COMPORTAMENTO: A PSICOLOGIA DOS ABUSADORES É PERVERSA E SE BASEIA NA INVERSÃO

Um artigo fenomenal sobre abusadores de plantão, manipuladores dos seus pares através da inversão em abuso emocional, que é uma espécie de lavagem cerebral misturada com o famoso termo de Gaslighting. É um comportamento que seja a ser bizarro, mas que pode ser identificado e evitado. Leia o artigo a seguir, conheça o perfil desses psicopatas e saiba como se proteger!

Quais são e o que fazer com as manipulações perversas dos abusadores?

Mulher escondendo seu rosto com os braços sentada no sofá da sala

Inversão em abuso emocional é uma espécie de lavagem cerebral misturada com o famoso termo de Gaslighting, mas com o diferencial de que nesta existem duas referências na mesma ação, uma negando a outra.

Exemplificando: o parceiro afetivo chega do trabalho dizendo que está com saudades de sua companheira pedindo um abraço, porém permanece rígido e a sensação que sua parceira tem é de que não esta acontecendo uma troca afetiva e mais, que só ela é quem esta abraçando. Se ela reclama evidenciando o fato, o parceiro abusador pode iniciar um diálogo sem fim, invertendo a história, culpando-a por não estar aberta afetivamente, dizendo que foi ele quem pediu o abraço e embora o seu comprometimento emocional esteja ausente, a vítima, de tão acusada, acaba por sentir-se culpada, ingrata e criadora de problemas. O resultado desse processo de inversão nas vítimas é devastador, deixando-as confusas, com a autoestima baixa e, na sequência, faz com que todas as suas verdades sejam apagadas a ponto de por fim, assumirem o papel negativo nelas projetado pelos parceiros abusivos.

Mulher com sua mão na janela olhando para fora
Kristina Tripkovic/ Unsplash

Quando se fala em inversão, podemos encontrar os exemplos dos mais bizarros: uma mulher que está num relacionamento com um abusador deste tipo, e que antes dele teve outros afetos, pode ser questionada sobre como foi a sua história nos mínimos detalhes para, na sequência, o seu abusador passar a torturá-la como manobra de controle, punição e, claro, projeção de si mesmo. O abusador poderá dizer que agora ela não irá mais manipular ninguém como deve ter feito nas relações anteriores, que ela não deu atenção o suficiente ao ex-parceiro e por isso que a relação não deu certo, que ela não tinha aprendido nada dos outros relacionamentos, que agora ele entende de “verdade” qual o motivo pelo qual os outros não deram certo antes, que só ele a aguenta e vai convencendo a vítima do quão incapaz e péssima ela é. Uma tortura sem fim, apenas com brevíssimos momentos de intervalos que sugerem a paz do início de tudo, mas que nunca acontece.
Na inversão, o abusador, literalmente inverte verdades com o intuito de ficar com as rédeas da relação que vai se revelando em termos de controle e punição.

A inversão, ou Gaslighting como muitos denominam, é considerada como uma das mais devastadoras formas de abuso psicológico conhecidas pela psicologia. Podendo levar, se a vítima não despertar a tempo, à violência física, doenças, morte e suicídio.

Mulher em um jardim olhando para frente com tristeza

Riccardo Mion/ Unsplash

Se a princípio, tudo pode parecer de modo claro causando perplexidade nas vítimas e elas decidindo concordar ou se calar para acalmar os ânimos, com o tempo, o mal causado nas vítimas pode ser tão avassalador que as mesmas pouco a pouco podem perder a noção do que é verdade e do que não é, pedindo desculpas com frequência por aquilo que se quer fizeram ou provocaram.

Mesmo as mulheres mais fortes psiquicamente, por não entenderem as sutilezas deste tipo de abuso e adoecimento psicológico, podem entrar neste tipo de cilada, mas também podem igualmente sair destas tramas com maior rapidez e agilidade. A sorte é que hoje em dia, e cada vez mais, se sabe que essas tramas existem e que não estão apenas nas histórias contadas, mas estão bem próximas de nós.

Em ambientes de trabalho, o mesmo pode ocorrer. As tarefas são exaustivamente despejadas nas vítimas e tudo o que não está bom, ou está errado fica nas costas delas. Além disso, todo olhar, a priori, será de que antes de mais nada, antes de ver qualquer situação, já existe um erro a ser descoberto. Um verdadeiro inferno que costuma causar o famoso burnout.

Mulher com as mãos no rosto ao lado de uma janela
132RF/PORNCHAI SODA

Nas amizades, as vítimas sempre serão usadas para que os abusadores consigam as suas conquistas, sejam elas quais forem, e aqui a inveja muitas vezes será mais explícita. A tentativa de “quebrar as pernas” inventando coisas que depreciem o outro, gerando fofocas, será a tônica da relação da suposta amizade, ainda recheada de palavras usadas de modo coercitivo como você é minha amiga, você precisa ser leal comigo, entre outras artimanhas…
Para quebrar este padrão, em primeiro lugar, precisa-se perceber que o abusador vive num looping sem fim, hipnotizado nestas questões e que dificilmente irá mudar. Quem deve mudar é a vítima. Ou ela se fortalece — a ponto de reconhecer o mecanismo do abusador e conquistar o lugar emocional de não se identificar, ou seja, de não se contaminar mais com este padrão adoecido —, ou ela busca fazer uma terapia competente, o que na maioria das vezes é um auxílio fundamental para que o autorresgate aconteça.

Jamais se confunda, você pode estar entre eles, mas não é um deles.

Abusadores mentem e confundem as suas vítimas e não vão mudar. Quando deflagrados não desejam ser recuperados e nem todo mundo pode ser recuperado, assim como nem todo mundo quer ser recuperado, então é preciso ter isso sempre em mente: você não vai “arrumar” essa pessoa, mas vai cuidar de si mesma, em sua nova vida.

Quanto mais despertos, melhor!

Silvia Malamud
Escrito por Silvia Malamud

Deixe uma resposta