Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!

BOAS NOTÍCIAS: ALZHEIMER A CAMINHO DA CURA!

Na seção de Boas Notícias dessa quarta-feira uma excelente notícia e grande alenta na luta contra o Alzheimer. Veja a reportagem!

Prótese dos EUA restaura memória com sucesso em humanos

 – 

Por Só Notícia Boa

Imagem de capa para Prótese dos EUA restaura memória com sucesso em humanosFoto: Wake Forest Baptist Medical Center

Revolução na ciência. Cientistas tiveram sucesso no implante de uma prótese que ajuda a restaurar a memória de curto prazo entre 35% a 37%. É uma esperança para pacientes com Alzheimer.

O implante usa os padrões de memória da própria pessoa para facilitar a capacidade do cérebro de codificar e recordar essa memória.

O estudo-piloto dos cientistas do Wake Forest Baptist Medical Center e da Universidade do Sul da Califórnia, nos EUA, foi publicado no Journal of Neural Engineering no último dia 28.

“Esta é a primeira vez que os cientistas foram capazes de identificar o código do cérebro ou o padrão de memória do próprio paciente e, em essência, ‘escrever’ esse código para melhorar a memória existente, um importante primeiro passo para potencialmente restaurar a perda de memória”.

Palavras do principal autor do estudo, Robert Hampson, Ph.D., professor de fisiologia / farmacologia e neurologia na Wake Forest Baptist.

Alzheimer

O estudo se concentrou em melhorar a memória episódica, que é o tipo mais comum de perda de memória em pessoas com doença de Alzheimer, derrame e traumatismo craniano.

A memória episódica é uma informação nova e útil por um curto período de tempo, por exemplo, onde você estacionou seu carro em um determinado dia. Memória de referência são informações que são mantidas e usadas por um longo tempo, como o que é aprendido na escola.

Os cientistas usaram na pesquisa pacientes epiléticos do Wake Forest Baptist que faziam parte de um estudo cujo foco era encontrar as origens das convulsões no cérebro.

O estudo aproveitou os mesmos eletrodos já implantados cirurgicamente em várias partes do cérebro para realizar uma série de testes na pesquisa da prótese.

Como

Os pesquisadores usaram um sistema eletrônico de próteses baseado em um modelo matemático não-linear multiponto (MIMO) e influenciaram os padrões de disparo de múltiplos neurônios no hipocampo, uma parte do cérebro envolvida em fazer novas memórias em oito desses pacientes.

Primeiro, eles registraram os padrões neurais, ou “códigos”, enquanto os participantes do estudo estavam realizando uma tarefa de memória computadorizada.

Foram mostrada a eles uma imagem simples, como um bloco de cor. Depois a tela foi apagada e os pacientes convidados a identificar a imagem inicial que apareceu.

A equipe da USC, liderada pelos engenheiros biomédicos Theodore Berger, Ph.D., e Dong Song, Ph.D., analisaram as gravações a partir das respostas corretas e sintetizaram um código baseado em MIMO para o desempenho correto da memória.

A equipe da Wake Forest Baptist reproduziu o código para os pacientes enquanto eles realizavam a tarefa de recordação de imagens. Neste teste, o desempenho da memória episódica dos pacientes mostrou uma melhoria de 37 por cento em relação ao valor basal.

Em um segundo teste, os participantes mostraram uma imagem fotográfica altamente distinta e depois pediram para o paciente identificar a primeira foto.

Os testes de memória foram repetidos com imagens diferentes, enquanto os padrões neurais foram registrados durante o processo de teste para identificar e fornecer códigos de resposta correta.

NO passo seguinte, a equipe de Hampson mostrou aos participantes conjuntos de três fotos de cada vez, com fotos originais e novas incluídas nos cenários, e pediu que eles identificassem as fotos originais, que haviam sido vistas até 75 minutos antes.

Quando estimulados com os códigos de resposta correta, os participantes do estudo mostraram uma melhora de 35% na memória em relação aos valores basais.

Sucesso

“Nós mostramos que poderíamos explorar o conteúdo da própria memória do paciente, reforçá-lo e alimentá-lo de volta ao paciente”, disse Hampson.

“Mesmo quando a memória de uma pessoa é prejudicada, é possível identificar os padrões de disparo neural que indicam a formação correta da memória e separá-los dos padrões que estão incorretos. Podemos então alimentar os padrões corretos para ajudar o cérebro do paciente a formar novos memórias, não como um substituto para a função de memória inata, mas como um impulso para isso”.

Futuro

“Até o momento, estamos tentando determinar se podemos melhorar a habilidade de memória que as pessoas ainda têm. No futuro, esperamos poder ajudar as pessoas a guardarem memórias específicas, como onde moram ou como seus netos se parecem, quando a memória geral começa a falhar “.

O estudo é baseado em mais de 20 anos de pesquisas pré-clínicas sobre códigos de memória liderados por Sam Deadwyler, Ph.D., professor de fisiologia e farmacologia na Wake Forest Baptist, juntamente com Hampson, Berger e Song.

Antes dos novos testes, o trabalho pré-clínico aplicou o mesmo tipo de estimulação para restaurar e facilitar a memória em modelos animais usando o sistema MIMO, desenvolvido na USC.

A pesquisa foi financiada pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA (DARPA).

Fonte: ScienceDaily

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: ALZHEIMER A CAMINHO DA CURA!

BOAS NOTÍCIAS: FINALMENTE CIENTISTAS DESCOBREM A CAUSA GENÉTICA DO LÚPUS

Muito importante e interessante o artigo publicado hoje, aqui na coluna CIÊNCIAS, pois trata-se de uma descoberta extraordinária da ciência. Finalmente uma equipe internacional de pesquisadores identificou uma causa da doença autoimune lúpus dentro das mutações de DNA de um gene que detecta o RNA viral. Como essa é uma doença crônica e, atualmente, não tem cura, essa descoberta é considerada o grande e decisivo passo para a cura.

Cientistas descobrem causa genética do lúpus, uma doença autoimune crônica

Uma equipe internacional de pesquisadores identificou uma causa da doença autoimune lúpus dentro das mutações de DNA de um gene que detecta o RNA viral – descobertas que levarão ao desenvolvimento de novos tratamentos.

Atualmente não há cura para a doença autoimune crônica que causa inflamação em órgãos e articulações e afeta o movimento e a pele – às vezes com sintomas debilitantes e complicações que podem ser fatais.

O lúpus afeta cerca de um quarto de milhão de pessoas nos EUA e no Reino Unido, e os tratamentos atuais são predominantemente imunossupressores que funcionam diminuindo o sistema imunológico para aliviar os sintomas.

Mas cientistas relataram recentemente a realização de sequenciamento completo do genoma no DNA de uma criança espanhola chamada Gabriela, que foi diagnosticada com lúpus grave quando tinha 7 anos de idade. Um caso tão grave com início precoce dos sintomas é raro e indica uma única causa genética.

Em sua análise publicada em 27 de abril na Nature , os pesquisadores relatam encontrar uma única mutação pontual no gene TLR7. Por meio de referências dos EUA e do Hospital Shanghai Renji na China, eles identificaram outros casos de lúpus grave em que esse gene também foi mutado.

Para confirmar que a mutação causa lúpus, a equipe usou a edição de genes CRISPR para introduzi-la em camundongos. Esses camundongos desenvolveram a doença e apresentaram sintomas semelhantes, fornecendo evidências de que a mutação TLR7 era a causa. O modelo de camundongo e a mutação foram ambos nomeados ‘kika’ por Gabriela, a jovem que está sendo tratada no Centro de Imunologia Personalizada da Universidade Nacional Australiana.

“Tem sido um grande desafio encontrar tratamentos eficazes para o lúpus, e os imunossupressores atualmente usados ​​podem ter sérios efeitos colaterais e deixar os pacientes mais suscetíveis à infecção”, disse Carola Vinuesa , autora sênior, investigadora principal e líder do estudo. novo Laboratório de Autoimunidade no Instituto Francis Crick, onde continuará a pesquisa. “Houve apenas um único novo tratamento aprovado pelo FDA nos últimos 60 anos.”

“Esta é a primeira vez que uma mutação TLR7 demonstrou causar lúpus, fornecendo evidências claras de uma maneira pela qual essa doença pode surgir”.

Pode ser um pequeno número de pessoas com lúpus que apresentam variantes no próprio TLR7, mas muitos pacientes apresentam sinais de hiperatividade na via do TLR7. Ao confirmar uma ligação causal entre a mutação genética e a doença, os pesquisadores podem começar a desenvolver tratamentos mais eficazes.

A mutação que os pesquisadores identificaram faz com que a proteína TLR7 se ligue mais facilmente a um componente de ácido nucleico chamado guanosina e se torne mais ativa. Isso aumenta a sensibilidade da célula imunológica, tornando mais provável que ela identifique incorretamente o tecido saudável como estranho ou danificado e monte um ataque contra ele.

Curiosamente, outros estudos mostraram que mutações que fazem com que o TLR7 se torne menos ativo estão associadas a alguns casos de infecção grave por COVID-19, destacando “o delicado equilíbrio de um sistema imunológico saudável”.

10x mais provável em mulheres

O trabalho também pode ajudar a explicar por que o lúpus é cerca de 10 vezes mais frequente em mulheres do que em homens.

Como o TLR7 fica no cromossomo X, as fêmeas têm duas cópias do gene, enquanto os machos têm uma. Normalmente, um dos cromossomos X é inativo nas mulheres, mas nesta seção do cromossomo, o silenciamento da segunda cópia é muitas vezes incompleto. Isso significa que as mulheres com uma mutação nesse gene podem ter duas cópias funcionais.

“A identificação do TLR7 como a causa do lúpus neste caso incomumente grave encerrou uma odisseia diagnóstica e traz esperança para terapias mais direcionadas para Gabriela e outros pacientes com lúpus que provavelmente se beneficiarão dessa descoberta”, diz a Dra. autor do estudo.

Os pesquisadores agora estão trabalhando com empresas farmacêuticas para explorar o desenvolvimento ou o redirecionamento de tratamentos existentes, que visam o gene TLR7. E eles esperam que direcionar esse gene também possa ajudar pacientes com doenças relacionadas, como artrite reumatoide e dermatomiosite, que pertencem à mesma família ampla do lúpus.

Agora uma adolescente que mantém contato com a equipe de pesquisa, Gabriela expressou esperança de que a descoberta fará com que as pessoas com lúpus sintam que não estão sozinhas na luta. “Espero que a pesquisa continue e acabe em um tratamento específico que possa beneficiar tantos guerreiros lúpicos que sofrem desta doença.”

Fonte: Good News Network

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: FINALMENTE CIENTISTAS DESCOBREM A CAUSA GENÉTICA DO LÚPUS

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: DESSALINIZADOR PORTÁTIL TRANSFORMA ÁGUA DO MAR EM POTÁVEL COM O APERTAR DE UM BOTÃO

Um dessalinizador portátil é o destaque da coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE desta sexta-feira, que transforma água salgada em potável com o simples apertar de um botão. Convido você a ler o artigo completo a seguir e se inteirar sobre essa maravilhosa descoberta!

Transformando água do mar em água potável – com o apertar de um botão

Pesquisadores do MIT desenvolveram uma unidade portátil de dessalinização, pesando menos de 10 quilos, que pode remover partículas e sais para gerar água potável.

O dispositivo do tamanho de uma mala, que requer menos energia para funcionar do que um carregador de celular, também pode ser acionado por um pequeno painel solar portátil, que pode ser comprado online por cerca de US$ 50. Gera automaticamente água potável que excede os padrões de qualidade da Organização Mundial da Saúde. A tecnologia é empacotada em um dispositivo amigável que funciona com o apertar de um botão.

Ao contrário de outras unidades portáteis de dessalinização que exigem que a água passe pelos filtros, este dispositivo utiliza energia elétrica para remover partículas da água potável. A eliminação da necessidade de substituição de filtros reduz consideravelmente os requisitos de manutenção a longo prazo.

Isso pode permitir que a unidade seja implantada em áreas remotas e com recursos severamente limitados, como comunidades em pequenas ilhas ou a bordo de navios de carga marítimos. Também poderia ser usado para ajudar refugiados que fogem de desastres naturais ou por soldados que realizam operações militares de longo prazo.

“Este é realmente o culminar de uma jornada de 10 anos em que eu e meu grupo estivemos. Trabalhamos durante anos na física por trás dos processos individuais de dessalinização, mas colocar todos esses avanços em uma caixa, construir um sistema e demonstrá-lo no oceano, foi uma experiência realmente significativa e gratificante para mim ”, diz o autor sênior Jongyoon Han, professor de engenharia elétrica e ciência da computação e de engenharia biológica e membro do Laboratório de Pesquisa em Eletrônica (RLE).

Tecnologia sem filtro

As unidades de dessalinização portáteis disponíveis comercialmente normalmente exigem bombas de alta pressão para empurrar a água através dos filtros, que são muito difíceis de miniaturizar sem comprometer a eficiência energética do dispositivo, explica Yoon.

Em vez disso, sua unidade se baseia em uma técnica chamada  polarização de concentração de íons  (ICP), que foi iniciada pelo grupo de Han há mais de 10 anos. Em vez de filtrar a água, o processo ICP aplica um campo elétrico às membranas colocadas acima e abaixo de um canal de água. As membranas repelem partículas carregadas positiva ou negativamente – incluindo moléculas de sal, bactérias e vírus – à medida que passam. As partículas carregadas são canalizadas para uma segunda corrente de água que é eventualmente descarregada.

O processo remove sólidos dissolvidos e suspensos, permitindo que a água limpa passe pelo canal. Uma vez que requer apenas uma bomba de baixa pressão, o ICP usa menos energia do que outras técnicas.

Mas o ICP nem sempre remove todos os sais que flutuam no meio do canal. Assim, os pesquisadores incorporaram um segundo processo, conhecido como eletrodiálise, para remover os íons de sal restantes.

Yoon e Kang usaram o aprendizado de máquina para encontrar a combinação ideal de módulos ICP e eletrodiálise. A configuração ideal inclui um processo ICP de dois estágios, com água fluindo através de seis módulos no primeiro estágio e depois por três no segundo estágio, seguido por um único processo de eletrodiálise. Isso minimizou o uso de energia, garantindo que o processo permaneça autolimpante.

“Embora seja verdade que algumas partículas carregadas possam ser capturadas na membrana de troca iônica, se ficarem presas, apenas invertemos a polaridade do campo elétrico e as partículas carregadas podem ser facilmente removidas”, explica Yoon.

Eles encolheram e empilharam os módulos ICP e eletrodiálise para melhorar sua eficiência energética e permitir que eles se encaixassem em um dispositivo portátil. Os pesquisadores projetaram o dispositivo para não especialistas, com apenas um botão para iniciar o processo automático de dessalinização e purificação. Uma vez que o nível de salinidade e o número de partículas diminuem para limites específicos, o dispositivo notifica o usuário que a água é potável.

Os pesquisadores também criaram um aplicativo de smartphone que pode controlar a unidade sem fio e relatar dados em tempo real sobre consumo de energia e salinidade da água.

Testes de praia

Depois de executar experimentos de laboratório usando água com diferentes níveis de salinidade e turbidez (nublado), eles testaram o dispositivo em Carson Beach, em Boston.

Yoon e Kwon colocaram a caixa perto da costa e jogaram o tubo de alimentação na água. Em cerca de meia hora, o dispositivo encheu um copo de plástico com água potável.

“Foi um sucesso mesmo em sua primeira execução, o que foi bastante emocionante e surpreendente. Mas acho que a principal razão do nosso sucesso é o acúmulo de todos esses pequenos avanços que fizemos ao longo do caminho”, diz Han.

A água resultante superou as diretrizes de qualidade da Organização Mundial da Saúde e a unidade reduziu a quantidade de sólidos suspensos em pelo menos um fator de 10. Seu protótipo gera água potável a uma taxa de 0,3 litros por hora e requer apenas 20 watts de energia por litro .

“No momento, estamos impulsionando nossa pesquisa para aumentar essa taxa de produção”, diz Yoon.

Um dos maiores desafios de projetar o sistema portátil foi projetar um dispositivo intuitivo que pudesse ser usado por qualquer pessoa, diz Han.

Yoon espera tornar o dispositivo mais fácil de usar e melhorar sua eficiência energética e taxa de produção por meio de uma startup que planeja lançar para comercializar a tecnologia.

No laboratório, Han quer aplicar as lições que aprendeu na última década a questões de qualidade da água que vão além da dessalinização, como a detecção rápida de contaminantes na água potável.

“Este é definitivamente um projeto empolgante e estou orgulhoso do progresso que fizemos até agora, mas ainda há muito trabalho a fazer”, diz ele.

A pesquisa foi publicada online na revista Environmental Science and Technology .

Fonte: MIT

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: DESSALINIZADOR PORTÁTIL TRANSFORMA ÁGUA DO MAR EM POTÁVEL COM O APERTAR DE UM BOTÃO

BOAS NOTÍCIAS: AOS 90 ANOS DE IDADE A MÉDICA BRASILEIRA ANGELITA HABR-GAMA É RECONHECIDA COMO UM DOS CIENTISTAS MAIS INFLUTENTES DO MUNDO

O destaque desta quarta-feira na nossa coluna BOAS NOTÍCIAS é a médica cirurgiã geral do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), brasileira, Angelita Habr-Gama, que aos 90 anos de idade, foi reconhecida pela Universidade de Stanford (EUA) como uma das médicas que mais contribuíram para o desenvolvimento da Ciência no mundo. Então convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes dessa maravilhosa notícia.

Médica brasileira entra na lista dos cientistas mais influentes do mundo

 – 

Por Jéssica Souza
Imagem de capa para Médica brasileira entra na lista dos cientistas mais influentes do mundoA médica também foi a primeira mulher residente em cirurgia geral no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Foto: Divulgação

Aos 90 anos de idade, a médica cirurgiã, pesquisadora e professora emérita da Universidade de São Paulo (USP) Angelita Habr-Gama foi reconhecida pela Universidade de Stanford (EUA) como uma das médicas que mais contribuíram para o desenvolvimento da Ciência no mundo.

Angelita foi incluída entre os 2% de cientistas que mais se destacaram mundialmente, os mais citados em várias disciplinas, de acordo com dados de Stanford em parceria com a editora Elsevier BV.

“Esse reconhecimento é um estímulo para os médicos e cientistas brasileiros, um estímulo para progressão na carreira de outras pesquisadoras”, disse a médica gastroenterologista.

Referência mundial

Angelita entrou na faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo aos 19 anos, em 1952.

Ela traçou uma trajetória de conquistas e descobertas importantes para a ciência. Hoje, ela é referência mundial na especialidade em que atua, a coloproctologia, que estuda as doenças do intestino grosso, do reto e ânus.

A médica também foi a primeira mulher residente em cirurgia geral no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Pioneira, criou a disciplina de Coloproctologia na mesma instituição e foi a primeira a chefiar o departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da USP.

Mais de 200 artigos científicos publicados

Angelita é reconhecida por alterar o paradigma mundial adotado durante quase todo o século 20 quanto ao método para o tratamento do câncer do reto baixo.

Entre os principais feitos, a cirurgiã publicou mais de 200 artigos científicos em revistas indexadas no PubMed, fundou a Associação Brasileira de Prevenção do Câncer de Intestino (Abrapreci) e foi nomeada coordenadora no Brasil do Programa de Prevenção do Câncer Colorretal pela Organização Mundial de Gastroenterologia (Omge).

Passou 50 dias entubada em UTI, se curou da covid e voltou a fazer cirurgias

Sim, essa mulher poderosa venceu covid no ano passado e a primeira coisa que voltou a fazer foi trabalhar no que ama.

A médica foi internada em 18 de março. Na data, segundo dados do Ministério da Saúde, havia 428 casos do novo coronavírus no Brasil e quatro mortes confirmadas.

Quando ela recebeu alta, em 10 de maio, eram mais de 161,6 mil casos e 11 mil mortes pelo vírus no país.

Felizmente nossa cientista consagrada conseguiu escapar e agora recebe mais esse reconhecimento internacional! Parabéns!

A médica lançou recentemente a sua biografia. Foto: @habrgama

A médica lançou recentemente a sua biografia. Foto: @habrgama

Com informações de A Cidade On

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: AOS 90 ANOS DE IDADE A MÉDICA BRASILEIRA ANGELITA HABR-GAMA É RECONHECIDA COMO UM DOS CIENTISTAS MAIS INFLUTENTES DO MUNDO

TECNOLOGIA: PLATAFORMA ROBÓTICA DE POUSO E DECOLAGEM PORTÁTIL É A NOVIDADE PARA DRONES

Uma plataforma robótica de pouso e decolagem portátil e dobrável, de fácil manuseio e transporte, com auto nivelamento inercial que disponibiliza uma superfície plana independente do perfil e inclinação do terreno, projetado pela Terra Jump Drones é o destaque desta quinta-feira, aqui na coluna TECNOLOGIA. A Terra Jump Drones, empresa mineira especializada em escaneamento aéreo de estruturas em solo, desenvolveu uma tecnologia pioneira, que tem o objetivo de resolver alguns desafios enfrentados pelos pilotos desse tipo de aeronave. Então leia o artigo completo a seguir e conheça todos os detalhes!

Terra Jump Drones cria equipamento para melhorar decolagem e pouso de drones

Empreendedor busca investidores para produção de plataforma inteligente

Terra Jump Drones cria equipamento para melhorar decolagem e pouso de drones

 

A Terra Jump Drones, empresa mineira especializada em escaneamento aéreo de estruturas em solo, desenvolveu uma tecnologia pioneira, que tem o objetivo de resolver alguns desafios enfrentados pelos pilotos desse tipo de aeronave, relacionados à decolagem e à aterrissagem, etapas que expõem o equipamento a grandes riscos. A inovação é uma plataforma robótica de pouso e decolagem portátil e dobrável, de fácil manuseio e transporte, com auto nivelamento inercial que disponibiliza uma superfície plana independente do perfil e inclinação do terreno.

“Os drones são, muitas vezes, utilizados em terrenos desnivelados e de difícil acesso. Assim, os desafios enfrentados pelos pilotos remotos incluem desde a poeira, obstáculos e inclinação do terreno até interferências eletromagnéticas. Criamos uma superfície plana que elimina completamente esses obstáculos, garantindo segurança e eficiência ao voo”, destaca o especialista em gestão de Tecnologia da Informação, Anísio Júnior, sócio fundador da Terra Jump Drones.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o número de drones registrados no Brasil cresceu 11,3%, sendo que em 2021 foram 90.030 novos equipamentos no País

A novidade tem grande potencial de negócios no mercado de drones, que segue promissor e com previsão de continuar aquecido. É o que aponta o estudo Drone Market Report 2021-2026, publicado pela Drone Industry Insights (Droneii), empresa alemã especializada em pesquisas para esse setor. A projeção é de que o mercado movimente cerca de US$ 44,1 bilhões até 2024. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o número de drones registrados no Brasil cresceu 11,3%, sendo que em 2021 foram 90.030 novos equipamentos no País. Em 2020 foram registrados 79.858 veículos aéreos não tripulados. Em 2017, a quantidade de drones na América Latina, somente da marca DJI, maior fabricante mundial do setor, ultrapassou os 6 milhões.

Experiência transformada em inovação
À frente da Terra Jump desde 2016, juntamente com sua sócia Denise Diniz, arquiteta urbanista, especializada em Geoprocessamento, Anísio buscou aprimorar os conhecimentos sobre as RPAs (Aeronaves Remotamente Pilotadas – do inglês) e estruturar a empresa de maneira a criar processos bem definidos de planejamento, execução dos voos, processamento e entregas de qualidade aos clientes, seguindo a regulamentação vigente.

Motivado pelas pesquisas, uma de suas grandes criações foi um processo estruturado de precificação dos serviços executados por drone. “Essa era uma indefinição constantemente apresentada nas feiras e palestras do setor, que sempre participamos”, pontua.

Porém, como a veia do inventor sempre pulsou em Anísio, ele começou a se dedicar ao desenvolvimento de ferramentas e processos ainda não criados na área, entre eles, os softwares de automação e ferramentas de campo.

Foi nesse momento que ele se debruçou em estudos para solucionar as dificuldades enfrentadas no seu dia a dia, em serviços de campo realizados pela Terra Jump. “Trabalhar em um terreno acidentado e empoeirado, é sempre desafiador para se pousar um drone, sem que o risco da capotagem e impacto com obstáculos esteja presente. Já tive perdas financeiras devido a esses problemas. Foi aí que surgiu a ideia da Terra Landing, que possui uma inteligência eletrônica capaz de revolucionar o setor”, explica.

Para desenvolver a plataforma, Anísio se dedicou por mais de dois anos, a estudos e testes. O registro da patente da Terra Landing está em análise na Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO, sigla em inglês), entidade internacional de Direito Internacional Público com sede em Genebra, integrante do Sistema das Nações Unidas. O processo também está em andamento no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), autarquia federal vinculada ao Ministério da Economia, responsável pelo aperfeiçoamento, disseminação e gestão do sistema brasileiro de concessão e garantia de direitos de propriedade intelectual para a indústria. Agora, o inventor busca parceiros para viabilizar a produção e comercialização da plataforma em escala no mercado nacional e latino-americano.

A Terra Jump foi criada para oferecer soluções a partir de imagens aéreas, integração de sistemas, consultoria, treinamento e gestão, focada em atender às necessidades dos clientes e parceiros com qualidade, precisão e de acordo com a regulamentação do setor. Possui expertise para atuar na mineração, construção civil e agronegócio.

Em seu portfólio há serviços como mapeamento aéreo, levantamento planialtimétrico, medição de estruturas, ortomosaico modelos 3D para projetos e engenharia reversa, volumetria, georreferenciamento de imóveis rurais e urbanos, inspeção, imagens para análise ambiental, publicidade, dentre outros.

Fonte: Inforchannel

Continuar lendo TECNOLOGIA: PLATAFORMA ROBÓTICA DE POUSO E DECOLAGEM PORTÁTIL É A NOVIDADE PARA DRONES

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: AVES MIGRATÓRIAS ESTÃO DIMINUINDO DE TAMANHO AFETADAS PELAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Um estudo feito por pesquisadores norte-americanos mostrou que, devido às mudanças do clima, aves migratórias estão encolhendo e que as mais afetadas são as que possuem cérebros menores. Leia o artigo completo a seguir e conheça os detalhes dessa pesquisa.

Por conta das mudanças climáticas, pássaros estão cada vez menores

Estudo norte-americano mostrou que aves migratórias estão encolhendo devido às mudanças do clima e aquelas com cérebros menores são as mais afetadas

Katie Huntda CNN
14/02/2022 às 18:54
Pássaro é visto no Mirante da Janela, em Alto Paraíso de Goiás (GO)Pássaro é visto no Mirante da Janela, em Alto Paraíso de Goiás (GO)Marcelo Camargo/Agência Brasil

A cada primavera e outono, milhares de pássaros morrem quando colidem contra os arranha-céus de Chicago, que ficam em uma importante rota de migração das aves que seguem entre o Canadá e a América Latina.

Mas os pássaros não morrem em vão. Desde a década de 1970, muitos deles foram coletados na rua e catalogados pelo Museu Field da cidade. Esse conjunto único e detalhado de dados foi um sucesso científico, revelando que as aves migratórias norte-americanas parecem estar encolhendo em resposta às mudanças climáticas.

Um novo estudo desses dados destacou uma nuance importante nessa tendência: as aves que têm cérebros maiores, em relação ao tamanho do corpo, não estão encolhendo tanto quanto aquelas com cérebros menores.

O estudo é o primeiro a identificar uma ligação potencial entre a cognição e a resposta animal às mudanças climáticas provocadas pelos humanos, de acordo com os pesquisadores da Universidade de Washington em St. Louis, nos Estados Unidos.

“À medida que as temperaturas aumentam, os tamanhos dos corpos diminuem”, disse em nota à imprensa Justin Baldwin, estudante de doutorado na Universidade de Washington e autor do estudo publicado na revista Ecology Letters. “Mas as espécies de cérebros maiores estão diminuindo menos fortemente do que as espécies de cérebros pequenos”.

De acordo com a pesquisa, o tamanho relativo do cérebro é frequentemente considerado um indicador de flexibilidade comportamental em aves. A ideia é controversa quando aplicada a alguns outros animais, disse Baldwin, mas funciona para os pássaros.

“Tamanho relativo do cérebro se correlaciona com maior capacidade de aprendizagem, maior memória, maior expectativa de vida e dinâmica populacional mais estável”, disse Baldwin.

“Neste caso, uma espécie de ave de cérebro maior pode ser capaz de reduzir sua exposição a temperaturas mais altas, procurando microhabitats com temperaturas mais baixas, por exemplo”, disse ele.

Os pesquisadores analisaram informações de 70 mil pássaros que morreram após baterem contra os prédios em Chicago entre 1978 e 2016. Eles adicionaram medições de volume cerebral e dados de expectativa de vida de 49 das 52 espécies do banco de dados.

O estudo descobriu que aves que tinham cérebros grandes, em relação a seus corpos, como o pardal-canoro e outros pardais do Novo Mundo, tiveram reduções de tamanho corporal de cerca de apenas um terço daquelas observadas para pássaros com cérebros menores. As toutinegras da madeira (Parulidae) tendiam a ter cérebros menores e tendiam a encolher mais.

“Os autores desse estudo incrível compartilharam seus dados brutos […] o que nos permitiu adicioná-los e descobrir mais”, disse Baldwin por e-mail.

Metamorfose

Não se sabe exatamente por que as aves estão diminuindo de tamanho. O tamanho corporal maior ajuda os animais em lugares frios a se manterem aquecidos, enquanto um corpo menor retém menos calor.

Os pesquisadores descobriram que a envergadura das asas das aves pode ter aumentado para compensar corpos menores que produzem menos energia para as distâncias incrivelmente longas percorridas durante a migração.

Da mesma forma, outras pesquisas descobriram que alguns animais estão desenvolvendo bicos, pernas e orelhas maiores que lhes permitem regular melhor a temperatura corporal à medida que o planeta fica mais quente. Embora a maioria das mudanças morfológicas tenha ocorrido em aves, morcegos e musaranhos também foram afetados. As mudanças climáticas têm alterado até os corpos humanos.

No entanto, a redução do tamanho tem um custo potencial para uma ave, com um risco aumentado de ser vítima de predadores ou dificultar a competição por recursos com outras espécies de aves, disse em nota o coautor do estudo Carlos Botero, professor assistente de biologia da Universidade de Washington.

É neste contexto que ter um cérebro maior pode oferecer alternativas que não estão disponíveis para espécies de cérebro pequeno, disse ele.

“Uma das primeiras coisas que me salta à vista dessas descobertas é que já podemos ver que a mudança climática está tendo um efeito desproporcional em espécies que têm menos capacidade de lidar com a mudança ambiental por meio de seu comportamento”, disse Botero.

“Isso não significa que a mudança climática não esteja afetando os pássaros inteligentes […] ou que eles vão se sair bem. O que nossas descobertas sugerem é que a mudança climática pode ter um efeito muito mais forte sobre os pássaros menos inteligentes”.

Fonte: CNN Brasil

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: AVES MIGRATÓRIAS ESTÃO DIMINUINDO DE TAMANHO AFETADAS PELAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

TECNOLOGIA: DICA DE COMO COMPRAR MAIS BARATO NO EXTERIOR E RECEBER NO BRASIL

Nesta edição da coluna TECNOLOGIA estamos trazendo uma dica incrível de como comprar mais barato no exterior e receber no Brasil. A Nomad está à disposição não só para ser o caminho para você realizar suas compras internacionais, como também para te auxiliar nesses momentos. Ela pode encontrar opções mais acessíveis ou descobriu um produto que só está disponível no mercado internacional. Confira lendo o artigo completo a seguir e se beneficie dessa enorme vantagem.

Como comprar mais barato no exterior e receber no Brasil?

4 min de leitura
 PATROCINADO
Imagem de: Como comprar mais barato no exterior e receber no Brasil?

Os consumidores brasileiros geralmente gostam muito de opções práticas e confortáveis para realizar suas compras virtualmente, não é mesmo? Além disso, preços mais acessíveis e frete gratuito podem atrair ainda mais o interesse.

Agora imagine que você finalmente conseguiu encontrar opções mais acessíveis ou descobriu um produto que só está disponível no mercado internacional. O que fazer a partir desse ponto? Como realizar as conversões? Como avançar em todas as etapas da compra de um jeito mais ágil?

nomadAproveite para fazer compras internacionais com as ferramentas da Nomad. (Shutterstock/Reprodução)

Você não precisa se desesperar, pois a Nomad está à disposição não só para ser o caminho para você realizar suas compras internacionais, como também para te auxiliar nesses momentos. Quer saber mais? Então fique de olho em todos os detalhes que abordaremos ao longo deste texto!

Nomad: fazendo compras internacionais de um jeito descomplicado e econômico

Além de alguns produtos estarem com descontos arrasadores no mercado internacional, existem itens, geralmente eletrônicos, que só chegam ao Brasil depois de muito tempo de espera – e quando chegam. Se você não quer esperar pela disponibilidade em nosso país, garantir sua compra em lojas estrangeiras pode ser uma opção interessante.

Nesse contexto, a Nomad surge como uma facilitadora justamente porque oferece uma conta-corrente e de investimentos 100% americana, em dólar, com cartão internacional. Então ela funciona mesmo que você more no Brasil, pois com apenas seu RG, CNH ou passaporte brasileiro é possível realizar a abertura da conta. O melhor de tudo é que não há qualquer tipo de taxa para movimentação ou manutenção, e a abertura da conta-corrente é 100% gratuita e digital.

Além de realizar compras virtuais com o cartão digital gerado pela empresa, você também poderá receber um cartão de débito físico para quando estiver fora do Brasil, realizando a compra de dólares em cotação comercial, sem a inclusão de taxas comuns como Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e de conversão, com a possibilidade de realizar saques em até 20 países.

nomadBaixe o app da Nomad, cadastre-se e peça seu cartão para usufruir de todos os seus benefícios. (Nomad/Reprodução)

Para abrir sua conta, basta realizar o download do aplicativo da Nomad — disponível para iOS e Android — e fazer seu cadastro, fornecendo as informações requeridas pelo app. Vale destacar que, para isso, é preciso ter mais de 18 anos, endereço fixo no Brasil e fornecer dados de um documento oficial. Uma foto tirada na hora com boa iluminação também pode ser pedida, então não se acanhe!

Inclusive, é no momento de abertura da conta que tem um espaço para adicionar um cupom de convidado. E você, leitor do TecMundo, não ficaria sem esse benefício, certo? No seu cadastro, insira o cupom TECMUNDO. Assim, quando fizer sua remessa de, no mínimo, US$ 100 em até 15 dias da abertura da conta, você receberá US$ 15 de cashback direto na conta.

O processo de autorização para a abertura da conta não deve demorar muito. Portanto, uma vez realizado o cadastro, é só esperar para começar a desfrutar dos benefícios de compras internacionais.

Redirecionadores: como receber compras internacionais no Brasil?

Uma dúvida que pode surgir durante o processo de compras em lojas internacionais se refere ao recebimento das encomendas. Uma dica é utilizar redirecionadores, garantindo a entrega e uma maior economia sobre o frete dos produtos, levando em consideração, principalmente, que os preços são mais acessíveis do que aqueles oferecidos pelas lojas virtuais.

Você também pode pagar seu redirecionador diretamente com a Nomad, que até tem empresas parceiras para isso. Uma delas é a US Closer, que necessita de um cadastro prévio para funcionar plenamente. A partir disso, você conseguirá obter um endereço de entrega nos Estados Unidos de maneira gratuita.

nomadA US Closer é uma das parceiras da Nomad para enviar seus produtos para o Brasil. (iStock/Reprodução)

Dessa forma, no site da compra dos seus produtos, coloque o endereço fornecido pela US Closer, pois é neste redirecionador em que sua encomenda será enviada e, em seguida, os dados do cartão da Nomad.

Quando tudo já estiver com a US Closer, basta solicitar o envio ao Brasil. Inclusive, no site do redirecionador, antes de qualquer compra, é possível simular o frete para saber quanto você precisará gastar no final de tudo.

Se quiser um passo a passo e até ter algumas ideias de produtos que você pode adquirir nos Estados Unidos, é só conferir o vídeo abaixo.

Tudo o que a Nomad oferece

Ao abrir sua conta Nomad, você terá acesso a diversos serviços no aplicativo, desde realizar remessas de câmbio, ter um cartão internacional para compras virtuais ou físicas, fazer transferências entre contas americanas, receber pagamentos em dólar sem pagar taxas até fazer investimentos em carteiras compostas de exchange-traded fund (ETFs) e ações nos Estados Unidos.

Além disso, comprar com a Nomad é muito mais vantajoso e econômico do que com um cartão de crédito internacional convencional, já que as taxas são bem menores. Na Nomad, você faz remessas de câmbio de real para dólar na cotação comercial, com 1,1% de IOF e até 2% de spread. Este ainda pode reduzir, pois a Nomad tem um serviço chamado spread regressivo, em que, quanto mais dinheiro você depositar na conta-corrente, menos taxa de serviço você vai pagar, e ela pode chegar a até 1%. Essas taxas são cobradas por transação, ou seja, você as paga apenas no momento de realizar a sua remessa de câmbio.

Vale também reiterar que a Nomad serve como conta de investimento para aplicações nacionais e internacionais, sendo uma boa alternativa para quem quer se aventurar financeiramente. É possível inclusive adquirir ações de empresas específicas, como as do mundo da tecnologia.

Gostou dessas dicas? Então não deixe de aproveitá-las agora mesmo! Baixe a Nomad e aproveite os benefícios de ter uma conta-corrente internacional.

Fonte: TecMundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: DICA DE COMO COMPRAR MAIS BARATO NO EXTERIOR E RECEBER NO BRASIL

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O SONHO É COLOCAR ÁGUA, AR E LUZ SOLAR PARA CRIAR UM COMBUSTÍVEL

A amônia é a vedete da nossa edição desta quarta-feira da coluna ECOLOGIA  E MEIO AMBIENTE. Químicos da Universidade de Wisconsin  Madison descobriram uma nova maneira de converter amônia em gás nitrogênio, utilizando um processo que pode ser um passo para a substituição dos combustíveis à base de carbono pela amônia. Ao ler o artigo completo a seguir você vai entender como funciona o processo dessa incrível transformação.

Químicos descobrem nova maneira de aproveitar a energia limpa da amônia

Uma equipe de pesquisa da Universidade de Wisconsin  Madison identificou uma nova maneira de converter amônia em gás nitrogênio por meio de um processo que pode ser um passo para a substituição da amônia pelos combustíveis à base de carbono.

A descoberta desta técnica, que usa um catalisador metálico e libera, em vez de exigir, energia recebeu uma patente provisória da Wisconsin Alumni Research Foundation.

“O mundo atualmente funciona com uma economia de combustível de carbono”, explica Christian Wallen, autor do artigo e ex-pesquisador de pós-doutorado no laboratório do químico John Berry da UW-Madison. “Não é uma grande economia porque queimamos hidrocarbonetos, que liberam dióxido de carbono na atmosfera. Não temos como fechar o ciclo para um verdadeiro ciclo de carbono, onde poderíamos transformar o dióxido de carbono de volta em um combustível útil”.

Para avançar em direção à meta das Nações Unidas de que o mundo se torne neutro em carbono até 2050, os cientistas devem considerar maneiras ambientalmente responsáveis ​​de criar energia a partir de outros elementos que não o carbono, e a equipe da UW-Madison está propondo uma economia de energia de nitrogênio baseada em interconversões de nitrogênio e amônia.

Os cientistas ficaram entusiasmados ao descobrir que a adição de amônia a um catalisador metálico contendo o elemento semelhante à platina, rutênio, produzia nitrogênio espontaneamente, o que significa que não era necessária energia adicional. Em vez disso, esse processo pode ser aproveitado para produzir eletricidade, com prótons e gás nitrogênio como subprodutos. Além disso, o complexo de metal pode ser reciclado através da exposição ao oxigênio e usado repetidamente, um processo muito mais limpo do que o uso de combustíveis à base de carbono.

“Descobrimos que, não apenas estamos produzindo nitrogênio, estamos produzindo em condições completamente sem precedentes”, diz Berry, que é o professor de química Lester McNall e concentra seus esforços de pesquisa na química dos metais de transição. “Ser capaz de completar a reação de amônia a nitrogênio sob condições ambientais – e obter energia – é um grande negócio.”

A amônia foi queimada como fonte de combustível por muitos anos. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi usado em automóveis, e os cientistas hoje estão considerando maneiras de queimá-lo em motores como substituto da gasolina, principalmente na indústria marítima. No entanto, a queima de amônia libera gases tóxicos de óxido de nitrogênio.

A nova reação evita esses subprodutos tóxicos. Se a reação fosse alojada em uma célula de combustível onde a amônia e o rutênio reagem na superfície de um eletrodo, poderia produzir eletricidade de forma limpa sem a necessidade de um conversor catalítico.

“Para uma célula de combustível, queremos uma saída elétrica, não uma entrada”, diz Wallen. “Descobrimos compostos químicos que catalisam a conversão de amônia em nitrogênio à temperatura ambiente, sem qualquer voltagem aplicada ou produtos químicos adicionados. Este é o primeiro processo, até onde sabemos, a fazer isso.”

“Temos uma infraestrutura estabelecida para distribuição de amônia, que já é produzida em massa a partir de nitrogênio e hidrogênio no processo Haber-Bosch”, diz Michael Trenerry, estudante de pós-graduação e autor do artigo. “Esta tecnologia pode permitir uma economia de combustível livre de carbono, mas é metade do quebra-cabeça. Uma das desvantagens da síntese de amônia é que o hidrogênio que usamos para produzir amônia vem do gás natural e dos combustíveis fósseis.”

Essa tendência está mudando, no entanto, à medida que os produtores de amônia tentam produzir amônia “verde”, na qual os átomos de hidrogênio são fornecidos pela eletrólise da água neutra em carbono, em vez do processo Haber-Bosch, que consome muita energia.

À medida que os desafios da síntese de amônia forem superados, de acordo com Berry, haverá muitos benefícios em usar amônia como fonte de energia ou combustível comum. É compressível, como propano, fácil de transportar e fácil de armazenar. Embora já existam algumas células de combustível de amônia, elas, ao contrário desse novo processo, requerem energia adicional, por exemplo, primeiro dividindo a amônia em nitrogênio e hidrogênio.

Os próximos passos do grupo incluem descobrir como projetar uma célula de combustível que aproveite a nova descoberta e considerar maneiras ecológicas de criar os materiais iniciais necessários.

“Um dos próximos desafios em que gostaria de pensar é como gerar amônia a partir da água, em vez de gás hidrogênio”, diz Trenerry. “O sonho é colocar água, ar e luz solar para criar um combustível.”

Esta pesquisa é relatada na revista Nature Chemistry .

Fonte: Universidade de Wisconsin  Madison

Energia limpa a partir de amônia: descoberta da universidade é um passo em direção à economia livre de carbono

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O SONHO É COLOCAR ÁGUA, AR E LUZ SOLAR PARA CRIAR UM COMBUSTÍVEL

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: CIENTISTAS DESCOBREM QUE LEDS VERDES NAS REDES DE EMALHAR SALVAM VIDAS MARINHAS

Um estudo feito por biólogos marinhos demonstrou que LEDs verdes de US$ 8 afixados nas redes de emalhar dos pescadores foram suficientes para afastar grandes quantidades de animais marinhos como tartarugas, raias e tubarões dessas redes e impedi-los de serem vítimas. O artigo a seguir explica como eles chegaram a essa conclusão e detalha todas as as consequentes benesses dessa inteligente iniciativa. 

Luzes LED verdes simples salvam tubarões e tartarugas da captura acidental em redes de pesca

Pesca NOAA

Biólogos marinhos descobriram que LEDs verdes de US$ 8 afixados nas redes de emalhar dos pescadores foram suficientes para dissuadir grandes quantidades de animais marinhos como tartarugas, raias e tubarões de serem vítimas dessas redes.

Originalmente testados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica em tartarugas marinhas na costa do Havaí, eles estão se mostrando ainda mais eficazes na lula Humboldt e na família de elasmobrânquios que contém tubarões e raias.

Redes de emalhar são indiscriminadas, e se um pescador pegar um tubarão, uma lula Humboldt de um metro e meio de comprimento – conhecida em espanhol como o “Diabo Vermelho” – ou uma arraia indesejada, pode ser incrivelmente perigoso enredá-los sem matá-los diretamente. primeiro.

Denominada captura acessória, a captura de vida marinha não procurada representa 40% de todos os animais capturados com rede em todo o mundo e tem sido uma grande ameaça para tubarões, raias e tartarugas.

Jesse Senko, biólogo da Escola de Ciências da Vida da Universidade Estadual do Arizona, descobriu que apenas algumas luzes verdes reduziram a quantidade de elasmobrânquios e lulas capturados nas redes dos pescadores em 95% e 81%, respectivamente.

A importante tartaruga marinha também foi capturada com 51% menos frequência .

Além disso, mesmo espécies de peixes não cinegéticas evitaram a luz verde mais do que nas redes de controle apagadas.

“Ficamos surpresos com nossas descobertas”, disse um pesquisador à Reuters.

Em seu estudo publicado na Cell , Senko e o resto da equipe de pesquisa compararam 5.000 redes acesas com 5.000 redes apagadas na costa da Península de Baja, no México, onde várias espécies de tubarões e raias estão diminuindo devido à captura acidental, incluindo o diabo e arraias mantas.

De alguma forma, embora os peixes normais não cinegéticos tenham sido reduzidos, não houve diferença estatisticamente na quantidade de espécies cinegéticas capturadas nas redes acesas e apagadas, o que significa que não houve mudança na renda dos pescadores.

“Independentemente disso, o aumento da eficiência operacional e a redução no total de capturas acessórias podem justificar os custos para os pescadores que se convertem em redes iluminadas. Em casos de alta biodiversidade e importância para a conservação, governos e ONGs poderiam subsidiar sua adoção”, escreveu Senko.

“Em outras pescarias com redes de emalhar, estima-se que a iluminação da rede custe apenas US$ 16 a US$ 34 para evitar um evento de captura acidental de tartarugas marinhas. Incentivamos os profissionais de conservação, gestores de pesca e outras partes interessadas a trabalhar com a indústria para desenvolver novas tecnologias, fabricar internamente luzes LED e buscar novos métodos para aumentar a eficiência e a disponibilidade.”

Uma das reações inesperadas e bastante interessantes de reduzir essa captura acidental foi a quantidade de tempo que levou para puxar e desembaraçar as redes, economizando uma média de 63 minutos por viagem.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: CIENTISTAS DESCOBREM QUE LEDS VERDES NAS REDES DE EMALHAR SALVAM VIDAS MARINHAS

SAÚDE: SOLUÇÕES FANTÁSTICAS PARA A GASTRITE E REFLUXO, POR DR. MARCO MENELAU

No vídeo de hoje, aqui na coluna SAÚDE o grande protagonista é o simpático, competente e inteligente Dr. Marco Menelau, lá de Jaboatão dos Guararapes, que vai lhe dar dicas simples, mas extraordinárias para a cura total da sua gastrite e do seu refluxo. Por isso convido você a assistir ao vídeo completo a seguir e se libertar de vez da dependência dos remédios e de seus efeitos colaterais e ganhar muito mais saúde.

Fonte:

Continuar lendo SAÚDE: SOLUÇÕES FANTÁSTICAS PARA A GASTRITE E REFLUXO, POR DR. MARCO MENELAU

BOAS NOTÍCIAS: UMA TECNOLOGIA REVOLUCIONÁRIO FAZ HOMEM PARAPLÉGICO VOLTAR A ANDAR

Após uma lesão completa na medula espinhal, devido um acidente de moto em 2017, um homem que perdeu a capacidade de andar. O italiano Michel Roccati participou de um ensaio clínico para ter um dispositivo de eletrodo implantado em sua medula espinhal. Ele está dando seus primeiros passos nesta semana graças a uma tecnologia revolucionária. Leia o artigo completo a seguir e saiba qual é essa incrível tecnologia!

Um homem que perdeu a capacidade de andar após um acidente de moto em 2017 está dando seus primeiros passos nesta semana graças a uma tecnologia revolucionária. (vídeo abaixo)

Após uma lesão completa na medula espinhal, o italiano Michel Roccati participou de um ensaio clínico para ter um dispositivo de eletrodo implantado em sua medula espinhal, que agora permite que ele fique de pé e caminhe com a ajuda de um andador.

Roccati e outros dois homens tiveram esse dispositivo eletrodo implantado diretamente na área entre as vértebras e a membrana da medula espinhal, que recebe correntes de um marca passo, implantado sob a pele do região do abdômen: “Estou livre”, disse Roccati. “Eu posso andar onde eu quiser.”

Os resultados do estudo foram publicados nesta segunda-feira na revista Nature Medicine.

“Em um único dia, programas de estimulação específicos de atividade permitiram que esses três indivíduos ficassem de pé, andassem, andassem de bicicleta, nadassem e controlassem os movimentos do tronco”, disse o estudo publicado na revista.

Experimento clínico

Roccati foi um dos três homens entre 29 e 41 anos a participar do ensaio clínico, conhecido como ensaio STIMO. Ele foi conduzido pela Dra. Jocelyne Bloch do Hospital Universitário de Lausanne e Grégoire Courtine do Instituto Federal Suíço de Tecnologia.

O estudo identifica a tecnologia por trás do dispositivo como estimulação elétrica epidural (EES), que visa segmentos da coluna vertebral e “restaura a caminhada em pessoas com lesão na medula espinhal”.

Com a ajuda de um software em um tablet, pesquisadores, assim como os próprios pacientes, conseguiram enviar pulsos elétricos para ativar músculos anteriormente paralisados.

Recuperação mais rápida

Anteriormente, as pessoas que estavam completamente paralisadas, mas mantinham a sensação, só eram capazes de andar novamente após vários meses de reabilitação intensiva por meio de estimulação elétrica na medula espinhal, mas o estudo STIMO mostrou resultados muito mais rápidos.

Dentro de uma semana de suas cirurgias, todos os três participantes do estudo puderam andar de forma independente com o uso de suporte de peso corporal de barras paralelas e um cinto de segurança.

“Pela primeira vez, temos não apenas efeito imediato – embora o treinamento ainda seja importante – mas também indivíduos sem sensação, sem movimento algum, foram capazes de recuperar a posição e andar independentemente do laboratório”, disse Courtine.

Quando chega para o público

Agora, a equipe responsável pelo STIMO espera expandir para um ensaio clínico maior nos EUA, mas levará mais três a quatro anos para que a tecnologia se torne comercialmente disponível.

Em uma coletiva de imprensa na semana passada, os pesquisadores anunciaram que a Food and Drug Administration dos EUA aprovou uma designação de “dispositivos inovadores” para acelerar o processo.

Assista ao vídeo –

Com informações do Yahoo Newscientist 

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: UMA TECNOLOGIA REVOLUCIONÁRIO FAZ HOMEM PARAPLÉGICO VOLTAR A ANDAR

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: PLÁSTICOS NÃO RECICLÁVEIS AGORA VIRAM BLOCOS DE CONSTRUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO

A cada dia existem mais empresas preocupadas com a preservação da natureza. Uma delas, a ByFusion de Los Angeles, está provando que os aterros não precisam ser escavados para plásticos, se alguém puder simplesmente esmagar o suficiente deles em um bloco semelhante ao Minecraft. São blocos de construção novos, compostos e ridiculamente durável. Peço que leia o artigo completo a seguir para conhecer os detalhes dessa incrível inovação.

Nova empresa transforma 100 toneladas de plástico não reciclável em blocos de construção para construção

Reciclar nem sempre significa separar quimicamente as coisas em partes componentes ou encontrar uma nova vida para um objeto antigo. Uma startup sediada em Los Angeles está provando que os aterros não precisam ser escavados para plásticos, se alguém puder simplesmente esmagar o suficiente deles em um bloco semelhante ao Minecraft.

De fato, 103 toneladas de plásticos não recicláveis ​​foram desviadas do sepultamento desde que a empresa foi fundada, tudo por meio das máquinas patenteadas da ByFusion conhecidas como “Blockers”. Os bloqueadores têm um design simples, mas engenhoso. Eles trituram o plástico e, em seguida, aplicam a massa multiplicada pela aceleração repetidamente, até que o “plástico não reciclável” seja tão esmagado que se funde.

Os plásticos compostos melhoraram o padrão de vida mundial, mas muitas vezes tendem a não ser recicláveis.

Muitas mentes estão tentando desenvolver métodos térmicos ou químicos para separar os polímeros desses materiais para permitir que sejam reciclados. A ByFusion evitou esse problema cortando esse intermediário e simplesmente transformando o material como está em um bloco de construção novo, composto e ridiculamente durável.

Chamados de “ByBlocks”, eles têm um formato simples de 16x8x8 e podem ser usados ​​para construir pontos de ônibus, cercas, muros de contenção, muros de cortina, terraços públicos e muito mais.

A operação de serviço completo da ByFusion em LA pode processar 450 toneladas de plástico por ano em blocos e espera instalar mais 12 bloqueadores em breve.

Eles fizeram parcerias com cidades de todo o país, da ilha de Kauai a Boise, em Idaho, para colocar o maior número de bloqueadores nas mãos de pessoas que desejam usá-los.

ByFusion 

Uma grande vantagem dos Bloqueadores é sua indiscriminação; eles transformam todo tipo de plástico, até mesmo redes de pesca, em blocos com as mesmas propriedades materiais. A única coisa que eles não podem enfrentar é poliestireno ou isopor.

ByFusion 

Nem uma onça de cola adesiva, argamassa ou qualquer tipo de substância extra é usada. Se 22 libras de plástico entrarem, um bloco de 22 libras sairá.

As máquinas vêm em dois tamanhos, um para a indústria e outro para a comunidade. O último vem em um contêiner de transporte, enquanto o primeiro apresenta uma série de bloqueadores para empresas que realmente produzem os resíduos plásticos.

ByFusion 

Assista a uma comparação de durabilidade entre os ByBlocks e os blocos de cimento ocos clássicos e veja a diferença.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: PLÁSTICOS NÃO RECICLÁVEIS AGORA VIRAM BLOCOS DE CONSTRUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA: A VERSÃO FINAL DO TESLA CYBERTRUCK APARECE EM IMAGENS VAZADAS E CAUSA FRISSON

Um verdadeiro furo de reportagem é o destaque da nossa coluna TECNOLOGIA desta quinta-feira. A picape elétrica da montadora de Elon Musk, a Tesla Cybertruc, foi flagrada sem nenhum disfarce em imagens vazadas nessa segunda-feira (24). Parece ser a versão final que será lançada em 2023. Então convido você a ler o artigo completo a seguir e conheça os detalhes desse incrível lançamento.

Tesla Cybertruck: versão final do carro aparece em imagens

1 min de leitura
Imagem de: Tesla Cybertruck: versão final do carro aparece em imagensImagem: Cybertruck Owner’s Club/Reprodução

O lançamento da Tesla Cybertruck já foi adiado várias vezes, frustrando os interessados em comprar a picape elétrica da montadora de Elon Musk. Porém, imagens vazadas nessa segunda-feira (24) podem ser um indício de que o veículo finalmente esteja perto de chegar às ruas.

Nas imagens postadas no fórum Cybertruck Owner’s Club, a caminhonete futurista é mostrada em sua possível versão de produção, sem qualquer disfarce e algumas mudanças em relação ao protótipo revelado em 2019. Uma delas é a presença do limpador de para-brisa, em peça única e posicionada na vertical.

A peça enorme, que havia aparecido somente em patentes da fabricante, fica do lado do motorista e parece ser capaz de se estender por todo o para-brisa, agora ligeiramente curvado em vez de totalmente plano, como no conceito. O uso de um sistema de limpador eletromagnético não está descartado.

Outro equipamento flagrado no vídeo e nas fotos feitas durante um evento com trabalhadores da fábrica da Tesla é o retrovisor externo da Cybertruck. Musk e sua equipe de engenheiros queriam um veículo sem espelhos laterais, algo não permitido pelos reguladores de segurança, mas projetaram peças fáceis de remover caso possam ser substituídas por câmeras, futuramente.

Sem maçanetas

As maçanetas das portas da picape da Tesla não aparecem nas imagens, reforçando uma ideia antiga da fabricante. Há algum tempo, a companhia disse que a versão final do veículo iria reconhecer o proprietário se aproximando e abriria a porta automaticamente, sem a necessidade de mexer na maçaneta.

Vale destacar ainda as rodas com design semelhante ao usado no Model 3 e sem as tampas aerodinâmicas mostradas no protótipo e algumas pequenas mudanças na dianteira. Entre elas, há um capô mais curto e para-choque de plástico aparentemente maior, protegendo a caminhonete de pequenos impactos.

A previsão mais recente é de que o lançamento da Tesla Cybertruck ocorra em 2023.

Fonte: Tecmundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: A VERSÃO FINAL DO TESLA CYBERTRUCK APARECE EM IMAGENS VAZADAS E CAUSA FRISSON

SAÚDE: SAIBA PORQUE REMÉDIOS E REDUÇAO DO SAL NÃO RESOLVE O MAL DA HIPERTENSÃO

No vídeo de hoje, aqui na coluna SAÚDE você vai assistir uma aula super esclarecedora do Dr. Samuel Dalle Laste, onde ele explica porque tomar remédio e diminuir o sal não resolve o problema de quem tem pressão alta. Ele fala sobre a forma certa de tratar a hipertensão arterial. Então sente logo na sua poltrona, dê um play e comece logo a se livrar dos remédios!

Fonte:

Continuar lendo SAÚDE: SAIBA PORQUE REMÉDIOS E REDUÇAO DO SAL NÃO RESOLVE O MAL DA HIPERTENSÃO

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: A LOGÍSTICA REVERSA TRANSFORMA VIDRO EM AREIA EM NOVA ORLEANS E EVITA A EROSÃO COSTEIRA

Uma reciclagem reversa bastante original é o destaque desta quarta-feira, aqui na coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE. Em Nova Orleans a empresa Glass Half Full investe no maior programa de reciclagem reversa do mundo, transformando vidro em areia para evitar erosão costeira. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer essa incrível iniciativa!

O maior programa de reciclagem de base do mundo transforma vidro em areia para evitar a erosão costeira em Nova Orleans

Copo meio cheio

 

Foi durante uma conversa sobre uma garrafa de vinho, que eles sabiam que simplesmente acabaria em um aterro sanitário, que dois moradores de Nova Orleans começaram seu próprio serviço de reciclagem de vidro sem fins lucrativos.

No que parece um acéfalo, a dupla coleta garrafas de vidro e as tritura em areia super macia para usar para alívio de desastres, construção ecológica e até mesmo vidro novo.

A Glass Half Full está enfrentando o problema de que centenas de municípios nos EUA pararam de oferecer reciclagem de vidro, entre eles sua cidade natal, Nova Orleans. Seus esforços os levaram a receber recentemente o prêmio The Most Innovative Program da Keep Louisiana Beautiful Conference.

Os EUA estão se afastando da reciclagem de vidro na calçada porque muitas vezes o vidro que recebem está contaminado ou se desfaz e atua como contaminante em outros fluxos de resíduos, como metal e papel.

Se a responsabilidade for reciclada, o vidro é 100% reutilizável, mas, apesar disso, apenas um quarto do vidro nos EUA é reciclado.

Uma nova visão

Copo meio cheio 

Entre no Glass Half Full, o maior programa de reciclagem de base do mundo, financiado principalmente por doações. Eles coletam o vidro da calçada das empresas ou de seus pontos de entrega especificados e os levam para a instalação de processamento.

Depois disso, o vidro é separado, limpo de objetos de metal e cortiça, pulverizado e peneirado em areia das respectivas cores que empilham em sacos de areia, aquecem em novos objetos de vidro ou vendem para eco-construção.

Atualmente, o Glass Half Full está com 90% do caminho para terminar sua campanha de arrecadação de fundos para expandir suas operações.

“Um único pedaço de vidro em sua lixeira no NOLA fará com que toda a carga seja enviada para o aterro, onde nunca se decomporá”, escreve Glass Half Full. “Nova Orleans desperdiça milhões de dólares em impostos… importando milhões de quilos de areia. Estamos prevenindo essas práticas desnecessárias, dispendiosas e dispendiosas, fornecendo uma alternativa sustentável”.

Mas eles veem sua areia como tendo muito mais potencial do que criar mais garrafas de vinho.

Eles esperam ajudar a restaurar a costa da Louisiana com o vidro reciclado em meio à escassez mundial de areia. A dragagem de areia é um processo extremamente trabalhoso e prejudicial aos ecossistemas ribeirinhos e de outros ecossistemas próximos ao local da mineração.

“A areia é uma ferramenta crucial para reconstruir as ilhas-barreira e os bancos de areia que protegem nossa costa de tempestades tropicais e furacões”, escrevem eles, apontando que muitos dos sistemas de prevenção de inundações que a Louisiana construiu ao longo dos anos impedem que os sedimentos fluam para o Golfo. e outros ecossistemas costeiros.

“A devolução de sedimentos às zonas úmidas combate a erosão e promove o retorno da folhagem nativa e da vida selvagem, o que acabará fortalecendo a economia da Louisiana e preservando nosso suprimento de alimentos.”

Se você mora em Nova Orleans e deseja se envolver ou reciclar seu copo, todas as informações do programa podem ser encontradas nas perguntas frequentes sobre o Copo Meio Cheio. 

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: A LOGÍSTICA REVERSA TRANSFORMA VIDRO EM AREIA EM NOVA ORLEANS E EVITA A EROSÃO COSTEIRA

TECNOLOGIA: PELA PRIMEIRA VEZ UM MÓDULO LUNAR DETECTA ÁGUA NA LUA

A TECNOLOGIA chinesa permitiu, pela primeira vez, que u módulo lunar Chang E-5 detectasse água na lua. De acordo com a emissora estatal chinesa, CGTN, a espaçonave pousou em um depósito “jovem” de basaltos provenientes dos mares lunares. Portanto, convido você para ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes desta incrível descoberta!

Módulo lunar chinês detecta água na Lua pela primeira vez

1 min de leitura
Imagem de: Módulo lunar chinês detecta água na Lua pela primeira vezImagem: CNSA

módulo lunar chinês Chang’E-5, presente na Lua desde o início de dezembro, detectou água na superfície do satélite pela primeira vez na história. Segundo a emissora estatal da China, CGTN, a espaçonave pousou em um depósito “jovem” de basaltos provenientes dos mares lunares, localizado em latitude médio-alta, e extraiu 1.731 gramas de amostras. O espectrômetro mineralógico lunar (LMS) detectou 120 partes por milhão (ppm) de água na amostra.

Esse teor de água é mensurado uma vez que a molécula de hidroxila é absorvida, a uma frequência de cerca de três micrômetros. O processo revelou, em outra rocha localizada próximo ao local, um teor de 180 ppm. Todos os resultados foram publicados na revista científica Science Advances, na sexta-feira (7).

Segundo a equipe de pesquisa liderada pelos professores Lin Yangting e Lin Honglei, do Instituto de Geologia e Geofísica da Academia Chinesa de Ciências (IGGCAS), a exploração feita in loco pela sonda Chang’E-5 revelou sinais de água em dados espectrais de refletância da superfície lunar. Os cientistas concluíram que o baixo teor do regolito sugere a desgaseificação do reservatório basáltico abaixo do local de pouso da espaçonave.

A busca de água na Lua

Fonte: Lin Honglei et al./Divulgação.Fonte: Lin Honglei et al./Divulgação.Fonte:  Lin Honglei et al. 

Depois de várias missões terem detectado sinais de hidratação na superfície lunar no final dos anos 2000, a NASA confirmou, em outubro de 2020, a existência da molécula de água – H2O – em áreas da Lua iluminadas pelo sol. No entanto, a descoberta não foi registrada na Lua, mas a bordo de um Boeing 747SP que abriga o Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha da NASA (SOFIA).

Até agora, a água nunca havia sido detectada diretamente na Lua por nenhum veículo nem sonda lunar, o que atesta o ineditismo da descoberta chinesa. Segundo os cientistas, a detecção in loco dos sinais de água na superfície lunar pela sonda Chang’E-5 fornece novas evidências à questão da ausência de água na Lua.

De acordo com os pesquisadores, o vento solar foi o responsável por uma maior “umidade” do solo lunar, pois trouxe o hidrogênio, que compõe a água. Para eles, a diferença de 60 ppm verificada entre as amostras de regolito e rocha pode ter origem no interior lunar, o que só pode ser atestado por uma sonda in loco, diz Lin Honglei.

ARTIGO Science Advances: doi.org/10.1126/sciadv.abl9174

Fonte: TecMundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: PELA PRIMEIRA VEZ UM MÓDULO LUNAR DETECTA ÁGUA NA LUA

BOAS NOTÍCIAS: UM TRANSPLANTE FANTÁSTICO E UMA CORAGEM MUITO MAIOR TRADUZIDO EM VIDA

Uma cirurgia de alto risco envolvendo o transplante do coração de um porco para um homem é o destaque desta quarta-feira, aqui na coluna BOAS NOTÍCIAS. Cirurgiões da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, fizeram um procedimento inédito no mundo. Eles transplantaram o coração de um porco geneticamente modificado em um homem que tem uma doença terminal e morreria sem o procedimento. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes dessa fantástica operação.

Médicos fazem 1º transplante com coração de porco para humano

Pela primeira vez, médicos conseguiram fazer um transplante de coração de porco para um humano vivo.

A esperança dos cientistas é que esse tipo de tecnologia venha a abrir portas para facilitar os transplantes entre animais e humanos no futuro, diminuindo a fila de pessoas que precisam de um novo órgão.

O paciente, David Bennett, tem uma doença terminal e morreria sem o procedimento, por isso ele decidiu arriscar. A cirurgia, feita na Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, durou oito horas.

O coração veio de um porco geneticamente modificado para não apresentar algumas substâncias que causam rejeição em humanos, além de outras características para encaixar perfeitamente no paciente. Os médicos comemoraram, mas com cautela.

“Está funcionando e parece normal. Estamos muito animados, mas não sabemos o que o amanha vai trazer. Isso nunca foi feito antes”, explica Bartley Griffith, diretor do programa de transplante da Universidade, em entrevista ao jornal The New York Times.

Em outubro de 2021, outro time de médicos americanos conseguiu fazer um transplante de fígado de porco para humano, mas o paciente estava com morte cerebral.

Procedimento de risco

O paciente David decidiu apostar no procedimento inédito por falta de opções.

“Eu quero viver. Sei que é um tiro no escuro, mas é minha última chance”, disse, antes do procedimento, aos profissionais envolvidos na cirurgia.

Ele já tinha esgotado todos os tratamentos possíveis e estava muito doente para se qualificar para um transplante tradicional.

Griffith, que é o responsável pelo estudo, conta que sugeriu o procedimento a David em dezembro, mas não sabia se o paciente estava entendendo como seria a cirurgia. “Foi quando ele perguntou se iria grunhir”, lembra o médico.

O filho de David também não acreditou que o pai estava falando sério quando contou sobre o coração de porco.

“Ele estava no hospital há mais de um mês, e eu sei que é normal que os pacientes entrem em delírio. Pensei que não havia chance de isso acontecer”, conta.

Durante a cirurgia, os médicos perceberam que o coração não cabia perfeitamente, e tiveram que fazer algumas modificações na hora para fazer o órgão funcionar corretamente.

David deve ser desligado da máquina na quinta-feira (13/1).

Segundo os médicos, o órgão está funcionando como esperado e, no momento, já faz a maior parte do trabalho. David está sendo monitorado para qualquer sinal de rejeição do órgão, e infecções.

Cautela

Apesar do sucesso, os médicos pedem cautela. É preciso acompanhar o desenvolvimento do paciente — David está acordado, mas ligado a uma máquina que ajuda o coração a bater corretamente, o que é normal para pessoas que passam por esse tipo de procedimento.

“É importante ter perspectiva e entender que demora muito tempo para amadurecer uma tecnologia como esta”, explica David Klassen, chefe médico da United Network for Organ Sharing, uma organização americana que promove os transplantes.

Com informações do Metrópoles

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: UM TRANSPLANTE FANTÁSTICO E UMA CORAGEM MUITO MAIOR TRADUZIDO EM VIDA

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: CIENTISTAS DE CINGAPURA DESCOBREM UMA NOVA FORMA DE EMBALAR ALIMENTOS MAIS DURÁVEL E MAIS SEGURA PARA A SAÚDE

Um novo tipo de embalagem para alimentos que pode prolongar a validade e evitar intoxicação alimentar é o destaque da edição desta sexta-feira, aqui na coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE do Blog do Saber. Então leia o artigo completo a seguir e conheça esse novo método de conservação dos alimentos desenvolvido por uma equipe de pesquisadores de Cingapura. 

Novo pacote inteligente pode tornar a intoxicação alimentar uma coisa do passado e é ecologicamente correto

Uma nova forma ‘inteligente’ de embalagem pode erradicar a intoxicação alimentar, de acordo com um novo estudo.

Os cientistas dizem que ele mata insetos nocivos – como E.coli, Salmonella e listeria – mantendo a carne, o peixe, as frutas e os vegetais frescos por mais tempo.

A embalagem impermeável também pode ajudar a salvar o planeta, reduzindo o desperdício, segundo a equipe de pesquisadores. Parece plástico, mas é biodegradável.

A co-líder do projeto, Professora Mary Chan, da Universidade Tecnológica de Nanyang, Cingapura, disse: “Esta invenção serviria como uma opção melhor na indústria de alimentos.

“Ele demonstrou qualidades antimicrobianas superiores no combate a uma miríade de bactérias e fungos relacionados com alimentos que podem ser prejudiciais aos humanos.

“A liberação inteligente de antimicrobianos só ocorre quando há presença de bactérias ou alta umidade.

“Ele fornece proteção quando necessário – minimizando assim o uso de produtos químicos e preservando a composição natural dos alimentos embalados.”

O material transparente é feito de amido, um tipo de proteína de milho chamada zeína, e outros biopolímeros derivados naturalmente.

Ele também é infundido com um coquetel de compostos antimicrobianos encontrados nas plantas.

Eles incluem óleo de tomilho, uma erva comum usada na culinária, e ácido cítrico encontrado em laranjas e toranjas.

Em experimentos, pequenas quantidades só foram liberadas quando expostas à umidade ou enzimas de bactérias e fungos que contaminam os alimentos.

Isso garante que a embalagem possa resistir a várias exposições – e durar meses.

Os produtos químicos destroem qualquer bactéria que cresça na superfície – bem como no próprio produto.

Os morangos permaneceram frescos por sete dias antes de desenvolverem mofo – três dias a mais do que os equivalentes em caixas plásticas convencionais.

O co-líder do projeto, Prof Philip Demokritou, da Escola de Saúde Pública Harvard TH Chan, em Boston, disse: “A segurança alimentar e o desperdício se tornaram um grande desafio para a sociedade de nossos tempos, com imenso impacto econômico e de saúde pública que compromete a segurança alimentar.

“Uma das maneiras mais eficientes de aumentar a segurança alimentar e reduzir a deterioração e o desperdício é desenvolver materiais de embalagem de alimentos biodegradáveis ​​e não tóxicos eficientes.

“Neste estudo, usamos compostos derivados da natureza, incluindo biopolímeros, solventes não tóxicos e antimicrobianos inspirados na natureza, e desenvolvemos sistemas escaláveis ​​para sintetizar materiais antimicrobianos inteligentes.

“Eles podem ser usados ​​não apenas para melhorar a segurança e qualidade dos alimentos, mas também para eliminar os danos ao meio ambiente e à saúde e reduzir o uso de plásticos não biodegradáveis ​​em nível global e promover sistemas agroalimentares sustentáveis.”

SWNS

A indústria de embalagens é a grande consumidora de plásticos sintéticos derivados de combustíveis fósseis.

É responsável pela maior parte dos resíduos plásticos que poluem o meio ambiente.

Peter Barber, CEO da ComCrop, uma empresa de Cingapura pioneira na agricultura urbana em telhados, disse: “O material de embalagem de alimentos da NTU-Harvard Chan School serviria como uma solução sustentável para empresas como nós, que desejam reduzir o uso de plástico e abraçar alternativas mais verdes.

“À medida que a ComCrop busca aumentar o produto para impulsionar a capacidade de produção de alimentos de Cingapura, o volume de embalagens de que precisamos aumentará em sincronia, e mudar para um material como esse nos ajudaria a ter o dobro do impacto.

“As propriedades antimicrobianas da embalagem, que poderiam estender a vida útil de nossos vegetais, nos serviriam bem.

“O material de embalagem é uma promessa para a indústria, e estamos ansiosos para aprender mais sobre a embalagem e, possivelmente, adotá-la para nosso uso algum dia.”

O professor Chan disse que isso tem implicações enormes – servindo como uma alternativa ecologicamente correta.

O objetivo é substituir as embalagens plásticas convencionais pelo novo material, que também dobrará o prazo de validade dos produtos.

O professor Chan disse: “Os vegetais são uma fonte de desperdício porque, mesmo se forem refrigerados, continuarão a respirar, levando à deterioração depois de uma ou duas semanas.

“Com a embalagem antimicrobiana, há uma chance de estender sua vida útil – e também fazer com que os vegetais e frutas pareçam frescos com o tempo”.

A equipe espera expandir a tecnologia com um parceiro industrial – com o objetivo de comercialização dentro de alguns anos.

Os resultados foram publicados na revista ACS Applied Materials & Interfaces.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: CIENTISTAS DE CINGAPURA DESCOBREM UMA NOVA FORMA DE EMBALAR ALIMENTOS MAIS DURÁVEL E MAIS SEGURA PARA A SAÚDE

TECNOLOGIA: UMA TELA DE TV LAMBÍVEL É A MAIS NOVA INVENÇÃO QUE VEM LÁ DO JAPÃO

Uma invenção incrível deum cientista japonês é o destaque desta edição da coluna TECNOLOGIA desta quinta-feira. Homei Miyashita, pesquisador e professor da Universidade de Meiji (Japão) criou um protótipo de televisão com uma tela literalmente “lambível” cheia de sabores. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes dessa invenção incrível!

Cientista japonês cria tela de TV para lamber que reproduz sabores

1 min de leitura
Imagem de: Cientista japonês cria tela de TV para lamber que reproduz saboresImagem: YouTube

Após quase dois anos em casa por conta da pandemia causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, o pesquisador e professor da Universidade de Meiji (Japão), Homei Miyashita, disse que sente saudades dos restaurantes ao redor do mundo e, por isso, teve uma ideia: criou um protótipo de televisão com uma tela “lambível” cheia de sabores.

Em outras palavras, ele desenvolveu um aparelho que oferece o sabor da comida que está sendo exibida na TV — é aí que entra a lambida. Por exemplo, em uma demonstração, uma das alunas de Homei experimenta chocolate diretamente da tela.

Como funciona a tela “lambível”?

Nomeado de Taste The TV (TTTV), o aparelho funciona quase como um acessório para a TV, já que ele produz sabores borrifados em um tipo de papel filme posicionado sobre uma tela plana. Para criar a experiência, o dispositivo tem dez tubos com diferentes aromas que se misturam e criam as combinações.

“O objetivo é tornar possível para as pessoas terem a experiência de algo como comer em um restaurante do outro lado do mundo, mesmo estando em casa”, disse o criador da TTTV.

Segundo o professor, o aparelho pode ser usado para diversos fins, como em um menu de restaurante ou para “experimentar” sabores que estão presentes em filmes e programas de culinária. Isso quer dizer que, por exemplo, você poderia assistir a uma receita em vídeo de salpicão e sentir o gosto do prato quase em tempo real.

Por enquanto, não existe previsão de lançamento para a TTTV, contudo, Miyashita revelou que uma versão comercial do aparelho custaria US$ 875 (cerca de R$ 4.929 na cotação atual).

Fonte: TecMundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: UMA TELA DE TV LAMBÍVEL É A MAIS NOVA INVENÇÃO QUE VEM LÁ DO JAPÃO

SAÚDE: 10 DICAS PARA ELIMINAR OS GASES E A BARRIGA INCHADA, POR DR. FERNANDO LEMOS

No vídeo de hoje, aqui na coluna SAÚDE desta quinta-feira você vai aprender com o Dr. Fernando Lemos 10 Dicas para eliminar os Gases e a Barriga Inchada, são dicas práticas e simples para obter alívio do inchaço abdominal e prisão de ventre. Então assista ao vídeo completo a seguir e transforme a sua vida e o seu bem estar!

Fonte:

Continuar lendo SAÚDE: 10 DICAS PARA ELIMINAR OS GASES E A BARRIGA INCHADA, POR DR. FERNANDO LEMOS

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O DEGELO NO HIMALAIA ESTÁ A CADA DIA MAIS INTENSO

O derretimento desenfreado no Himalaia está resultando na formação de imensos lagos. O gelo está sendo perdido nas  geleiras do Himalaia a uma taxa pelo menos dez vezes maior do que a taxa média nos séculos passados. O artigo a seguir mostra o que realmente está acontecendo nas geleiras do Himalaia. Leia e se atualize!

REDAÇÃO GALILEU

 ATUALIZADO EM 

O derretimento desenfreado no Himalaia está resultando na formação de imensos lagos (Foto: Duncan Quincey, University of Leeds)O derretimento desenfreado no Himalaia está resultando na formação de imensos lagos (Foto: Duncan Quincey, University of Leeds)

O conjunto de montanhas mais altas do mundo é também o mais ameaçado pelos efeitos do aquecimento global. É o que indica uma pesquisa conduzida por pesquisadores da Universidade de Leeds, na Inglaterra. O estudo publicado nesta segunda-feira (20) na revista Scientific Reports aponta que a cordilheira do Himalaia, que abriga o Everest, tem perdido gelo em velocidade recorde.

Segundo os pesquisadores, as geleiras estão derretendo dez vezes mais rápido nas últimas décadas do que a média de derretimento desde a Pequena Era do Gelo, um período de resfriamento da Terra que acabou por volta de 1800. Na prática, isso significa que o Himalaia perdeu cerca de 40% da sua área desde então. Para chegar nessas estimativas, a equipe da Universidade de Leeds usou imagens de satélite e modelos digitais de elevação, simulando qual seria a superfície do gelo entre 400 e 700 anos atrás — e, portanto, concluindo quanto foi perdido.

O derretimento “excepcional” do Himalaia, nas palavras dos pesquisadores, também é recorde se comparado ao de outras geleiras do mundo. A título de comparação, a quantidade de gelo que a cordilheira perdeu desde a Pequena Era do Gelo, algo entre 390 km³ e 586 km³, é equivalente a todo o gelo contido hoje nos Alpes da Europa Central, no Cáucaso e na Escandinávia somados.

 Himalaia perdeu cerca de 40% da sua área desde a Pequena Era do Gelo (Foto: Duncan Quincey, University of Leeds)Himalaia perdeu cerca de 40% da sua área desde a Pequena Era do Gelo (Foto: Duncan Quincey, University of Leeds)

Para os pesquisadores, esse degelo acelerado e desenfreado do Himalaia não pode ser dissociado do aquecimento global. “Nossas descobertas mostram claramente que o gelo está sendo perdido nas geleiras do Himalaia a uma taxa pelo menos dez vezes maior do que a taxa média nos séculos passados. Essa aceleração na taxa de perda surgiu apenas nas últimas décadas e coincide com a mudança climática induzida pela humanidade”, afirma à imprensa Jonathan Carrivick, um dos autores do estudo e chefe adjunto da Escola de Geografia da Universidade de Leeds.

Esse gelo todo, é claro, acaba se convertendo em líquido. A estimativa é que esse derretimento das geleiras do Himalaia nos últimos séculos tenha elevado entre 0,92 milímetros (mm) e 1,38 mm o nível do mar em todo o mundo. Mas isso não significa abundância para quem depende da água que escoa do degelo da cordilheira.

derretimento das geleiras, que deveria ser sazonal, abastece diversas regiões da Ásia com a água que é usada para irrigação, geração de energia e até para beber. Com a perda de gelo acelerada, o risco é que esse abastecimento acabe num futuro próximo. Além disso, o derretimento desenfreado também está resultando na formação de imensos lagos nessas regiões.

Estudos apontam que, se esses lagos entrarem em colapso, podem resultar em enchentes que afetarão milhões de pessoas. Segundo Simon Cook, coautor do estudo e professor de Geografia e Ciência Ambiental na Universidade de Dundee, trata-se de um impacto significativo em nações e regiões inteiras.

Esta matéria faz parte da iniciativa #UmSóPlaneta, união de 19 marcas da Editora Globo, Edições Globo Condé Nast e CBN. Saiba mais em umsoplaneta.globo.com.

Fonte: Revista Galileu

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O DEGELO NO HIMALAIA ESTÁ A CADA DIA MAIS INTENSO

TECNOLOGIA: SONDA PARKER LANÇADA PELA NASA É A PRIMEIRA A TOCAR O SOLO DO SOL

A cada dia a TECNOLOGIA avança em alta velocidade em todas as direções e principalmente na direção do espaço infinito desse universo infinito, onde nem o céu é o limite. E é com essa ânsia incrível de desbravar esse infinito universo que o homem já alcançou a superfície solar, a estrela maior do nosso sistema planetário, há 14 milhões de quilômetros. Algo incrível e que você vai conhecer em detalhes ao ler  o artigo completo a seguir.

NASA: sonda Parker é a primeira a ‘tocar’ o Sol

2 min de leitura
Imagem de: NASA: sonda Parker é a primeira a 'tocar' o SolImagem: NASA/Johns Hopkins APL/Steve Gribben

Uma conferência de imprensa realizada no encontro de outono da União Geofísica Americana (AGU), realizada na terça-feira (14) em Nova Orleans, nos EUA, divulgou os resultados de um evento histórico para a heliofísica mundial: a primeira vez que uma nave terrestre tocou diretamente a superfície do Sol.

Parte do estudo “Sonda solar Parker entra na coroa solar magneticamente dominada”, publicado na terça-feira (14) na revista científica Physical Review Letters, o evento ocorreu no dia 28 de abril de 2021, às 5h33 no horário de Brasília. Naquele momento, a espaçonave não tripulada atingiu a camada mais externa da atmosfera do Sol, conhecida como coroa, e passou cinco horas ali.

Diferentemente da Terra, o Sol não possui uma superfície sólida. No entanto, tem uma atmosfera superaquecida, constituída por material solar que se liga à estrela através da gravidade e pelas forças magnéticas. À medida que o calor e a crescente pressão empurram esse material para longe do núcleo, ele atinge um ponto em que tanto a gravidade quanto os campos magnéticos tornam-se muito fracos para contê-lo.

Fonte: NASA/Johns Hopkins APL/Ben Smith/Reprodução.Fonte: NASA/Johns Hopkins APL/Ben Smith/Reprodução.Fonte:  NASA/Johns Hopkins APL/Ben Smith 

Entrando na atmosfera solar

O ponto de interseção entre o fim da atmosfera solar e o início do vento solar é chamado de superfície crítica de Alfvén, que marca o começo da borda externa do sol. O vento solar é feito do material solar com energia suficiente para atravessar essa fronteira crítica. Ele é tão forte que arrasta consigo o campo magnético do Sol enquanto cruza o sistema solar, em direção à Terra e além. Nesse movimento, as ondas internas do vento não têm velocidade para voltar.

No entanto, a localização exata da superfície crítica de Alfvén não era conhecida pelos cientistas. Estimativas feitas através de imagens remotas do envoltório luminoso indicavam para uma região entre dez e 20 raios solares da superfície do Sol, entre -7 a 14 milhões de quilômetros. “Estávamos esperando que, mais cedo ou mais tarde, encontraríamos a corona por pelo menos um curto período de tempo”, disse Justin Kasper, principal autor do artigo.

Foi somente durante o seu oitavo sobrevoo solar, no dia 28 de abril, que a Sonda Solar Parker localizou as condições magnéticas e de partículas específicas a 18,8 raios solares (ou 13 milhões de quilômetros) acima da superfície solar, o que indicou aos cientistas que a espaçonave havia cruzado Alfvén pela primeira vez, e entrado dentro da atmosfera solar. Nesse ponto, a Parker havia atravessado para dentro e para fora da coroa umas três vezes.

O manuscrito do estudo é de acesso aberto e pode ser baixado neste link.

Fonte: TecMundo
Continuar lendo TECNOLOGIA: SONDA PARKER LANÇADA PELA NASA É A PRIMEIRA A TOCAR O SOLO DO SOL

CIÊNCIAS: A PEQUENA IDADE DO GELO PODE TER SIDO CAUSADA POR UM ESTRANHO AQUECIMENTO

Um fenômeno ocorrido há aproximadamente 600 anos, a transferência anormal forte de água quente do oceano atlântico para os mares do norte causou a Pequena Idade do Gelo concluiu pesquisa da Universidade de Massachusetts Amherst (EUA). A Pequena Idade do Gelo foi um dos períodos mais frios dos últimos 10 mil anos. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes desse estranho fenômeno.

Aquecimento incomum causou a Pequena Idade do Gelo

Fenômeno ocorrido há cerca de 600 anos está relacionado a uma transferência anormalmente forte de água quente do Atlântico para os mares do norte

Uma pesquisa da Universidade de Massachusetts Amherst (EUA) fornece uma nova resposta a uma das questões persistentes em climatologia histórica, história ambiental e ciências da terra: o que causou a Pequena Idade do Gelo (ou Pequena Era Glacial)? A resposta, agora sabemos, é um paradoxo: aquecimento.

A Pequena Idade do Gelo foi um dos períodos mais frios dos últimos 10 mil anos, uma época de resfriamento que foi particularmente pronunciado na região do Atlântico Norte. Esse período de frio, cuja cronologia precisa os estudiosos debatem, mas que parece ter ocorrido há cerca de 600 anos, foi responsável por quebras de safra, fomes e pandemias em toda a Europa, resultando em miséria e morte para milhões de pessoas.

Até o momento, os mecanismos que levaram a esse estado de clima severo permaneciam inconclusivos. No entanto, um novo artigo publicado recentemente na revista Science Advances oferece uma imagem atualizada dos eventos que deram origem à Pequena Idade do Gelo. Surpreendentemente, o resfriamento parece ter sido desencadeado por um episódio de calor incomum.

Mudança repentina

Quando o autor principal do estudo, François Lapointe, pesquisador de pós-doutorado e conferencista em geociências na Universidade de Massachusetts Amherst, e Raymond Bradley, professor distinto de geociências na mesma instituição, começaram a examinar cuidadosamente sua reconstrução de 3 mil anos das temperaturas da superfície do mar do Atlântico Norte (cujos resultados foram publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences em 2020), eles notaram algo surpreendente: uma mudança repentina de condições muito quentes no final dos anos 1300 para condições frias sem precedentes no início dos anos 1400, apenas duas décadas depois.

Usando muitos registros marinhos detalhados, Lapointe e Bradley descobriram que houve uma transferência anormalmente forte de água quente para o norte no final dos anos 1300, que atingiu o pico por volta de 1380. Como resultado, as águas ao sul da Groenlândia e dos mares nórdicos tornaram-se muito mais quentes do que o normal. “Ninguém reconheceu isso antes”, observa Lapointe.

Normalmente, há sempre uma transferência de água quente dos trópicos para o Ártico. É um processo bem conhecido denominado Circulação Meridional de Capotamento do Atlântico (Atlantic Meridional Overturning Circulation, ou Amoc), que é como uma correia transportadora planetária. Normalmente, a água quente dos trópicos flui para o norte ao longo da costa setentrional da Europa e, quando atinge latitudes mais altas e encontra as águas árticas mais frias, perde calor e se torna mais densa, fazendo com que a água afunde no fundo do oceano. Essa formação de águas profundas então flui para o sul ao longo da costa da América do Norte e continua a circular ao redor do mundo.

Mapa de correlação média multimodelo entre Amoc de baixa frequência a 26° N e SST (12). Estrelas numeradas de 1 a 15 denotam a localização dos sítios. Crédito: Imagem de Lapointe et. al., 10.1126/sciadv.abi8230

Salinidade diluída

Mas no final do século 13, a Amoc se fortaleceu consideravelmente, o que significava que muito mais água quente do que o normal estava se movendo para o norte. Isso, por sua vez, causava uma rápida perda de gelo ártico. Ao longo de algumas décadas no final dos anos 1300 e 1400, grandes quantidades de gelo foram despejadas no Atlântico Norte. Esse fato não apenas resfriou as águas do Atlântico Norte, mas também diluiu sua salinidade, causando o colapso da Amoc. Foi esse colapso que desencadeou um resfriamento substancial.

Avançando rapidamente para o nosso tempo: entre os anos 1960 e 1980, também vimos um rápido fortalecimento da Amoc, que tem sido associada a uma pressão persistentemente alta na atmosfera sobre a Groenlândia. Lapointe e Bradley acham que a mesma situação atmosférica ocorreu pouco antes da Pequena Idade do Gelo. Mas o que poderia ter desencadeado aquele evento persistente de alta pressão na década de 1380?

A resposta, descobriu Lapointe, pode ser encontrada nas árvores. Uma vez que os pesquisadores compararam suas descobertas com um novo registro da atividade solar revelado por isótopos de radiocarbono preservados em anéis de árvores, eles descobriram que uma atividade solar excepcionalmente alta foi registrada no final do século 13. Essa atividade solar tende a causar alta pressão atmosférica sobre a Groenlândia.

Atividade solar

Ao mesmo tempo, menos erupções vulcânicas estavam acontecendo na Terra, o que significa que havia menos cinzas no ar. Uma atmosfera “mais limpa” significava que o planeta estava mais sensível às mudanças na produção solar. “Portanto, o efeito da alta atividade solar na circulação atmosférica no Atlântico Norte foi particularmente forte”, disse Lapointe.

Lapointe e Bradley têm se perguntado se um evento de resfriamento tão abrupto poderia acontecer novamente em nossa era de mudanças climáticas globais. Eles observam que agora há muito menos gelo marinho ártico devido ao aquecimento global, então um evento como aquele no início de 1400, envolvendo o transporte de gelo marinho, é improvável.

“No entanto, temos que ficar de olho no acúmulo de água doce no Mar de Beaufort (norte do Alasca), que aumentou 40% nas últimas duas décadas. Sua exportação para o Atlântico Norte subpolar pode ter um forte impacto sobre a circulação oceânica”, disse Lapointe. “Além disso, períodos persistentes de alta pressão sobre a Groenlândia no verão têm sido muito mais frequentes na última década e estão associadas ao derretimento de gelo recorde. Os modelos climáticos não capturam esses eventos de forma confiável e, portanto, podemos estar subestimando a perda futura de gelo do manto de gelo, com mais água doce entrando no Atlântico Norte, potencialmente levando ao enfraquecimento ou colapso da Amoc.”

Os autores concluem que há uma necessidade urgente de abordar essas incertezas.

Fonte: Revista Planeta

Continuar lendo CIÊNCIAS: A PEQUENA IDADE DO GELO PODE TER SIDO CAUSADA POR UM ESTRANHO AQUECIMENTO

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SAIBA QUAIS AS CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL E O QUE É EFEITO ESTUFA

Na nossa coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE desta sexta-feira você vai entender melhor, em detalhes, o que é Efeito Estufa, as principais causas e consequências do efeito estufa e do aquecimento global, bem como o que dizem os estudos mais recentes sobre esse tema tão importante.

Aquecimento Global e Efeito Estufa

O aquecimento global é um processo gerado, principalmente, pelo efeito estufa.

E se as calotas polares derretessem? | Super
Degelo dos polos: uma das consequências do aquecimento global

 

O que é Efeito Estufa?

O fenômeno climático conhecido por efeito estufa tem contribuído com o aumento da temperatura no globo terrestre, nas últimas décadas. Dados de pesquisas recentes mostram que o século XX foi o mais quente dos últimos 500 anos.

Principais causas e consequências do efeito estufa

Pesquisadores do clima mundial afirmam que, num futuro bem próximo, o aumento da temperatura, provocado pelo efeito estufa, poderá favorecer o derretimento do gelo das calotas polares e o aumento do nível das águas dos oceanos. Como consequência deste processo, muitas cidades localizadas no litoral poderão ser alagadas e desaparecer do mapa. O efeito estufa é ocasionado pela derrubada de florestas e pela queimada das mesmas, pois são elas que regulam a temperatura, os ventos e o nível de chuvas em várias regiões do planeta. Como as matas estão diminuindo no mundo, a temperatura terrestre tem aumentado na mesma proporção.

Outro fator que está ocasionando o efeito estufa é o lançamento de gases poluentes na atmosfera, principalmente aqueles que resultam da queima de combustíveis fósseis. A queima do óleo diesel e da gasolina pelos veículos nas grandes cidades tem contribuído para o efeito estufa. O dióxido de carbono e o monóxido de carbono ficam concentrados em determinadas áreas da atmosfera, formando uma camada que bloqueia a dissipação do calor. Esta camada de poluentes, tão visível nos grandes centros urbanos, funciona como um “isolante térmico” do planeta Terra. O calor fica retido nas camadas mais baixas da atmosfera trazendo graves problemas climáticos e ecológicos ao planeta.

Cientistas ligados aos temas do meio ambiente já estão prevendo os problemas futuros que poderão atingir nosso planeta caso esta situação continue. Vários ecossistemas poderão ser atingidos e espécies vegetais (plantas e árvores) e animais poderão ser extintos.

Outras catástrofes ecológicas poderão ocorrer como, por exemplo, o derretimento de geleiras e alagamento de ilhas e regiões litorâneas, provocados pelo aquecimento global. Tufões, furacões, maremotos e enchentes poderão devastar áreas com mais intensidade. Estas alterações climáticas influenciarão negativamente na produção agrícola de vários países, reduzindo a quantidade de alimentos em nosso planeta. A elevação da temperatura nos mares poderá ocasionar o desvio de curso de correntes marítimas, provocando a extinção de várias espécies de animais marinhos, desequilibrando o ecossistema litorâneo.

Preocupados com todos estes problemas, organizações ambientais internacionais, ONGS e governos de diversos países já estão adotando medidas para reduzir a poluição e a emissão de gases na atmosfera. O Protocolo de Quioto, assinado em 1997 no Japão, prevê a diminuição da emissão de gases poluentes para os próximos anos. Contudo, países como os Estados Unidos tem dificultado o progresso deste acordo. Os Estados Unidos, maior potência industrial do mundo e também o maior poluidor, alegam que a redução da emissão de gases poluentes poderia dificultar o crescimento da produção industrial no país.

Cidade com poluição do arEfeito estufa: uma das principais causas do aquecimento global

Principais causas e consequências do aquecimento global

As causas apontadas pelos cientistas para justificar este fenômeno podem ser naturais ou provocadas pelo homem. Contudo, cada vez mais as pesquisas nesta área apontam o homem como o principal responsável.

Fatores como a grande concentração de agentes poluente na atmosfera contribui para um aumento bastante significativo do efeito estufa.

No efeito estufa a radiação solar é normalmente devolvida pela Terra ao espaço em forma de radiação de calor, contudo, parte dela é absorvida pela atmosfera, e esta, envia quase o dobro da energia retida à superfície terrestre. Este efeito é o responsável pelas formas de vida de nosso planeta. Entretanto, os agentes poluentes presentes na atmosfera o intensificam ocasionando um aumento de temperatura bem acima do “normal”.

O fator que evidenciou este aquecimento foi à investigação das medidas de temperatura em todo o planeta desde 1860. Alguns estudos mostram ser possível que a variação em irradiação solar tenha contribuído significativamente para o aquecimento global ocorrido entre 1900 e 2000.

Dados recebidos de satélite indicam uma diminuição de 10% em áreas cobertas por neve desde os anos 60. A região da cobertura de gelo no hemisfério norte na primavera e verão também diminuiu em cerca de 10% a 15% desde 1950.

Estudos recentes

Estudos recentes mostraram que a maior intensidade das tempestades ocorridas estava relacionada com o aumento da temperatura da superfície da faixa tropical do Atlântico. Esses fatores foram responsáveis, em grande parte, pela violenta temporada de furações registrada nos Estados Unidos, México e países do Caribe.

Curiosidade: 

O Protocolo de Kyoto visa a redução da emissão de gases que promovem o aumento do efeito estufa.

Foto mostrando área desertificada

Aumento da temperatura global e desertificação podem ser algumas das consequências do aquecimento global.


Última revisão: 20/10/2021

Por Elaine Barbosa de Souza
Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Metodista de São Paulo.

Fonte: Toda Biologia

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SAIBA QUAIS AS CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL E O QUE É EFEITO ESTUFA

TECNOLOGIA: APLICATIVO WHATSAPP SOFRE ATUALIZAÇÃO E AUMENTA PRIVACIDADE DO USUÁRIO

Uma nova atualização do aplicativo WhatsApp vai impedir que apenas os seus contatos  saibam se você está online, esse o destaque da nossa coluna TECNOLOGIA desta edição de quinta-feira. Saiba mais sobre a novidade lendo o artigo completo a seguir e se atualize.

WhatsApp: agora só os seus contatos saberão se você está online

1 min de leitura
Imagem de: WhatsApp: agora só os seus contatos saberão se você está onlineImagem: Pixabay

O mensageiro WhatsApp lançou um novo recurso de privacidade para todos os usuários do app.

Em breve, pessoas que você não adicionou na lista de contatos ou aquelas que nunca receberam uma mensagem sua não serão mais capazes de ver alguns detalhes sobre o seu acesso. Mais especificamente, eles não poderão ver se você está ou não online no momento e nem qual foi a última vez que você abriu o aplicativo.

Como o próprio suporte do serviço confirmou a um usuário, a novidade vale tanto para contatos normais quanto contas comerciais.

O recurso é uma nova camada de privacidade para evitar cobranças fora do horário de serviço, por exemplo, ou espionagem e stalking. Desse modo, os aplicativos que coletam essas informações quase de forma automatizada — e que existem na Google Play Store, mesmo tendo uma função tão controversa — deixarão de funcionar.

Esse recurso será ativado por padrão, ou seja, sem precisar de qualquer configuração por parte do usuário. Ela é diferente do mecanismo que, há alguns meses, estava em teste para a versão desktop do mensageiro. De acordo com a companhia, nada vai mudar entre os chats que você já mantém com amigos e parentes.

Disponibilidade

Segundo o site WABetaInfo, a função já começou a ser liberada nos últimos dias para o aplicativo do WhatsApp no Android e iOS, o que significa que em breve toda a comunidade terá essa proteção.

Fonte: TecMundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: APLICATIVO WHATSAPP SOFRE ATUALIZAÇÃO E AUMENTA PRIVACIDADE DO USUÁRIO

BOAS NOTÍCIAS: PROFESSOR BRASILEIRO COMEMORA PARTICIPAÇÃO EM PROJETO DA NASA QUE DESCOBRIU 301 EXOPLANETAS

Um cientista brasileiro que está brilhando na Nasa é o destaque desta edição da nossa coluna Boas Notícias. O cientista e professor universitário Pedro Gerum participa de projeto da Nasa que descobriu mais de 300 novos exoplanetas. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes desse projeto incrível e a contribuição do nosso professor nessa empreitada!

Brasileiro participa de projeto da Nasa que descobriu 301 exoplanetas

Um brasileiro está brilhando na Nasa! O cientista e professor universitário Pedro Gerum, fez parte do grupo de 13 cientistas escolhidos pela agência espacial que descobriu 301 novos exoplanetas, o que pode ajudar a identificar outras formas de vida.

O programa começou em 2018, mas apresentou resultados somente nas últimas semanas.

O grupo de cientistas utiliza uma ferramenta de inteligência artificial chamado de “Exominer” e resolve um dilema que astrônomos enfrentaram por anos.

Projeto

O Exominer faz uma “mineração de dados” que diferencia novos planetas de outros dados que podem sinalizar errado a existência de um planeta.

Pedro explica que este é um trabalho extremamente minucioso. Imagens de satélite são usadas para acompanhar cada detalhe.

“Esse projeto na Nasa tem o objetivo de buscar planetas fora do sistema solar, planetas que não fazem parte desses oito que a gente ouve todo tempo. São planetas que estão orbitando estrelas que não são o sol”, explica.

Novas missões espaciais

A participação de Pedro já foi encerrada, mas ele continuará trabalhando nos Estados Unidos como professor.

Segundo ele, voltar a morar em Jundiaí ainda não está nos planos. “Quero expandir ainda mais os conhecimentos”.

Inclusive, o cientista não descarta de participar novamente de outros projetos da Nasa, já que a nova ferramenta não ficou exclusiva ao trabalho feito pela equipe.

Ela poderá ser aplicada a novas missões espaciais no futuro e ajudar a descobrir ainda mais novos planetas.

“Foi muito incrível poder fazer parte desse time de três cientistas fantásticos, aprendi muito com eles. Eu acho que foi uma experiência única e muito válida, fiquei muito feliz”, concluiu.

Segundo Pedro, o trabalho é minucioso e as imagens de satélite são usadas para acompanhar cada detalhe. — Foto: Arquivo pessoal
Segundo Pedro, o trabalho é minucioso e as imagens de satélite são usadas para acompanhar cada detalhe. — Foto: Arquivo pessoal
Após encerrar seu período na Nasa, Pedro trabalha como professor universitário nos Estados Unidos — Foto: Arquivo pessoal
Após encerrar seu período na Nasa, Pedro trabalha como professor universitário nos Estados Unidos — Foto: Arquivo pessoal

Com informações de Tribuna de Jundiaí

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: PROFESSOR BRASILEIRO COMEMORA PARTICIPAÇÃO EM PROJETO DA NASA QUE DESCOBRIU 301 EXOPLANETAS

CIÊNCIAS: NA VISÃO DAS 5 GRANDES RELIGIÕES

Na edição deste sábado, aqui na coluna CIÊNCIAS você vai conhecer cientificamente como pensam as cinco maiores religiões sobre a nossa existência e a origem da alma. Saiba em que momento para cada uma dessas grandes religiões a alma entra ou se cola ao corpo humano após a sua concepção carnal.

Alma: o que dizem as cinco grandes religiões sobre sua existência

Judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo e hinduísmo creem em alguma versão de um “eu”, com vários nomes, que sobrevive à morte – mas imaginam sua origem, jornada e destino de formas bem diferentes

Crédito: Pxfuel

Uma pesquisa recente descobriu que quase 70% dos australianos acreditavam ou estavam abertos à existência da alma – o que significa que eles acreditam que somos mais do que a matéria da qual nossos corpos são feitos.

A alma pode ser definida como a parte espiritual ou imaterial de nós que sobrevive à morte.

A cultura pop ocidental está atualmente enfeitiçada pelo que nos acontece após a morte, com programas de TV como The Good Place e Miracle Workers ambientados principalmente na vida após a morte. E o filme da Disney Soul retrata a alma de um pianista de jazz separando-se de seu corpo terreno para uma jornada pela vida após a morte.

Trailer de “Soul”, animação da Disney Pixar

Todas as cinco grandes religiões mundiais – judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo e hinduísmo – acreditam em alguma versão de um “eu”, com vários nomes, que sobrevive principalmente à morte. Mas elas imaginam sua origem, jornada e destino de maneiras bem diferentes e distintas.

Deus medindo uma alma, representado como um homem nu, século 14. Crédito: Biblioteca Britânica

A origem da alma – judaísmo, cristianismo e islamismo

Todas essas três religiões acreditam que houve um tempo em que as almas não existiam. Ou seja, antes de Deus criar o mundo, não havia absolutamente nada.

Dentro do cristianismo, como a alma estava unida ao seu corpo era uma questão de incerteza. Mas todos concordavam que a alma estava presente dentro do feto, senão no momento da concepção, pelo menos nos primeiros 90 dias. Quando se trata do debate cristão contemporâneo sobre o aborto, esse momento é crucial. A maioria dos cristãos hoje acredita que a alma entra no corpo no momento da concepção.

O cristianismo adotou a visão do filósofo grego Platão de que consistimos em um corpo mortal e uma alma imortal. A morte é, portanto, a separação da alma do corpo.

Segundo o judaísmo, a alma foi criada por Deus e unida a um corpo terreno. Mas essa religião não desenvolveu uma teoria definitiva sobre o momento ou a natureza desse evento (até porque a separação entre corpo e alma não era absolutamente clara). O judaísmo moderno permanece incerto sobre quando, entre o nascimento e a concepção, um ser humano está totalmente presente.

Da mesma forma, no Islã, a alma foi soprada no feto por Deus. Como no cristianismo, as opiniões variam sobre quando isso ocorreu, mas a ideia dominante diz que a alma entra no feto cerca de 120 dias após a concepção.

Para essas três religiões, as almas viverão para sempre.

Krishna segurando o Monte Govardhan. Crédito: Wikimedia Commons

A origem da alma – hinduísmo e budismo

Dentro do hinduísmo, nunca houve um tempo em que as almas não existissem. Todos nós existimos no passado infinito. Assim, todos nós estamos ligados ao samsara – o ciclo infinito de nascimento, morte e renascimento.

Nossas almas estão continuamente reencarnadas em diferentes formas físicas de acordo com a lei do carma – uma lei cósmica de débito e crédito moral. Cada ato moral, virtuoso ou não, deixa sua marca no indivíduo. No momento da morte, a soma total do carma determina nosso status na próxima vida.

Como o hinduísmo, o budismo aceita que não houve época em que não estivéssemos presos ao ciclo de nascimento e renascimento. Mas, ao contrário do hinduísmo, ele não acredita que haja uma “alma” eterna e imutável que transmigra de uma vida para a outra. Não há nada permanente em nós, da mesma forma que não há qualquer permanência no mundo em geral.

No entanto, os budistas acreditam que nossa consciência é como uma chama na vela de nosso corpo. No momento da morte, deixamos o corpo, mas essa chama, particularmente a nossa chama de crédito ou débito moral, vai para um novo corpo. No budismo, essa “chama cármica da consciência” desempenha o mesmo papel que a “alma” em outras religiões.

William Adolphe Bouguereau, “Alma Levada para o Céu” (1878). Crédito: Wikimedia Commons

O destino da alma – judaísmo, cristianismo e islamismo

Dentro do cristianismo, acredita-se que a alma continua sua existência imediatamente após a morte. A maioria acredita que o fará conscientemente (em vez de em um estado semelhante ao do sono). No momento da morte, Deus determinará o destino final da alma – punição eterna ou felicidade eterna.

Ainda assim, no final do primeiro milênio, houve um reconhecimento de que a maioria de nós não era suficientemente boa para merecer a felicidade imediata, nem suficientemente má para merecer o sofrimento eterno. O catolicismo desenvolveu assim um estado intermediário – o purgatório –, oferecendo aos ligeiramente ou moderadamente perversos uma chance de serem purificados de seus pecados. Todas as almas se reunirão com seus corpos ressuscitados no Dia do Julgamento, quando Cristo voltar e Deus finalmente confirmar seu destino.

O judaísmo permanece incerto sobre a consciência dos mortos na vida após a morte, embora a visão dominante sustente que, após a morte, a alma estará em um estado de consciência.

O judaísmo ortodoxo está comprometido com a ideia da ressurreição do corpo no Dia do Julgamento e sua reunião com a alma, junto com a bem-aventurança celestial pelos salvos. As formas liberais do judaísmo moderno, como o cristianismo liberal moderno, consideram ligeiramente a ideia da ressurreição do corpo e enfatizam a vida espiritual imediatamente após a morte.

Miniatura persa representando o Paraíso de “A História de Maomé”. Crédito: Bibliothèque Nationale de France, Paris/Wikimedia Commons

Dentro do Islã, as almas aguardam o dia da ressurreição em seus túmulos. É um estado semelhante ao de um limbo: aqueles que estão destinados ao inferno sofrerão em seus túmulos; aqueles destinados ao céu esperarão em paz.

Há duas exceções a isso: aqueles que morrem lutando pela causa do Islã vão imediatamente para a presença de Deus; aqueles que morrem como inimigos do Islã vão diretamente para o inferno.

No Dia do Julgamento final, os muçulmanos acreditam que os ímpios sofrerão tormentos no inferno. Os justos irão desfrutar dos prazeres do Paraíso.

O destino da alma – hinduísmo

No Ocidente moderno, a reencarnação tem um sabor positivo como uma alternativa desejável à vida após a morte ocidental tradicional. Mas todas as tradições indianas concordam que é o horror supremo – seu objetivo é escapar dele.

Eles, entretanto, diferem radicalmente em suas visões do destino da alma além do ciclo eterno de nascimento, morte e renascimento. No hinduísmo, podemos distinguir quatro escolas diferentes de pensamento sobre isso.

No primeiro deles, conhecido como Samkhya Yoga, o objetivo é perceber a separação essencial da alma de seu corpo material, permitindo-nos viver aqui e agora sem apego às coisas do mundo. Na morte, a alma liberada existirá eternamente além de qualquer outro envolvimento com o mundo. A ioga postural ocidental moderna deriva disso, embora sua intenção não seja tanto nos remover do mundo, mas nos capacitar para melhor funcionar dentro dele.

A segunda visão, conhecida como escola Dvaita Vedanta, está completamente focada na devoção amorosa da alma a Deus, que ajudará a libertar as almas além da morte. Como George Harrison cantou, cantando os nomes do Senhor (Krishna e Rama) “você estará livre”. Essa é a filosofia dominante subjacente ao movimento Hare Krishna e, de todas as tradições indianas, a que mais se assemelha ao cristianismo.

“Awaiting on You All”, de George Harrison

A terceira visão é a da escola Vishishtadvaita Vedanta. Aqui, a liberação ocorre quando a alma entra na unidade de Deus, como uma gota d’água se funde com o oceano, enquanto paradoxalmente mantém sua identidade individual.

A visão final do destino da alma dentro do hinduísmo é a da escola Advaita Vedanta. A liberação é alcançada quando a alma percebe sua identidade essencial com Brahman – a Divindade impessoal além dos deuses.

O destino da chama cármica – budismo

Embora haja uma abundância de divindades no budismo, os deuses não são essenciais para a liberação. Então, é possível ser um ateu budista. A libertação de um renascimento sem fim vem de nossa compreensão de que tudo é sofrimento e nada é permanente, incluindo o eu.

No budismo theravada (presente no Sri Lanka, Tailândia, Camboja, Mianmar e Laos), a pessoa realizada entra no Pari-Nirvana na morte. A chama da consciência está “extinta”. A “alma” não existe mais.

No budismo mahayana (no Japão, Vietnã e China, incluindo o Tibete), a liberação é alcançada quando o mundo é visto como realmente é, com o véu da ignorância removido – como não tendo nenhuma realidade última. Isso significa que, embora em um nível os muitos deuses, deusas, Budas e bodhisattvas possam nos ajudar no caminho da liberação, eles também, como nós, nunca existiram realmente.

Pintura butanesa mostrando seis reinos de existência nos quais um ser pode reencarnar de acordo com a doutrina do renascimento do budismo. O rosto do deus budista Yama está no topo da borda externa. Crédito: Nagarjun Kandukuru/Wikimedia Commons

No nível cotidiano, podemos distinguir entre verdade e falsidade. Mas da perspectiva do que é em última análise real, só existe o Vazio ou Consciência Pura. A libertação consiste em saber que a ideia da alma individual sempre foi ilusória. Em suma, a alma individual nunca existiu realmente. Era parte da grande ilusão que é o reino do samsara.

A prática da “atenção plena” (mindfulness) budista, agora se tornando popular no Ocidente em uma forma secular, é a atenção contínua para a impermanência ou irrealidade do eu e do mundo, e o sofrimento causado por pensar e agir de outra forma.

O significado da alma

Dentro da tradição cristã, a ideia de que cada indivíduo era corpo mortal e alma imortal distinguia os humanos de outras criaturas.

Tornou a humanidade qualitativamente única, assegurando que a vida de cada alma individual tinha um significado último dentro do grande esquema divino. No entanto, mesmo sem uma crença no transcendente, humanistas e existencialistas ateus ainda afirmam o valor distinto de cada pessoa humana.

A questão das almas ainda é importante. É, com efeito, lutar com o significado da vida humana – e se cada um de nós tem mais significado último do que uma rocha ou uma minhoca.

É por isso que a crença nas almas persiste, mesmo nesta era aparentemente secular.

* Philip C. Almond é professor emérito de História do Pensamento Religioso na Universidade de Queensland (Austrália).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Fonte: Revista Planeta

Continuar lendo CIÊNCIAS: NA VISÃO DAS 5 GRANDES RELIGIÕES

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE:

Em publicação feita na coluna BOAS NOTÍCIAS do dia 03 de novembro deste mesmo ano, pesquisadores descobriram no deserto do Atacama o que chamaram de “Mina de Ouro genética”, as plantas que crescem nesse icônico deserto e que os pesquisadores acreditam ter encontrado a chave para a incrível resistência e adaptabilidade das plantas que sobrevivem às condições extremas. Na edição desta sexta-feira você vai conhecer com mais profundidade o segredo dessas plantas e as soluções que elas podem trazer para os desafios que a humanidade já enfrenta, com escassez de alimentos. 

O tesouro genético que permite vida no deserto mais seco do planeta

Carlos Serrano (@carliserrano)

BBC News Mundo

Deserto do AtacamaCRÉDITO,GETTY
Legenda da foto, Uma equipe de pesquisadores acredita ter encontrado a chave para a incrível resistência e adaptabilidade das plantas que sobrevivem às condições extremas do Atacama

As características do deserto do Atacama, no Chile, jogam contra a vida.

Depois dos polos, este é o local mais seco do planeta. Além da escassez de água, o solo possui poucos nutrientes. A luz solar produz radiação extremamente elevada e grande parte de seu território está a mais de 2,5 mil metros acima do nível do mar.

Mesmo assim, dezenas de espécies de plantas, ervas e arbustos conseguem sobreviver nesta .

E como elas fazem isso? De acordo com especialistas, a resposta a essa pergunta é fundamental para encontrar soluções para os desafios que a humanidade já enfrenta.

Cacto no deserto do AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, A vida no deserto do Atacama se desenvolve sob condições extremas

A compreensão desses mecanismos de adaptação pode fornecer pistas valiosas para a produção de safras capazes de viver em áreas onde há escassez de alimentos para as pessoas. Ou em áreas que estão se tornando mais desérticas devido às mudanças climáticas

Agora, um grupo de pesquisadores afirma ter encontrado uma série de estratégias genéticas que explicam a resistência e adaptabilidade das plantas do Atacama.

Em que consiste essa descoberta, cujos autores comparam com a descoberta de uma mina de ouro?Seca no deserto do Atacama

CRÉDITO,GETTY

Legenda da foto,As mudanças climáticas estão criando regiões cada vez mais áridas

Genética e evolução

Durante dez anos, uma equipe de botânicos, microbiologistas, ecologistas e especialistas em genômica e evolução analisou o clima, a temperatura, o solo e a vegetação em 22 zonas de diferentes altitudes dentro do Atacama.

Em seguida, eles colheram amostras do solo e de 32 espécies de plantas para analisar suas sequências genéticas em laboratório.

Segundo Rodrigo Gutiérrez, coautor da pesquisa e professor do Departamento de Genética Molecular e Microbiologia da Pontifícia Universidade Católica do Chile, a maioria dessas plantas nunca havia sido estudada.

Pesquisadora colhendo amostras no AtacamaCRÉDITO,MELISSA AGUILAR

Legenda da foto, Os pesquisadores coletaram amostras das plantas para analisar a sequência genética delas

Como parte da análise, Gutiérrez e sua equipe compararam o genoma de 32 espécies do Atacama com outras 32 espécies geneticamente semelhantes, mas que não haviam passado pelo processo de adaptação no deserto.

O objetivo era reconstruir a história evolutiva das plantas do Atacama para identificar as mudanças genéticas que permitiram sua adaptação a condições extremas.Flores no AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, Cientistas querem descobrir o que faz plantas serem capazes de crescer com vigor no Atacama

Mutações e bactérias

O estudo rendeu dois grandes resultados.

O primeiro foi que eles identificaram mutações em 265 genes presentes em várias plantas do Atacama.

Segundo os pesquisadores, essas mutações podem ser resultado de processos evolutivos que facilitam a adaptação das plantas às condições desérticas.

Entre esses genes, por exemplo, eles encontraram alguns que estão relacionados à reação à luz solar e à fotossíntese, e que ajudam as plantas a resistir à radiação extrema do Atacama.

AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, Diversos tipos de plantas crescem no deserto do Atacama

Eles também descobriram genes relacionados à resposta das plantas ao estresse e ao sal, bem como outros envolvidos em processos de desintoxicação.

Esses genes, segundo os autores, podem estar associados à adaptação das plantas às condições hostis e pobres em nutrientes dessa região.

A segunda descoberta foi perceber que algumas espécies de plantas desenvolvem bactérias no solo ao redor de suas raízes.

Essas bactérias otimizam a absorção de nitrogênio, um nutriente fundamental para o crescimento das plantas, que é escasso no Atacama

ADNCRÉDITO,GETTY,

Legenda da foto, Cientistas descobriram genes relacionados à resposta das plantas ao estresse e ao sal, bem como outros envolvidos em processos de desintoxicação

Segurança alimentar

Algumas plantas do Atacama estão intimamente relacionadas a tipos de culturas essenciais, como grãos, legumes e batatas.

Por isso, Gutiérrez descreve sua descoberta como uma “mina de ouro genética” que pode ser usada para desenvolver lavouras mais resistentes em áreas afetadas pelo aumento da desertificação.

“Nosso estudo é relevante para regiões que estão se tornando cada vez mais áridas, com fatores como as secas, temperaturas extremas e a presença do sal na água e no solo, que representam uma ameaça significativa à produção global de alimentos”, diz o pesquisador.

Por sua vez, Gloria Coruzzi, pesquisadora do Center for Genomics and Biological Systems da New York University e coautora do estudo, acredita que, “em uma era de mudanças climáticas aceleradas, é fundamental descobrir as bases genéticas para melhorar a produção de safras e a resiliência sob condições secas e pobres em nutrientes”.AtacamaCRÉDITO,MELISSA AGUILAR

Legenda da foto, Algumas plantas do Atacama estão intimamente relacionadas a tipos de culturas essenciais, como grãos, legumes e batatas

A BBC Mundo consultou Elizabeth Weretilnyk, professora da McMaster University, no Canadá, e especialista em adaptação de plantas a ecossistemas adversos, que não participou da pesquisa.Homem em plantio de hortaliçasCRÉDITO,GETTYL .

Legenda da foto, O estudo pode ser útil para garantir a segurança alimentar em várias partes do mundo

Para Weretilnyk, este estudo mostra que é possível “acelerar a descoberta de genes e características adaptativas que podem orientar os esforços para melhorar as safras que são menos tolerantes ao estresse.”

Weretilnyk também espera que este estudo inspire mais pesquisas em busca de “um futuro com maior segurança alimentar”.

Fonte: BBC News

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE:

TECNOLOGIA: NOVOS CUBOS DE RESFRIAMENTO PODEM REVOLUCIONAR A FORMA COMO OS ALIMENTOS SÃO MANTIDOS

Pesquisadores desenvolveram um novo tipo de cubo de resfriamento que pode revolucionar a forma como os alimentos são mantidos frios e enviados frescos sem depender de gelo ou pacotes de resfriamento tradicionais. Esses cubos são suaves ao toque como uma sobremesa de gelatina e mudam de cor dependendo da temperatura. Eles não derretem, são compostáveis ​​e antimicrobianos e evitam a contaminação cruzada. Os cubos de resfriamento contêm mais de 90% de água e outros componentes para reter e estabilizar a estrutura. 

Eco-friend ly ‘Jelly Ice Cube’ pode transformar armazenamento frio: sem plástico e não derrete

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, Davis, desenvolveram um novo tipo de cubo de resfriamento que pode revolucionar a forma como os alimentos são mantidos frios e enviados frescos sem depender de gelo ou pacotes de resfriamento tradicionais.

Esses “cubos de gelatina” sem plástico não derretem, são compostáveis ​​e antimicrobianos e evitam a contaminação cruzada.

“Quando o gelo derrete, não é reutilizável”, disse Gang Sun, professor do Departamento de Engenharia Biológica e Agrícola. “Achamos que poderíamos fazer o chamado gelo sólido para servir como meio de resfriamento e ser reutilizável.”

Os cubos de resfriamento contêm mais de 90% de água e outros componentes para reter e estabilizar a estrutura. São suaves ao toque como uma sobremesa de gelatina e mudam de cor dependendo da temperatura.

Reutilizável e flexível

Esses cubos reutilizáveis ​​podem ser projetados ou cortados em qualquer formato e tamanho necessários, disse Jiahan Zou, um Ph.D. aluno de pós-graduação que trabalha no projeto há dois anos.

“Você pode usá-lo por 13 horas para resfriar, coletar, enxaguar com água e colocá-lo no congelador para congelar novamente para o próximo uso”, acrescentou Sun.

Uma patente para o design e conceito foi depositada em julho.

Os pesquisadores esperam eventualmente usar resíduos agrícolas reciclados ou subprodutos como material refrigerante.

“Queremos ter certeza de que isso é sustentável”, disse Luxin Wang, professor associado do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Água residual do mercado de peixes e blocos de gelo mofados estimularam a ideia

Os pesquisadores começaram a trabalhar nos cubos de refrigerante depois que Wang viu a quantidade de gelo usada nas fábricas de processamento de peixe e a contaminação cruzada que a água do degelo poderia espalhar entre os produtos ou pelo ralo.

“A quantidade de gelo usada por esses locais de processamento de peixe é enorme”, disse Wang. “Precisamos controlar os patógenos.”

Sun também lamentou o mofo encontrado nas bolsas de gelo de plástico usadas na merenda escolar das crianças e freqüentemente encontradas em embalagens de transporte.

Os primeiros testes mostraram que os cubos podem suportar até 22 libras sem perder a forma. Eles podem ser reutilizados uma dúzia de vezes – apenas uma rápida lavagem com água ou alvejante diluído – e depois descartados no lixo ou com o lixo do quintal.

Alternativa ao gelo

Os cubos de gelatina oferecem uma alternativa ao gelo tradicional e podem reduzir o consumo de água e o impacto ambiental. Eles também oferecem temperaturas estáveis ​​para reduzir a deterioração dos alimentos e podem ser ideais para empresas de preparação de refeições, empresas de transporte e produtores de alimentos que precisam manter os itens frios.

O aplicativo pode reduzir potencialmente o consumo de água na cadeia de abastecimento de alimentos e o desperdício de alimentos, controlando contaminações microbianas. A pesquisa foi publicada no jornal da American Chemical Society, Sustainable Chemistry & Engineering .

ASSISTA o vídeo para esta história abaixo.)

Fonte: UC Davis

Fonte: Good News Network

Continuar lendo TECNOLOGIA: NOVOS CUBOS DE RESFRIAMENTO PODEM REVOLUCIONAR A FORMA COMO OS ALIMENTOS SÃO MANTIDOS

SAÚDE: SAIBA COMO SE LIVRAR DA PRESSÃO ALTA COM DR. MARCO MENELAU

No vídeo desta quinta-feira, aqui na coluna SAÚDE do Blog do Saber você vai aprender como se livrar da pressão alta, através de uma magnífica aula, onde ele dá dicas imperdíveis para você controlar sua pressão a base de uma alimentação saudável e remédios fitoterápicos. Então dê um play e comece logo a assistir essa aula preciosa.

Fonte:

Continuar lendo SAÚDE: SAIBA COMO SE LIVRAR DA PRESSÃO ALTA COM DR. MARCO MENELAU

BOAS NOTÍCIAS: HOSPITAL DA UNIVERSIDADE DE HAVARD TESTA EM HUMANOS VACINA CONTRA ALZHEIMER

É muito bom quando temos novidades no campo da cura do Alzheimer. O destaque desta terça-feira da nossa coluna BOAS NOTÍCIAS uma nova vacina nasal que já está sendo testada em humanos, na sua 1ª fase, num ensaio clínico no Hospital da Universidade de Harvard, nos EUA. Notícia super animadora, pois outros laboratórios também começam a desenvolver suas vacinas baseadas no mesmo princípio ativo da vacina de Harvard. Então convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes dessa super descoberta!

Vacina nasal contra Alzheimer será testada em humanos

Uma vacina nasal contra Alzheimer será testada em humanos pela primeira vez, num ensaio clínico no Hospital da Universidade de Harvard, nos EUA.

Os cientistas vão analisar, principalmente, a segurança e a dose ideal do composto. Recentemente, também já começaram os testes da biofarmacêutica sueca Alzinova com outra vacina contra o Alzheimer. O primeiro paciente a receber a dose mora na Finlândia.

Howard L. Weiner, professor de neurologia na Escola de Medicina de Harvard e líder em pesquisas sobre o Alzheimer há quase 20 anos, se prepara para iniciar os testes clínicos da vacina, em formato de spray nasal, desenvolvida pelo seu grupo de estudo.

Prevenção

Com a vacina, os pesquisadores querem prevenir ou retardar a progressão da doença. E para isso o ensaio da Fase 1, em humanos, será conduzido no Brighan and Women’s Hospital, segundo maior hospital universitário da Escola de Medicina de Harvard.

Serão 16 participantes com idades entre 60 e 85 anos. Todos os voluntários estão com Alzheimer em estágios iniciais e não possuem quaisquer outros problemas de saúde relevantes.

Ele vão receber duas doses da vacina com intervalo de uma semana entre elas. Nesse primeiro teste, os pesquisadores devem analisar a segurança do composto e também determinar a dose ideal a ser administrada.

A vacina se baseia no estímulo ao sistema imunológico pra limpar as placas amiloides que são a chave da doença de Alzheimer.

Elas se formam quando pedaços da proteína beta-amiloide se acumulam nas células nervosas, bloqueando as sinapses, região dos impulsos nervosos, o que prejudica as memórias.

Medicamento aprovado

Em junho deste ano, a Food and Drug Administration (FDA), a Anvisa dos EUA, aprovou o primeiro medicamento para o Alzheimer, o aducanumab, mas a decisão veio acompanhada de polêmicas. Ainda não há consenso sobre a eficácia do remédio e mais testes clínicos foram solicitados à fabricante.

Há ainda outros medicamentos à base de anticorpos que podem entrar no mercado no futuro. A farmacêutica Eli Lilly planeja enviar dados de seu remédio, o donanemab, ao FDA até o final do ano. As empresas Biogen e Eisai também estão nessa corrida com seu medicamento, o lecanemab.

Com informações da Superinteressante

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: HOSPITAL DA UNIVERSIDADE DE HAVARD TESTA EM HUMANOS VACINA CONTRA ALZHEIMER

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: UM SAPATO BIODEGRADÁVEL QUE SE TRANSFORMA NUMA MACIEIRA AO SER DESCARTADO

Um sapato diferente que pode revolucionar o mercado de calçados no mundo é o destaque desta sexta-feira, aqui na coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE. Um estilista desenvolveu o sapato biodegradável, que depois de descartado, ao ser enterrado se transforma em uma macieira. Incrível não? Então leia o artigo completo a seguir e conheça a história desse produto espetacular!

O estilista faz sapatos que se transformam em macieiras, em vez de aterros sanitários

Calçado johnny

A lenda de Johnny Appleseed: o homem que andava por Ontário e pelo norte dos Estados Unidos espalhando sementes de maçã, cria raízes em um novo par de chutes que se biodegradam e fazem crescer uma macieira quando são descartados.

Combater a poluição do plástico é o principal objetivo do novo calçado, mas também ajuda um pouco o meio ambiente ao ajudar no reflorestamento.

Luc Houle, de 33 anos, morador de Toronto, está trabalhando para levar “Johnny”, a marca do calçado, ao mercado através do Kickstarter , que atualmente está a apenas US $ 1.000 tímido de sua meta de US $ 55.000.

Johnnys são sapatos comuns de lona simples feitos sem plástico, utilizando materiais biodegradáveis ​​do Comércio Justo.

Acolchoado, leve e resistente à água, o Johnnys não se biodegrada em seus pés, mas depois que os anos se desgastam e chega a decisão de passar para novos chutes, eles podem ser enterrados, pois escondidos dentro da sola há uma maçã semente envolta em fertilizante.

Os materiais com os quais o calçado é feito contêm compostos naturais que atraem microrganismos para se alimentar e degradar o calçado ao longo de três anos.

Mesmo se você não tiver tempo para enterrá-los, eles ainda irão se biodegradar se jogados em um aterro sanitário.

Calçado johnny 

Quando a campanha for bem-sucedida (US $ 109 dará a você um par e uma árvore plantada em seu nome), Houle espera tê-los disponíveis para uma ampla gama de pessoas até agosto do próximo ano.

“O bom desse projeto é que, por ser um tênis biodegradável que se transforma em uma árvore, podemos ajudar em primeiro lugar, compensar a pegada de carbono das pessoas, mas também estamos ajudando a eliminar os plásticos”, disse Houle ao Blog Toronto . “E quanto mais pessoas pudermos alcançar com isso, maior será o impacto que podemos ter.”

ASSISTA ao vídeo City News para esta história abaixo).

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: UM SAPATO BIODEGRADÁVEL QUE SE TRANSFORMA NUMA MACIEIRA AO SER DESCARTADO

TECNOLOGIA: FIQUE ANTENADO E SAIBA QUAIS SÃO AS NOVAS PROFISSÕES TECNOLÓGICAS

Com o evento da 4ª revolução industrial muitas profissões estão desaparecendo e outras surgindo no mercado de trabalho mundial. A coisa é tão dinâmica que algumas profissões podem durar apenas alguns anos. Diante dessa nova e dura realidade é muito importante que as pessoas que estão no mercado de trabalho fiquem antenadas nessa, por assim dizer, dança das cadeiras, para se manterem atualizadas e presentes no mercado de trabalho. Por isso a publicação de hoje, aqui na coluna TECNOLOGIA trata das novas profissões em tecnologia. 

Arquivos Tecnologia - Tem lugar para mim?

As novas profissões em tecnologia

Com o avanço dos últimos anos, a tecnologia deixou de ser um diferencial. Hoje, investir em digitalização é essencial para empresas de todos os setores se manterem competitivas no mercado. As incertezas geradas pela pandemia, junto da evolução do trabalho remoto e a tendência de adoção do modelo híbrido, aceleraram os processos de transformação digital e impulsionaram as iniciativas de inovação, com aplicação de metodologias de gestão ágeis e digitalização de processos.

Segundo a McKinsey, o déficit de profissionais em tecnologia no Brasil até 2030 passa de 1 milhão de pessoas e, de acordo com o Institute For The Future (IFTF), 85% das profissões que existirão nesse mesmo ano ainda não foram criadas. Foi percebendo essa volatilidade no mercado de trabalho que Leandro Herrera, fundador e CEO da edtech Tera, começou a capacitar profissionais nas habilidades digitais mais importantes para os negócios. A startup já formou mais de 6.000 estudantes, que hoje ocupam posições em empresas como PicPay, Nubank e Loft. “A maneira como os adultos se qualificam para o mercado de trabalho está em processo acelerado de “disrupção”. Vamos ver cada vez mais pessoas procurando mudar de carreira ou se desenvolver para avançar profissionalmente e os métodos tradicionais de educação não darão conta”, conclui Herrera.

Segundo a consultoria norte-americana de RH Robert Half, entre as principais carreiras para o futuro do trabalho estão Tecnologia, Recursos Humanos e Jurídico. Confira como é o dia a dia dos profissionais dessas áreas:

BUSINESS INTELLIGENCE (BI) 

O interesse por organização de dados começou muito cedo na vida de Jeferson Luiz Rosa, mentor da Acelerar, aceleradora de Negócios Colaborativos, da Área Central — o projeto visa estruturar o processo de compra conjunta das centrais de negócios. Ele conta que sempre gostou de organizar demandas por meio de planilhas e formulários e que, por isso, procurou se capacitar com cursos práticos e de especialização. “Para essa profissão é essencial gostar de resolver problemas, ser organizado e colaborativo. Além de fazer cursos, também é preciso praticar: mesmo que seja algo simples, como uma tabela de gastos pessoais, pegue esses dados, crie um dashboard e analise. Isso fará toda a diferença”, explica. No dia a dia, Rosa é responsável por analisar dados internos e elaborar dashboards com indicadores que apoiem a tomada de decisões da empresa. Além disso, como mentor, auxilia os clientes a explorarem os dados que o software para gestão de redes e centrais de negócios da Área Central coleta e trata, gerando informações sobre as compras conjuntas que ocorrem dentro da plataforma.

SEGURANÇA DIGITAL 

A rotina de Rafael Aceno, DevSecOps na fintech Transfeera, se divide entre monitorar eventos de segurança, melhorar regras automáticas de detecção de ataques, investigar e tratar incidentes, além de implementar novas medidas de segurança para proteção de clientes — a empresa possui uma plataforma open banking de gestão e processamento de pagamentos. Aceno é formado em Sistemas da Informação, com nove certificações internacionais em segurança digital: “Todos os dias surgem novas vulnerabilidades e metodologias de ataques cibernéticos, por isso, é primordial se manter atualizado e tentar estar sempre à frente dos hackers”, explica. Para ele, é essencial saber solucionar problemas, ter curiosidade e conseguir trabalhar sob pressão durante os incidentes. De habilidades técnicas, Aceno ressalta que, como não existem muitos cursos práticos focados em cybersecurity, é importante estudar por conta própria, além de dominar algumas tecnologias, como arquitetura de segurança nos provedores de cloud; IaC (infraestrutura como código); ferramentas de SAST (Static Application Security Testing) e DAST (Dynamic Application Security Testing); conhecer as linguagens de programação python e GO para criação de scripts automatizados; e frameworks de cybersecurity como NIST, CIS e ISO27001.

COMPLIANCE E LGPD 

Fernanda Arruda, head de compliance na fintech Transfeera e graduada em Direito, conta que começou a trabalhar na área em 2016, mas que foi em 2019, com o andamento de operações como a Lava Jato e a consequente necessidade que algumas empresas tinham de desenvolver o compliance — criando código de ética, políticas anticorrupção e antissuborno, por exemplo — que ela percebeu a grande demanda por um serviço especializado. “Ano passado formalizamos na empresa um programa de compliance, que é voltado para ética e Prevenção à Lavagem de Dinheiro de Combate ao Financiamento do Terrorismo (PLD/FT). Diariamente monitoramos centenas de operações para avaliar os riscos de PLD/FT. Desenvolvemos critérios para análise de clientes que querem ingressar em nossa base. Fazemos treinamento de toda equipe e de cada colaborador que ingressa para que todos tenham conhecimento do nosso programa de compliance e o apliquem em seu dia a dia”, conta. Fernanda explica que o compliance não é uma atividade exclusiva da advocacia e dá dicas para quem quer entrar no ramo: “Meu conselho é investir em um curso voltado para a área de compliance e trabalhar habilidades que ajudem em múltiplas demandas. Também, ter energia e se manter informado é fundamental para entender os movimentos das empresas e do poder público”.

PRODUCT MANAGER  

Quando Maíra Storch descobriu o que era Product Management — área que conecta desenvolvimento, experiência do usuário e negócios —, percebeu que já estava trabalhando com isso. Ela, que agora é a Product Manager da startup global de vendas e gestão Kyte, conta que a profissão tem uma rotina bem diversa e exige empatia e capacidade de aprendizado. “Lidamos com muitas pessoas diferentes: entender os clientes, discutir estratégia com líderes, pensar em soluções com designers e desenvolvedores, planejar lançamentos com o marketing… e ainda ser mediador entre todos! Por isso, a comunicação é outra habilidade fundamental”. Formada em Administração de Empresas e com diversos cursos de gestão de produto, Maíra reforça que estudar a teoria é muito importante, mas que a base da profissão está na experiência diária. “Por conta disso, não há muitas vagas de entrada. Uma alternativa é entrar por áreas próximas, como UX Design e Análise de Negócios. Você também pode praticar de outra forma — como freelancer ou desenvolvendo um produto seu, por exemplo”, aconselha. “Tem várias formas de criar (ou pelo menos testar) um produto sem programar, inclusive!”.

UX DESIGNER  

Garantir que os usuários de produtos digitais tenham uma experiência agradável é o principal objetivo profissional da Patrícia Klitzke, que trabalha como UI/UX Designer na divisão de Agricultura da Hexagon — empresa que desenvolve e fornece tecnologias para o campo. No seu dia a dia, Patrícia recebe solicitações de melhorias e de novas funcionalidades, buscando encontrar soluções que atendam à empresa e ao cliente. “Vontade de aprender e de resolver problemas são essenciais, assim como as soft-skills de empatia, boa comunicação e curiosidade”, explica. Entre as habilidades técnicas necessárias para a área, a UI/UX Designer aponta escrita, pesquisa, prototipação e noções de programação. Graduada em Design de Produto, com Pós-Graduação em User Experience Design e cursos de Front-End, ela ainda reforça que o estudo é o principal caminho para quem quer seguir na área. “Existem diversos cursos gratuitos e tutoriais que ensinam a utilizar as ferramentas mais comuns. Além disso, também é interessante participar de grupos e meetups e interagir com pessoas da área no LinkedIn”, diz.

ENGENHEIRO DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 

Doutoranda em Engenharia de Automação e Sistemas, Alana de Melo e Souza, é desenvolvedora de software na Sensorweb, líder em soluções de IoT para cadeia fria da área da Saúde e logística. Dedicada a tecnologias de Inteligência Artificial (IA), ela conta que seu conhecimento foi adquirido através da pós-graduação e graduação e no desenvolvimento de projetos. Além do conhecimento científico, parte do aprendizado foi conquistado por meio autodidata. “O campo da IA muda todos os dias, portanto o Engenheiro de IA deve se manter atualizado constantemente. Aprofundando na pesquisa autodidata sobre inovações científicas e tecnológicas do momento. Utilizando livros, artigos e conteúdos na internet para entender como é o desenvolvimento de sistemas que envolvem IA (Inteligência Artificial), abordando diferentes linguagens de programação, e aprofundando no mundo da matemática e probabilidade/estatística para o aprendizado de máquina”, explica. Na Sensorweb, os projetos no setor de P&D aos quais Alana participa tem como objetivo desenvolver ferramentas avançadas de predição de informações futuras e suporte à tomada de decisões técnicas baseadas em dados. “Essa tecnologia possibilita usar informações para fazer previsões ou classificar novos dados em formato de diagnósticos com muito mais agilidade que qualquer ser humano”. Em paralelo, a engenheira trabalha no projeto de doutorado com IA ligada à visão computacional, outra tecnologia que monitora ambientes visuais através das câmeras de maneira automatizada. Como lição de casa aos futuros profissionais, ela reforça que aprender a programar é essencial. Ela também aconselha: seja curioso (a) e invista nos estudos. “Digo isso, no sentido que, ao se deparar com problemas, esteja pronto para investigar e infiltrar no mais assertivo conceito que possa existir para contribuir com a redução de erros, eliminando trabalhos repetitivos e mostrando agilidade e precisão nos resultados com a automação de processos. Essa é uma área que demanda do profissional levar a sério os métodos de estudo, saber conectar o meio científico com o meio prático ao desenvolver sistemas, levando a teoria para o mundo real”, finaliza.

ESPECIALISTA EM TRANSFORMAÇÃO DIGITAL 

Ter pensamento intuitivo e menos convencional; deixar fluir a criatividade; desenvolver a capacidade de ficar confortável com o desconforto; foco em inovação e resultados; interagir com profissionais multidisciplinares; resiliência; e manter uma visão holística. Esses são os conselhos de Rafael Scala, executivo de novos negócios e especialista em Transformação Digital da Softplan, para quem quer seguir este caminho. Engenheiro de Controle e Automação, ele conta que já na universidade era instigado a otimizar processos e automatizá-los, desde a extinção do papel até o uso de Inteligência Artificial para solucionar problemas que antes eram exclusivos dos seres humanos. “A transformação digital é um mindset imposto pela própria engenharia, e as cadeiras de automação nos obrigam a sedimentar esse conceito”, explica. Na Softplan há oito anos, Rafael atua para levar tecnologia ao segmento de infraestrutura e transportes de cargas e passageiros, onde todas as ações são voltadas para gerar transformação digital por meio de soluções e aplicativos especializados para a gestão pública. Tecnologias que resultam em mudança para clientes e usuários finais, que auxiliam na redução de tempo e de burocracia, facilitando a interação dos cidadãos com os órgãos públicos, e que asseguram a responsabilidade na gestão dos recursos públicos. “Nossa principal atividade é promover a otimização dos serviços públicos prestados ao cidadão, proporcionando maior celeridade, automatização e transparência, levando maior autonomia para a sociedade no seu relacionamento com o governo. É importante entender que as rodovias têm diversos dispositivos que devem ser geridos pelo órgão público para garantir a segurança e conforto dos usuários da via — transformamos para o digital esse processo, antes realizado por meio presencial, reduzindo o tempo de atendimento e automatizando diversos setores”, conclui.

ESPECIALISTA EM DATA SCIENCE 

Sempre buscar conhecimento, especializar-se em estatística e programação, ser curioso e focar em áreas do seu interesse são os conselhos do Thiago Stabile, gerente de Data Science, que também atua na Softplan. Thiago é formado em Sistemas de Informação e se especializou em novas tecnologias, hoje focadas na área jurídica. Atualmente, está à frente dos estudos e do desenvolvimento das inovações que a empresa oferece ao ecossistema de Justiça. As soluções da Softplan promovem a transformação digital em Tribunais, Ministérios Públicos, Defensorias, Procuradorias e escritórios de advocacia. “Eu cresci em uma companhia de tecnologia que atende e informatiza vários segmentos da nossa sociedade, mas foi a Justiça que me motivou a focar meus estudos e minha carreira. Hoje, atuo como gestor de um time de ciência de dados que trabalha com tecnologia de ponta e análise de dados jurídicos”, conta. Na rotina, estão atividades como gerenciar as equipes técnicas, definir tecnologias, fazer levantamentos de requisitos funcionais e não funcionais, além de levantamentos de dados e métricas. Para trabalhar com ciência de dados, Thiago destaca que é essencial gostar de matemática, estatística, programação e computação em nuvem. “Independentemente da área, é necessário entender a fundo as informações que estão sendo trabalhadas e o modelo de negócio de onde os dados são extraídos. Também é importante trabalhar em equipe e compartilhar conhecimentos, principalmente se você atuar em um segmento diferente do seu, como é o caso do direito digital”, ressalta.

Fonte: TI Nordeste

Continuar lendo TECNOLOGIA: FIQUE ANTENADO E SAIBA QUAIS SÃO AS NOVAS PROFISSÕES TECNOLÓGICAS

SAÚDE: O SEGREDO DO HOMEM DE GELO DESVENDADO PELO DR. SAMUEL DALLE LASTE

Na edição desta quinta-feira da nossa coluna SAÚDE você vai assistir a uma palestra super interessante do Dr. Samuel Dalle Laste sobre o método Wim Hof, o holandês conhecido como “o homem de gêlo”, que ficou submerso num barril de água e gelo por quase duas horas e suas funções vitais não se alteraram. Um verdadeiro enigma para a ciência estudar. Ele desenvolveu um método, onde ele treina pessoas para conseguirem essa proeza. Então esse é um vídeo que você não pode perder. Não é que você vá fazer a mesma coisa, mas o método ensina como você superar os desafios mais difíceis da sua vida, seja no camo físico, mental, espiritual ou emocional.

Continuar lendo SAÚDE: O SEGREDO DO HOMEM DE GELO DESVENDADO PELO DR. SAMUEL DALLE LASTE

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O COCÔ HUMANO É O NOVO OURO NEGRO EM WASHINGTON DC

Uma sofisticada estação de tratamento de esgoto é o destaque da nossa edição desta quarta-feira, aqui na coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE. Essa poderosa estação está localizada em Washington DC e está transformando os resíduos da capital em capital vivo que fertiliza os jardins das fazendas da região do Meio-Atlântico e economiza grandes quantidades de recursos. Então convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer essa fantástica inovação!

Estação de esgoto de Washington, DC transforma cocô humano em ouro fertilizante

Em Washington DC, uma sofisticada estação de tratamento de esgoto está transformando os resíduos da capital em uma forma de capital: capital vivo que fertiliza os jardins das fazendas da região do Meio-Atlântico e economiza grandes quantidades de recursos.

Descrita pelos trabalhadores de lá como uma “usina de recuperação de recursos”, a DC Water opera uma usina de biogás e produção de fertilizante de alta qualidade durante seu trabalho sujo para garantir que os resíduos da cidade encontrem um ponto final seguro.

A capital do país é excepcional na produção de resíduos dos vasos sanitários de 2,2 milhões de pessoas que vivem, trabalham e se deslocam pela cidade e seus subúrbios.

Reportagem de Lina Zeldovich revela que, em vez de transportar tudo para um aterro, a DC Water extrai uma grande quantidade de valor do lixo de capital, olhando para ele como um recurso para enviar através da maior estação de tratamento de águas residuais avançado do mundo , que usa um “ processo de hidrólise térmica ”no qual é esterilizado, decomposto e enviado para processamento no“ Bloom ”, um fertilizante de liberação lenta rico em nitrogênio. 

O outro “Ouro Preto”

Em suas instalações no sudoeste de Washington, enormes tanques de aeração filtram o cocô de todos, desde turistas até o presidente. Depois de tudo ser colocado em enormes panelas de pressão onde, sob a gravidade de seis atmosferas terrestres e 300 ° F, a vasta lama negra se torna inofensiva.

Em seguida, este “ouro negro”, como Zeldovich o descreveu, é bombeado em enormes tanques ricos em bactérias onde os micróbios quebram grandes moléculas como gorduras, proteínas e carboidratos em componentes menores, reduzindo a tonelagem geral de esgoto para 450 toneladas por dia de 1.100 no início do processo.

Essa micro-mastigação em massa também produz metano, que quando alimentado em uma turbina local, gera incríveis 10 megawatts de energia verde que pode abastecer 8.000 residências próximas. As 450 toneladas de resíduos restantes das fezes do DC são enviadas para outra sala, onde correias transportadoras retiram o excesso de fluido antes de alimentá-lo por meio de grandes rolos que o comprimem em pequenos pedaços reunidos.

A DC Water o envia para outra empresa chamada Homestead Gardens para secar, envelhecer e embalar antes de ser vendido como Bloom.

“Eu cultivo tudo com ele, abóbora, tomate, berinjela”, diz Bill Brower, um dos engenheiros da fábrica, a Zeldovich. “Tudo cresce muito bem e gosto muito”, acrescenta.

“E eu não sou o único que pensa assim. Ouvimos de muitas pessoas que eles têm a melhor resposta que já viram nas plantas. Particularmente com verduras com folhas, porque o aumento de nitrogênio funciona bem com plantas com folhas. E as plantas parecem ter menos doenças e menos pragas – provavelmente porque o Bloom ajuda a construir solos saudáveis. ”

Enquanto fazendas em todo o país estão enfrentando o esgotamento de nutrientes nos solos devido ao cultivo excessivo, voltando-se para fertilizantes sintéticos para compensar a diferença, a introdução de mais plantas de hidrólise térmica poderia realmente revolucionar a maneira como os humanos olham para suas fezes – como uma forma de restaurar o país solos em vez de poluí-los. Como diria Mike Rowe, basta uma pessoa que esteja disposta a sujar as mãos.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: O COCÔ HUMANO É O NOVO OURO NEGRO EM WASHINGTON DC

ARTIGOS: MÉTODO DA AUTOCURA, 1º PILAR: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, POR WAGNER BRAGA

Alimentação saudável: três coisas que você não pode esquecer

Na coluna ARTIGOS da semana passada falei sobre o Método da AUTOCURA, que desenvolvi ao longo de quase 40 anos e obtive inúmeras conquistas praticando este método, que não se restringe apenas a manutenção da saúde física, mas da Saúde Integral: física, mental, espiritual e emocional. Ao executar esse método você vai pegar um “atalho” para alcançar a sua melhor versão.

O primeiro pilar do Método da Autocura é a alimentação saudável.

Hoje em dia, quase todo mundo está cansado de saber que precisa se alimentar saudavelmente para ter uma saúde perfeita. O problema é que a maioria das pessoas, mesmo sabendo que isso é necessário não o faz. A desculpa, com frequência é que alimentação saudável é caro e não tem sabor. Isso podia ser verdade há 10 anos ou mais, mas atualmente comer saudavelmente, além de não ser mais caro, passou a ser uma comida saborosa. As pessoas precisam experimentar para mudar de paradigma.

Mas se alimentar saudavelmente é antes de mais nada uma mudança de hábitos, de vícios que aprendemos desde a mais tenra idade. Algumas mudanças simples de hábito sem mesmo mudar o tipo de alimento já te dá um ganho fantástico de saúde. Vou citar apenas alguns, que você pode testar e depois avaliar se o que estou dizendo procede ou não:

  • Eliminar líquidos durante as refeições – os líquidos durante as refeições dilui o ácido clorídrico, que precisa ser bastante ácido para promover a digestão e quebrar as moléculas através da atuação da pepsina. Desta forma a digestão fica comprometida e os nutrientes importantes não são devidamente absorvidos.
  • Eliminar a sobremesa – Quando terminamos de comer uma refeição, normalmente, temos um pico de glicose. Se depois disso ainda ingerirmos mais açucares, ainda que seja uma fruta, vai ser tudo tranvai gastar nenhum centavo a mais sformado em gordura e vai ficar acumulada no tecido adiposo.
  • Comer uma fruta fibrosa antes da refeição – ingerir uma fruta pelo menos 30 minutos antes da refeição vai saciar a fome, fazendo você comer menos do prato principal e também vai preparar as paredes do estomago e dos intestinos melhorando a sua permeabilidade, em função das fibras.
  • Beber muita água diariamente – O nosso organismo requer de 25 a 35 ml de água por quilo de peso corporal, por dia. Alguém que pese 70 kg, precisa beber pelo menos 2,1 litros de água por dia. Um hábito muito simples e barato, mas que poucas pessoas levam a sério e realmente o fazem.
  • Reduzir substancialmente o hábito de comer carne vermelha, substituindo pela proteína vegetal.
  • Eliminar 100% o consumo de refrigerantes, sucos de caixa e comidas industrializadas e processadas.

Ao executar essa dieta alimentar você já estará se habilitando a não adoecer e se adoecer terá rápida recuperação. Até aqui você não terá gastado nenhum centavo a mais. Pelo contrário estará economizando por ter retirado a sobremesa, o suco e reduzido substancialmente a carne das suas refeições. Ao implementar uma dieta alimentar fit rica em proteína, magnésio, cálcio, zinco e outros elementos fundamentais para o aumento da imunidade, você estará garantindo uma saúde física perfeita.

No próximo artigo vamos falar sobre o segundo pilar do método da Autocura: a prática diária de exercícios físicos. Até lá!

Continuar lendo ARTIGOS: MÉTODO DA AUTOCURA, 1º PILAR: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, POR WAGNER BRAGA

BOAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES REGISTRAM RECORDE DE BEZERROS DE JUBARTE NA COSTA DE SEATTLE

Uma espetacular notícia é o destaque deste domingo, aqui na coluna BOAS NOTÍCIAS do Blog do Saber. Pesquisadores registram número recorde de bezerros de baleias jubartes na costa de Washington e British Columbia, perto de Vancouver, documentaram 21 filhotes, de acordo com a Pacific Whale Watch Association (PWWA). Vale a pena ler o artigo completo a seguir e conhecer os detalhes dessa matéria.

25 anos atrás, não haviam jubartes na costa de Seattle, mas agora 500 voltam com número recorde de bezerros

Por Sara Hysong-Shimazu / Pacific Whale Watch Association 

Um número recorde de bezerros foi registrado no Mar Salish nesta temporada, marcando uma recuperação significativa para uma espécie que estava em perigo há apenas 25 anos.

Observadores de baleias e pesquisadores na costa de Washington e British Columbia, perto de Vancouver, documentaram 21 filhotes, de acordo com a Pacific Whale Watch Association (PWWA).

De acordo com Mark Malleson, do Center for Whale Research, esse é o maior número anual registrado até agora para a região, e é quase o dobro do registrado no ano passado, quando 11 bezerros foram documentados.

“2021 foi um ano marcante para as jubartes fêmeas que chegam ao Mar Salish com novos bezerros”, diz Wendi Robinson, naturalista da Puget Sound Express. “Os bezerros só viajam com a mãe por um ano ou mais e então ficam por conta própria. Uma vez que estão familiarizados com nossas águas, eles geralmente retornam ano após ano para se alimentar. ”

Quanto à causa do baby boom deste ano, Erin Gless, diretora executiva da Pacific Whale Watch Association , só pode especular.

“Não temos certeza de por que houve tantos bezerros este ano”, diz ela. “É possível que nos últimos dois anos houvesse fartura de alimento para as baleias.”

“25 anos atrás, aqui nas águas interiores da Colúmbia Britânica, não tínhamos baleias jubarte, então esse é um fenômeno novo em nossas águas … elas compensaram o tempo perdido. Estamos vendo muitas e muitas baleias, o que é super emocionante. ”

Mar de Salish da ISS em órbita 

O outono traz o pico da atividade das jubartes no Mar Salish, quando as baleias aproveitam suas últimas oportunidades de alimentação antes de viajar para o sul no inverno. Nos próximos meses – depois de comer 2.000 libras (900 kg) de peixes e krill todos os dias – as jubartes nadarão para criadouros perto do Havaí e do México para acasalar, dar à luz e retornar no final da primavera.

As jubartes também se recuperaram no Atlântico sul. Depois que a população diminuiu para apenas 450 baleias, a pesquisa de 2019 mostrou que os números voltaram para 25.000 – uma estimativa agora perto dos números anteriores à caça às baleias.

Em junho, a administração Biden dos Estados Unidos anunciou que estaria protegendo oficialmente 116.098 milhas náuticas quadradas do Oceano Pacífico como habitat crítico para três populações de baleias jubarte ameaçadas de extinção.

As evidências mostram que as espécies em perigo ou ameaçadas que têm habitat crítico protegido têm duas vezes mais probabilidade de se recuperar do que aquelas sem ele – portanto, podemos esperar que essas tendências positivas para as jubartes do Pacífico continuem.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES REGISTRAM RECORDE DE BEZERROS DE JUBARTE NA COSTA DE SEATTLE

SAÚDE: DIABETES E SÍNDROME METABÓLICA? SAIBA COMO CURAR NATURALMENTE

Nesta quinta-feira, aqui na coluna SAÚDE você vai descobrir junto com o Dr. Marco Menelau uma fruta que é remédio para diabetes e síndrome metabólica. Uma maneira natural e sem efeito colateral de você se curar de duas doenças que são o mal do século e está matando muita gente de uma cajadada só. Então se liga ai e assista ao vídeo completo a seguir.

Fonte:

Dr. Marco Menelau
Continuar lendo SAÚDE: DIABETES E SÍNDROME METABÓLICA? SAIBA COMO CURAR NATURALMENTE

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: A COP26 DEIXOU 7 MEDIDAS PRÁTICAS QUE OS GOVERNOS PRECISAM TOMAR PARA LIMITAR O AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5%

Na nossa coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE desta quarta-feira você vai saber o resumo da COP26 que aconteceu Glasgow, onde 200 países se reuniram para encontrar soluções para limitar o aquecimento global a 1,5 °C. No final restaram 7 medidas práticas que os governos precisam tomar para tentar alcançar esse objetivo maior. Convido você a ler o artigo completo a seguir e conhecer tasi medidas em detalhes!

7 medidas práticas que governos precisam tomar contra mudanças climáticas

Paul Rincon

Editor de ciências, BBC News

Nuvem negra saindo de chaminé industrialCRÉDITO,GETTY IMAGES

A COP26, conferência do clima que aconteceu na cidade escocesa de Glasgow neste mês, foi apresentada como a última chance de limitar o aquecimento global a 1,5 °C.

Depois de duas semanas de intensas negociações, os quase 200 países presentes à COP26, conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, assinaram no sábado (13/11) um acordo para tentar garantir o cumprimento da meta de limitar o aquecimento global a 1,5°C.

Mas, além dos acordos e das oportunidades de fotos, o que na prática os países precisam fazer para enfrentar as mudanças climáticas?

1. Manter os combustíveis fósseis no solo

A queima de combustíveis fósseis como petróleo, gás e, especialmente, carvão, libera dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, retendo o calor e elevando as temperaturas globais.

É uma questão que deve ser enfrentada a nível governamental para que o aumento da temperatura seja limitado a 1,5ºC — nível considerado como porta de entrada para mudanças climáticas perigosas.

No entanto, muitos dos principais países dependentes do carvão — como Austrália, Estados Unidos, China e Índia — se recusaram a assinar um acordo na conferência com o objetivo de eliminar progressivamente a fonte de energia nas próximas décadas.

2. Reduzir as emissões de metano

Um relatório recente da Organização das Nações Unidas (ONU) sugeriu que a redução das emissões de metano poderia dar uma contribuição importante para combater a emergência planetária.

Vacas caminhando por turbinas eólicas na NoruegaCRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,
Pesquisadores descobriram que mudar a dieta das vacas pode reduzir o metano que elas produzem

Uma quantidade significativa de metano é liberada a partir do chamado flaring — a queima de gás natural durante a extração de petróleo — e pode ser interrompida com soluções técnicas.

Encontrar maneiras melhores de descartar o lixo também é importante, porque os aterros sanitários são outra grande fonte de metano.

Na COP26, quase 100 países concordaram em reduzir as emissões de metano, em um acordo liderado pelos EUA e pela União Europeia. O Global Methane Pledge visa limitar as emissões de metano em 30% em comparação com os níveis de 2020.

3. Mudar para energia renovável

A geração de eletricidade e calor contribui mais para as emissões globais do que qualquer setor econômico.

Transformar o sistema global de energia, hoje dependente de combustíveis fósseis, em um dominado por tecnologia limpa — processo conhecido como descarbonização — é fundamental para atingir os objetivos climáticos atuais.

Painéis solares em um campoCRÉDITO,PA MEDIA

As energias eólica e solar vão precisar dominar a matriz energética até 2050 se os países quiserem cumprir suas metas de emissão líquida zero.

Há desafios, no entanto.

Menos vento significa menos eletricidade gerada, mas uma melhor tecnologia de bateria poderia nos ajudar a armazenar energia excedente de fontes renováveis, pronta para ser liberada quando necessário.

4. Abandonar a gasolina e o diesel

Também vamos precisar mudar a forma como abastecemos os veículos que usamos para nos locomover em terra, no mar e no ar.

Deixar para trás os carros a gasolina e diesel e adotar veículos elétricos será crucial.

Mulher e homem carregando um carro elétricoCRÉDITO,GETTY IMAGES

Caminhões e ônibus poderiam ser movidos a combustível de hidrogênio, idealmente produzido a partir de energia renovável.

E os cientistas estão trabalhando em combustíveis novos e mais limpos para aeronaves, embora os ativistas também estejam fazendo um apelo às pessoas para que reduzam o número de voos que pegam.

5. Plantar mais árvores

Um relatório da ONU em 2018 afirmou que, para haver uma chance realista de manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 °C, teremos que remover o CO2 do ar.

As florestas são excelentes em absorvê-lo da atmosfera — razão pela qual ativistas e cientistas enfatizam a necessidade de proteger o mundo natural reduzindo o desmatamento.

Fumaça durante um incêndio em uma área da Floresta Amazônica perto de Porto Velho, Rondônia, em 10 de setembro de 2019CRÉDITO,REUTERS

Programas de plantio em massa de árvores são vistos como uma forma de compensar as emissões de CO2.

As árvores provavelmente serão importantes à medida que os países lutam para atingir suas metas de emissão zero, porque, uma vez que as emissões tenham sido reduzidas o máximo possível, as emissões restantes poderiam ser “anuladas” por sumidouros de carbono, como as florestas.

6. Remover os gases de efeito estufa do ar

Tecnologias emergentes que removem artificialmente o CO2 da atmosfera, ou impedem que ele seja liberado em primeiro lugar, podem desempenhar um papel nisso.

Uma série de instalações de captura direta de ar estão sendo desenvolvidas, incluindo as construídas pela Carbon Engineering, no Texas, e pela Climeworks, na Suíça.

Estas máquinas funcionam usando ventiladores enormes para sugar o ar para um filtro químico que absorve CO2.

Climeworks, tecnologia de captura direta de arCRÉDITO,CLIMEWORKS

Legenda da foto,
A primeira instalação de captura direta de ar da Climeworks foi inaugurada em 2017 — a empresa agora tem 15 máquinas em operação em todo o mundo

Outro método é a captura e armazenamento de carbono, que captura as emissões em “fontes pontuais”, nas quais são produzidas, como usinas de energia a carvão. O CO2 é então enterrado profundamente no subsolo.

No entanto, a tecnologia é cara — e controversa, porque é vista pelos críticos como uma ajuda a perpetuar a dependência dos combustíveis fósseis.

7. Ajudar financeiramente os países mais pobres

Na COP de Copenhague em 2009, os países ricos se comprometeram a fornecer US$ 100 bilhões (R$ 550 bilhões) em financiamento até 2020, destinados a ajudar os países em desenvolvimento a combater e se adaptar às mudanças climáticas.

O prazo não foi cumprido, embora o governo do Reino Unido, que detém a presidência da COP, tenha esboçado recentemente um plano para colocar o financiamento em prática até 2023.

População de Kiribati sendo afetada por inundaçãoCRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,
Países como Kiribati, no Oceano Pacífico, estão na linha de frente dos efeitos do aquecimento global

Muitos países dependentes do carvão estão enfrentando graves faltas de energia que colocam em risco sua recuperação da pandemia de covid-19 e afetam desproporcionalmente os pobres.

Estes fatores os impedem de se afastar de indústrias poluentes.

Alguns especialistas acreditam que as nações mais pobres vão precisar de apoio financeiro contínuo para ajudá-las a avançar em direção a energias mais verdes.

Por exemplo, os EUA, a União Europeia e o Reino Unido destinaram recentemente US$ 8,5 bilhões (R$ 46 bilhões) para ajudar a África do Sul a eliminar o uso de carvão.

Fonte: BBC News

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: A COP26 DEIXOU 7 MEDIDAS PRÁTICAS QUE OS GOVERNOS PRECISAM TOMAR PARA LIMITAR O AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5%

PONTO DE VISTA: GILSON MACHADO, MINISTRO DO TURISMO ABRE O VERBO E DESMORALIZA MINISTRA DO MEIO AMBIENTE DA FRANÇA

Caro(a) leitor(a),

Eu nunca consegui compreender como em pleno século 21, em meio a tanta tecnologia, uma quantidade imensa de satélites circulando na órbita do nosso planeta e uma quantidade absurda de câmeras espalhadas por todos os países do mundo, como é que uma simples narrativa de uma minoria, consegue transformar o Brasil, que detém a guarda da maior floresta virgem do mundo no maior vilão do aquecimento climático e do efeito estufa. Não conseguia entender o porquê de ter nenhum filho de Deus que fosse lá, em algum fórum mundial falar a verdade e provar com imagens o que realmente acontece no nosso planeta. 

Pois é, finalmente o cabra macho que tanto aguardávamos apareceu e ele se chama Gilson Machado, Ministro do Turismo, um nordestino da gema, carismático, com um enorme poder da eloquência e franqueza inerente a poucos homens públicos. 

Ele foi lá, disse tudo, não escondeu nada e desmoralizou a Ministra do Meio Ambiente da França, Bárbara Pompili, que em discurso na reunião do G20 blasfemou culpando o Brasil pelas mudanças climáticas ocorridas no mundo. Isso só confirma o velho ditado que diz: “quem fala tudo que quer, ouve o que não quer.

Na presença de líderes mundiais, ministro Gilson Machado desmente e desmoraliza ministra da França (veja o vídeo)

Gilson Machado - Foto: Agência BrasilGilson Machado – Foto: Agência Brasil

O Ministro do Turismo Gilson Machado desmentiu e desmoralizou a ministra do Meio Ambiente da França, Bárbara Pompili, que fez um discurso, em reunião do G20, culpando o Brasil pelas mudanças climáticas ocorridas no mundo.

Gilson Machado tomou a palavra e detonou:

“Nós somos responsáveis por 80% do dinheiro do mundo. Oitenta por cento do PIB mundial vêm de nossos países e nós produzimos 78% dos gases de monóxido de carbono, dos gases de efeito estufa na atmosfera. Alguns países aqui produzem esses gases há mais de 200 anos. Vocês sabem quanto desses 78% é do Brasil? 2,9%! (Comprovado por imagens) Satélite NASA.

A senhora sabe quanto por cento do meu país está igual a quando Jesus Cristo veio à Terra? 66% do meu território.

E a Amazônia brasileira está preservada, sim! Não pegou fogo. Não se acabou. (…) Temos 84% da Amazônia brasileira igual de quando Jesus Cristo veio à Terra. NASA (Comprovado por imagens). Tá aqui.

Um em cada cinco pratos que nós comemos aqui, no G20, veio do meu país! Com apenas 7% do seu território usado para agricultura”

Implacável!

Confira:

 

Continuar lendo PONTO DE VISTA: GILSON MACHADO, MINISTRO DO TURISMO ABRE O VERBO E DESMORALIZA MINISTRA DO MEIO AMBIENTE DA FRANÇA

BOAS NOTÍCIAS: CIENTISTAS DOS EUA DESCOBRIRAM UMA PROTEÍNA CAPAZ DE IMPEDIR A EVOLUÇÃO DO CÂNCER DE PROSTATA

Cientistas dos Estados Unidos descobriram uma proteína que impede a evolução do câncer de próstata. Este é o destaque, aqui na coluna BOAS NOTÍCIAS desta terça-feira. O novo estudo identificou uma molécula de RNA que não deixa os tumores do câncer de próstata crescerem. Uma excelente notícia para todos os homens. Por isso você não pode deixar de ler o artigo completo a seguir e conhecer todo os detalhes dessa descoberta espetacular!

Proteína que impede evolução do câncer de próstata é descoberta nos EUA

Cientistas dos Estados Unidos descobriram uma proteína capaz de impedir a evolução do câncer de próstata. Olha que notícia boa em pleno Novembro Azul, campanha abraçada este ano pelo Só Notícia Boa para estimular homens a procurarem o médico urologista e fazerem o exame de prevenção.

O novo estudo foi feito na Escola de Medicina da Universidade de Washington e identificou uma molécula de RNA que não deixa os tumores do câncer de próstata crescerem.

Os cientistas descobriram que o câncer de próstata desenvolve maneiras de desligar essa molécula, a proteína de RNA, para permitir seu crescimento. O novo tratamento restaura o RNA e abre caminho para novos tratamentos.

O estudo foi publicado na Cancer Research, da American Association for Cancer Research, na última sexta, 5.

Como

A proteína chave que impulsiona o crescimento do tumor da próstata, o receptor de andrógeno, se liga à testosterona e estimula o crescimento do câncer.

Estudando o trecho de DNA que codifica o receptor de andrógeno, os pesquisadores descobriram que uma seção da molécula de DNA próxima ao receptor de andrógeno produzia uma molécula chamada RNA longo não codificador.

Cerca de um em cada oito homens terá câncer de próstata – o que o torna o câncer masculino mais comum. A doença afeta principalmente pessoas com mais de 50 anos.

Resistência a terapias

Quando os cientistas implantaram em ratos amostras de tumor de próstata humano, o novo tratamento restaurou o chamado RNA longo, que se mostrou eficiente para aqueles que tem resistência às terapias hormonais.

“As drogas que temos para tratar o câncer de próstata são eficazes inicialmente, mas a maioria dos pacientes começa a desenvolver resistência e as drogas geralmente param de funcionar depois de um ou dois anos”, disse o autor sênior Nupam P. Mahajan, PhD, professor de cirurgia.

“Nesse ponto, as opções disponíveis para esses pacientes são muito limitadas. Estamos interessados ​​em desenvolver novas terapias para pacientes que desenvolveram resistência – e acreditamos que a molécula de RNA que identificamos pode levar a uma abordagem eficaz ”.

Supressor do tumor

Eles descobriram que este longo RNA não codificador desempenha um papel fundamental na regulação do receptor de andrógeno e vice-versa.

“No câncer de próstata, o receptor de andrógeno é muito inteligente”, disse Mahajan, que também é pesquisador do Siteman Cancer Center do Barnes-Jewish Hospital e da Washington University School of Medicine.

“Nossa pesquisa mostra que ele suprime seu próprio supressor; essencialmente, ele se liga ao NXTAR e o desliga.

Isso significa que, em todas as amostras de câncer de próstata que estudamos, raramente encontramos NXTAR, porque ele é suprimido pela forte presença do receptor de andrógeno nesses tipos de tumores.

Nós descobrimos o NXTAR usando uma droga que meu laboratório desenvolveu que suprime o receptor de andrógeno. Quando o receptor de andrógeno é suprimido, o NXTAR começa a aparecer. Quando vimos isso, suspeitamos que tínhamos descoberto um supressor de tumor. ” (foto abaixo)

A droga, chamada (R) -9b, foi desenvolvida para atacar um aspecto diferente da biologia do câncer de próstata, em vez de apenas bloquear sua capacidade de se ligar à testosterona ou reduzir os níveis gerais de testosterona no corpo, como drogas atualmente aprovadas sim.

Tumores reduziram

Os pesquisadores mostraram que a restauração da expressão do NXTAR causou o encolhimento dos tumores. Eles também mostraram que não precisavam de todo o RNA não codificador longo para atingir esse efeito.

Uma pequena seção-chave da molécula NXTAR é suficiente para desligar o receptor de andrógeno.

“Esperamos desenvolver este medicamento (R) -9b e o NXTAR em novas terapias para pacientes com câncer de próstata que desenvolveram resistência aos tratamentos de linha de frente”, disse Mahajan.

“Uma estratégia possível é encapsular a droga de molécula pequena e a peça-chave do NXTAR em nanopartículas, talvez na mesma nanopartícula, e desligar o receptor de andrógeno de duas maneiras diferentes”.

Patente à vista

O inibidor (R) -9b foi licenciado para uma empresa iniciante de biotecnologia chamada TechnoGenesys.

Mahajan e o co-autor Kiran Mahajan são co-fundadores dessa empresa e já solicitaram a patente.

Vem conhecer mais sobre a Campanha do Novembro Azul que o SóNotíciaBoa apoia e divulga.

Na foto, o receptor de andrógeno do câncer de próstata é mostrado em vermelho escuro - Foto: Escola de Medicina da Universidade de St Louis
Na foto, o receptor de andrógeno do câncer de próstata é mostrado em vermelho escuro – Foto: Escola de Medicina da Universidade de St Louis

Com informações do GNN

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: CIENTISTAS DOS EUA DESCOBRIRAM UMA PROTEÍNA CAPAZ DE IMPEDIR A EVOLUÇÃO DO CÂNCER DE PROSTATA

BOAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES CRIAM ANTICORPOS TREINADOS PARA RECONHECER CÉLULAS VELHAS E RETARDAR ENVELHECIMENTO

Uma nova e extraordinária descoberta feita por pesquisadores da Universitat Oberta de Catalunya (UOC) – na Espanha – e da Universidade de Leicester – na Inglaterra é o destaque da edição deste domingo da nossa coluna BOAS NOTÍCIAS. Eles conseguiram treinar anticorpos para reconhecer células velhas. Além disso, “deram a eles uma carga tóxica para destruí-los, como se fossem um míssil de controle remoto”. Então você não pode deixar de ler o artigo completo a seguir e se inteirar sobre essa notícia espetacular!

Tratamento pioneiro destrói células velhas e retarda envelhecimento

Pesquisadores desenvolveram um novo tratamento que destrói células velhas dos tecidos e, assim, retarda o processo de envelhecimento humano e as doenças que ele traz ao longo dos anos.

A novidade vem de cientistas da Universitat Oberta de Catalunya (UOC) – na Espanha – e da Universidade de Leicester – na Inglaterra.

Nesse novo trabalho pioneiro, publicado na Scientific Reports, os pesquisadores usaram um anticorpo monoclonal treinado para reconhecer células senescentes (em envelhecimento) e se anexar a elas.

“Assim como nossos anticorpos reconhecem germes e nos protegem deles, nós projetamos esses anticorpos para reconhecer células velhas. Além disso, demos a eles uma carga tóxica para destruí-los, como se fossem um míssil de controle remoto ”, disse o pesquisador, que é chefe do Laboratório de Mecanismos de Câncer e Envelhecimento da Universidade de Leicester.

Uso contra doenças

O tratamento pode começar a ser administrado assim que aparecem os primeiros sintomas da doença, como Alzheimer, diabetes tipo 2, Parkinson, artrite, catarata ou alguns tumores.

A longo prazo, os pesquisadores acreditam que ele poderia até ser usado para alcançar um envelhecimento mais saudável em algumas circunstâncias.

Como funciona

Os cientistas desenvolveram um anticorpo que atua como uma bomba inteligente capaz de reconhecer proteínas específicas na superfície dessas células envelhecidas ou senescentes – em processo de envelhecimento.

Em seguida, esse anticorpo se liga a essas proteínas e libera um medicamento que os remove sem afetar o resto, minimizando quaisquer efeitos colaterais potenciais.

Os resultados deste trabalho abrem as portas para o desenvolvimento de tratamentos eficazes para atrasar a progressão das doenças relacionadas com o envelhecimento e até mesmo o próprio processo de envelhecimento, com o objetivo de aumentar a longevidade e, acima de tudo, a qualidade de vida das pessoas.

“Agora temos, pela primeira vez, uma droga à base de anticorpos que pode ser usada para ajudar a desacelerar a senescência celular em humanos”, observou Salvador Macip, o líder desta pesquisa, médico e pesquisador da UOC e da Universidade de Leicester.

A ideia

Os cientistas se basearam nos conhecimentos que têm sobre o câncer para fazer esse novo tratamento.

“Baseamos este trabalho em terapias contra o câncer existentes que têm como alvo proteínas específicas presentes na superfície das células cancerosas e, em seguida, as aplicamos às células senescentes”, explicou o especialista.

Todos os organismos vivos têm um mecanismo conhecido como “senescência celular” que interrompe a divisão das células danificadas e as remove para impedir que se reproduzam. Esse mecanismo ajuda a desacelerar o progresso do câncer, por exemplo, além de ajudar a modelar o tecido no estágio de desenvolvimento do embrião.

Porém, apesar de ser um mecanismo biológico muito benéfico, contribui para o desenvolvimento de doenças quando o organismo atinge a velhice. Isso parece ocorrer porque o sistema imunológico não é mais capaz de remover com eficiência essas células senescentes, que se acumulam gradualmente nos tecidos e afetam negativamente seu funcionamento.

Experimentos de laboratório realizados anteriormente com modelos animais mostraram que a eliminação dessas células com drogas retardava o progresso da doença e o declínio associado à própria idade. Isso foi feito com um novo tipo de medicamento, conhecido como senolítico. No entanto, carecem de especificidade e apresentam efeitos colaterais, dificultando seu uso em humanos.

O medicamento

O medicamento desenvolvido por Macip e sua equipe é um senolítico de segunda geração com alta especificidade e entrega controlada remotamente.

Eles começaram a partir dos resultados de um estudo anterior que analisou o “surfaceome”, as proteínas na superfície da célula, para identificar as proteínas que estão presentes apenas nas células senescentes.

“Eles não são universais: alguns estão mais presentes do que outros em cada tipo de célula envelhecida”, disse Macip.

Com informações da Universitat Oberta de Catalunya / GNN

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: PESQUISADORES CRIAM ANTICORPOS TREINADOS PARA RECONHECER CÉLULAS VELHAS E RETARDAR ENVELHECIMENTO

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: OS CAMINHOS TORTUOSOS DA CIÊNCIA PARA VALIDAR AS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS

Fiz questão de ler o texto a seguir completo para entender o posicionamento do Fr. Jeff Levin com relação aos limites entre a ciência, a espiritualidade e a religião, pois o título do mesmo é bastante sugestivo e curioso e pude concluir que existe uma grande resistência dos cientistas conservadores e adentrar no estudo mais profundo sobre cura, autocura e cura pela fé. O próprio receio de infringir dogmas e desrespeitar crenças religiosas em nome da ciência mantem um certo distanciamento da ciência em relação ao avanço de certas pesquisas no campo da concienciologia e da projeciologia e por isso conceitos científicos importantíssimos ainda não foram validados. Se você tem curiosidade em conhecer e entender o porquê de ainda estarmos caminhando tão lentamente no que tange a conexão mente-corpo-espírito leia o texto completo a seguir e expanda sua consciência.

Cura pela Fé: série investiga casos milagrosos - Band.com.br

A CURA PELA FÉ

Hoje em dia, Jeff Levin é considerado um dos principais nomes nos estudos científicos a respeito da relação entre as práticas religiosas ou espirituais e a saúde.

Gilberto Schoereder

Várias pesquisas vêm sendo realizadas nos últimos anos envolvendo o que alguns chamam de “o poder da oração”. Uma das grandes autoridades mundiais nesse campo é o dr. Jeff Levin, um epidemiologista social formado em religião, sociologia, saúde pública, medicina preventiva e gerontologia na Universidade Duke, na Universidade da Carolina do Norte, na Divisão Médica da Universidade do Texas e na Universidade de Michigan.

Ele é pesquisador do National Institute for Healthcare Research e seus estudos podem ser definidos como epidemiologia da religião – o estudo científico de como fatores espirituais previnem a incidência de enfermidades em determinadas regiões e a mortalidade, e promovem a saúde e o bem-estar – estabelecendo o relacionamento existente entre ciência, medicina e espiritualidade.

Seu trabalho estabelece pontes entre diferentes campos de atividade, como epidemiologia, gerontologia, sociologia, psicologia e medicina alternativa e complementar.

As perguntas básicas que seus estudos apresentam são: Como a fé religiosa atua como um recurso na prevenção de doenças e na promoção do bem-estar?; Um relacionamento de amor com Deus é uma característica das pessoas saudáveis?; A religiosidade é um fator de proteção contra doenças ao longo do processo de envelhecimento?; Existem efeitos terapêuticos ou preventivos de energias sutis ou estados alterados de consciência?

O resultado de suas pesquisas foi publicado no livro Deus, Fé e Saúde (Editora Cultrix). Entrevistamos o dr. Levin por e-mail para que ele nos falasse mais sobre seu trabalho e as mais recentes descobertas nessa área, assim como sua relação com teorias e posturas mais conservadoras da medicina, que ainda resistem em aceitar as evidências científicas coletadas nos últimos vinte anos.

A relação entre a oração ou as preces e a saúde se tornou um dos assuntos mais comentados da atualidade. Essa relação positiva entre ambas está definitivamente comprovada ou ainda estamos no campo das evidências? Em que ponto se encontram as pesquisas científicas?

O campo da pesquisa em espiritualidade e saúde compreende, na verdade, três áreas de estudo diferentes. Uma delas, aquela em que minha pesquisa se focou nos últimos vinte anos, envolve investigações epidemiológicas de como a fé ou o envolvimento religioso influencia a saúde física e mental. Já foram feitos mais de mil estudos com esse enfoque e, hoje, a idéia de que aspectos da vida religiosa podem ser benéficos para a saúde ou o bem-estar de algumas pessoas é aceita de forma geral e não controversa.

As duas outras áreas de pesquisa em espiritualidade e saúde envolvem: 1) estudos experimentais de laboratório, como em psicofisiologia, explorando os correspondentes espirituais de estados alterados de consciência; 2) testes clínicos investigando os efeitos da oração à distância. Em contraste com a pesquisa epidemiológica, esses estudos encontram muito mais resistência. Pessoalmente, acredito que existem boas evidências para ambas, mas os temas e conceitos levantados por esses estudos desafiam a estreiteza da visão de mundo de muitos cientistas das correntes estabelecidas.

Tem se falado na influência de fatores espirituais ou religiosos no processo de cura. Foi realizada alguma tentativa no sentido de determinar se se trata, de fato, de fatores espirituais, ou pode se tratar da ação da mente, como ocorre em tantos dos chamados “fenômenos parapsicológicos”? Em outras palavras, a crença de uma ou mais pessoas daria início a um processo ou uma ação mental. O que o senhor pensa a esse respeito?

Eu não estou certo de que usando os métodos naturalistas da ciência empírica poderemos algum dia desemaranhar esses dois conceitos. Aqui, nos Estados Unidos, médicos religiosamente muito conservadores opuseram muita resistência a essa pesquisa. Eles vêem os resultados de estudos de oração e cura, e quer atribuir qualquer cura subseqüente à intervenção “sobrenatural” de Deus. Outros reconhecem a possibilidade de que o ato de rezar envolva criar uma intenção mental positiva que pode ter, por si mesma, um efeito curativo. Mas isso é interpretado pelo primeiro grupo como blasfemo e até mesmo, acredite ou não, satânico – porque parece implicar efeitos que são inerentemente parapsicológicos, e a parapsicologia é considerada maligna.

Considero essa reação perturbadora por duas razões. Em primeiro lugar, fez muitos médicos cristãos conservadores rejeitar efetivamente os resultados de estudos de oração e cura, porque os estudos implicavam que as orações de qualquer um podem ser efetivas, independentemente de religião, talvez devido a algum tipo de mecanismo paranormal. Isso ameaça as reivindicações de exclusividade que alguns fazem para sua própria religião e para os resultados de orações dessa religião.

Em segundo lugar, se os resultados forem devidos “apenas” à parapsicologia – em vez de a Deus, por assim dizer -, por que isso seria um problema? Em última instância, todos esses efeitos vêm de Deus. Eu acredito que o Criador dotou os seres humanos com todo tipo de aptidão, algo que os grandes místicos conhecem há milhares de anos e que cientistas ocidentais só agora procuram entender. Mais de cem anos de pesquisa parapsicológica confirmaram isso, para satisfação minha e de muitos outros.

Durante suas pesquisas, o senhor teve conhecimento da ação dos chamados “médiuns de cura”? De alguma forma, esses casos podem estar relacionados? Já ouvimos falar que a cura não provém exatamente dos médiuns, mas da crença das pessoas que os consultam.

Pessoalmente, nunca pesquisei sobre médiuns, mas tenho uma posição a respeito. Acredito que, quando se trata de orações, cura pelas mãos ou por energia, ou qualquer outra forma sutil de terapia bioenergética ou relativa à consciência, todos os elementos da interação curativa podem ser importantes; em outras palavras, as habilidades, características e intenções de quem cura, o método da cura e as crenças do paciente. Tudo isso pode entrar em jogo até certo ponto, mas pode variar de acordo com a situação.

Quanto a uma condição sine qua non para o sucesso da cura, já ouvi muitos curandeiros dizendo que descobriram, por experiência própria, que é indispensável haver uma intenção amorosa por parte do curandeiro ou rezador; independentemente de outros elementos (método, técnica, expectativas de paciente, etc.). É fundamental haver uma intenção sincera e abnegada de amor fraterno, que deseje o melhor benefício para a pessoa, de acordo com a vontade de Deus.

Já ouvimos falar de experiências de “prece a distância”, com resultados positivos. Inclusive, as pessoas que realizavam as preces não sabiam a quem elas se dirigiam. O que o senhor pode nos dizer sobre esse assunto?

Como muitos leitores já devem saber, houve vários estudos recentes que investigaram os efeitos da oração a distância. Alguns desses estudos foram, de fato, bem controlados, com método duplo-cego e amostragem criteriosa; foram testes clínicos de certa forma similares aos testes farmacológicos que avaliam os efeitos de novas drogas. Para horror de muitos médicos acadêmicos convencionais, alguns desses estudos mostraram resultados, com índices de recuperação que foram melhores entre os pacientes que foram alvo de orações sem o saberem do que entre os pacientes dos grupos de controle.

Acredite ou não, já houve quase duzentas investigações desse tipo. E não só em pessoas, mas outros organismos, como animais e plantas. A pesquisa foi compilada de forma muito abrangente em um livro soberbo chamado Spiritual Healing (Cura Espiritual), escrito por meu amigo Dr. Dan Benor, um médico norte-americano. Ele descobriu que cerca de um quarto dos estudos foi realizado com uma metodologia de pesquisa impecável, e que, desse um quarto, aproximadamente três quartos constataram resultados positivos. Em outras palavras, isso é evidência e que orações a distância tiveram um efeito mensurável e benéfico.

Em seu livro Deus, Fé e Saúde, o senhor estabelece uma relação entre o modo como o compromisso religioso influencia o comportamento, e o modo como o comportamento influencia a saúde. No entanto, o comportamento de uma pessoa não está necessariamente ligado ou necessariamente dependente de um compromisso religioso. Foi feita alguma pesquisa no sentido de determinar o comportamento de pessoas não-religiosas, para ver se aquelas que têm comportamento saudável têm uma saúde melhor, como as religiosas ou espiritualizadas? O senhor diz em seu livro que as pesquisas mostram que o comportamento não-saudável não relacionado à postura religiosa ou espiritual?

É claro que as pessoas podem ser perfeitamente saudáveis sendo ou não sendo religiosas ou espiritualizadas. O que tentei fazer no meu livro foi examinar os “mecanismos” subjacentes às relações entre espiritualidade e saúde observadas em pesquisas. Essas associações existem, eu concluí, exatamente porque a religiosidade pode motivar comportamentos saudáveis, pode gerar relações sociais de apoio e solidariedade, pode produzir sentimentos ou emoções poderosos, etc. E já se sabe que cada um desses fatores – hábitos saudáveis, relacionamentos, sentimentos – é importante para a saúde.

Existem diferenças visíveis entre “estar associado a uma religião” e ter o que se poderia chamar de uma “atitude espiritual independente”? Faz diferença se a pessoa reza numa igreja ou em qualquer outro tipo de templo, ou se ela reza em casa, e segundo suas próprias regras? O que conta, afinal, é o comportamento, é o modo de pensar, é uma sintonia especial, ou outro fator?

Eu não acredito que faça qualquer diferença. Um dos primeiros fatos básicos que descobri quando comecei minha pesquisa, vinte anos atrás, é que um efeito saudável da religiosidade ou da espiritualidade parecia ser uma constante universal na natureza. Isto é, quando se toma como referência ou pessoas sem um caminho espiritual ou a população como um todo, efeitos epidemiologicamente protetores ou preventivos foram observados em católicos, protestantes, judeus, budistas, hindus, muçulmanos, zoroastristas, etc. Além disso, uma quantidade considerável de estudos mostrou um benefício às pessoas que, mesmo não sendo formalmente religiosas, estão envolvidas com meditação ou outras buscas espirituais.

O Institute of Noetic Sciences, uma esplêndida organização na Califórnia, publicou um relatório excelente chamado The Physcal and Psychological Effects of Meditation (Os Efeitos Físicos e Psicológicos da Meditação) documentando esses estudos.

O senhor entende que essa aproximação da ciência com a religião é uma tendência para o futuro? O filósofo Ken Wilber já vem se manifestando há anos a respeito da necessidade de se desenvolver aproximando as visões científica e espiritual. O que o senhor pensa a esse respeito?

Nos últimos trinta anos, os acadêmicos dos Estados Unidos têm demonstrado um considerável interesse em explorar a interface entre religião e ciência. Porém, muito desse discurso aconteceu dentro do contexto rígido das filosofias e visões de mundo adotadas pelos acadêmicos e pelas religiões predominantes. Um “novo paradigma” que unifique as abordagens científica e espiritual seria certamente um desdobramento bem-vindo. Mas precisamos nos perguntar: Qual paradigma? Qual abordagem científica? Perspectiva espiritual de quem?

Ken Wilber fala para muitas pessoas que têm interesse intelectual na consciência e em caminhos espirituais alternativos, mas eu não diria que o mundo acadêmico ortodoxo esteja pronto para isso. Para boa parte da comunidade acadêmica, o diálogo entre ciência e religião é um diálogo entre uma visão muito materialista e mecanicista de ciência e uma versão cartesiana de espiritualidade, baseada num paradigma muito antigo.

Já existe alguma tentativa de se desenvolver uma teoria a respeito dessa ação da prece na melhora da saúde das pessoas, ou ainda é muito cedo para isso? O senhor entende que uma teoria desse gênero deverá estar ligada a teorias desenvolvidas pela parapsicologia, envolvendo a atuação da mente sobre a matéria?

Uma das críticas que os céticos organizados fazem incessantemente à literatura científica sobre oração e cura é que esses estudos não podem ser verdadeiros porque não existe uma teoria que explique as descobertas. Assim, de acordo com essa crítica, os resultados são impossíveis.

A crítica é errônea por dois motivos distintos. Primeiro, a pesquisa clínica estabelece uma distinção entre eficácia e mecanismo de ação. A eficácia de uma terapia pode ser demonstrada muito tempo antes de se compreender o mecanismo subjacente de ação. É o caso da aspirina, que sabíamos que funcionava antes de entendermos por quê. Ignorar ou condenar os resultados de pesquisas metodologicamente sólidas porque eles não se enquadram nas atuais teorias seria a morte da ciência. Qualquer grande novo avanço, por definição, será gerado pela necessidade de se formular uma nova perspectiva teórica que responda a dados inesperados. É assim que as coisas têm funcionado ao longo da história da ciência.

Mas a segunda razão que invalida as objeções dos céticos é muito mais básica: existem, de fato, teorias e perspectivas para nos ajudar a entender como e por quê a oração pode curar. Sobre esse tópico já foi escrito mais do que eu poderia abordar aqui, mas basta dizer que há muitos anos têm surgido livros acadêmicos e artigos científicos com esse enfoque.

Propuseram-se muitos mecanismos de ação possíveis, aproveitando trabalhos estimulantes nas áreas da física, do estudo da consciência, da psicofisiologia e da parapsicologia. Todo tipo de força, energia ou campos foi cogitado, inclusive conceitos como os de mente estendida, campos mórficos, mente não-local, psi, energias sutis, etc. O pesquisador alemão, Dr. David Aldridge, escreveu muito sobre esse tópico, assim como meu amigo Dr. Larry Dossey, o médico norte-americano, em muitos de seus livros, como Palavras que Curam (Healing Words, Editora Cultrix).

Acredito que a parapsicologia guarda uma riqueza de demonstrações empíricas e de proposições teóricas no que tange à oração a distância e seus efeitos de cura. Mas, infelizmente, muitos cientistas e médicos acadêmicos ortodoxos desdenham e não acreditam nesse trabalho, ao mesmo tempo em que o conhecem tão pouco. Essa postura vem principalmente da ignorância e de uma necessidade corporativista de proteger o próprio território. É pena, mas isso também parece ser uma constante na história da ciência e da medicina.

Para Saber Mais:

Deus, Fé e Saúde – Jeff Levin –
Editora Cultrix
Fone : (11) 6166-9000
Site de Jeff Levin: / www.religionandhealth.com/index.htm

(Extraído da revista Sexto Sentido 52, páginas 26-31)

Fonte: IPPB
Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: OS CAMINHOS TORTUOSOS DA CIÊNCIA PARA VALIDAR AS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS

BOAS NOTÍCIAS: UM DISPOSITIVO INTRACRANIANO PODE SER A SOLUÇÃO PARA A DEPRESSÃO

Um excelente experimento que foi realizado pela Universidade da Califórnia, San Francisco é o destaque da nossa coluna BOAS NOTÍCIAS  deste domingo. O estudo que foi publicado na revista científica Nature testou em uma mulher um dispositivo, do tamanho de uma caixa de fósforo, que pode curar a depressão. A paciente testada garante que em poucas semanas a sua vida mudou. Leia o artigo completo a seguir e conheça os detalhes dessa fantástica descoberta que pode vir a salvar milhões de vidas num futuro breve.

Dispositivo experimental pode curar depressão

Um dispositivo experimental do tamanho de uma caixa de fósforo pode diagnosticar e tratar a depressão!

O experimento foi realizado pela Universidade da Califórnia, San Francisco, em uma paciente com caso grave da doença. O estudo nos traz esperança para a cura de uma doença que não tem idade e nem classe social!

Outra ótima notícia é que o resultado positivo do experimento trouxe animação especial aos médicos envolvidos. O estudo foi publicado na revista científica Nature, e novos voluntários já estão inscritos e iniciando o processo de mais experimentos.

Paciente garante que sua vida mudou

Sarah foi a paciente que recebeu o dispositivo. Ela garante que em poucas semanas, sua vida mudou. Ela já está há um ano com o aparelho.

“Dentro de algumas semanas, os pensamentos suicidas desapareceram”, revelou.

A cirurgia durou um dia inteiro, e realizou pequenos orifícios no crânio de Sarah para a instalação dos fios que monitoram e estimulam seu cérebro, bem como o implante da bateria e do gerador de pulso sob seu couro cabeludo e cabelo, introduzido em seu osso.

Segundo Katherine Scangos, psiquiatra da Universidade da Califórnia, o dispositivo age sobre o “circuito da depressão” no cérebro de Sarah, nas áreas onde se prevê a chegada dos sentimentos, bem como em região capaz de eliminar a depressão.

Com informações de Hypeness

O dispositivo se localiza em cavidade no crânio, e se conecta à região do cérebro. Foto: NatureFonte:

Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: UM DISPOSITIVO INTRACRANIANO PODE SER A SOLUÇÃO PARA A DEPRESSÃO

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SERRA LEOA RECEBE PROJETO MOVAMBA DE MICRORREDES SOLARES PARA ABASTECER 80 MIL PESSOAS SEM ENERGIA

Um projeto que vai trazer o progresso e mais qualidade de vida para comunidades pobres de Serra Leoa é o destaque desta edição da coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE. Financiado como parte do Projeto de Energia Renovável Rural (RREP) do Reino Unido após o surto de Ebola, as 32 microrredes solares totalizando 1,7 megawatts com o nome de Projeto Movamba fornecerão energia para comunidades que totalizam 80.000 pessoas – incluindo 23 centros de saúde.

Microrredes solares trazem 80 mil energia para Serra Leoa, algumas das quais ficaram sem ela por 60 anos

Lembra quando os telefones celulares precisavam de 2 a 4 horas para carregar totalmente? Se você pensou que isso era um problema, tente esperar 60 anos.

Felizmente, com os avanços da eletricidade solar, as comunidades em Serra Leoa, que estiveram fora do alcance do fornecimento de energia do estado por décadas, finalmente têm energia para chamar de seu.

Financiado como parte do Projeto de Energia Renovável Rural (RREP) do Reino Unido após o surto de Ebola, as 32 microrredes solares totalizando 1,7 megawatts com o nome de Projeto Movamba fornecerão energia para comunidades que totalizam 80.000 pessoas – incluindo 23 centros de saúde.

Uma dessas redes já está online – na comuna de Foredugu, que está sem energia regular há 60 anos.

“A luz tem razão e todos os serra-leoneses devem ter acesso à eletricidade”, disse o Exmo. Alhaji Kanja Sesay, Ministro de Energia do país em fevereiro, no comissionamento da microrrede, que acrescentou que o fornecimento de eletricidade em Foredugu e outros locais é estratégico – já que a luz está trazendo desenvolvimento econômico e melhora a vida das pessoas que vivem nas zonas rurais áreas.

Em relação à afirmação do ministro, o Projeto Movamba já registra avanços notáveis ​​no progresso rural. Atualmente, 21 das microrredes solares financiadas pelo RREP já foram iniciadas ou concluídas, totalizando 630 quilowatts-hora para 30 mil pessoas.

“Essas pessoas incluem Kadiatu Maseray, que com eletricidade acessível e confiável aumentou os lucros de seu negócio de bebidas frias em 300% e a Conakry Dee Junior School, que teve um aumento de 25% na frequência e um aumento de 235% no número de alunos que passam desde então estar conectado à sua mini-rede local ”, disse Nicole Poindexter, CEO e fundadora da Energicity Corporation , a empresa de energias renováveis ​​com sede na África Ocidental responsável pelo projeto.

O dinheiro do RREP recebido foi de apenas £ 1,25 milhão (US $ 1,72 milhão), ou o que equivale a um erro de arredondamento nos livros de grandes governos como o Reino Unido, e mostra quanto impacto subsídios como esse podem ter quando administrados corretamente.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SERRA LEOA RECEBE PROJETO MOVAMBA DE MICRORREDES SOLARES PARA ABASTECER 80 MIL PESSOAS SEM ENERGIA

ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SAIBA TUDO SOBRE RECICLAGEM, COLETA SELETIVA E COMPOSTAGEM DO LIXO

Na coluna ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE desta sexta-feira, aqui no Blog do Saber você vai conhecer mais sobre Reciclagem, coleta seletiva e compostagem do lixo. Você vai saber o que é reciclagem, a sua importância e principais benefícios, o que é compostagem, qual a sua importância e tudo sobre a coleta seletiva. Portanto essa é uma importantíssima oportunidade de você saber como tudo isso ai funciona!

Reciclagem do Lixo, Coleta Seletiva e Compostagem

Reciclar é transformar aquilo que não seria mais utilizado em algo novamente. É importante porque gera renda e diminui a poluição ambiental.

Símbolo da reciclagem
Símbolo da reciclagem

 

O QUE É RECICLAGEM?

O termo reciclar significa transformar objetos materiais usados (ou lixo material) em novos produtos para o consumo. Esta necessidade foi despertada pelas pessoas comuns e governantes, a partir do momento em que se observou os benefícios que a reciclagem apresenta para o nosso planeta.

Importância e principais benefícios da reciclagem do lixo

Desde a década de 1980, a produção de embalagens e produtos descartáveis cresceu significativamente, assim como a produção de lixo, principalmente nos países industrializados. Muitos governos e ONGs (Organizações Não Governamentais) estão cobrando das indústrias atitudes responsáveis. Neste sentido, o desenvolvimento econômico deve estar aliado à preservação do meio ambiente. Atividades como campanhas de coleta seletiva de lixo e reciclagem de alumínio, plástico e papel, já são corriqueiras em várias cidades do mundo.

No processo de reciclagem, que além de preservar o meio ambiente também gera renda, os materiais mais reciclados são o vidro, o alumínio, o papel e o plástico. Esta reciclagem ajuda a diminuir significativamente a poluição da água, do ar e do solo. Muitas empresas estão reciclando materiais como uma maneira de diminuir os custos de produção de seus produtos.

Outro importante benefício gerado pela reciclagem é a quantidade de novos empregos que ela tem gerado nos grandes centros urbanos. Muitas pessoas sem emprego formal (com carteira registrada) estão buscando trabalho neste ramo e conseguindo renda para manterem suas famílias. Cooperativas de catadores de papel e alumínio, por exemplo, já são comuns nas grandes cidades do Brasil.

Diversos materiais como, por exemplo, o alumínio pode ser reciclado com um índice de reaproveitamento de aproximadamente 100%. Derretido, ele volta para as linhas de produção das indústrias de embalagens, reduzindo os custos para as empresas.

Várias campanhas de educação ambiental têm despertado à atenção para o problema do lixo nos grandes centros urbanos. Cada vez mais, os centros urbanos com altos índices de crescimento da população, têm encontrado dificuldades em obter locais para instalarem depósitos de lixo (aterros). Logo, a reciclagem mostra-se como uma solução viável do ponto de vista econômico, além de ser ambientalmente correta. Nas escolas, muitos alunos são orientados pelos educadores a separarem o lixo em suas casas. Outro fato interessante é que já é muito comum nos grandes condomínios residenciais a reciclagem do lixo.

Reciclagem na zona rural

Em regiões de zona rural a reciclagem também está acontecendo. O lixo orgânico (sobras de vegetais, frutas, grãos e legumes) é utilizado na produção de adubo orgânico para ser usado na agricultura.

Como podemos verificar, se o ser humano souber utilizar os recursos que a natureza oferece, poderemos ter, muito em breve, um ambiente mais limpo desenvolvido de forma sustentável.

Curiosidade:

– Você sabia que muitos produtos levam muitos anos para serem absorvidos pelo meio-ambiente?

Exemplos de substâncias e objetos e o tempo que elas levam para serem absorvidas no solo:

· Papel comum: de 2 a 4 semanas

· Cascas de bananas: 2 anos

· Latas: 10 anos

· Vidros: 4.000 anos

· Tecidos: de 100 a 400 anos

· Pontas de cigarros: de 10 a 20 anos

· Couro: 30 anos

· Embalagens de plástico: de 30 a 40 anos

· Cordas de náilon: de 30 a 40 anos

· Chicletes: 5 anos

· Latas de alumínio: de 80 a 100 anos

Local de reciclagem de metais
A reciclagem gera renda e ajuda a evitar a poluição e contaminação do meio ambiente. (foto: reciclagem de metais)

 

A COMPOSTAGEM DO LIXO ORGÂNICO

Compostagem é um processo (conjunto de técnicas), que visa a produção de húmus (adubo orgânico) através da decomposição bioquímica de resíduos orgânicos (restos vegetais, animais, excrementos). Neste processo ocorre a reprodução em grande quantidade de bactérias aeróbicas. No processo de compostagem busca-se evitar a putrefação dos resíduos orgânicos.

Adubo orgânico

O composto (adubo orgânico) produzido neste processo é muito usado na agricultura, paisagismo e jardinagem. Também é utilizado para recobrir e recuperar solos que perderam seus nutrientes naturais.

Importância da compostagem

Em função da grande quantidade de lixo produzido nas grandes cidades, a compostagem torna-se uma medida necessária, pois, além de gerar renda e empregos, diminui a necessidade do uso de aterros sanitários. É, portanto, uma medida diretamente relacionada ao desenvolvimento sustentável do planeta.

Enquanto a reciclagem de resíduos sólidos pode ser usada para a produção de matéria-prima, os resíduos orgânicos podem virar compostos para a agricultura. Desta forma, torna-se cada vez mais necessária e importante a coleta seletiva de lixo.

Foto de composteiras caseiras
Composteiras caseiras: destino útil para o lixo orgânico e produção de adubo natural.

 

A COLETA SELETIVA DO LIXO E SUA IMPORTÂNCIA

Descartamos o que não nos parece mais útil. Porém, atribuir utilidade a um resíduo depende de nosso grau de consciência ambiental. A coleta seletiva carrega a ideia de separar o lixo orgânico do resíduo sólido reciclável e dar destino adequado a esses últimos.

E o que fazer com resíduos orgânicos quando produzidos em grande quantidade? Por exemplo, aqueles gerados com corte de gramado e podas? Eles são muito comuns em condomínios residenciais. Se o condomínio tem espaço, pode implantar um sistema de compostagem. Nesse processo, a matéria orgânica é transformada em adubo e esse pode ser usado nos jardins.

Características principais e importância:

O conjunto chamado de resíduos sólidos residenciais (mas também produzido por empresas) com potencial de reaproveitamento é enorme. Aqui temos alguns exemplos só de embalagens de produtos comercializados:

– as produzidas com polietileno tereftalato (popularmente conhecidas como PET);

– latas e potes de alumínio;

– garrafas e frascos de vidro;

– caixas de papelão.

A coleta seletiva visa a reciclagem desses materiais. O tema é tão sério a ponto de existir uma Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). De acordo com essa política, criada pelo Ministério do Meio Ambiente, as prefeituras de cada município brasileiro são responsáveis por implantar formas de coleta e reciclagem de resíduos sólidos.

A secretaria de meio ambiente de uma cidade pode trabalhar em parceria com cooperativas de reciclagem. Nesse caso, a coleta pode ser realizada porta a porta por caminhões da própria cooperativa. Mas a coleta pode receber suporte financeiro da secretaria. Outra possibilidade que não exclui essa anterior é a secretaria municipal oferecer à população pontos de recolhimento de resíduos sólidos nos quais as pessoas os entregam voluntariamente.

Material que não deve ser enviado para as cooperativas de reciclagem, mas que precisa ser destinado de forma adequada: pilhas, baterias de smartphones e outros componentes eletrônicos. O chamado e-lixo, ao ter suas partes separadas, expõe os trabalhadores da reciclagem a metais (mercúrio, chumbo, cádmio) prejudiciais à saúde.

Somente profissionais capacitados são capazes de lidar com a reciclagem de eletrônicos sem causar malefícios a si mesmos e ao meio ambiente. Esse assunto tem tudo a ver com outro conceito associado à coleta seletiva: logística reversa. Ela é a capacidade de fazer com que empresas produtoras de materiais eletrônicos compartilhem da responsabilidade sobre a geração desses materiais, os recolham depois deles serem usados pela população e providenciem um destino correto para eles.

Você sabia?

– Fazer todo o esforço possível para manter e aumentar a coleta seletiva na sua cidade faz parte da tentativa de diminuição da sua pegada ecológica. Sabia que você pode fazer teste online para determinar o tamanho atual da sua pegada ecológica?

– As cores das lixeiras (ou qualquer recipiente) para a coleta seletiva de lixo segue um padrão universal (são as mesmas em todos os locais do Brasil). Confira abaixo.

Lixeiras usadas na coleta seletiva de Lixo
Acima: lixeiras utilizadas na coleta seletiva de lixo. Cada cor é para um tipo de lixo ou resíduo sólido. A cor verde é para vidros. A cor vermelha é para plásticos. A cor amarela é para metais. Já a cor azul é para papel ou papelão. Existem outras cores também, que são utilizadas em locais mais específicos. A cor laranja é usada para baterias e pilhas. A cor marrom usada para lixos orgânicos. Há também a cor branca que é utilizada para resíduos hospitalares.

 


atualizado em 19/10/2021

Por Elaine Barbosa de Souza
Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Metodista de São Paulo.




Bibliografia Indicada:Lixo, Reciclagem e Sua HistóriaAutor: Grippi, SidneyEditora: InterciênciaFonte de referência:– ART, Henry W. Dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2001.

Fonte: Toda Biologia

Continuar lendo ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: SAIBA TUDO SOBRE RECICLAGEM, COLETA SELETIVA E COMPOSTAGEM DO LIXO

SAÚDE: A IMPORTÂNCIA DA VITAMINA D3 NO COMBATE A COVID-13, POR DR. LAIR RIBEIRO

Hoje eu gostaria que você assistisse e prestasse atenção ao vídeo a seguir do Dr. Lair Ribeiro sobre vitamina D3. Neste vídeo ele mostra o resultado de um estudo feito com 79 mil pacientes com Covid-19, observando-se os níveis de vitamina D3 nesses pacientes e perceber como é inversamente proporcional a relação entre os casos de Covid-19  com morte e o baixo nível de vitamina D3 nesses pacientes. Ele também explica quais os alimentos e as substâncias que devem ser evitadas para manter em alta a vitamina D3 no seu organismo. Então convido você a assistir e compartilhar esse vídeo com as pessoas que você ama.

Fonte:

Continuar lendo SAÚDE: A IMPORTÂNCIA DA VITAMINA D3 NO COMBATE A COVID-13, POR DR. LAIR RIBEIRO

BOAS NOTÍCIAS: O ANTINEOPLÁSICO BEXAROTENO É A NOVA VEDETE NA LUTA CONTRA O CÂNCER DE MAMA

O Bexaroteno é a nova vedete na luta contra o câncer de mama e destaque desta edição da coluna BOAS NOTÍCIAS. Bexaroteno é um medicamento antineoplásico para facilitar esse processo antes da quimioterapia que ainda é o tratamento padrão básico. Ele converte células cancerosas altamente agressivas para o formato menos agressivas. Leia o artigo completo a seguir e conheça todos os detalhes!

Médicos descobrem novo tratamento para câncer de mama agressivo

Uma equipe de médicos e cientistas do Centro Nacional do Câncer de Cingapura identificou um novo método para tratar o câncer de mama.

Ele será utilizado para o chamado triplo-negativo (CMTN), mais agressivo do que outros tipos de câncer de mama. A descoberta foi publicada na revista News Medical.

A equipe usou um medicamento antineoplásico chamado bexaroteno para facilitar esse processo antes da quimioterapia que ainda é o tratamento padrão básico.

Bexaroteno

Ser Yue Loo e seus colegas descobriram que as células cancerosas mudam entre diferentes estados celulares, incluindo mudar de menos agressivas (epiteliais) para mais agressivas (mesenquimais) e vice-versa.

Ao converter células cancerosas altamente agressivas para o formato menos agressivas, os tumores são “preparados” para responder melhor à quimioterapia, que funciona eliminando as células cancerosas.

Este processo biológico é denominado transição mesenquimal-epitelial, e a equipe usou um medicamento antineoplásico chamado bexaroteno para facilitar esse processo no trabalho pré-clínico do câncer de mama, antes da aplicação da quimioterapia.

Testes clínicos

A equipe já anunciou o início de um ensaio clínico humano, com previsão de duração de três anos, para investigar se esta abordagem funciona fora do ambiente de laboratório. O ensaio chama-se BEXMET, sigla em inglês para transição mesenquimal-epitelial induzida por bexaroteno.

O bexaroteno, vendido sob a marca Targretin, é um agente aprovado nos EUA e na Europa para o tratamento de linfoma cutâneo de células T.

“As descobertas laboratoriais publicadas em um jornal científico nem sempre se traduzem no ambiente clínico por várias razões. Para nosso estudo, existe uma versão de grau clínico do indutor de transição mesenquimal-epitelial (bexaroteno), o que facilitou significativamente a tradução direta para o cenário clínico. Esperamos que os resultados do BEXMET sejam o primeiro passo na introdução de um novo conceito no tratamento do câncer,” disse a Dra. Elaine Lim, coordenadora do estudo.

Com informações do Diário da Saúde

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: O ANTINEOPLÁSICO BEXAROTENO É A NOVA VEDETE NA LUTA CONTRA O CÂNCER DE MAMA

DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: A IMUNIDADE É DIRETAMENTE PROPORCIONAL A FREQUÊNCIA VIBRACIONAL

O ser humano é feito de pensamentos, sentimentos e emoções. No universo tudo se move, tudo vibra nas mais diversas frequências, que podem ser baixas ou altas. As emoções negativas vibram em baixa frequência e as positivas em alta frequência. Sentimentos como: generosidade; manifestação de gratidão (“obrigado”); agradecimentos efusivos; unidade com outras pessoas, compaixão sincera, amor comum, amor incondicional, sacrificial e universal vibram alto, onde vírus e bactérias não alcançam. Já sentimentos como: medo, ressentimento, irritação, ruído entediante, temperamento exaltado, raiva, orgulho, megalomania, abandono e arrogância, são negativos e vibram em frequências baixíssimas. Ao ler o artigo completo a seguir você vai entender como os pensamentos, sentimentos e emoções podem nos ajudar ou atrapalhar a nossa vida.

A imunidade vibracional

As emoções negativas, de baixa frequência, surgem na falta de positivas, assim como a escuridão na ausência do sol

19/07/20 – 03h00

Para quem leu e gostou do livro “A Grande Síntese”, de Pietro Ubaldi, será fácil entender o texto a seguir. Para quem não teve essa felicidade, é possível refletir sobre o primeiro versículo do Evangelho de João: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus… Tudo foi feito por Ele; e nada do que tem sido feito, foi feito sem Ele. NEle estava a vida, e a vida era a luz dos homens” (João 1:1-4).

São João descreve a manifestação do universo como o verbo, o som, a vibração.

As ondas vibracionais são classificadas, segundo a sua natureza, como mecânicas ou eletromagnéticas. Um exemplo de onda mecânica é o som, e um de onda eletromagnética é a luz, que se propaga no vácuo, assim como as ondas de calor.

A frequência de uma onda é decorrente da vibração da fonte que a produziu. Diz Celso Costa, terapeuta quântico brasileiro, que “a velocidade vibracional determina se a energia se apresenta na forma física, líquida, gasosa e outros estados não visíveis. Tudo é uma interpretação de estados vibracionais. Inicialmente, gera-se por vibrações inaudíveis que se tornam, ao caminharem para a manifestação, perceptíveis. Tudo tem uma frequência que mantém sua forma e substância. Muda-se a frequência, muda-se a forma”.

Ubaldi explica que as frequências são perceptíveis ao ser humano dotado de faculdade de receptor e transmissor.

As cores são frequências, e não conseguimos enxergar o infravermelho nem ver além do ultravioleta; a percepção fica entre 4,3.10¹⁴ Hz e 7,5.10¹⁴ Hz, é o que o olho humano capta e o cérebro interpreta. As outras frequências, também, geram impactos sobre nossa consideração consciente. O mesmo efeito se dá com os infrassons e ultrassons, situados entre 20 Hz e 20.000 Hz, que são perceptíveis ao homem.

Qualquer ser vivente possui uma frequência única, e um vírus também.

O vírus da Covid-19 é uma proteína, que se manifesta com vibração baixa e com uma estrutura de circuito eletromagnético fechado, com ressonância entre 5,5 Hz e 14,5 Hz.

Nas faixas mais altas, não é ativo e, a partir de 25,5 Hz, se extingue. Essas informações foram divulgadas por vários cientistas e publicadas recentemente pelo Instituto Midra, de São Paulo.

“Para uma pessoa que vive em altas vibrações, isto é, ativamente ligada à alma, a Covid-19 não é mais perigosa do que infecções respiratórias agudas, porque o corpo de um homem saudável ‘vibra’ em faixas bem superiores às da Covid-19”. A saúde não é fortuita, tem relação com o equilíbrio vibratório. A psicossomática explica a relação entre a doença e o interior da personalidade (alma), e a psicanálise freudiana a comprova.

“Ocasionalmente, quando, por várias razões, as vibrações se tornam mais baixas, abre-se a possibilidade de mal-estar e doença, e até de morte”. Dizem os pais de santo que corpo fechado é inatacável.

Os distúrbios dependem do equilíbrio energético, pesam a fadiga, a exaustão emocional, a hipotermia, a tensão nervosa, a depressão, a insatisfação, a falta de autoestima etc.

Neste momento planetário, a ressonância de frequência média total da Terra é de 27,4 Hz e, portanto, suficiente para inviabilizar o vírus, que se extingue com 25,5 Hz, mas há lugares em que essa frequência é menor, ou seja, zonas geopáticas criadas natural ou artificialmente. Hospitais, prisões, linhas de energia, veículos elétricos subterrâneos e públicos, shopping centers, escritórios, estabelecimentos de bebidas possuem vibrações comumente abaixo de 20 Hz. Piores ainda são os locais de sofrimento de seres vivos, como abatedouros.

Copio aqui uma tabela para se entender o índice vibracional que emana de algumas experiências: medo, de 0,2 Hz a 2,2 Hz; ressentimento, de 0,6 Hz a 3,3 Hz; irritação, de 0,9 Hz a 3,8 Hz; ruído entediante, de 0,6 Hz a 1,9 Hz; temperamento exaltado, 0,9 Hz; raiva, 1,4 Hz; orgulho, 0,8 Hz; megalomania, 3,1 Hz; abandono, 1,5 Hz; arrogância, 1,9 Hz.

No oposto encontramos: generosidade, 95 Hz; manifestação de gratidão (“obrigado”), 45 Hz; agradecimentos efusivos, 140 Hz; unidade com outras pessoas, 144 Hz; compaixão sincera, a partir de 150 Hz; amor comum, 50 Hz; amor com o coração voltado a todas as pessoas, acima de 150 Hz; amor incondicional, sacrificial e universal, a partir de 205 Hz. Como é fácil entender, as altas vibrações não dão possibilidade à Covid-19 de gerar estragos.

Por milênios, a frequência do nosso planeta tem sido estável em torno de 7,6 Hz. Os físicos chamam essa frequência de “ressonância Schumann”, devido à batida gerada por um raio na cavidade entre a Terra e a ionosfera. Um homem se sentia confortável, no passado, nessas condições, uma vez que ele estava num campo de energia com os mesmos parâmetros – de 7,6 a 7,8 Hz.

No entanto, a frequência de Schumann passou a crescer rapidamente: janeiro de 1995, 7,80 Hz; janeiro de 2000, 9,30 Hz; janeiro de 2007, 9,80 Hz; janeiro de 2012, 11,10 Hz; abril de 2014, 15,15 Hz. Não disponho de dados atualizados, mas resta evidente que, se as pessoas não acompanharem o aumento das vibrações do planeta, enfrentarão um desajuste vibracional, e nem todo o dinheiro acumulado as conseguirá manter com saúde e vivas.

As emoções negativas, de baixa frequência, surgem na falta de positivas, assim como a escuridão na ausência do sol. Disso a necessidade de evoluir no controle interno.

Como dizia o abade Eliphas Levi: “A beleza (e a saúde) é um empréstimo que a natureza faz à virtude”. Nisso pode estar o segredo da vacina natural que a ciência busca.

Fonte: O Tempo

Continuar lendo DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: A IMUNIDADE É DIRETAMENTE PROPORCIONAL A FREQUÊNCIA VIBRACIONAL

TECNOLOGIA: 2º VOO TRIPULADO DA BLUE ORIGIN LEVA ATOR WILLIAM SHATNES AO ESPAÇO AOS 90 ANOS DE IDADE

O destaque desta quinta-feira, aqui na coluna TECNOLOGIA é o segundo voo tripulado da Blue Origin, empresa fundada por Jeff Bezos, CEO da Amazon, que levou o homem mais velho ao espaço, o ator canadense William Shatner,  famoso por interpretar o Capitão Kirk na série de TV Jornada nas Estrelas aos 90 anos de idade. A cada dia está mais comum esses voos tripulados por civis, graças a TECNOLOGIA que não para de evoluir. Convido você a ler o artigo completo a seguir e depois assistir ao vídeo com o registro completo dessa aventura espacial!

Veja como foi voo espacial de William Shatner com a Blue Origin

1 min de leitura
Imagem de: Veja como foi voo espacial de William Shatner com a Blue OriginImagem: Blue Origin
Avatar do autor

Equipe TecMundo

O texto foi atualizado às 13h33 da quarta-feira (13/10/2021).

O ator canadense William Shatner, famoso por interpretar o Capitão Kirk na série de TV Jornada nas Estrelas, foi ao espaço nesta quarta-feira (13) em um voo da Blue Origin, empresa fundada por Jeff Bezos.

O voo, lançado por volta das 11h30 (horário de Brasília) aconteceu na nave New Sheppard, a partir de uma base de lançamento no estado do Texas, nos Estados Unidos.

“Eu já ouvi tanto sobre o espaço e por um bom tempo. Estou tendo a oportunidade de ver ele por conta própria. Que milagre”, afirmou Shatner ao site da Blue Origin antes do lançamento.

O voo foi todo transmitido ao vivo e o vídeo completo do evento está disponível no link ou no vídeo abaixo.

Com a viagem desta quarta, Shatner se torna a pessoa mais velha a ir ao espaço — o ator tem 90 anos de idade.

Este foi o segundo voo tripulado da Blue Origin. O primeiro, realizado em julho deste ano, levou à borda da Terra o próprio Bezos.

Em nota publicada nesta quarta, a Blue Origin afirma que tem mais um voo tripulado agendado para 2021. A empresa diz ainda ter vários lançamentos marcados para o ano de 2022.

Fonte: Tecmundo

Continuar lendo TECNOLOGIA: 2º VOO TRIPULADO DA BLUE ORIGIN LEVA ATOR WILLIAM SHATNES AO ESPAÇO AOS 90 ANOS DE IDADE

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar

Fechar Menu
×

Carrinho