NUTRIÇÃO: PRIORIZE O SEU CÉREBRO E FAÇA UMA NUTRIÇÃO A BASE DE ÔMEGA-3

A nutrição do nosso corpo é primordial à nossa saúde e começa pelo cérebro. Nesta quinta-feira o destaque, aqui na coluna NUTRIÇÃO é uma dieta do mediterrâneo e ômega-3, priorizando o cérebro e uma melhor saúde mental. Então, aproveite essa oportunidade incrível e leia o artigo completo a seguir!

A melhor nutrição está no cérebro: dieta do mediterrâneo e ômega-3 é a receita para uma melhor saúde mental

Alimentos ricos em ômega 3 sobre mesa de madeira.
Tatjana Baibakova / 123RF

A digestão ocorre no estômago e no intestino, mas é o hipotálamo, no cérebro, que controla o apetite e a necessidade de ingestão de alimentos, sendo o responsável pelo controle da fome e da sede.

Essa região do cérebro está relacionada à sobrevivência, estando por essa razão localizada no chamado cérebro reptiliano. Ela é responsável por nos “lembrar” que devemos nos alimentar e beber. Nosso cérebro representa 2% do peso no nosso corpo, mas usa 20% da energia, por isso a alimentação é uma fonte de energia vital. Em relação à água, o cérebro consiste em 73% de água. Se retirarmos a água, nosso cérebro consiste em 60% de gordura e a gordura de melhor qualidade é o ômega-3.

O ômega-3 é retirado de peixes gordos, como salmão, arenque e sardinha. Leite e ovos também têm ômega-3, mas há um porém: se os animais se alimentaram do pasto, terá ômega-3, caso seja alimentado de forma industrializa este não será produzido. Exatamente como o salmão de cativeiro, que representa a maioria do consumo e que não possui ômega-3, sendo ideal que o salmão seja selvagem. Que tal as nozes, sementes de chia, linhaça? Também contêm ômega-3 e é uma ótima gordura para o nosso cérebro. Para bebês, o leite materno tem ômega-3 e pesquisas já revelaram que crianças que foram amamentadas por ele tiveram melhor desempenho escolar.

Não produzimos ômega-3, ela vem da dieta, no caso da amamentação, vem da nutrição na dieta da mãe. A melhor alternativa são as fontes naturais e não de vitaminas, estas não são comprovadamente um substituto com a mesma qualidade dos alimentos naturais.

Bebê sendo amamentado pela mãe.
Anna Shvets / Pexels

O cérebro cresce a uma taxa de 250 mil células nervosas por minuto, durante a gestação, nos 3 primeiros meses o cérebro do recém-nascido vai de 55% do tamanho do cérebro adulto.

E a melhor dieta? A do mediterrâneo, confira uma rotina nesta dieta:

Café da manhã

Chá de ervas e frutas, não muitas, o suficiente. Pode optar pelo sanduíche com duas fatias de pão integral com queijo de cabra ou minas, azeite, tomate, ervas e manjericão.

Pode optar pelos frutos secos na parte da manhã, pois como têm muitas calorias, sustenta ao longo do dia e são “queimados“ no decorrer do dia.

Almoço

Peixe em especial os mais gordurosos que contenham ômega-3. Tempere-o com ervas e especiarias como noz moscada, tomilho, alecrim e orégano. Arroz integral com lentilhas, legumes como cenoura, tomate, couve-flor e salada. Pode substituir o peixe por carne sem gordura, seja de vaca, porco, que esteja bem cozida. O cogumelo é uma ótima opção aos vegetarianos e contém alta fonte de proteína.

Sobremesa

Espere uns 30 minutos após a refeição para comer frutas como ameixa, laranja, abacaxi, tangerina ou kiwis.

Lanche da tarde

Iogurte natural com frutas vermelhas com farelo de aveia e um fio de mel. Pode variar no dia seguinte com iogurte com lactobacilos vivos para ajudar na microbiota intestinal.

Jantar

Uma sopa leve ou uma refeição mais leve como sardinha, atum, com berinjela, azeite, azeitonas, pimentão, cebola, alho podendo acrescentar uma fatia de pão integral para acompanhar.

Ceia

Um bom chá de camomila, manjericão com alecrim, maçã, chás que favoreçam um bom relaxamento.

Obrigado

Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu
Continuar lendo NUTRIÇÃO: PRIORIZE O SEU CÉREBRO E FAÇA UMA NUTRIÇÃO A BASE DE ÔMEGA-3

UTILIDADE PÚBLICA: TERMINA HOJE (31) PRAZO PARA ENTREGA DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

Por g1

 

Imposto de Renda 2022: Quem precisa declarar IR?

Imposto de Renda 2022: Quem precisa declarar IR?

Faltando 13 horas para o final do prazo, a Receita Federal ainda aguardava cerca de 540 mil declarações do Imposto de Renda 2022Até as 11h desta terça-feira (31), foram 33.557.430 documentos entregues – ao todo, são esperadas 34,1 milhões de declarações neste ano.

O prazo para enviar o documento sem multa termina nesta terça-feira (31). Veja abaixo vídeos com outras informações.

Onde achar o programa

O programa para fazer a declaração deve ser baixado no site da Receita Federal (clique aqui para acessar).

Quem estiver obrigado a entregar a declaração e não fizer até o fim do prazo estará sujeito à multa. O valor da multa é de 1% ao mês sobre o valor do imposto de renda devido, limitado a 20% do valor do imposto de renda. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74.

A multa é gerada no momento da entrega da declaração e a notificação de lançamento fica junto com o recibo de entrega e o contribuinte terá 30 dias para pagar a multa. Após esse prazo, começam a correr juros de mora (taxa Selic).

Obrigatoriedade

É obrigado a declarar IR em 2022:

  • quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2021. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado;
  • contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
  • quem obteve, em qualquer mês de 2021, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • quem teve isenção de imposto sobre o ganho de capital na venda de imóveis residenciais, seguido de aquisição de outro imóvel residencial no prazo de 180 dias;
  • quem teve, em 2021, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • quem tinha, até 31 de dezembro de 2021, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • quem passou para a condição de residente no Brasil em qualquer mês e se encontrava nessa condição até 31 de dezembro de 2021.

Lotes de restituição

De acordo com a Receita Federal, serão disponibilizados cinco lotes de restituição neste ano, nos dias:

  • 31 de maio;
  • 30 de junho;
  • 29 de julho;
  • 31 de agosto; e
  • 30 de setembro.

A ordem de prioridade para recebimento de restituição é a seguinte:

  • Idosos, com prioridade dentre esses para os maiores de 80 anos
  • Contribuintes com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave
  • Contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério
  • Demais contribuintes
  • Havendo empate nos critérios, quem entregou primeiro tem prioridade.

Fonte: G1

Continuar lendo UTILIDADE PÚBLICA: TERMINA HOJE (31) PRAZO PARA ENTREGA DA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

NUTRIÇÃO: SAIBA COMO FAZER UM DELICIOSO BOLO DE BANANA NA FRIGIDEIRA

Por Inter TV Costa Branca

 

Bolo de banana na frigideira — Foto: Inter TV Costa BrancaBolo de banana na frigideira — Foto: Inter TV Costa Branca

A receita exibida no Inter TV Rural deste domingo (22) foi um bolo de banana feito na frigideira. Para essa receita, os ingredientes são mesmos de um bolo de banana tradicional, e o diferencial fica por conta da forma de assar.

O doce foi elaborado pelo gastrólogo Alexandre Dantas e, além de ser muito rápido de preparar e econômico, é ideal para acompanhar um cafezinho no fim da tarde.

Ingredientes

Massa

  • 120 g de farinha de trigo ou 1 xícara de chá bem cheia
  • 80 g de açúcar ou ¾ de xícara
  • 2 ovos
  • 10 gramas ou uma ½ colher de sopa de fermento químico em pó
  • 50 ml de óleo de girassol, milho ou soja ou o equivalente a 1/3 de xícara de chá
  • 50 ml de leite integral ou o equivalente a 1/3 de xícara de chá
  • 1 pitada de sal
  • Canela em pó a gosto

Para caramelizar a banana

  • 3 bananas de tamanho médio maduras
  • 30 g ou 1 colher de sopa de manteiga ou margarina
  • 60 g ou 3 colheres de sopa de açúcar

Modo de preparo

Começamos a receita na própria frigideira que vamos usar para assar o bolo.

Primeiro vamos derreter nessa frigideira a manteiga e o açúcar separados para caramelizar a banana. Quando essa mistura estiver bem homogênea, vamos desligar o fogo e reservar. Em cerca de 2 minutos a mistura estará no ponto desejado. É importante lembrar que nesse momento queremos apenas derreter a manteiga para que ela se misture ao açúcar.

Em um recipiente vamos iniciar o preparo da massa. Começamos misturando os ovos com açúcar à mão (pode ser feito com um garfo ou fouet). Quando o açúcar desmanchar por completo, vamos acrescentar o óleo e o leite e continuamos misturando.

Logo após, vamos acrescentar a farinha e uma pitada de sal, e vamos incorporar esses ingredientes secos à mistura. Não precisa misturar muito e quando ela atingir um ponto homogêneo, acrescentamos o fermento em pó, misturamos mais um pouco e a massa estará pronta. É importante que a massa fique mais densa, já que ela não vai ao forno.

Na sequência vamos iniciar a montagem. Vamos pegar a mistura de açúcar e manteiga preparada anteriormente e espalhar por toda frigideira, inclusive nas laterais. Nesse momento cortamos as bananas em rodelas e organizamos elas em toda frigideira sobre a mistura de açúcar e manteiga.

Quando todas as bananas estiverem acomodadas no fundo e laterais da frigideira, podemos colocar um pouco de canela em pó e por último despejamos toda massa na frigideira.

Devemos escolher a boca do fogão com a menor chama. O fogo deve estar baixo e a frigideira deve ser tampada para cozinhar de forma lenta e uniforme. Cerca de 10 minutos após o início do cozimento, podemos observar que as bodas começam a ficar douradas e a parte de cima mais firme.

O nosso bolo assou em cerca de 12 minutos. A superfície fica firme e quando colocamos um palito ele sai do bolo limpo. É importante lembrar que a superfície não vai ficar dourada, já que o bolo não foi ao forno.

Para desenformar o bolo, vamos utilizar uma espátula para ajudar a soltar a massa nas laterais da panela. Logo depois, vamos virar o bolo em um prato, aguardar esfriar um pouco e servir.

Continuar lendo NUTRIÇÃO: SAIBA COMO FAZER UM DELICIOSO BOLO DE BANANA NA FRIGIDEIRA

NUTRIÇÃO: QUANDO O GLÚTEN É MOCINHO OU VILÃO?

Nesta edição da coluna NUTRIÇÃO temos um artigo super interessante sobre o glúten que analisa o porquê de estar aumentando tanto a intolerância a essa substância nos últimos tempos. Também trás um receita maravilhosa de pão de amêndoas, claro, sem glúten, pra você fazer em casa.

Será que vale a pena tirar o glúten da sua alimentação?

Mulher com as duas mãos em frente ao seu corpo e a uma bandeja com pão.

Com certeza você já reparou a sua volta a oferta crescente de produtos sem glúten, assim como deve ter amigos ou parentes que optam por uma dieta livre desse composto.
Atualmente observa-se um número crescente de pessoas intolerantes ao glúten, além dos celíacos.

Os portadores da doença celíaca têm um grau de intolerância elevado de tal forma, que o mínimo contato com glúten pode colocar sua vida em risco, desencadeando diarreia, fechamento de glote, cólicas e diversos outros sintomas.

Os intolerantes podem apresentar anemia, enxaqueca, artrite, infertilidade, depressão, fadiga e vários outros desconfortos, porém não precisam de um controle tão rígido, não necessitando investigar se existem traços de glúten em tudo que consomem.

Trigo em campo, focado na imagem.

Pixabay/Martin Ludlam

Já parou para se perguntar por que isso está acontecendo?

Diante do crescimento da intolerância ao glúten, vários estudos passaram a ser realizados em busca de um fator que justificasse esses dados.

No livro “Barriga de trigo”, o cardiologista William Davis acredita que o desenvolvimento dessa intolerância está ligado à mudança genética que o próprio trigo sofreu ao longo dos anos.

Davis aponta diversos problemas que o consumo de glúten pode acarretar, mesmo para quem não é intolerante:

  • Dependência (tal qual substâncias viciantes)
  • Obesidade
  • Acnes e espinhas
  • Doenças cardiovasculares
  • Lipogênese
  • Envelhecimento precoce
  • Diabetes
  • Resultado metabólico de natureza acídica

Contudo, mesmo diante dos estudos apresentados, pode parecer desafiador optar de forma espontânea pela redução do consumo de glúten.

Deixar o pãozinho de lado, a pizza de domingo, assim como as pastas da mamma, é algo que não passa pela cabeça.

Porém, indo além dos estudos, existe um convite para você experimentar e provar como se sente ao reduzir o consumo de glúten no seu dia a dia, avaliando e percebendo como seu corpo se comporta, para então fazer uma escolha consciente, baseada na sua experiência.

Vou dizer que faz dez anos que optei por deixar o glúten fora das minhas refeições. Meu nível de vitalidade, imunidade e bem-estar cresceu de forma exponencial, mas essa é a minha percepção.

Diante de minha escolha, ao longo desses anos, desenvolvi diversas receitas que trazem satisfação e prazer.

Uma delas é o pão de amêndoas. Anota a receita, pega o avental, e vamos para a cozinha!

Pão de amêndoas

Serve: 6 pães

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de farinha de amêndoa
  • 1/2 xícara de chá de aveia em flocos médios
  • 3/4 de xícara de chá de polvilho doce
  • 1/4 de xícara de chá de azeite
  • 2 colheres de chá de sal
  • 1 sachê de fermento biológico para pão
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • Mix de sementes a gosto

Modo de preparo

  1. Em um bowl pequeno, misture o fermento com o açúcar.
  2. Adicione 1/2 xícara de chá de água morna e misture. Reserve.
  3. Em um bowl grande, coloque a aveia, a farinha de amêndoa, o polvilho doce e o sal. Misture.
  4. Adicione o azeite, 1/2 xícara de chá de água e o fermento dissolvido em água.
  5. Misture, integrando todos os ingredientes.
  6. Unte 6 aros de modelar alimentos, de 8 cm de diâmetro, com azeite e farinha de mandioca.
  7. Distribua os aros sobre uma assadeira untada.
  8. Distribua a massa, preenchendo os seis aros por igual.
  9. Polvilhe a superfície dos pães com o mix de sementes.
  10. Deixe descansar por 15 minutos.
  11. Leve ao forno preaquecido a 180°C por cerca de 45 minutos.
  12. Retire do forno e distribua os pães sobre uma grade.
  13. Espere esfriar antes de cortar (o pão continua seu processo de cozimento, depois que sai do forno).

Pão redondo com lascas de amêndoas.

Pexels/hermaion

Dicas

  • A água a ser misturada no fermento deve estar morna, com uma temperatura agradável para mergulhar o dedo, de forma que não desestabilize o fermento.
  • O pão pode ser armazenado em recipiente fechado por até 5 dias na geladeira, ou dois dias em temperatura ambiente.
  • Você pode enriquecer o seu pão, acrescentado algumas sementes à massa.
  • Você pode optar por assar o seu pão em uma forma de bolo inglês, no lugar dos aros.

Bom apetite!

Anah Locoselli
Escrito por Anah Locoselli

Fonte: Eu Sem Fsronteira

Continuar lendo NUTRIÇÃO: QUANDO O GLÚTEN É MOCINHO OU VILÃO?

VARIEDADES: SAIBA COMO PREPARAR UM DELICIOSO COZIDO BOVINA

Por Inter TV Costa Branca

 

Cozido bovino com legumes foi destaque no Inter TV Rural — Foto: Reprodução/Inter TV Costa BrancaCozido bovino com legumes foi destaque no Inter TV Rural — Foto: Reprodução/Inter TV Costa Branca

O cozido bovino é tradicional no almoço – um prato em que a carne é cozida junto com os vegetais, formando um caldo com muito sabor. Esse caldo é aproveitado para fazer um pirão com a farinha de mandioca.

A origem dessa comida é indefinida e os vegetais podem mudar de uma região para outra, mas é um prato completo, feito em uma única panela.

A receita apresentada nesse domingo (15) no Inter TV Rural leva alguns vegetais comuns no Rio Grande do Norte, mas permite substituições de acordo com o gosto de quem vai preparar.

Ingredientes

  • 1,5 kg de carne de peito bovino cortada em pedaços grandes
  • 250 g de bata doce cortada em pedaços grandes ou uma batata de tamanho médio
  • 250 g de batata-inglesa corta em pedaços grandes ou duas batatas de tamanho médio
  • 250 g ou ½ jerimum pequeno cortado em pedaços grandes
  • 250 g ou duas cenouras de tamanho médio cortadas em pedaços grandes
  • 250 g de macaxeira cortada em pedaços grandes
  • 250 g ou 2 espigas de milho pequenas cortadas em rodelas
  • 2 tomates maduros de tamanho médio cortados em pedaços grandes
  • 1 cebola roxa grande cortada em pedaços grandes
  • 4 dentes de alho grandes triturados
  • 1 pimentão verde de tamanho médio cortado em pedaços grandes
  • 3 pimentas-de-cheiro cortadas em pedaços grandes
  • Água para o cozimento da carne
  • Farinha de mandioca suficiente para o pirão
  • Sal, louro, colorau, azeite, pimenta do reino e cheiro verde a gosto

Modo de preparo

Vamos iniciar limpando os pedaços de pele da carne e em seguida, temperar. Quem quiser, pode substituir por outro corte como a costela. Para essa receita, vamos usar sal e pimenta do reino, misturar bem para pegar o tempero.

Com as peças já temperadas, vamos usar uma panela para selar a carne. Em uma panela grande e espaçosa, (pode ser uma panela de pressão), vamos colocar um fio de azeite, esperamos esquentar e vamos selar os pedaços, ou dourar. Vamos fazer isso em todos os pedaços, aos poucos, até que eles fiquem dourados dos dois lados.

Com a carne toda selada, vamos colocar todos os pedaços de volta na panela e acrescentar os vegetais: a cebola, em seguida o pimentão, a pimenta-de-cheiro e o talo da cebolinha e continuamos refogando.

Após alguns segundo, acrescentamos o tomate e o alho e mexemos mais um pouco para refogar. O próximo passo é clocar o colorau, as folhas de louro e vamos mexer um pouco e logo em seguida colocamos um pouco de água para começara cozinhar a carne.

Aguardamos ela levantar fervura e deixamos cozinhar por alguns minutos, completando com água sempre que necessário. O ideal é colocar os vegetais quando a carne começar a ficar macia. O primeiro vegetal que vamos acrescentar é o milho verde. Colocamos a rodelas na panela, fechamos com uma tampa e deixamos cozinhando.

Cerca de 40 minutos depois, o milho e a carne estarão mais macios, e é hora de colocar a cenoura, a macaxeira e a batata-doce. Completamos a água e deixamos cozinhar um pouco mais até que os vegetais comecem a ficar macios

Vamos acrescentar na sequência o jerimum e a batata-inglesa, colocamos um pouco mais de água e nesse ponto vamos ajustar o sal e a pimenta, se necessário e deixamos cozinhar um pouco mais até que os últimos vegetais adicionados estejam macios.

Quando estiverem macios, vamos finalizar a preparação. O ideal é que os vegetais ainda estejam inteiros.

Em uma outra panela, vamos colocar parte do caldo do cozimento dos legumes e da carne para fazer o pirão. E na panela onde está a carne finalizamos com cheiro verde.

Na panela onde está o caldo, ligamos o fogo e vamos colocando a farinha de mandioca aos poucos até atingir o ponto desejado. É importante ficar atento, pois quando o pirão esfria ele fica mais espesso. Depois de atingir a consistência desejada, cozinhamos por mais alguns minutos, finalizamos com cheiro verde e o pirão estará pronto para servir.

Continuar lendo VARIEDADES: SAIBA COMO PREPARAR UM DELICIOSO COZIDO BOVINA

SAIBA COMO PREPARAR UM DOS PRATOS TÍPICOS DO RN A MACAXEIRA GRATINADA AO FORNO

Por Inter TV Costa Branca

 

Macaxeira gratinada ao forno — Foto: Inter TV Costa BrancaMacaxeira gratinada ao forno — Foto: Inter TV Costa Branca

O Brasil é um dos grandes produtores mundiais da macaxeira, que também pode ter outros nomes em outras partes do país, como mandioca e aipim.

No Rio Grande do Norte e em toda a região Nordeste, a produção e o consumo dessa raiz tem grande destaque. Ela pode ser preparada cozida, frita e até em forma de purês, inclusive em pratos doces, como o bolo.

Na receita deste domingo (3) no Intertv Rural, o chefe Alexandre Dantas ensina a preparar uma macaxeira gratinada ao forno.

Ingredientes

  • 1 kg de macaxeira cozida em água e sal
  • 300 g de queijo coalho ou mussarela ralado grosseiramente
  • 200 g ou 1 copo de requeijão cremoso
  • 200 g ou 1 caixa de creme de leite
  • 180 ml de leite de coco ou aproximadamente a mesma medida do copo de requeijão
  • 30 ml ou cerca de 2 colheres de sopa de azeite, óleo ou manteiga da terra
  • 3 dentes de alho triturados e fritos levemente
  • Sal, pimenta e cebolinha a gosto

Modo de preparo

A macaxeira deve ser cozida até ficar em um ponto ainda firme. O passo seguinte é retirar a fibra central e cortar em pedaços de tamanhos mais ou menos iguais. Após cortar toda macaxeira, os pedaços devem ser reservados para início do preparo do creme.

Para o creme, é preciso um recipiente para misturar os ingredientes. Coloca-se o creme de leite, o requeijão e o alho frito, que devem ser bem misturados até obter uma consistência homogênea.

Na sequência, é adicionado o leite de coco, aos poucos. O cozinheiro deve colocar uma parte, misturar bem e observar a textura do creme. O ideal é que a mistura não fique nem muito liquida e nem muito espessa para que possa gratinar. Dependendo do tipo de creme de leite ou de requeijão, a quantidade de leite de coco usada na receita pode variar.

A mistura é temperada com sal e pimenta e reservada.

Para montar o preparo, deve-se usar um recipiente que possa ir ao forno. Um fio de óleo, azeite ou manteiga da terra deve ser colocado ao fundo da assadeira e espalhado.

A montagem começa com uma camada de macaxeira cobrindo toda área da assadeira. Na receita, foi usado um recipiente quadrado.

Caso sobrem alguns pedações de macaxeira, pode-se fazer o mesmo processo em outra forma ou ainda optar por fazer uma segunda camada. Nessa receita foram feitas duas camadas.

Após fazer a camada da macaxeira, o creme é despejado em toda área, cobrindo bem todos os pedaços.

Depois disso, o prato é finalizado com uma generosa camada de queijo ralado, também preenchendo toda superfície da assadeira.

Em seguida, a assadeira é levada ao forno na parte mais alta para que a superfície fique mais dourada. O tempo pode variar de acordo com cada forno e com o gosto. Na receita, o prato ficou no forno por cerca de 35 minutos. Na saída do forno, a cebolinha pode ser acrescentada e o prazo estará pronto para ser servido.

Continuar lendo SAIBA COMO PREPARAR UM DOS PRATOS TÍPICOS DO RN A MACAXEIRA GRATINADA AO FORNO

VARIEDADES: CONFIRA A RECEITA DE UMA TORTA DE ARROZ DA TERRA COM VEGETAIS

Por Inter TV Costa Branca — Mossoró

 

Confira a receita de uma torta de arroz da terra com vegetais — Foto: Inter TV Costa BrancaConfira a receita de uma torta de arroz da terra com vegetais — Foto: Inter TV Costa Branca

O arroz vermelho – ou arroz da terra, como é mais conhecido no Rio Grande do Norte – é produzido na região do Vale do Apodi. Apesar de ser bastante saboroso e com alto valor nutricional, ele ainda é pouco utilizado.

A ideia do gastrólogo Alexandre Dantas é criar possibilidades para diversificar o uso desse grão. A receita elaborada por ele que foi exibida no Inter TV Rural deste domingo (20) é uma torta à base de arroz vermelho com alguns vegetais.

Ingredientes

Massa

  • 180 g ou 1 xícara de chá de arroz da terra (arroz vermelho)
  • Água suficiente para hidratar o arroz
  • 3 ovos
  • 350 ml de leite integral ou o equivalente a 2 xícaras de chá
  • 75 ml ou ½ xícara de chá de manteiga da terra (pode ser substituído por azeite ou óleo)
  • 100g ou ½ copo de requeijão cremoso (pode ser substituído por nata)
  • Sal e pimenta a gosto (para essa receita vamos usar ½ pimenta dedo de moça sem semente e picada)

Recheio

  • 200 g de abobrinha cortada em cubos pequenos (aproximadamente 1 abobrinha pequena)
  • 200 g de cenoura ralada grosseiramente (1 cenoura de tamanho médio)
  • 1 cebola grande cortada em cubos pequenos
  • 1 tomate médio cortado em cubos pequenos
  • 200 g ou ½ repolho pequeno cortado em tiras finas
  • 100 g de ervilha (½ lata)
  • 100 g de milho verde (½ lata)
  • 2 pimentas-de-cheiro cortadas em cubos pequenos
  • 1 pimentão verde pequeno corta em cubos pequenos
  • 3 dentes de alho grandes triturados e fritos
  • Cebolinha, pimenta e sal a gosto

Finalização

  • 300 g de queijo coalho (ou mussarela) ralado grosseiramente
  • Azeite ou óleo e farinha para untar e polvilhar a assadeira

Modo de preparo

O primeiro passo é preparar o arroz com antecedência. Precisamos retirar as impurezas, lavar 2 ou 3 vezes e depois deixamos hidratar por ceca de 6 horas antes de utilizar. Para hidratar colocamos o arroz em um recipiente, cobrimos com água e deixamos na geladeira. Isso é importante para que o grão fique macio. Depois desse período escorremos a água e podemos utilizá-lo.

O alho deve ser triturado em uma frigideira com um fio de azeite até ele ficar dourado.

A farinha para untar a assadeira nessa receita foi feita a partir do arroz. Reservamos ½ xícara do arroz e passamos ele seco no liquidificador. Depois de triturado, deve ser peneirado. Quem quiser pode usar a farinha de trigo tradicional ou qualquer tipo de farinha.

Para fazer massa, vamos utilizar o liquidificador. Vamos colocar o arroz já hidratado, os ovos, o leite, a manteiga da terra, o requeijão cremoso e temperamos com um pouco de sal e pimenta. Em seguida, vamos processar essa mistura no liquidificador por cerca de 4 minutos (ou até obter uma massa lisa e homogênea) e vamos reservar enquanto preparamos o recheio.

Para o preparo do recheio, separamos um recipiente e colocamos dentro o repolho, a cenoura, a abobrinha, cebola, tomate, milho, ervilha, pimenta-de-cheiro, pimentão, alho frito, a pimenta dedo de moça, cebolinha e sal. Em seguida misturamos todos os ingredientes e reservamos.

O próximo passo é a montagem da torta. Em uma assadeira, vamos untar com azeite e polvilhar com farinha. Vamos colocar o recheio na assadeira com a ajuda de uma colher. Depois de acomodar todos os vegetais, por cima, vamos despejar toda massa até que a assadeira fique totalmente preenchida. E para finalizar, vamos jogar o queijo ralado por cima em toda área da torta.

Vamos levar a torta para assar em forno preaquecido a 180° por cerca de 1 hora, ou até que ela esteja com a superfície levemente dourada. Após tirar a torta do forno, podemos decorar com um pouco de cebolinha e ela já estará pronta para servir.

Continuar lendo VARIEDADES: CONFIRA A RECEITA DE UMA TORTA DE ARROZ DA TERRA COM VEGETAIS

RN NÃO COBRARÁ RECEITA MÉDICA PARA VACINAR CRIANÇAS ENTRE 5 A 11 ANOS CONTRA COVID-19

Por g1 RN

 

Vacinas da Pfizer são as aplicadas nas crianças — Foto: Hélia Scheppa/Arquivo/SEIVacinas da Pfizer são as aplicadas nas crianças — Foto: Hélia Scheppa/Arquivo/SEI

O Rio Grande do Norte não vai cobrar qualquer tipo de receita médica para vacinar crianças entre 5 e 11 anos contra a Covid. O anúncio foi feito pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) nesta terça-feira (28) após reunião extraordinária da Comissão de Gestores Bipartite, com representantes da pasta e dos municípios potiguares.

Na segunda-feira (27), a governadora do estado, Fátima Bezerra (PT), já havia informado ser favorável à imunização das crianças sem a prescrição médica. A gestora disse, no entanto, que aguardaria a reunião desta tarde para alguma decisão.

Na nota, a Sesap informa que “as crianças que se apresentarem, indistintamente, acompanhadas pelos pais ou responsáveis legais receberão a vacina em todos os pontos de vacinação do SUS no estado”.

“Será exigido documento de identificação oficial da criança, para fins de registro do imunizante e comprovação da faixa de idade, seguindo o procedimento padrão do sistema de imunização consolidado”, explica a nota.

De acordo com a Sesap, a medida segue a orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que aprovou a utilização do imunizante da Pfizer para o Brasil.

“A Sesap e os municípios aguardarão o envio de doses por parte do Ministério da Saúde para iniciar a imunização das crianças no RN”, concluiu a nota.

Na segunda-feira, o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais/UFRN) pontou em um novo relatório a necessidade de começar “urgentemente” a vacinação de crianças de 5 a 11 anos. A medida “torna-se fundamental diante do cenário de retorno às aulas em 2022”, previsto para o fim de janeiro e início de fevereiro, citou o laboratório.

Também nesta segunda (27), o Ministério da Saúde divulgou nota para afirmar que é favorável à aplicação de vacinas em crianças e que a campanha para este público deve começar ainda em janeiro.

Continuar lendo RN NÃO COBRARÁ RECEITA MÉDICA PARA VACINAR CRIANÇAS ENTRE 5 A 11 ANOS CONTRA COVID-19

INSATISFEITOS COM CORTES DE RECURSOS PREVISTO PARA MINISTÉRIO DA ECONOMIA DELEGADOS DA RECEITA ENTREGAM OS CARGOS

Delegados da Receita entregam cargos, após decisão de reajuste para policiais

Os servidores da Receita Federal cobram do governo que conceda o pagamento de uma gratificação associada à produtividade, o que acabou não sendo incluído no orçamento

Basília Rodrigues

Atualizado 22/12/2021 às 12:11

 

Delegados e chefes de divisão da Receita Federal entregaram seus cargos após cortes nos recursos previstos para o Ministério da Economia em 2022. O dinheiro que iria para a Economia poderá ser usado para viabilizar o reajuste de policiais.

De acordo com o Sindicato Nacional dos Auditores (Sindifisco), foram 283 pedidos de dispensa até agora. A entidade afirmou à CNN nesta quarta-feira que, em algumas regiões fiscais, houve baixa de todos os delegados. São os casos de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Norte e Paraíba.

Os servidores da Receia Federal cobram do governo que conceda o pagamento de uma gratificação associada à produtividade, o que acabou não sendo incluído no orçamento aprovado nesta terça-feira. Para pressionar uma resposta do governo, a categoria vai realizar assembleia nesta quinta com indicativo de greve geral.
“Para dar reajuste a policiais, pegaram o orçamento do órgão que arrecada”, criticou Cabral.

O movimento pode impactar, de acordo com a categoria, em atrasos em processos da Receita Federal, sistemas de arrecadação de impostos e também em procedimentos aduaneiros na circulação de cargas e mercadorias.

Durante as negociações de aprovação do orçamento, o Congresso promoveu cortes e recomposições, sendo que R$ 1,7 bilhões foram reservados para reajustes que devem beneficiar as polícias ligadas ao governo federal.

Procurada pela CNN, a Receita Federal disse que não irá comentar a mobilização dos funcionários.

Fonte: CNN
Continuar lendo INSATISFEITOS COM CORTES DE RECURSOS PREVISTO PARA MINISTÉRIO DA ECONOMIA DELEGADOS DA RECEITA ENTREGAM OS CARGOS

NA ÚLTIMA SESSÃO PLENÁRIA DO ANO DEPUTADOS ESTADUAIS APROVARAM O LOA PARA 2022

Deputados estaduais aprovam LOA 2022 com receita de R$ 15,9 bilhões

21/12/2021 às 15:19

 

Na última sessão plenária do ano, nesta terça-feira (21), os deputados estaduais do RN aprovaram o Projeto de Lei do Orçamento Anual (LOA) para o exercício de 2022 com o substitutivo do Governo ao projeto original. O substitutivo ao projeto enviado em setembro passado veio com uma estimativa de aumento de R$ 11 milhões de reais. A receita total estimada ficou em R$ 15.985.073.000,00 (15 bilhões, 985 milhões e 73 mil reais). Mais uma vez a proposta orçamentária anual apresenta a previsão de um total de despesa superior ao orçamento: na ordem de R$ 16,1 bilhões.

Com o encerramento das votações, o Legislativo do RN entra em recesso parlamentar e a Casa segue com funcionamento administrativo. A proposta original do governo de abrir créditos suplementares ao orçamento, no valor de 15% do total das despesas, foi mantida pelos parlamentares, aprovada por maioria, ao invés da emenda encartada na Comissão de Finanças pelo deputado Gustavo Carvalho (PSDB), para ser votada em destaque, que baixaria esse percentual para 10%.

O presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB) parabenizou o relator da matéria, deputado Tomba Farias (PSDB), bem como toda a assessoria “por se debruçarem sobre essa peça fundamental para o futuro do Rio Grande do Norte”. Na leitura do relatório, o deputado Tomba Farias fez um agradecimento à equipe de assessores, que se dedicaram em tempo integral para dar celeridade à tramitação do projeto.

Durante a tramitação da matéria, foram apresentadas 526 emendas, sendo 522 individuais e quatro coletivas, observados critérios objetivos  para beneficiar os municípios potiguares em suas prioridades, observando-se a soma da fonte de redução, que deve ser igual à soma das mesmas no acréscimo; a  reserva  de  contingência  deve  obedecer  ao  percentual  estabelecido  na LOA 2022; não é permitida a redução nas ações que usem fontes  de  operações  de  crédito  ou  vinculadas  e   os  recursos  diretamente arrecadados somente podem ser alterados dentro do mesmo órgão.

“As emendas individuais foram acolhidas porque refletem a necessidade de contemplar a  execução  de  programas,  projetos  e  atividades,  regiões  e  municípios  que não haviam sido contemplados, ou contemplados insuficientemente pela proposta original. Já as    emendas    coletivas    traduzem   a necessidade    institucional    de recomposição orçamentária dos poderes e instituições”, disse Tomba.

O relator informou que as emendas de despesa são destinadas às obras de infraestrutura (pavimentação e drenagem de águas pluviais, trechos rodoviários e estrutura de esporte e lazer, habitação, turismo, ampliação e reforma de unidades  de  saúde)  e  sobre  e  a  prestação  de  serviços  (distribuição  de medicamentos,  defesa  da  cidadania,  alocação  de  recursos)  para  instituição  de reconhecido interesse público.

No encaminhamento do projeto, a governadora Fátima Bezerra (PT) justificou que “a peça orçamentária foi formulada com transparência, apontando um quadro realista e condizente com a situação financeira vivida pelo Rio Grande do Norte”. De acordo com a gestora, “a LOA 2022 segue o modelo de realismo orçamentário que vem sendo adotado por este governo desde seu início, o qual será seguido em seus futuros orçamentos, que não irão esconder o quadro delicado das contas públicas, apresentando nesta peça um resultado deficitário, mas com redução de seu volume para cerca de R$ 200 milhões”, destacou.

Na discussão da matéria, o deputado Subtenente Eliabe (SDD) fez reivindicações para a Segurança Pública e disse que o trabalho poderia ser prejudicado se não houver investimentos. “É preciso cuidar da manutenção de veículos pois é recorrente as viaturas ficarem ´baixadas´ em decorrência da falta de manutenção. Outra situação é a diária operacional, que tem um déficit de 50% entre os policiais que vêm prestando serviço à população”, disse. O deputado também cobrou o compromisso assumido pelo Governo de conceder alimentação nas 167 cidades no valor correspondente ao mínimo proporcional.

Fonte: Blog do Gustavo Negreiros

Continuar lendo NA ÚLTIMA SESSÃO PLENÁRIA DO ANO DEPUTADOS ESTADUAIS APROVARAM O LOA PARA 2022

SAIBA COMO PREPARAR UM DELICIOSO PRATO COM A CARA DE POVO POTIGUAR

Por Inter TV Costa Branca

 

Carne de sol no jerimum: receita com a cara do povo potiguar. — Foto: Inter TV Costa BrancaCarne de sol no jerimum: receita com a cara do povo potiguar. — Foto: Inter TV Costa Branca

A receita exibida no Inter TV Rural desse domingo (14) destaca dois ingredientes que têm uma identidade cultural e gastronômica muito ligada ao Rio Grande do Norte: a carne de sol e o jerimum.

O jerimum, além de ser muito consumido e produzido, é famoso no estado por uma expressão que se popularizou para designar o norte-rio-grandese, o “papa-jerimum”.

O outro ingrediente, a carne de sol, recebeu o título de patrimônio cultural e imaterial do estado. A região Seridó se destaca pela produção e qualidade desse tipo de carne. A união dos dois ingredientes em um só prato, com outros toques da gastronomia regional, deixa a receita com a cara do povo potiguar.

Ingredientes

  • 1 jerimum grande inteiro
  • 800 g de carne de sol cozida, dessalgada e desfiada em lascas grossas
  • 1 cebola roxa média cortada em cubos
  • 3 dentes de alho triturados
  • 200 g ou uma caixa de creme de leite
  • 200 g ou um copo de requeijão
  • 100 g de queijo coalho (ou mussarela) relado
  • 3 pimentas-de-cheiro de tamanho médio cortada em cubos pequenos
  • 50 ml ou aproximadamente 4 colheres de sopa de manteiga de garrafa
  • 25 ml ou aproximadamente 2 colheres de sopa de azeite ou óleo
  • Sal, pimenta e cheiro verde a gosto

Modo de preparo

O jerimum que vamos usar é o da variedade conhecida como abóbora, que tem o formato mais achatado. Mas, podemos usar também o jerimum do tipo caboclo (ou outro de formato achatado) que também funciona nesse tipo de preparação.

O primeiro passo é preparar o jerimum. Com a ajuda de uma faca vamos abrir a parte superior do jerimum para formar uma espécie de tampa. A abertura não deve ter um diâmetro muito pequeno e a faca deve chegar até o fim da polpa. Depois de fazer uma circunferência, retiramos a tampa e vamos retirar as sementes do interior do jerimum antes de levá-lo ao forno.

Com a ajuda de uma colher grande, vamos raspando o interior do jerimum para retirar todas as sementes. Retiramos também as sementes que ficarem presar na “tampa” que retiramos do jerimum.

Depois, vamos temperar a polpa interna do jerimum com sal, pimenta e umedecer com azeite e manteiga de garrafa. Podemos passar um pouco da manteiga e do azeite também na casca do jerimum e na parte interna da tampa. Depois de temperar, envolvemos o jerimum em papel-alumínio, colocamos dentro de uma forma e levamos ao forno preaquecido a 180°. Com 30 minutos começamos a verificar com a ajuda de um garfo se a polpa está macia. O jerimum utilizado nessa receita levou cerca de 1 hora no forno, mas esse tempo pode variar.

Após retirarmos do forno, com a ajuda de uma colher, vamos retirar parte da polpa desse jerimum e reservar em um recipiente para usar no refogado.

Em uma panela vamos adicionar um fio de manteiga da terra e de azeite e refogar a cebola. Após uma leve refogada, acrescentamos a pimenta-de-cheiro e em seguida o alho. O próximo passo é colocar a carne de sol já desfiada e continuar refogando.

Quando a carne tiver pego o sabor dos vegetais, vamos adicionar, ainda na panela, a polpa que retiramos do jerimum e vamos misturar. Quando a polpa do jerimum estiver bem incorporada ao refogado, vamos adicionar o requeijão cremoso, misturando sempre. Nesse ponto, finalizamos com o creme de leite, misturamos um pouco, ajustamos sal e pimenta, finalizamos com o cheiro verde e o recheio está pronto.

Para finalizar o prato, vamos preencher todo o espaço do jerimum com o recheio com a ajuda de uma colher grande ou concha. O ideal é que o recheio fique logo abaixo da polpa do jerimum. Por cima, vamos colocar uma camada generosa do queijo ralado e voltamos com o jerimum ao forno para gratinar o queijo. O forno deve estar preaquecido a 180° até que ele fique levemente dourado.

Após retirar o jerimum do forno, podemos finalizar com cheiro verde e servir.

Continuar lendo SAIBA COMO PREPARAR UM DELICIOSO PRATO COM A CARA DE POVO POTIGUAR

NUTRIÇÃO: PRIORIZE O SEU CÉREBRO E FAÇA UMA NUTRIÇÃO A BASE DE ÔMEGA-3

A nutrição do nosso corpo é primordial à nossa saúde e começa pelo cérebro. Nesta terça-feira o destaque, aqui na coluna NUTRIÇÃO é uma dieta do mediterrâneo e ômega-3, priorizando o cérebro e uma melhor saúde mental. Então, aproveite essa oportunidade incrível e leia o artigo completo a seguir!

A melhor nutrição está no cérebro: dieta do mediterrâneo e ômega-3 é a receita para uma melhor saúde mental

Alimentos ricos em ômega 3 sobre mesa de madeira.
Tatjana Baibakova / 123RF

A digestão ocorre no estômago e no intestino, mas é o hipotálamo, no cérebro, que controla o apetite e a necessidade de ingestão de alimentos, sendo o responsável pelo controle da fome e da sede.

Essa região do cérebro está relacionada à sobrevivência, estando por essa razão localizada no chamado cérebro reptiliano. Ela é responsável por nos “lembrar” que devemos nos alimentar e beber. Nosso cérebro representa 2% do peso no nosso corpo, mas usa 20% da energia, por isso a alimentação é uma fonte de energia vital. Em relação à água, o cérebro consiste em 73% de água. Se retirarmos a água, nosso cérebro consiste em 60% de gordura e a gordura de melhor qualidade é o ômega-3.

O ômega-3 é retirado de peixes gordos, como salmão, arenque e sardinha. Leite e ovos também têm ômega-3, mas há um porém: se os animais se alimentaram do pasto, terá ômega-3, caso seja alimentado de forma industrializa este não será produzido. Exatamente como o salmão de cativeiro, que representa a maioria do consumo e que não possui ômega-3, sendo ideal que o salmão seja selvagem. Que tal as nozes, sementes de chia, linhaça? Também contêm ômega-3 e é uma ótima gordura para o nosso cérebro. Para bebês, o leite materno tem ômega-3 e pesquisas já revelaram que crianças que foram amamentadas por ele tiveram melhor desempenho escolar.

Não produzimos ômega-3, ela vem da dieta, no caso da amamentação, vem da nutrição na dieta da mãe. A melhor alternativa são as fontes naturais e não de vitaminas, estas não são comprovadamente um substituto com a mesma qualidade dos alimentos naturais.

Bebê sendo amamentado pela mãe.
Anna Shvets / Pexels

O cérebro cresce a uma taxa de 250 mil células nervosas por minuto, durante a gestação, nos 3 primeiros meses o cérebro do recém-nascido vai de 55% do tamanho do cérebro adulto.

E a melhor dieta? A do mediterrâneo, confira uma rotina nesta dieta:

Café da manhã

Chá de ervas e frutas, não muitas, o suficiente. Pode optar pelo sanduíche com duas fatias de pão integral com queijo de cabra ou minas, azeite, tomate, ervas e manjericão.

Pode optar pelos frutos secos na parte da manhã, pois como têm muitas calorias, sustenta ao longo do dia e são “queimados“ no decorrer do dia.

Almoço

Peixe em especial os mais gordurosos que contenham ômega-3. Tempere-o com ervas e especiarias como noz moscada, tomilho, alecrim e orégano. Arroz integral com lentilhas, legumes como cenoura, tomate, couve-flor e salada. Pode substituir o peixe por carne sem gordura, seja de vaca, porco, que esteja bem cozida. O cogumelo é uma ótima opção aos vegetarianos e contém alta fonte de proteína.

Salmão fatiado sobre folhas verdes e tomates.
Ponyo Sakana / Pexels

Sobremesa

Espere uns 30 minutos após a refeição para comer frutas como ameixa, laranja, abacaxi, tangerina ou kiwis.

Lanche da tarde

Iogurte natural com frutas vermelhas com farelo de aveia e um fio de mel. Pode variar no dia seguinte com iogurte com lactobacilos vivos para ajudar na microbiota intestinal.

Jantar

Uma sopa leve ou uma refeição mais leve como sardinha, atum, com berinjela, azeite, azeitonas, pimentão, cebola, alho podendo acrescentar uma fatia de pão integral para acompanhar.

Ceia

Um bom chá de camomila, manjericão com alecrim, maçã, chás que favoreçam um bom relaxamento.

Obrigado

Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu
Continuar lendo NUTRIÇÃO: PRIORIZE O SEU CÉREBRO E FAÇA UMA NUTRIÇÃO A BASE DE ÔMEGA-3

PETROBRAS DIZ QUE RN NÃO PERDERÁ NA RECEITA DE ROYALTIES

RN não terá perdas na receita de royalties, diz Petrobras

 ECONOMIA

A receita dos royalties do petróleo é um dos pontos levantados na discussão da venda dos ativos do Rio Grande do Norte, preocupando prefeitos e a governadora Fátima Bezerra. Em 2019, o Estado, os Municípios e os proprietários de terra do Rio Grande do Norte receberam R$ 425 milhões de royalties. A direção da Petrobras e a Abpip (Associação Brasileira Dos Produtores Independentes De Petróleo e Gás) afirmam que não terá alteração nos valores dos royalties repassados, mas o Sindpetro diz que a Petrobras costuma pagar mais que as operadoras privadas.

Os royalties são regulamentados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Eles são gerados a partir da produção de petróleo nos campos e no preço do petróleo no mercado internacional e distribuídos para União, Estados e Municípios como forma de compensação financeira pela atividade. O valor dos royalties é determinado a partir de uma alíquota (percentual que um tributo incide sobre o valor de algo) sobre a produção, que varia de 5% a 10%.

Fonte: Blog do BG

Continuar lendo PETROBRAS DIZ QUE RN NÃO PERDERÁ NA RECEITA DE ROYALTIES

BOAS NOTÍCIAS: A CRIATIVIDADE COMO SEMPRE SALVANDO NEGÓCIOS EM TEMPOS DE CRISE

Uma grande ideia criativa é o destaque da coluna BOAS NOTÍCIAS deste domingo. A ideia do picolé de coxinha salvou o negócio do empresário Clayton Francisco Quintiliano, de Jaú, no interior do estado de São Paulo. Leia o artigo completo a seguir e conheça essa história de superação e sucesso!

Empresário vende picolé de coxinha e salva negócio durante pandemia

Criatividade na crise! Clayton Francisco Quintiliano, de Jaú, no interior do estado de São Paulo, criou o picolé de coxinha – na verdade uma coxinha em formato de picolé – e explodiu nas redes sociais.

A alternativa de renda extra que ele encontrou durante a pandemia de Covid-19 acabou fazendo sucesso.

A iguaria viralizou pela primeira vez em maio deste ano, quando o professor de dança ficou impedido de dar aulas presenciais e precisou se reinventar. (Veja a receita abaixo)

“É muito difícil parar e fechar as portas”, disse o empresário, que tem um estúdio de dança na cidade.

Sorveteria

Quintiliano era dono de uma sorveteria e começou a pensar em uma forma de equilibrar as vendas no inverno.

Clayton pediu então para sua mulher, Camilla Maróstica Rizzo Quintiliano, desenvolver a receita, que foi testada pela família inteira.

“Queria fazer coxinha, mas num formato que tivesse a ver com o conceito da loja”, diz ele. Estava criado o picolé de coxinha, brincadeira que agradou ao casal, mas de início não foi adiante.

“Não sei fritar salgados, mas contei a minha ideia para uma pessoa que sabia e pedi para ela fritar para mim e ver se dava certo”, revela.

Pandemia

Aproveitando a época de isolamento, Clayton retomou a produção do picolé de coxinha e ganhou a internet.

Camila ajuda na produção. Cada picolé de coxinha custa 4 reais e a bandeja congelada custa 12.

Os recheios são de frango, calabresa, presunto e queijo.

O sucesso foi tanto que o casal já pensa em expandir o negócio.

Formatos

Além de Clayton, outros empresários também pensaram em outros formatos de coxinha…

Já inventaram o sanduíche de coxinha, quibe de coxinha, hambúrguer, cupcake, buquê e até ovo de páscoa de coxinha.

Fátima Almeida, uma salgadeira de Curitiba, criou em 2017 o ‘coxinha ovo’, um ovo de páscoa salgado de quase um quilo. Embalado para presente, o produto foi sucesso tanto na internet, quanto nas vendas.

Receita Picolé de Coxinha

Ingredientes
Massa

1 colher (sopa) de manteiga
150 ml de leite
300 ml de caldo de cozimento do frango
3 xícaras (chá) de farinha de trigo
Sal a gosto
Recheio
1 peito de frango cozido e desfiado
Azeite a gosto
1 cebola pequena
2 dentes de alho
Cheiro verde e sal a gosto
Montagem
Óleo para fritar
10 palitos de picolé

Modo de preparo
Massa: Coloque os ingredientes na panela (exceto a farinha) e deixe em fogo médio, até levantar fervura. Acrescente a farinha e mexa bem até ficar homogênea e desgrudar da panela. Despeje a massa em superfície de mármore, espere esfriar um pouco e sove. Reserve.

Recheio: Refogue o frango em azeite com cebola, alho cheiro verde e sal. Reserve.

Montagem: Em volta de um palito de picolé, modele a massa, recheie e frite em óleo não muito quente.

Clayton e a esposta CamilaFoto: instagram
Clayton e a esposa Camila Foto: instagram

Com informações da Marie Claire 

Fonte: Só Notícia Boa

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: A CRIATIVIDADE COMO SEMPRE SALVANDO NEGÓCIOS EM TEMPOS DE CRISE

NUTRIÇÃO: QUANDO O GLÚTEN É MOCINHO OU VILÃO?

Nesta edição da coluna NUTRIÇÃO temos um artigo super interessante sobre o glúten que analisa o porquê de estar aumentando tanto a intolerância a essa substância nos últimos tempos. Também trás um receita maravilhosa de pão de amêndoas, claro, sem glúten, pra você fazer em casa.

Será que vale a pena tirar o glúten da sua alimentação?

Mulher com as duas mãos em frente ao seu corpo e a uma bandeja com pão.

Com certeza você já reparou a sua volta a oferta crescente de produtos sem glúten, assim como deve ter amigos ou parentes que optam por uma dieta livre desse composto.
Atualmente observa-se um número crescente de pessoas intolerantes ao glúten, além dos celíacos.

Os portadores da doença celíaca têm um grau de intolerância elevado de tal forma, que o mínimo contato com glúten pode colocar sua vida em risco, desencadeando diarreia, fechamento de glote, cólicas e diversos outros sintomas.

Os intolerantes podem apresentar anemia, enxaqueca, artrite, infertilidade, depressão, fadiga e vários outros desconfortos, porém não precisam de um controle tão rígido, não necessitando investigar se existem traços de glúten em tudo que consomem.

Trigo em campo, focado na imagem.

Pixabay/Martin Ludlam

Já parou para se perguntar por que isso está acontecendo?

Diante do crescimento da intolerância ao glúten, vários estudos passaram a ser realizados em busca de um fator que justificasse esses dados.

No livro “Barriga de trigo”, o cardiologista William Davis acredita que o desenvolvimento dessa intolerância está ligado à mudança genética que o próprio trigo sofreu ao longo dos anos.

Davis aponta diversos problemas que o consumo de glúten pode acarretar, mesmo para quem não é intolerante:

  • Dependência (tal qual substâncias viciantes)
  • Obesidade
  • Acnes e espinhas
  • Doenças cardiovasculares
  • Lipogênese
  • Envelhecimento precoce
  • Diabetes
  • Resultado metabólico de natureza acídica

Contudo, mesmo diante dos estudos apresentados, pode parecer desafiador optar de forma espontânea pela redução do consumo de glúten.

Deixar o pãozinho de lado, a pizza de domingo, assim como as pastas da mamma, é algo que não passa pela cabeça.

Porém, indo além dos estudos, existe um convite para você experimentar e provar como se sente ao reduzir o consumo de glúten no seu dia a dia, avaliando e percebendo como seu corpo se comporta, para então fazer uma escolha consciente, baseada na sua experiência.

Vou dizer que faz dez anos que optei por deixar o glúten fora das minhas refeições. Meu nível de vitalidade, imunidade e bem-estar cresceu de forma exponencial, mas essa é a minha percepção.

Diante de minha escolha, ao longo desses anos, desenvolvi diversas receitas que trazem satisfação e prazer.

Uma delas é o pão de amêndoas. Anota a receita, pega o avental, e vamos para a cozinha!

Pão de amêndoas

Serve: 6 pães

Ingredientes

  • 1 xícara de chá de farinha de amêndoa
  • 1/2 xícara de chá de aveia em flocos médios
  • 3/4 de xícara de chá de polvilho doce
  • 1/4 de xícara de chá de azeite
  • 2 colheres de chá de sal
  • 1 sachê de fermento biológico para pão
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • Mix de sementes a gosto

Modo de preparo

  1. Em um bowl pequeno, misture o fermento com o açúcar.
  2. Adicione 1/2 xícara de chá de água morna e misture. Reserve.
  3. Em um bowl grande, coloque a aveia, a farinha de amêndoa, o polvilho doce e o sal. Misture.
  4. Adicione o azeite, 1/2 xícara de chá de água e o fermento dissolvido em água.
  5. Misture, integrando todos os ingredientes.
  6. Unte 6 aros de modelar alimentos, de 8 cm de diâmetro, com azeite e farinha de mandioca.
  7. Distribua os aros sobre uma assadeira untada.
  8. Distribua a massa, preenchendo os seis aros por igual.
  9. Polvilhe a superfície dos pães com o mix de sementes.
  10. Deixe descansar por 15 minutos.
  11. Leve ao forno preaquecido a 180°C por cerca de 45 minutos.
  12. Retire do forno e distribua os pães sobre uma grade.
  13. Espere esfriar antes de cortar (o pão continua seu processo de cozimento, depois que sai do forno).

Pão redondo com lascas de amêndoas.

Pexels/hermaion

Dicas

  • A água a ser misturada no fermento deve estar morna, com uma temperatura agradável para mergulhar o dedo, de forma que não desestabilize o fermento.
  • O pão pode ser armazenado em recipiente fechado por até 5 dias na geladeira, ou dois dias em temperatura ambiente.
  • Você pode enriquecer o seu pão, acrescentado algumas sementes à massa.
  • Você pode optar por assar o seu pão em uma forma de bolo inglês, no lugar dos aros.

Bom apetite!

Anah Locoselli
Escrito por Anah Locoselli

Fonte: Eu Sem Fronteiras

Continuar lendo NUTRIÇÃO: QUANDO O GLÚTEN É MOCINHO OU VILÃO?

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar