disse Warnock a seus apoiadores, em um discurso virtual transmitido por várias mídias. Sua adversária ainda não admitiu a derrota.

Derrota republicana

O atual presidente, Donald Trump, segue em sua batalha online para reverter o resultado das urnas. No Twitter, suas postagens fazem denúncias de que a eleição nos estado da Geórgia foi fraudada, mas não foram apresentadas provas.

No último domingo (3), o jornal Washington Post publicou trechos de uma ligação telefônica entre Trump e o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger. No diálogo, o presidente tentou pressionar para que o resultado da eleição fosse alterado.

Trump também direcionou postagens ao vice-presidente, Mike Pence, com um pedido para que o Congresso não reconheça nesta quarta-feira (6) a eleição de Joe Biden.

“Os Estados querem corrigir seus votos, que agora sabem que foram baseados em irregularidades e fraudes, além de que o processo corrupto nunca recebeu aprovação legislativa. Tudo que Mike Pence precisa fazer é mandá-los de volta para os Estados Unidos, E NÓS GANHAMOS. Faça isso Mike, este é um momento de extrema coragem!”, publicou o presidente.

Derrota republicana

Um segundo turno em eleição norte-americana é uma ocorrência rara e ainda se junta ao fato de ambas as cadeiras estarem em disputa. A vaga do senador David Perdue é a que estaria em jogo normalmente seguindo o calendário eleitoral. Ele foi eleito em 2014 e cumpriu os seis anos regulamentares.

A cadeira ocupada por Kelly Loeffler está em uma eleição especial porque o senador Johnny Isakson, eleito em 2016, se aposentou em 2019 por motivos de saúde. O governador do Estado, Brian Kemp, apontou Loeffler para ocupar o cargo ao longo de 2020 até a votação de terça-feira.

Ao contrário de outros Estados, a Geórgia não teve apenas dois candidatos para cada vaga. Na votação de Perdue e Ossoff, havia um candidato independente na lista e na de Loeffler e Warnock, mais um republicano e um democrata. Como nenhum candidato teve mais de 50% dos votos, foi necessário realizar um segundo turno.

Fonte: R7
Continuar lendo BIDEN TERÁ MAIORIA NO SENADO APÓS VITÓRIA DOS DEMOCRATAS NA GEÓRGIA

BOAS NOTÍCIAS: O LADO BOM DE 2020 – 1ª PARTE

Nesta segunda-feira você vai ver aqui, na coluna BOAS NOTÍCIAS a 1ª parte da retrospectiva de O Lado Bom de 2020, que o Rinaldo Oliveira e sua filha do SÓ NOTÍCIA BOA fizeram para nos lembrar que 2020 não foi um ano tão ruim. Que também teve muitas coisas boas. Então veja o editorial e o vídeo a seguir com todo esse conteúdo!

2020 entra para a história como um dos anos mais tristes da humanidade… as perdas, a pandemia, o isolamento, as tragédias… Mas se é fácil perder a esperança, também é preciso vibrar positivo pra que venha um ano novo melhor. Focar no que aconteceu de ruim não vai atrair coisa boa pra 2021. Por isso o SóNotíciaBoa preparou O Lado Bom de 2020. “Nós fizemos o programa no estilo “sessão da tarde de Natal”, sem aquele peso das retrospectivas de fim de ano da TV, que jogam a gente no buraco e nos enterram na tristeza. Nada disso”, garantiu Rinaldo de Oliveira, fundador do SoNotíciaBoa e apresentador do Lado Bom de 2020. O Lado Bom de 2020 põe a gente pra cima. Resume o que aconteceu de melhor no ano: histórias de cura, de vitória, de solidariedade, de empatia, de amor, de heróis, de gente que se superou, que acreditou, que venceu, que fez a gente chorar de alegria. “A gente pesquisou no portal e nas redes sociais do SóNotíciaBoa as notícias mais lidas, as mais curtidas, os vídeos mais acessados em 2020 e juntamos tudo pra virar uma história de Natal, com final feliz”, lembra Andréa Fassina, diretora de conteúdo do portal. E o curioso é a alegria que a própria pesquisa ia trazendo pra gente, pro ambiente, à medida em que a equipe ia selecionando as matérias que iam entrar no programa. Rever tudo o que contamos de bom em 2020 no SóNotíciaBoa renovou nossa própria esperança e gratidão. E foi tanta notícia boa em 2020, que tivemos que dividir o programa em dois capítulos.

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: O LADO BOM DE 2020 – 1ª PARTE

VITÓRIA DE JOE BIDEN É RECONHECIDA TAMBÉM PELO PRESIDENTE DO MÉXICO

 

Presidente mexicano reconhece vitória de Joe Biden nos EUA

López Obrador revela que ligou para o presidente-eleito norte-americano depois que o Colégio Eleitoral confirmou o resultado da eleição, na 2ª

INTERNACIONAL

Da EFE

Lopez Obrador foi um dos últimos líderes mundiais a parabenizar Biden

Sáshenka Gutiérrez / EFE – 15.12.2020

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, finalmente reconheceu, nesta terça-feira (15), a vitória de Joe Biden nas eleições dos Estados Unidos do mês passado, depois que o Colégio Eleitoral americano ratificou o democrata como presidente eleito.

Durante entrevista coletiva no Palácio Nacional, o presidente mexicano revelou que ontem à noite, “uma vez terminada a sessão do conselho eleitoral dos Estados Unidos e tomada uma resolução a favor de Biden”, ele enviou uma carta ao democrata como “presidente eleito dos Estados Unidos da América”.

Reconhecimento tardio

López Obrador, que manteve uma boa relação com Donald Trump, foi até agora um dos poucos líderes que ainda não havia parabenizado Biden e pediu que as acusações de fraude eleitoral feitas pelo atual presidente sem provas fossem esclarecidas.

Na coletiva, o presidente mexicano leu a carta enviada a Biden ontem à noite após obter mais de 270 votos do Colégio Eleitoral necessários para ratificá-lo como o próximo presidente dos Estados Unidos.

Na carta, ele celebra a posição de Biden sobre questões de imigração e deseja que “em breve” eles possam discutir este e outros assuntos.

De fato, em meio ao período de transição, o México negociou com o governo de Trump o levantamento das acusações de tráfico de drogas contra o general mexicano Salvador Cienfuegos, que pôde retornar ao México em liberdade enquanto era investigado pela Procuradoria-Geral daquele país.

Até então, López Obrador estava justificando seu não reconhecimento de Biden na Doutrina Estrada, uma política externa histórica consagrada na Constituição mexicana com base na não intervenção nas políticas internas de outros países.

Assim como López Obrador, o presidente russo, Vladimir Putin, também só reconheceu hoje a vitória de Biden, quando parabenizou o democrata

 

Continuar lendo VITÓRIA DE JOE BIDEN É RECONHECIDA TAMBÉM PELO PRESIDENTE DO MÉXICO

NESTA SEGUNDA FEIRA VITÓRIA DE BIDEN DEVERÁ SER RATIFICADA PELO COLÉGIO ELEITORAL

 

Colégio Eleitoral deve ratificar vitória de Joe Biden nesta 2ª

Delegados dos 50 Estados vão depositar seus votos e encerrar mais uma etapa da complicada eleição presidencial norte-americana

INTERNACIONAL

Fábio Fleury, do R7

Colégio Eleitoral deve confirmar vitória vitória de Biden na fase indireta da eleição

Mike Segar / Reuters – 11.12.2020

Em mais uma etapa do complicado processo eleitoral dos EUA, os delegados do Colégio Eleitoral se reunirão em seus Estados de origem nesta segunda-feira (14) para ratificar os resultados da eleição presidencial do último dia 3 de novembro. O democrata Joe Biden deve obter a maioria dos votos e vencer o atual presidente, Donald Trump.

Os envelopes, no entanto, serão lacrados e enviados para o Congresso, em Washington. Lá, logo após tomar posse, no dia 6 de janeiro, os parlamentares da Câmara dos Representantes vão abrir e contar os votos, encerrando definitivamente a eleição. A posse está marcada para 20 do mesmo mês.

Na última sexta-feira, a Suprema Corte dos EUA rejeitou um último recurso, pedido pelo procurador-geral do Texas, Ken Paxton, e apoiado por outros Estados governados por republicanos, por congressistas do partido e pelo próprio Trump. Com isso, a votação do Colégio Eleitoral deve prosseguir normalmente.

Última cartada

Para o professor de Relações Internacionais do IBMEC-RJ, Leonardo Paz, a última cartada dos republicanos para buscar, no tapetão, a reeleição de Trump, demonstra a cada vez mais profunda divisão na política norte-americana.

“Acho que isso marca uma polarização ainda mais forte. É uma irresponsabilidade porque fica minando a fé das pessoas no processo eleitoral, mas ao mesmo tempo mantém o Trump relevante, ele teve uma votação muito expressiva”, afirma Paz, que vê na manutenção das instituições a principal consequência dessa decisão.

“(O processo) não teria chance de vingar, mas ele tentou por todos os caminhos possíveis. O importante foi o posicionamento da Suprema Corte, foi a segunda ação que chegou lá e foi rapidamente negado, inclusive pelos três juízes indicados por Trump”, analisa.

Segundo o professor, a votação do Colégio Eleitoral deve transcorrer normalmente, inclusive por conta de uma outra decisão da Suprema Corte, que obriga os delegados dos Estados a votar no candidato que venceu a votação popular. Em outras eleições, já houve delegados que mudaram votos, mas em uma escala que não afetou o resultado geral.

Preocupações republicanas

Outra decisão importante e que pode definir os rumos dos dois primeiros anos do mandato de Biden acontece no dia 5 de janeiro: a eleição especial das duas vagas do Estado da Geórgia no Senado.

“Se os democratas vencerem, ficam com uma rara maioria tríplice, com a presidência, a Câmara e o Senado. Isso ajudaria demais o partido e o presidente, que pode aprovar vários projetos com facilidade”, explica Paz.

Projetos como a inclusão de representantes de Washington (DC) e Porto Rico no Congresso poderiam sair do papel. “Isso que tira o sono dos republicanos, porque seriam mais dois Estados em que os democratas vão bem e que podem desequilibrar o Colégio Eleitoral por vários anos”, ressalta o professor.

Desde a década de 1990, o único candidato republicano a vencer no voto popular foi George W. Bush, em 2004. O próprio Bush, em 2000, e Trump, em 2016, perderam na contagem geral da eleição, mas conquistaram a presidência graças ao Colégio Eleitoral. Todas as outras eleições foram vencidas pelos democratas.

 

Continuar lendo NESTA SEGUNDA FEIRA VITÓRIA DE BIDEN DEVERÁ SER RATIFICADA PELO COLÉGIO ELEITORAL

JUSTIÇA: O EX- MINISTRO WEINTRAUB TEVE SUA PRIMEIRA VITÓRIA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERL

Weintraub obtém a primeira vitória no STF

Abraham WeintraubAbraham Weintraub

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, teve sua primeira vitória no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na segunda-feira, 25, um processo contra o atual diretor executivo do Banco Mundial, movido por alguns deputados e senadores, acusando-o de ter cometido crimes de responsabilidade, teve “negada” a sua tramitação.

