AUTOCONHECIMENTO: UMA OPORTUNIDADE DE INCRÍVEL DE SE CONECTAR A SUA ALMA E TRANSFORMAR A SUA VIDA

O texto desta quinta-feira, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO é literalmente puro AUTOCONHECIMENTO. Uma oportunidade incrível de você mergulhar no seu EU intrínseco e chafurdar, remexer as suas entranhas a procura da resposta para uma pergunta que atormenta muitas pessoas: por que estou sempre solteiro(a)? Uma oportunidade de se conectar com a sua alma e quiçá, fazer as pazes com a sua criança interna. Portanto, vá fundo, leia o texto completo a seguir. São apenas 10 minutos de leitura que podem transformar a sua vida!

Por que estou sempre solteiro? Reforma íntima para atrair a alma gêmea

Mulher olhando pensativa para a cidade pela janela
Free-Photos / Pixabay / Canva

Cada um busca a própria felicidade de maneira única. Algumas pessoas estão sozinhas há muito tempo e gostam de apreciar a quietude da própria companhia. Já outras não suportam a ideia de estarem sós, e entre um relacionamento e outro sempre se queixam por estarem solteiras, principalmente quando esse tempo se estende mais do que o esperado por elas.

Já dizia o velho ditado: antes só do que mal acompanhado. Mas será mesmo que a busca pela pessoa ideal depende tanto assim do outro? Você já parou para pensar sobre os porquês de permanecer solteiro por muito tempo?

Antes de culpar a falta de comprometimento do outro ou dizer que não encontra ninguém compatível com você, talvez seja válido olhar para dentro de si e buscar entender por que tem sido tão difícil encontrar alguém ou, quando encontra, por que é tão difícil se entregar a essa pessoa.

Para quem está solteiro há algum tempo e procurando um parceiro romântico para compartilhar os grandes momentos da vida, saiba que tudo é questão da hora certa e do momento certo. E como saber se esse é o meu momento certo?

Bem, muitos dos problemas que encontramos quando nos relacionamos com alguém são causados por questões pessoais profundas que podem estar bloqueando nossas relações interpessoais. Não conseguimos nos conectar com outra pessoa plenamente antes de aprendermos a lidar com as dores adormecidas dentro de nós. Veja a seguir, quais são alguns dos aspectos emocionais que podem estar impedindo você de encontrar um novo amor:

Não saber quem você é

Antes de se preocupar em encontrar a pessoa certa, precisamos entender que somos seres únicos. Não devemos procurar alguém que nos complete, porque não há nada faltando em nós: um parceiro precisa vir apenas para somar!

Mulher meditando

Natural Women Collection / Canva

Nós aceitamos aquilo que achamos que merecemos. Então só estaremos preparados para encontrar um grande amor quando estivermos bem com nós mesmos. Enquanto estiver solteiro, aproveite esse tempo para se conhecer e se aperfeiçoar.

Reconheça seus pontos fracos e valorize suas maiores qualidades. Somente depois de saber exatamente do que gosta e quem você é quando está sozinho, você poderá ter uma visão mais clara do que está procurando.

Não saber diferenciar o real do idealizado

Somos diariamente bombardeados por fotos nas redes sociais de casais aparentemente perfeitos e em absoluta harmonia. Entretanto, sejam anônimos ou famosos, cada um só expõe o melhor de sua vida nas redes sociais. Jantares românticos, presentes caros ou surpresas inesperadas, nada disso garante que o relacionamento é perfeito o tempo todo.

A verdade é que raramente expomos momentos tristes ou brigas, e ao elevar muito o padrão do que esperamos de um relacionamento, estamos ignorando que somos seres humanos. Às vezes estamos cansados, às vezes erramos, e o amor verdadeiro se mostra mais forte naqueles momentos de maior dificuldade.

Procure alguém com características que sejam realmente importantes como bom humor, honestidade, senso de responsabilidade e justiça e, principalmente, observe se a pessoa sabe te ouvir e se preocupa com você. Não devemos buscar por perfeição nem nos compararmos com outros casais, pois isso não nos leva a outro caminho, senão à frustração.

Egocentrismo

Representação do ego com um peão de xadrez vendo o reflexo como uma rainha

vkara / Getty Images Pro / Canva

Há uma sutil diferença entre autoconfiança e egocentrismo. Ter uma autoestima sólida é essencial, principalmente dentro de um relacionamento amoroso. Assim, você sabe exatamente o que merece e jamais aceitará pouco da outra pessoa. Mas se amar não é sinônimo de ser egoísta, e não podemos agir como se o resto do mundo existisse apenas para nos servir.

Não há, afinal, nada mais desconfortável do que alguém que só fala de si, das suas conquistas, do seu dia e da sua aparência. Mostre-se interessado pela outra pessoa! Ouça o que ela tem a dizer e repare naquelas coisas que ela ainda não disse, mas deixou transparecer.

Abandone a ideia de que o mundo gira em torno de você, tenha mais empatia e se coloque no lugar do outro. Muitas brigas dentro de um relacionamento acontecem pela falta do diálogo. Ao invés de presumir algo, converse! Pessoas que só conseguem pensar em si mesmas não estão prontas para uma relação madura e afetuosa com outra pessoa.

Esconder-se do mundo

Sem dúvidas, se você acabou de terminar um relacionamento, é esperado querer um tempo para si, mas ele não deve se perpetuar por toda a vida. Quando ficamos muito tempo solteiros, acreditamos que é menos trabalhoso estar sozinho a conhecer alguém, e muitas vezes desperdiçamos oportunidades de encontrar alguém legal para ter ao lado.

Encontrar um amor para chamar de seu nem sempre é tão fácil como nos filmes e você dificilmente encontrará no rapaz bonito que se sentou na poltrona ao lado do avião ou ainda, na moça que você esbarrou a caminho do trabalho e te convidou para tomar um café.

Abra-se para o mundo! Não tenha medo de aceitar convites de amigos e não ignore oportunidades de conhecer novas pessoas, mesmo que isso signifique mudar um pouco a rotina. O amor não surgirá magicamente e nós precisamos dar uma chance para que ele possa acontecer.

Isso fica mais fácil a partir do momento que abrimos nosso coração. Se você já teve seu coração partido, é normal que o medo de uma possível rejeição seja uma barreira para que você se aproxime de alguém novamente, mas não tenha receio de mostrar sua personalidade ao conhecer novas pessoas. Quem se interessar por você, vai gostar por você ser exatamente como é!

Bloqueios emocionais

Ao longo de nossa vida, passamos por diversas situações que podem abalar nossa autoestima. Crises em relacionamentos antigos, contratempos na vida profissional, relações familiares conflituosas, isso sem falar em inseguranças relacionadas a alguma característica pessoal.

Mulher chorando sendo consolada por alguém

Polina Zimmerman / Pexels / Canva

Muitas vezes, certos bloqueios surgem da somatória de várias feridas emocionais que fomos negligenciando ao longo da nossa vida. Medo do abandono, por exemplo, é uma situação bem comum que impede que muitas pessoas se joguem em um novo romance!

Pessoas muito inseguras costumam se autorrotular, antever o que o outro pensará sobre ela, e o medo de dar errado costuma ser maior do que a vontade de que um novo romance dê certo. Para que um relacionamento se desenrole naturalmente, deixe que a pessoa descubra mais sobre você com o tempo.

Exercitar a nossa autoconfiança é algo muito positivo, mas certamente você precisará chegar em lugares mais profundos para entender de onde vêm esses bloqueios emocionais. A psicoterapia auxilia bastante nesse processo de autoconhecimento e de entender como podemos nos curar dessas emoções prejudiciais.

Ser impaciente

Não é incomum depositarmos todas nossas esperanças em um relacionamento, e caso esse termine, acreditarmos que não vamos mais ser felizes, pois a nossa chance de encontrar o amor da nossa vida já passou. Terminar um ciclo não é sinônimo de fracasso e muito menos devemos pensar que já passamos da idade para viver um grande amor!

Cada pessoa tem uma jornada diferente na vida. Isso quer dizer que o tempo de cada um é único e você não precisa desistir de se relacionar amorosamente por achar que já está velho demais para isso ou então aceitar um amor pela metade por medo da solidão.

Com isso, você pode fechar os olhos para algo muito maior em sua vida. Tenha certeza de que quando o amor chegar, não haverá quaisquer dúvidas em seu coração!

Se alguma vez você já se decepcionou com alguém ou então cresceu em uma família onde as brigas eram constantes, você precisa se libertar de sentimentos negativos que costuma atribuir a relacionamentos.

Mulher feliz sendo abraçada

fizkes / Getty Images / Canva

Fora isso, diferentemente dos contos de fadas, relacionamentos reais nem sempre são felizes o tempo todo. Quando duas pessoas escolhem ficar juntas, devem abrir mão do orgulho para que a convivência seja harmônica e, claro, nada como uma conversa sincera para garantir a longevidade do relacionamento.

Mas e agora, o que fazer para mudar? Antes de pensar em uma nova história de amor, foque em entender quais são os seus traumas passados. Identificar seus medos é o primeiro passo para poder se curar dessas sequelas. Para ser feliz com alguém é preciso estar bem emocionalmente, e alguns métodos podem auxiliar nesse processo de cura:

Procure ajuda psicológica

Feridas emocionais podem se curar sozinhas com o tempo, mas em muitos casos podemos contar com a ajuda de um profissional para que não se tornem um problema ainda maior e sejam projetadas em futuros relacionamentos. Por meio da terapia, o psicólogo nos ajuda a enxergar quais são os maiores obstáculos que podem estar nos atrapalhando e entender como podemos superá-los. A Terapia Cognitivo Comportamental, por exemplo, é um ramo da psicologia que nos auxilia a entender de que maneira interpretamos os acontecimentos de nossa vida para aprendermos a lidar melhor com eles.

Livros podem ajudar

A leitura é uma excelente opção, mas você não precisa procurar necessariamente por títulos óbvios sobre como encontrar um amor. É importante, nesse processo, focar no seu “eu interior”. Busque livros cujo conteúdo instigue o autoconhecimento, fortaleça a autoestima e amplie o conhecimento.

Pessoa lendo livros deitada no sofá

Lolostock / Canva

Um exemplo é “A parte que falta”, de Shel Silverstein, um clássico da literatura juvenil capaz de impactar leitores de todas as idades. O livro traz à tona vários questionamentos sobre o que é amor e sobre dependência emocional.

Equilíbrio por meio da meditação

meditação também pode ser um grande passo para o processo de cura interior. Diversos vídeos de meditação guiada estão disponíveis na internet e certamente serão essenciais para desbloquear algumas emoções por meio do autoconhecimento e controle da ansiedade.

A ansiedade pode boicotar novas experiências, pois é comum que as pessoas desistam de um relacionamento antes mesmo de ele ficar mais sério, apenas por medo de reviver alguma situação negativa. Meditar é o encontro do corpo com a mente e vai te ajudar a identificar a raiz dos seus medos e atrair boas vibrações.

Em síntese, o autoconhecimento é a questão-chave para entendermos as razões pelas quais estamos sozinhos. Depois de identificadas, é essencial modificarmos pensamentos e hábitos que podem estar nos impedindo de iniciar um relacionamento amoroso, como certos comportamentos pessoais, ou até mesmo decidir se não é a hora de romper alguns ciclos com pessoas que já foram importantes, mas hoje não nos acrescentam mais nada.

Lembre-se de que equilibrar as energias é um fator importante para atrair coisas boas para sua vida. Colocar-se em primeiro lugar pode ser o que está faltando para você encontrar sua alma gêmea. Comece tendo mais afeto consigo, cuide dos seus pensamentos e das suas atitudes. Sem dúvidas, logo a pessoa amada aparecerá em sua vida!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: UMA OPORTUNIDADE DE INCRÍVEL DE SE CONECTAR A SUA ALMA E TRANSFORMAR A SUA VIDA

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: OBSERVE SEUS PENSAMENTOS COMO PENSAMENTOS E NÃO COMO REALIDADE E ELES SE TORNAM SEUS ALIADOS

Da mesma forma, os pensamentos podem ser vistos como peças libertadoras da sabedoria. Se você observa seus pensamentos como pensamentos, em vez de confundi-los com a realidade, eles se tornam aliados, companheiros no caminho  e podem se transformar em peças libertadoras da sabedoria. Conheça aqui os cinco passos ou símbolos no processo do desenvolvimento do ego. A palavra sânscrita para esses símbolos, skandhas, significa, literalmente, agregados ou amontoados ou agrupamentos momentâneos de eventos mentais e físicos.   Os skandhas iluminam o processo quíntuplo de fixação mental, engajando-se numa batalha perdida do ego contra o mundo. Contudo, os mesmos eventos mentais são a base de um cessar-fogo, uma entrada para a paz luminosa e sem lutas. Convido você a ler o texto completo a seguir e expandir um pouco mais a sua consciência!

Como funciona a sua mente

Os pensamentos podem ser vistos como peças libertadoras. Se você os observa como pensamentos, em vez de confundi-los com a realidade, eles se tornam aliados. Você se abre a uma percepção ampla e saboreia a vastidão do mundo

Gaylon Ferguson*

Poder da mente: 6 passos para dominar seus pensamentos

William James, um dos fundadores da psicologia moderna, disse que nossa experiência primária do mundo é de “um grande florescimento, uma enorme confusão”. Atualmente pesquisadores mostram que os recém-nascidos têm mais habilidades para compreender experiências do que James acreditava, mas mesmo adultos ficamos confusos sobre como funciona a nossa mente. Sabemos que temos mente e experiências psicológicas, mas quem somos realmente? Como a mente atua para moldar nossas experiências do mundo, nossa experiência de estar vivo? Como ver claramente o rápido desabrochar da mente e do mundo?

A psicologia budista examina a nossa experiência diária de clareza e confusão a respeito da mente e do eu. Os mais antigos mapas budistas do nosso senso de eu mostram cinco passos no processo do desenvolvimento do ego. A palavra sânscrita para esses símbolos, skandhas, significa, literalmente, agregados ou amontoados. Os skandhas são agrupamentos momentâneos de eventos mentais e físicos. Aliás, mente e corpo – o mental e o físico – são os principais tipos de eventos. Nós nos experimentamos mesmo como seres corporificados num mundo de outras formas físicas, como árvores e automóveis, e nos movemos ao lado de outros seres vivos, com suas próprias experiências mentais de sofrimento e tranquilidade.

Os cinco skandhas ou “amontoados” do nosso ser básico são: (1) forma; (2) sentimento; (3) percepção;(4) conceito; e (5) consciência. Vamos examinar, passo a passo, como eles constroem nosso senso de eu. Forma – O primeiro skandha é chamado de forma, significando tanto o corpo físico quanto o corpo do mundo. A forma é a base do nosso ser, o senso fundamental de que somos este corpo e esta mente. A separação entre corpo e mente é a distinção primária da nossa experiência. Meu corpo tem um peso na balança, mas meus pensamentos  têm substância incerta. Eles importam, particularmente para mim, mas não são materiais. Meu corpo e minha mente estão juntos, mas em desconfortável tensão.

Como em qualquer relacionamento dualista, corpo e mente podem se combinar harmoniosamente juntos durante algum tempo, mas podem também cair em profunda divisão, com discussões e separações em trincheiras. Quando tudo está indo bem, meu corpo coopera com o que minha mente parece querer dele: “Vamos tomar o café da manhã agora, não?” Mas às vezes o corpo se rebela e desenvolve uma dor no joelho exatamente quando eu queria dar uma corrida, ou adormece durante um encontro importante.

Corpo e mente  são como irmãos em disputa, porém unidos. Se estamos fisicamente cansados ou famintos, a experiência e o julgamento que fazemos dos outros podem ser contaminados pela fadiga e o baixo nível de açúcar. Um estudo recente mostrou que os juízes de Israel concedem indulto em 65% dos casos ouvidos imediatamente após terem comido, e em quase zero casos ouvidos exatamente  antes de um intervalo ou ao final do dia. Assim, o primeiro insight quanto ao funcionamento da mente é: entender a experiência mental requer estreita atenção ao skandha da forma.

Sentimento – A fase seguinte do surgimento do eu é chamada de sentimento, referente a gostar, desgostar ou sermos indiferentes ao que percebemos. Como nos sentimos a respeito das formas e seres que encontramos? Eles parecem atrativos ou ameaçadores? Sentimos como se estivéssemos correndo em direção a eles ou nos afastando? Esses sentimentos intuitivos – que não são emoções suficientemente maduras – formam a base para os impulsos subsequentes em direção ao que estamos experimentando, ou na direção contrária. “Um casaco  quente no inverno? Gosto muito disso. Quente demais ao sol do meio-dia? Não gosto.” Gosto, aversão, atração, repulsão, neutralidade – seguimos em círculo dia e noite.

Os devaneios e pesadelos são todos “temperados” pelo sentimento. Os sentimentos são o pano de fundo para toda a nossa experiência, uma textura mutante de encontro e troca com o mundo. Não que não existam seres benevolentes e malévolos, aqueles que nos desejam o bem e os que nos querem causar malefício.

Os sentimentos também são uma experiência mental. É, em parte, o deleite de nossa própria mente que saboreamos ao comer uma maçã. O skandha do sentimento aponta para o aspecto principalmente mental de toda a nossa experiência. Nossa mente acompanha a experiência de qualquer coisa. Isso parece óbvio a princípio, mas é um dos principais insights das tradições contemplativas. As experiências agradáveis ou desagradáveis do que quer que seja sempre têm um aspecto interno, e damos a esse aspecto o nome de mente.

Percepção – O estágio seguinte no desenvolvimento do eu é chamado de percepção. Estes são discernimentos mais específicos do que as avaliações gerais de sentimentos. Trata-se de “eu gosto muito não só do calor do meu casaco, mas também da sua cor azul e textura macia”. Essa percepção de qualidades desejáveis e  agradáveis estão todas tingidas pelas tendências do passado; nós prejulgamos uma coisa baseados nos sentimentos prévios.

Esses julgamentos perceptivos ocorrem a partir do meu ponto de vista, não da perspectiva de um “eu” que gradualmente se solidifica – a experiência que uma mariposa teria do casaco seria muito diferente. Percebemos isso como “um casaco de lã muito bom, azul e bonito” porque, pelo menos por enquanto, ele parece estar “do meu lado”, do lado de um eu central. Existe um senso nascente de que o casaco me completa, assim eu o agarro para tê-lo comigo. É como se, agarrando firmemente o casaco (substitua-o por qualquer coisa que sirva para você), eu também esteja agarrando-me a um eu.

O egocentrismo desse “perceber” chega para pousar na recompensa psicológica: o casaco suéter faz bem, estou melhor do que quando eu estava sem ele, estou muito mais sólido  num mundo em rápida mudança.

É como se o skandha da percepção fosse um desatualizado operador de uma central que temerosamente rastreia nossas ligações telefônicas segundo um critério simples: a meu favor ou contra mim? Como resultado, nossa experiência do mundo chega convenientemente empacotada em coisas que percebemos como boas para nós e coisas que não o são.

O problema é que o operador age com pressa e ansiedade, mal parando para perguntar o nome de quem liga ou a natureza do chamado. O operador muito rapidamente decide completar algumas ligações “amistosas” e a negar acesso a outras “inimigas”.

Isso seria muito útil e eficiente se fosse um processo preciso. Infelizmente, muitas vezes é uma série cômica de erros dolorosos, uma opinião preconceituosa baseada em padrões habituais: “Eu me lembro de você pelo agradável tom de voz, você é um ótimo amigo, deixe-me completar logo sua ligação.” Ou “Não, eu nunca ouvi falar de você, mas sua voz feia me lembra  uma pessoa desagradável, adeus.” Portanto, a percepção acrescenta nomes e rótulos de “reconhecimento” baseados na experiência passada. Vemos também impulsos correspondentes desenvolvendo-se para agarrar ativamente a experiência ou afastar-se dela.

Nosso superocupado e sensível operador da central também não consegue levar em conta o fato crucial da mudança. Todos nós já descobrimos que uma pessoa de quem duvidávamos ontem pode ser um  amigo amanhã – e vice-versa. Essa descoberta do novo é o que bloqueia o downloading de percepções passadas.

Percepção – O processo de desenvolvimento do ego endurece mais com o quarto skandha: conceito ou formação mental. Com o conceito, damos adjetivos para o tipo de pessoa que Maria é – boa, agradável – e para o tipo de pessoa que João representa  mau, desagradável. Este é o reino dos enredos e ideologias. É o aspecto dualista da mente, que chamamos de falso intelecto – ele usa categorias conceituais fixas para nós mesmos e para os outros.

Nesse reino  de visões distorcidas nós nos enganamos habilmente com base em julgamentos precipitados, intuições nebulosas, notícias de ontem:“ Ah, agora percebi, eu sou este tipo de pessoa e você é daquele tipo. Não podemos mais ser amigos.” Neste estágio, desenvolvemos sofisticadas interpretações de nós mesmos e de nossa experiência, muito além do sentimento básico de sim e não. É uma dimensão de explicações psicológicas: “Eu sou este tipo de pessoa porque isso já aconteceu antes.”

Não devemos negar o poder de causas e condições anteriores na formação dos seres que nós nos tornamos. Mas a tentação é transformar a água corrente de uma visão nova em cubos de gelo, em ideias fixas. Eu repito muitas e muitas vezes para mim mesmo, e para quem quiser ouvir velhas histórias sobre quem eu  sou, o que eu era e no que estou me tornando (e também quem você é e por que você é assim). Deixamos a humildade do não saber para trás e nos abrigamos num matagal de  conceitos.- Percepção –

Finalmente descobrimos a experiência mental do quinto skandha. O momentum acumulado da divisão inicial mente-corpo, o senso positivo ou negativo que temos dos outros, os rótulos para nós mesmos e para o mundo culminam numa vívida exibição de emoções e pensamentos.

Este skandha é a familiar corrente de consciência que experimentamos na vida diária – nossa corrente mental. A psicologia budista divide-a em oito consciências separadas. Além dos familiares sentidos de consciências (ver, ouvir, cheirar, saborear e tocar), o Budismo acrescenta um sexto sentido  consciencial, o mental. Assim como a consciência auditiva cuida dos sons, a sexta consciência da mente cuida dos pensamentos e das emoções. Ela também sintetiza a experiência das outras consciências num todo coerente, como um habilidoso editor de filme que coordena imagem, som e comentários discursivos.

Subjacentes aos seis sentido  conscienciais, podemos vislumbrar outras duas consciências: uma corrente subconsciente de ansiedade e emoções conflituosas (klesha, “consciência do incômodo”) e uma percepção nebulosa de fundo (alaya, “consciência depósito”), que às vezes rememoramos e chamamos de “eu”. Essas correntes subterrâneas são grandes inspiradoras; elas surgem ocasionalmente com velhos ressentimentos, ciúmes, paixões fixas e negações fortemente motivadas.

O skandha da consciência completa o desenvolvimento do ego iludido. Agora nos sentimos separados, independentes, sozinhos – apesar das amplas evidências do contrário.

Não estamos separados do ambiente. Se estivéssemos, como poderíamos  respirar, comer, beber e nos sustentar? De onde vem a língua que falamos, escrevemos e lemos? Nenhum de nós é autoproduzido, como nos  lembram nossos pais. Longe de sermos simples e unitários, nós nos elevamos como um conjunto dinâmico de acontecimentos físicos mentais, incluindo respiração, sono, sonho e despertar. Temos aspectos emocionais, psicológicos e fisiológicos, e embora eles ocasionalmente discordem entre si, também cooperam e se harmonizam.

Um insight sobre como nossas mentes funcionam não é um fim em si mesmo. A tradição não oferece esse ensinamento como simples conhecimento intelectual. Você deve usar esse mapa para se familiarizar cada vez mais, através da experiência direta, com os processos que chama de “eu” e “minha mente”.

Desenvolver uma amizade harmoniosa  consigo mesmo é a parte principal da senda budista do despertar. Os ensinamentos sobre os cinco skandhas convidam a uma experiência mais profunda de si mesmo. O que você encontra quando examina sua experiência de corpo e mente? Não estamos falando de dogmas – a questão não é confirmar se o mapa está “correto”. Parte da questão é notar que o mapa não é o território. Imagine um mapa do Canadá do tamanho do Canadá: ele seria inútil. Você foi convidado a ser um explorador de seus terrenos internos e externos.

Ao se engajar nessa exploração psicológica, um de seus melhores companheiros será o sentimento de amizade para consigo mesmo e para com os outros. A amizade significa considerar esses cinco processos mentais não como sinais de fraqueza ou inadequação, mas como aspectos de sua humanidade básica. Com o cultivo da amizade você pode experimentar os skandhas (e o que quer que surja no caminho) com verdadeira gratidão.

Os skandhas apontam, primeiramente, para a cura da separação mente-corpo. Se você prestar atenção ao corpo e à mente como uma experiência real, e apenas uma ideia distante, então começou bem. Isso é tradicionalmente chamado de “plena atenção ao corpo”. É um senso simples de boas-vindas e inclusão da sua experiência física – sem louvar ou condenar o corpo.

O mesmo serve para os outros skandhas. Se você consegue simplesmente sentir seus sentimentos, sem rejeitá-los ou contar a si mesmo histórias que justifiquem que você está certo, então os sentimentos se tornam sinais claros de estar vivo. Você não precisa representá-los nem reprimi-los. Isso é liberdade; isso supera a avidez e a fixação, e permite que seus sentimentos possam se elevar, marcar presença e ir embora. Você gosta que a vida borbulhe com emoções coloridas, com experiências sinceras. Você aprecia ser humano.

Da mesma forma, os pensamentos podem ser vistos como peças libertadoras da sabedoria. Se você observa seus pensamentos como pensamentos, em vez de confundi-los com a realidade, eles se tornam aliados, companheiros no caminho. Em vez de confinar sua percepção dos sentidos nas caixas estreitas de “por mim” e “contra mim”, você se abre a uma percepção ampla de visão e audição, e saboreia a vastidão do mundo.

Nessa viagem, tanto a claridade quanto a confusão estão entretecidas na experiência mental do dia a dia. Os skandhas iluminam o processo quíntuplo de fixação mental, engajando-se numa batalha perdida do ego contra o mundo. Contudo, os mesmos eventos mentais são a base de um cessar-fogo, uma entrada para a paz luminosa e sem lutas.

Cada momento no desabrochar de sua experiência é uma oportunidade de dar as boas-vindas a si mesmo, a seus sentimentos, à sua mente e às outras pessoas. A chave para trabalhar com a mente e compreender seus processos está no calor e na amizade inatas da própria mente. Você não precisa de um corpo-mente melhor. O desafio é ser amigo da sua mente e do seu corpo.

Fonte: Revista Sophia- Ano 19- nº 89

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: OBSERVE SEUS PENSAMENTOS COMO PENSAMENTOS E NÃO COMO REALIDADE E ELES SE TORNAM SEUS ALIADOS

DICA DE LIVRO: ANTITARJA PRETA DE PABLO VINÍCIUS

A nossa DICA DE LIVRO desta quarta-feira é uma das melhores obras literárias que já tive a oportunidade de ler. Antitarjapreta, por incrível que pareça foi escrito por um psiquiatra. Não é preciso ser muito inteligente e nem mesmo ler a sinopse deste livro para entender que o seu conteúdo reprova o uso de remédios controlados, em especial os tarjas pretas, já que o próprio título já o denuncia. Obras com esta trás um novo alento para uma sociedade doente, totalmente dependente de remédios, pois mostra que uma nova geração de médicos e pesquisadores está mudando essa mentalidade.

Se você ainda não entendeu ou está curioso para conhecer um pouco do conteúdo deste livro, aqui vai a sinopse:

A vida real, com seus altos e baixos, tem levado muitas pessoas a se medicarem sem que os critérios terapêuticos estejam claros.

No entanto, ao contrário do que muitos podem pensar, os relacionamentos não mudam porque tomamos um remédio para suportá-los. O trabalho não muda só porque nos anestesiamos para aguentar a pressão, o excesso de demandas e o assédio moral. E o mundo à nossa volta não muda porque estamos vivendo à base de medicamentos.

Foi do consultório do dr. Pablo Vinícius que saíram os instigantes casos que você conhecerá neste livro: médico e pacientes iniciam uma jornada sem contraindicações rumo ao resgate do controle não apenas de suas emoções, mas de sua própria vida.

A verdadeira mudança precisa vir de dentro para fora, e o tratamento é passo a passo, não comprimido a comprimido.

Você prefere se enganar ou encarar essa questão cara a cara?

Pablo Vinicius é formado em Medicina pela Universidade Federal de Uberlândia e especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria, em Saúde Mental pela Fiocruz e em Medicina do Sono pelo Instituto do Sono de São Paulo e pela Associação Brasileira do Sono. Fez mestrado em Ciências da Saúde na Universidade de Brasília, com atuação em neurociências e participou de um fellowship em Estimulação Magnética Transcranial na Universidade de Columbia, em Nova York. Atualmente é professor do curso de Medicina das Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central, em Brasília, onde também é coordenador do Internato em Saúde Mental.

Fonte: Acervo próprio

Continuar lendo DICA DE LIVRO: ANTITARJA PRETA DE PABLO VINÍCIUS

DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA – EPISÓDIO #4 – QUAL O PODER DOS NOSSOS PENSAMENTOS?, POR ROSSANDRO KLINJEY

Continuando a série RENASCER – CUIDANDO DA ALMA com o psicólogo Rossandro Kilnjey, você vai refletir sobre “Qual o poder dos nossos pensamentos?”. O quanto os nossos pensamentos comandam a nossa vida, o quanto somos reféns dos nossos pensamentos e o que podemos fazer para nos libertarmos disso? São questionamentos que vão ser respondidos neste vídeo pelo competente psicólogo e vão lhe ajudar a assumir o comando da sua vida!

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA – EPISÓDIO #4 – QUAL O PODER DOS NOSSOS PENSAMENTOS?, POR ROSSANDRO KLINJEY

ARTIGOS: O RECONHECIMENTO É A FORMA MAIS SUTIL DA GRATIDÃO

Criando uma cultura de reconhecimento módulo de as pessoas primeiro

VAMOS FALAR SOBRE RECONHECIMENTO

Digamos, por exemplo, que alguém nos chama de “estúpido”. Qual a nosso reação imediata natural? Claro, é ter raiva. Ao questionarmos da seguinte forma: “Sobre qual aspecto essa pessoa está me pedindo para que me torne mais consciente?”. Estamos usando essa energia de raiva conscientemente. Se nos fizermos essa pergunta, podemos chegar à conclusão de que não estávamos conscientes do que estava acontecendo em nosso relacionamento.

Se seguirmos constantemente esse procedimento, vamos chegar à consciência de que todas as pessoas em nossa vida estão agindo como espelho. Elas realmente estão refletindo de volta para nós o que não conseguimos reconhecer dentro de nós mesmos. Elas estão nos forçando a olhar para o que precisa ser tratado. Que aspecto de nosso ser inferior precisa ser abandonado? Isso significa que, para desfazer a raiva devemos deixar constantemente ir o nosso orgulho, para que possamos ser gratos pelas oportunidades contínuas de crescimento às quais somos apresentados no curso de nossa experiência diária.

Portanto, uma fonte de raiva é decorrente de atos não reconhecidos de amor que expressamos aos outros. Amor, neste caso, significa formas simples diárias de carinho que acontecem em todo relacionamento humano sob a forma de reflexão, consideração, gestos educados, encorajamento e providência.

Toda essa chicana de raiva pode ser compensada e/ou impedida quando enxergamos o enorme valor de apenas reconhecer tudo o que nos impacta. Por exemplo, se os amigos nos ligam, agradecemos por isso. A razão é que esse gesto faz com que as pessoas se sintam completas e seguras conosco. É um reconhecimento do seu valor em nossa vida, e quando reconhecemos seus valores, todos ficam contentes.

Esse reconhecimento não precisa ir para o exterior, mas pode ter um lugar dentro de você mesmo. Ao examinarmos os nossos relacionamentos, podemos nos perguntar: “O que eu tenho falhado em reconhecer naqueles com quem tenho contato diário? E essa pergunta nos remete a forma mais sutil de gratidão: o reconhecimento!

Wagner Braga

Continuar lendo ARTIGOS: O RECONHECIMENTO É A FORMA MAIS SUTIL DA GRATIDÃO

AUTOCONHECIMENTO: A CIÊNCIA JÁ EXPLICA COMO O DNA PODE SER REPROGRAMADO POR PALAVRAS E FREQUÊNCIAS

A ciência está cada vez mais próxima de afirmar que a AUTOCURA é real e inerente ao ser humano. Na nossa coluna AUTOCONHECIMENTO desta segunda-feira você vai ficar por dentro de uma nova descoberta, feita por cientistas russos  explica fenômenos tais como clarividência, intuição, atos de cura espontâneos e remotos, técnicas de afirmação. auras/luzes incomuns ao redor de pessoas (especialmente mestres espirituais), influência mental sobre padrões de clima e muito mais. Por isso você não pode deixar de ler esse artigo sensacional e entender como e porque o DNA pode ser reprogramado por palavras e frequências!

O DNA humano é uma internet biológica e superior em muitos aspectos a internet artificial. Pesquisa científica russa direta ou indiretamente explica fenômenos tais como clarividência, intuição, atos de cura espontâneos e remotos, técnicas de afirmação. auras/luzes incomuns ao redor de pessoas (especialmente mestres espirituais), influência mental sobre padrões de clima e muito mais. Além disso, há evidências de um tipo completamente novo de medicina na qual o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e frequências sem cortar e substituir genes individuais.

Somente 10% do nosso DNA está sendo usado para construir proteínas. É este sub-sistema de DNA que é de interesse para os pesquisadores ocidentais e está sendo examinado e agrupado. Os outros 90% são considerados “DNA lixo”. Os pesquisadores russos, contudo, convencidos de que a natureza não era burra, juntaram linguístas e geneticistas em uma iniciativa para explorar aqueles 90% de “DNA lixo”. Os resultados deles, descobertas e conclusões são simplesmente revolucionárias!   De acordo com eles, nosso DNA não é somente responsável pela construção de nosso corpo, mas também serve como armazenamento de dados e para comunicação. Os linguístas russos descobriram que o código genético, especialmente nos aparentemente inúteis 90%, segue as mesmas regras como todas as nossas línguas humanas. Para este fim eles compararam as regras de sintaxe (a maneira na qual as palavras são colocadas juntas para formar frases e sentenças), a semântica (o estudo do significado nas formas de linguagem) e as regras gramaticais básicas. Eles descobriram que os álcales de nosso DNA seguem uma gramática comum e tem regras exatamente como nossos idiomas. Dessa forma, as línguas humanas não apareceram por coincidência, mas são um reflexo natural de nosso DNA.

O biofísico e biólogo molecular russo Pjotr Garjajev e seus colegas também exploraram o comportamento vibracional do DNA. (Por uma questão de brevidade eu darei apenas um resumo aqui.) O resultado foi: “Os cromossomos vivos funcionam exatamente como computadores solitônicos/holográficos usando radiação laser endógena do DNA. “Isso significa que eles conseguiram, por exemplo, modular certos padrões de frequências em um raio laser e com ele influenciaram a frequência do DNA e assim a própria informação genética. Desde que a estrutura básica dos pares DNA-álcales e da linguagem (como explicado acima) são da mesma estrutura, nenhuma decodificação de DNA é necessária. Alguém pode simplesmente usar palavras e sentenças da linguagem humana. Isso, também, foi provado experimentalmente! A substância do DNA vivo (no tecido vivo, não in vitro) sempre reagirá a raios laser modulados pela linguagem e até por ondas de rádio, se as frequências adequadas estiverem sendo usadas.

Isso explica finalmente e cientificamente porque afirmações, treinamento autógeno, hipnose e afins podem ter efeitos tão fortes sobre os humanos e seus corpos. É inteiramente normal e natural para nosso DNA reagir a linguagem. Enquanto pesquisadores ocidentais cortam fios de genes individuais do DNA e inserem em algum outro lugar, os russo entusiasticamente trabalhavam em dispositivos que podem influenciar o metabolismo celular através de frequências moduladas de rádio e luz adequadas e assim reparar defeitos genéticos.

O grupo de pesquisa de Garjajev foi bem sucedido em provar que com esse método que cromossomos danificados por raios X, por exemplo, podem ser reparados. Eles até mesmo capturaram padrões de informação de um DNA particular e transmitiram para um outro, deste modo reprogramando células para outro genoma. Assim eles transformaram com êxito, por exemplo, embriões de sapo para embriões de salamandra simplesmente pela transmissão de padrões de informação. Desse modo a informação inteira foi transmitida sem nenhum dos efeitos colaterais ou discordâncias encontradas quando há corte e reintrodução de genes individuais do DNA. Isso representa uma inacreditável, uma revolução transformadora mundial e uma sensação! Tudo isso simplesmente aplicando vibração e linguagem invés de procedimentos arcaicos de remoção. Este experimento aponta para o imenso poder das ondas genéticas, o que obviamente tem uma maior influência na formação dos organismos do que os processos bioquímicos das sequências alcalinas.

Professores esotéricos e espirituais tem conhecido há décadas que nosso corpo é programável pela linguagem, palavras e pensamento. Isso agora foi provado e explicado cientificamente. É claro que a frequência tem de ser a correta. E é por isso que nem todo mundo é igualmente bem sucedido ou pode fazê-lo sempre com a mesma força. A pessoa individual deve trabalhar nos processos internos e maturidade a fim de estabelecer uma comunicação consciente com o DNA. Os pesquisadores russos trabalham em um método que não seja dependente desses fatores, mas que sempre funcionará, desde que a pessoa use a frequência correta.

Mas quanto mais desenvolvida a consciência é, menos necessidade há para algum tipo de dispositivo! Pode-se alcançar estes resultados por si mesmo, e a ciência finalmente parará de rir de tais ideias e confirmará e explicará os resultados. E não termina aí. Os cientistas russos também descobriram que nosso DNA pode causar padrões perturbadores no vácuo, dessa forma produzindo buracos de vermes(wormholes) magnetizados. Buracos de verme são os equivalentes microscópicos das assim chamadas ponte Einstein-Rosen nos arredores dos buracos negros (deixados por estrelas extintas). Estes são tuneis de conexão entre áreas inteiramente diferentes do universo através dos quais a informação pode ser transmitida fora do espaço e do tempo. O DNA atrai estes pedaços de informação e os passa para nossa consciência. Esse processo de hiper comunicação é mais efetivo em um estado de relaxamento. Stress, preocupações ou um intelecto hiperativo impedem uma hiper comunicação bem sucedida ou a informação será totalmente distorcida e inútil.

Grazyna Fosar e Franz Bludorf  www.zengardner.com

Maria Tereza Rocha Mensagem identica

Fonte: http://neusarochateles9.blogspot.com

Fonte: Portal Arcoíris

 

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: A CIÊNCIA JÁ EXPLICA COMO O DNA PODE SER REPROGRAMADO POR PALAVRAS E FREQUÊNCIAS

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: O QUE PENSAMOS SER O FIM É SÓ UM INÍCIO

Escolhemos um texto muito especial para REFLEXÃO na publicação da coluna DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL desta quinta-feira. O tema “A senda de luz” aborda os meandros, labirintos, ilusionismo, percalços e enganos, pelos quais passamos nessa caminhada evolutiva, que ao contrario do que, a princípio, possamos imaginar é muito mais longa exaustiva, a ponto de o autor estabelecer metas para nos fazer entender que o que pensamos ser o fim é só um início, pois a nossa existência é cíclica. Então convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

A senda de luz

Devemos alcançar a meta apenas para descobrir que o que pensamos ser o fim é só um início. A luz do sol ilumina o caminho – o sol físico e o sol interior – até o infinito

Wayne Gatfield*

SENDA DE LUZ

“O crepúsculo  possui uma magia indefinível. É um momento em que o véu entre os mundos parece fino; se o sentimos, uma grande beleza penetra nosso coração e colore tudo com ternura.”

No artigo “O Farol do Desconhecido”, Blavatsky escreveu: “O farol da verdade é a natureza sem o véu ilusório dos sentidos. Ele só pode ser alcançado quando o Adepto se tiver tornado o mestre absoluto de seu eu pessoal, capaz de controlar todos os sentidos físicos e psíquicos com o auxílio de seu ‘sétimo sentido’, através do qual ele é dotado também da verdadeira sabedoria dos deuses.”

“O farol sobre o qual os olhos de  todos os verdadeiros teósofos estão fixos é o mesmo, rumo ao qual, em todas as idades, a alma humana aprisionada tem lutado. Esse farol, cuja luz não brilha sobre nenhum mar terreno, mas que se reflete nas profundezas sombrias das águas primordiais do espaço infinito, é chamado por nós, como pelos antigos teósofos de Sabedoria Divina.”

Esta está nas lendas e contos de fadas de todo o mundo. A maioria fala da busca por algo: o Santo Graal, o Velo de Ouro ou a mão de uma princesa, simbolizando a busca de realização da Sabedoria Divina e as provações do caminho para essa meta.

A luz é sempre confortante, seja do sol, da lua, das estrelas ou a suave luz do nosso lar. Mais profunda ainda é a luz interna. A luz é a mesma em todos os níveis, mas difere por suas interações com nossos diferentes veículos; a mais inferior é a luz física.

As diferentes intensidades e tonalidades da luz em diferentes épocas do ano podem ter efeito na consciência da pessoa. Às vezes um dia nublado produz uma luz que causa uma melancolia positiva sobre a mente  as emoções, fazendo perceber aquilo que os japoneses chamam de mono-no-aware, a “pungência e beleza da existência transitória”.

Todos sabemos como um dia de sol aumenta o vigor, mas isso é sutilmente diferente de acordo com o mês. O efeito do sol de primavera não é o mesmo que o do verão ou inverno. Há muita variação, dependendo também da pessoa que o experimenta.

O crepúsculo possui uma magia indefinível. É um momento em que o véu entre os mundos parece fino; se o sentimos, uma grande beleza penetra nosso coração e colore tudo com ternura. George William Russel  escreveu: “Queremos que nessa hora o místico esteja em casa, menos metafísico e científico do que de costume, mais verdadeiramente ele mesmo. É costume, a essa hora, ceder um pouco e sonhar, deixando que as ternas fantasias que o dia suprime entrem na mente. Todas as coisas se tornam estranhamente suaves e unidas. As ruas comuns assumem algo da grandeza dos templos egípcios; as crianças correm atrás das outras e, enquanto fogem, olham para nós com olhares que há muito esquecemos; embalados pelo silêncio, deixamos de lado as duras arestas materiais e lembramos que somos espíritos.”

As crianças olham o mundo maravilhadas, mas são jovens demais para exprimir esses sentimentos em palavras. À medida que crescemos perdemos essa visão e começamos a intelectualizar tudo. Ficamos frios. Mas, se desenvolvemos o lado espiritual e poético da nossa natureza, penetramos numa segunda infância, num nível inteiramente diferente. “A princípio a montanha é apenas uma montanha; depois vemos que não é realmente uma montanha; no fim, é apenas uma montanha novamente”. Este ditado zen expressa o processo de reconquistar a inocência da infância com o acréscimo das nossas experiências. É a jornada da vida: partir da perfeição inconsciente, ter consciência da nossa imperfeição; e finalmente realizar a perfeição conscientemente. Isso se houver perfeição talvez tudo seja relativo.

Assim, temos que reconquistar estado infantil que perdemos, como dizem os ensinamentos espirituais. Estamos procurando a luz que jamais brilhou sobre terra ou mar, mas que ajuda a navegar o vasto oceano da sabedoria divina rumo ao nosso destino, ou, até onde sabemos, aos diferentes estágios de uma jornada sem fim.

Todos os heróis dos mitos alcançaram a meta tornando-a seu único interesse. Venceram dificuldades aparentemente insuperáveis focando a atenção no objeto da busca. Alguns ficaram pelo caminho, mas os mais bravos triunfaram. Krishna diz, na Bhagavad-Gita, que se focarmos a atenção nele chegaremos a ele. A melhor maneira é pensar em Krishna como o Eu Superior.

Devemos assumir a condição de seres imortais – nossos eus vêm e vão, mas nossa essência não muda. Nas palavras de A Voz do Silêncio: “Tenhas paciência, candidato, como quem não teme fracasso, nem corteja o êxito. Fixa o olhar da tua alma na estrela cujo raio és, a estrela chamejante que brilha nas escuras profundidades do ser permanente, nos ilimitados campos do Desconhecido. Tenhas perseverança, como aquele que tem de resistir eternamente. As tuas sombras vivem e desaparecem; aquilo que em ti viverá para sempre, aquilo que e ti conhece (porque é conhecimento não é de vida transitória: é o homem que foi, que é e será, para quem a hora nunca soará.”

As sombras são os nossos eus passageiros. Na vasta escala das coisas, nossos poucos e curtos anos nesta vida em particular são como o ditado Zen: “A vida é como um cavalo galopante que visualizamos através da rachadura na parede.”

Todos  estamos nessa peregrinação interior e devemos encontrar o caminho ao longo de estradas muitas vezes enevoadas, que às vezes nos leva por terrenos belos, às vezes agrestes Encontramos amigos e instrutores; temos aventuras e perigosas provações, mas nossa determinação nos impulsiona para diante e o sol ilumina nosso caminho. Mesmo que ele desapareça por trás das nuvens de nossa própria criação, sabemos que ainda está lá e retornará no tempo devido.

Na escuridão a lua pede emprestada a luz do sol e nos dá conforto, até que o amanhecer lança seu feitiço sobre o mundo e nossa esperança se fortalece. Então chega o momento em que ouvimos o ímpeto do rio da vida e alcançamos a ponte que devemos atravessar. Sentiremos a emoção de saber que esta é a consumação dos nossos  esforços ao longo de muitas vidas, e que logo sonhos e pesadelo passarão; enfrentaremos uma grande escolha que por fim terminará na nossa libertação e na elevação de toda a humanidade. Luz no Caminho nos diz: “Porque em ti está a luz do mundo, a única luz que pode ser projetada sobre o caminho. Se és incapaz de percebê-la dentro de ti, é inútil que a procures em outra parte. Está fora do teu alcance, porque, quando chegares a ela, já não te encontrarás a ti mesmo. É inatingível, porque retrocede sempre. Estarás no seio da luz, mas nunca tocarás a Chama.”

Devemos alcançar a meta apenas para descobrir que o que pensamos ser o fim é só um início; até onde sabemos, não existe fim na busca. A luz do sol ilumina o caminho – o sol físico e o sol interior – até o infinito.

No caminho ajudamos uns aos outros; entendemos as limitações humanas e desejamos perdoar “não sete vezes, mas setenta e sete”, o mais gentilmente possível para com quem erra. Aprendemos que a jornada não é solitária, mas feita com nossos companheiros peregrinos, e que temos o bem da humanidade em nossa mente à medida que seguimos. E, de um  certo modo, o progresso é uma ilusão, porque já estamos lá – precisamos apenas afastar as nuvens que nos impedem de ver o sol sempre brilhante do nosso ser interior.

Todas as vidas podem ser uma aventura em busca do Santo Graal– as lutas, os desapontamentos e as alegrias são grãos para o moinho. Se  desenvolvemos a correta atitude, todas as experiências ajudam no caminho. Quando olhamos para o mundo devemos imaginar que estamos numa montanha olhando para baixo, para tudo que se passa – a mente inferior cria divisões entre países, religiões, partidos, famílias, mas internamente somos todos  o mesmo. Essas diferenças são apenas “a cruel  heresia da separatividade  que nos afasta dos demais”, como diz A Voz do Silêncio.

Permitimos que a ilusão nos separe; construímos muralhas em vez de pontes e olhamos os outros através dos nossos próprios equívocos; não fazemos concessões  à limitada natureza humana; esquecemos de tirar a venda dos nossos olhos antes de criticar os olhos do outro. “Que aquele sem pecado atire a primeira pedra.”

Se queremos que as pessoas amem umas às outras, devemos mostrar o caminho da melhor maneira possível. Assim, terminarei com uma citação de “O Novo Ciclo”, de Blavatsky: “Ninguém está tão  ocupado ou é tão pobre que não possa cria um nobre ideal e segui-lo. Por que então hesitar em limpar a senda rumo a este ideal, através de todos os obstáculos, de cada pequeno impedimento da vida social, para marchar diretamente em frente até a meta a ser alcançada? Aqueles  que fizesse este esforço logo descobririam que a ‘porta estreita’ e a ‘senda espinhosa’ levam aos amplos vales de horizonte ilimitado, àquele estado onde não mais existe morte, porque a pessoa se sente voltando a ser um deus! É verdade que as primeiras condições exigidas são absoluto desapego, ilimitada devoção ao bem-estar dos outros e completa indiferença ao mundo e suas opiniões. Para dar o primeiro passo nessa senda, o motivo deve ser absolutamente puro; nenhum pensamento deve afastar os olhos do objetivo, nenhuma dúvida deve agrilhoar os pés. Existem homens e mulheres qualificados para isto, cujo único objetivo é residir sob a égide de sua natureza divina. Que eles tenham coragem para viver a vida sem ocultá-la aos olhos dos outros! A opinião de ninguém deve ser considerada superior à voz de sua própria consciência. Que essa consciência, portanto, desenvolvida ao seu mais elevado grau, nos guie em todos os atos comuns da vida. Quanto à conduta de nossa vida interna, concentremos toda a atenção no ideal que estabelecemos, e olhemos para além, sem prestar atenção à lama sob nossos pés.”

“Na escuridão a lua pede emprestada a luz do  sol e nos dá conforto, até que o amanhecer lança seu feitiço sobre o mundo e nossa esperança se fortalece. Então ouvimos o ímpeto  do rio da vida e alcançamos a ponte que devemos atravessar.”

Fonte: Revista Sophia -ano 19-nº 89

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: O QUE PENSAMOS SER O FIM É SÓ UM INÍCIO

DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA – EPISÓDIO #03 – COMO O EGO FOGE DO DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL, POR ROSSANDRO KLINJEY

Continuando a apresentar a série de vídeos do renomado psicólogo Rossandro Klinjey CUIDANDO DA ALMA, aqui na coluna DESENVOLVIMENTO PESSOAL, vamos assistir ao episódio #03, onde o psicólogo explica como o ego foge do desenvolvimento espiritual, de uma forma didática e de fácil entendimento, utilizando uma linguagem metafórica que torna a palestra atraente e agradável. Então, assista, aprecie, reflita e faça o seu juízo de valor!

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA – EPISÓDIO #03 – COMO O EGO FOGE DO DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL, POR ROSSANDRO KLINJEY

REFLEXÃO: AUTOCONHECIMENTO, INTUIÇÃO E HUMILDADE PARA CONSTRUIR SEU PRÓPRIO CAMINHO

O Blog do Saber apresenta, nesta terça-feira, na sua coluna REFLEXÃO, mais uma preciosidade da maravilhosa Patrícia Gebrim, que aborda o autoconhecimento, a intuição e a humildade, simplesmente sem citar as três palavras, mas elas estão nas entrelinhas desse texto fantástico que é só sabedoria. Portanto, convido você a ler, refletir, interpretar e colher o melhor desse texto para sua própria evolução!

Seu próprio caminho

 em 

 

Todos nós, encarnados no planeta neste ponto do tempo e espaço, estamos sendo chamados a ouvir nossa própria voz.

Há muitas vozes à nossa volta, apontando para as mais diversas verdades e direções. Quer saber? Ouça a todas, mas siga apenas a si mesmo.

Não há como evitar envolver-se com o que estamos vivendo. É preciso ter uma opinião, tomar decisões, você entende? Faça suas escolhas, mas faça sem arrogância, sabendo que mesmo você pode estar equivocado. Todos podemos.

O caminho não existe por si só, e sim no encontro entre o caminho e o caminhante. Cada um de nós faz parte da realidade que cria. Pode ser que seguir pela direita seja o melhor para você, mas você nada sabe sobre o que é o melhor para os outros.

Assim, talvez nosso maior desafio neste momento seja parar de julgar os outros. Você julga porque está tão cheio de certezas, está tão certo de que sua escolha é a melhor… E se não for? E se não for a melhor para aquela pessoa?

O outro tem tanta certeza quanto você de que está certo. Você gostaria de ser obrigado a seguir o que o outro acredita? Se não gostaria, não obrigue ninguém. Não julgue ninguém. Talvez, se tivesse percorrido os mesmos caminhos que aquela pessoa, você acreditasse no mesmo que ela.

Assim, paremos de tentar controlar o mundo. Nos foquemos em honrar nosso próprio caminho e percorrê-lo com atenção e confiança, da forma mais plena que formos capazes. (Patricia Gebrim)

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: AUTOCONHECIMENTO, INTUIÇÃO E HUMILDADE PARA CONSTRUIR SEU PRÓPRIO CAMINHO

AUTOCONHECIMENTO: DEIXAR IR OU ACONTECER PARA PODERMOS NOS DESAPEGAR

A nossa coluna AUTOCONHECIMENTO desta sexta-feira apresenta um texto fenomenal, de autoria do grande mentor espiritual Osho, sobre a diferença entre consequência e resultado, para explicar que quando forçamos muito a barra para realizar ou conquistar algo ou quando imprimimos atenção demasiada sobre algo, esse algo nunca acontece. É necessário aprendermos deixar ir ou deixar acontecer.   Portanto, leia o magnífico texto completo a seguir e entenda o porque disso!

DEIXE ACONTECER – por Osho

– Por Osho –

O Tantra diz: as coisas acontecem quando você não as espera, as coisas acontecem quando você não as força, as coisas acontecem quando você não está ansiando por elas.

Mas isso é uma consequência, não um resultado. E fique claramente consciente da diferença entre “consequência” e “resultado”. Um resultado é conscientemente desejado; uma consequência é um subproduto. Por exemplo: se eu digo a você que se você brincar, a felicidade será a consequência, você vai tentar por um resultado. Você vai e brinca e você fica esperando pelo resultado da felicidade. Mas eu lhe disse que ela será a consequência, não o resultado.
A consequência significa que se você está realmente na brincadeira, a felicidade acontecerá. Se você constantemente pensa na felicidade, então, ela tem de ser um resultado; ela nunca acontecerá. Um resultado vem de um esforço consciente; uma consequência é apenas um subproduto. Se você estiver brincando intensamente, você estará feliz. Mas a própria expectativa, o anseio consciente pela felicidade, não lhe permitirá brincar intensamente. A ânsia pelo resultado se tornará a barreira e você não será feliz.
A felicidade não é um resultado, é uma consequência. Se eu lhe digo que se você amar, você será feliz, a felicidade será uma consequência, não um resultado. Se você pensa que, porque você quer ser feliz, você deve amar, nada resultará disso. A coisa toda será falsificada, porque a pessoa não pode amar por algum resultado. O amor acontece! Não há motivação por detrás dele.
Se há motivação, não é amor. Pode ser qualquer outra coisa. Se eu estou motivado e penso que, porque desejo a felicidade, vou amá-lo, esse amor será falso. E como ele será falso, a felicidade não resultará dele. Ela não virá; é impossível. Mas se eu o amo sem qualquer motivação, a felicidade segue como uma sombra.
O Tantra diz: aceitação será seguida por transformação, mas não faça da aceitação uma técnica para a transformação. Ela não é. Não anseie por transformação – somente então a transformação acontece. Se você a deseja, seu próprio desejo é o obstáculo.- OSHO, Vigyan Bhairav Tantra, V.1, # 30 –

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: DEIXAR IR OU ACONTECER PARA PODERMOS NOS DESAPEGAR

AUTOCONHECIMENTO: DESAPEGO, PERDÃO, CONFIANÇA E AMOR, VALORES IMPRESCINDÍVEIS PARA A NOSSA EVOLUÇÃO ESPIRITUAL

Sem dúvida alguma o caminho para o AUTOCONHECIMENTO passa necessariamente pelo desapego e pelo perdão. Perdoar é um ato de confiança e de amor. Ai chegamos no que realmente viemos fazer aqui. Viemos aprender a amar. Quando conseguimos reunir as virtudes: desapego, perdão, confiança e amor, estamos prontos para mudar de nível consciencial e dar um salto quântico da nossa caminhada evolutiva. Esse é o tema que o texto a seguir aborda com muita maestria. Então leia! 

O poder do perdão para uma vida mais feliz

Uma pessoa segurando a mão de outra
Pixabay / Pexels

“Quem nunca errou, que atire a primeira pedra”. Essa passagem bíblica, que se tornou bastante popular, certamente já foi utilizada por você em algum momento da sua vida. É o que dizemos quando uma pessoa que errou está sendo julgada como se fosse a única a se equivocar.

Isso porque é difícil aceitar que todos nós erramos e falhamos, em alguma medida. Independentemente de quais sejam as nossas intenções, podemos magoar alguém, fazer uma previsão incorreta, expressar os nossos sentimentos sem pensar duas vezes. Atitudes assim podem acontecer com qualquer pessoa.

