RAINHA ELIZABETH 2ª COMPLETA 70 ANOS À FRENTE DO TRONO BRITÂNICO

Para se manter, família real tenta equilibrar modernidade e tradição conservadora, diz especialista

Rainha Elizabeth 2ª completa 70 anos à frente do trono britânico enquanto a realeza encara os desafios de sua sucessão

INTERNACIONAL

 Letícia Sepulveda, do R7

Para se manter, família real tenta equilibrar modernidade e tradição conservadora, diz especialista – Notícias – R7 Internacional – Iporã News

A família real britânica conseguiu exaltar sua importância nacional diante de milhões de espectadores mundo afora e de milhares de pessoas que lotaram as proximidades do Palácio de Buckingham para celebrar os 70 anos do reinado de Elizabeth 2ª, o chamado Jubileu de Platina. Como um grande símbolo da realeza, a rainha se mantém querida pelos súditos, mas sua sucessão expõe os desafios para manter a monarquia no Reino Unido.A especialista Carolina Pavese, professora de relações internacionais da ESPM, explica que a família real tem relevância cultural e identitária, não só histórica e política.“Para os britânicos, a monarquia é um elemento importante na formação de sua identidade, assim como o samba é um elemento que faz parte da identidade nacional brasileira”, aponta a professora Carolina.

“Essa relação ultrapassa uma percepção política. A monarquia é um elemento importante que assegura a estabilidade e a continuidade em um mundo cada vez mais permeado por incertezas, é uma referência de estabilidade para o povo britânico.”

Para além de sua natureza conservadora e de reforçar os valores mais tradicionais da sociedade, a família real vem fazendo um grande esforço para tentar modernizar sua imagem.

Pavese afirma que a sociedade está se tornando mais intolerante em relação a comportamentos autoritários, e repensa o papel histórico que o Reino Unido tem no mundo em relação a sua responsabilidade pela desigualdade entre os países.

“É um desafio muito grande para a coroa dar uma resposta à altura das questões atuais da população sem descaracterizar sua essência tradicional e conservadora, e isso tende a se acentuar nos anos futuros”, explica a especialista.

De acordo com a YouGov, agência pública de pesquisas, 62% dos britânicos acham que a monarquia deveria continuar no futuro. Entretanto, quando a opinião dos jovens entre 18 e 24 anos é analisada, a porcentagem cai para 33%.

Analisando os dados, a professora da ESPM ressalta uma grande ameaça para a família real: “No futuro, à medida que o grupo jovem for se tornando mais velho e mais significativo na população, se não houver uma mudança de opinião, teremos uma mudança de estatística também, em que a maioria vai se opor à existência da monarquia”.

Em meio aos esforços da família real para se aproximar dos súditos, segurando o peso dos escândalos recentes, que envolvem uma acusação de abuso sexual contra o príncipe Andrew, terceiro filho da rainha, e também uma acusação de racismo por parte de um dos membros da realeza contra o filho de Harry e Meghan, o Jubileu de Platina ocorre em um momento oportuno para o país.

Para muitos, a celebração veio como um grande respiro em meio ao fim do isolamento social por causa da pandemia da Covid-19, à maior taxa de inflação em 30 anos e à crise de popularidade do primeiro-ministro Boris Johnson, envolvido em escândalos relacionados às festas na residência oficial durante o período de lockdown no país.

O príncipe William, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, e sua esposa, Kate Middleton, ocupam um papel importante na estratégia da família real para se aproximar de seus súditos e manter a popularidade na monarquia entre os britânicos.

Para Pavese, “eles são as figuras ideais no esforço para popularizar a coroa e para aproximar a realeza sobretudo do público mais jovem. Eles tentam passar a imagem de que são pessoas comuns, apesar de serem da realeza”.

Recentemente, William quebrou um protocolo ao abraçar um idoso, que ficou emocionado ao conhecer o futuro rei. Em 2016, o príncipe participou de uma edição da revista Attitude e se tornou o primeiro membro da família a aparecer na capa de uma revista voltada para o público LGBT.

Na contramão de William e Kate, o príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle, deixaram de representar a monarquia britânica em 2020 e se tornaram impopulares entre a população.

Para Astrid Beatriz Bodstein, historiadora e criadora do perfil @royaltyandprotocol, Meghan Markle não quis se adaptar à realeza, por isso o casal decidiu se afastar.

“O mais grave na situação foram as mentiras que ela contou, como ao dizer que nunca teve ajuda para entender o mecanismo de funcionamento da família. Existem provas de que isso é uma grande falácia, a própria rainha determinou que funcionários de sua confiança a ajudassem a exercer seu papel de alteza real”, explica a especialista.

Dados da YouGov revelam que 32% dos britânicos têm uma opinião positiva sobre o príncipe. A aprovação de Meghan é ainda menor, apenas 23%.

A professora Carolina Pavese diz que “eles são percebidos como traidores dos britânicos. Quando abandonaram a coroa, abandonaram também o povo do país”.

Deixe uma resposta