Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!
CIÊNCIAS: A COQUELUXE DO MOMENTO NO COMBATE AO CORONAVÍRUS SE CHAMA ÓXIDO NÍTRICO

Na coluna DESENVOLVIMENTO PESSOAL desta quarta-feira, 24/02, publicamos um artigo sobre o Óxido Nítrico, um gás existente na natureza, mas também no nosso corpo. Infelizmente, logo aos 30 anos de idade nosso organismo começa a diminuir sensivelmente a produção desse gás extremamente importante para a manutenção da nossa saúde e bem estar. A ciência descobriu agora que esse composto é extremamente eficaz no combate ao COVID-19. Éo que você vai saber ao ler o artigo a seguir!

O aumento dos níveis de óxido nítrico natural nos pulmões é um possível tratamento para COVID-19, conclui o estudo

Os pesquisadores descobriram que uma forma eficaz de tratar o coronavírus por trás da epidemia de SARS de 2003 também atua no vírus que está no centro da pandemia de COVID-19 em andamento.

A substância em questão é o óxido nítrico, um composto com propriedades antivirais que é produzido naturalmente pelo próprio corpo.

“Até onde sabemos, o óxido nítrico é a única substância que demonstrou ter um efeito direto sobre o SARS-CoV-2 [o vírus por trás da atual pandemia]”, disse Åke Lundkvist, professor da Universidade de Uppsala, que liderou o estudo, publicado em Redox Biology.

Embora as vacinas existam para ajudar a evitar que as pessoas adoeçam, ainda não existe uma cura eficaz para as pessoas que contraem COVID-19.

A ênfase principal nos tratamentos testados tem sido o alívio dos sintomas. Isso pode encurtar as internações hospitalares e reduzir a mortalidade. Até o momento, entretanto, não foi possível provar que algum desses tratamentos afetou o vírus real por trás da infecção.

O óxido nítrico é um composto produzido no corpo. Suas funções incluem atuar como um hormônio no controle de vários órgãos. Ele regula, por exemplo, a tensão nos vasos sanguíneos e o fluxo sanguíneo entre e dentro dos órgãos. Na insuficiência pulmonar aguda, o óxido nítrico pode ser administrado como gás inalado, em baixas concentrações, para aumentar o nível de saturação de oxigênio no sangue.

Durante a epidemia de coronavírus SARS (síndrome respiratória aguda grave) de 2003, esta terapia foi testada com sucesso. Uma das principais razões para os resultados bem-sucedidos foi que a inflamação nos pulmões dos pacientes diminuiu. Essa propriedade do óxido nítrico – a proteção que ele oferece contra infecções, por ser antibacteriana e antiviral – é exatamente o que agora interessa aos pesquisadores.

Seu estudo se baseia em uma descoberta sobre o coronavírus que causou a primeira epidemia de SARS. Em 2003, o óxido nítrico liberado da S-Nitroso-N-acetilpenicilamina (SNAP) provou ter um efeito antiviral distinto.

Os pesquisadores da Universidade de Uppsala e do Instituto Karolinska investigaram agora como o novo coronavírus envolvido na pandemia atual, SARS CoV-2, reage ao composto. E o SNAP também demonstrou um claro efeito antiviral neste vírus – e um efeito que ficou mais forte à medida que a dose foi aumentada.

“A dosagem e o momento do início do tratamento provavelmente desempenham um papel importante no resultado e agora precisam ser explorados o mais rápido possível”, diz Åke Lundkvist.

O grupo de pesquisa agora planeja prosseguir investigando os efeitos antivirais do óxido nítrico emitido na forma de gás. Para isso, eles construirão um modelo em laboratório para simular com segurança uma forma concebível de terapia para os pacientes.

Fonte: Uppsala University

Fonte: Good News Network

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×

Carrinho