BOAS NOTÍCIAS: UMA NOVIDADE NO COMBATE A DEPRESSÃO PROFUNDA PODE REVOLUCIONAR A NEUROCIÊNCIA

Uma grande descoberta para ajudar os pacientes com depressão profunda é o tema da nossa coluna BOAS NOTÍCIAS desta quinta-feira. Um tratamento aprovado nos EUA pra Parkinson, epilepsia e transtorno obsessivo-compulsivo também funciona contra a depressão profunda. Leia a reportagem completa a seguir e fique por dentro de todos os detalhes!

Estimulação cerebral para Parkinson funciona contra depressão profunda

Estimulação cerebral / Parkinson- Foto: Dr. Craig Hacking, A. Prof. Frank Gaillar, CC

Estimulação cerebral / Parkinson- Foto: Dr. Craig Hacking, A. Prof. Frank Gaillar, CC

Descoberta importante! Um tratamento aprovado nos EUA para Parkinson, epilepsia e transtorno obsessivo-compulsivo também tem funciona para ajudar pacientes com depressão profunda, mais grave, que não respondem a outros tratamentos.

Foi o que revelou um estudo publicado esta semana no American Journal of Psychiatry. De acordo com os pesquisadores, a estimulação cerebral profunda do cérebro (DBS) tem efeito antidepressivo robusto, por um longo período de tempo.

A estimulação cerebral profunda, aprovada pelo FDA, Food and Drug Administration, é um procedimento neurocirúrgico que envolve a colocação de um neuroestimulador – chamado de “marcapasso cerebral” – que envia impulsos elétricos de alta frequência através de eletrodos implantados no fundo do cérebro, em áreas responsáveis pelos sintomas de cada distúrbio.

Os dados de longo prazo apresentados neste estudo foram conduzidos na Universidade Emory e liderados pela professora Helen S. Mayberg, que afirmou:

“Durante oito anos de observação, a maioria dos participantes do estudo experimentou uma resposta antidepressiva à estimulação cerebral profunda da Área 25, que foi robusta e sustentada. Dado que os pacientes com depressão resistente ao tratamento são altamente suscetíveis a episódios depressivos recorrentes, a capacidade do DBS de apoiar a manutenção a longo prazo de uma resposta antidepressiva e a prevenção de recaídas é um avanço no tratamento que pode significar a diferença entre continuar com sua vida ou sempre olhando por cima do ombro para o seu próximo episódio depressivo debilitante. ”

8 anos de estudo

O estudo documenta os dados de resultados a longo prazo (4 a 8 anos) de 28 pacientes que foram incluídos em um ensaio clínico de rótulo aberto do SCC DBS para depressão resistente ao tratamento.

Dos 28 participantes, 14 completaram pelo menos oito anos de acompanhamento, 11 outros completaram pelo menos quatro anos e três desistiram antes de oito anos de participação.

Os dados apresentados neste estudo apóiam a segurança a longo prazo e a eficácia sustentada do SCC DBS na depressão resistente ao tratamento.

“Embora os ensaios clínicos geralmente sejam estruturados para comparar tratamentos ativos e placebo a curto prazo, nossos resultados de pesquisa sugerem que a força mais importante do DBS nessa população clínica difícil de tratar reside em seus efeitos sustentados a longo prazo”. diz o Dr. Andrea Crowell, Professor Assistente de Psiquiatria e Ciências da Saúde Comportamental da Faculdade de Medicina da Universidade de Emory.

“Para pessoas que sofrem de depressão inevitável, a possibilidade de o DBS levar a uma melhora significativa e sustentada dos sintomas depressivos ao longo de vários anos será uma notícia bem-vinda”.

Os participantes do estudo preencheram os critérios para transtorno depressivo maior ou transtorno bipolar tipo 2 e estavam em um episódio depressivo atual de pelo menos 12 meses de duração com não resposta a pelo menos quatro tratamentos antidepressivos, psicoterapia e terapia eletroconvulsiva.

Todos os participantes do estudo foram submetidos à cirurgia SCC DBS na Emory University School of Medicine com o mesmo cirurgião e receberam o mesmo dispositivo.

Os primeiros 17 participantes foram implantados entre 2007 e 2009 em um estudo aberto. Outros 11 participantes com transtorno depressivo maior foram implantados usando o direcionamento anatômico guiado por tractografia entre 2011 e 2013.

“No Centro de Terapêutica Avançada em Circuitos do Monte Sinai, atualmente estamos nos preparando para a próxima fase desta pesquisa, agora financiada pelo Instituto Nacional de Iniciativa Cerebral em Saúde”, diz Mayberg.

Com informações do Hospital Mount Sinai e GNN

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0