No entanto, nem sempre somos capazes de reconhecer a nossa humanidade. É por isso que existe o perdão. Com esse ato, demonstramos que todas as pessoas erram e que elas não devem ser punidas eternamente por causa disso. Perdoar alguém não é sinônimo de esquecer o mal que alguém nos fez, é libertar essa pessoa (e nós mesmos) do peso da culpa.

Ou seja, perdoar é um ato de confiança e de amor. Confiança porque mostramos à outra pessoa que acreditamos que ela não tornará a fazer o que fez; e de amor, porque lhe damos a oportunidade de viver em paz. Inclusive o perdão pode ser concedido de uma pessoa para ela mesma, permitindo que ela siga em frente depois de se equivocar.

Por que o perdão é importante?

Algumas pessoas se orgulham de nunca perdoar as outras. Elas imaginam que assim irão construir apenas laços muito verdadeiros e duradouros com quem está acima de qualquer possibilidade de erro. Uma atitude inadequada, uma palavra mal interpretada, e isso já é suficiente para romper relações. Restarão apenas os melhores.

No entanto, será que esse é o melhor jeito de viver? Para responder a essa questão, pense na sua infância. Provavelmente, naquela época, você fez muita coisa errada, desde rabiscar uma parede até dizer que odiava alguém da sua família. É evidente que você só fez tudo isso porque ainda estava aprendendo como a vida funciona, mas os seus familiares te perdoaram, não é?

Quando nos tornamos adultos, imaginamos que já aprendemos tudo sobre a vida e que errar não é mais possível. Porém nós estamos sempre nos transformando, e precisamos da oportunidade de consertar as nossas atitudes que provocaram algum mal-estar. Imagine como teria sido a sua vida se a sua família não tivesse te perdoado pelos erros que você cometeu quando era criança!

Então, em primeiro lugar, o perdão é importante porque nos mostra que todos estão em constante evolução e que cometer falhas faz parte desse processo. É justamente a partir dele que nos tornaremos versões melhores de quem somos, tanto ao nos perdoarmos quanto ao perdoarmos os outros.

Mulher com os braços para cima e sorrindo se sentindo livre

Daniel Reche / Pexels

Pensando em outra situação, lembre-se de algo muito doloroso que outra pessoa já te fez e de um erro que você cometeu e que parecia não ter conserto. Quais são os seus sentimentos sobre isso? Há alguma emoção positiva sobre esse fato, ou apenas rancor, raiva e tristeza? É mais provável que as suas sensações sejam mais parecidas com a segunda hipótese.

Entretanto toda essa negatividade é produtiva para você? Ela te ensina algo sobre a vida, te ajuda a ser uma pessoa melhor? Não! O perdão é importante, nesse caso, porque ele nos ajuda a enxergar uma situação a partir de outra perspectiva. Nós não iremos esquecer o que aconteceu, mas olharemos para isso de um jeito diferente, sem sentimentos negativos.

Logo o perdão é uma ferramenta fundamental para a nossa evolução. É a partir dele que compreendemos que todos erram, que oferecemos novas chances e que nos tornamos capazes de avaliar situações que nos trouxeram alguma dificuldade. É uma verdadeira libertação, para quem perdoa e para quem é perdoado.

Razões para perdoar

Se você ainda não se convenceu de que o perdão é transformador e pode melhorar a sua vida, separamos algumas razões para fazer isso. É importante que você saiba que não tem a obrigação de perdoar a todos, porém é necessário considerar essa hipótese em todos os casos.

1) Estimular a sinceridade

Quando uma pessoa comete um erro e sente que não seria perdoada por causa dele, é provável que ela omita o que fez ou minta sobre isso. Tal comportamento pode tornar uma relação fragilizada, ainda que a aparência dê a entender que está tudo bem. Qualquer relacionamento precisa de transparência!

2) Construir diálogos importantes

Em vez de represarmos dentro de nós as questões que nos incomodam sobre outras pessoas ou sobre nós mesmos, temos a oportunidade de construir diálogos importantes. Por meio de conversas objetivas e verdadeiras, é possível entender os motivos por trás de determinada ação, o que favorece a concessão do perdão e o desenvolvimento de interações futuras.

3) Facilitar o convívio com outras pessoas

As pessoas não são perfeitas, e saber disso é essencial para a boa convivência. Todos nós vamos errar em algum momento e precisaremos do perdão de outra pessoa para manter o nosso bem-estar e o bem-estar dela. Havendo uma mudança de atitude depois desse tipo de desculpa, o convívio com outras pessoas se tornará bem mais leve.

Pessoas reunidas comendo pizza

Ron Lach / Pexels

4) Focar o presente e o futuro

O passado pode nos auxiliar a compreender o presente e o futuro, mas não deve guiar os nossos sentimentos e pensamentos o tempo todo. Com o perdão, reconhecemos que um determinado erro (de outras pessoas ou de nós mesmos) pode ficar no passado, sem trazer outras consequências mais graves ao longo do tempo. Do contrário, essa falha vai se transformar em rancor e insegurança, durando meses, e até anos, sem necessidade.

5) Exercitar a empatia

empatia é o que nos permite compreender as atitudes que outra pessoa tomou em determinado momento. Talvez nós acreditemos que faríamos algo diferente do que ela fez, porém iremos reconhecer que naquele momento ela fez o que achou certo. Ainda que os resultados não tenham sido os melhores, é possível perdoá-la por isso.

Como praticar o perdão

Depois de entender as mudanças positivas que o perdão pode trazer para a sua vida, amplie suas habilidades descobrindo como praticar o perdão. Seja alguém melhor!

1) Reconheça o problema

Em primeiro lugar, o processo de conceder o perdão – seja para alguém, seja para você mesmo – deve partir do reconhecimento do problema. Qual foi a atitude que causou um problema? Qual é a magnitude desse desconforto? É possível resolvê-lo? Faça uma análise criteriosa seguindo essas perguntas.

2) Enxergue além do erro

Para perdoar alguém, é preciso reconhecer que as pessoas não podem ser resumidas a uma atitude. Elas são formadas a partir de erros e de acertos, e estão em constante transformação. Então não reduza um ser humano a um equívoco que ele cometeu, porque a complexidade dele não pode ser resumida a isso.

Homem e mulher de mãos dadas

Free-Photos / Pixabay

3) Trabalhe a sua confiança

Confiar em uma pessoa que errou conosco pode ser um desafio. Confiar no nosso potencial depois de nos prejudicar ou de prejudicar alguém, também. No entanto, precisamos trabalhar a nossa capacidade de confiar nos outros e em nós mesmos apesar das falhas que podem acontecer. Afinal, precisamos acreditar em nós para ampliar nossos potenciais.

4) Certifique-se de ouvir o outro

O exercício de ouvir a outra pessoa é fundamental para o processo de perdoar alguém. Somente com esse gesto será possível compreender o que levou esse indivíduo a agir de um jeito, e não de outro. Dessa maneira, reconheceremos que a forma de agir em uma situação tem uma explicação, com a qual podemos nos relacionar empaticamente.

5) Supere essa questão

Deixar o passado no passado é o que pode nos trazer uma sensação de liberdade indescritível. Nós não podemos nos apegar aos erros que já cometemos, ou que cometeram conosco, principalmente quando eles são indiferentes para o presente e para o futuro. Então supere de uma vez essa questão que está te perturbando, por meio do perdão!

Avaliando o conteúdo que foi apresentado, é possível compreender que o perdão é uma maneira de viver a vida com mais leveza, com amor e com empatia. Não precisamos perdoar todo mundo, mas precisamos nos abrir para isso. Inclusive devemos nos perdoar por aquilo que não tem qualquer influência na totalidade de quem somos. Abrace a possibilidade de falhar, perdoe, transforme e siga em frente!

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: DESAPEGO, PERDÃO, CONFIANÇA E AMOR, VALORES IMPRESCINDÍVEIS PARA A NOSSA EVOLUÇÃO ESPIRITUAL

REFLEXÃO: UMA CURTA HISTÓRIA SOBRE AS DIFICULDADES DA VIDA

Sexta-feira é dia de REFLEXÃO com Camila Zen, aqui na coluna REFLEXÃO. Hoje estamos publicando um vídeo onde ela conta “Uma Curta História sobre as dificuldades da vida”. Um conto que nos ajuda a refletir… afinal, por que passamos por tantas dificuldades na vida? Convido você a assistir ao vídeo e depois fazer o seu juízo de valor. Espero que esse vídeo possa te ajudar ou ajudar alguém que você ama! 🧡 Amor e luz, namastê 🙏🏼

Fonte:

Continuar lendo REFLEXÃO: UMA CURTA HISTÓRIA SOBRE AS DIFICULDADES DA VIDA

AUTOCONHECIMENTO: O FILME FEITIÇO DO TEMPO NOS DÁ UMA LIÇÃO DE ATENÇÃO PLENA

Feitiço do tempo é um filme lançado em 1993 que assisti há muito tempo e me ajudou muito a compreender que tudo na vida tem um porque. Nada acontece por acaso e me confirmou que é impossível numa única passagem por essa dimensão, o ser humano desenvolver toda a sua espiritualidade e alcançar a vida plena. A repetitividade das cenas mostradas no filme retrata com muita clareza o comportamento da maioria dos seres humanos, que muitas vezes passam uma vida inteira patinando. Por isso convido você a ler o artigo completo a seguir que explica com muita competência e humor como se processa a nossa evolução espiritual.

‘Feitiço do Tempo’, a comédia que é uma aula de mindfulness

Comédia clássica dos anos 1990 estrelada por Bill Murray, ‘Feitiço do Tempo’ contém ensinamentos sobre atenção plena preciosos para os atuais tempos de pandemia e quarentena

Bill Murray em “Feitiço do Tempo”: comédia com lições preciosas em tempos de covid-19. Crédito: Columbia Pictures

Muitos de nós se lembrarão da comédia americano Feitiço do Tempo (Groundhog Day).

Lançado originalmente em 1993, o filme é estrelado pelo incomparável Bill Murray como Phil Connors, um insuportável meteorologista de Pittsburgh. Uma pequena celebridade local que acredita estar destinada a coisas muito melhores, ele se ressente de sua tarefa insignificante de reportar a celebração do Dia da Marmota em Punxsutawney, Pensilvânia.

O plano é voltar a Pittsburgh após as festividades. Mas quando uma nevasca fecha a rodovia, Phil se encontra preso em Punxsutawney. Ele acorda no dia seguinte apenas para descobrir que não é o dia seguinte. É o Dia da Marmota novamente.

Por alguma razão, ele está preso em 2 de fevereiro, forçado a reviver o mesmo dia indefinidamente.

Lição de atenção plena

Os especialistas têm algo a acrescentar ao debate público?

“E se não houver amanhã?”, ele pergunta a certa altura, acrescentando: “Não houve um hoje”.

É uma questão que vai ressoar com milhões de pessoas que vivem em quarentena hoje – já que as pessoas acordam todas as manhãs se perguntando se o dia seguinte será diferente das 24 horas que acabaram de aguentar.

Mas eu tenho uma visão mais positiva. Como estudioso da comunicação e da ética, defendo que a lição central do filme é que, como nunca podemos contar com o amanhã, a vida deve ser vivida plenamente no presente, não apenas para nós, mas também para os outros. No final das contas, Feitiço do Tempo nos dá uma lição de atenção plena (mindfulness).

A atriz Andie MacDowell, que no filme interpreta Rita, o interesse amoroso de Phil Connors, segura a marmota Nibbles em evento comemorativo de “Feitiço do Tempo” em 2008. Crédito: anoldent/Flickr

Metáfora para a estupidez?

Phil ficou preso no Dia da Marmota, talvez por centenas de anos. O roteiro original dizia 10 mil anos, embora o diretor tenha dito que eram 10. De qualquer forma, é muito tempo para acordar com a mesma música todas as manhãs.

Finalmente, Phil acorda, e é 3 de fevereiro, ou seja, o dia seguinte.

Acredito que o que ocasiona o amanhã para Phil é que ele aprende a praticar a consciência plena.

A existência repetitiva de Phil pode representar uma metáfora da negligência, de como todos nós ficamos presos em ciclos de reatividade, vício e hábito. Presa em nossas rotinas, a vida pode perder seu brilho.

Rapidamente pode parecer que nada do que fazemos importa tanto. “O que você faria se estivesse preso em um lugar e todos os dias fossem exatamente iguais e nada do que você fizesse importasse?”, pergunta Phil a dois moradores locais na pista de boliche. “Isso resume tudo para mim”, responde um deles.

Salvação após muitos nascimentos

As práticas contemporâneas de atenção plena podem encontrar suas raízes no budismo. Para os budistas, o conceito de reencarnação ou renascimento é importante. Muitos budistas acreditam que todos os seres vivos passam por muitos nascimentos até alcançar a salvação.

Como um estudioso, acredito que a ideia de renascimento é mais complexa do que muitas vezes é entendido na cultura popular.

Páli é a antiga língua sagrada do budismo theravada. O estudioso do budismo Stephen Batchelor observa que a antiga palavra em páli punabbhava, frequentemente traduzida como “renascimento”, significa literalmente “tornar-se novamente” ou o que podemos pensar como “existência repetitiva”.

Essa é a vida de Phil, preso no Dia da Marmota. É disso que Phil está tentando escapar, e do que todos nós estamos tentando escapar nos tempos de covid-19 – existência repetitiva, uma vida presa em uma marcha, congelada por hábitos e padrões que fazem todos os dias parecerem iguais, como se nada importasse.

Sair do piloto automático

Se a estagnação de Phil é uma metáfora para a ausência de consciência, o despertar de Phil, eu afirmo, é uma metáfora para a consciência. Mindfulness é a prática de experimentar a vida como ela está acontecendo, diretamente no agora, sem reagir imediatamente a ela ou ser levado por ela.

Mindfulness é uma prática de conhecer a nós mesmos e ao nosso condicionamento um pouco melhor. O condicionamento é um padrão automático de reação ao mundo. Ao sair do piloto automático, pausar e perceber, muitos de nós podemos descobrir que não estamos mais presos ao nosso condicionamento. Consequentemente, ganhamos espaço para fazer escolhas sobre como queremos responder à vida.

Isso é o que Phil faz no filme – ele escapa da existência repetitiva superando suas reações iniciais condicionadas, desagradáveis ​​e egoístas ao mundo. No início do filme, ele se autodenomina o “talento” e repreende os “caipiras” que moram na pequena cidade. Ele é bom demais para o Dia da Marmota. Ele quer escapar de Punxsutawney o mais rápido possível.

A compaixão está no centro do ato de meditar. Crédito: Marcela Karner/Pixy/CC0 Public Domain

Oportunidade de crescimento

Conforme o filme continua, Phil aceita sua situação e transforma a repetição em uma oportunidade de crescimento. Ele começa a encontrar significado no lugar onde está preso. Ele abraça a vida plenamente, o que também significa que ele percebe seu próprio sofrimento e o sofrimento daqueles que o cercam.

Phil trata de seu próprio sofrimento perseguindo suas paixões e desenvolvendo suas habilidades. Ele aprende a tocar piano e se torna um talentoso escultor do gelo.

Inicialmente, Phil não sentia nada por aqueles ao seu redor. As pessoas eram objetos para ele, se é que as notava. No final do filme, ele sente compaixão, o que, segundo a professora de mindfulness Rhonda Magee, significa “a vontade de agir para aliviar o sofrimento dos outros”. A atenção plena é uma prática que nos atrai para o mundo, para o serviço. A compaixão está no cerne da prática da atenção plena.

Atenção plena em tempos de pandemia

Mindfulness não significa afastar-se das dificuldades. É uma prática de enfrentar as dificuldades com compaixão. Embora Phil finalmente aceite que pode não haver um amanhã, ele age para garantir que se o amanhã vier para ele e para aqueles ao seu redor, será melhor do que hoje.

Por exemplo, Phil salva a vida de pelo menos duas pessoas: um menino que, antes da intervenção de Phil, cai de uma árvore em uma calçada dura, e o prefeito da cidade, que, antes de Phil irromper para lhe aplicar a manobra de Heimlich [técnica que limpa as vias aéreas, ajudando a desengasgar uma pessoa que tenha se entalado com comida, por exemplo – N. da R.], engasga em seu almoço.

A consciência atenta de Phil do que está acontecendo no momento permite que ele aja para o amanhã sem perder de vista o hoje. A atenção plena de Phil e sua compaixão conduzem a história de amor central do filme entre Phil e Rita. No início do filme, ele era capaz de amar apenas a si mesmo. No final do filme, Phil aprendeu a amar com atenção.

Em vez de posse, colaboração

De acordo com Thich Nhat Hanh, amar com atenção significa que “você deve amar de tal forma que a pessoa que você ama se sinta livre”. Phil aprendeu que o amor não se trata de manipulação ou posse, mas sim de colaboração na construção de uma vida compartilhada.

Com o melhor de sua capacidade, Phil se dedica a aliviar o sofrimento dos outros em um presente que é real e por um futuro que pode não vir. Ele faz isso com pequenos atos de compaixão, como consertar um pneu furado, e atos mais importantes, como salvar uma vida. Essa dedicação cuidadosa ao futuro diante da incerteza é, afirmo, o que lhe permite acordar para um novo dia.

Esta é uma boa lição para todos nós, presos, como estamos, em uma pandemia perpétua do Dia da Marmota, e sonhando, como estamos, com o amanhã.

* Jeremy David Engels é professor de Artes e Ciências da Comunicação na Universidade Estadual da Pensilvânia (Penn State, EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Fonte: Revista Planeta

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: O FILME FEITIÇO DO TEMPO NOS DÁ UMA LIÇÃO DE ATENÇÃO PLENA

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: MENTE_ É A SOMA DO ESTADO DE CONSCIÊNCIA, PENSAMENTO, VONTADE E SENTIMENTO

O estudo sem o serviço e a meditação é infrutífero. Assimilar conhecimento sem repassá-lo aos outros, não só nos oprimi, como não serve para a nossa evolução espiritual. O verdadeiro instrutor não se coloca acima  dos seus alunos, pois a vida é umeterno aprendizado e temos sempre muito a aprender com o outro. Com o tempo o verdadeiro aprendizado se torna sabedoria, que está além do intelecto. O texto aseguir fala acerca disso. Então leia eexpanda sua consciência!

Estudo,  meditação e serviços

Todos nós podemos contribuir para o bem da humanidade. Não demore – liberte a criança espontânea dentro de você, em toda a sua inocência. A vida não espera; o futuro do mundo depende de nós, então vamos criar um bom futuro para nossos filhos e netos

Margaret Bove*

Meditação: estudo da Universidade de Harvard | Pura Energia Positiva

O manas (mente) concreto e inferior provê um veículo para o aprendizado, e o manas abstrato e superior absorve a essência do aprendizado. A mente superior (Manas) é caracterizada pela criatividade do Eu Superior. Mente é a soma dos estados de consciência: pensamento, vontade e sentimento. Cada vez mais pessoas evoluem em consciência e passam para níveis mentais superiores. Os átomos da mente estão despertando como nunca antes; milhões de neurônios que acreditávamos inativos estão agora em atividade.

Quando nos concentramos no estudo, facilitamos a intuição. Blavatsky disse que partes de A Doutrina Secreta só podiam ser lidas com a intuição. Quando a intuição tiver se desenvolvido e a consciência tiver se elevado com o estudo e a meditação, teremos paz e união entre todas as pessoas. Será o fim de todos os graus de ódio, de todas as barreiras que nos dividem.

Nos ensinamentos dos grandes mestres o positivo sempre supera o não positivo; a vingança não obtém êxito. Somos todos um e não importa a nossa crença ou filosofia, pois viajamos rumo ao mesmo ideal. Como estamos unidos nos níveis sutis, ligados aos outros e a todas as coisas através do etérico, quando ferimos os outros, ferimos também a nós mesmos.

Estudo, meditação e serviço estão ligados e só são completos juntos. O estudo sem o serviço e a meditação é infrutífero. Absorver conhecimento sem oferecê-lo aos outros pode nos oprimir. O verdadeiro instrutor não faz diferença entre ele mesmo e seus alunos; um aprende com o outro.Com o tempo o verdadeiro aprendizado se torna sabedoria, que está além do intelecto.

À medida que progredimos nesse caminho e começamos a distinguir  real do irreal, nosso desejo é ajudar e servir. A razão da nossa encarnação é retornar à residência do espírito puro, aprender a servir, com a experiência e a purificação do nosso ser, para auxiliar o plano divino onde cada um tem seu papel a desempenhar. Começamos a abraçar o amor, a compaixão, a compreensão, a disponibilidade, a inofensividade, o desapego e o perdão incondicionais. Errar é humano e perdoar é super-humano. Todo ser humano tem uma fonte de bondade; se nos concentrarmos nisso, e não no lado negativo, o positivo surge com facilidade. Para deixar para trás traumas passados devemos perdoar os outros e nós mesmos.

Ao longo do caminho espiritual encontramos uma lembrança do bom, do verdadeiro e do belo. Somos compelidos pelo Eu Superior a prosseguir, embora o eu inferior possa mostrar resistência. Edwin Arnold disse: “No coração de cada homem vive um Mestre que, por meio de fios sutis, faz suas ações dançarem segundo a canção que Ele quer.” A Doutrina Secreta e a Sabedoria Antiga nos ensinam que a raiz sem raízes da nossa origem é o amor total, sem distinção entre raça, credo, sexo ou qualquer outra. Em um nível profundo de consciência existe total unidade e paz; o muçulmano cuida do hindu, o hindu ama o sikh, os shias estão em harmonia com os sunnis, os iranianos com os sírios e os palestinos, o árabe com o judeu – a verdadeira unidade fraternal. Brahman, Atma, tudo é um. Om e Jeová são dois pilares do mesmo portal – símbolos do corredor único da vida. Por meio do serviço abrimos o coração e sabemos que todos  somos um. O coração representa o centro do nosso ser. O Santo Graal é um símbolo do coração. Para os maçons o coração representa o Mestre Perfeito. Para os sufis é o ponto de conexão entre o humano e o divino. Quando os místicos se encontram, seus corações batem juntos.

O verdadeiro serviço é nos doar e estar disponíveis com simplicidade e humildade. O mestre Koothumi disse: “Tentai.” Não é preciso ser heroico. O que realmente importa não é o que fazemos, mas a boa vontade com que fazemos. Às vezes basta um sorriso, uma mão reconfortante sobre o ombro ou uma palavra encorajadora. Nada é grande ou pequeno na economia divina. O ato de um presidente para com uma nação não é maior do que o ato de uma mãe com seu  bebê. Todo serviço é necessário e todo ato é uma parte da grande unidade. Uma gentileza que pode parecer insignificante é um diamante na imensa joia da iluminação, e nos lembra da brilhante luz do amor.

O espírito está em toda parte, em cada pássaro que canta, cada animal que anda sobre a Terra e cada criança que ri. O grande mistério está dentro de cada um de nós. Não há separação – somos um com toda a criação e fomos feitos para servi uns aos outros.

É inútil tentar alcançar a fraternidade universal mudando a política ou as pessoas. Primeiro devemos trabalhar em nós mesmos e purificar nosso coração. A regeneração espiritual da humanidade começa com o indivíduo. A meditação e a auto-observação abrem o caminho. Cada pessoa que analisou honestamente seus pensamentos, palavras e ações e tornou-os inofensivos é uma pérola preciosa na cadeia da existência e um forte elo da fraternidade humana.

A essência divina

A paz mundial começa com a paz interior, que é facilitada pela meditação. Meditação é a dissolução da personalidade individual e o desvendar da realidade. É um modo de vida que permite que conheçamos a nós mesmos; assim, somos muito mais valiosos no serviço. A meditação leva a um estado de existência onde compreendemos que não somos o corpo, as emoções nem a mente; somos centelhas da mesma grande chama. Po demos ver a essência divina em toda parte, no amigo e no inimigo, e em tudo ela é a mesma. Não existem inimigos reais, porque eles também auxiliam nossa evolução. Os monges budistas cantam agradecendo às pessoas e situações difíceis, pois sabem que desse modo o seu karma se dissolve.Tudo está no plano divino. Quando somos provocados por situações difíceis e permanecemos calmos, pensando positivamente, ocorre um salto na consciência. A meditação ajuda a penetrar esse estado de consciência, e cada fase desse estado é gloriosa. Todo alento meditativo é uma abertura do coração. Edwin Arnold descreveu isso em Song Celestial: “Aqueles que fazem um sacrifício  silencioso inalam o alento para alimentar a chama do pensamento e o exalam para soprar o coração às alturas, governando cada entrada de ar para que não passe nenhum suspiro que não ajude a alma.”

Em outras palavras, a meditação não se destina ao desenvolvimento pessoal; ela é um auxílio para a alma fazer o seu trabalho, plantando sementes de ações poderosas no jardim da eternidade e cultivando flores de vários matizes, que desabrocham em toda sua beleza. Estudamos e meditamos com o objetivo de servir. O verdadeiro serviço com a doação de

si mesmo é um exemplo da dedicação dos mestres iluminados, cujo único desejo é auxiliar e guiar a humanidade. O grande Sanat Kumara não seguirá para outras dimensões até que cada folha de capim tenha alcançado a iluminação. Façamos a nossa parte e ajudemos a elevar o planeta, auxi liando os grandes seres na realização do plano divino.

A mais famosa escola filosófica da Antiguidade usava as palavras “conhece-te a ti mesmo”. Krishnamurti costumava dizer: “Olha  para dentro. Conhecer a nós mesmos nos ajuda a servir porque nossas emoções e pensamentos podem ser semelhantes às dos outros; assim é mais fácil compreender seus problemas, que podem ter sido os nossos problemas. A meditação ajuda a reconhecer nossas fraquezas e modificá-las.

Não é necessário revelar nossos pensamentos aos outros, mas reconhecê-los no silêncio interno e tentar torná-los altruístas. Assim fortalecemos nosso caráter para o serviço – um serviço silencioso, que nada busca para o eu individual. Quando o objetivo do trabalho é uma recompensa, ele traz prazer, dor ou ambos, no tempo devido; mas, quando uma pessoa trabalha na eternidade, a eternidade é a sua recompensa.

Todos nós podemos, a nosso modo, contribuir para o bem da humanidade. Não demore – liberte a criança espontânea dentro de você, em toda sua inocência. A vida não espera; o futuro do mundo depende de nós, então vamos criar um bom futuro para nossos filhos e netos. Vamos nos tornar servidores altruístas, para que aonde quer que sigamos sejamos como raios de sol que trazem calor, amizade e gentileza.

Margaret Bove é membro da Sociedade Teosófica, em Nova Iorque, desde 1986, e profissional de medicina alternat

Fonte: Revista Sophia ano 19-Nº 89

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: MENTE_ É A SOMA DO ESTADO DE CONSCIÊNCIA, PENSAMENTO, VONTADE E SENTIMENTO

DICA DE LIVRO: A INCRÍVELCONEXÃO INTESTINO CÉREBRO DE CAMILA ROWLANDS

A nossa DICA DE LIVRO desta quarta-feira é “A incrível conexão INTESTINO CÉREBRO” de Camila Rowlands, onde você vai descobrir a relação entre as emoções e o equilíbrio intestinal. Nunca antes tinha sido revelado com tal claridade a enorme verdade que encerra o aforismo “somos o que comemos”. Porque nunca antes tinha visto tão claramente que o medo, a ira, o amor, a felicidade, a paz do espírito, o equilíbrio emocional. (em definitivo, o que somos e o que vivemos) são assuntos das vísceras e que talvez, nelas habite e se expresse o esquivo subconsciente. Até há pouco tempo acreditava-se que o comando absoluto sobre o resto dos órgãos era exercido pelo cérebro, que desde o alto dirigia, por exemplo, a atividade intestinal. Assim, o intestino era considerado pela ciência tal qual mero subordinado que acatava as ordens desse chefe todo poderoso que habita a zona nobre da torre. Contudo, hoje se sabe que o intestino tem o mesmo grau de importância que o cérebro cranial. Isso é assim, a ponto de que se fala de um segundo cérebro e não em sentido metafórico. O intestino é, literalmente, nosso segundo cérebro. Você precisa ler este livro incrível e conhecer quem realmente comanda o nosso corpo!

Fonte: Acervo próprio

Continuar lendo DICA DE LIVRO: A INCRÍVELCONEXÃO INTESTINO CÉREBRO DE CAMILA ROWLANDS

DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA, SÉRIE RENASCER EPISÓDIO 2, POR ROSSANDRO KLINJEY

A nossa coluna DESENVOLVIMENTO PESSOAL desta terça-feira apresentamos o segundo episódio do CUIDANDO DA ALMA, série-Renascer, com o extraordinário psicólogo Rossandro Klinjey. No primeiro episódio ele nos levou à gênese da questão, o que é nascer, falando sobre as dimensões biológica, histórica, social, cultural, familiar, psicológica e espiritual. Se você não viu, assista neste link – https://youtu.be/ZsBSVCd2-CQ​. Agora a mentoria inicia a jornada do desenvolvimento espiritual. Como tudo na vida, embarcar em seu caminho espiritual é uma escolha e é preciso consciência para não ficar preso nas armadilhas de sua jornada espiritual. A primeira armadilha que o eminente psicólogo vai trabalhar aqui é a necessidade exagerada de aceitação e de querer agradar a todos. Ao sairmos dela ganharemos a autonomia e autorresponsabilidade necessária para realizar nossa jornada de desenvolvimento espiritual. Então não perca essa grande oportunidade de expandir sua consciência!

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA, SÉRIE RENASCER EPISÓDIO 2, POR ROSSANDRO KLINJEY

REFLEXÃO: QUANDO PERCEBEMOS SEM INTERPRETAR AS COISAS CONSEGUIMOS SENTIR DE FATO A INTERCONEXÃO DO TODO

O todo é uno, é unicidade e compreende tudo o que existe! O nosso estudo desta terça-feira, aqui na coluna REFLEXÃO é sobre um texto do incrível e extraordinário Eckhart Tolle, cujo título é: “O que você quer dizer com o todo?” Para quem ainda não tem muito conhecimento ou não se aprofundou no estudo da Física Quântica, é uma excelente oportunidade de entender o funcionamento do universo e das limitações dessa materialista 3ª Dimensão em que vivemos. Portanto leia, reflita e faça o seu juízo de valor!

“O que você quer dizer com o todo?”

Por um lado, o todo compreende tudo o que existe. É o mundo ou o cosmo. Entretanto, todas as coisas existentes, dos micróbios aos seres humanos e às galáxias, não são realmente coisas, ou entidades separadas – elas constituem parte de uma teia de processos multidimensionais interligados. Nós não reconhecemos essa unidade, isto é, só vemos as coisas como elementos isolados.

Isso ocorre por duas razões. Uma delas é a percepção, que reduz a realidade àquilo a que temos acesso por meio da pequena extensão dos nossos sentidos: o que podemos ver, ouvir, cheirar, provar e tocar. No entanto, quando somos capazes de perceber sem interpretar ou rotular mentalmente, ou seja, sem acrescentar o pensamento às percepções, conseguimos sentir de fato a interconexão mais profunda sob a percepção da aparente separação das coisas.

A outra razão mais séria para a ilusão da separação é o pensamento compulsivo. Quando estamos presos a fluxos incessantes de pensamento compulsivo, de fato o universo se desintegra para nós e perdemos a capacidade de sentir a interconexão entre tudo o que existe. O pensamento desmembra a realidade em fragmentos sem vida. Dessa visão fracionada se originam ações extremamente insensatas e destrutivas.

Entretanto, existe um nível ainda mais profundo do todo que é a interconexão de tudo o que existe. Nele todas as coisas são uma só. Isso é a Origem, a Vida não manifestada. É a inteligência infinita que se expressa como um universo se desdobrando no tempo. O todo é constituído da existência e do Ser, o manifestado e o não- manifestado, o mundo e Deus.

Assim, ao nos alinharmos com o todo, nos tornamos uma parte consciente da sua interconexão e do seu propósito: o surgimento da consciência no mundo. Por causa disso, incidentes favoráveis, encontros casuais, coincidências e acontecimentos sincrônicos ocorrem com muito mais frequência. Carl Jung chamou a sincronicidade de “princípio não causal de conexão”.

Isso significa que não existe ligação causal entre eventos sincrônicos no nível superficial da realidade. Trata-se de uma manifestação exterior de uma inteligência subjacente por trás do mundo das aparências e de uma conectividade mais profunda que nossa mente não é capaz de entender. Mas podemos ser participantes conscientes do desdobramento dessa inteligência, a consciência florescente.

A natureza existe num estado de unificação inconsciente com o todo. Foi por isso, por exemplo, que praticamente nenhum animal selvagem morreu durante o catastrófico tsunami de 2004. Como eles estão mais em contato com a totalidade do que os seres humanos, conseguiram sentir a aproximação da onda muito tempo antes de ela ser vista ou ouvida e, assim, tiveram chance de se deslocar para um terreno mais elevado. É provável que eles tenham apenas se visto partindo para um lugar mais alto.

Fazer isto por causa daquilo é o modo como a mente humana fragmenta a realidade, enquanto a natureza vive na unificação inconsciente com o todo. E nosso propósito e destino é trazer uma nova dimensão para este mundo vivendo no estado de unificação consciente com a totalidade e num alinhamento consciente com a inteligência universal.

O todo pode usar a mente humana para criar coisas ou produzir situações que estão alinhadas com seu propósito? Sim, sempre que existe inspiração, que significa “em espírito”, e entusiasmo, que quer dizer “em Deus”, está em ação um poder criativo que vai muito além do que uma simples pessoa é capaz“

(Eckhart Tolle – Trecho do livro “O Despertar de Uma Nova Consciência”)

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: QUANDO PERCEBEMOS SEM INTERPRETAR AS COISAS CONSEGUIMOS SENTIR DE FATO A INTERCONEXÃO DO TODO

AUTOCONHECIMENTO: AO DESPERTAR CONSEGUIMOS EXPANDIR A NOSSA CONSCIÊNCIA

Desde sempre falo, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO em expansão da consciência e o texto escolhido para publicar hoje aborda especialmente isso e trás boas novas, nos informando que uma leva maior da humanidade começa esse processo do despertar da consciência. Essa é uma notícia alentadora diante da realidade que vivemos, em meio a uma pandemia global, muita insegurança, muitas dúvidas, prenunciando tempos nebulosos e muito difíceis. Por isso é cada vez mais importante leitura desse tipo para nos ajudar a enxergar o que normalmente não percebemos com os 5 sentidos. Para atravessarmos essa turbulência toda se faz necessários desenvolvermos outros sentidos como a Intuição. Por isso, convido você a ler o texto completo a seguir, refletir fazer o seu juízo de valor!

O despertar expande a nossa consciência

Mensagem canalizada em 18 de Abril de 2021 – Deusa da Criação

Esta é uma canalização que você pode se encontrar experienciando vez após vez. Neste momento, conforme esta canalização ocorreu, há muitas, muitas pessoas que estão despertando. A Deusa na verdade fala sobre isso e o impacto que está tendo na sociedade. O despertar é sobre tornar-se consciente de algo que você não tinha consciência. Há uma conexão direta do despertar para a expansão de consciência das pessoas.

Nós frequentemente falamos sobre nossa consciência. Falamos disso como uma maneira de fazer escolhas e como uma forma de como criamos nossas vidas. Nossa consciência é como nos expressamos externamente. Durante esta canalização, enquanto no Tudo o Que É, podemos ver a influência do despertar, ela apareceu como se uma porta estivesse se abrindo. Dali as pessoas podiam ver/sentir mais ao redor delas, porque a energia era maior. O que aconteceu então, foi que a inconsciência da pessoa, que é uma linha direta de sua alma, é capaz de enviar mais informação. Uma parte chave do despertar, ascender, expandir, é que há um fluxo contínuo que se move da inconsciência para a consciência.

Em essência, sua inconsciência é sua linha direta de sua alma para o humano. Isso é recebido como intuição, inspirações, reação visceral, ou consciência expandida. Finalmente, a Deusa na realidade enviou onda após onda de amor e Luz para ajudar as pessoas, conforme elas se movem através deste processo. Conforme as pessoas aprendem sobre o que estava escondido e conforme a tecnologia pula para a frequência mais alta, pode ser muito difícil entender ou até assustador. Essas ondas de Luz ajudarão a suavizar o processo.

Nama Sika Venia Benya, Eu SOU o Um, EU SOU o Todo

Eu os cumprimento, família amada! Eu alcanço meu coração para o coração de vocês; eu me estendo para abraçá-los neste momento agora. A vida é a respeito de comunidade. É sobre crescimento, oportunidades, potenciais e então o que quer que você escolha fazer com ela. A vida é infinita e onde você a está expressando na pessoa que você é agora, é o fator chave para o momento. Entretanto, você é muito mais do que esta vida terrena que está vivendo.

As pessoas se ocupam e se distraem e elas, portanto, esquecem de prestar atenção ao que é realmente importante em suas vidas. Elas ficam presas ao trabalho, talvez em discussões, talvez tentando alcançar algo e isso as distrai de seu alinhamento de alma.

As pessoas são pegas no mundo e elas podem estar ouvindo o que está acontecendo em vários lugares; talvez em sua própria comunidade, talvez em sua própria família. E então às vezes sua visão se reduz a um foco pequeno e estreito e você se esquece de que há mais do que está acontecendo. É essencial conforme você vive sua vida, se lembrar de estar neste fluxo do divino. O foco pode ser Deus, pode ser Anjos e para alguns, isso começa como um processo mais fácil se você focar em algo externo, ao invés de interno.

Entretanto, quanto mais você for capaz de lembrar que é verdadeiramente o que está dentro do seu coração sobre aquele alinhamento com Deus como você, os Anjos e os Seres de Luz, como você, tudo isso se junta e cria aquela perspectiva de sua vida. Então, enquanto estamos aqui e você está totalmente consciente e focado, eu sinto que é importante lembrar que quando você se atola, ao se desconectar, dando um passo para trás e então vindo mais uma vez a partir de sua perspectiva superior, então você pode ter as respostas que está buscando, a energia para fazer o que é preciso, pode ser capaz de tomar aquela decisão que vem tendo dificuldade em tomar.

Então, viva sua vida plenamente, estando totalmente presente sobre a Terra, enquanto ainda tem aberto aquele fluxo contínuo de amor e Luz do divino e esse divino é você. Respire fundo e apenas sente-se quietamente por um momento, sentindo como se a vibração e a frequência do que eu falo esteja se movendo através de você.

Eu o convido agora a tomar uma respiração onde você deixa seu foco descer através da respiração no centro do seu coração e você sente como se estivesse criando uma bola de Luz que circula dentro e ao redor dele. Conforme faz isso, você está criando um alinhamento mais profundo dentro de seu coração, você envia um aspecto disso que desce através do seus corpos de energia e então para a Terra.

Conforme ela se move para a Terra, você sente como se ela se espalhasse em diferentes direções. Gaia é um dos outros recursos maravilhosos disponíveis para você. Gaia é uma meio de aterrar você, ela armazena informação e ressoa uma frequência que pode ajudar a equilibrar você em sua vida diária. Deixe essa energia de Gaia fluir de volta para o centro do seu coração e então envie-a para cima, através de sua garganta, seu terceiro olho, centro da cabeça e ela sobe até que você se conecte dentro daquele espaço do seu Eu superior.

Tire um momento como se estivesse gentilmente permitindo às suas energias se fundirem com o que quer que esteja aqui, para que você possa ficar muito mais confortável, o que por sua vez vai ajudar você em ser perceptivo sobre qualquer informação que possa estar aqui, ou conforme você olha para sua vida.

Você então permite a sua energia fluir ainda mais alto. Para alguns, pode parecer como se houvesse um ímã que está puxando sua consciência para cima e para o espaço de seu plano de alma. Conforme você chega neste espaço, é como se você estivesse se fundindo com o infinito. Sua percepção pode ser que você se veja como se estivesse olhando e aqui está você e então o seu reflexo no espelho. Entretanto, o você no espelho está preenchido com uma aura magnífica, com diferentes frequências e tudo aquilo que permite a você ter acesso a muitas, muitas experiências. A sua alma é o seu elo com Deus e com a fonte de energia de Deus. Muitos chamam isso o sol central espiritual, que é o centro do universo. Nós trabalhamos com isso muitas vezes antes.

Conforme continuamos avançando através do processo de ascensão na Terra, está se tornando cada vez mais importante que você permita este fluxo de amor e Luz descer através de você e ele está todo manifestado bem aqui neste espaço. Esta é a expressão de você e somente você, porque você é o único com sua alma. Quanto mais você ficar confortável dentro deste espaço, mais você entenderá quem é como aquela essência de alma.

Eu, a Deusa, entro e estou entre todos que estão aqui. Ao fazer isso, eu estendo a mão para te abraçar. Eu abraço você como a consciência e a pessoa que você é, como sua divindade, sua essência de alma, tudo no qual você está acessando. Conforme eu me fundo com você, cada pessoa muda e se move para o Tudo o Que É.

Olhe ao redor, eu suspeito que este lugar está se tornando mais e mais familiar para você, especialmente desde a conversa com Jesus a última vez, quase cada um de vocês veio aqui regularmente. Este é um lugar de criação, ele tem a alta frequência de sua divindade. Entratanto, ela é criado como um lugar onde muitos podem se reunir.

Eu quero falar mais sobre ascensão. Durante nossa jornada, a última vez (Canalização de 4 de Abril de 2021) Jesus falou sobre sua vida na Terra, sua morte e então o retorno à Terra tendo ascendido ou indo além da morte para a vida eterna. Ele então escolheu voltar e viver o restante daquela vida. Entretanto, sempre haveria tempos nos quais era necessário para ele se recalibrar e realinhar com a frequência superior à qual ele ascendeu.

Aqui estamos vivendo sobre a Terra, e ela está novamente ascendendo. Houve tempos de grande transição no passado, que resultaram na era do gelo, dilúvio, grandes fogos e terremotos, o afundamento de Atlantis, da Lemúria. Ascensão não é nada novo para Gaia e ela será portanto o planeta equilibrado que ela é e vai passar por esse processo de ascensão, que é para o seu planeta Terra e como ele se relaciona com outros planetas dentro de seu universo.

Este é um dos pontos chave para você se lembrar, que esta é uma ascensão universal, não apenas um planeta. Então, onde você está neste momento neste processo de ascensão também é chamado o despertar. A humanidade tem estado dormindo de um jeito ou de outro por um longo tempo. O despertar é perceber que a vida é diferente do que você pensava que fosse. Conforme mais e mais pessoas despertam, isso vai automaticamente abrir seus campos de energia. Se você consegue imaginar quando alguém está dormindo, eles vão usar aquela frase simplesmente porque acordado e dormindo é fácil de entender.

Então, quando alguém está dormindo, a pessoa geralmente é complacente, simplesmente vai com o fluxo em sua vida e não questiona se coisas acontecem, simplesmente pensa tudo bem e segue em frente. Isso tem acontecido com milhões de pessoas na Terra. Conforme as pessoas começam a despertar, este despertar vem acontecendo a pelo menos 20 anos de uma forma muito consciente, provavelmente 50 anos de uma maneira inconsciente.

Então essa onda vem rolando pela sociedade, onda após onda, e assim, mais pessoas olham ao redor e perguntam: porque estou fazendo isso, qual o propósito disso? Se algo não faz sentido, elas dizem que não faz sentido e essa onda de questionamento está ficando cada vez maior. E conforme as pessoas questionam, elas despertam para o entendimento que as coisas na vida são diferentes do que elas acreditavam ser.

Pode ser muito traumático para as pessoas, pode ser assustador, entretanto, uma das razões pela qual eu queria falar sobre isto é que eu gostaria que isso fosse bem rápido para as pessoas, que elas despertassem e entendessem completamente, e ao invés de ficarem num estado traumático, elas se movessem para a frequência superior, para um maior entendimento e potenciais dos quais elas agora se tornam conscientes, que vai de fato enriquecer a vida delas.

Considere sua própria vida. Você sente como se tivesse despertado para o que está acontecendo no mundo, na sociedade, em sua vida? OK, o que eu aprendi de alguns de vocês é um sentimento de que desperto versus não desperto parece a mesma coisa. Talvez essas pessoas sempre tenham estado conscientes de que há algo diferente do que apenas seguir pelo status quo e portanto, elas sempre estiveram despertas.

Outro potencial pelo qual isso tudo pode parecer o mesmo, é porque há algo dentro de você que o está cutucando a fazer perguntas, e você não tem certeza onde fazer isso, como fazer e o que vai resultar. Você pode ter recursos disponíveis pela internet, pode procurar outras pessoas e eu quero expressar isso como as peças para seguir em frente. O mundo está despertando, é mais do que 50% e provavelmente perto dos 80%. Algumas pessoas podem estar conscientes, outras inconscientes.

Então esse era meu próximo passo. Nós sempre vimos para essas meditações através de sua consciência, seu foco, do qual você está ciente. O foco que o leva a uma direção para se conectar com seu coração, para ancorar, fluir para sua divindade, fluir para o Tudo o Que É. Tudo isso é a sua sensualidade que representa sua consciência, este é o aspecto da sua vida onde você pode fazer escolhas e isso afeta diretamente onde sua consciência irá.

Considere você, sua consciência é algo sobre a qual falamos por muitos, muitos anos e todos vocês vem se alongando e alongando, para que cada vez mais de sua consciência seja capaz de estar dentro da consciência expandida.

A sua consciência expandida é o que ajuda sua personalidade, seu ego, seus sistemas de crenças, é o que ajuda tudo isso a se alongar, para que você fique mais confortável com a mudança. Conforme estamos aqui no Tudo o Que É e você simplesmente permite à sua mente ou sua consciência apenas flutuar, coloca a intenção de que quanto mais você expande sua consciência, maior quantidade de informação existe que voltará para você, afetando-o em vida.

Agora então, há o seu aspecto inconsciente que também é parte desta consciência. É parte daquilo que você não está consciente, mas tem uma influência direta sobre você a todo momento. Esta é a parte vindo de seu cérebro esquerdo, o pensamento abstrato que desce de sua alma. Ela está te cutucando para se abrir para novos potenciais, para tentar algo diferente, talvez pegar um caminho diferente para o trabalho e ver o que você consegue perceber, ou se reconectar com um amigo do passado com o qual você não tem falado.

Então essa parte inconsciente de sua consciência é aquele guia que o ajuda em sua vida diária. Para a maioria da humanidade, a inconsciência dela tem de alguma forma atingido um muro de tijolos, porque a humanidade não prestou atenção. Então, portanto, conforme a humanidade desperta e isso abre portas, mais do inconsciente de cada pessoa pode vir para suas vidas diárias e portanto, suas consciências se expandem.

Você percebe como esse fluxo trabalha junto, como você recebe suas mensagens inconscientes de sua alma? Você sente isso no seu plexo solar? Você ouve os tons, palavras ou pensamentos? Você tem flashes de imagens, ou ouve aquela voz interior que sente dentro de você, que diz ‘sim, isso é exatamente o que eu preciso fazer?’

Quando isso acontece, aquele ciclo completou você.  Quando sua alma ou seu Eu superior enviou um impulso que diz ‘preste atenção a este momento’, você recebeu a mensagem, você prestou atenção e isso completa o ciclo de intenção. Então ao fazê-lo, isso expandiu sua consciência. São as distrações que impedem esse ciclo de funcionar completamente dentro de você. As distrações que chegam na forma de estar ocupado no trabalho, com a família, em sua vida diária, ocupado com o que pode estar acontecendo na mídia.

Então, conforme você se torna consciente do que é a consciência expandida através do despertar e recebe as intuições inconscientes, as distrações caem por terra. Você ainda vai tê-las em sua vida, entretanto, será muito mais fácil deixá-las ir, dizer ‘isso é uma distração e eu a deixo ir.’ Pode haver momentos onde a distração seja algo realmente para cutucar você para se abrir mais, então você não precisa sempre deixá-la ir cegamente. Mas conforme você olha para a distração, você tem o entendimento de deixá-la ir, pegar o que precisa e depois voltar ao foco.

OK, eu ouvi alguém dizer, ‘mas eu não sei o que não sei’, essa é uma declaração verdadeira e ela também abre tudo o que você não precisa saber, você só precisa estar aberto para o potencial de que coisas muito belas e gloriosas estão disponíveis à você, estar aberto para receber. E se você aprender algo que está totalmente fora de sua perspectiva, então aceite-o, olhe para ele e descubra a verdade, ou talvez entenda que é aí onde o mundo está se movendo.

Haverá muito mais tecnologia que está em alinhamento vibracional com a frequência superior, que muitas pessoas pensarão ‘isso não pode ser, isso não é possível’, então eu peço a você para simplesmente estar aberto, entender que você não sabe o que não sabe, entretanto, você está disposto a dar uma chance. Meu coração está tão cheio! Conforme olho para todo mundo aqui, há todas essas rajadas de Luz e energia e tantas pessoas estão se movendo para aquele espaço de despertar.

Até mesmo somente falar sobre sua consciência, inconsciência. Estes tópicos de conversa podem ser totalmente novos para você, ou pode ser algo que você pensou e estudou a vida toda. Você está alinhado com o universo, com o planeta, com sua galáxia, com a fonte de energia de Deus, e dentro de tudo isso, há um fluxo infinito de amor, Luz, de potenciais e experiências. Esteja aberto para receber.

Eu peço que todos vocês voltem juntos como um grupo. Ao fazerem isso, permitam as suas consciências ou seus focos estarem presentes dentro de vocês. E conforme se juntam como um, permitam a essa consciência expandida dar a vocês a percepção do que este espaço parece para vocês. Então, como se estivessem despertando aquele caminho para seu inconsciente, deixem a porta aberta e vejam se conseguem colher qualquer informação desta experiência de estarem juntos como um grupo. Incrível!

Chegando ao centro você vê o holograma da Terra. Conforme esse holograma chega dentro de você, eu convido a cada um para enviar sua consciência expandida para o holograma. E ao fazerem isso, ele começa a pegar a Luz e o equilíbrio e a expansão que chega com vocês e este processo. O holograma gira, vibra, roda, conforme integra tudo o que foi enviado a ele.

Há um aspecto que vai para o universo e o restante desce para a Terra. É como se houvesse uma coluna de Luz e ela cai, ele vai através da coluna conforme ela se conecta com a matrix envolvendo a Terra, ela envia este círculo de Luz e energia. Isso é consciência expandida. Isso é sobre despertar, que refere-se ao crescente fluxo e movimento do inconsciente.

Então ela desce até o centro da Terra. À medida que se ancora na terra, ela volta para cima. Uma vez que esteja ancorado na Terra, sua própria energia e frequência sobem dentro de você, se movem dentro de você, em seu espaço humano e como você está integrando tudo isso para si. Preste atenção ao que você está ciente e para abrir os aspectos de seu inconsciente.

À medida que cada um de vocês está integrando isso, eu os convido a estarem comigo conforme enviamos essa vibração e frequência através de cada pedaço da humanidade, que toda a humanidade desperte; que ela desperte de uma maneira consciente, para que conheça o fluxo de fonte divina que chega e receba o inconsciente.

Apoie a divindade dela e que isso possa ir de pessoa a pessoa ao longo do mundo todo, conforme a expansão se move por toda parte, permita ao restande de sua consciência e seu foco descerem dentro de você. Ele se move através do plano de alma e conforme você o traz de volta para o você humano, você pode precisar expandir seu campo de energia para que possa ancorar todo o seu Eu ascensionado. Reconheça que uma transformação enorme está acontecendo. Reconheça que você como humano, é uma parte integral de tudo o que está ocorrendo. Não depende de você fazer isso para mais ninguém, entretanto, conforme você se move em seu próprio processo, isso cria espaço para todos os outros. Inspire e expire.

À medida que você experiencia sua vida através do despertar do planeta, eu o convido a entender que você já está conectado a si mesmo tanto quanto sua alma se moveu por toda esta experiência.

Você como sua consciência expandida tem oportunidades para integrar, para transformar, para experienciar a vida. Confie em si mesmo. Confie em sua consciência. E confie em sua inconsciência conforme você se expande recebendo estas mensagens da alma, sabendo que isso é sempre para o seu maior e melhor interesse.

Vocês são amados!

Eu estou sempre com vocês e dentro de vocês.
Ansaluia

Shelly Dressel — Fonte: www.goddesslight.net/
Roseli Giusti Zahm e Marco Iorio Júnior — Tradutora e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

Fonte: Trabalhadores da Luz

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: AO DESPERTAR CONSEGUIMOS EXPANDIR A NOSSA CONSCIÊNCIA

AUTOCONHECIMENTO: É NECESSÁRIO ENCARAR A DOR E O SOFRIMENTO COM CONSCIÊNCIA PARA ALCANÇAR A VIDA PLENA

Sábado é dia de tirarmos um tempinho para fazermos reflexões sobre o que estamos vivendo. Uma maneira de nos conectarmos com o nosso eu intrínseco e avançarmos do desenvolvimento da nossa espiritualidade. O texto a seguir fala de sofrimento e dor e nos ensina a desfazer a confusão de que uma vida feliz é uma vida de prazeres e nos mostra a real importância do sofrimento e da dor no nosso aprendizado.

A espiritualidade começa com introspecção

Mulher branca e loira sentada na grama.
Mykola Komarovskyy / 123rf

Será que uma vida de muitos prazeres e sem dor é uma vida feliz?

Convido você a fazer essa reflexão, porque muitas vezes vivemos uma vida sem sentido, fazemos um trabalho de que não gostamos, temos relacionamentos que já não funcionam, temos um modo de vida que já não nos satisfaz. Queremos evitar a dor de ficarmos sozinhos, evitar a dor de sair da nossa zona de conforto, a dor de não poder comprar as coisas que queremos. Essa fuga para não sentir dor nos coloca numa vida que não é a nossa, na qual a gente acaba por não se sentir bem, parece que está sempre faltando algo. Isso nos leva muitas vezes à busca de prazeres relacionados a hábitos nocivos, vícios, a uma vida amargurada, cheia de doenças. Eu diria um cansaço da vida.

Eu penso que aceitar o prazer é uma coisa, agora viver condicionado pelo prazer é um grande engano. Então pare e pense se na sua vida você está em busca do prazer apenas…

E outro fato importante, o prazer sem ser compreendido deteriora a mente. Um exemplo disso são inúmeros artistas, cantores, atores, pessoas que chegaram no topo da fama e dinheiro e não eram felizes.

Ou do outro lado, pessoas que sofreram muito e mesmo depois de sofrerem não aprenderam com a lição, isso porque o sofrimento não conduz à sabedoria e sim a compreensão dele.

Procure entender que o sofrimento faz parte e busque o caminho que faça sentido pra sua vida, mesmo que você tenha que mudar de percurso, começar tudo de novo, e mesmo que essa mudança provoque sofrimento por um tempo. Mesmo na dor, procure compreender por que a situação te fere, o que você de fato precisa aprender com essa dor. Essa atitude vai aos poucos elevar seu nível de consciência e surgirão recursos próprios e mais sólidos para enfrentar a vida, inclusive a consciência de que não podemos colocar nosso bem-estar somente em coisas que nos dão prazer, que não devemos colocar nosso bem-estar no outro ou em bens materiais.

Mulher branca meditando numa plantação.

Mor Shani / Unsplash

Só assim a vida começa a ser sentida, apreciada, valorizada.

Essa atitude vai tirar certas ilusões e fantasias sobre o viver.

Vamos aprender a desapegar tanto do prazer quanto da dor. Porém essa nova visão sobre a vida nos dá uma liberdade incrível, pois você não mais vai ser afetado pelas circunstâncias.

Muitas pessoas se apegam à dor, ao sofrimento… Parece loucura, mas é real, porque nesse papel de vítima elas têm ganhos secundários. Elas têm, por exemplo, a atenção dos outros, a piedade dos outros.

Então aqui chegamos a algumas conclusões.

A dor é necessária, crescer dói, deixar nosso lado infantil e passar para a fase adulta dói. Muita gente chega aos 30, 40, 50 anos sem querer enfrentar essa dor, sem mudar hábitos, sem amadurecer. Sem assumir certas responsabilidades.

Porém não podemos nos apegar à dor, há um ponto em que temos que sair dessa condição e buscar melhoras. Por outro lado, viver atrás do prazer pode ser um caminho muito perturbador.

Quantas pessoas se apegam tanto à aparência jovem e não aceitam a velhice, pois querem sempre sentir o prazer da juventude no corpo? Isso é destruidor.

Vamos buscar o equilíbrio entre esses polos? E quando estiver em qualquer um dos lados busque a consciência do que se passa no seu interior, os sentimentos atrelados, as sensações físicas, o propósito de estar ali. Adquira esse ponto de observação, no qual não há tanto peso assim entre o que é bom ou ruim, certo ou errado, pois quando o olhar está acima das aparências podemos ver que tudo faz parte, que tudo pode ser aceito e acolhido com amor e na medida certa.

Fonte: Eu Sem Fronteira

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: É NECESSÁRIO ENCARAR A DOR E O SOFRIMENTO COM CONSCIÊNCIA PARA ALCANÇAR A VIDA PLENA

AUTOCONHECIMENTO: APESAR DO MEDO CONHEÇA O INIMIGO E ENFRENTE-O

Antes de se apavorar e ter medo do inimigo, é preciso conhecê-lo e entender como ele funciona. No vídeo de hoje, falo um pouco sobre o medo em tempos de coronavírus. Esse sentimento que é algo natural, e que faz parte do nosso instinto de sobrevivência, mas nos tempos que estamos, só nos atrapalha. Ele nos impede de conhecer o nosso inimigo, quando, na verdade, é disso que precisamos para conseguir enfrenta-lo. Portanto, apesar do medo, não deixe que o inimigo perceba e encare-o! Assista ao vídeo completo e saiba como fazer isso.

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: APESAR DO MEDO CONHEÇA O INIMIGO E ENFRENTE-O

REFLEXÃO: SER FELIZ É A NOSSA MISSÃO

Sexta-feira também é dia de REFLEXÃO aqui no Blog do Saber. A nossa missão é ser feliz! Isso me lembra a minha querida e saudosa mãe, Dona Lourdinha, que sempre repetia: “Eu nasci pra ser feliz!” E ela foi muito feliz, pois a felicidade para ela era servir ao próximo e ajudou a tanta gente…O texto a seguir é de uma imensa sabedoria que vale a pena a sua leitura. Portanto leia, reflita e faça o seu juízo de valor!

'Deus insiste em nos abençoar, em nos mostrar o caminho: aquele mais difícil, mais complicado, mais bonito. E a gente insiste em seguir, por que tem uma missão… Ser feliz!' - Momento de Reflexão

Seja feliz!

Quantas vezes nós pensamos em desistir,
deixar de lado, o ideal e os sonhos.
Quantas vezes batemos em retirada, com o coração amargurado pela injustiça.
Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade, sem ter com quem dividir.
Quantas vezes sentimos solidão, mesmo cercados de pessoas.
Quantas vezes falamos, sem sermos notados.
Quantas vezes lutamos por uma causa perdida.
Quantas vezes voltamos para casa com a sensação de derrota.
Quantas vezes aquela lágrima, teima em cair, justamente na hora que precisamos parecer fortes.
Quantas vezes pedimos a Deus um pouco de força, um pouco de luz.
E a resposta vem, seja lá como for, um sorriso, um olhar cúmplice, um cartãozinho, um bilhete, um gesto de amor.
E a gente insiste,
Insiste em prosseguir, em acreditar, em transformar, em dividir, em estar, em ser.
E Deus insiste em nos abençoar,
Em nos mostrar o caminho:
Aquele mais difícil,
mais complicado, mais bonito.
E a gente insiste em seguir,
por que tem uma missão…
Ser feliz!

Fonte: Mensagens com Amor

Continuar lendo REFLEXÃO: SER FELIZ É A NOSSA MISSÃO

DESENVOLVIMENTO PESSOAL: VIVER, AMAR, APRENDER E DEIXAR UM LEGADO PARA UMA VIDA PLENA

Hoje o desenvolvedor de pessoas Ivan Maia nos da uma aula fenomenal que vai mudar, vai transformar a sua vida e vai lhe proporcionar uma vida muito melhor, através de quatro passos simples. Então convido você a assistir ao vídeo completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor sobre esses quatro passos simples!

Você pode ter uma vida melhor, muito melhor, se apenas seguir 4 passos simples:

1- Viver – é ver a vida como um grande parque de diversões e magia, ao invés de um espetáculo de terror e sofrimento.

2- Amar – é entregar-se ao amor verdadeiro, que não é o que você sente pelas outras pessoas, e sim como age com as outras pessoas.

3- Aprender – é nunca se permitir parar de crescer, é aprender a cada dia uma nova coisa, é olhar para si mesmo e perguntar-se o que está faltando inserir na vida.

4- Deixa um legado – é entender que na vida seremos sempre lembrados pelos problemas que resolvemos ou pelos problemas que criamos. É importar-se de deixar algo que valha mais que a própria vida.

Pense, reflita, pare e mergulhe em si mesmo. Busque as respostas e elas virão. Portanto, viva, ame, aprenda e dixe um legado.

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO PESSOAL: VIVER, AMAR, APRENDER E DEIXAR UM LEGADO PARA UMA VIDA PLENA

REFLEXÃO: GRATIDÃO COM AMOR, AQUECE QUEM RECEBE E RECONFORTA QUEM OFERECE

Procurando um belo texto para publicar, aqui na coluna REFLEXÃO desta terça-feira encontrei este sobre “A Gratidão”. Tenho até a impressão que já publiquei este maravilhoso conto, mas creio que foi há muito tempo e peço desculpas aos leitores que possam ter lido da outra vez, mas ao ler este texto outra vez não resisti ao impulso de publicá-lo novamente, pois sei que muitos ainda não leram e não podem ser privados dessa oportunidade e privilégio. Então, sem mais delongas convido você a ler esta pérola, apreciar, refletir e transformar a sua vida!

O PODER TRANSFORMADOR DA GRATIDÃO - YouTube

A Gratidão

O homem, por detrás do balcão olhava a rua de forma distraída. Uma garotinha se aproximou da loja e amassou o narizinho contra o vidro da vitrina.

Os olhos da cor do céu brilharam quando viu determinado objeto.

Entrou na loja e pediu para ver o colar de turquesas azuis. “é para minha irmã. Pode fazer um pacote bem bonito?”

O dono da loja olhou desconfiado para a garotinha e lhe perguntou: “quanto dinheiro você tem?”

Sem hesitar, ela tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho e foi desfazendo os nós. Colocou-o sobre o balcão e feliz, disse: “isto dá, não dá?”

Eram apenas algumas moedas, que ela exibia orgulhosa.

– Sabe, eu quero dar este colar azul para a minha irmã mais velha. Desde que morreu nossa mãe, ela cuida da gente e não tem tempo para ela. É aniversário dela e tenho certeza que ela ficará feliz com o colar que é da cor dos seus olhos.”

O homem foi para o interior da loja, colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde.

– Tome, leve com cuidado.

Ela saiu feliz, saltitando pela rua abaixo.

Ainda não acabara o dia quando uma linda jovem de longos cabelos loiros e maravilhosos olhos azuis, adentrou a loja.

Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho desfeito e indagou:

– Este colar foi comprado aqui?

– Sim, senhora.

– E quanto custou?

– Ah, falou o dono da loja, o preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o freguês.

A moça continuou: “mas minha irmã tinha somente algumas moedas. O colar é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagá-lo!”

O homem tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho, colocou a fita e devolveu à jovem.

– Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar – disse ele.

– Ela deu tudo o que tinha.

O silêncio encheu a pequena loja, e duas lágrimas rolaram pelas faces jovens, enquanto suas mãos tomavam o embrulho e ela retornava ao lar, emocionada.

………………………

Verdadeira doação é dar-se por inteiro, sem restrições. Gratidão de quem ama não coloca limites para os gestos de ternura.

E a gratidão é sempre a manifestação dos espíritos que têm riqueza de emoções e altruísmo.

Sê sempre grato, mas não espere pelo reconhecimento de ninguém.

Gratidão, como amor, é também dever que não apenas aquece quem recebe, como reconforta quem oferece.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no capítulo “O Colar de Turquesas Azuis”, do livro Remotos Cânticos de Belém, Wallace Leal V. Rodrigues, ed. Clarim.

Fonte: Momento de Reflexão

Continuar lendo REFLEXÃO: GRATIDÃO COM AMOR, AQUECE QUEM RECEBE E RECONFORTA QUEM OFERECE

AUTOCONHECIMENTO: AO INDIVIDUALISMO E A MÁGOA TE IMPEDEM DE ASCENDER ESPIRITUALMENTE

Duas coisas impedem a nossa ascensão como seres evolutivos: a mágoa e a individualidade. Essas duas coisas nos impede de alçarmos voos mais altos como a elevação dessa terceira dimensão para a quinta dimensão. Precisamos aprender a perdoar e entender que estamos todos conectados. Aprender que somos todos um e que quando não perdoamos o outro estamos deixando de perdoar a nós mesmos. Aprender que o individualismo e o egoísmo são comportamentos da densa matéria da 3ª dimensão e enquanto não nos libertarmos disso e aprendermos a compartilhar jamais alcançaremos a tão sonhada 5ª dimensão. Por isso convido você  a ler o precioso texto a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor.

O SISTEMA QUE TE IMPEDE DE TER SUCESSO - O QUE SÃO CRENÇAS LIMITANTES? - Viver em Fluxo

O que te impede a sua ascensão

Mensagem canalizada em Abril de 2021 – Os Arcturianos

“Saudações. Somos o Conselho Arcturiano. Estamos felizes em nos conectar com todos vocês.

Nós temos um belo relacionamento com todos os outros seres ao longo desta galáxia e continuamos buscando criar parcerias com seres ao longo do universo. Há alguns que ainda não encontramos fora da Via Láctea e adoramos expandir nossa consciência para nos conectar com quem quiser, porque entendemos que quando encontramos alguém, estamos encontrando outro aspecto de nós mesmos.

Esta é uma bela e poderosa prática para todos vocês usarem em sua vida diária. Quando você consegue ver todos os demais como representantes de um aspecto seu e então baixa sua resistência àquela pessoa, caso tenha resistido a ela, você pode fazer avanços tremendos em sua evolução espiritual e pode trazer as maiores mudanças em seu mundo como jamais viu.

Realmente o maior problema que vocês têm aqui na Terra neste momento é que vocês guardam mágoas, que se sentem separados dos outros e que abrigam ódio em seus corações. Deixar tudo isso ir não apenas vai uni-los como coletivo humano, mas também irá ajudá-los a se elevarem e vocês querem se elevar. Vocês desejam existir num estado de alta frequência, um estado que nos referimos comumente como ‘quinta dimensão’. Mas vocês não podem chegar lá vendo a si mesmos como separados dos outros.

Criar divisão os coloca numa mentalidade de 3D e os mantém presos num paradigma de 3D. Vocês foram, na maior parte, nascidos num paradigma de terceira dimensão e é isso que precisam transcender, precisam ascender para fora disto. Não vejam isso como fazer vista grossa para o mau comportamento dos outros. Vejam como o único caminho para se tornarem mais de quem realmente são, que é o seu Eu superior, seu Eu de quinta dimensão.

Nós dissemos isso antes e vamos dizer novamente – parem de esperar por algo externo a vocês acontecer para os catapultar e apenas os outros escolhidos, para a 5ª dimensão. Vocês vão fazer isso como um coletivo e para que possam realmente experienciar a si mesmos como Fonte de Energia, precisam que os outros estejam presentes, porque eles são parte da Fonte de Energia e portanto, parte de vocês.

Alguns podem perguntar como você pode perdoar alguns dos atos hediondos que seus semelhantes tomaram parte. Não estamos dizendo que vocês neguem seus sentimentos sobre esses atos hediondos, mas estamos pedindo que imaginem que em alguma outra vida, uma na qual vocês foram muito, muito diferentes do que são hoje, eram vocês que estavam cometendo tais atos.

Se você pode perdoar alguém, pode perdoar a si mesmo e somente então pode se tornar mais inteiro e completo. A chave para o perdão é não somente perceber que ao perdoar o outro, você está se perdoando. A chave para o perdão é também permitir-se sentir o que aquela pessoa e aquela ação sempre pretendeu fazer você sentir.

Uma vez que você limpa sua raiva, tristeza, ódio e medo, então está num lugar onde pode perdoar e está deixando ir alguns dos pesos que o tem mantido para baixo, que estão te segurando, impedindo você de ascender. E conforme você ascende, você leva outros consigo. Você dá o exemplo; você cria o modelo. E se torna o professor e guia que foi destinado a ser nesta vida.

Sentimos muito que não seja mais fácil que isso, mas foi a sua escolha criar esta versão da realidade. Então por favor lembre-se disso da próxima vez que estiver sacudindo os punhos para ela, e saiba que o sentimento de abraçar tudo e se elevar acima disto é incomparável em toda a galáxia.

Somos o Conselho Arcturiano e apreciamos nos conectar com vocês.”

Daniel Scranton — Fonte: https://danielscranton.com/
Roseli Giusti Zahm e Marco Iorio Júnior — Tradutora e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

Fonte: Trabalhadores da Luz

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: AO INDIVIDUALISMO E A MÁGOA TE IMPEDEM DE ASCENDER ESPIRITUALMENTE

AUTOCONHECIMENTO: SAIBA COMO ENFRENTAR OS SEUS MEDOS CULTIVANDO A CORAGEM

Aproveitando o dia da coragem estamos publicando um texto escrito por Moshé Bergel que esclarece: ter coragem não significa jamais ter medo, ou negá-lo a todo custo, ou se sentir culpado e fraco por senti-lo. Coragem é avançar ao desconhecido, mesmo sentindo medo. Creio que já deu pra sentir o que esse rico texto pode fazer por você. Então, o que está esperando? São apenas 6 minutos de leitura que podem mudar completamente a sua vida!

No dia da coragem, 5 dicas para enfrentar seus medos

Homem com o braço erguido no topo da montanha
kieferpix / Getty Images / Canva

No Dia da Coragem, 5 dicas para enfrentar seus medos. A palavra coragem vem da raiz latina “cordis”, que significa “coração”. Isso nos deixa evidenciado que, desde os povos antigos, a coragem é tratada como uma força interna, um potencial interno que nos move à ação, uma vez convictos da necessidade de agir, seja para preservar nossa integridade física ou moral.

A coragem é um recurso indispensável para uma vida de realizações. Não temos conhecimento do futuro, o que ele nos reserva, nem temos ciência de todos os segredos que o mundo encerra, condição que nos deixa duas opções: permanecermos onde estamos, no nosso lugar seguro, na zona de conforto, resignados a desfrutarmos o que estiver a nosso alcance, mesmo que precário; ou ambicionar mais, nos expormos ao desconhecido e eventualmente nos machucarmos ou crescermos.

A primeira opção garante uma vida longeva, mas provavelmente frustrante, a segunda não dá garantia de futuro brilhante, mas deixa essa possibilidade à vista. Mas para trilhar esse caminho é preciso coragem, para sair de uma situação confortável e enfrentar os nossos medos. E se o indivíduo percebe que não tem a coragem necessária para dar o grande salto no vazio?

É possível se tornar corajoso? É possível aprender a lidar com os medos?

Sem dúvida. Coragem não é um dom, algo impossível de se desenvolver.

Mulher sorrindo na praia

AntonioGuillem / Getty Images Pro / Canva

Algumas pessoas de fato contam com recursos internos mais evoluídos, que tornam a construção de um comportamento visto como corajoso menos tortuoso, mas nem todos enxergados dessa maneira são feitos desse grau de desenvolvimento genuinamente avançado.

A maioria precisa aprender a lidar com os próprios medos, a se acostumar com eles para se sentir mais autoconfiante. Processo que muitas vezes leva anos, trabalhando questões internas, maturando experiências, fortalecendo o coração.

O passo inicial é a vontade, ter aquela fagulha que anseia por algo mais. Depois do desejo, vem a análise sobre o caminho a seguir para atingir o objetivo e a ciência dos desafios a se superar, que podem intimidar o bastante para causar paralisia ou estimular o embate.

Se você se encontra no primeiro grupo, que sabe quais são os medos que precisa enfrentar para progredir na vida, mas não se vê em condições internas de enfrentá-los no momento, seguem algumas dicas que podem te ajudar a encontrar a força interna de que precisa.

Medo faz parte da coragem.

É importante ter isto claro: ter coragem não significa jamais ter medo, ou negá-lo a todo custo, ou se sentir culpado e fraco por senti-lo. Coragem é avançar ao desconhecido, mesmo sentindo medo.

Homem observando o mar

Lukas_Rychvalsky–6924066 / Pixabay / Canva

Pense bem: existe exemplo maior de coragem do que ir à luta, mesmo sentindo medo? Não exige um esforço, uma determinação, uma ousadia fora do comum?

Ter coragem é saber acolher o medo, dar espaço para ele dentro de nosso coração, mas conseguir controlá-lo. Ele faz parte da experiência de fazer algo que sabemos ser importante.

Sem o medo, nossas vitórias seriam vazias, não teriam valor.

O medo faz parte da experiência e é normal senti-lo. Pessoas corajosas sentem medo, mas conseguem administrá-lo. Essa é a diferença. Portanto, da próxima que sentir medo, não pense que é um mau sinal e por isso deve desistir. Ele faz parte e é impossível não sentir.

Sabe aquela história do ator, empresário, jogador, etc., que fala do friozinho na barriga antes de encarar a plateia, pisar no gramado? Medo. Mas isso não o impede de fazer o que precisa.

Veja por outra perspectiva.

Outra dica para encontrar soluções internas que impeçam a paralisia diante da adversidade é pensar em alternativas para lidar com a situação.

Mão fechada sobre o sol para representar perspectiva

Greg Cluff / Getty Images / Canva

Pense nas outras vezes em que padeceu diante do seu medo. Como você se comportou? Provavelmente assumiu uma postura inicial de enfrentamento, de tentar resistir, mas não conseguiu suportar as más sensações despertadas. As lembranças das experiências passadas, a vergonha, a tristeza, etc.

Que tal fazer diferente, visto que essa estratégia não rendeu bons resultados das outras vezes?

Experimente, em vez de enfrentar, negar o seu medo, abstrair-se, isto é, observar as sensações instalando-se internamente e apenas senti-las.

Respire fundo e continue a fazer o que estiver fazendo sem pensar no antes ou depois. Concentre-se no agora. Escolha sentir, aceitar o medo, mas prosseguir.

Exponha-se gradualmente.

Outra técnica para reunir coragem dentro de si e enfrentar os seus medos é se expor gradualmente ao objeto de receio. Em terapia, esse método é conhecido como “dessensibilização”, termo emprestado da imunoterapia.

Estabeleça pequenas metas para se expor ao que te desestabiliza para se acostumar com a situação, diminuir o receio, criar mais resistência à situação de estresse.

Mulher sorridente abrindo a cortina e olhando pela janela

David De Lossy / Getty Images Pro / Canva

Uma dica para ajudar nesse processo é observar outras pessoas que lidam com o objeto e descrever o método. Estude o objeto de forma clara e sem antecipar percepções.

Aprenda a silenciar a mente.

A sensação de medo faz o indivíduo alimentar pensamentos que fortalecem a ansiedade e o pavor. A mente entra em um estado de confusão mental, prejudicando a clareza e objetividade dos pensamentos.

Para evitar isso, uma boa prática é a meditação. Sem dúvida uma ótima forma de aprender a silenciar a mente cotidiana e conscientemente.

Treine o autocontrole.

Medos e fobias estão relacionados a ansiedade. Ela é responsável por dificultar a concentração e fazer nossa cabeça ser tomada de assalto dos piores sentimentos.

Uma forma de controlar o medo e ter a coragem de seguir em frente, mesmo ele estando vivo dentro de você, é estudar técnicas para alcançar a serenidade.

Mulher sorrindo de olhos fechados respirando fundo

SrdjanPav / Getty Images Signature / Canva

Exemplos dessas técnicas são controle de respiração, exercícios físicos e a já citada meditação.

Procure apoio profissional.

No caso de dificuldades persistentes de vencer os seus medos, o recomendado é procurar apoio profissional, pois o seu caso pode ser de bloqueios internos, resultantes de traumas passados, que o impedem de explorar suas potencialidades.

Os profissionais mais indicados são: psicólogo e hipnoterapeuta. Ambos contam com recursos para investigar o histórico de suas emoções e lhes conferir um novo significado.

Gostou deste conteúdo sobre coragem e como vencer os seus medos? Então curta, compartilhe, avalie. Seu apoio faz a diferença.

Moshé Bergel

Escrito por Moshé Bergel

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: SAIBA COMO ENFRENTAR OS SEUS MEDOS CULTIVANDO A CORAGEM

AUTOCONHECIMENTO: SAIBA COMO VOCÊ PODE SE LIBERTAR DA DEPENDÊNCIA DOS REMÉDIOS, POR WAGNER BRAGA

Você quer ter saúde integral? No vídeo de hoje, eu te faço uma proposta: se liberte da dependência de remédios! Conquistar a saúde integral (física, mental, espiritual e emocional) vai permitir que isso aconteça na sua vida. Então, trouxe uma dica que me ajudou a conquistar isso e pode te ajudar também! Assista ao vídeo completo e saiba como!

Fonte:

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: SAIBA COMO VOCÊ PODE SE LIBERTAR DA DEPENDÊNCIA DOS REMÉDIOS, POR WAGNER BRAGA

AUTOCONHECIMENTO: O PROCESSO DE AUTOCONHECER COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A FELICIDADE

Hoje você vai ler um dos melhores textos que já sobre o AUTOCONHECIMENTO. O que é, como funciona esse processo, os benefícios, as terapias,  como se autoconhecer, enfim, tudo sobre AUTOCONHECIMENTO para você entender definitivamente que existem muitos caminhos, mas apenas um que te leva a expansão da consciência e a vida plena: o Autoconhecimento!

Como funciona o processo de autoconhecimento?

Mulher de frente ao espelho em um campo com lavandas em mãos
cottonbro / pexels

Todas as pessoas querem ser felizes. Elas podem obter esse tipo de realização por meio do trabalho, das relações interpessoais, de viagens, de estudos e da construção de uma família. Porém esse caminho pode ser bastante nebuloso e repleto de desafios.

Uma dessas dificuldades é a pressão social. Sempre queremos atender a expectativas que são impostas a nós e, por causa disso, abrimos mão das nossas essências e daquilo que realmente nos faria feliz. Esse cenário pode ser tão acentuado que, em alguns casos, até nos esquecemos de quem somos e aceitamos a realidade que nos é imposta como se fosse a melhor possível. Mas será que existe uma maneira de resolver esse problema?

Com o autoconhecimento, a felicidade que você tanto busca pode se mostrar de forma natural e verdadeira. Para entender mais sobre como esse processo funciona e quais são os meios de praticá-lo, leia atentamente cada tópico do conteúdo que preparamos!

Primeiramente, o que é autoconhecimento?

Autoconhecimento é, como a palavra sugere, o conhecimento de si. De forma mais aprofundada, é compreender qual é a sua essência, quais são os seus desejos, os seus defeitos e as suas qualidades. Por meio dessa investigação, uma pessoa pode se tornar alguém melhor a cada dia, tanto para si mesma quanto para o mundo.

Diferentemente do que se imagina, o processo de se descobrir nunca tem fim. Afinal, todos os anos nós mudamos nossos pensamentos e sentimentos de algum jeito. Às vezes, revemos até os nossos hábitos e estilos de vida. Então o conhecimento sobre nós mesmos que acumulamos antes disso pode se tornar ultrapassado.

Um perfil de rosto humano feito de papel branco amassado com um pedaço de quebra-cabeça recortado

lightwise / 123RF

Logo o autoconhecimento deve ser cultivado e analisado ao longo de toda uma vida. Dessa maneira, estaremos sempre em sintonia com quem somos, buscando uma vida equilibrada e que nos traga felicidade e plenitude. Quanto mais você se conhecer, maior será o seu sucesso na hora de concretizar seus maiores sonhos, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional.

Os benefícios de se autoconhecer

Muitas pessoas ainda não têm ciência de todos os benefícios que o fato se conhecer pode proporcionar a alguém. Por causa disso, elas podem postergar o início desse processo. Se isso já aconteceu com você, ou ainda está acontecendo, surpreenda-se com o que o autoconhecimento pode estimular!

1) Organização de planos de vida

Quando não sabemos o que queremos para a vida, é muito difícil organizar projetos e planos a longo prazo. No entanto, com o autoconhecimento, seremos capazes de reconhecer quais caminhos seguir para obter um sentimento de realização. A partir disso, conseguimos nos preparar melhor e focar aquilo que mais desejamos.

2) Desenvolvimento da autoestima

autoestima de uma pessoa não precisa estar sempre alta. Isso porque todos nós passaremos por momentos difíceis, nos quais nos acharemos menos atraentes, menos capazes ou menos divertidos. Apesar disso, o autoconhecimento nos auxilia a levantar a autoestima, visto que nos ajuda a enxergar quem realmente somos, analisando nossos defeitos e nossas qualidades.

3) Manutenção da saúde mental e física

A saúde física e a mental são igualmente importantes, mas muitas vezes nós as negligenciamos. Isso pode acontecer quando não nos colocamos como prioridade nas nossas vidas e acreditamos que tudo pode ser resolvido depois. Com o autoconhecimento, porém, compreendemos a importância de nos cuidarmos, de realizar exames com frequência e de manter a nossa mente em harmonia com o nosso corpo.

4) Melhoria dos relacionamentos

Time de pessoas com as mãos unidas

Bob Dmyt / Pixabay

Relacionar-se com outra pessoa é um desafio quando não nos conhecemos muito bem. Podemos criar expectativas demais, ou aceitamos atitudes que nos fazem mal apenas para não ficarmos sozinhos. A partir do momento em que o autoconhecimento está se desenvolvendo, entretanto, esse cenário tende a mudar. Saberemos quais são as nossas necessidades e nossos limites, compreendendo o que podemos dar e o que precisamos receber.

5) Controle emocional

O controle emocional é essencial para controlar os sentimentos ruins e evitar que conflitos sejam criados. Mas uma pessoa que não se conhece enfrenta muita dificuldade ao tentar fazer isso. Se você for capaz de entender as suas emoções e se acalmar quando for preciso, o processo de autoconhecimento estará dando muito certo!

Como se autoconhecer?

O processo de autoconhecimento não tem regras. Cada pessoa irá encontrar uma maneira de entrar em contato consigo mesma, e essa é a melhor parte dessa jornada. Você não precisa se apegar ao que outros indivíduos fazem, porque não é isso que realmente importa.

É importante que você lembre que o seu processo de autoconhecimento deve acontecer de acordo com os seus desejos, com o que te deixar mais confortável. Então basta escolher entre um universo de possibilidades. Algumas delas são: ioga, meditação, terapia, escrita de um diário, e muito mais!

Mulher escrevendo diário

picjumbo_com / Pixabay

Para te ajudar nessa jornada, preparamos um passo a passo para o seu processo de autoconhecimento. Nossas dicas são uma inspiração, e não uma obrigação. Respeite o seu tempo e faça somente aquilo que estiver te trazendo um retorno positivo!

O processo do autoconhecimento passo a passo

Agora que você já conhece tantos benefícios de realizar um processo de autoconhecimento, veja como é possível se abrir para esse desenvolvimento. Confira as nossas sugestões e crie as suas maneiras de mergulhar na sua interioridade!

Faça perguntas

Quando nós paramos para pensar sobre alguma coisa, temos a oportunidade de obter conclusões melhores sobre ela. E, para isso, basta fazer perguntas! Questione as suas decisões, a sua felicidade com o seu trabalho, com os seus relacionamentos. Pense sobre como você está se sentindo em determinados momentos do dia e analise-se!

Aprenda com novas experiências

As novas experiências, que nos tiram da nossa zona de conforto, podem parecer assustadoras em um primeiro momento. No entanto, elas nos dão mais repertório para lidar com imprevistos e podem nos ajudar a descobrir como lidamos com diversas situações. Lembre-se disso da próxima vez que tiver a chance de se desafiar!

Comece a gostar de passar um tempo consigo mesmo

Você é uma pessoa que está sempre rodeada de amigos, familiares e amores? Que legal! Isso é muito bom para os seus relacionamentos, para os momentos felizes e para os momentos difíceis. Mas também é importante reservar um tempo só para você. Assim, você vai descobrir do que você realmente gosta, sem precisar se adequar aos desejos de outras pessoas.

Mulher aproveitando a solitude em frente à uma paisagem de campo

Bruno Cervera / Pexels

Invista em livros de autoconhecimento

Os livros de autoconhecimento podem abrir a sua mente para muitas questões que até então você desconhecia. Caso você nunca tenha lido um conteúdo desse tipo, separamos cinco títulos que serão um bom começo:

Faça terapia

Fazer terapia é fundamental para todas as pessoas, não só para aquelas que estão passando por um momento difícil ou que viveram algum tipo de trauma. Então, ainda que você se considere uma pessoa mentalmente saudável, procure auxílio profissional para investigar seus pensamentos, seus sentimentos e sua maneira de lidar com seus problemas!

Registre seus avanços

Em um diário, ou por meio de fotos, você pode registrar o que você está sentindo ao longo dos dias. Como as suas opiniões e os seus projetos mudaram desde quando você começou a ser você? Com essas anotações, você vai perceber que aos poucos está se tornando uma nova pessoa, sempre disposta a aprender.

Reconheça suas qualidades

Quando não passamos muito tempo conosco, temos dificuldade de descobrir no que somos bons e quais são as nossas verdadeiras qualidades. Então dedique-se a um hobby, faça um curso com o qual sempre sonhou e analise como o seu desempenho em algo pode ficar ainda melhor.

Mulher com guarda-chuva amarelo em frente à uma parede amarela

Pexels / Pixabay

Assuma seus defeitos

Reconhecer os nossos defeitos é uma das partes mais difíceis do processo de autoconhecimento, entretanto é essencial. Nós só poderemos ser pessoas melhores se soubermos quais são os nossos pontos fracos – e não precisamos nos envergonhar por tê-los. Aceite as suas imperfeições e melhore o que for possível!

Melhore seus hábitos

Faz parte do autoconhecimento cuidar bem do seu corpo físico. Além disso, o que acontece com ele se reflete na sua saúde mental e no seu bem-estar. Então observe quais são os seus hábitos e perceba se eles estão criando alguma desarmonia na sua saúde. A partir disso, faça as mudanças que precisar, sem medo!

Por mais que buscar atendimento médico não seja uma atividade prazerosa e divertida, é algo necessário. Como foi dito anteriormente, é preciso reconhecer o que está acontecendo com o seu corpo, para que você saiba como ter uma vida mais saudável e como se sentir melhor com quem você é.

Levando em consideração todas as informações que apresentamos, compreende-se que o processo de autoconhecimento é fundamental na vida de uma pessoa. Entre as inúmeras formas de realizar esse processo, você pode recorrer a livros, a terapia, a questionamentos e até a um diário. O mais importante é descobrir o que realmente te faz feliz!

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: O PROCESSO DE AUTOCONHECER COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A FELICIDADE

DICA DE LIVRO: O SENTIMENTO É O SEGREDO DE DEVILLE GODDARD

Quarta-feira é dia da coluna DICA DE LIVRO e como não poderia deixar de ser estamos dando mais uma de primeira linha. O Sentimento é o Segredo, de Neville Goddard. Este livro é a essência destilada de anos e anos de estudos bíblicos e metafísicos e das muitas palestras que o autor ministrou. Segundo Neville, seria muito mais fácil se ele tivesse  dez vezes mais o seu tamanho, mas o objetivo dele é dar a você leitor um guia prático e direto para que você reconheça e desenvolva o divino poder da consciência que você possui. Por isso o autor procurou condensar ao máximo esse assunto, pois como estudante, você sabe que para se lembrar de todo o seu conhecimento na hora da prova, você precisa estudar a matéria várias vezes. Portanto este é um livro que você não só poderá, mas deverá lê-lo várias vezes, se tornando seu livro de cabeceira!

Foto: Amazon

Continuar lendo DICA DE LIVRO: O SENTIMENTO É O SEGREDO DE DEVILLE GODDARD

REFLEXÃO: PERMITA QUE O SEU EU SUPERIOR E DIVINO SIGA A SUA FRENTE REMOVENDO TODOS OS OBSTÁCULOS

A Patrícia Gerbrim é uma mentora sensacional e está sempre escrevendo coisas maravilhosas para a nossa REFLEXÃO. O texto que publicamos aqui na coluna nesta terça-feira é especialmente inspirador, pois aborda, de uma maneira clara, simples e eficiente, o AUTOCONHECIMENTO e nos convida a dar espaço para a nossa alma nos guiar nas nossas escolhas. Isso significa desenvolver a intuição. Portanto, convido você a ler esse texto super esclarecedor, refletir e fazer o seu juízo de valor!

Permita que o divino se expresse

 em 

 

“Se há algo que precisamos aprender agora, é que precisamos dar espaço para a nossa criatividade .Estamos desperdiçando uma energia preciosa ao lutar contra o que está acontecendo, ao tentar controlar o mundo ao nosso redor, ao querer retornar, a qualquer custo, a um estado de coisas que não existe mais.

“E se não tivermos como voltar atrás?” E se estivermos sendo confrontados com a necessidade de seguir adiante? De nada adianta nos agarrarmos a um passado que, como a folha de uma árvore, já feneceu. Precisamos criar uma NOVA forma de viver nossas vidas.

Ouçam. Nós somos seres infinitamente capazes de manifestar novas e melhores formas de ser. Precisamos, no entanto, aceitar que todo um estado de ser ruiu, bem em frente de nossos olhos incrédulos. Precisamos sair de dentro desses escombros, respirar profundamente, nos conectar com a vida e nos tornarmos os criadores daquilo que precisa nascer.

Nós podemos ser os parteiros de um mundo mais belo, mais justo, mais respeitoso para com todos. Para isso não devemos negar os desafios que nos são impostos, ou imaginar que magicamente um novo mundo amanhecerá. Nós é que vamos “amanhecer o mundo” .

Faremos isso nos tornando nossas melhores versões. Não olhe ao redor. Não importa o que o outro está fazendo, ou sendo. Torne-se VOCÊ o seu melhor. Crie espaço para que sua alma passe a guiar suas escolhas. Perceba que seu poder está diretamente relacionado à sua coragem de ser quem você é. Viva nesse eixo que vai da terra ao céu, passando por você.

Seja fiel à terra, à natureza, à força que todos os dias lhe dá energia física, ar para respirar e viver. Seja fiel ao céu, à verdade maior, à justiça, à consciência de que somos UM .

Faça apenas isso, e você se tornará capaz de criar. Somos imensamente poderosos quando recuperamos essa capacidade. Assim poderemos de verdade manifestar o novo mundo. Não nos cabe saber que mundo será esse. Basta confiar e permitir que o divino em nós o expresse.” (Patricia Gebrim)

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: PERMITA QUE O SEU EU SUPERIOR E DIVINO SIGA A SUA FRENTE REMOVENDO TODOS OS OBSTÁCULOS

AUTOCONHECIMENTO: VOCÊ QUE VEIO DAS ESTRELAS PARA HABITAR O MUNDO DAS ILUSÕES

Segunda-feira é dia de recomeço, renovação e reaprendizado. Por isso estamos publicando aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO um texto do mentor e visionário Wagner Borges, cujo título é: “Você que veio das estrelas”. Ele aborda a missão dos seres estelares de dimensões mais elevadas e evoluídas que retornam a 3ª dimensão para nos amparar, como verdadeiros anjos da guarda, nos orientando e nos guiando nessa jornada celestial. Então lhe convido a ler o texto completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

VOCÊ QUE VEIO DAS ESTRELAS

Você, que veio das estrelas e deu o grande mergulho no mundo de matéria.
Você, que veio das estrelas e, com o sacrifício de sua própria origem cósmica, se abrigou num invólucro de carne.
Você, que veio das estrelas e abandonou a realidade universal para habitar o mundo de ilusões.
Você, que veio das estrelas, e que agora sente-se estranhamente só, esqueça-se de tudo e entregue-se aos apelos de sua voz interna. Ouça o que ela tem para lhe dizer, que nada mais é tão importante, nem mesmo os compromissos com que o mundo tenta distrair sua visão cósmica.
Descobrirá que, na verdade, não está só, que são muitos os seus irmãos das estrelas que para cá também vieram para estender a mão e amparar com ombros fortes os passos da humanidade desta difícil época de transição.
Será fácil reconhecê-los, palavras não serão necessárias, e nem mesmo será preciso saber seus verdadeiros nomes.
Saberá encontrá-los pela afinidade de suas energias, pelo chamado de seus corações e pela profunda identificação com seus sentimentos.
Você, que veio das estrelas, sente agora no canto mais íntimo de sua alma, que chegou o momento de encontrar, na Terra, a sua família universal, que chegou o momento do reconhecimento, que chegou o momento da reunião de todas as forças para a realização da missão única de que todos se incumbiram, antes de aqui chegarem.
Abra seu coração, acorde sua consciência adormecida, apalpe seu ser interior, deixe que ele fale, acima de tudo, acima do mundo, acima de todos os conceitos que não lhe permitem existir em toda a sua potencialidade cósmica.
Você, que veio das estrelas, que é todo luz e é todo força, libere-se, que chegou o tempo de abrir as portas para uma nova era.
Você, que veio das estrelas, eterno viajante do espaço, compartilhando agora com tantos outros irmãos uma experiência tridimensional e difícil, não se deixe mais perder em momentos inúteis que lhe trazem apenas solidão, não se deixe mais seduzir pelas falsas luzes do asfalto, assuma sua personalidade cósmica, estenda seus braços e, num único abraço, envolva sua grande família, sua imensa família universal e todos juntos, com plena consciência da unidade de sua origem, cada qual com a sua parcela de colaboração, cumprirão com alegria e coragem o maravilhoso trabalho de conscientização da humanidade para este novo milênio!”
Texto de Wagner Borges. Carioca, autor de vários livros, conferencista e fundador do IPPB – Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas.
Fonte: Dalla Blog
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: VOCÊ QUE VEIO DAS ESTRELAS PARA HABITAR O MUNDO DAS ILUSÕES

AUTOCONHECIMENTO: ENCARAR O SOFRIMENTO E A DOR É INEVITÁVEL SE QUISERMOS EVOLUIR

Identificação total com a mini palestra do renomado psicólogo Rossandro Klinjey cujo tema é: “Não silencie a sua dor”. Por isso estou postando, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO deste sábado. Todos temos um propósito ou missão de vida, que é inerente e/ou privativo a cada um, enquanto seres evolutivos. Entretanto, na dimensão em que nos encontramos, o objetivo de todo ser humano é um só: se libertar do sofrimento e da dor. E é exatamente sobre isso o vídeo que lhe convido a assistir em que o eminente psicólogo comenta: “Recentemente vimos a mídia tratar do abandono emocional sofrido pela atriz e Duquesa Meghan Markle por parte da família real britânica. Fiz uma análise dessa situação fazendo pontos com as [NOSSAS] famílias. Você já sentiu que a sua dor não foi acolhida pelas pessoas que mais convivem com você? Não tenha vergonha de mostrar a sua fragilidade. A experiência da dor, além de ser um poderoso combustível para a nossa resiliência emocional, é também parte do nosso crescimento. Não estamos falando aqui de cultivá-la e de ter excessivo apego a ela mas de [atravessar] as dores”.

Fonte:

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: ENCARAR O SOFRIMENTO E A DOR É INEVITÁVEL SE QUISERMOS EVOLUIR

AUTOCONHECIMENTO: DESENVOLVIMENTO X ALTA PERFORMANCE, MELHORE O SEU DESEMPENHO!

Melhore sua performance com base no que você faz e não com base no que o outro faz! No vídeo de hoje, abordo o desenvolvimento pessoal para alcançar sua melhor performance. É preciso olhar para si mesmo e melhorar sua performance nas atividades que realiza no cotidiano. O equilíbrio mental, através da conexão corpo-mente-espírito é fundamental para isso. Assista ao vídeo e entenda como isso pode se transformar em realidade na sua vida!

Fonte:

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: DESENVOLVIMENTO X ALTA PERFORMANCE, MELHORE O SEU DESEMPENHO!

REFLEXÃO: UMA CURTA HISTÓRIA SOBRE A CORRIDA DA VIDA, POR CAMILA ZEN

A história de hoje, aqui na coluna REFLEXÃO, contada pela incrível Camila Zen é sobre a corrida da vida e foi inspirada numa antiga palavra africana “Ubuntu”, que apresenta significados humanísticos como solidariedade, a cooperação, o respeito, o acolhimento, a generosidade, entre muitas outras ações que realizamos em sintonia com a nossa alma (com o nosso ser interno), buscando o nosso bem-estar e o de todos à nossa volta. Então lhe convido a assistir ao vídeo completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

Fonte:

Continuar lendo REFLEXÃO: UMA CURTA HISTÓRIA SOBRE A CORRIDA DA VIDA, POR CAMILA ZEN

AUTOCONHECIMENTO: O NOSSO COMPORTAMENTO TEM ORIGEM NA NOSSA ESSÊNCIA

Hoje trago até você um artigo impressionantemente esclarecedor, que você não pode deixar de tomar conhecimento em hipótese alguma, pois aborda o porquê do nosso COMPORTAMENTO enquanto seres humanos experienciando essa terceira dimensão. Um comportamento regido pela nossa essência, intrínseca a nossa alma, cujo caminho já foi traçado no ato da concepção. Portanto convido você a ler esse texto extraordinário e entender como e porque somos como somos e porque isso ocorre!

Comportamento – Um ensaio sobre a essência do ser

Foto de perfil de um homem com os olhos fechados e encostado em uma árvore.
mavoimage / 123RF

Academicamente falando, muito já se disse do processo de formação e informação por que passa todo indivíduo, assunto esse explorado até à exaustão, ainda que tão pouco compreendido quando escapa do ambiente acadêmico para ser levado à vida das pessoas. Isso porque a abordagem fica na diferença entre esses termos sem se atinar para o fato de que ambos não vão além de causa, e o que mais importa quando se fala em relacionamento é a consequência. Explicando melhor: durante o período de formação ou desenvolvimento, estamos apenas construindo a estrutura que depois será usada para sustentar nossas relações com as pessoas, ou seja, como acontecerá a sua aplicação prática.

Então nossa abordagem aqui pretende ir além do período de formação e informação por que passamos, mas colocando foco no “depois” que disso resulta, traduzido como qualidade das relações que iremos estabelecer. E de que forma podemos medir essa qualidade? Pelo benefício levado às pessoas envolvidas em termos de bem-estar físico e emocional resultante dos elos que se estabelecem entre elas, a partir de sua aproximação.

Ainda no campo das causas, existe um vetor humano que independe e antecede a fase de formação e informação, a que muitos atribuem um caráter de “essência” própria. A essência do indivíduo já nasceria com ele, sendo constituída pelas características que permanecerão inalteradas por toda a vida. E claramente é a de mais difícil compreensão dentre todos os atributos humanos, pois nem a própria pessoa conseguirá entender quando ou como surgiu: apenas se dá conta de que é componente intrínseco de sua visão de mundo, sempre esteve presente e lhe serviu de norte para pensar e agir do modo com que o faz. Tanto que muitas vezes essa conscientização da própria essência vai acontecer muito tempo depois, quando o indivíduo já atingiu sua maturidade plena ou até na velhice. E é nesse dia que se “olha pelo retrovisor” aquele padrão que sempre se fez perceber em cada reação e nos momentos mais importantes da existência.

Muita gente irá confundir essa essência a que me referi com o que se tem como caráter da pessoa. Isso é um equívoco, pois o caráter é forjado pelo conhecimento que vai se acumulando nos primeiros anos de vida, enquanto a essência já estava lá antes disso, daí porque os próprios estudiosos da alma humana encontram dificuldade para alcançar sua compreensão. Só para ilustrar, na definição de Eric Berne, ao elaborar sua teoria da “Análise Transacional” – com base no comportamento humano –, o pesquisador descobriu que havia emoções que já nasciam conosco, e que ele chamou de “emoções primárias ou autênticas”. Estas seriam em número de cinco: a Alegria, a Tristeza, o Medo, o Afeto e a Raiva. São reações inatas que todo recém-nascido já traz desde que seu sistema nervoso é formado ainda no útero materno, sendo muito fácil de se constatarem. Pode-se afirmar, então, que a Essência seria o sexto elemento emocional acrescido ao conjunto, com a diferença de que nem o próprio indivíduo se dará conta disso até muito tempo depois. Ele apenas perceberá que determinadas coisas lhe provocam um profundo mal-estar ou, ao contrário, uma maravilhosa sensação de plenitude, sem sequer entender a razão para os perceber dessa forma.

Mas a pergunta que nos deve interessar é: isso é bom ou é ruim? Quando se fala em alegria ou afeto fica claro que se trata de coisas boas. E quando lidamos com tristeza, medo ou raiva, é senso comum que se trate de coisas ruins. Então por que não acontece da mesma forma em relação à nossa essência? Essa resposta, pelo menos, não é tão difícil quanto lhe conhecer a origem: as cinco emoções classificadas por Berne acontecem no próprio indivíduo, independentemente de outrem, enquanto a essência dele… ah! Isso ele só irá descobrir depois de senti-la em contato direto com a essência alheia. Isso nos leva à conclusão de que nossa essência é a única dentre as características emocionais inatas que depende dos relacionamentos para se revelar a nós. É fácil saber que as outras cinco podem ter origem em qualquer coisa – seres vivos ou não –, mas a essência só acontece em relação a outro ser vivo que também a possua, sendo decisiva para aproximá-los ou distanciá-los de forma claramente perceptível e indelével. E por que indelével? Ora, se ela não muda, bastará identificar quem a traga totalmente contrária à sua para se saber que não conseguirão se entender em momento algum, pois não se trata daquele tipo de erro que todos cometemos em diferentes momentos, e que costumamos entender como “erros de percurso”. A incompatibilidade entre essências estaria intrinsecamente associada à visão de mundo que trazemos, e, quando se mostram inconciliáveis, podem tanto se traduzir por “conflitos de personalidade” quanto por “falhas de caráter” (estas últimas, obviamente, quando esbarram em questões éticas).

Peças vermelhas de xadrez sobre superfície lisa. Uma peça preta está afastada deste conjunto.

Markus Spiske / Pexels

Vamos analisar um modelo até bastante comum no seio familiar, como é a dificuldade de relacionamento entre pai e filho por exemplo, devido ao desencontro de suas essências: um pai que pensa e se comporta de forma incisiva e autoritária por força de sua formação, e um filho que reage muito mal a esse tipo de postura, cobrando explicações para sua forma inflexível de agir. Claro está que eles dificilmente chegarão a um entendimento, a menos que um dos dois busque harmonia com a própria essência: ou o pai decida atenuar seu autoritarismo para se aproximar do filho, ou este dispense as cobranças de um tratamento menos rígido por alguma razão que considere importante, como a idade ou a saúde de seu pai, por exemplo. Note-se que nenhum dos dois precisou abrir mão de sua essência, mas apenas “fazer uma concessão” em prol de algo que se mostrou importante naquele momento ou naquela situação específica para o objetivo proposto, que era o de diminuir a distância entre ambos. Esse exemplo mostra um caso bem frequente de conflito de personalidades, mas não necessariamente com base em questões de caráter.

Mas voltando atrás um pouquinho – lá onde acaba a causa (formação e informação) e tem início a consequência (conformação ou transformação). Já se pode entender que a essência não depende de que se tenha consciência dela para que se manifeste nos indivíduos. Quando contrariada, ela simplesmente “reage” dentro da pessoa, acionando o alarme de que há um conflito em andamento esperando por um posicionamento dos envolvidos, como no exemplo utilizado entre pai e filho. Tal posicionamento é que irá decidir o tipo de comunicação entre eles. A partir daí se saberá se poderá haver uma harmonização, ainda que não de essência, mas como uma espécie de “pacificação consciente”. Esta chega como um “escudo” colocado a serviço da saúde mental dos envolvidos quando a relação entre eles estiver sendo colocada em xeque. Essa “proteção” por efeito de escolha poderá se estender a todo o tempo de convívio por conta dessa tomada de consciência pelas partes, “positivando” um relacionamento que poderia ser conflituoso se não se empenhassem num “ajustamento de conduta”. Em outras palavras, por ter sido resultado de uma decisão consciente, a relação não produzirá nenhuma daquelas emoções primárias negativas do estudo de Berne sobre as quais falamos no início: medo, tristeza ou raiva, já que consentida.

Punho fechado.

Pixabay / Pexels

Mas há casos em que as partes acabam não colhendo resultados positivos, mesmo com o esforço de “pacificação”, e aqui se percebe de novo a relevância da decisão consciente por parte dos envolvidos. Se tudo se resumiu a um desejo superficial, não partido do cerne de sua inteligência emocional, em lugar da desejada transformação de postura, o que ocorrerá será apenas uma conformação, que ocorre quando o indivíduo aceita o acordo de fora pra dentro, mas de dentro pra fora sua essência continua gritando que não o aceitou. A pessoa, nesse caso, vai sentir raiva de si mesma por ter cedido, pode mergulhar em tristeza por ter se deixado convencer sem pensar nas consequências internas, ou até sentir medo de não conseguir levar o acordo adiante, e a situação acabar pior do que antes. Isso demonstra a importância da conscientização no que toca ao resultado esperado: ela tanto pode produzir harmonização com a própria essência pela escolha sensata, quanto gerar um robusto conflito interno e não resultar em nenhuma mudança de postura, como se propunha.

Ainda no que diz respeito à essência – que muitos confundem com “índole” –, pouco se sabe sobre sua real natureza, a menos que tentemos entendê-la sob a ótica da espiritualidade. Mas existe uma diferença sutil – porém consistente – entre as duas coisas: a índole teoricamente poderia ser moldada, e a essência não, por ser parte integrante do ser. Partindo dessa premissa, a índole poderia receber influências tanto internas quanto externas, mas no que toca à essência, apenas a “descobrimos” tal qual é, sem exercer nenhum tipo de comando sobre ela. Poder-se-ia dizer, então, que o indivíduo possuidor de uma essência harmônica e positiva não traria tendência para desenvolver uma “índole ruim”? Teoricamente isso se mostraria verdadeiro, porque a primeira – que é o próprio ser – não o permitiria. Mas a essência “não consolidada” desde a concepção, esta sim, se colocaria suscetível à “moldagem” negativa da índole, a exemplo de um livro em branco em que o tipo de vida escolhido possa escrever nele os próximos capítulos de sua trajetória.

É claro que, nesse aspecto, estamos tratando de crenças, e não de ciência. E nesse campo insólito e desconhecido, nada se pode afirmar. O que se toma como real a partir de narrativas de vida é que a essência – ou natureza do ser – vai sendo descoberta aos pouquinhos pelo próprio indivíduo, e de alguma forma consegue ser “captada” pelos demais à sua volta, dependendo do grau de sensibilidade de cada um. A confirmação dessa essência seria obtida pelo indivíduo em forma de um sentimento sutil e subjetivo, mas extremamente poderoso, que cria rejeição inequívoca a tudo que se mostre contrário a ela, como também faz eclodir uma empatia instantânea com aqueles que a trazem nos mesmos moldes. Daí porque se diz que ambas as essências simplesmente “se descobrem” como decorrência de sua sintonia, e elas próprias se identificam umas com as outras, independentemente das escolhas de seus detentores.

Isso explicaria por que determinada pessoa, no primeiro momento em que trava contato com outra, sente-se identificada com ela, mesmo antes de obter qualquer informação sobre quem seja; ou, ao contrário, percebe-se nutrindo uma rejeição interna ao se aproximar dela, mesmo não havendo uma razão concreta para tal sentimento. Muitos irão buscar explicações para tais reações nas crenças que trazem: algum resíduo espiritual de outras vidas, intuição, sexto sentido, premonição etc. Quatrocentos anos atrás, entretanto, Giordano Bruno já afirmava que o fato de se crer ou não em algo não faz com que a verdade mude. Então o que menos importa é como você interpreta o fenômeno, mas sim a forma como lida com ele em seu benefício e daqueles com quem se relaciona, e isso é o que deve ser levado em conta na hora de avaliar seu potencial para modificar toda a trajetória de ambos.

Luiz Roberto Bodstein

 

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: O NOSSO COMPORTAMENTO TEM ORIGEM NA NOSSA ESSÊNCIA

DICA DE LIVRO: O SENTIMENTO É O SEGREDO DE NEVILLE GODDARD

A nossa DICA DE LIVRO desta quarta-feira é O Sentimento é o Segredo, de Neville Goddard. Este livro é a arte de realizar o seu desejo. Ele dá conta do mecanismo utilizado no mundo visível. É um livro pequeno, mas não superficial. Há um tesouro nele. Um caminho claro e definitivo para fazer seus sonhos virar realidade. Se fosse possível levar convencimento a outrem por meio de argumentos fundamentados e exemplos detalhados, este livro seria muitas vezes o seu tamanho. Portanto é um livro que você não pode deixar de ler depois que toma conhecimento da sua existência, sob pena de perder a oportunidade de dar um salto quântico na sua evolução!

Imagem: Amazon

Continuar lendo DICA DE LIVRO: O SENTIMENTO É O SEGREDO DE NEVILLE GODDARD

REFLEXÃO: OBSERVA E CONTEMPLAR PARA APRENDER E CONHECER

O texto da nossa coluna REFLEXÃO desta terça-feira é sobre observação e contemplação. Ele nos ensina que quanto mais observamos algo mais aprendemos, quanto mais contemplamos algo mais serenos e despertos nós ficamos. O texto, em forma de conto, trás uma grande lição que está implícita e se você observar e/ou contemplar vai enxergar. Então, leia, observe, contemple e  o seu juízo de valor!

A importância de aprender a observar - Startupi

Observando aprendemos

Cheng era o discípulo de um sábio monge de nome Ling.

Um dia, quando Cheng acreditava estar pronto para assumir a condição de liderar seu povo, foi conversar com seu mestre, o qual lhe disse: “observe este rio, qual a importância dele?”.

Eles se encontravam no alto de uma montanha.

Cheng observou o rio, o seu vale, a vila, a floresta, os animais e respondeu: “este rio é a fonte do sustento de nossa aldeia. Ele nos dá a água que bebemos, os frutos das árvores, a colheita da plantação, o transporte de mercadorias, os animais que estão ao nosso redor e muito mais. Nossos antepassados construíram estas casas aqui, justamente por causa dele. Nosso futuro também depende deste rio.”

O monge Ling colocou a mão na cabeça do discípulo e pediu-lhe que continuasse a observar.

Os meses se passaram e o mestre procurou Cheng.

“Observe este rio, qual a importância dele?” – repetiu a pergunta ao discípulo.

“Este rio é fonte de inspiração para nosso povo. Veja sua nascente: ela é pequena e modesta, mas com o curso do rio, a correnteza torna-se forte e poderosa. Este rio nasce e tem um objetivo: chegar ao oceano, mas para lá chegar terá de passar por muitos lugares e por muitas mudanças. Terá de receber afluentes, contornar obstáculos.

Como o rio, temos de aprender a fluir. O formato do rio é definido pelas suas margens, assim como nossas vidas são influenciadas pelas pessoas com as quais convivemos. O rio sem as suas margens não é nada. Sem nossos amigos e familiares também não somos nada. O rio nos ensina, ainda, que uma curva pode ser a solução de um problema, porque logo depois dela podemos encontrar um vale que desconhecíamos. O rio tem suas cachoeiras, suas turbulências, mas continua sempre em frente porque tem um objetivo. Ensina-nos que uma mudança imprevista pode ser uma oportunidade de crescimento. Veja no fim do vale: o rio recebe um novo afluente e, assim, torna-se mais forte.”

O monge Ling colocou a mão na cabeça do discípulo e pediu-lhe que continuasse a observar.

Os meses se passaram e novamente o mestre perguntou: “observe este rio: qual a importância dele?”

“Mestre, vejo o rio em outra dimensão. Vejo o ciclo das águas. Esta água que está indo já virou nuvem, chuva e penetrou na terra diversas vezes. Ora há a seca, ora a enchente. O rio nos mostra que se aprendermos a perceber esses ciclos, o que chamamos de mudança será apenas considerada como continuidade de um ciclo.”

O mestre colocou a mão na cabeça do discípulo e pediu-lhe que continuasse a observar.

Os meses se passaram e o mestre voltou a perguntar a Cheng:

“Observe este rio, qual a importância dele?”

“Mestre, este rio me mostrou que cada vez que eu o observo, aprendo algo de novo.

É observando que aprendemos.

Não aprendo quando as pessoas me dizem algo, mas sim quando as coisas fazem sentido para mim.”

O mestre sorriu e disse-lhe com serenidade: “como é difícil aprender a aprender.

Vá e siga seu caminho, meu filho.”

Pense nisso!

Tantas palavras sábias já nos foram ditas.

Tantos ensinos maravilhosos o Mestre Nazareno nos deixou.

Mas, quanto disso realmente passou a integrar nossa consciência, alterando nossas atitudes perante a vida?

Pense nisso, mas pense agora.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no livro As mais belas parábolas de todos os tempos, vol. I, pp. 24-26, Editora leitura, 7ª edição, organizado por Alexandre Rangel

Continuar lendo REFLEXÃO: OBSERVA E CONTEMPLAR PARA APRENDER E CONHECER

ARTIGOS: ESPERAR, ACREDITAR E SABER A RESPOSTA. TUDO NA VIDA PASSA POR ESSAS TRÊS FASES!

A esperança, a virtude menor, mas a mais forte - Vatican News

A vida é bela! Tantos pensadores, filósofos e estudiosos já pronunciaram essa frase, não é mesmo? A frase é a mesma na boca de muita gente, mas o motivo ou causa pela qual alguém mencionou essa frase é que é bastante diversa para cada pessoa. No meu caso, aqui neste artigo da coluna ARTIGOS, desta terça-feira, foi a percepção de algo que só vim a enxergar depois de 56 anos de vida. É que o ser humano, seja ele quem for, experimenta três fase em todas as experiências por que passa na vida. São elas: ESPERAR – ACREDITAR – SABER A RESPOSTA. Então a beleza da vida é o aprendizado diário!

Por exemplo: quando Alguém conhece outro alguém por quem se sente atraído, primeiro ele imagina ou ESPERA que aquela pessoa seja de tal forma. Ao se relacionar com essa pessoa passa a ACREDITAR que pode dar certo. Com a experiência e o conhecimento do caráter dessa pessoa o relacionamento pode se tornar sólido ou não. É quando esse Alguém já SABE A RESPOSTA.

Portanto o caminho começa com a ESPERA no sentido de ESPERANÇA, fortalece-se com a FÉ no sentido de ACREDITAR e se trona sólido com o conhecimento e o SABER. Essa sequência é a mesma para todo e qualquer tipo de experiência do ser humano.

Com o caminhar a ESPERANÇA se transforma em CONFIANÇA. Não no outro, mas em si mesmo, através do conhecimento e do SABER. Desta forma, esse Alguém SABERÁ se o outro merece a sua CONFIANÇA ou não.

Wagner Braga

Continuar lendo ARTIGOS: ESPERAR, ACREDITAR E SABER A RESPOSTA. TUDO NA VIDA PASSA POR ESSAS TRÊS FASES!

AUTOCONHECIMENTO: A EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA OU CONSCIÊNCIA ESPIRITUAL NOS LEVA A ILUMINAÇÃO

A coluna AUTOCONHECIMENTO é o carro chefe do Blog do Saber, já que o nosso propósito é trazer mensagens que ajude você a expandir a sua consciência rumo a Iluminação. Nesta segunda-feira estamos postando um texto do início do século 20, editado originalmente na Inglaterra. Seu autor é o escritor William Walker Atikinsons (que usava o pseudônimo de Iogue Ramacháraca), também autor do livro O Caibalion, que aborda as leis herméticas. O texto fala do estado de consciência cósmica e de suas repercussões no ser humano. Textos assim mantém a chama acesa em nosso coração e nos levam a reflexões profundas, típicas de quem almeja a ampliação da lucidez, do amor e do brilho em todas as dimensões. Então desejo a você uma boa leitura e uma excelente REFLEXÃO!

ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL | TORNE-SE ILUMINADO AGORA! - YouTube

ILUMINAÇÃO OU CONSCIÊNCIA ESPIRITUAL

Em muitos homens, a mente espiritual se revela lenta e gradualmente, e ainda que a pessoa possa sentir um constante aumento de conhecimento e consciência espiritual, pode não haver experimentado uma notada e repentina mudança.

 

Outros têm tido momentos do que é conhecido como iluminação, nos quais se acreditavam elevados quase fora do seu estado normal, e lhes parecia passar a um plano de existência ou de consciência mais elevado, que os deixava mais adiantados do que antes, ainda que não pudessem trazer à sua consciência uma clara recordação do que haviam experimentado, enquanto se encontravam nesse exaltado estado da mente. Essas experiências têm-se dado com muitas pessoas, em diferentes formas e graus, de todas as crenças religiosas, e têm sido geralmente associadas a algum aspecto da crença religiosa particular, professada pela pessoa que experimenta a iluminação. Mas os ocultistas adiantados reconhecem todas essas experiências como diferentes formas de uma só e mesma coisa – o amanhecer da consciência espiritual – o desenvolvimento da mente espiritual.

Alguns escritores têm chamado a esta experiência consciência cósmica, nome muito apropriado, pois a iluminação – pelo menos em seus aspectos mais elevados – põe o indivíduo em contato com a totalidade de Vida, fazendo sentir um sensação de parentesco com toda a Vida, alta ou baixa, grande ou pequena, boa ou má.

Essas experiências, como é natural, variam materialmente conforme o grau de desenvolvimento individual, sua preparação prévia, seu temperamento etc.; mas certas características são comuns a todas. O sentimento mais comum é o da posse quase completa do conhecimento de todas as coisas – quase onisciência. Esse sentimento existe apenas por um momento e nos deixa, a princípio, submersos em profunda pena pelo que chegamos a ver e que perdemos. Outro sentimento comumente experimentado é o da certeza da imortalidade, – uma sensação de atual ser – a certeza de haver sido sempre e a de estar destinado a sempre ser. Outro sentimento é o do desaparecimento de todo temor e da aquisição de um sentimento de certeza, segurança e confiança, e que estão além da compreensão daqueles que jamais o experimentaram. Então, um sentimento de amor nos inunda – um amor que abarca a Vida toda , desde os mais próximos a nós, na carne, até aos das mais longínquas partes do Universo – desde aquilo que nós consideramos puro e santo, até aquilo que o mundo considera vil, malvado e completamente indigno. Esse sentimento de retidão própria, que induz a condenar os outros, desaparece, e o amor, como a luz do sol, derrama-se sobre tudo que vive, sem ter em conta o seu grau de desenvolvimento ou bondade.

A alguns, essas experiências chegaram como um profundo sentimento de reverência que tomou completa posse deles, por alguns momentos ou mais tempo, enquanto que a outros se afigurava que se achavam num sonho e chegaram a ser conscientes de uma exaltação espiritual, acompanhada de uma sensação de estar circundando os compenetrados por uma luz brilhante.

A alguns, certas verdades se têm revelado sob a forma de símbolos, cujo significado não se tornou evidente senão muito tempo depois.
Essas experiências produzem uma mudança na mente daquele que passa por elas e que depois nunca torna a ser o mesmo homem que de antes. Ainda que a recordação vívida desapareça, fica ali certa reminiscência que, por longo tempo, será para ele um manancial de bem estar e de força, especialmente quando a sua fé vacila e se sente agitado, como uma cana, pelos ventos de opiniões em conflito e especulações do intelecto. A lembrança de tal experiência é uma fonte de renovada energia – um porto de refúgio, ao qual as almas fatigadas acodem para amparar-se do mundo externo que não as compreende.
Tais experiências são também usualmente acompanhadas de uma sensação de intensa alegria; de fato, a palavra e o pensamento de alegria parecem ser o que predomina na mente, nesta época. Mas não é uma alegria de experiência ordinária – é alguma coisa que não pode ser sonhada senão depois de havê-la experimentado – uma alegria cuja lembrança estimulará o sangue e fará palpitar o coração, todas as vezes que a mente relembrar a experiência.
Como já dissemos, também se experimenta a sensação de um conhecimento de todas as coisas, uma iluminação intelectual impossível de descrever. Nos escritos dos antigos filósofos de todas as raças, nos cantos dos grandes poetas de todos os povos, nas prédicas dos profetas de todas as religiões e tempos, podemos encontrar rasgos desta iluminação experimentada por eles – esse desenvolvimento da consciência espiritual. Não temos espaço para detalhar esses numerosos exemplos. Uns disseram-nos de um modo, outros de outro, mas todos dizem praticamente a mesma história. Todos os que têm experimentado essa iluminação, ainda que fosse em débil grau, reconhecem a mesma experiência na relação, canto ou prédica de outro, ainda que entre eles hajam decorridos séculos. É o canto da alma que, uma vez ouvido, jamais é esquecido. Ainda que seja expresso pelos toscos instrumentos das raças semi-bárbaras ou pelos mais aperfeiçoados talentos musicais da atualidade, seus tons são claramente reconhecidos.

Vem o canto do velho Egito, – da Índia de todas as idades – da antiga Grécia e Roma, – dos primitivos santos cristãos – dos Quarkers Friends, – dos mosteiros católicos – das mesquitas maometanas – do filósofo chinês – das lendas do índio americano, herói profeta, – é sempre o mesmo tom, elevando-se mais e mais alto, à proporção que muitos mais o entoam e agregam suas vozes ou dos sons de seus instrumentos ao grande coro.
Aquele tão mal compreendido poeta ocidental, Walt Whitman, sabia o que dizia (como compreendemos nós), quando prorrompia e expressava em singular verso a sua estranha experiência. Lêde o que ele diz e verificai se já foi alguma vez melhor expresso:

“Como num desmaio, um instante,
Outro sol inefável me deslumbra,
E todos os orbes conheci, e orbes mais brilhantes desconhecidos,
Um instante da futura terra, terra do céu.”

E quando sai do seu êxtase, exclama:

“Não posso estar acordado, porque nada me olha como antes,
Ou então estou acordado por primeira vez, e tudo de antes foi simples sonho.”

E nós devemos concordar com ele, quando declara a inabilidade do homem para descrever inteligentemente isso, nestas palavras:
“Quanto melhor quero expressar-me, menos posso,
Minha língua não se move sobre sua ponta,
Meu alento não obedece aos seus órgãos,
E fico mudo.”

Que essa grande alegria da iluminação seja vossa, queridos estudantes. E vossa será no seu tempo oportuno. Quando ela chegar, não vos alarmeis, e quando vos abandonar, não lamenteis sua perda – voltará outra vez. Vivei elevando-vos acessíveis à sua influência. Estais sempre dispostos a escutar a voz do silêncio, prontos sempre a responder ao toque da Mão Invisível.

Não torneis a temer, porque convosco tendes sempre o Ser Real que é uma chispa da Chama Divina, e o qual será como uma lâmpada que iluminará o caminho a vossos pés.

A paz seja convosco.

– Por Iogue Ramacháraca –

(Texto extraído do livro “Catorze Lições de Filosofia Iogue”, do Iogue Ramacháraca; Editora Pensamento)

Fonte: IPPB
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: A EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA OU CONSCIÊNCIA ESPIRITUAL NOS LEVA A ILUMINAÇÃO

AUTOCONHECIMENTO: AMOR INCONDICIONAL ÉO TERMO CORRETO PARA O ATUAL MOMENTO

A lição que o texto a seguir nos trás, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO deste sábado é o controle mental para nos centrarmos em vibrar na frequência da gratidão. Não há outra saída para apaziguarmos esse momento tão tumultuado em que estamos vivendo. Se não cultivarmos o amor incondicional a evolução da humanidade estará comprometida. Por isso convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

O momento pede que vibremos amor incondicional!

Página de livro fazendo um coração
Kieferpix / Getty Images Pro / Canva

Estamos passando por um período muito complicado para toda a humanidade. Há tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo, que ficamos perdidos sobre o que fazer para auxiliar o planeta nessa jornada de transformação.

Mas a nossa missão agora é simples, porque apenas o ato de elevar as nossas vibrações e emanar essas energias elevadas para todo o mundo já é um ato maravilhoso e transformado

Vibrar o amor incondicional é sobre emanar essa pura energia para todos, sem distinção, visualizando que até mesmo as pessoas vistas como “más” sejam envolvidas nessa energia curativa.

Para fazer isso, comece por si, perdoe o seu passado, acolha suas dores, ame incondicionalmente o ser maravilhoso que habita em ti. Gradativamente vá expandindo esse perdão, acolhimento e amor para seus familiares, amigos, pessoas que você conheceu ao longo da vida, depois para desconhecidos, para as cidades, Estados e assim em diante até alcançar o mundo todo!

Casal fazendo um coração com as mãos

Stokpic / Pexels / Canva

Além de emanar amor, caso sinta no coração, em tudo que fizer aja com amor incondicional. Ajude pessoas que estejam precisando de auxílio da forma que você puder.

Emanar amor é também sobre agir. Emanar amor é sobre praticar a escuta ativa, auxiliar pessoas que estejam impossibilitadas de fazer uma série de coisas para manter-se nessa fase desafiadora. Também tem a ver com proferir palavras acolhedoras e tudo aquilo o que pulsar em seu coração para alcançar corações aflitos.

Estamos todos aqui para evoluir. Quanto maior for o nosso senso de união e harmonia entre todos os seres, mais elevada será a nossa evolução aqui neste plano.

Vamos juntos nessa missão de cobrir o mundo com amor incondicional?

Carla Marçal
Escrito por Carla Marçal
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: AMOR INCONDICIONAL ÉO TERMO CORRETO PARA O ATUAL MOMENTO

AUTOCONHECIMENTO: COMPARAÇÃO NÃO! SE PREOCUPE COM A SUA VIDA E AS COISAS ACONTECEM COMO VOCÊ QUER

Você já parou para se perguntar por que as coisas na sua vida não acontecem da forma como você gostaria? É essa reflexão que trago no vídeo desta sexta-feira, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO do Blog do Saber! Quando nos preocupamos e nos comparamos muito com a vida dos outros, acabamos deixando de olhar para a nossa vida e isso atrapalha a nossa evolução. Quando nos concentramos em nós mesmos, a coisa muda e começa a fluir melhor, pois tudo na vida dá certo a partir do momento que você põe o foco!

Fonte:

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: COMPARAÇÃO NÃO! SE PREOCUPE COM A SUA VIDA E AS COISAS ACONTECEM COMO VOCÊ QUER

AUTOCONHECIMENTO: APRENDER A AMAR PASSA PELO EXERCÍCIO DO PERDÃO

Escrevi brevemente sobre o Perdão no meu último livro publicado: Coração, Intuição e Gratidão, um atalho para a vida plena, mas tenho a intenção de escrever um livro só sobre esse tema, pois trata-se da maior chaga da humanidade em todos os tempos de sua evolução. Uma evolução que poderia estar bem mais adiantada não fosse a falta de capacidade e o lento aprendizado do homem sobre o propósito dessa caminhada evolutiva. O propósito é simplesmente a prender a amar e esse aprendizado passa pelo exercício do perdão. Quando o homem compreende isso ele evolui e dá um salto quântico. Por isso convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

A cura pelo perdão

A CURA PELO PERDÃO

Pesquisas e estudos vêm comprovando os benefícios, tanto mentais quanto físicos, do ato de perdoar. Entrevistamos o Dr. Fred Luskin, autor de O Poder do Perdão, que estuda o assunto há mais de quatro anos.

Camilla Salmazi

Segundo o dicionário (Dicionário Michaelis) a palavra perdão significa “conceder perdão, absorver, remitir (culpa, dívida, pena, etc), desculpar e poupar-se”. Sim! O ato de perdoar envolve tudo isso e ainda muito mais. Pesquisas e estudos vêm sendo desenvolvidos nesses últimos anos para mostra e comprovar o poder e os benefícios do perdão.

Porém, não é justo dizer que somente agora o mundo está se dando conta do poder do perdão. No aspecto científico, talvez, mas crença e religiões já pregam a importância do perdão há muitos e muitos anos, principalmente como um ato importante para a saúde do espírito.

No ano passado, Charlotte Van Oyen Witvliet, professora de psicologia do Hope College, em Michigan, EUA, e seus colega, fizeram uma experiência com 71 voluntários. Nela, foi pedido a eles que se lembrassem de alguma ferida antiga, algo que os tivesse feito sofrer. Nesse instante, foi registrado o aumento da pressão sanguínea, dos batimentos cardíacos e da tensão muscular, reações idênticas às que ocorrem quando as pessoas sentem raiva. E quando foi pedido que eles se imaginasse entendendo e perdoando as pessoas que lhes haviam feito mal, eles se mostraram mais calmos, e com pressão e batimentos menores.

A questão principal, porém, é que o ato de perdoar não é uma das tarefas mais fáceis para nós, seres humanos. Tribos, sociedades, países, famílias e amigos já travaram e ainda travam batalhas, e verdadeiras guerras, por causa de diferenças entre as pessoas, ou devido a algum ato que desagradasse ou prejudicasse, espalhando pelo mundo ainda mais rancor e nem um pouco de paz. Mas o perdão não é impossível, nem mesmo nos casos mais graves, como vem tentando comprovar o Dr. Fred Luskin, autor de O Poder do Perdão e doutor em aconselhamento clínico e psicologia da saúde pela universidade de Stanford.

Após ter sido muito magoado por um grande amigo, Luskin conseguiu, sozinho, achar uma forma de perdoar-lhe, e quis investigar se a sua técnica funcionaria com outras pessoas em casos semelhantes ou em casos mais graves. E desde então, deu início a suas pesquisas.

EM 1999, ELE CRIOU O PROJETO DA UNIVERSIDADE DE STANFORD PARA O PERDÃO, tendo combinado em sua pesquisa dissertativa uma técnica psicoterapêutica, focando e emotividade racional, com alguns estudos sobre o impacto das emoções negativas, como raiva, magoa e ressentimento no sistema cardíaco.

Suas técnicas foram aplicadas em várias experiências, sendo uma delas com dois grupos de pessoas que foram atingidas pelos conflitos entre protestantes e católicos, na Irlanda: um grupo, de mães que tiveram seus filhos mortos; outro, de homens e mulheres que perderam algum parente. Para esse projeto, Luskin contou com a cooperação de Carl Thoreses, PhD em Psicologia, e contou com o apoio de uma militante irlandesa que há trinta anos trabalha pela paz em seu país.

Os participantes foram separados em grupos experimentais e supervisionados, e passaram seis semanas tendo aulas sobre as técnicas de perdão de Luskin. Os primeiros resultados, segundo Thoresen, indicaram que os participantes apresentavam redução do nível de estresse, viam-se menos irados e mais confiantes de que, no futuro, eles perdoariam mais e mais facilmente. Além disso, o estudo mostrou que o perdão pode promover uma melhora na saúde física, pois esse grupo de pessoas apresentou uma diminuição significante em sintomas como dores no peito, na coluna, náuseas, dores de cabeça, insônia e perda de apetite. Luskin e Thoresen afirmam que essa melhora psicológica e física persiste pelo menos por quatro meses; em alguns casos, ao longo desses quatro meses, a melhora continua a progredir.

Luskin descreve o perdão como sendo uma forma de se atingir a calma e a paz, tanto com o outro quanto consigo mesmo. A terapia que ele propõe encoraja as pessoas a terem maior responsabilidade sobre suas emoções e ações, e serem mais realistas sobre os desafios e quedas de suas vidas.

Em O Poder do Perdão, ele explica o processo de formação de uma mágoa e demonstra como tal fato possui um efeito paralisante na vida das pessoas, baseando suas afirmações em suas investigações e pesquisas, principalmente em seu Projeto da Universidade de Stanford para o Perdão. Por meio de nove etapas (ver Box), o autor ensina a sua técnica de perdão.

Nessa entrevista exclusiva para a Sexto sentido, Luskin apresenta suas idéias sobre o ato de perdoar, e tudo o que está envolvido nesse processo.

Como pode ser definido, de fato, o ato de perdoar?

É simples. Perdoar é a arte de fazer as pazes quando algo não acontece como queríamos. Dizemos que é fazer as pazes com a palavra NÃO.

O acúmulo de mágoas pode causar problemas físicos e psicológicos?

Claro… rancor e desesperança são particularmente perigosos para o bem-estar. A vida tem dificuldades frequentes. Precisamos de um caminho para superá-las e, assim, nos libertarmos… é para isso que existe o perdão.

E o perdão pode ser considerado como uma cura para doença físicas e mentais advindas de problemas emocionais ou psicológicos?

O perdão reduz a agitação que leva a problemas físicos. Perdoar reduz o estresse que vem de pensar em algo doloroso, mas não pode ser mudado. Ele também limita a ruminação que leva a sentimento de impotência que reduzem a capacidade de alguém cuidar de si mesmo. O perdão é uma cura… às vezes. Ajuda? Sim, muitas vezes.

É possível que uma pessoa possa perdoar alguém, mesmo ainda estando irada ou magoada com ela?

A diminuição da ira e de mágoa vem de se vivenciar o perdão. O perdão é a experiência interior de se recuperar a paz e o bem-estar. Pode acontecer de alguém perdoar um dia, e a raiva volta depois, e isso é normal. Dessa forma, o perdão é um processo que deve ser praticado. Se você permanece falando ou pensando com rancor de alguém, então o perdão ainda não aconteceu.

Existe um momento certo para dar início ao processo do perdão?

O momento é logo depois do tempo necessário para vivenciar a perda.

Se a pessoa perdoar, ela pode ficar com a sensação de que a pessoa perdoada estava com a razão, ou com a sensação de que um direito seu foi atingido. Como afastar ou ultrapassar essa ideia?

Às vezes, a pessoa foi realmente prejudicada. O perdão não elimina esse fato; apenas o torna menos importante. O perdão implica que se pode ficar em paz mesmo tendo sofrido um mal. Não podemos escapa de todos os males, faz a pessoa continuar intranquila porque o problema ainda persiste. O perdão reconhece o mal, mas permite que o prejudicado leve a vida em frente. O perdão pode conviver com a justiça e não impede que se faça as coisas justas ou adequadas. Você apenas não as faz de uma perspectiva rancorosa ou transtornada.

Quando a pessoa se encontra num “processo” de perdoar alguém, pode acontecer dela perceber que ela mesma também tem culpa na situação e pode ter causado algum mal ao outro. Como ela deve agir num caso desses?

Muitas situações são complexas e não se pode simplesmente distinguir nelas uma pessoa boa e uma ruim, mas sim duas pessoas que criaram juntas uma situação difícil. É bom lembrar que o perdão pode ser estendido à própria pessoa e que, ás vezes, o perdão implica em reconciliar um relacionamento, e outras vezes, em abrir mão desse relacionamento.

Como a falta de perdão pode prejudicar as pessoas?

A ausência de perdão causa estresse sempre que se pensa em alguém que nos feriu e com quem não fizemos as pazes. Isso prejudica o corpo e provoca emoções negativas.

Como foi idealizado o Projeto do Perdão?

Eu fui seriamente magoado por um amigo próximo, e tive de encontrar sozinho uma forma de me recuperar. Quando consegui, resolvi verificar se isso funcionava com outras pessoas. Foi o começo do meu primeiro projeto de pesquisa.

Essas descobertas são universais, aplicáveis a todos os grupos de sociedades?

Até o momento, a pesquisa que eu e outros temos conduzido sugere que o perdão tem valor em dificuldades muito variadas; podem envolver esposas ou maridos que enganam maridos ou esposas, crianças que sofreram abuso, sócios fraudulento e até pessoas que tiveram seus filhos assassinados. Também trabalhamos com uma grande variedade de nacionalidade aqui em São Francisco e região e tivermos bons resultados.

Existem outros cientistas no mundo realizando o mesmo tipo de pesquisa?

Existem alguns que pesquisam o ensina do perdão, como nós. Outros pesquisam as características que tornam as pessoas mais propensas ao perdão, e outros tentam entender como o perdão pode ser benéfico à saúde.

OS NOVE PASSOS DO PERDÃO – Segundo o Dr. Fred Luskin

1. Saiba exatamente como você se sente sobre o que ocorreu e seja capaz de expressar o que há de errado na situação. Então, relate a sua experiência a umas duas pessoas de confiança.

2. Compromete-se consigo mesmo a fazer o que for preciso para se sentir melhor. O ato de perdoar é para você e ninguém mais. Ninguém mais precisa saber da sua decisão.

3. Entenda seu objetivo. Perdoar não significa necessariamente reconciliar-se com a pessoa que o perturbou, nem se tornar cúmplice dela. O que você procura é paz.

4. Tenha uma perspectiva correta dos acontecimentos. Reconheça que o seu aborrecimento vem dos sentimentos negativos e desconforto físico de que você sofra agora, e não daquilo que o ofendeu ou agrediu dois minutos – ou dez anos – atrás.

5. No momento em que você se sentir aflito, pratique técnicas de controle de estresse para atenuar os mecanismo de seu corpo.

6. Desista de espera, de outras pessoas ou de sua vida, coisa que elas não escolheram dar a você. Reconheça as “regras não cobráveis” que você tem para sua saúde ou para o comportamento seu e dos outros. Lembre a si mesmo que você pode esperar saúde, amizade e prosperidade e se esforçar para consegui-los. Porém você sofrerá se exigir que essa coisa aconteçam quando você não tem o pode de fazê-las acontecer.

7. Coloque sua energia em tenta alcançar seus objetivos positivos por um meio que não seja através de experiência que o feriu. Em vez de reprisar mentalmente sua mágoa, procure outros caminhos para seus fins.

8. Lembre-se de que uma vida bem vivida é a sua melhor vingança. Em vez de se concentrar nas suas mágoas – o que daria poder sobre você à pessoa que o magoou – aprenda a busca o amor, a beleza e a bondade ao seu redor.

9. Modifique a sua história de ressentimento de forma que ela o lembre da escolha heróicas que é perdoar. Passe de vítima a herói na história que você contar.

O Poder do Perdão
Dr. Fred Luskin
W11 Editores
(11) 3812-3812
Site: www.learningtoforgive.com

(Extraído da revista Sexto Sentido 50, páginas 20-24)

Fonte: IPPB
Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: APRENDER A AMAR PASSA PELO EXERCÍCIO DO PERDÃO

DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA, O QUE É NASCER?, EPISÓDIO 01 – POR ROSSANDRO KLINJEY

Terça-feira é dia de DESENVOLVIMENTO PESSOAL e a partir de hoje vamos publicar aqui a série do renomado Rossandro Klinjey “CUIDANDO DA ALMA”, onde o primeiro episódio aborda o que é renascer, mas começando por “O que é nascer?”. Uma live que vai esclarecer pontos importantes no comportamento humano que, muitas vezes, não conseguimos compreender. Portanto, convido você a assistir, refletir e fazer seu juízo de valor!

Fonte:

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO PESSOAL: CUIDANDO DA ALMA, O QUE É NASCER?, EPISÓDIO 01 – POR ROSSANDRO KLINJEY

REFLEXÃO: PARAR DE PENSAR! COMO CONSEGUIR ISSO?

O brilhante texto do gênio chamado Eckart tolle com o título Parar de pensar é o seu instrumento de REFLEXÃO nesta terça-feira, aqui na coluna. Quando falamos em parar de pensar sempre nos remetemos a meditação. Algo que a maioria das pessoas tem a capacidade, mas não têm interesse. Talvez porque ache que é pura perda de tempo, que tem mais o que fazer ou que é coisa de pirado. Então a vida passa e a pessoa só viveu a superficialidade dela. Por isso lhe convido a ler esse texto de grande profundidade, refletir e fazer o seu juízo de valor!

Parar de Pensar

 em

“O maior obstáculo à experimentação da realidade da ligação da pessoa é a sua identificação com a mente, que faz com que o pensamento se torne compulsivo. Não ser capaz de parar de pensar é um padecimento terrível, porém não nos apercebemos deste fato porque quase toda a gente sofre dessa mesma maleita, sendo por isso considerado normal. Este ruído mental incessante impede a pessoa de encontrar esse reino de calma interior que é inseparável do Ser. Gera ainda um eu falso engendrado pela mente que lança uma sombra de medo e sofrimento.

A identificação do leitor com a sua mente cria uma divisória opaca de conceitos, rótulos, imagens, palavras, juízos e definições, que bloqueia todo o relacionamento verdadeiro. Interpõe-se entre o próprio leitor, entre o leitor e o próximo, entre o leitor e a sua natureza, entre o leitor e Deus. É esta divisória de pensamento que gera a ilusão de afastamento, a ilusão de que há o leitor e um «outro» completamente distinto. Nessa altura, o leitor esquece o facto essencial de que, sob o nível da aparência física e das formas separadas, o leitor é uno com tudo o que existe.

A mente é um instrumento maravilhoso se usado adequadamente. No entanto, quando utilizada de forma errada, torna-se muito destrutiva. Para ser mais preciso, não se trata tanto de usar a mente de maneira errada: em geral, nem sequer a utiliza. Ela é que o usa a si. É esta a doença. A pessoa acredita que é a sua mente. É esse o engano. O instrumento apoderou-se de si.
É quase como se estivesse possuído sem saber que o estava e, por esse motivo, tomasse a possessão como sendo você mesmo.

O início da liberdade é a sua percepção de que não é a entidade que possui – o pensador. Sabê-lo permite-lhe observar a entidade. Na altura em que se começar a observar o pensador, desperta um nível superior de consciência.
Nesse momento, perceber-se de que existe um vasto mundo de inteligência para além do pensamento, que este é apenas um aspecto ínfimo dessa inteligência. Apercebe-se ainda de que todas as coisas que realmente importam (a beleza, o amor, a criatividade, a alegria, a paz interior) nascem além da mente.
(Eckhart Tolle)

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: PARAR DE PENSAR! COMO CONSEGUIR ISSO?

ARTIGOS: NÃO ESPERE NADA CAIR DO CÉU, APENAS FAÇA!

Frases sobre covardia. As pessoas covardes machucam os outros!

Preciso voltar a insistir com você que tudo é plenamente treinável nessa vida. Não existe tecnicamente nada impossível de se realizar na minha, na sua ou na vida de qualquer pessoa. As coisas se tornam impossíveis quando, antes mesmo de analisarmos a viabilidade desistimos por antecipação. Na verdade, quando isso ocorre é porque, ou você não quer sair da zona de conforto ou simplesmente tem medo, receio de fracassar. O primeiro obstáculo é mais fácil de transpor. Porque a zona de conforto é periférica, tanto quanto o seu senhor o “Ego”. E sendo periférica é facilmente identificável, mas requer determinação, disciplina e vontade para superá-la. Já o medo é mais difícil e complicado de ser superado, pois vem de dentro de nós, do nosso inconsciente pessoal e do inconsciente coletivo, do nosso Self. Lá onde povoam as nossas sombras, que muitas vezes precisa ser trabalhado, através de terapias. Mas existe uma forma de você vencer o medo sem tanta complexidade. Primeiro se conscientizar que o medo é como um ladrão que planeja adentrar em sua casa para lhe assaltar a mão armada. Naquele momento da ação ele está com muito mais medo do que você no momento do ataque e do susto. Ele está tremendo mais do que vara verde e é exatamente por isso que devemos nos comportar com tranquilidade e gesticular o mínimo possível e lentamente, para evitar  um ato de desatino por parte do bandido. O que quero dizer que nunca devemos demonstrar que estamos com medo, pois o medo é frouxo. Se você demonstra valentia ele foge rápido. Portanto, seja resiliente, não demonstre medo, por mais que esteja sentindo, mantenha a calma e a sobriedade, por pior que seja o momento. Nunca desista dos seus sonhos e do seu objetivo maior. Não espere a solução cair do céu, nem um milagre. Você é o único responsável pela sua realidade. Quando você se conscientiza disso a vida não fica mais difícil porque supostamente a sua responsabilidade aumenta muito. Pelo contrário, sua vida se torna bem mais tranquila e mais suave. Primeiro porque você fica mais forte, se sente mais forte e mais capaz. Segundo porque quanto mais você acredita nisso mais as coisas se materializam facilmente. Convido você a fazer o teste e verificar o que estou falando. Você não tem nada a perder, só a ganhar, porque esse é o jogo do ganha-ganha!

Wagner Braga

Continuar lendo ARTIGOS: NÃO ESPERE NADA CAIR DO CÉU, APENAS FAÇA!

AUTOCONHECIMENTO: UM PASSO A PASSO DE COMO RECONHECER O DIVINO QUE EXISTE DENTRO DE VOCÊ

A nossa coluna AUTOCONHECIMENTO desta segunda-feira trás uma reflexão muito importante e transformadora, pois vai a fundo no tema do ‘Divino que existe dentro de nós’. A mensagem do Mestre Yeshua nos diz que Cada um de nós mantém a vibração sagrada do Criador dentro do nosso ser. Ele nos pede para imaginarmos e nos conectarmos com esse conhecimento a cada dia, mesmo que apenas por alguns momentos, através da meditação, para, aos poucos, reconhecermos o Divino que existe dentro de nós. É preciso que você leia o texto completo a seguir para entender como isso é possível e como você pode conseguir!

Reconheça o Divino que existe dentro de você

Mensagem canalizada em 3 de Abril de 2021 – Mestre Yeshua

Saudações Seres Divinos sobre a Terra, eu sou o Mestre Yeshua, eu os saúdo com amor e paz. Eu trago para a sua energia a vibração da harmonia do Criador. Que isso entusiasme todos os aspectos do seu ser, trazendo tudo o que você é e está criando com harmonia e equilíbrio.

Venho debater com você a divindade interior e me pergunto o que é que você precisa saber sobre a divindade interior?

Cada um de vocês mantém a vibração sagrada do Criador dentro do seu ser. Imagine e se conecte com esse conhecimento a cada dia, mesmo que apenas por alguns momentos, me pergunto que consciência e conhecimento despertariam em seu ser.

Isso é, até certo ponto, o que o Lorde Buda experimentou, assim como eu, Mestre Yeshua como uma criança na Terra. Contemplamos e reconhecemos que existe uma essência do Divino em nosso ser. Algo que todos nós conhecemos e reconhecemos, mas devemos reconhecer plenamente em cada aspecto do ser, em cada célula, em cada forma de pensamento, criando tal transformação mágica em seu ser. É como se um novo aspecto de você surgisse.

Saint Germain era reconhecido por sua magia. Ele reconheceu o Divino, a divindade dentro do seu ser e usou isso completamente em cada pensamento, em cada ação. Portanto, ele estava em unidade, na verdade, em completa harmonia e no fluxo Divino com o Criador, portanto, tudo e qualquer coisa era possível.

Mestre Lanto também reconheceu isso Ele reconheceu a Luz dentro do seu ser, em cada pensamento, emoção, atenção e todo o seu ser. Ele mergulhou fundo na divindade dentro do seu ser, nadando e desfrutando da energia da vertente do Criador interno. Tanto que quando as pessoas olhavam para Mestre Lanto era como se ele estivesse brilhando, brilhando com a Luz através da sua pele. Ele estava tão em sintonia com a divindade em seu ser que tudo era possível. Ele também reconheceu a Luz brilhando dentro dos outros; e assim eles brilhariam de volta.

Todos os Mestres Ascensionados passaram por esse processo de Ascensão. Sim, você reconhece dentro da sua mente, você sabe dentro da sua mente que o Divino está dentro de você, e o Criador está dentro de você. No entanto, há uma necessidade de reconhecer isso totalmente em cada aspecto do seu ser quanto mais você dá a sua atenção, mais você acredita e confia na divindade dentro do seu ser, se torne essa divindade.

Você já é essa divindade. Cada célula do seu ser, cada molécula de energia irradia esse conhecimento e verdade. É algo que todo Mestre Ascensionado percorreu, é uma jornada que eu, Mestre Yeshua, os convido a experimentar e reconhecer agora neste tempo.

É sua hora de brilhar, o que quero dizer é que é a sua hora de reconhecer a divindade dentro do seu ser. Quando você reconhecer a divindade dentro do seu ser, com todo o seu ser, você se reconhece como um todo e completo agora.

Isto é um processo de cura tremendo e dramático. Se você estiver inteiro e completo, você pensará, sentirá, agirá, reagirá e criará a partir de um espaço de ser total e completo, que transforma completamente o seu ser e a sua realidade.

Se isso for reconhecido, então algo mais surge e é uma experiência em vez de um pensamento. Essa experiência quer que você reconheça que a divindade dentro de você também é inteira e completa, portanto, quando você reconhecer o Divino, você não está reconhecendo um aspecto do Divino, você está reconhecendo a fonte inteira e completa do Divino.

Você está reconhecendo tudo do Criador, cada rótulo, tudo que é sem rótulo. Você se lembra do Divino dentro do seu ser que cria a partir deste espaço. Assim você percebe que tudo fora de você também está dentro do seu ser.

Esta é uma transição especialmente importante; novamente, o que eu estou falando não é novo para você. Você entende que cria tudo em sua realidade. Você entende que o Criador está dentro de você, entende que tudo que está do lado de fora também está dentro de você, mas para realmente aproveitar esse ensinamento você deve sentir e reconhecer em seus pensamentos e emoções. Dentro do seu corpo, seus corpos de energia, suas ações, reações, suas criações, significam que você tem uma conexão recém-descoberta com tudo que está fora e dentro de você.

Ao reconhecer que uma árvore ou arco-íris é um produto da divindade dentro de você, a pessoa com quem você conversa é um reflexo da divindade dentro do seu ser, assim, você se torna tão conectado a tudo que a solidão, a separação, a ansiedade e o medo se dissolvem.

O medo sempre estará lá até certo ponto, pois é uma proteção, mas também se dissolverá, ao fazer isso, você transforma sua realidade, se tornando um Mestre Ascensionado. Você transforma tudo, não apenas para você e sua realidade, você impacta e influencia a vibração de todos, as experiências de todos, a criação de todos os seres e todo o Universo do Criador.

Você se torna tudo e, ao fazer isso, penetra cada vez mais profundamente nesse conhecimento e reconhecimento de tudo. Uma nova transformação surge de dentro do seu ser, permitindo que você se torne sem forma e rótulos. Você é o tudo e ainda assim o nada do Criador.

É incrivelmente desafiador descrever o nada do Criador quando você vive em um mundo onde tudo tem forma e rótulos. No entanto, quanto mais você se conecta com esse nada, que é uma jornada como descrevi, você encontrará a liberdade, verdade e compreensão para tudo o que está acontecendo em sua realidade e no mundo agora.

Você vai confiar em si mesmo e aprender a confiar nos outros. Assim, iniciamos em uma jornada de cocriação. Nós, Mestres Ascensionados, estamos agora alcançando uma jornada de cocriação, estamos co-criando com vocês agora, é nossa missão e nosso propósito.

Como você reconhece a divindade interior? Como você começa essa jornada conforme descrevi?

Na verdade, é um processo único para você. Posso compartilhar como eu o consegui; no entanto, você é único, talvez queira encontrar seu próprio caminho. Quando comecei essa jornada eu meditava e muitas veze imaginava as minhas costas encostada em uma árvore ou encontrava uma árvore adequada e me sentava com as costas apoiada nela. Eu reconhecia o aterramento da Terra ou minhas energias aterradas à Terra percebendo minha conexão com o Divino. A árvore oferecia estabilidade, quietude, um alicerce, um aterramento e uma conexão com o Criador. Nesse espaço eu dizia para mim:

“Eu procuro a divindade interior.”

Eu repetia isso para mim em minha mente indefinidamente. Em seguida, dava um tempo para me concentrar em minha respiração e abrir espaço para uma resposta se formar. Eu praticava com frequência e novas respostas apareciam, me permitindo sentir uma conexão com a divindade interior através de um sentimento de felicidade ou êxtase irrompendo meu ser. Às vezes meu corpo tremia, outras vezes eu estava em um espaço no nada, era diferente a cada vez.

Eu os convido a começar esse processo, há muito para descobrir e nós, os Mestres Ascensionado, estamos presentes para apoiá-los. É hora de um novo despertar, um novo amanhecer dentro do seu ser.

Eu, Mestre Yeshua, estou presente para amá-lo e apoiá-lo.

Gratidão,

Eu sou Mestre Yeshua

Natalie Glasson — Fonte: https://goldenageofgaia.com/ | https://omna.org/
Renata Pecora Fortunato e Marco Iorio Júnior — Tradutor e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

Fonte: Trabalhadores da Luz

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: UM PASSO A PASSO DE COMO RECONHECER O DIVINO QUE EXISTE DENTRO DE VOCÊ

AUTOCONHECIMENTO: EM BUSCA DA LUZ ATRAVÉS DA CHAMA TRINA

Achei muito importante a afirmação que diz: “Quando vossos amigos da Luz perceberem que estais constantemente seguindo vosso objetivo e buscando vosso caminho, darão a sua ajuda na remoção das cargas negativas. A Lei Divina garante ajuda ao aprendiz no caminho da Luz, se este está realmente disposto a atingir a sua meta”. Porque me considero um buscador e sinto que as cargas negativas no meu caminho já foram removidas. Então, me sinto confortável e acredito na proteção desses amigos da luz. Por isso convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e verificar se isso faz sentido pra você!

2º RAIO – UM DOS ASPECTOS DA CHAMA TRINA (3ª AULA)

Publicado por Fatima dos Anjos em 7 março 2010 às 0:55 em CHAMA TRINA

SEGUNDO RAIO – AMARELO DOURADO

Seja bem-vindo, o chamado dirige-se a todo aluno que se dedica ao trabalho em busca da Luz. Que continue no seu esforço sem deixar acontecerem interrupções. Isto significaria um atraso no Plano Divino, que foi preparado para os tempos vindouros. Aqui todo cooperador diligente encontra a sua participação no trabalho.

O peso da vida cotidiana é muitas vezes um atraso ao progresso espiritual para o aprendiz no caminho da Luz. Porém, isto não acontece por acaso; teremos que buscar o motivo em vidas anteriores. Se estiverdes constantemente preocupados em seguir o caminho do aprendizado, surgirá o momento em que estas coisas serão resolvidas pela ordem Divina, apesar das dificuldades exteriores.

Quando vossos amigos da Luz perceberem que estais constantemente seguindo vosso objetivo e buscando vosso caminho, darão a sua ajuda na remoção das cargas negativas. A Lei Divina garante ajuda ao aprendiz no caminho da Luz, se este está realmente disposto a atingir a sua meta.

Da barulhenta ação da humanidade vem o desejo de silêncio e recolhimento interior que se torna cada vez mais forte. Vós, alunos, procurai também alcançar o silêncio, para que aprendais a vos recolher no aconchegante silêncio do vosso Eu Sou, quando a vossa vida for tormentosa.
Vossas vidas trazem consigo contato forte com a vida externa. E lógico que nem sempre podeis vos afastar sem quebrar a harmonia, porém aproveitai toda e qualquer oportunidade para entrar no silêncio, para dar ao vosso Divino Eu Sou, oportunidade de preencher-vos com as necessárias forças.

Falamos renovadamente do cumprimento de vossos ensaios diários de silêncio. Esta é uma condição em vosso caminho, através da qual conseguireis harmonizar o vosso mundo, preenchendo-o com Luz.

De vossos exercícios de meditação deveriam surgir reconhecimentos e idéias, se os realizásseis conscientemente. Estes dizem respeito a vossa cooperação e deveriam despertar capacidades, das quais até aqui não tivestes conhecimento. Continuai a vos esforçar, meus alunos, e não deixeis enfraquecerem os vossos bons propósitos.

Medite:
Imaginai-vos em uma Clara e luminosa aura dourada, que tem ação vivificante o Amor e Sabedoria
O Segundo Raio corresponde ao aspecto Filho da Santíssima Trindade e irradia os atributos da sabedoria interior, da compreensão e da iluminação. É a energia crística que rege o processo iniciático do homem e a ciência da união com o Todo. A Chama do segundo raio é iluminação, que é sabedoria através do amor.

É visto na relação do filho com o pai-mãe pois, livre da necessidade de se mover para a frente, ele se submete, por assim dizer, à avaliação, à iluminação e ao ensinamento. Este raio foi exemplificado na história por Buddha e por Mestre Jesus ambos forneceram modelos (a forma-pensamento fundamental) para a humanidade. Sua cor é também a cor do Sol, que não só alimenta mas ilumina.

É por sua influência que reconhecemos que toda sabedoria de que necessitamos está na Divina Presença que habita nosso coração e aprendemos a escutar com adoração e humildade a Sua voz. Vêm daí, então, a verdadeira compreensão dos semelhantes e a Consciência Crística que ama incondicionalmente.

A Chama da Sabedoria, possibilita a consciência e a ascensão através do conhecimento, através do foco centrado de sua inteligência.
Dizem os Elohins que a força do pensamento é como o sol, que é infinitamente maior que este planeta. Através da concentração, através da força da energia concentrada, podemos alcançar qualquer objetivo na vida. Dizem ainda, que tudo está a disposição desde que o pensamento esteja centrado, livre de egoísmo, falsos desejos, falsas modéstias e falsos medos. Dizem que a mente é capaz de criar mundos, capaz de fazer nos tornarmos deuses nesse mundo.

Num primeiro momento, o Criador se manifestou no Plano Mental Superior, conhecido também como Plano Celestial, e deu forma aos Elohins, pela força emanada dele mesmo. É por isso que estes seres se manifestam no Mundo Mental Superior, como uma derivação do próprio princípio divino, que foi adentrando nos mundos por Ele criados. Os Elohins são também conhecidos como Devas ( esta palavra, que vem do sânscrito, quer dizer deuses ou deidades).
Temos hábito de associar sabedoria a um processo mental, ou talvez a um esclarecimento dos nossos pensamentos ou da nossa forma de pensar.

No entanto, devemos lembrar que a Chama da Sabedoria atua também no Plano dos Sentimentos, por meio dos seus anjos. Há, portanto, um sentimento que também se chama sabedoria. Um sentimento de compreensão sobre o que nos cerca e sobre nós mesmos. Podemos imaginar algo mais simples e sábio que as Leis que regem a natureza? Podemos imaginar algo mais sábio que o instinto que perpetua a vida de um animal?

Não há no caso do animal nenhum processo mental envolvido, pois, por mais companheiros e amorosos que eles sejam conosco, sua reação não deixará jamais de ser instintiva. Portanto, somos obrigados a ver a sabedoria também como um instinto superior, latente em toda a natureza.
A Chama do Segundo Raio nos informa que fomos criados para sermos tementes a Deus e não para amá-Lo. Deus é nosso pai, mas não nos sentimos Seus filhos. Daí advém todo o sofrimento. O cristianismo largamente difundido no Ocidente nos reporta a um Deus que morreu na cruz para nos salvar, portanto, temos sérios motivos para sermos tristes e nos sentirmos culpados.
Muitas vezes somos cobrados pelas pessoas à nossa volta por estarmos alegres, como se isso fosse um pecado.

As pessoas muitas vezes julgam a alegria como um sentimento irresponsável, afinal, como podemos ser alegres no mundo em que vivemos?
A sociedade nos cobra seriedade, como se a alegria fosse também sinônimo de irresponsabilidade.

 

A Fraternidade Branca, nas palavras luminosas do Mestre Lanto, vem nos libertar da culpa de sermos alegres. E uma das grandes mensagens passada por este raio, é que devemos desenvolver em nós o estado de alegria.

O Elohim Cassiopéia diz: A alegria é um estado natural do homem. Quando o homem não está alegre, está doente.
As pessoas regidas por este Raio esforçam-se em aprofundar seus conhecimentos sobre a natureza humana e o Universo. Muitas vezes, atuam como professores e instrutores. Buscam a verdade e a Luz, possuem discernimento, são compreensivos, amorosos, tolerantes e procuram escutar os outros.

Seres pouco evoluídos, porém, manifestam essa influência na forma de apegos, curiosidade excessiva, loquacidade e temor.

Seja bem-vindo, o chamado dirige-se a todo aluno que se dedica ao trabalho em busca da Luz. Que continue no seu esforço sem deixar acontecerem interrupções. Isto significaria um atraso no Plano Divino, que foi preparado para os tempos vindouros. Aqui todo cooperador diligente encontra a sua participação no trabalho.

O peso da vida cotidiana é muitas vezes um atraso ao progresso espiritual para o aprendiz no caminho da Luz. Porém, isto não acontece por acaso; teremos que buscar o motivo em vidas anteriores. Se estiverdes constantemente preocupados em seguir o caminho do aprendizado, surgirá o momento em que estas coisas serão resolvidas pela ordem Divina, apesar das dificuldades exteriores.

Quando vossos amigos da Luz perceberem que estais constantemente seguindo vosso objetivo e buscando vosso caminho, darão a sua ajuda na remoção das cargas negativas. A Lei Divina garante ajuda ao aprendiz no caminho da Luz, se este está realmente disposto a atingir a sua meta.

Da barulhenta ação da humanidade vem o desejo de silêncio e recolhimento interior que se torna cada vez mais forte. Vós, alunos, procurai também alcançar o silêncio, para que aprendais a vos recolher no aconchegante silêncio do vosso Eu Sou, quando a vossa vida for tormentosa.
Vossas vidas trazem consigo contato forte com a vida externa. E lógico que nem sempre podeis vos afastar sem quebrar a harmonia, porém aproveitai toda e qualquer oportunidade para entrar no silêncio, para dar ao vosso Divino Eu Sou, oportunidade de preencher-vos com as necessárias forças.

Falamos renovadamente do cumprimento de vossos ensaios diários de silêncio. Esta é uma condição em vosso caminho, através da qual conseguireis harmonizar o vosso mundo, preenchendo-o com Luz.

De vossos exercícios de meditação deveriam surgir reconhecimentos e idéias, se os realizásseis conscientemente. Estes dizem respeito a vossa cooperação e deveriam despertar capacidades, das quais até aqui não tivestes conhecimento. Continuai a vos esforçar, meus alunos, e não deixeis enfraquecerem os vossos bons propósitos.

Medite:
Imaginai-vos em uma Clara e luminosa aura dourada, que tem ação vivificante o Amor e Sabedoria
O Segundo Raio corresponde ao aspecto Filho da Santíssima Trindade e irradia os atributos da sabedoria interior, da compreensão e da iluminação. É a energia crística que rege o processo iniciático do homem e a ciência da união com o Todo. A Chama do segundo raio é iluminação, que é sabedoria através do amor.

É visto na relação do filho com o pai-mãe pois, livre da necessidade de se mover para a frente, ele se submete, por assim dizer, à avaliação, à iluminação e ao ensinamento. Este raio foi exemplificado na história por Buddha e por Mestre Jesus ambos forneceram modelos (a forma-pensamento fundamental) para a humanidade. Sua cor é também a cor do Sol, que não só alimenta mas ilumina.

É por sua influência que reconhecemos que toda sabedoria de que necessitamos está na Divina Presença que habita nosso coração e aprendemos a escutar com adoração e humildade a Sua voz. Vêm daí, então, a verdadeira compreensão dos semelhantes e a Consciência Crística que ama incondicionalmente.

A Chama da Sabedoria, possibilita a consciência e a ascensão através do conhecimento, através do foco centrado de sua inteligência.
Dizem os Elohins que a força do pensamento é como o sol, que é infinitamente maior que este planeta. Através da concentração, através da força da energia concentrada, podemos alcançar qualquer objetivo na vida. Dizem ainda, que tudo está a disposição desde que o pensamento esteja centrado, livre de egoísmo, falsos desejos, falsas modéstias e falsos medos. Dizem que a mente é capaz de criar mundos, capaz de fazer nos tornarmos deuses nesse mundo.

Num primeiro momento, o Criador se manifestou no Plano Mental Superior, conhecido também como Plano Celestial, e deu forma aos Elohins, pela força emanada dele mesmo. É por isso que estes seres se manifestam no Mundo Mental Superior, como uma derivação do próprio princípio divino, que foi adentrando nos mundos por Ele criados. Os Elohins são também conhecidos como Devas ( esta palavra, que vem do sânscrito, quer dizer deuses ou deidades).
Temos hábito de associar sabedoria a um processo mental, ou talvez a um esclarecimento dos nossos pensamentos ou da nossa forma de pensar.

No entanto, devemos lembrar que a Chama da Sabedoria atua também no Plano dos Sentimentos, por meio dos seus anjos. Há, portanto, um sentimento que também se chama sabedoria. Um sentimento de compreensão sobre o que nos cerca e sobre nós mesmos. Podemos imaginar algo mais simples e sábio que as Leis que regem a natureza? Podemos imaginar algo mais sábio que o instinto que perpetua a vida de um animal?

Não há no caso do animal nenhum processo mental envolvido, pois, por mais companheiros e amorosos que eles sejam conosco, sua reação não deixará jamais de ser instintiva. Portanto, somos obrigados a ver a sabedoria também como um instinto superior, latente em toda a natureza.
A Chama do Segundo Raio nos informa que fomos criados para sermos tementes a Deus e não para amá-Lo. Deus é nosso pai, mas não nos sentimos Seus filhos. Daí advém todo o sofrimento. O cristianismo largamente difundido no Ocidente nos reporta a um Deus que morreu na cruz para nos salvar, portanto, temos sérios motivos para sermos tristes e nos sentirmos culpados.
Muitas vezes somos cobrados pelas pessoas à nossa volta por estarmos alegres, como se isso fosse um pecado.

As pessoas muitas vezes julgam a alegria como um sentimento irresponsável, afinal, como podemos ser alegres no mundo em que vivemos?
A sociedade nos cobra seriedade, como se a alegria fosse também sinônimo de irresponsabilidade.

A Fraternidade Branca, nas palavras luminosas do Mestre Lanto, vem nos libertar da culpa de sermos alegres. E uma das grandes mensagens passada por este raio, é que devemos desenvolver em nós o estado de alegria.

O Elohim Cassiopéia diz: A alegria é um estado natural do homem. Quando o homem não está alegre, está doente.
As pessoas regidas por este Raio esforçam-se em aprofundar seus conhecimentos sobre a natureza humana e o Universo. Muitas vezes, atuam como professores e instrutores. Buscam a verdade e a Luz, possuem discernimento, são compreensivos, amorosos, tolerantes e procuram escutar os outros.

Seres pouco evoluídos, porém, manifestam essa influência na forma de apegos, curiosidade excessiva, loquacidade e temor.

Fonte: Portal Arcoiris

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: EM BUSCA DA LUZ ATRAVÉS DA CHAMA TRINA

AUTOCONHECIMENTO: TENHA AUTOCONTROLE, NÃO ENTRE EM DESESPERO, VIVA O MOMENTO PRESENTE, POR WAGNER BRAGA

Esqueça o que ficou para trás e o que ainda vai acontecer. Viva o presente! Esta é a mensagem do vídeo desta sexta-feira, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO. Neste conteúdo falo um pouco sobre autocontrole, algo extremamente importante, principalmente nesses tempos difíceis que estamos vivendo. Dei algumas dicas do que você pode fazer quando se encontrar numa situação de desespero. Saiba que para todo problema existem no mínimo duas soluções, mas você só consegue enxergar se parar para refletir e se acalmar. Assista ao vídeo, reflita e faça seu juízo de valor!

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: TENHA AUTOCONTROLE, NÃO ENTRE EM DESESPERO, VIVA O MOMENTO PRESENTE, POR WAGNER BRAGA

REFLEXÃO: NÓS ACREDITAMOS, POR CAMILA ZEN

Sexta-feira é dia de REFLEXÃO com Camila Zen, aqui na coluna. Hoje ela reflete sobre o que Nós acreditamos: Nós acreditamos que nascemos com uma luz brilhando dentro de nós e que essa luz tem o poder de iluminar o mundo. Acreditamos no poder da conexão com a natureza, e que dela vem tudo aquilo que precisamos para uma vida saudável e feliz. Acreditamos que o brilho do sol, o cheiro da chuva e a brisa do mar têm a capacidade de nos trazer de volta a nossa verdadeira essência. Nós acreditamos na simplicidade. E que as melhores coisas da vida não são feitas de grande glamour. Nós acreditamos nas pessoas. E não acreditamos que a depressão, a ansiedade e o estresse possam nos vencer. Nós acreditamos em sorrisos sinceros, abraços apertados e olhares cheios de luz. Nós acreditamos que a mudança nas nossas vidas depende exclusivamente de nós, e escolhemos mudar sempre em busca da evolução. Acreditamos em um mundo com mais corações em paz, mais mentes calmas e mais vidas em equilíbrio.

Fonte:

Continuar lendo REFLEXÃO: NÓS ACREDITAMOS, POR CAMILA ZEN

AUTOCONHECIMENTO: O NOSSO MUNDO INTERIOR É MUITO MAIOR DO QUE VOCÊ IMAGINA

Nada melhor para analisar e refletir, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO  do que sobre o nosso mundo interior, já que autoconhecimento nada mais é do que conhecer o nosso mundo interior, sem medo ou restrições, para encontrar o equilíbrio, o poder e a tão sonhada liberdade. Essa é a mensagem que nos trás o breve texto a seguir.

Como está seu mundo interior? – cpdhumano

NOSSO MUNDO INTERIOR PRECISA DE ATENÇÃO.

Kate Spreckley.

29/03/2021.

As energias desta Lua Cheia foram construídas em direção a uma liberação poderosa.

Nesse período, emoções não resolvidas vêm à tona, trazendo uma nova visão para os desafios e dificuldades que enfrentamos.

Quaisquer desequilíbrios dentro de nós estão se tornando mais aparentes, oferecendo-nos a oportunidade de começarmos a retificar o equilíbrio interno.

Antes que possamos equilibrar nosso mundo externo, nosso mundo interno precisa de atenção.

À luz desta Lua Cheia, você pode esperar que ocorram percepções repentinas que revelam onde estão os desequilíbrios e por quê.

Você pode obter uma compreensão mais profunda de como suas emoções não resolvidas e padrões de pensamentos negativos afetam sua visão de si mesmo e de seu mundo.

Lembre-se de que, sem limpar o antigo e deixar ir o passado, você permanece preso e incapaz de seguir em frente. Agir torna-se difícil, pois você questiona e duvida dos passos que deve tomar para manifestar algo novo.

Com muito Amor,

Kate Spreckley

Fonte: Spirity PathwaysWebsite:
https://www.spiritpathways.co.za/

Fonte: Portal Arcoiris

Continuar lendo AUTOCONHECIMENTO: O NOSSO MUNDO INTERIOR É MUITO MAIOR DO QUE VOCÊ IMAGINA

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar