APÓS ALERTA DE BOMBA REGIÃO DO ARCO DO TRIUNNFO EM PARIS É ISOLADA E FRANÇA ESTÁ EM ALERTA MÁXIMO

Região do Arco do Triunfo em Paris é isolada após alerta de bomba

A França está em alerta máximo de segurança após a morte de um professor que mostrou uma charge do profeta Maomé durante uma aula

INTRNACIONAL

por 

Reuters – Internacional

 

O Arco do Triunfo, um importante ponto turístico, está localizado em Paris, na França

Charles Platiau/ Reuters/ 27.10.2020

A área ao redor do Arco do Triunfo, no centro de Paris, foi isolada após um alerta de bomba, disse um porta-voz da polícia da capital francesa à Reuters nesta terça-feira (27). As linhas de metrô da área também estão sendo esvaziadas.

A França está em alerta máximo de segurança após a decapitação de um professor neste mês por um muçulmano de 18 anos, que ficou furioso com o uso de charges do profeta Maomé em uma aula de educação cívica.

Houve vários alertas falsos de bomba na França, mais recentemente na estação ferroviária de Lyon, na semana passada, e na Torre Eifel, um mês atrás.

Fonte: R7

Continuar lendo APÓS ALERTA DE BOMBA REGIÃO DO ARCO DO TRIUNNFO EM PARIS É ISOLADA E FRANÇA ESTÁ EM ALERTA MÁXIMO

PRESIDENTE DA FRANÇA CONDENA O TERRORISMO,E DIZ QUE NÃO PASSARÃO POR CIMA DE VALORES DEMOCRÁTICOS

 

Macron: terroristas ‘não passarão’ por cima de valores democráticos

Presidente da França condena assassinato de professor e diz que ele foi morto por ensinar liberdade de expressão para seus alunos

INTERNACIONAL

Da EFE

 

Macron fala diante da escola onde o professor assassinado lecionava

Abdulmonam Eassa / EFE – EPA – 16.10.2020

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou nesta sexta-feira, após o ataque no qual um professor foi decapitado nos arredores de Paris, que os terroristas islâmicos “não passarão” por cima dos valores democráticos do país.

Foi “um ataque terrorista islâmico”, disse Macron à imprensa na cidade de Conflans-Sainte-Honorine, onde ocorreu o ataque.

O professor “foi morto hoje porque ensinou, porque explicou aos seus alunos liberdade de expressão, liberdade de acreditar e liberdade de não acreditar”, afirmou.

Solidariedade aos professores

Macron prestou condolências à família e aos colegas da vítima, mas acima de tudo enfatizou a solidariedade aos professores do país, prometendo que “toda a nação estará ao seu lado hoje e amanhã para defendê-los e permitir-lhes fazer seu trabalho: formar cidadãos livres”.

O autor do ataque “queria derrubar a República e seus valores”, um dos quais é “fazer cidadãos livres”, acrescentou.

Macron enfatizou que os terroristas “não passarão” e que “o obscurantismo religioso não vencerá” o que ele chamou de “batalha”.

 

Continuar lendo PRESIDENTE DA FRANÇA CONDENA O TERRORISMO,E DIZ QUE NÃO PASSARÃO POR CIMA DE VALORES DEMOCRÁTICOS

DEVIDO O ENVENENAMENTO DE NAVALNI FRANÇA E ALEMANHA PROPÕEM SANÇÕES CONTRA RÚSSIA

França e Alemanha propõem sanções contra a Rússia pelo envenenamento de Navalni

Chanceleres dos dois países afirmam que Governo Putin não dá respostas confiáveis no caso do oposicionista, intoxicado com substância de fabricação militar

O presidente russo, Vladimir Putin, preside desfile em junho em Moscou.O presidente russo, Vladimir Putin, preside desfile em junho em Moscou./ EUROPA PRES.

O eixo franco-alemão se mantém como força motriz das represálias contra a Rússia pelo envenenamento de Alexei Navalni. Paris e Berlim vão propor à União Europeia a adoção de sanções contra a Rússia, a quem acusam de estar por trás da intoxicação do opositor do Governo com o agente nervoso Novichok, segundo informaram os dois países em um comunicado conjunto. Os europeus aguardavam uma resposta de Moscou depois que se soube que político do Kremlin fora envenenado com uma substância de fabricação militar russa.

“A Rússia não forneceu uma explicação confiável até agora. Neste contexto, consideramos que não há outra explicação plausível a não ser o envolvimento e a responsabilidade russa”, afirmam os ministros das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, e da França, Jean Yves Le Drian, em nota conjunta. “Houve uma tentativa de assassinato em solo russo, contra um oposicionista russo, usando um agente nervoso desenvolvido pela Rússia”, disseram. “Extraindo as conclusões necessárias desses eventos, a França e a Alemanha compartilharão com seus parceiros europeus propostas de sanções adicionais”, acrescentam.

A nova medida se somaria à série de sanções impostas pela UE contra Moscou desde 2014, após a guerra na Ucrânia e a anexação russa da península da Crimeia. As tentativas de reconciliação com o regime de Vladimir Putin, lideradas até o envenenamento de Navalni pelo presidente francês, Emmanuel Macron, não deram frutos nos últimos seis anos e parece ser cada vez mais difícil mantê-las. O novo choque também pode complicar o difícil equilíbrio mantido pela primeira-ministra alemã, Angela Merkel, que, apesar da ocupação unilateral da Crimeia, manteve o acordo da Alemanha com Moscou para construir um novo gasoduto através do Báltico (o chamado Nordstream II).

Berlim e Paris agora sugerem que as sanções sejam dirigidas contra indivíduos “responsáveis pelo crime e a violação da legislação internacional, por sua função, bem como contra a entidade envolvida no programa do Novichok”. Moscou nega envolvimento no envenenamento que levou a uma considerável deterioração das relações entre a Rússia, a Alemanha e a União Europeia. Paris e Berlim afirmam que a tentativa de silenciar o opositor russo constitui uma violação da Convenção de Armas Químicas.

Um laboratório militar alemão e duas instituições independentes na França e na Suécia confirmaram que Navalni foi envenenado com uma substância da família do Novichok. É o mesmo agente nervoso usado em 2018 para tentar liquidar o ex-espião russo Sergei Skripal no Reino Unido. O Governo alemão, porém, havia anunciado que antes de adotar qualquer represália aguardaria a confirmação da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), que chegou nesta terça-feira e que também afirma ter encontrado vestígios do veneno.

Com o aval da OPAQ sobre a mesa, Berlim e Paris defendem a abertura de uma nova via de sanções contra Moscou, com a punição para a Crimeia ainda em vigor. Na semana passada houve uma ampliação dessas represálias: dois cidadãos russos e quatro empresas russas foram adicionados a uma lista de sanções (proibição de entrada na UE e congelamento de seus bens em território comunitário) que já inclui 177 pessoas e 48 empresas. A UE também aprovou penalidades econômicas a vários setores da economia russa (energia, defesa, finanças e bens de dupla utilização), prorrogadas a cada seis meses e válidas pelo menos até janeiro do próximo ano.

As possíveis sanções têm que ser endossadas por unanimidade no Conselho da UE, onde estão representados os 27 Governos da União. A proposta franco-alemã deverá ser exposta na próxima segunda-feira, durante a reunião mensal dos chanceleres da UE. A reunião coincide com a presidência de turno alemã da União neste semestre. A aprovação da nova sanção, entretanto, também pode causar tensões internas na UE. Por um lado, países como Itália e Hungria costumam resistir a agir contra a Rússia. E, por outro, a Polônia e os países bálticos, totalmente contra a construção do gasoduto Nordstream II, podem aproveitar o caso Navalni para tentar abortar definitivamente um projeto que também conta com forte oposição dos Estados Unidos.

Navalni está em Berlim desde 22 de agosto, recuperando-se do envenenamento que quase lhe custou a vida. O oposicionista russo foi transferido para a Alemanha em um avião com equipamento médico dois dias depois de sofrer um colapso em um avião em pleno voo. O aparelho fez um pouso de emergência e Navalni foi inicialmente internado em um hospital na Sibéria, onde os responsáveis pelos exames alegaram não ter sido encontrado nenhum vestígio de substância tóxica.

Os aliados do oposicionista sustentaram desde o primeiro momento que Navalni havia sido envenenado e conseguiram que uma ONG alemã o transferisse para Berlim. Na Alemanha, Navalni foi internado no grande hospital La Charité, onde teve alta no dia 23 de setembro, depois de passar ali mais de um mês, sendo 24 dias em terapia intensiva. Lá, ele recebeu a visita de Merkel. Desde que deixou o hospital, ele faz tratamento de reabilitação na capital alemã, onde sua família o acompanha.

Continuar lendo DEVIDO O ENVENENAMENTO DE NAVALNI FRANÇA E ALEMANHA PROPÕEM SANÇÕES CONTRA RÚSSIA

SARKOZY EX-PRESIDENTE DA FRANÇA, SERÁ JULGADO POR SUPOSTA ILEGALIDADE NO FINANCIAMENTO DA CAMPANHA

 

Sarkozy será julgado por suposto financiamento ilegal de campanha

Ex-presidente da França é acusado de ocultar 15 milhões de euros de gastos que deveriam constar na prestação de contas da campanha

INTERNACIONAL

Da EFE

Nicolas Sarkozy chegou a devolver os gastos graças a uma campanha de doação

O ex-presidente da França Nicolas Sarkozy será julgado de 17 de março a 15 de abril de 2021 pelo suposto financiamento ilegal da campanha presidencial de 2012, informou nesta quinta-feira (3) o Ministério Público francês.

A investigação foi aberta em 2014, após a imprensa revelar que o ex-governante ultrapassou o limite maximo de gastos permitidos durante uma campanha, que é de 22,5 milhões de euros.

Segundo a acusação, Sarkozy recorreu aos serviços de uma empresa de comunicação, Bygmalion, que emitiu faturas falsas para ocultar os sobrecustos dos atos eleitorais e das viagens, ocultando 15 milhões de euros de gastos que deveriam constar nas contas da campanha, que acabou custando 42,8 milhões.

Sarkozy, que já foi multado por este caso pelo Conselho Constitucional, devolveu a totalidade dos gastos graças a uma campanha de doação feita entre os militantes e apoiadores do partido.

No entanto, não evitou a abertura de uma investigação judicial e foi indiciado em fevereiro de 2016, o que afetou suas chances de vitória nas primárias de novembro, nas quais terminou em terceiro lugar, atrás de François Fillon, que ganhou, e Alain Juppé.

 

Continuar lendo SARKOZY EX-PRESIDENTE DA FRANÇA, SERÁ JULGADO POR SUPOSTA ILEGALIDADE NO FINANCIAMENTO DA CAMPANHA

TODOS OS VIAJANTES PROVENIENTES DE PAÍSES COM ALERTA VERMELHO, INCLUSIVE DO BRASIL, PASSARÃO POR TESTE AO DESEMBARCAR NO PAIS, DIZ PRIMEIRO MINISTRO DA FRANÇA JEAN CASTEX

França submeterá passageiros vindos do Brasil a teste para covid

Medidas de segurança serão aplicadas a viajantes vindos de áreas de maior propagação do coronavírus, que terão área de desembarque exclusiva

INTERNACIONAL

Da EFE

Brasileiros passarão por testes em aeroportos franceses Brasileiros passarão por testes em aeroportos franceses

O primeiro-ministro da França, Jean Castex, anunciou nesta sexta-feira (24) que todos os viajantes provenientes de alguns países classificados com alerta vermelho, pela forte propagação do novo coronavírus, entre eles Brasil, deverão passar por teste de infecção ao desembarcar no país.

A informação foi apresentada pouco depois de reunião do Conselho de Defesa e Segurança, realizada hoje para definir medidas de controle à segunda onda de casos do patógeno que provoca a covid-19. De acordo com balanço mais recente, nas últimas 24 horas, foram mais de mil infectados.

Segundo Castex, os passageiros provenientes de Estados Unidos, Emirados Árabes, Bahrein e Panamá, que estão na chamada “lista vermelha”, deverão apresentar um resultado negativo de exame recente para o novo coronavírus, caso contrários, serão testados no desembarque.

Desembarque exclusivo

Já os que chegarem de Brasil, África do Sul, Argélia, Catar, Índia, Israel, Kuwait, Madagascar, Omã, Peru, Sérvia e Turquia, precisarão passar pela detecção para o patógeno ao pisarem em um aeroporto local.

O tráfego aéreo com os integrantes dessa lista ainda é pequeno, já que as fronteiras da França ainda estão fechadas quase totalmente para fora da União Europeia. Com isso, a medida impacta passageiros franceses que pretendem viajar para o país natal.

“Sabemos que, em certo número desses países, não há um estratégia de detecção e que o acesso aos testes é difícil. Assim, decidimos generalizar os testes nas chegadas”, afirmou o primeiro-ministro.

Os aeroportos deverão ter locais exclusivos de desembarque para todos que chegarem tendo como origem os países da lista. Em seguida, as pessoas que derem positivo em testes de diagnóstico, deverão ser isoladas durante duas semanas, pelo menos.

 

Continuar lendo TODOS OS VIAJANTES PROVENIENTES DE PAÍSES COM ALERTA VERMELHO, INCLUSIVE DO BRASIL, PASSARÃO POR TESTE AO DESEMBARCAR NO PAIS, DIZ PRIMEIRO MINISTRO DA FRANÇA JEAN CASTEX

FRANÇA PRETENDE REALIZAR TESTES VIROLÓGICOS EM VIAJANTES DE PAÍSES CONSIDERADOS DE ALTO RISCO

 

França testará em aeroportos viajantes de países de alto risco

Governo pretende realizar 2 mil testes para detectar o novo coronavírus por dia em pessoas que cheguem de locais considerados ‘vermelhos’

INTERNACIONAL

Da EFE

 

Funcionários higienizam áreas comuns do aeroporto Paris-OrlyFuncionários higienizam áreas comuns do aeroporto Paris-Orly

A França realizará sistematicamente testes virológicos nos aeroportos de todos os viajantes de países “em risco”, ou seja, aqueles onde mais circula o novo coronavírus, segundo revelou neste domingo (12) o porta-voz do governo, Gabriel Attal.

“Vamos realizar testes sistemáticos nos aeroportos para viajantes vindos de países chamados ‘vermelhos’, ou seja, países onde o vírus circula mais”, disse Attal, à emissora de TV francesa BFMTV.

O porta-voz do governo afirmou que eles pretendem realizar cerca de 2 mil testes por dia com este dispositivo, observando que aqueles que comprovarem terem sido testados em seus países de origem não passarão pelo procedimento.

Nesses casos, ele disse, eles pedirão provas de que fizeram o teste.

França aumenta controle

Dessa forma, a França aumenta o controle dos viajantes desses países, pois até agora indicava que os testes seriam voluntários.

Attal acrescentou que, por enquanto, eles não planejam forçar os franceses a usar uma máscara em todos os locais públicos, embora observem que é uma recomendação.

“Os franceses são responsáveis e, quando damos a eles uma recomendação, eles o respeitam de maneira maciça”, disse o porta-voz, observando que, no entanto, o governo adapta permanentemente seus esforços diante das mudanças da situação.

A França acaba de superar a marca das 30 mil mortes por covid-19, de acordo com o último balanço publicado pelas autoridades de saúde na última sexta-feira.

Fonte: R7

 

Continuar lendo FRANÇA PRETENDE REALIZAR TESTES VIROLÓGICOS EM VIAJANTES DE PAÍSES CONSIDERADOS DE ALTO RISCO

AMAZONAS RECEBE AJUDA DE 3 MILHÕES DA FRANÇA, PARA ENFRENTAR A PANDEMIA

 

França envia R$ 3 milhões para combate à covid-19 no Amazonas

Informação dada pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, nesta sexta-feira (3) segue como resposta de vídeo que gravou para 21 chefes de Estado

R7 PLANALTO

Plínio Aguiar e Mariana Londres, do R7

Prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio NetoPrefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio Neto

O prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio Neto (PSDB), informou nesta sexta-feira (3) que o governo da França irá enviar aproximadamente R$ 3 milhões para serem investidos no fortalecimento de ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus para proteger as etnias indígenas e os povos tradicionais do Amazonas.

A ação francesa ocorre após o prefeito pedir ajuda para 21 chefes de Estado. Neto enviou, no mês passado, vídeo para os líderes solicitando auxílio no enfrentamento à covid-19 dos povos da região amazônica.

Os recursos foram destinados com base na apresentação de dois projetos: na saúde, será ampliado o atendimento às populações vulneráveis e aos povos indígenas, brasileiros e estrangeiros, com aquisição de equipamentos e insumos, que totalizaram investimento de R$ 1.427.30; na assistência social, o projeto contempla aquisição de cestas básicas para atender mais de 15 mil famílias, com valor estimado em R$ 1.428.571.

“Se não encontro aqui apoio para cuidar da Amazônia, fui buscar ajuda onde as pessoas entendem a importância dos povos que protegem nossa imensa floresta”, disse o prefeito de Manaus.

Fonte: R7

 

Continuar lendo AMAZONAS RECEBE AJUDA DE 3 MILHÕES DA FRANÇA, PARA ENFRENTAR A PANDEMIA

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar