PONTO DE VISTA: FINALMENTE UM TOGADO RECONHECE PUBLICAMENTE QUE O STF ATUA “À MARGEM DA ORDEM JURÍDICA”. RESUMINDO: O STF É FORA DA LEI!

Caro(a) leitor(a),

“A margem da ordem jurídica”. Estas palavras saíram da boca do ministro Marco Aurélio num raríssimo momento de lucidez, quando proferiu o seu voto acerca da extensão do alcance da anulação da condenação do ex presidente da Petrobrás, Aldemir Bendini, na sessão plenária desta quarta-feira. Esta frase é um soco na cara do presidente do Supremo, Dias Toffoli, pois retrata toda a ilegalidade iniciada lá atrás, quando este resolveu suspender todas as investigações com origem em informações do COAF e da Receita Federal, num ato de autoritarismo jamais visto na Suprema Côrte e que, ato contínuo o ministro Alexandre de Moraes afastou dois auditores da Receita Federal, além de outras lambanças como a de autorizar busca e apreensão na casa do ex-PGR Rodrigo Janot. Então eu pergunto: o que mais falta acontecer para se dar um basta nessa interminável palhaçada com o povo brasileiro? Se um dos ministros reconhece que o STF opera à margem da ordem jurídica, o que ainda seria necessário para por um fim a este circo? Seria atear fogo no circo? Ah, mas isso já foi feito! Ai vem o palhaço Mor (Dias Toffoli) tentar conciliar, por panos quentes ou consertar a esculhambação propondo uma tese orientadora que serviria como uma “modulação”, para os habeas corpus que forem apresentados posteriormente. 

Faz muito bem o jurista Modesto Carvalhosa ingressar com ações criminais contra Gilmar, pelo cometimento dos crimes de Calúnia e Difamação, pois algo precisa ser feito para punir esses togados de meia tigela por tantos atos falhos e ilegais que estão prejudicando profundamente o estado brasileiro.

Num momento de lucidez, Marco Aurélio tira a máscara do STF

Com extrema propriedade e inusitada lucidez, o ministro alertou para o risco de descrédito da corte com a aceitação da tese de que réus delatados devem apresentar suas alegações finais depois dos delatores.

A rigor, o STF já caiu em total descrédito há muito tempo.

De qualquer forma, o voto de Marco Aurélio foi um balde de água fria na petulância e sordidez de Gilmar Mendes, que em seu voto ofendeu o procurador Deltan Dallagnol, o ministro Sérgio Moro e o jurista Modesto Carvalhosa.

Inclusive, com relação a este aspecto, Carvalhosa anunciou que irá ingressar com ações criminais contra Gilmar, pelo cometimento dos crimes de Calúnia e Difamação.

Dessarte, vale ressaltar o trecho elogiável do voto de Marco Aurélio:

“A sociedade tem aplaudido o sucesso da denominada operação Lava Jato. Eis que o mais alto tribunal do país, o Supremo, em passe revelador de atuação livre, à margem da ordem jurídica, vem dizer que não foi bem assim, que o sucesso se fez contaminado no que se deixou de dar na seara das alegações finais, tratamento preferencial ao delatado”.

Perfeito! “à margem da ordem jurídica’, com o famoso “jeitinho brasileiro”, a decisão poderá beneficiar os “tubarões da República”.

Da Redação

Fonte: Jornal da Cidade On Line

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0