Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!

BOAS NOTÍCIAS: FIM DA CEGUEIRA EM DIABÉTICOS COM NOVO REMÉDIO FORNECIDO PELO SUS

Na coluna BOAS NOTÍCIAS desta quinta-feira temos um novo remédio para evitar a cegueira em diabéticos estará a disposição do público em geral, pelo SUS, em 180 dias e será usado em pacientes diagnosticados com Edema Macular Diabético (EMD). Leia a reportagem completa a seguir e saiba de todos os detalhes!

SUS terá novo remédio para evitar cegueira em diabéticos

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

O Aflibercepte evita que a doença evolua e deixe a pessoa cega.

O medicamento é uma injeção, aplicada no olho, para bloquear a proliferação dos vasos sanguíneos da retina, que levam ao agravamento da doença.

O medicamento estará disponível à população em 180 dias, a partir do dia 5 de novembro de 2019, data da publicação da portaria do Ministério da Saúde no Diário Oficial da União (DOU).

Ele será usado em pacientes diagnosticados com Edema Macular Diabético (EMD).

A doença

O Edema Macular Diabético (EMD) é uma das principais causas de perda da visão em pessoas com diabetes tipo 1 e 2 é .

A doença atinge principalmente pacientes com longo tempo da doença, ou que não fazem o devido controle da glicemia, o cha,ado açúcar no sangue.

O edema macular diabético (EMD) é consequência da retinopatia diabética (RD), e atinge a região da mácula, parte do olho responsável por levar a imagem ao cérebro. Não existe cura para a RD, estando os esforços terapêuticos concentrados nos fatores de risco para o aparecimento e agravamento da doença e no tratamento cirúrgico das lesões com alto risco de evolução para a perda visual.

Cuidado

O número de brasileiros com diagnóstico médico de diabetes cresceu 40% entre 2006 e 2018, passando de 5,5% para 7,7% da população das capitais brasileiras.

O aumento é maior entre os homens (54,3%), na faixa etária de 55 a 64 anos (24,6%), de acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2018.

Se você tem diabetes e está percebendo que sua visão está ficando borrada, especialmente na parte central, procure um médico.

Com informações do MinistérioDaSaúde

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo

BOAS NOTÍCIAS: CURATIVO REGENERA A PELE E EVITA AMPUTAÇÃO EM DIABÉTICOS

Na coluna BOAS NOTÍCIAS deste domingo o destaque é um grande avanço da medicina no tratamento de feridas. Cientistas mexicanos desenvolveram u curativo adesivo que regenera a pele num prazo máximo de 21 dias, evitando a amputação de órgãos de pessoas diabéticas. Leia a reportagem completa a seguir e entenda como funciona!

Novo adesivo regenera pele de diabéticos e evita amputação

Foto: UNAM

Foto: UNAM

Ele foi criado por especialistas do Instituto de Pesquisa de Materiais (IIM) da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e contém nanofibras que ajudam na regeneração da pele, que sofre com feridas que não cicatrizam.

A regeneração com o adesivo demora no máximo de 21 dias e dá aos pacientes com diabetes a oportunidade de recuperar logo a qualidade de vida.

Como

A universidade explicou que o adesivo é feito de nanofibras que contêm nano e micropartículas, que carregam bioativos.

Quando colocados em tecidos danificados, esses bioativos se dissolvem e imediatamente começam a agir.

Se o adesivo for utilizado nos estágios iniciais da lesão, é possível evitar a amputação de membros, porque ele age rapidamente e impede a proliferação de microorganismos e infecções.

Toda ferida é grave, mas quando se trata de pessoas com diabetes, o risco de infecção é muito maior porque a pele leva mais tempo para se regenerar.

Prêmios

A invenção mereceu muitos prêmios e conquistou o primeiro lugar na categoria de projetos de pesquisa na área de inovação e tecnologia do “Boosts Innovation in UNAM”.

“Conseguimos que a regeneração ocorra dentro de um período máximo de 21 dias; É um grande avanço, porque para pacientes com diabetes, uma ferida representa modificar seu estilo de vida, além de afetar sua saúde e condição psicológica ”, disse Concepción Peña Juárez, pesquisadora de pós-doutorado no IIM.

No México, uma em cada dez pessoas é diabética e um em cada vinte diabéticos é obrigado a fazer amputação.

A equipe de pesquisadores da UNAM Foto: Divulgação

A equipe de pesquisadores da UNAM Foto: Divulgação

Com informações do Site Proceso

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar

Fechar Menu
×
×

Carrinho