ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESTA SEGUNDA-FEIRA

Por G1

 

Mais um massacre no sistema carcerário: chega a 55 o número de detentos mortos em Manaus desde ontem. Em resposta, o governo federal anuncia intervenção no complexo penitenciário onde ocorreu a matança. O Brasil dá adeus ao cantor Gabriel Diniz, do hit “Jenifer”. Um acidente de avião em Sergipe interrompeu a carreira do cantor de 28 anos, que vivia o auge da fama. A Justiça decide que o autor da facadano presidente Bolsonaro tem transtorno mental e não pode ser punido criminalmente. E o estresse crônico, conhecido como síndrome de burnout, entra na lista oficial de doenças da OMS.

NACIONAIS

Massacre em presídio

Mais 40 presos foram encontrados mortos dentro de unidades prisionais em Manaus. Ontem, uma briga entre detentos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) terminou com 15 mortos. O Ministério da Justiça anunciou intervenção federal nos presídios do Amazonas e enviou força-tarefa ao estado.

Matança se repete: em janeiro de 2017, o Compaj registrou a morte de 56 presos. Na ocasião, a rebelião durou mais de 17 horas e foi considerada pelo secretário como “o maior massacre do sistema prisional” do Amazonas.

Morte de Gabriel Diniz

O cantor Gabriel Diniz canta no programa 'SóTocaTop', na TV Globo no Rio de Janeiro, em março de 2019 — Foto: Fábio Rocha/TV Globo

O cantor Gabriel Diniz canta no programa ‘SóTocaTop’, na TV Globo no Rio de Janeiro, em março de 2019 — Foto: Fábio Rocha/TV Globo

O cantor Gabriel Diniz, conhecido pelo hit “Jenifer”, morreu na queda de um avião de pequeno porte em Sergipe. Ele seguia de Salvador para Maceió para celebrar o aniversário da namorada. Além do artista de 28 anos, morreram Linaldo Xavier e Abraão Farias, pilotos e diretores do Aeroclube de Alagoas.

O avião que levava o cantor não tinha autorização para fazer táxi aéreo e poderia apenas fazer voos para treinamentos. Segundo o Aeroclube, os pilotos davam uma carona a Gabriel. A Aeronáutica irá investigar as causas do acidente.

Avião que caiu com Gabriel Diniz — Foto: Reprodução

Avião que caiu com Gabriel Diniz — Foto: Reprodução

Adeus dos amigos

Artistas lamentaram a morte nas redes sociais, entre eles, a atriz Mariana Xavier, que interpretou a Jenifer no clipe da música de maior sucesso do cantor. O velório deve acontecer em um complexo esportivo de João Pessoa, cidade onde Diniz morava.

“Tô há algumas horas paralisada tentando assimilar o golpe e recebendo à distância os abraços dos amigos. Choro, paro. Choro, paro […]O que fica, da forma mais dolorida possível, é o ensinamento de que a vida é um sopro e nossa única certeza é de que precisamos ser o melhor que pudermos HOJE” – Mariana Xavier

Mariana Xavier e Gabriel Diniz nos bastidores do hit "Jenifer" — Foto: (Foto: Divulgação)

Mariana Xavier e Gabriel Diniz nos bastidores do hit “Jenifer” — Foto: (Foto: Divulgação)

Diniz em 7 músicas

Antes de lançar “Jenifer”, o hit do verão de 2019, Gabriel Diniz liderou grupos de forró eletrônico e fez parcerias com Safadão e Cristiano Araújo. Conheça 7 músicas para entender o sucesso do cantor.

Agressor de Bolsonaro

Adelio Bispo de Oliveira, suspeito de ter dado facada em Bolsonaro — Foto: Reprodução/GloboNews

Adelio Bispo de Oliveira, suspeito de ter dado facada em Bolsonaro — Foto: Reprodução/GloboNews

A Justiça Federal em Juiz de Fora decidiu que o autor da facada no presidente Jair Bolsonaro tem transtorno mental e é inimputável, ou seja, não pode ser punido criminalmente. Com isso, fica indicado que Adélio Bispo deve ficar em um manicômio judiciário caso seja condenado na ação penal.

Manifestações pró-Bolsonaro

Parlamentares de diferentes partidos ouvidos pelo blog da Andréia Sadi avaliam que o “núcleo duro” de Bolsonaro estimulou as manifestações de ontem a favor do governo, pelas reformas e contra o Centrão. No entanto, a ordem dos líderes e da cúpula do Congresso é ignorar os atos e evitar responder às manifestações, além de não retaliar com a aprovação de medidas contrárias ao governo.

Venda barrada

O ministro Edson Fachin, do STF, suspendeu a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG) – subsidiária da Petrobras – ao grupo francês Engie. O negócio havia sido acertado por R$ 33 bilhões e fazia parte do plano de desinvestimento da estatal. Para Fachin, a operação não pode ser feita sem licitação.

Eike condenado

O empresário Eike Batista foi condenado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a pagar R$ 536 milhões por usar informações privilegiadas para lucrar no mercado de ações quando era presidente do conselho de administração da OGX. A defesa afirmou que irá recorrer.

Mudanças no Fundo Amazônia

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (segundo da esquerda para a direita), durante encontro no Planalto sobre o Fundo Amazônia — Foto: Wilson Mendes/Secretaria de Governo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (segundo da esquerda para a direita), durante encontro no Planalto sobre o Fundo Amazônia — Foto: Wilson Mendes/Secretaria de Governo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que só editará decreto para alterar as normas do Fundo Amazônia quando houver um acordo entre “todas as partes”. Salles se reuniu hoje com os embaixadores da Noruega e da Alemanha – países financiadores do fundo – para discutir a gestão dos recursos.

Entenda: o Fundo Amazônia foi criado em 2008 para custear ações de conservação e combate ao desmatamento. O governo agora avalia usar os recursos para indenizar desapropriações de terra.

Estresse crônico

 — Foto: Abbie Bernet/Unsplash

Foto: Abbie Bernet/Unsplash

A Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu na lista oficial de doenças o esgotamento profissional, conhecido como “síndrome de burnout”. O problema foi descrito como “resultante de um estresse crônico no trabalho” e que se caracteriza por três elementos: “sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho e eficácia profissional reduzida”.

Também teve isso…

Fonte: G1

Por Blog do BG

Decreto sobre Fundo Amazônia só sai após acordo com ‘todas as partes’, diz Salles

Foto: José Cruz/Agência Brasil 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou na tarde desta segunda-feira, 27, que o decreto que irá alterar normas do Fundo Amazônia será formulado depois que estiver “claro quais são os pontos de comum acordo” de todas as partes envolvidas. A declaração foi dada após o ministro se reunir com os embaixadores da Noruega, Nils Martin Gunneng, e da Alemanha, Georg Witschel, para discutir a situação dos recursos que os dois países doaram ao Brasil para bancar projetos do fundo. A reunião contou com a participação do ministro de Secretária de Governo, Alberto Santos Cruz.

Como revelou o jornal O Estado de S. Paulo no último sábado, o governo Jair Bolsonaro trabalha na edição de um novo decreto para alterar as normas do fundo e permitir que seus recursos, que hoje chegam a R$ 3,4 bilhões, possam ser usados, por exemplo, para pagar indenizações a donos de propriedades privadas que vivam em áreas de unidades de conservação.

Questionado sobre como os embaixadores responderam a essa mudança em específico, o ministro respondeu que a reunião tratou de “questões mais gerais”. “Não entramos em nenhum detalhe muito específico”, respondeu.

Uma segunda mudança pretendida pelo governo vai incluir a redução do número de membros do Comitê Orientador do Fundo Amazônia. Esse grupo, responsável por criar as diretrizes e critérios para aplicação dos recursos, é formado atualmente por 23 membros, entre representantes do governo federal, governos dos Estados da Amazônia e entidades da sociedade civil.

Ao saírem da reunião, que ocorreu no Palácio do Planalto, os embaixadores não deram detalhes sobre o encontro, apenas afirmaram a imprensa que há um diálogo com o governo, que esperavam dar continuidade. “Talvez semana que vem vamos nos reunir mais uma vez”, disse o embaixador da Noruega.

Salles definiu a reunião como “ótima”, e que os embaixadores foram “muito solícitos”, apresentando suas “preocupações, questionamentos e ponderações”, relatou, acrescentando que o governo também apresentou seus pontos. “Debatemos muitos aspectos importantes da gestão do fundo, dos objetivos, da importância do Fundo para a redução do desmatamento ilegal, e portanto também alinhamos as nossas expectativas para aprimoramento dessas questões”, disse.

Segundo ele, os temas serão retomados na próxima semana, sendo que ao longo desta “informações e dados” serão trocados entre o governo e as embaixadas para que o diálogo seja “bastante produtivo”, avaliou.

Estadão Conteúdo

Comments

Bolsonaro defende ‘pacto pelo Brasil’ ao comentar atos pró-governo, diz porta-voz

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 

Por meio do porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 27, que é necessário fazer um “pacto pelo País” e retribuir o “sentimento” da população expressado nas ruas durante as manifestações que ocorreram pelo Brasil no último domingo em apoio às reformas do governo Bolsonaro.

“Essa voz das ruas não pode ser ignorada, é hora de retribuirmos esse sentimento. O que devemos fazer agora é um pacto pelo Brasil, estamos todos no mesmo barco, e juntos podemos mudar esse País”, disse o presidente, de acordo com o porta-voz.

As manifestações que ocorreram ontem no País defenderam a aprovação de pautas governistas, como a reforma da Previdência, a administrativa e o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Por outro lado, os atos também registraram muitas críticas ao Parlamento, especialmente aos membros do chamado ‘Centrão’ e ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Rêgo Barros também afirmou que Bolsonaro avalia que os “brasileiros foram às ruas de forma espontânea e pacífica” e que os atos foram “forte sinal de que a sociedade não perdeu as esperanças, e que seus anseios serão escutados pelos dirigentes do País”.

Questionado sobre a quem Bolsonaro estava se referindo quando postou em suas redes sociais que os atos foram como um recado “para aqueles que teimam com velhas práticas de não deixar que o povo se liberte”, o porta-voz apenas respondeu que Bolsonaro colocou “de forma clara importância das manifestações” em mostrar o sentido da sociedade sobre o avanço de “questões estruturais”, completando que o presidente está otimista com as reformas, como a da Previdência.

Estadão Conteúdo

Comments

Tirar o Coaf da Justiça quebra as pernas de Moro, diz líder do PSL no Senado

Um dia depois das manifestações pelo país e um dia antes da votação da medida provisória que define a estrutura do governo Jair Bolsonaro (PSL), o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP), insiste em que a Casa faça alterações no texto para devolver o Coaf ao Ministério da Justiça.

Mesmo que a alteração na versão que saiu da Câmara eleve o risco de a MP caducar e o governo sair dos 22 ministérios e retornar para as 29 pastas da gestão Michel Temer, Olímpio diz que vai liberar sua bancada na votação desta terça-feira (28), mas apoiará o destaque para que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras volte para o guarda-chuva do ministro Sergio Moro.

“Quebra as pernas dele tirar o Coaf de lá”, disse Olímpio na tarde desta segunda-feira (27).

Para o senador, manter o Coaf com Moro deixa o órgão mais próximo à estrutura da Polícia Federal, o que, segundo sele, garante um funcionamento mais ágil.

Em seu primeiro dia como presidente, Bolsonaro tirou o Coaf do extinto Ministério da Fazenda e levou o órgão que atua na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro para a pasta da Justiça.

Uma comissão especial de deputados e senadores alterou o texto da MP e levou o Coaf para o Ministério da Economia. Na semana passada, a Câmara manteve esta decisão.

Devolver o órgão para Moro tornou-se uma das principais bandeiras das manifestações a favor do governo que ocorreram neste domingo (26) em todo o país.

Na quinta-feira (23), Bolsonaro usou uma de suas lives na internet para defender que o Senado não mude o texto aprovado pela Câmara.

A medida provisória da reforma administrativa, que precisa ser aprovada até 3 de junho, visa confirmar a estrutura do governo implantada pelo presidente no começo do ano.

O destaque para alterar este trecho da MP foi apresentado pelo senador Alvaro Dias (Pode-PR) e, segundo Olímpio, até sexta-feira (24), antes das manifestações, contava com 30 votos, menos que o necessário para aprovar uma alteração em votação nominal.

Nesta segunda, senadores foram à tribuna defender a alteração.

“Amanhã [terça-feira], a gente vai dar uma resposta. Voltando para a Câmara, eu tenho certeza de que muitos que votaram lá para tirar do Ministro Sergio Moro o Coaf, com o que aconteceu no final de semana, pressão direto, não só física, mas nas redes, muitos vão repensar o seu voto e deixar como o governo colocou. O governo tem o direito de colocar o organograma que quiser”, discursou o senador Eduardo Girão (Pode-CE).

Indagado sobre o apelo feito pelo presidente para que seus aliados no Senado aprovassem o texto da maneira que saiu da Câmara, para evitar que caduque, Major Olímpio se mostrou irredutível e disse que o risco sempre existe.

“O presidente pode abrir mão de um direito. Eu não posso abrir mão de uma obrigação. Todos os dias estamos aqui, com a compressão de tempo, votando medidas provisórias. Se a Câmara não quiser [votar um texto alterado], a Câmara responda para a sociedade, cada um na medida de sua responsabilidade”, afirmou.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), terá uma reunião com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) no final desta tarde para traçar uma estratégia de atuação.

Folhapress

Comments

Modelo de avião que levava Gabriel Diniz teve 26 acidentes em 9 anos

O modelo de avião que transportava o cantor Gabriel Diniz (autor do hit “Jenifer”) e caiu hoje na região de Porto do Mato, em Estância (SE) registrou 26 acidentes de 2009 a 2018, com quatro mortes ao todo. O acidente de hoje não foi computado nesta conta. Os dados são do Sipaer (Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), ligado ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), da Aeronáutica.

A maior parte das ocorrências se deve à falha do motor em voo (seis ocorrências), perda de controle no solo (também seis ocorrências) e perda de controle em voo (com três ocorrências ao todo).

As investigações do Cenipa apontam que a maioria dos acidentes foi causada em decorrência de escolhas equivocadas tomadas pelos pilotos (dez ocorrências). Em abril, o país contava com o registro de 299 unidades desse modelo com autorização para voar, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

O Seripa II (Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), de Pernambuco (PE), órgão regional do Cenipa, investiga as causas do acidente.

Táxi-aéreo clandestino

A aeronave que caiu nessa tarde poderia estar realizando o Taca (Transporte Aéreo Clandestino). O transporte de passageiros é fiscalizado pela Anac e precisa de autorização para ser realizado.

Segundo a agência, ao contratar um táxi-aéreo, o usuário deve se certificar de que a empresa tem autorização para prestar o serviço por meio da lista de prestadoras autorizadas.

Por meio do site da Anac ou do aplicativo Voe Seguro – Consulta de Táxi-Aéreo Pirata (disponível para o sistema Android), é possível checar se a empresa possui licença para prestar o serviço e se a aeronave está autorizada a transportar passageiros.

Se você encontrar alguma empresa ou pessoa oferecendo o táxi-aéreo clandestino, é importante denunciar à agência para evitar riscos e manter a segurança aérea. A Anac realiza a campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino”, que tem a iniciativa de incentivar a pesquisa de informações antes de se contratar o transporte aéreo. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 163 diretamente à Anac.

Blog Todos a Bordo

 

Caixa é condenada a indenizar clientes por cobrança de tarifa de cheque sem fundo entre 2002 e 2007

A Caixa foi condenada pela primeira turma do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) a indenizar clientes que foram indevidamente punidos com cobrança de tarifa de cheques sem fundo.

Pela decisão, caberá à Caixa levantar todos os clientes lesados e as tarifas cobradas indevidamente entre setembro de 2002 e abril de 2007. Cabe recurso.

Nesse período, o banco cobrava R$ 15 por cheque não descontado por falta de dinheiro na conta. Se um correntista tivesse mais de um cheque a ser compensado no mesmo dia, mas fundos para apenas um deles, a Caixa cobrava a tarifa sobre todos os cheques apresentados na data.

Segundo a decisão, a prática é ilegal porque há uma regra estabelecida para a ordem de compensação de cheques.

Na decisão, o desembargador Wilson Zauhy afirma que o banco “adotou um modus operandi de cobrança de valores contrário à lei, por meio do qual obteve evidente vantagem econômica em detrimento de grande número de consumidores”.

A ação foi movida pelo Ministério Público Federal e não cita o número de correntistas lesados.

Zauhy afirma ainda que muitos dos clientes afetados não perceberam os “pequenos e indevidos desfalques perpetrados em suas contas”. Ele diz que a Caixa “agiu de má-fé ao praticar tais cobranças”.

No processo, a Caixa alegou dificuldades técnicas para levantar quem foram os clientes lesados no período. O Tribunal considerou, porém, que a instituição tem a obrigação de fazer a investigação interna inclusive porque ela possui as informações dos clientes.

Aceitar o recurso do banco seria, nas palavras do desembargador, “beneficiar a parte [o banco] por sua própria torpeza”.

Os clientes receberão indenização em dobro e com correção monetária (que muda de acordo com o ano em que o cliente foi lesado). Na decisão em primeira instância, a Caixa havia sido condenada a corrigir os valores pela taxa de juro do cheque especial, condenação revertida pelo TRF-3.

Até a conclusão deste texto, a Caixa não havia se pronunciado.

Folhapress

Comments

NOVO MASSACRE: Mais 42 presos são achados mortos em Manaus; total chega a 57

Quarenta e dois presos foram encontrados mortos dentro de cadeias em Manaus nesta segunda-feira (27), informou o Governo do Amazonas. Na véspera, uma briga entre presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) deixou 15 presidiários mortos.

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) informou que as mortes desta segunda, todas com indício de asfixia, ocorreram nas seguintes unidades: Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) – 27 mortos; Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) – 6 mortos; Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM 1) – 5 mortos, além de 4 feridos levados para atendimento médico; e Compaj – 4 mortos.

De acordo com a Seap, “neste momento, a situação está controlada e os presos estão na tranca”.

De acordo com a Umanizzare, empresa de gestão prisional, no Ipat um agente de socialização agredido pelos detentos foi levado a um hospital de Manaus. Ele teve pequenas escoriações e não corre risco.

Também nesta segunda, o Ministério da Justiça informou que vai enviar ao Amazonas integrantes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária. De acordo com o governo federal, a força-tarefa atua quando há crise no sistema penitenciário – o objetivo é “controlar distúrbios e resolver outros problemas”.

No caso do Compaj, integrantes da Força Nacional de Segurança Pública já atuam na área externa do presídio.

G1

LOCAIS

Câmara de Natal discute proposta de segurança para a ponte Newton Navarro

A segurança na ponte Newton Navarro foi tema de audiência pública nesta segunda-feira (27) na Câmara Municipal de Natal. Proposta pelo vereador Paulinho Freire (PSDB), presidente da Casa Legislativa Municipal, e subscrita pelo vereador Robson Carvalho (PMB), a audiência discutiu a proposta técnica apresentada pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-RN) e do Conselho Regional de Arquitetura e Urbanismo (CAU) que tem o objetivo de aumentar a segurança na ponte e coibir o crescente número de suicídios no local.

O presidente da Câmara falou sobre a importância do debate. “A Ponte Newton Navarro trouxe progresso e um belo elo de ligação da zona norte à zona sul da cidade, mas falta proteção para quem transita por ela, por isso, realizamos essa audiência para conhecer essa proposta do CREA e do CAU e em seguida cobrar do poder público para que ele aloque recursos e o problema do alto índice de suicídio na ponte seja solucionado”, afirmou Paulinho Freire.

Com 1.782 metros de extensão, a ponte Newton Navarro foi inaugurada em 2007 e tem 60 metros de altura, no ponto mais alto, o equivalente a um prédio de 20 andares. De acordo com a proposta apresentada, serão colocadas placas de vidro com dois blocos com espessura de 4 milímetros cada uma em toda a extensão da ponte. “A ponte Newton Navarro é uma ponte turística não poderíamos impactar o visual dela, por isso apresentamos a colocação dessas placas com o total de 8 milímetros de espessura e com altura de até dois metros e cinqüenta do piso ao topo da placa”, disse a presidente do CREA-RN, a engenheira Ana Adalgisa Dias.

A obra vai custar cerca de R$ 2. 700,000 (dois milhões e setecentos mil reais). O coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil (CREA), Alessandro Câmara, comentou os principais pontos da proposta apresentada. “Nós analisamos alguns pontos para construir o projeto de segurança da ponte, como evitar a ocorrência de suicídio, aproveitar a estrutura existente, não obstruir o visual e utilizar material resistente”, explicou Alessandro. O engenheiro acrescentou que a utilização do vidro ocorre em outras pontes no mundo. “A proposta é utilizar a estrutura existente e implantar as placas de vidro em toda a extensão da ponte, com inclinação para dentro, dificultando a pessoa passar para o outro lado”, finalizou Alessandro Câmara.

O vereador Robson Carvalho enfatizou que para que o número de suicídios na ponte diminua são necessárias medidas de curto, médio e longo prazo. “Precisamos retirar essa simbologia negativa que a ponte adquiriu e com medidas de curto prazo, como colocar proteção na ponte, com medidas de médio e longo prazo como políticas públicas para coibir o suicídio, disponibilizando tratamento psiquiátrico continuado, transformar a ponte Newton Navarro em uma ponte da vida, da cultura, do esporte e do amor”, disse o vereador.

Para o Coronel Monteiro Júnior, comandante do Corpo de Bombeiros, o suicídio é uma questão de saúde pública. “A iniciativa de proteção na ponte é louvável, mas necessitamos trabalhar no foco do problema. O suicídio é uma questão de saúde pública, não são apenas medidas de segurança que vão diminuir os índices, o poder público deve fornecer o tratamento, descobrir a raiz da doença, tratar o cidadão para que ele não cometa o ato”, afirmou o comandante.

A psicóloga Nayran Cardoso, do hospital psiquiátrico Professor Severino Lopes, comentou que é preciso perceber os sinais da depressão. “As pessoas que são acometidas de depressão têm dificuldades de acesso ao tratamento, dificuldade de aceitação da família e do ambiente de trabalho. Essas pessoas muitas vezes dão sinais, e precisamos estar atentos a eles, por isso a importância desse debate sobre o suicídio, sobre maneiras de identificar a doença, tratá-la e formas de coibi-la”, disse. Participaram da audiência pública, os vereadores Eleika Bezerra (PSL), Franklin Capistrano (PSB) , Carla Dickson (PROS) e Felipe Alves (MDB).

Governo do Estado vai contratar 122 agentes penitenciários este ano

Foto: Sandro Meneses 

O Governo do Estado mantém o compromisso de reforçar o sistema penitenciário do RN e confirmou a nomeação de 122 novos agentes penitenciários concursados dentro do limite das vagas em aberto. As convocações estão previstas para os meses de julho e outubro. O anúncio foi feito pelo vice-governador Antenor Roberto, após reunião com uma comissão de representantes dos concursados e mais o chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, os secretários de Estado da Justiça e Cidadania (Sejuc), Pedro Florêncio, da Segurança Pública e Defesa Social, Francisco Araújo, e o procurador geral do Estado, Luis Antonio Marinho, nesta segunda-feira, 27.

Antenor Roberto reafirmou o compromisso da administração e da governadora Fátima Bezerra em convocar os concursados até o preenchimento de todas as vagas abertas. “Com essa determinação, a governadora Fátima Bezerra também garante que o sistema prisional, agora ampliado com novos agentes, vai também proporcionar um melhor atendimento aos familiares, aos advogados e àqueles que estão sob custódia do Estado”, enfatizou.

A equipe econômica estudou o impacto financeiro e a Procuradoria Geral do Estado analisou a contratação considerando as limitações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF. O Governo tem estes balizamentos que precisam ser respeitados observando a segurança jurídica dos seus atos e a capacidade financeira.

Fonte: Blog do BG

Por G1 RN

 

Valéria Oliveira vai cantar Luiz Melodia — Foto: Brunno Martins

Valéria Oliveira vai cantar Luiz Melodia — Foto: Brunno Martins

A cantora potiguar Valéria Oliveira e o cantor, violonista e compositor Renato Piau vão fazer duas apresentações do “Tributo a Luiz Melodia” nesta semana em Natal. Na quinta-feira (30), eles tocam Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, às 19h30, e no sábado (1), no Mormaço, às 20h30.

Renato Piau, que é idealizador do projeto, esteve ao lado de Luiz Melodia nos palcos por quase 40 anos e agora revive a carreira do amigo, morto em 2017, com o show em homenagem. Ele e Valéria terão a companhia do instrumentista Jubileu Filho para as duas apresentações.

Renato Piau tocou durante quase 40 anos com Luiz Melodia — Foto: C. Telles

Renato Piau tocou durante quase 40 anos com Luiz Melodia — Foto: C. Telles

No repertório, estarão obras dos álbuns “Pérola Negra”, o primeiro da carreira de Melodia, “Maravilhas contemporâneas”, “Claro”, “Pintando o sete”, “Mico de circo”, “Estação Melodia” e “Relíquias”. Renato Piau vai tocar violão no espetáculo e também cantará algumas de suas parcerias com Luiz Melodia, como “Cura”, “Esse filme eu já vi” e “Cara, cara”.

Para o show, Valéria se reaproximou da obra de Luiz Melodia e escolheu para o repertório músicas compostas por Luiz Melodia e canções de outros autores que foram imortalizadas na voz do cantor.

Serviço

Quinta-feira, 30 de maio

  • Local: Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, às 19h30
  • Vendas: site Sympla, Cooperativa Cultural Universitária e Espaço Vivo

Sábado, dia 1 de junho

  • Local: Mormaço, às 20h30
  • Vendas: Ingressos e reservas de mesas no Mormaço

Fonte: G1 RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0