FÍSICA QUÂNTICA: AO VIBRARMOS NOSSAS MENTES E CORAÇÕES NUMA SÓ FREQUÊNCIA TORNAMO-NOS COCRIADORES

Neste domingo você vai ver aqui na coluna FÍSICA QUÂNTICA a 2ª parte do estudo sobre energia, vibração e frequência no mundo físico. O que nos limita nessa dimensão densa em que vivemos e como poderemos nos tornar cocriadores ao dominarmos nossas mentes e vibrando em uma só frequência. Então você está convidado(a) a dar esse mergulho profundo e navegar no fantástico mundo quântico como nunca antes! 

Eletromagnetismo e o corpo humano

A potência elétrica e a resistência do corpo humano variam de um indivíduo para outro, dependendo da constituição orgânica celular e da condutibilidade do corpo de cada um. O ser humano com seu corpo físico é “uma máquina elétrica” e constituído dos mesmos elementos do universo físico.  Com este entendimento verifica-se, que ele é matéria e ao mesmo tempo energia, que são a mesma coisa em estados de vibração e frequências diferentes e, visível e invisível.

Em virtude da sua constituição atômica, o corpo humano irradia um campo de energia eletromagnética (aura) normalmente não visível, mas fotografável pela câmara kirlian. Também sua bioeletricidade corpórea pode ser detectada através do eletrocardiograma e do eletroencefalograma. E a sua tensão eletrostática gerada durante as 24 horas do dia pode ser medida por meio de um sensível voltímetro eletrostático.


Matéria é ao mesmo tempo energia, mas em estados/frequências diferentes. Matéria é a condensação de energia e esta é a matéria desintegrada. Nesta simbiose energético-vibracional o corpo do ser humano procede como uma “máquina elétrica”, que ostenta uma inteligência, mas que deve ser conduzida pela alma, um “ente mais sutil” em outra frequência realidade também mais sutil, mais vibrátil – Imagem da Internet

É importante o ser humano manter o equilíbrio elétrico do seu corpo, porque este equilíbrio está relacionado com sua saúde física, mental e emocional. Com esta sua fonte de energia elétrica ele “pode funcionar” como uma estação de rádio, irradiando som e imagem à  semelhança da televisão. Também, ele familiarizando com esta sua força elétrica, sua intuição e sua capacidade de se comunicar de forma não física se potencializam, através de outros seus sentidos que vão despertando-se além dos cinco sentidos normais.

O eletromagnetismo possui efeito extremamente vital sobre o ser humano, o que pode ser constatado com ele conseguindo sobreviver por alguns dias sem alimento, algumas horas sem agua, alguns minutos sem respirar, mas não fica totalmente nem um segundo sem corrente eletromagnética circulando em seu corpo.

  
Fotos aura tiradas pela camara kirlian captam o campo biomagnetico do ser humano, como uma “leitura” do momento de luz/cor/forma de seu estado fisico e emocional (estado de alma) – Fotos de Antônio Carlos Tanure

No corpo humano, existem minúsculos campos magnéticos que estabilizam suas moléculas. Nele centenas de trilhões de moléculas que o formam, são na verdade muitíssimos conjuntos de ímãs. As moléculas contêm elétrons com carga elétrica negativa e prótons com carga elétrica positiva e, enquanto giram em torno do núcleo, os elétrons criam minúsculos campos magnéticos que dão estabilidade e equilíbrio às moléculas.

A Medicina vem utilizando destes conhecimentos para obter tecnologias de ponta, que permitem precisos diagnósticos por imagens, entre eles está o da ressonância magnética.

Cada vez mais a ciência vem concordando que o corpo humano é mais do que átomos e moléculas que o compõem e que é também constituído por biofótons por ele emitidos e liberados por meio de intenção mental e por modulações fundamentais à comunicação do DNA nas estruturas celulares.

Todos os organismos vivos emitem uma corrente constante de biofótons como meio para dirigir sinais instantâneos de uma parte do corpo para outra e para o mundo exterior. Eles são armazenados no DNA intracelular.

Eles são também conhecidos como as emissões de fótons ultrafracos (UPE), com uma visibilidade 1.000 vezes menor do que a sensibilidade da visão física. Embora não sejam normalmente visíveis, estas ondas de luz são parte do espectro eletromagnético visível e são detectáveis através de instrumentação moderna sofisticada.

Tecnicamente falando, os biofótons são partículas elementares ou quantum de luz de origem não-térmica do espectro visível e ultravioleta. São geralmente produzidos a partir do metabolismo da energia dentro das células, aparentemente para transferência de informação que é mais rápida do que pela difusão química.

A intenção é definida como um pensamento, que é dirigido para realizar determinada ação direcionada com objetivo, que pode afetar não só objetos inanimados como outros seres vivos, desde organismos unicelulares até seres humanos. Também as emissões de partículas de luz/biofóton parecem funcionar como mecanismos através dos quais se tem intenção para produzir efeito.

 
A intenção é definida como um pensamento dirigido para realizar determinada ação, – Imagens do Portal Pegasus

Estudos recentes sobre o pensamento e a consciência estão emergindo como aspectos fundamentais, que estão levando rapidamente profunda mudança nos paradigmas da biologia e da medicina. Estes estudos mostram que o magnetismo atua sobre o corpo humano, gerando um novo tipo de eletricidade chamada indução eletromagnética.


Tomografia Computadorizada utilizando-se de campos eletromagnéticos do corpo humano – Imagem da Internet.

A visão que se tem do corpo físico humano como uma estrutura física de carne e osso é apenas uma representação que o cérebro faz ao transmitir sinais que recebe dele. Também a forma, a cor, o cheiro do corpo, são somente representações virtuais destes sinais trazidos pelo cérebro, da mesma maneira que uma televisão recebe sinais radioelétricos, que os transformam em imagens e sons.


A energia gerada pelo campo biomagnetico do dimensional, quando se impulsiona em frequência mental mais sutil, lhe proporciona por afinidade vibracional interações com planos de realidade também mais sutis, de mais luz- Imagem da Internet.

Fonte: Pegasus Portal

Deixe uma resposta