Uma das acusações ao ex-ministro era a de “expedir ordens ou fazer requisições de forma contrária às disposições expressas da Constituição”.

O processo já havia sido negado, em março, porém os parlamentares recorreram da decisão inicial.

Em uma nova avaliação, foi mantida a decisão e determinada a extinção dos autos.

Weintraub vence a primeira!

Fonte: Jornal da Cidade Online

Continuar lendo JUSTIÇA: O EX- MINISTRO WEINTRAUB TEVE SUA PRIMEIRA VITÓRIA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERL

RECONTAGEM DOS VOTOS CONFIRMOU VITÓRIA DE BIDEN NA GEÓRGIA

 

Recontagem não alterou a vitória de Biden, diz Secretário da Georgia

Brad Raffensperger disse que ‘não havia dúvida’ de que o estado certificaria a vitória de Biden na sexta-feira (20)

INTERNACIONAL

Do R7, com Reuters

 

Secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger disse que terminou recontagem

O secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, disse na quinta-feira (19) que uma recontagem manual das cédulas nas urnas no estado havia confirmado Joe Biden como o vencedor da eleição de 3 de novembro na Geórgia.

Uma recontagem foi feita depois que resultados não oficiais mostraram Biden à frente do presidente Donald Trump por cerca de 14.000 votos.

Raffensperger disse que “não havia dúvida” de que o estado certificaria a vitória de Biden na sexta-feira (20).

“A auditoria ficou muito próxima do que tínhamos nas reportagens da noite das eleições”, disse Raffensperger à estação local WSB-TV. “É tão perto, não é um dedal cheio de diferenças.”

 

Continuar lendo RECONTAGEM DOS VOTOS CONFIRMOU VITÓRIA DE BIDEN NA GEÓRGIA

ELEIÇÕES PARA SENADOR PODE DETERMINAR OS PRÓXIMOS QUATRO ANOS DA POLÍTICA NORTE-AMERICANA

 

Em meio à recusa de Trump para reconhecer a vitória de Joe Biden, duas vagas no Senado ainda estão abertas e serão decididas em 5 de janeiro

INTERNACIONAL

Fábio Fleury, do R7

 

Disputa por vagas da Geórgia no Senado ainda está em aberto

Duas semanas após a eleição presidencial dos EUA, o presidente Donald Trump ainda não reconheceu a derrota para o presidente eleito, Joe Biden. Com o processo de transição atrasado, o Partido Republicano tem decisões importantes a tomar, já que no dia 5 de janeiro haverá uma votação que pode determinar os próximos 4 anos da política norte-americana.

Nesse dia, acontecerá um segundo turno para decidir as duas vagas do Estado da Geórgia no Senado. O republicano David Perdue concorrerá contra o democrata Jon Ossoff na eleição regular e a republicana Kelly Loeffler disputará uma eleição especial contra o democrata Raphael Warnock.

Os dois representantes republicanos são os atuais ocupantes dos cargos, mas se os democratas conseguirem vencer, garantirão o controle do Senado para seu partido, que além do presidente eleito conseguiu manter sua maioria na Câmara dos Representantes.

No caso da eleição especial entre Loeffler e Warnock, os dois disputam para ocupar o cargo até concluir o mandato do senador Johnny Isakson em 2023. Ele abandonou o Senado no fim de 2019, por questões de saúde, e deixou o cargo desocupado.

A Geórgia ainda precisa realizar uma recontagem manual dos votos para a eleição presidencial, que teve uma vitória muito apertada de Biden, em um Estado onde os democratas não venciam desde que Bill Clinton foi eleito pela primeira vez, em 1992.

Disputa apertada pelo Senado

A apuração dos votos da eleição do último dia 3 mostrou um crescimento democrata no Senado. O partido tem no momento 48 das cadeiras, contra 50 dos republicanos. Caso Warnock e Ossoff vençam na Geórgia, garantem um empate entre os dois partidos.

“É dessa votação que sairá o resultado final da composição dessa casa. Se os democratas vencerem, garantem metade dos votos do Senado e quem desempata é a vice-presidente (Kamala Harris)”, explica Lucas Leite, professor de Relações Internacionais da FAAP-SP.

Com o controle das duas casas do Legislativo, Biden teria muito mais facilidade para implementar suas políticas. No mandato de Trump, o fato de os democratas terem dominado a Câmara fez com que as votações de projetos precisassem de mais negociação e resultou até mesmo no processo de impeachment, do qual ele foi absolvido no início deste ano pela maioria republicana do Senado.

“Os republicanos ainda têm força e poderão se tornar um grande obstáculo ao presidente eleito no Senado”, afirma Leite. Para ele, a vitória de Biden e a boa votação dos candidatos democratas ao Senado na Geórgia indicam uma “tendência” de que o Estado possa dar um bom resultado ao partido. “Mas as diferenças ainda são muito pequenas”, ressalta.

Para o professor, o reconhecimento da derrota por parte de Trump ainda deve ocorrer. “Imagino que sim, porque ele não tem apoio pra fazer outra coisa. Por isso tenta atrapalhar o processo e questiona-o tanto. Acho que Trump pode tentar estender ao máximo esse tempo antes de reconhecer”, analisa.

 

Continuar lendo ELEIÇÕES PARA SENADOR PODE DETERMINAR OS PRÓXIMOS QUATRO ANOS DA POLÍTICA NORTE-AMERICANA

TRUMP SE CONTRADIZ E REVELA DESESPERO AO RECONHECER VITÓRIA DE BIDEN E DEPOIS VOLTAR ATRÁS

 

Trump reconhece vitória de Biden, mas volta atrás

Minutos antes, presidente disse que concorrente havia vencido porque tinha ‘roubado’. Em tweet, ele afirma que ainda há um longo caminho pela frente

INTERNACIONAL

Do R7

Trump nega ter reconhecido vitória de Biden

Minutos depois de postar no Twitter que Joe Biden havia vencido as eleições presidenciais, o presidente Donald Trump voltou atrás e disse que “não reconheceu nada”.

“Ele só venceu pelos olhos da mídia das fake news. Eu não concedo NADA! Nós ainda temos um longo caminho a seguir. Essa foi uma eleição fraudada!”, disse o presidente pelo Twitter.

Desde o dia 7 de novembro, o candidato democrata Joe Biden é chamado pela imprensa de presidente eleito, depois de projeções apontarem que ele havia vencido no estado chave da Pensilvânia. Com o fim das apurações na última semana, Biden havia conquistado 290 delegados, enquanto Trump tinha 232. Para ser eleito, um candidato precisa de 270 delegados.

O presidente se recusa a reconhecer a derrota e dar início ao processo de transição de poder. Ele pediu a recontagem de votos na Geórgia, Michigan e Wisconsin, mas apenas a Geórgia afirmou que vai recontar as cédulas.

Trump e sua equipe seguem alegando que as eleições foram fraudadas, apesar de não haver indícios de fraude ou erros. As autoridades afirmaram no começo da semana que essas foram as eleições mais seguras da história dos Estados Unidos.

Fonte: R7

 

Continuar lendo TRUMP SE CONTRADIZ E REVELA DESESPERO AO RECONHECER VITÓRIA DE BIDEN E DEPOIS VOLTAR ATRÁS

O QUE REPRESENTA PARA O MUNDO A VITÓRIA DE BIDEN?

 

O que a vitória de Biden significa para o resto do mundo

De Pequim a Berlim, repórteres da BBC analisam o impacto da mudança ideológica na Casa Branca para 12 países

INTERNACIONAL

por BBC NEWS BRASIL

A apuração de votos nos Estados Unidos foi observada de perto no exterior

Após dias de incerteza, o democrata Joe Biden venceu a eleição presidencial dos EUA, conforme apontam as projeções da BBC.

Durante os quatro anos de Donald Trump na presidência dos Estados Unidos, a relação do país com o mundo mudou profundamente.

Repórteres da BBC em diversas capitais, de Pequim a Berlim, explicam como as notícias da vitória de Biden estão sendo recebidas e o que isso pode significar para as relações com os EUA.

China

Vitória de Joe Biden oferece outro desafio para o sistema chinês, escreve John Sudworthem Pequim

Você pode pensar que Pequim ficaria feliz em ver Donald Trump ir embora. Em quatro anos, ele moveu uma guerra comercial contra a China, aplicou uma série de sanções ao país e tentou culpá-lo pela pandemia do coronavírus.

Mas alguns analistas apontam que as autoridades chinesas podem estar agora silenciosamente decepcionadas. Não porque tenham qualquer simpatia por Trump, mas porque uma segunda passagem dele pela Casa Branca era vista por alguns como uma oportunidade. Divisivo em casa, isolacionista no exterior, Trump parecia a Pequim a própria personificação do tão esperado e esperado declínio do poder dos EUA.

Essa era a mensagem transmitida pelos boletins de notícias televisivos controlados pelo Partido Comunista do país. Eles se concentraram não na eleição em si, mas nos protestos, no rancor e nas crescentes taxas de infecção pelo coronavírus nos Estados Unidos.

A China pode, é claro, tentar tirar vantagem da disposição de Joe Biden de buscar cooperação em grandes questões como a mudança climática. Mas o democrata também prometeu trabalhar para consertar as alianças dos Estados Unidos, o que pode ser muito mais eficaz em restringir as ambições de superpotência da China do que a abordagem autônoma de Trump.

A vitória de Biden oferece ainda outro desafio para um sistema chinês desprovido de controle democrático. Longe de ser um declínio dos valores americanos, a própria transição de poder é a prova de que esses valores perduram.

Índia

As raízes de Kamala Harris são uma fonte de orgulho na Índia, mas Narendra Modi pode obter uma recepção mais fria de Biden do que seu predecessor, escreve Rajini Vaidyanatha, em Delhi

A Índia tem sido um parceiro importante para os EUA – e, de maneira geral, isso não deve mudar sob a presidência de Biden.

A nação mais populosa do sul da Ásia continuará sendo um aliado fundamental na estratégia indo-pacífica da América para conter a ascensão da China e no combate ao terrorismo global.

Dito isso, a química pessoal entre Biden e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, pode fluir um pouco pior. Trump evitou criticar as polêmicas políticas internas de Modi, que muitos dizem discriminar os muçulmanos do país.

Biden foi muito mais franco. O site de sua campanha pediu a restauração dos direitos de todos na Caxemira e criticou o Registro Nacional de Cidadãos e a Lei de Emenda da Cidadania, duas medidas que geraram protestos em massa.

A nova vice-presidente, Kamala Harris, ela própria filha de mãe indiana, também se manifestou contra algumas das políticas do governo nacionalista hindu. Mas suas raízes indianas provocaram comemorações em massa em grande parte do país. É um momento de imenso orgulho nacional o fato de que a filha de uma indiana que nasceu e foi criada na cidade de Chennai logo será a número dois na Casa Branca.

Coreias

A Coreia do Norte certa vez descreveu Biden como um “cachorro raivoso” – mas agora Kim Jong-un fará cálculos cuidadosos antes de tentar provocar o novo presidente dos EUA, escreve Laura Bicker, em Seul

É provável que o presidente Kim Jong-un preferisse mais quatro anos de Donald Trump.

A reunião sem precedentes dos líderes e as demais negociações geraram incríveis oportunidades de fotos para os livros de história, mas muito pouco material foi assinado. Nenhum dos lados conseguiu o que queria: a Coreia do Norte continuou a construir seu arsenal nuclear e os EUA seguiram aplicando sanções rígidas ao país asiático.

Joe Biden, por outro lado, exigiu que a Coreia do Norte mostre que está disposta a abandonar seu programa de armas nucleares antes de sinalizar qualquer reunião com Kim Jong-un. Muitos analistas acreditam que, a menos que a equipe de Biden inicie um diálogo com Pyongyang muito cedo, os dias de “fogo e fúria” podem retornar.

Kim pode querer chamar a atenção de Washington com um retorno aos testes de mísseis de longo alcance, mas não vai querer aumentar as tensões a ponto de o país já empobrecido ser atingido com ainda mais sanções.

A Coreia do Sul já alertou o Norte para não seguir um caminho de provocações.

Seul pode ter tido dificuldade para lidar com Donald Trump às vezes, mas, na ansiedade para pôr fim à guerra de 70 anos na península coreana, o presidente Moon elogiou Trump por ter tido a “coragem” de se encontrar com o líder da Coreia do Norte. A Coreia do Sul observará de perto qualquer sinal de que Biden está disposto a fazer o mesmo movimento.

Reino Unido

A “relação especial” entre EUA e Reino Unido pode sofrer um rebaixamento com Joe Biden no comando, escreve a correspondente Jessica Parker, em Londres

Eles não serão vistos como aliados naturais: Joe Biden, o democrata experiente, e Boris Johnson, o bombástico defensor do Brexit.

Ao analisar como o relacionamento futuro deles pode funcionar, vale a pena considerar o passado. Especificamente naquele ano de 2016, quando Donald Trump ganhou a Casa Branca e o Reino Unido votou pela saída da União Europeia. Tanto Joe Biden quanto seu chefe na época, Barack Obama, não esconderam que preferiam outro resultado em relação ao Brexit.

As recentes manobras do governo do Reino Unido em relação ao Brexit não foram bem aceitas pelos democratas e pelo lobby irlandês, incluindo o presidente eleito dos EUA. Biden disse que, se eleito, não permitiria que a paz na Irlanda do Norte se tornasse uma “vítima do Brexit”, afirmando que qualquer futuro acordo comercial EUA-Reino Unido dependeria do respeito ao Acordo de Belfast.

Lembra que Donald Trump certa vez chamou Boris Johnson de “Trump britânico”? Bem, Biden aparentemente concordou, uma vez que descreveu o primeiro-ministro do Reino Unido como o “clone físico e emocional” de Trump. Portanto, é possível que Joe Biden inicialmente esteja mais ansioso para falar com Bruxelas, Berlim ou Paris do que Londres. A “relação especial” pode enfrentar um rebaixamento.

No entanto, os dois líderes ainda podem encontrar algum terreno comum. Afinal, os países que lideram têm laços diplomáticos antigos e profundos, principalmente nas áreas de segurança e inteligência.

Rússia

Um governo mais previsível pode ser uma esperança para a Rússia na vitória de Biden, escreve Steven Rosenberg em Moscou

O Kremlin tem um senso de audição apurado. Isso quer dizer que Moscou ouviu em alto e bom som quando, recentemente, Joe Biden classificou a Rússia como “a maior ameaça” para a América.

O Kremlin também tem boa memória. Em 2011, o vice-presidente Biden teria afirmado que, se fosse Putin, não se candidataria novamente à presidência: seria ruim para o país e para si mesmo. O presidente Putin provavelmente não se esqueceu do comentário.

Biden e Putin não são uma combinação perfeita no paraíso geopolítico. Moscou teme que a presidência de Biden signifique mais pressão e mais sanções vindas de Washington. Com um democrata na Casa Branca, poderia ser hora de retribuir a suposta intervenção da Rússia nas eleições americanas de 2016?

Um jornal russo afirmou recentemente que, sob o governo de Trump, as relações EUA-Rússia haviam mergulhado “no fundo do mar”. Mas comparou Biden a uma “draga” que iria “cavar ainda mais fundo”. Não é de admirar que Moscou tenha esse sentimento de afundamento.

No entanto, para o Kremlin, pode haver um sinal de esperança. Comentaristas russos preveem que um governo Biden será, pelo menos, mais previsível do que a equipe de Trump. Isso pode tornar mais fácil chegar a um acordo sobre questões urgentes, como New Start, o crucial tratado de redução de armas nucleares entre os EUA e a Rússia que expira em fevereiro.

Moscou vai querer deixar a era Trump e tentar construir uma relação de trabalho com a nova Casa Branca. Não há garantia de sucesso.

Alemanha

Os alemães esperam voltar à normalidade com seu principal aliado assim que Donald Trump partir, escreve Damien McGuinness, em Berlim.

A Alemanha vai suspirar aliviada com o resultado das eleições americanas.

Apenas 10% dos alemães confiam no presidente Trump em relação à política externa, de acordo com o Pew Research Center. Ele é mais impopular na Alemanha do que em qualquer outro país pesquisado. Até mesmo a Rússia de Putin e a China de Xi Jinping têm mais simpatia pelo republicano que a Alemanha.

Além de ter uma relação ruim com a chanceler Angela Merkel – é difícil imaginar dois líderes com personalidades tão apostas -, o presidente Trump é acusado de minar o livre comércio e desmantelar as instituições multilaterais das quais a Alemanha depende economicamente.

Apesar disso, os EUA são o maior parceiro comercial da Alemanha e a relação transatlântica é crítica para a segurança europeia. Portanto, a presidência de Trump foi uma jornada difícil.

Os ministros alemães criticaram os pedidos do presidente nos últimos dias para que a contagem de votos parasse fosse suspensa e suas alegações infundadas de fraude eleitoral. A ministra da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, chamou a situação de “explosiva”.

Há uma consciência aqui de que as principais diferenças políticas entre Washington e Berlim não desaparecerão sob a presidência de Biden. Mas Berlim espera trabalhar com um presidente que valorize a cooperação multilateral.

Irã

Vitória de Biden pode trazer Teerã de volta à mesa de negociações, escreve o correspondente do Serviço Persa da BBC, Kasra Naji

Nas semanas anteriores à eleição dos EUA, o presidente Trump disse com bastante otimismo que, uma vez reeleito, o primeiro telefonema que receberia seria de líderes iranianos pedindo para negociar.

Aquele telefonema para o republicano, se ele tivesse vencido, nunca iria acontecer. Negociar com seu governo teria sido impossível para o Irã. Seria muito humilhante.

Sob o presidente Trump, as sanções dos EUA e uma política de pressão máxima deixaram o Irã cambaleando à beira do colapso econômico. Ele retirou os EUA do acordo nuclear. Pior ainda, ordenou o assassinato do general Qasem Soleimani, um amigo próximo do líder supremo aiatolá Ali Khamenei. Vingar-se pelo assassinato dele continua no topo de sua agenda linha dura.

A eleição de Joe Biden torna as negociações com o governo dos EUA muito mais fáceis para o Irã. O presidente eleito não tem a mesma bagagem. Ele disse que quer usar a diplomacia e voltar ao acordo nuclear com o Irã.

Mas a linha dura do Irã não chegará à mesa facilmente. Quando os americanos foram às urnas em 3 de novembro, o líder iraniano afirmou que a eleição “não teria efeito” nas políticas de Teerã. “O Irã seguiu uma política sensata e calculada que não pode ser afetada por mudanças de personalidade em Washington”, disse ele.

Milhões de iranianos pensaram de forma diferente enquanto assistiam silenciosamente ao desenrolar das eleições nos Estados Unidos em suas telas ilegais de TV via satélite, convencidos de que seu futuro dependia dos resultados e esperando que uma vitória de Biden resultasse no alívio das sanções.

Israel

Há expectativas de uma redefinição de grande parte da política de Donald Trump para o Oriente Médio, escreve Tom Bateman, em Jerusalém

O presidente Trump sobrecarregou os dois pólos do Oriente Médio. Ele procurou recompensar e consolidar os aliados regionais tradicionais dos americanos, enquanto isolava seus adversários em Teerã.

Joe Biden tentará reconectar a política dos EUA para o Oriente Médio de volta à forma como a deixou como vice-presidente de Barack Obama: aliviando a campanha de “pressão máxima” de Trump sobre o Irã e com o objetivo de voltar a aderir ao acordo nuclear de 2015 abandonado pelo Casa Branca há dois anos.

Essa perspectiva horroriza Israel e países do Golfo, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Um ministro israelense disse em resposta à provável vitória de Biden que a política terminaria com “um violento confronto israelense-iraniano, porque seremos forçados a agir”.

O resultado também muda drasticamente a abordagem dos EUA no conflito israelense-palestino. O plano de Trump foi visto como favorecendo fortemente Israel e dando-lhe a chance de anexar partes da Cisjordânia ocupada. Isso foi arquivado em favor de acordos históricos para estabelecer laços entre Israel e vários estados árabes.

Este esforço para a “normalização” regional provavelmente continuará sob Biden, mas ele pode tentar desacelerar as controversas vendas de armas dos EUA para o Golfo e provavelmente buscará mais concessões por parte dos israelenses. A anexação agora parece definitivamente fora de questão e Biden também fará objeções à construção de novos assentamentos israelenses.

Mas não haverá a “reviravolta completa” que um oficial palestino exigiu esta semana. A retórica retornará ao entendimento tradicional de uma “solução de dois Estados”, mas as chances de se fazer muito progresso no processo de paz israelense-palestino parecem pequenas.

Egito

Há grandes esperanças entre ativistas de que o governo Biden aumente a pressão sobre os direitos humanos no Egito, escreve Sally Nabil, no Cairo

O presidente do Egito, Abdul Fattah al-Sisi, apoiado pelos militares, tinha um relacionamento muito bom com Donald Trump. Teria sido melhor para ele manter um amigo na Casa Branca, mas agora terá que começar um novo capítulo com Joe Biden.

Os críticos do presidente Sisi acusaram o governo Trump de fechar os olhos a seus supostos abusos de direitos humanos. O Egito recebe US$ 1,3 bilhão em ajuda militar dos EUA por ano. Em 2017, uma pequena parcela dessa ajuda foi suspensa por questões envolvendo direitos humanos, mas foi liberada no ano seguinte.

A vitória de Joe Biden na Casa Branca é considerada uma boa notícia por muitos grupos de direitos humanos aqui. Os ativistas esperam que o novo governo dos EUA pressione o governo egípcio para que mude suas políticas opressivas em relação à oposição, com dezenas de milhares de presos políticos supostamente na prisão. As autoridades egípcias sempre negaram ter encarcerado esses grupos, desafiando a credibilidade de relatórios críticos de direitos humanos.

“As relações EUA-Egito sempre foram estratégicas, independentemente de quem se senta no Salão Oval”, disse Ahmed Sayyed Ahmed, um analista político.

“A parceria vai continuar, mas a retórica dos democratas sobre os direitos humanos pode não ser bem recebida por alguns egípcios, que veem isso como uma intromissão nos assuntos de seu país.”

Cuba

Após duras sanções, a vitória de Biden traz alívio, escreve o correspondente da BBC em Cuba, Will Grant

Uma presidência de Biden é exatamente o que a maioria dos cubanos esperava. Na verdade, a maioria das pessoas na ilha veria com bons olhos quase qualquer pessoa na Casa Branca além de Donald Trump. Suas sanções trouxeram dificuldades reais e os cubanos estão exaustos após quatro anos de hostilidade implacável.

Joe Biden, por outro lado, revive as memórias do recente ponto alto nas relações cubano-EUA sob o presidente Obama. Na verdade, o ex-vice-presidente teria contribuído para tornar possíveis os dois anos de distensão.

O governo comunista em Havana, sem dúvida, continuará a dizer que todos os presidentes dos EUA são essencialmente feitos do mesmo material. Mas entre as pessoas na fila de produtos básicos e lutando para pagar as contas, o sentimento predominante será de grande alívio.

A única desvantagem do ponto de vista dos cubanos? Biden agora está bem ciente de como o tratamento duro do presidente Trump em relação rendeu-lhe frutos entre os eleitores na disputada Flórida.

Eles temem que Biden possa estar muito menos inclinado a aliviar algumas das medidas de Trump do que estaria em outro momento.

Canadá

Justin Trudeau verá um aliado em seu novo vizinho, escreve Jessica Murphy, em Toronto

O primeiro-ministro canadense prometeu aprofundar os laços com os EUA independentemente de quem vencesse a eleição presidencial, mas é provável que o alívio tenha sido sentido em Ottawa quando ficou claro que o democrata Joe Biden havia conquistado a vitória.

A relação do Canadá com os Estados Unidos tem sido difícil sob o presidente Trump, embora tenha suas realizações, que incluem a renegociação bem-sucedida do Acordo de Livre Comércio da América do Norte, junto com o México.

Mas Justin Trudeau deixou claro que sentia uma afinidade política com o ex-presidente Barack Obama, que o endossou durante as recentes eleições federais canadenses. Esse sentimento de cordialidade se estende ao homem que atuou como vice-presidente de Obama, Joe Biden.

Em Biden, o Partido Liberal de Trudeau encontrará um aliado em questões como mudança climática e multilateralismo. Mas isso não significa que não haja possibilidades de atrito com seu governo. O presidente Trump autorizou a construção do oleoduto Keystone XL de Alberta para o Texas, um projeto visto como chave para o setor de energia em dificuldades do Canadá, mas o presidente eleito Biden se opõe ao projeto.

E o plano econômico “Buy American” de Joe Biden para reanimar a indústria dos EUA após a pandemia do coronavírus será uma preocupação, dada a profunda dependência do Canadá do comércio com os EUA.

Fonte: R7

 

Continuar lendo O QUE REPRESENTA PARA O MUNDO A VITÓRIA DE BIDEN?

MORALES COMEMORA VITÓRIA DE SEU PARTIDO E DIZ QUE NÃO QUER INFLUÊNCIA NO GOVERNO ELEITO, SE DEDICARÁ A FORMAÇÃO DE LÍDERES E A CRIAÇÃO DE TAMBAQUIS

 

Evo Morales diz que se dedicará a formar líderes e a criar tambaquis: ‘Não vou sugerir nenhum ministro’

Em entrevista exclusiva à BBC News Mundo, Morales, que foi coordenador de campanha do partido, diz que não quer ter nenhuma influência no próximo governo boliviano

INTERNACIONAL

por 

BBC NEWS BRASIL

 

Em entrevista exclusiva, Evo Morales falou sobre sua intenção de retorno à Bolívia

 

Continuar lendo MORALES COMEMORA VITÓRIA DE SEU PARTIDO E DIZ QUE NÃO QUER INFLUÊNCIA NO GOVERNO ELEITO, SE DEDICARÁ A FORMAÇÃO DE LÍDERES E A CRIAÇÃO DE TAMBAQUIS

BOAS NOTÍCIAS: MAESTRO JOÃO CARLOS MARTINS, UM EXEMPLO DE RESILIÊNCIA, RESISTÊNCIA E PERSISTÊNCIA

O nosso destaque desta quarta-feira, aqui na coluna BOAS NOTÍCIAS é o show do nosso grande maestro João Carlos Martins postado no Instagram interpretando Marcello de Bach. Um exemplo único de resiliência, resistência e persistência que devemos tentar imitar, pois aos 80 anos e depois de 25 cirurgias nas mãos e nos braços ele consegue tocar piano como ninguém. Então não deixe de ler o artigo e assistir ao vídeo desse show imperdível!

Maestro João Carlos Martins faz arrepiar em novo vídeo tocando piano

Acordamos nesta terça, 22, com um novo vídeo do maestro João Carlos Martins usando as luvas biônicas e tocando com uma emoção de arrepiar.

A música, postada no Instagram é Marcello, de Bach e o maestro mostra que a recuperação dos movimentos dele está melhor a cada dia. (assista abaixo)

Em fevereiro de 2019 João Carlos Martins passou pela 24ª cirurgia nos nervos do braço esquerdo, para conter as dores crônicas e os médicos disseram que o maestro não poderia mais tocar piano, porque a mobilidade ficaria reduzida.

Ele não aceitou o prognóstico e com a ajuda das luvas biônicas que ganhou de presente no Natal de @ubiratanbizarro, o maestro persistiu.

Voltou a estudar, praticar e agora dá esse novo show de resiliência, persistência e esperança, pra inspirar a gente com música!

Amamos você maestro! Obrigado por ensinar a todos o sentido da palavra ressignificar !

Assista:

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: MAESTRO JOÃO CARLOS MARTINS, UM EXEMPLO DE RESILIÊNCIA, RESISTÊNCIA E PERSISTÊNCIA

ESTADO DE VITÓRIA NA AUSTRÁLIA IMPÕE MULTAS PESADAS À QUEM NÃO CUMPRIR REGRAS DA QUARENTENA

Estado australiano impõe multas pesadas para forçar isolamento

Foco principal de surto do novo coronavírus no país, estado de Vitória vai cobrar cerca de R$ 76 mil de quem não cumprir regras da quarentena

INTERNACIONAL

por 

Reuters – Internacional

 

Policiais fazem a ronda no centro de Melbourne, em toque de recolher noturnoPoliciais fazem a ronda no centro de Melbourne, em toque de recolher noturno

O estado de Vitória, segundo mais populoso da Austrália, anunciou nesta terça-feira (4) que quem não cumprir as ordens de isolamento por causa da covid-19 receberá pesadas multas, de até 20.000 dólares australianos (cerca de R$ 76 mil), e que mais militares serão alocados para enfrentar a disseminação do novo coronavírus.

A Austrália, que chegou a ser anunciada como líder global na contenção da covid-19, está desesperadamente tentando desacelerar a disseminação do vírus em Vitória para evitar uma segunda onda nacional de infecções.

No começo desta semana, o estado impôs um toque de recolher noturno, aumentou restrições a movimentações diárias das pessoas e ordenou que grandes partes da economia local fechassem as portas para desacelerar a disseminação do coronavírus.

No entanto, quase um terço dos infectados por covid-19 não estava se isolando em casa quando houve a checagem das autoridades, exigindo novas punições duras, afirmou o primeiro-ministro de Vitória, Daniel Andrews, nesta terça-feira.

‘Não há motivo algum para sair de casa’

Multas de quase 5.000 dólares australianos serão emitidas para quem violar as ordens para ficar em casa. Em caso de reincidência, a multa pode chegar a 20.000 dólares australianos.

“Não há literalmente motivo algum para você sair de sua casa e, se você sair de casa e não for encontrado nela, terá dificuldades para convencer a polícia de Vitória de que tinha um motivo legítimo”, disse Andrews a repórteres em Melbourne.

A única exceção será para tratamento médico urgente, disse Andrews, acrescentando que qualquer um sob ordens de autoisolamento não terá mais permissão para sair de casa para exercícios ao ar livre.

“Ar fresco na porta de casa. Ar fresco no seu jardim ou abrindo a janela”, disse.

500 militares desarmados reforçam vigilância

Andrews afirmou que mais 500 militares desarmados serão deslocados esta semana para Vitória para auxiliar a polícia a ter certeza que as ordens de autoisolamento estão sendo cumpridas.

O último deslocamento militar se juntará a aproximadamente 1.500 militares que já estão em Vitória rastreando contatos, testando e auxiliando a polícia em pontos de checagem. A Austrália deslocou quase 3 mil militares para ajudar em operações logísticas contra o vírus.

A Austrália registrou quase 19 mil casos de covid-19 e 232 mortes, muito menos do que muitas outras nações desenvolvidas, após fechar suas fronteiras internacionais bem cedo, impor restrições e distanciamento social e testes em massa.

Mas, à medida em que o país começou a reabrir, a transmissão comunitária cresceu significativamente em Vitória, que registrou três dígitos de novos casos durante semanas. Tem agora o grosso de infecções no país, com quase 12.000 casos relatados. Na terça-feira, Vitória registrou 439 novos casos de covid-19 nas 24 horas anteriores.

Andrews disse que 11 pessoas morreram por causa do vírus desde segunda-feira, levando o total de mortes a 136. O vírus espalhou-se pelos estabelecimentos de tratamento a idosos de Vitória, com muitas das mortes entre pessoas de idade avançada.

Surto começou com pessoas quebrando regras de isolamento

Autoridades estatais de Vitória disseram que a última onda de infecções de covid-19 foi causada por moradores se recusando a aderir a restrições aos seus movimentos.

“Há muitas pessoas que conscientemente violaram o toque de recolher – então, alguém que decidiu que estava entediado e saiu para dar uma volta de carro, alguém que decidiu que precisava comprar um carro às 20:00 da noite passada”, disse a ministra da Polícia de Vitória, Lis Neville, a repórteres, em Melbourne.

Preocupada que muitas pessoas sentem que não têm escolha a não ser continuar trabalhando após um diagnóstico de covid-19, a Austrália disse, na segunda-feira, que pagaria 1.500 dólares australianos para as pessoas ficarem em casa, se forem ordenadas a fazer isso e não tiverem licença médica disponível.

Muitas fronteiras internas entre Estados foram fechadas, o que até agora fez com que a nova onda de infecções se limitasse majoritariamente a Vitória, com o Estado vizinho de Nova Gales do Sul relatando o segundo maior número de casos.

Nova Gales do Sul registrou 12 novos casos na terça-feira, embora todos os casos possam ser rastreados a surtos conhecidos, alguns dos quais começando por pessoas infectadas que saíram de Vitórias.

Fonte: R7

Continuar lendo ESTADO DE VITÓRIA NA AUSTRÁLIA IMPÕE MULTAS PESADAS À QUEM NÃO CUMPRIR REGRAS DA QUARENTENA

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar

Fechar Menu
×

Carrinho