A 59ª EDIÇÃO DA FESTA DO BOI SERÁ REALIZADA DE FORMA PRESENCIAL EM NOVEMBRO

Por g1 RN

 

Festa do Boi será realizada em novembro — Foto: Klênyo Galvão/G1Festa do Boi será realizada em novembro — Foto: Klênyo Galvão/G1

A 59ª edição da Festa do Boi será realizada de forma presencial, de 13 a 20 de novembro, no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim. O anúncio foi feito pela governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, na manhã desta quarta-feira (22), após reunião com a diretoria da Associação Norte-rio-grandense de Criadores (Anorc) e outros representantes do governo.

Em 2020, o evento aconteceu de forma virtual por causa da pandemia do novo coronavírus. “Vamos voltar a fazer a festa no Parque Aristófanes Fernandes, mas respeitando todos os protocolos de segurança à pandemia da Covid-19, inclusive exigindo o passaporte da vacina”, falou a governadora.

Segundo o governo, a Anorc será responsável pelo cumprimento de todos os protocolos sanitários estabelecidos. Uma medida anunciada é que expositores e colaboradores deverão apresentar comprovante da vacinação já na contratação dos espaços.

“Enfrentamos dificuldades com a estiagem e o aumento de preços nos insumos, mas vamos fazer a retomada da festa com muita habilidade e responsabilidade para estimular nossa atividade e a economia do RN”, afirmou o presidente da Anorc, Marcelo Passos.

“Vamos voltar a realizar a festa de forma presencial e, tenho certeza, vai proporcionar bons negócios”, declarou o secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Pesca (Sape), Guilherme Saldanha.

O Sebrae-RN, também representado no encontro, anunciou apoio à Festa do Boi e vai investir R$ 1,5 milhão, segundo o diretor-técnico, João Hélio Cavalcanti.

Fonte: G1 RN

Continuar lendo A 59ª EDIÇÃO DA FESTA DO BOI SERÁ REALIZADA DE FORMA PRESENCIAL EM NOVEMBRO

PARQUE NEY ARANHA MARINHO É TOTALMENTE REVITALIZADO E RECEBE RECONHECIMENTO DA POPULAÇÃO

Prefeitura revitaliza Parque Ney Aranha Marinho e recebe reconhecimento da população

14 fev 2021

Resultado de imagem para Prefeitura revitaliza Parque Ney Aranha Marinho e recebe reconhecimento da população

A revitalização do Parque Ney Aranha Marinho, na zona Leste da capital, tem gerado um impacto positivo na vida das pessoas que residem e frequentam as imediações da Av. Governador Juvenal Lamartine, a área chamada de beira canal nos limites do Barro Vermelho e Tirol. O espaço público foi totalmente revitalizado e ampliado pela Prefeitura de Natal através da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur), sendo a primeira das obras de recuperação dos espaços públicos entregues em 2021.

O prefeito Álvaro Dias visitou o Parque Ney Marinho na tarde desta quarta-feira (10) e conversou com os moradores, que agradeceram a recuperação do espaço e a moderna iluminação que tornou a área mais segura para o lazer da população. Morador há mais de sete anos em um apartamento da região, o aposentado José Freire comentou que agora frequenta diariamente o parque para se exercitar e também para passear à noite. “Isso aqui está bonito e movimentado a qualquer hora do dia e da noite. Era outra realidade quando aqui cheguei. Só lixo e ainda tinha o problema de insegurança por que era reduto de usuários de drogas, e nós nem podíamos andar por aqui. Agora temos outro convívio”, festejou.

Para Álvaro Dias, o ganho para a população vai além da estrutura. “Entregamos uma praça totalmente revitalizada com uma iluminação altamente eficiente que proporciona tranquilidade e segurança à população. É qualidade de vida dentro do espaço urbano, em um lugar aprazível e agradável às margens da Av. Governador Juvenal Lamartine”, comentou ao ser surpreendido, durante a visita, pela presença da menina Sofia Galvão Câmara, de 9 anos. A jovem moradora havia solicitado diretamente ao prefeito, através de um vídeo, que olhasse com carinho para o parque. Acompanhada da avó, Sofia disse que agora pode brincar à vontade. “Agradeço por este parque tão lindo”, disse a menina.

Moacyr e Edmilson Rodrigues, também moradores da área, elogiaram pessoalmente pela iniciativa e pediram a inclusão do Parque no calendário cultural da cidade, como o São João e o Natal em Natal, atividades que contam com investimentos da prefeitura. Álvaro Dias também adiantou que a ideia é incrementar o parque com o replantio de árvores nativas através do Planta Natal.

O secretário de Serviços Urbanos, Irapoã Nóbrega, acompanhou o prefeito durante a visita e destacou a importância da recuperação do Parque Ney Aranha. “Antes o espaço estava sendo mal aproveitado e isso favorecia o aparecimento de pessoas más intencionadas. Agora a cidade ganhou mais um espaço de convivência e a população está orgulhosa do lugar”.

O Parque Ney Aranha Marinho conta com uma nova alameda que percorre toda a extensão do parque, incluindo a pista de caminhada e ciclismo. Na recomposição paisagística do passeio foram substituídos os bancos e adaptada a área com acessibilidade padrão, incluindo uma nova Academia ao Ar Livre e um parque infantil. A iluminação renovou o lugar e permitiu o usufruto do espaço também à noite. Foram implantados 42 postes de alamedas em LED, além de sete postes de 14 metros com luminárias de LED de alta potência com fiação subterrânea. O Parque Ney Aranha Marinho está inserido no cronograma de obras de revitalização dos equipamentos da cidade com previsão de entrega para o primeiro semestre deste ano.

Fonte: Política em Foco

Continuar lendo PARQUE NEY ARANHA MARINHO É TOTALMENTE REVITALIZADO E RECEBE RECONHECIMENTO DA POPULAÇÃO

BOAS NOTÍCIAS: A PLANTAÇÃO DE 1 MILHÃO DE ÁRVORES EM CINGAPURA PODE SALVAR INÚMERAS ESPÉCIES AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO E FORNECER VALIOSOS SERVIÇOS ECOSISTÊMICOS

Governo de Cingapura começa a restaurar a biota da cidade-estado com o plantio de 1 milhão de arvores nativas que vai criar um parque a 10 minutos de cada cidadão cigapuriano. O governo também está patrocinando a criação de jardins no telhado, folhagens ao lado do meio-fio e outros projetos de cidades verdes, como parques de jardins terapêuticos. Saiba tudo lendo o artigo completo a seguir!

O plano de Cingapura de plantar 1 milhão de árvores nativas protegerá as espécies e criará um parque a 10 minutos de cada cidadão

Em um esforço para restaurar os antes ricos ecossistemas florestais de mangue de Cingapura, o país está embarcando em uma farra de plantação de 1 milhão de árvores na esperança de poder salvar inúmeras espécies de pássaros, répteis e árvores da extinção e fornecer uma tonelada de valiosos serviços ecossistêmicos.

O desenvolvimento da pequena ilha em um rolo compressor da economia mundial que trouxe bilhões em moeda de investimento estrangeiro para comunidades empobrecidas do Leste Asiático e Indo-Pacífico também substituiu muitas das florestas de mangue originais da ilha por infraestrutura urbana.

No entanto, como a maioria das nações, a cidade-estado de Cingapura também tem uma agência de parques nacionais e eles têm alguns planos em mente para ajudar a tornar as cidades mais verdes e restaurar as populações de pássaros e árvores nas florestas de mangue, bem como garantir que todos os cingapurianos é “10 minutos de um parque”.

O governo também está patrocinando a criação de jardins no telhado, folhagens ao lado do meio-fio e outros projetos de cidades verdes, como parques de jardins terapêuticos , que serão projetados para atender às necessidades físicas, psicológicas e sociais dos frequentadores dos parques. Os visitantes poderão experimentar uma série de benefícios à saúde, como alívio da fadiga mental, redução do estresse e melhora do bem-estar emocional.

As árvores desempenham um papel importante na criação de um ambiente habitável, disse o diretor do Grupo de Conservação de Parques Nacionais, Adrian Loo, ao Mongabay. “Eles servem como filtros naturais de ar, refletem o calor radiante e as superfícies frias … e ajudam a mitigar as mudanças climáticas.”

O plantio de um milhão de árvores foi atribuído a uma data-alvo definida de forma inteligente para concluir até 2030, já que as operações de plantio de árvores tendem a ter prazos irrealistas.

Mangue e Mudflat Magic

Em agosto, as autoridades do parque anunciaram a criação da Rede Sungei Buloh Park , um parque de 990 acres (400 hectares) de pântanos e manguezais na parte norte da ilha. Sungei Buloh abrange vários habitats de pântanos existentes, incluindo manguezais e lodaçais, e abriga 279 espécies diferentes de aves migratórias.

Apesar da disparidade relativa de tamanho entre Cingapura e sua vizinha Malásia, a reserva Sungei Buloh Wetland é uma parada importante nas rotas de migração de dezenas de espécies que viajam todos os anos da Austrália e Rússia para a Nova Zelândia e o Alasca.

Também encontrados em Sungei Buloh são grandes lagartos-monitores, crocodilos de água salgada e lontras de pêlo liso, supostamente extintos até a década de 1990 – e 20 novas espécies descobertas pela primeira vez.

“Os manguezais de Cingapura estão muito acima de seu peso [em biodiversidade”, disse ao Mongabay o professor de geografia Dan Friess, da Universidade Nacional de Cingapura . “Temos apenas uma pequena área de manguezais, mas dentro dela temos uma biodiversidade enorme. Por exemplo, nos Estados Unidos eles têm apenas três espécies de plantas de mangue, enquanto em Cingapura você pode encontrar 35 espécies diferentes de espécies de plantas em seus manguezais. ”

Alguns desses manguezais estão gravemente ameaçados, e os viveiros de árvores na ilha já produziram 51.819 árvores, que foram transferidas para sua costa. Além disso, para ajudar a acelerar o processo, o governo de Cingapura está contratando serviços de realocação de árvores para mover árvores adultas de áreas que estão em fase de desenvolvimento para manguezais e outros locais de reserva.

Os manguezais são os guardiães definitivos e, como a GNN detalhou antes, eles fornecem tantos benefícios para a civilização quanto qualquer outra característica selvagem. Eles protegem contra a erosão do solo, que pode exaurir terras agrícolas e estrangular recifes costeiros, reter mais CO2 do que qualquer outra árvore e pode abrigar dezenas de espécies em todas as ordens em Animalia.

Eles também são a primeira linha de defesa para seguradoras de propriedades costeiras durante tempestades. Por exemplo, nos Estados Unidos, onde os ecossistemas de manguezais diminuíram nos últimos cem anos, eles evitam US $ 100 milhões em danos materiais causados ​​por enchentes a cada temporada de tempestade, devido à sua capacidade de dissipar a energia cinética das ondas em até 66%.

Fonte: www.goodnewsnetwork.org

Continuar lendo BOAS NOTÍCIAS: A PLANTAÇÃO DE 1 MILHÃO DE ÁRVORES EM CINGAPURA PODE SALVAR INÚMERAS ESPÉCIES AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO E FORNECER VALIOSOS SERVIÇOS ECOSISTÊMICOS

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar