COMPROMISSOS DO PRESIDENTE :EM CLIMA DE CELEBRAÇÃO BOLSONARO COMEMOROU OS RESULTADOS POSITIVOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E RESSALTOU A RELIGIOSIDADE DO POVO BRASILEIRO

Como é bom estar à frente de uma nação que é mais de 90% cristã”

Jair BolsonaroJair Bolsonaro

Em clima de celebração, o presidente Jair Bolsonaro aproveitou, esta terça-feira (12), para comemorar os resultados positivos da Caixa Econômica Federal (CEF). Ele pontuou as medidas do seu governo no evento em comemoração aos 160 anos do banco público, no Palácio do Planalto.

Em seu discurso, Bolsonaro ressaltou a religiosidade dos membros integrantes do governo e exaltou a atuação de ministros, da Caixa e também da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

“Como é bom estar à frente de uma nação que mais de 90% do povo é cristão. O Estado é laico, mas seu presidente e seu ministério são cristãos. Quem diria, temos ministros, terrivelmente, católicos e três pastores entre nós”, declarou o presidente.

Enaltecendo a religião, Bolsonaro saiu em defesa da liberdade do povo brasileiro.

“A liberdade não tem preço. Quem vai mudar o Brasil não será um homem ou uma mulher, mas todos nós. Estamos aqui porque acreditamos em Deus”, afirmou.

Durante o evento, o chefe do Executivo elogiou o trabalho desempenhado pela Caixa e atribuiu ao presidente do banco, Pedro Guimarães, e à primeira-dama, a contratação de pessoas com deficiência, como ação de inclusão do governo.

“Também, senhora primeira-dama, você participou e você sabe o seu poder no governo. Em grande parte (devemos) a você e ao Pedro (Guimarães) a contração de três mil pessoas com deficiência. Isso era discurso no passado”, garantiu.

Jair Bolsonaro ressaltou que o governo se antecipou às demandas do setor em seu primeiro ano de gestão, ao expor as atividades da instituição bancária para lotéricos e representantes da categoria.

“Apresentamos para vocês uma cesta de direitos e de benefícios. Muitos se surpreenderam porque, geralmente, só se é atendido no Brasil, quando se faz reivindicações. Nós nos antecipamos a problemas, buscamos soluções. Nós trabalhamos dessa forma”, comemorou.

A equipe econômica, liderada pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes e as ministras Tereza Cristina, da Agricultura, e Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos também foram lembrados na ocasião.

Ao final da fala, Bolsonaro ainda mandou recado à imprensa brasileira em que afirmou que a mídia “nunca teve tanta liberdade” como no governo dele.

“Minha adorada imprensa, vocês nunca tiveram tanta liberdade como no nosso governo. Nunca se ouviu falar no meu governo de controle social da mídia ou democratização da mesma. Vocês têm liberdade demais, de sobra”, disse, em tom carinhoso, discordando das recentes censuras das mídias sociais a autoridades conservadoras.

“Elas não concorrem com vocês (imprensa), uma estimula a outra”, justificou.

Fonte: Jornal da Cidade Online

Continuar lendo COMPROMISSOS DO PRESIDENTE :EM CLIMA DE CELEBRAÇÃO BOLSONARO COMEMOROU OS RESULTADOS POSITIVOS DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E RESSALTOU A RELIGIOSIDADE DO POVO BRASILEIRO

OPINIÃO: VOU COMEÇAR E CONCLUIR MEU MANDATO PORQUE O POVO CONFIOU EM MIM E ME ELEGEU, DIZ ÁLVARO DIAS

Vou começar e concluir o novo mandato”, diz Álvaro Dias

Caro(a) leitor(a),

Esse filme eu já vi muitas vezes ao longo da minha breve vida. O mais recente foi quando o, na ocasião Bolsodoria, garantiu para o seu elitorado que ao assumir o mandato de prefeito de São Paulo iria até o final do mesmo, mas o que assistimos dois anos depois não foi isso e o final da história você já sabe. Eu não sei se felizmente ou infelizmente a história sempre se repete, principalmente para aqueles que não evoluem, mas que acaba prejudicando a todos, inclusive os que estão em plena evolução. Por isso o feliz ou infelizmente, pois infelizmente os que já evoluíram e não acreditam nessa balela são penalizados da mesma forma dos ainda não despertos. Então essa publicação vai ficar guardada para daqui a dois anos, caso seja necessário, servir de alerta para os desavisados e/ou desmemoriados! E tenho dito!

Natal: tucano é favorito à reeleição; candidato do governo, petista tem 2% | VEJA

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, rechaçou a possibilidade de renunciar ao mandato dois anos depois a posse para um novo período no cargo para disputar o Governo do Estado. “Por hipótese alguma, não entra nos meus planos nem de longe [deixar o cargo de prefeito em 2022]. Vou começar esse mandato e vou concluir. Vou ser prefeito de Natal porque o povo confiou em mim, me elegeu e quero começar e concluir. Não vou interromper meu mandato para disputar o Governo do Estado, nem qualquer outro cargo”, enfatizou.

A negativa se dá porque, segundo disse, seu objetivo é concluir todos os projetos que estão em andamento e os que pretende iniciar.

FONTE: Blog do BG

Continuar lendo OPINIÃO: VOU COMEÇAR E CONCLUIR MEU MANDATO PORQUE O POVO CONFIOU EM MIM E ME ELEGEU, DIZ ÁLVARO DIAS

ECONOMIA: SAIBA PORQUE OS SOCIALISTAS SEMPRE FORAM SUBESTIMADOS PELOS CONSERVADORES E LIBERAIS!

Na nossa coluna ECONOMIA desta terça-feira vamos estudar um pouco sobre conservadorismo, liberalismo e socialismo e entender as diferenças entre essas ideologias. O texto a seguir também esclarece por que conservadores e liberais sempre subestimaram os socialistas. Não perceberam que o povo escolhe ideologias criadas por intelectuais. Então pode ter sido pura ingenuidade? Esclareça essa dúvida lendo o artigo completo a seguir!

Por que conservadores e liberais sempre subestimaram os socialistas

O povo escolhe ideologias criadas por intelectuais; se preferir ideias ruins, o desastre está feito

Trecho extraído do livro Ação Humana, de 1948

As massas, as legiões de indivíduos comuns, não concebem ideias, sejam elas verdadeiras ou falsas. Elas apenas escolhem entre as ideologias elaboradas pelos líderes intelectuais da humanidade. No entanto, essa escolha é decisiva e determina o curso dos eventos. Se preferirem doutrinas ruins, nada poderá impedir o desastre.

A filosofia social do Iluminismo não se deu conta dos perigos que poderiam advir da prevalência de ideias falsas. As objeções habitualmente apresentadas contra o racionalismo dos economistas clássicos e dos pensadores utilitaristas eram inconsistentes; no entanto, havia uma deficiência nestas doutrinas: elas ingenuamente pressupunham que tudo quanto fosse lógico e razoável prevaleceria.

Não chegaram a imaginar a possibilidade de a opinião pública apoiar ideias espúrias cuja aplicação viesse a ser danosa à prosperidade e ao bem-estar, e que levasse à desintegração da cooperação social.

Atualmente, é moda desmerecer aqueles pensadores que criticavam a fé que os filósofos liberais depositavam no homem comum. Apesar disso, foram pensadores como Edmund Burke e Karl HallerLuis de Bonald e Joseph de Maistre que chamaram atenção para o problema essencial que os liberais não haviam percebido. Foram eles que souberam avaliar o comportamento das massas mais realisticamente do que os seus adversários.

Esses pensadores conservadores, sem dúvida, iludiam-se ao pensar que o sistema tradicional de governo paternalista e a rigidez das instituições econômicas pudessem ser preservadas. Louvavam o Ancient Régime pela prosperidade que havia proporcionado e por haver até mesmo humanizado a guerra. Mas não perceberam que precisamente essas realizações haviam dado lugar a um aumento demográfico e, portanto, a um excedente populacional para o qual não havia mais espaço no antigo sistema de restricionismo econômico.

Ignoraram o surgimento de uma classe de pessoas que não poderia ser absorvida, se prevalecesse a ordem social que desejavam perpetuar. Não conseguiram oferecer uma solução para o mais sério problema que a humanidade teria de enfrentar às vésperas da “Revolução Industrial”.

O capitalismo deu ao mundo aquilo de que ele precisava: um melhor padrão de vida para um  população em constante crescimento. Mas os liberais, os pioneiros e os defensores do capitalismo, não chegaram a perceber um ponto essencial: um sistema social, por mais benéfico que seja, não pode funcionar sem o apoio da opinião pública. Não previram o êxito que a propaganda anticapitalista teria.

Depois de haverem destruído o mito de que reis sagrados estavam a mando de Deus em uma missão divina, os liberais se deixaram seduzir por outras doutrinas não menos ilusórias: o poder irresistível da razão, a infalibilidade da volonté générale, e a divina inspiração das maiorias.

A longo prazo, pensavam eles, nada pode impedir a melhoria progressiva das condições sociais. Ao desmascarar antigas superstições, a filosofia do Iluminismo havia, de uma vez por todas, implantado a supremacia da razão.

Os resultados das políticas pró-liberdade seriam uma demonstração irresistível das vantagens da nova ideologia; nenhum homem inteligente se atreveria a questioná-la. Estava implícita na convicção desses filósofos que a imensa maioria das pessoas é inteligente e capaz de pensar corretamente.

Não ocorreu aos antigos liberais que a maioria poderia interpretar a experiência histórica com base em outras filosofias. Não imaginaram a popularidade que viriam a ter, nos séculos XIX e XX, ideias que eles considerariam como regressivas, supersticiosas e inconsistentes. Estavam tão convencidos do fato de que todos os homens são dotados da faculdade de raciocinar corretamente, que não souberam interpretar adequadamente os presságios.

Consideravam todos esses maus augúrios apenas como recaídas passageiras, episódios acidentais, sem importância para o filósofo que contemplava a história da humanidade sub specie aeternitatis. Os defensores do atraso poderiam dizer o que quisessem, mas havia um fato que não poderiam negar: que o capitalismo propiciou a uma população em rápido crescimento um padrão de vida cada vez melhor.

Pois foi precisamente este fato que a imensa maioria contestou.

O ponto essencial das teses de todos os autores socialistas, e particularmente das de Marx, é a afirmativa de que o capitalismo resulta no progressivo empobrecimento das massas trabalhadoras. Em relação aos países capitalistas, o equívoco desse teorema é explícito e não tem como ser negado. Em relação aos países subdesenvolvidos, que só foram afetados superficialmente pelo capitalismo, o crescimento demográfico sem precedentes não parece confirmar a interpretação de que as massas estão cada vez mais em pior situação. Esses países são pobres em comparação com outros mais avançados. Sua pobreza é fruto do rápido crescimento populacional. Preferem ter mais filhos do que elevar o seu padrão de vida. A decisão é deles.

Mas não se pode negar o fato de que tiveram os recursos necessários para prolongar a duração média de vida. Teria sido impossível criar tantas crianças sem que tivesse ocorrido um aumento dos meios de subsistência.

Apesar disso, não apenas os marxistas, como também muitos autores “burgueses” seguem afirmando, sem grande oposição, que a previsão de Marx quanto à evolução do capitalismo foi, de um modo geral, confirmada pela história dos últimos cem anos.

Fonte: mises.org.br

Continuar lendo ECONOMIA: SAIBA PORQUE OS SOCIALISTAS SEMPRE FORAM SUBESTIMADOS PELOS CONSERVADORES E LIBERAIS!

SAÚDE : GRUPO “MÉDICOS PELA LIBERDADE” SAIU EM DEFESA DO POVO E REBATE DECLARAÇÃO AUTORITÁRIA DE DÓRIA

Médicos rebatem “obrigação” da vacina de Doria: “Não somos RATOS DE LABORATÓRIO” (veja o vídeo)

LER NA ÁREA DO ASSINANTE

João Doria

João Doria ultrapassou todos os limites ao anunciar na sexta-feira,

16, que irá obrigar o povo de São Paulo a tomar a vacina chinesa.

Em resposta a tamanha insensatez, o grupo Médicos Pela Liberdade saiu em defesa do povo e rebateu as declarações do governador.

“Nós, do Médicos Pela Liberdade, especialmente os que residem em São Paulo, declaramos resistência total à suposta obrigatoriedade de vacinação obrigatória contra o vírus chinês, ainda mais com uma vacina produzida a toque de caixa, sem nenhum estudo a médio e longo prazo”, declarou.

O grupo foi firme ao finalizar:

“Não somos RATOS DE LABORATÓRIO”

Confira a declaração na íntegra:

Fonte: Jornal da Cidade Online

Continuar lendo SAÚDE : GRUPO “MÉDICOS PELA LIBERDADE” SAIU EM DEFESA DO POVO E REBATE DECLARAÇÃO AUTORITÁRIA DE DÓRIA

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar