Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!

ENFERMEIRA DO RJ CRIA TÉCNICA PARA ACALMAR PACIENTES DA COVID-19

Método da mãozinha’: enfermeira do RJ explica técnica para acalmar pacientes

Luva com água quente melhora a circulação e dá conforto ao internado

Jaqueline Frizon Da CNN, no Rio

05 de abril de 2021 às 18:53

Método da mãozinha': enfermeira do RJ explica técnica para acalmar pacientes

A enfermeira Lidiane Melo, do Rio de Janeiro, criou um método para acalmar pacientes com Covid-19. A ideia, que ficou conhecida como ‘método da mãozinha’, viralizou e já é utilizada em hospitais pelo país.

Como não conseguia medir a saturação de um paciente porque a mão estava muito fria, ela colocou água morna dentro de duas luvas amarrou e colocou em volta da mão da pessoa doente. Em três minutos, o problema foi resolvido.

“Deus me deu sabedoria, colocou na minha mente essa técnica de amarrrar as luvas com água quente e deu certo. Humanizamos o tratamento de mais um paciente com Covid”, disse Lidiane à CNN.

Em outro momento, uma idosa que seria intubada pediu que Lidiane segurasse sua mão. Ela respondeu que não podia, pois tinha de intubar outros, e aplicou a técnica para confortá-la.

Fonte: CNN

Continuar lendo ENFERMEIRA DO RJ CRIA TÉCNICA PARA ACALMAR PACIENTES DA COVID-19

MÉDICOS DE PARIS DESTACAM QUE EM BREVE SERÃO FORÇADOS A FAZER UMA TRIAGEM ENTRE OS PACIENTES “PARA SALVAR MAIOR NÚMERO DE VIDAS POSSÍVEIS”

Lockdown em Paris não funciona e médicos vão escolher pacientes

Em carta, médicos intensivistas alertam para o colapsto nos hospitais da capital francesa apesar de o governo impor restrições

Dezenas de pessoas se reúnem em frente ao Jardin du Luxembourg, em Paris, neste domingoDezenas de pessoas se reúnem em frente ao Jardin du Luxembourg, em Paris, neste domingo STEPHANE DE SAKUTIN / AFP – 28.03.2021

Um grupo de 41 médicos intensivistas da França publicaram uma carta neste domingo (28) no Journal du Dimanche, alertando para o colapsto nos hospitais de Paris por causa dos altos índices de infecção pelo novo coronavírus. Nem mesmo a estratégia de lockdown tem surtido efeito. Os médicos destacam que em breve serão forçados a fazer uma triagem entre os pacientes “para salvar o maior número de vidas possível”.

Desde o dia 19, o governo da França aplicou o fechamento do comércio não essencial e a proibição de deslocamentos entre diferentes regiões em 16 departamentos do país, incluindo Paris, que somam quase um terço da população nacional. As novas medidas buscam limitar a progressão do coronavírus Sars-CoV-2, causador da covid-19, principalmente no norte do país.
Em Paris, neste domingo, centenas de pessoas se aglomeraram, com e sem máscaras, para participar de uma manifestação contra o aquecimento global.

“A epidemia de covid-19 está de novo em constante progressão em todas as regiões”, destacam os médicos. “É muito cedo para a campanha de vacinação melhorar significativamente o curso da epidemia durante este período crítico. Lembramos, se necessário, que a vacinação continua sendo a arma essencial a médio e longo prazo. Todos os indicadores concordam que as medidas atuais são e serão insuficientes para reverter rapidamente a alarmante curva de contaminações.”

“Com o objetivo de informar e alertar legitimamente nossos concidadãos, nossos futuros pacientes e seus familiares, queremos explicar de forma transparente a situação que vamos ter que enfrentar e como vamos enfrentá-la. Nesta situação de medicina de desastre, onde haverá uma incompatibilidade flagrante entre as necessidades e os recursos disponíveis, seremos forçados a fazer a triagem de pacientes para salvar o maior número de vidas possível. Essa classificação afetará todos os pacientes, Covid e não Covid, em particular para o acesso de pacientes adultos a cuidados intensivos.”

“Nunca experimentamos tal situação, mesmo durante os piores ataques dos últimos anos. Antes de chegar a este período doloroso, mas iminente, faremos todo o possível para atrasar o prazo utilizando todos os recursos humanos e materiais disponíveis, realizando as evacuações médicas tanto quanto possível, mesmo que estas sejam reduzidas. da epidemia em todas as outras regiões. Usaremos todas as soluções inovadoras que possam limitar a progressão para formas graves e reduzir o tempo de internação em terapia intensiva. Essa triagem será feita com o objetivo permanente de garantir a disponibilidade de recursos de cuidados críticos de forma coletiva, equitativa e homogênea em todo o nosso território.”

“A triagem de pacientes já foi iniciada, uma vez que já nos foi imposta uma grande desprogramação médica e cirúrgica e sabemos muito bem que estas estão associadas à perda de oportunidade e ao não acesso aos cuidados de alguns pacientes. Essa desprogramação terá que se intensificar nos próximos dias, logo poupando apenas emergências vitais. Por vários dias, já fomos forçados a pesar cuidadosamente as indicações de certas técnicas excepcionais, como a assistência circulatória.”

Fonte: R7
Continuar lendo MÉDICOS DE PARIS DESTACAM QUE EM BREVE SERÃO FORÇADOS A FAZER UMA TRIAGEM ENTRE OS PACIENTES “PARA SALVAR MAIOR NÚMERO DE VIDAS POSSÍVEIS”

PREFEITURA DE NATAL ABRE HOSPITAL DE CAMPANHA NA ZONA SUL DA CAPITAL COM 41 LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

Por Augusto César Gomes, G1 RN — Natal

 

Prefeitura de Natal abre Hospital de Campanha da Zona Sul — Foto: Alex RégisPrefeitura de Natal abre Hospital de Campanha da Zona Sul — Foto: Alex Régis

A prefeitura de Natal abriu nesta quinta-feira (25) o Hospital de Campanha da Zona Sul. A unidade localizada às margens da BR-101, próxima ao Campus da UFRN, é destinada exclusivamente para atender a pacientes com Covid-19.

Estão disponíveis 41 leitos, sendo inicialmente 33 leitos de enfermaria clínica, quatro semi-intensivos, dois de estabilização e dois de admissão, mas segundo a prefeitura, o prédio tem capacidade para abrigar até 50 leitos.

“Nossas UPAs continuam funcionando, nosso Hospital de Campanha (na Via Costeira) também, e agora temos mais essa unidade à disposição das pessoas acometidas pela Covid-19”, afirmou o prefeito Álvaro Dias durante visita à unidade.

A equipe do hospital conta com médicos plantonistas e intensivistas, 24 enfermeiros, 56 técnicos em enfermagem, fisioterapeuta, assistente social, psicóloga, farmacêutico, técnico em radiologia, servidores da parte administrativa e maqueiros.

“Esse hospital primário tem atendimento voltado a usuários que, ao buscar nossas unidades de pronto-atendimento, Centros Covid ou unidades básicas de saúde, demonstrem algum quadro clínico sugestivo de agravamento. Então, ele pode ser transferido para lá e ter alta depois de alguns dias ou ainda ser levado para lá e depois, caso necessário, ao Hospital de Campanha ou Hospital Municipal de Natal, que são unidades de alta resolutividade”, revelou o secretário municipal de Saúde, George Antunes.

O endereço do hospital é Avenida Senador Salgado Filho, 2993.

Fonte: G1 RN

Continuar lendo PREFEITURA DE NATAL ABRE HOSPITAL DE CAMPANHA NA ZONA SUL DA CAPITAL COM 41 LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

GOVERNO DO ESTADO EM PARCERIA COM A PREFEITURA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE ABRE 20 NOVOS LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

Governo do RN e prefeitura abrem 20 leitos em São Gonçalo do Amarante

24 mar 2021

Governo do RN e Prefeitura abrem 20 leitos em São Gonçalo do Amarante - Rádio 98 FM Natal

A rede pública de saúde do Rio Grande do Norte incorporou nesta terça-feira (23) mais 20 leitos para atendimento de pacientes Covid, com a entrada em funcionamento de 10 leitos de UTI e 10 clínicos no Hospital de Campanha de São Gonçalo do Amarante. A ação é parte do esforço para ampliar a rede de atendimento, que hoje conta com mais de 700 leitos espalhados por todas as regiões. O valor total previsto para ser aplicado na unidade em 90 dias é de R$ 4,6 milhões.

A gestão do hospital é compartilhada entre o Governo do RN, que financia 70% do serviço, e a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, responsável por organizar o hospital e complementar o investimento. Os leitos serão operados por 131 profissionais contratados para atuar no hospital.

O ato simbólico de abertura da nova unidade foi realizado, de forma virtual, na tarde desta terça-feira, com a presença da governadora Fátima Bezerra, do vice-governador Antenor Roberto, de secretários estaduais, do prefeito Paulo Emídio e equipe e de representantes de conselhos de saúde.

“A expansão de leitos é necessária e muito importante, tanto que já disponibilizamos mais de 750 leitos para pacientes com Covid no Rio Grande do Norte. E continuaremos expandindo, porque é nosso dever trabalhar incansavelmente para salvar vidas. Mas também é importante não esquecer: o que barra a doença são medidas para deter a transmissão do vírus, é o aumento do isolamento social”, disse a governadora. Ela anunciou a abertura de mais 12 leitos de UTI, amanhã (24) no Hospital da Liga na região  do Oeste.

Fátima lembrou que o Governo está adquirindo vacinas para ampliar a cobertura no Rio Grande do Norte e exortou a população a colaborar com as medidas restritivas para que o RN possa sair o quanto antes da situação em que se encontra. “Todos somos a favor da vida, da saúde, do emprego, da economia. O inimigo em comum que temos de combater agora é o coronavírus. Quero registrar minha gratidão a todos que estão nesta luta. Viva o SUS, viva a gestão tripartite. Todos nós de mãos dadas, trabalhando para salvar vidas”, completou.

Parceiro do Governo na iniciativa, o prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio de Medeiros, defendeu a união de toda a sociedade no enfrentamento da pandemia. “Esta é uma luta em que não podemos divergir. Os municípios de todo o país, os empresários, demais segmentos, todos, todos nós, devemos dar as mãos, procurando, cada um, dar sua contribuição.”

No início da solenidade foi realizado o ato de desbloqueio para que os leitos pudessem ser incorporados ao Regula RN. Meia hora depois, informou a secretária-adjunta da Saúde Pública, Maura Sobreira, que já havia sete pacientes regulados, que devem chegar ao hospital de campanha em breve.

A abertura das novas vagas integra a estratégia da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) para aliviar a pressão no sistema de saúde pública da Região Metropolitana de Natal. “A Sesap e o Governo estão fazendo um grande esforço para abrir novos leitos, mas precisamos do apoio da população. É preciso lembrar que a expansão de leitos por si só não basta. A população precisa cumprir o isolamento social, a higienização e, principalmente, evitar aglomerações”, disse Maura Sobreira.

Desde o início de março, a Sesap ampliou a rede de leitos Covid com novos leitos em Natal, Mossoró, Apodi e Caicó. Outros leitos ainda deverão ser abertos na Região Metropolitana dentro dos próximos dias.

Também participaram da solenidade, os secretários Jaime Calado (Desenvolvimento Econômico), que já foi prefeito de São Gonçalo; Fernando Mineiro (Segri – Pacto pela Vida); Cipriano Maia (Saúde); Socorro Batista (adjunta do Gabinete Civil); promotora de Justiça Rosane Moreno, representando o Ministério Público; Jalmir Simões, secretário de saúde de São Gonçalo; Vilma Sampaio (Conselho Estadual de Saúde) e Maria Eliza, representando os gestores de saúde do RN.

Fonte: Política em Foco
Continuar lendo GOVERNO DO ESTADO EM PARCERIA COM A PREFEITURA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE ABRE 20 NOVOS LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

SORO ANTI-COVID CRIADO PELO BUTANTAN PODE ACELERAR RECUPERAÇÃO E DIMINUIR OCUPAÇÃO DE LEITOS DE UTI POR PACIENTES DA CIVID-19

Por que o soro produzido pelo Butantan pode fazer a diferença no combate à Covid

Doria cobrou celeridade da Anvisa pela manhã para aprovar testes em humanos; terapia pode diminuir gravidade de casos da doença

Anna Satie, da CNN em São Paulo

Atualizado 19 de março de 2021 às 16:21

Processamento da amostra e exame de sangueProcessamento da amostra e exame de sangue Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reclamou nesta sexta-feira (19), pelo Twitter, da demora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aprovar um soro desenvolvido pelo Instituto Butantan que pode auxiliar no tratamento da Covid-19.

“O Instituto Butantan criou um Soro anti-Covid que pode acelerar recuperação e diminuir ocupação de leitos de UTI. Uma ótima notícia. A má notícia é que o Instituto enviou documentação e, mesmo sem riscos à saúde, a burocracia da Anvisa trava os testes. Falta senso de urgência”, escreveu.

De acordo com o Butantan, o dossiê com as informações sobre o desenvolvimento do soro foi enviado no começo deste mês, no dia 2. Na semana seguinte, no dia 10, foram enviados os documentos específicos com o desenho do estudo clínico.

Em nota, a Anvisa disse que solicitou mais informações, que já foram respondidas e analisadas. Técnicos da agência e do instituto se reunirão na tarde desta sexta-feira (19) para discutir informações faltantes.

A Anvisa precisa autorizar que o Butantan comece a testar em humanos essa nova terapia, que teve bons resultados em camundongos e cavalos.

O soro funciona de forma parecida com o usado para tratar picadas de serpentes peçonhentas. O vírus inativado por um processo de radiação é inoculado em cavalos, que produzem anticorpos do tipo imunoglobulina G (IgG). O plasma do sangue dos animais, então, é extraído, tratado e envasado, da mesma maneira que é feito na produção dos outros soros do Butantan.

O funcionamento é diferente do da vacina, que pretende impedir que a pessoa adoeça. “O objetivo é já dar o anticorpo pronto para o indivíduo com a doença”, explica Ana Marisa Chudzinski Tavassi, diretora de inovação do Instituto Butantan. “Como o anticorpo já está pronto, tem uma resposta muito rápida. Você injeta o soro, as células da pessoa reconhecem e bloqueiam a entrada do vírus. Se ele não entrar nas células, não se multiplica, e a doença não se agrava”.

Tavassi conta que, em testes com hamsters, os animais que receberam uma dose única do soro tiveram “uma queda importante” na carga viral em um dia após a aplicação. Até cinco dias depois, eles viram uma preservação da estrutura do pulmão significativa em comparação com o grupo de roedores que não recebeu a injeção.

Ela relata também que foram feitos testes de segurança com camundongos e coelhos saudáveis, aplicando uma quantidade máxima de soro para verificar se haveria efeitos colaterais. “Fizemos exames para verificar tudo, inclusive a função hepática. Não houve nenhuma alteração, nada que chamasse a atenção”.

Os resultados dos testes pré-clínicos [que não são em humanos] foram muito importantes para ver que o soro tem efeito. Ele não é tóxico em animais saudáveis e, em animais com a doença, vimos efetivamente um resultado positivo”, disse.

O Butantan espera usar essa terapia em casos moderados a graves da doença. “Agora, temos a vacina, mas até todos serem vacinados, acredito que seja interessante que tenhamos algo que pode ajudar. É algo que vai poder ser usado mesmo quando a pandemia acabar”, afirmou Tavassi.

Na Argentina, um soro parecido, produzido com anticorpos de cavalos e vacas, recebeu autorização especial para uso em dezembro do ano passado. Em comunicado, o governo argentino disse que a terapia reduziu em 45% a mortalidade, em 24% os dias de internação na UTI e em 36% a necessidade de ventilação mecânica.

Nos Estados Unidos, coquetéis de anticorpos sintéticos das empresas Regeneron e Eli Lilly foram autorizados no ano passado e até integraram o tratamento do ex-presidente do país, Donald Trump, quando ele foi internado com Covid-19. Há outras empresas, como a AstraZeneca e a Vir Biotechnology, que estão testando terapias com a mesma tecnologia.

Nesses casos, os anticorpos que funcionam melhor contra a doença são selecionados e reproduzidos sinteticamente, criando um coquetel altamente especializado. No entanto, essa precisão tem preço alto: esse tratamento pode variar de US$ 15 mil a US$ 20 mil nos EUA.

Tavassi, do Butantan, explica que essa é uma das maiores vantagens do soro. “É muito mais barato o que estamos fazendo. É uma tecnologia que já dominamos, temos os laboratórios, a fábrica, a fazenda com os cavalos. É isso que está na nossa mão, sem ter que importar absolutamente nada”.

Ela explica que, além disso, usar uma terapia com anticorpos mais gerais pode ter efeitos positivos. “Nessa situação em que estamos vivendo, em que ainda não deu para saber tudo sobre o vírus e como ele funciona, talvez produzir anticorpos para várias partes do vírus seja interessante. Com as variantes, ter algo que seja mais polivalente pode ajudar”.

Quando fica pronto?

De acordo com um ofício do início do ano passado, a Anvisa tem até 90 dias para analisar um processo de pesquisa clínica. No entanto, Tavassi explica que os documentos podem ser analisados rapidamente ou voltarem para o instituto dar mais esclarecimentos.

“O primeiro documento que enviamos foi analisado em 72 horas. Acredito que vão nos dar a resposta rapidamente diante da situação da pandemia”, disse. A cientista diz que o Butantan está pronto para começar os testes assim que receber a autorização. “A partir do momento que aprovar, estamos preparados para começar o ensaio. O Butantan já realizou outros testes clínicos, tem uma equipe, centros já preparados e treinados espalhados por vários cantos do país”, explica.

O ensaio clínico para um soro não é a mesma coisa que o de vacinas, com milhares de pessoas que têm de ser acompanhadas por um tempo longo. “Podemos fazer com uma quantidade menor de pessoas e tempo de observação mais curto, porque o soro tem que ter uma resposta rápida, temos que perceber imediatamente que a doença não evolui”.

Apesar da previsão otimista, Tavassi diz que as fases de testagem não podem ser apressadas. “Temos uma tradição enorme de produção de soros, mas esse é o desenvolvimento de um produto novo, tem de passar por todas as etapas. No final, é gente que vai ser tratada e tem que ter mais benefício do que possíveis reações. Se a gente chegar lá, damos um passo importante para o desenvolvimento científico e para a tecnologia nacional”.

Continuar lendo SORO ANTI-COVID CRIADO PELO BUTANTAN PODE ACELERAR RECUPERAÇÃO E DIMINUIR OCUPAÇÃO DE LEITOS DE UTI POR PACIENTES DA CIVID-19

SAÚDE: PREFEITURA DO NATAL VAI TRANSFORMAR PRÉDIO ÀS MARGENS DA BR-101 EM HOSPITAL PARA PACIENTES DA COVID-19

Prefeitura do Natal consegue na Justiça posse de prédio e tornará local às margens da BR-101 hospital para covid nos próximos dias

Foto: Cedida

A Prefeitura do Natal vai tomar posse de um prédio em frente ao edifício Jacumã,  às margens da BR-101. O local será mais um hospital, com capacidade para 50 leitos, sendo 30 deles leitos clínicos.

Informações que chegam ao Blog dão conta que a Secretaria Municipal de Saúde(SMS) fez uma requisição administrativa pelo prédio, que não teria sido aceita. Na ocasião, o Município decidiu acionar a justiça, que concedeu o espaço via liminar.

O prédio tem uma estrutura pronta e não estava cumprindo nenhuma função social. Informações preliminares dão conta que o local estará recebendo pacientes até este fim de semana.

Continuar lendo SAÚDE: PREFEITURA DO NATAL VAI TRANSFORMAR PRÉDIO ÀS MARGENS DA BR-101 EM HOSPITAL PARA PACIENTES DA COVID-19

CIÊNCIAS: UTILIZANDO CÉLULAS-TRONCO DO PRÓPRIO PACIENTE CIENTISTAS REPARAM COM SUCESSO A MEDULA ESPINHAL FERIDA

Uma descoberta incrível, feita por pesquisadores da Universidade de Yale e do Japão é o destaque deste sábado, aqui na coluna CIÊNCIAS. Pacientes que sofreram lesões não penetrantes na medula espinhal, através de injeção intravenosa de células-tronco derivadas da medula óssea é capaz  de restaurar a função após uma lesão no cérebro e na medula espinhal. Foram observadas melhorias substanciais em funções-chave – como a capacidade de andar ou usar as mãos em mais da metade dos pacientes estudados, semanas após a injeção de células-tronco, relatam os pesquisadores. Então, você não pode deixar de ler esse artigo sensacional, pois estamos nos aproximando muito da cura permanente da paraplegia.

Cientistas de Yale reparam com sucesso a medula espinhal ferida usando células-tronco dos próprios pacientes

A injeção intravenosa de células-tronco derivadas da medula óssea em pacientes com lesões na medula espinhal levou a uma melhora significativa nas funções motoras, relataram pesquisadores da Universidade de Yale e do Japão.

Para mais da metade dos pacientes estudados, melhorias substanciais em funções-chave – como a capacidade de andar ou usar as mãos – foram observadas semanas após a injeção de células-tronco, relatam os pesquisadores. Nenhum efeito colateral substancial foi relatado.

Os pacientes sofreram lesões não penetrantes na medula espinhal, em muitos casos de quedas ou traumas leves, várias semanas antes da implantação das células-tronco. Seus sintomas envolviam perda da função motora e coordenação, perda sensorial, bem como disfunção intestinal e da bexiga.

As células-tronco foram preparadas a partir da própria medula óssea dos pacientes, por meio de um protocolo de cultura que durou algumas semanas em um centro especializado de processamento de células. As células foram injetadas por via intravenosa nesta série, com cada paciente servindo como seu próprio controle. Os resultados não foram cegos e não houve controles com placebo.

Os cientistas de Yale  Jeffery D. Kocsis e  Stephen G. Waxman foram os principais autores do estudo – que foi realizado com pesquisadores da Sapporo Medical University, no Japão – com os resultados publicados no mês passado no Journal of Clinical Neurology and Neurosurgery.

MAIS: A meta de abundantes transplantes de órgãos se aproxima da realidade à medida que os cientistas criam pequenos fígados funcionais a partir de células da pele

Kocsis e Waxman enfatizam que estudos adicionais serão necessários para confirmar os resultados deste estudo preliminar não cego. Eles também enfatizam que isso pode levar anos. Apesar dos desafios, eles permanecem otimistas.

 Resultados semelhantes com células-tronco em pacientes com acidente vascular cerebral aumentam nossa confiança de que esta abordagem pode ser clinicamente útil”, observou Kocsis. “Este estudo clínico é o culminar de um extenso trabalho de laboratório pré-clínico usando MSCs entre colegas de Yale e Sapporo ao longo de muitos anos.”

 A ideia de que podemos ser capazes de restaurar a função após uma lesão no cérebro e na medula espinhal usando as células-tronco do próprio paciente nos intrigou por anos”, disse Waxman. “Agora temos uma dica, em humanos, de que pode ser possível.”

Fonte: YaleNews

Fonte: Good News Network

Continuar lendo CIÊNCIAS: UTILIZANDO CÉLULAS-TRONCO DO PRÓPRIO PACIENTE CIENTISTAS REPARAM COM SUCESSO A MEDULA ESPINHAL FERIDA

MATO GROSSO PEDIU AJUDA A OUTROS ESTADOS PARA ACOMODAR PACIENTES DA COVID-19, QUE AGUARDAM NA FILA POR UM LEITO

Sem leitos de UTI disponíveis, Mato Grosso pede socorro a outros estados

Em janeiro, o estado recebeu pacientes de Rondônia e cedeu UTIs para o tratamento de pessoas que esperavam por uma vaga

Ludmila Candal, da CNN, em São Paulo

Atualizado 07 de março de 2021 às 21:19

Atendimento médico em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes de CovidAtendimento médico em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes de Covid-19Foto: Mister Shadow/Estadão Conteúdo

A Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso precisou pedir ajuda a outros estados para acomodar seus pacientes que aguardam um leito para tratamento da Covid-19. Segundo a pasta, até o momento não houve confirmação oficial de assistência por parte dos demais estados.

Mato Grosso registra neste domingo 100,4% de ocupação nos leitos de UTI SUS e 36,48% nos leitos de enfermaria públicos. São pelo menos 59 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de Terapia Intensiva. Em janeiro, o estado recebeu pacientes de Rondônia e cedeu UTIs para o tratamento de pessoas que esperavam por uma vaga.

CNN Brasil entrou em contato com os estados que foram contatados pela Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso. Até agora, Tocantins informou que não dispõe de leitos para pacientes suspeitos ou confirmados para Covid. Segundo a secretaria de Goiás, “a solicitação foi feita a todos os secretários de Estado da Saúde do País”, mas “infelizmente, nenhuma das pastas, inclusive a de Goiás, conseguiu atender à solicitação, por estar também com sobrecarga de pacientes com a Covid-19 em suas unidades de saúde”.

Fonte: CNN

Continuar lendo MATO GROSSO PEDIU AJUDA A OUTROS ESTADOS PARA ACOMODAR PACIENTES DA COVID-19, QUE AGUARDAM NA FILA POR UM LEITO

STF ACOLHEU PEDIDO FEITO PELOS ESTADOS DE SP, MA E BA PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE VOLTAR A FINANCIAR LEITOS DE UTI PARA PACIENTES DA COVID-19

STF aceita pedido de SP, MA e BA para Saúde pagar UTI de pacientes com Covid-19

O governo estadual diz que, com a decisão, o Ministério da Saúde terá que arcar com um total de 3.258 leitos de UTI no estado

Thâmara Kaoru, da CNN Brasil, em São Paulo

 Atualizado 28 de fevereiro de 2021 às 19:28

STF aceita pedido de SP, MA e BA para Saúde pagar UTI de pacientes com Covid -19

 

Ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), Rosa Weber acolheu um pedido feito pelas Procuradorias dos Estado de São Paulo, do Maranhão e da Bahia para que o Ministério da Saúde volte a financiar leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados a pacientes com Covid-19.

No dia 8 de fevereiro o governo do Maranhão apresentou uma ação no STF para que o Ministério da Saúde reabilitasse leitos de UTI custeados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e destinados a pacientes com Covid-19. Dois dias depois foi a vez do governo de São Paulo apresentar uma ação para reverter decisão de desabilitar leitos privados de UTI. Já a Procuradoria-Geral do Estado da Bahia protocolou a ação no dia 18.

No começo do mês, o Ministério da Saúde havia informado que não havia nenhum ato administrativo de desabilitação de leitos de UTI para Covid-19.

o governo de São Paulo, o Ministério da Saúde chegou a custear um total de 3.822 leitos de UTI em São Paulo no decorrer da pandemia, mas reduziu esse financiamento e “passou a subsidiar o funcionamento de apenas 564 leitos em 2021”, informou em nota. O governo estadual diz que, com a decisão, o Ministério da Saúde terá que arcar com um total de 3.258 leitos de UTI no estado.

De acordo com a Procuradoria-Geral paulista, a decisão do STF “é uma grande vitória para o Estado de São Paulo”.

O governo da Bahia também afirmou que o número de leitos custeados pela União vinha sendo reduzido nos últimos meses e que solicitou a habilitação imediata de 462 leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19. Porém, as habilitações não teriam sido aprovadas pelo Ministério da Saúde.

Nas redes sociais, o governador Flávio Dino também comemorou a decisão. “STF deferiu liminar determinando ao Ministério da Saúde repasses financeiros relativos a leitos de UTI no Maranhão. Ou seja, fica evidenciado que não se cuida de um ‘favor’, e sim de um direito dos estados e um dever do governo federal, segundo a Constituição e legislação do SUS.”

CNN entrou em contato com o Ministério da Saúde para comentar a decisão do STF e, de acordo com o órgão, os pagamentos de leitos de UTI para tratamento de pacientes da Covid-19 têm sido feitos conforme demanda e credenciamento dos governos dos estados. Sem nenhuma desabilitação ou suspensão.

Leia a nota na íntegra

“O Ministério da Saúde informa que não houve, em nenhum momento, desabilitação ou suspensão de pagamentos de leitos de UTI para tratamento de pacientes da Covid-19. Os pagamentos têm sido feitos conforme demanda e credenciamento dos governos dos estados.

Ressalta-se que conforme pactuação tripartite do Sistema Único de Saúde, a abertura e viabilização física dos leitos cabe aos gestores estaduais e municipais, cabendo ao Governo Federal o custeio das estruturas – no caso dos leitos Covid-19, com valor de diária dobrada, no valor de R$ 1.600.

Com o objetivo de continuar apoiando os estados no combate à pandemia, o Ministério da Saúde solicitou, em janeiro, crédito extraordinário no valor de R$ 2,8 bilhões à União a fim de custear ações de enfrentamento ao vírus, sobretudo a continuidade do custeio de leitos.

O recurso, liberado por meio de Medida Provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro na última quinta-feira (25/2), será repassado aos estados demandantes para pagamento de leitos em uso desde o mês de janeiro pelas unidades federadas.

Cabe lembrar, ainda, que conforme pactuado na última reunião da Comissão Intergestores Tripartite, o Ministério da Saúde resolveu simplificar o processo de autorização para abertura de leitos de UTI destinados a pacientes da Covid-19.

As novas regras estabelecem que os leitos de UTI Covid-19 autorizados pelo Ministério não precisarão mais de prorrogação – eles poderão seguir operando até o final da pandemia. Além disso, o custeio dos leitos será feito de forma integral pelo Ministério da Saúde através de repasses mensais, e não mais com a antecipação de verbas. 

Desta forma, o pedido solicitado à nobre ministra é injusto e desnecessário, uma vez que o SUS vem cumprindo com as suas obrigações. Cabe, portanto, a cada governo fazer a sua parte.”

Continuar lendo STF ACOLHEU PEDIDO FEITO PELOS ESTADOS DE SP, MA E BA PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE VOLTAR A FINANCIAR LEITOS DE UTI PARA PACIENTES DA COVID-19

OS 30 LEITOS NO HOSPITAL DOS PESCADORES NAS ROCAS SERÃO EXCLUSIVOS PARA O ATENDIMENTO DE PACIENTES DA COVID-19

Por G1 RN

 

Hospital dos Pescadores, no bairro das Rocas, será exclusivo para o atendimento de pacientes com Covid-19 — Foto: Alex RégisHospital dos Pescadores, no bairro das Rocas, será exclusivo para o atendimento de pacientes com Covid-19 — Foto: Alex Régis

A prefeitura de Natal anunciou nesta sexta-feira (26) que os 30 leitos de internação clínica do Hospital dos Pescadores, localizado no bairro das Rocas, serão destinados exclusivamente para pacientes com Covid-19. A medida foi tomada devido à atual situação da pandemia na capital potiguar. Todas as quatro Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) de Natal estão operando acima da capacidade de atendimento.

Segundo o comunicado da Secretaria Municipal de Saúde, o Hospesc passa a funcionar com porta regulada – os pacientes atendidos serão encaminhados através das UPAs de Natal. Ainda de acordo com a SMS, o perfil para internações clínicas é de pacientes com tratamento de casos leves da Covid-19.

A SMS registrou nas últimas duas semanas um aumento no número de pacientes provenientes das UPAs que precisam de internação.

UPAs continuam lotadas em Natal

“Abrimos 10 leitos de UTI no Hospital de Campanha, hoje contamos com 30 leitos de UTI na rede municipal, e agora reestruturamos o Hospesc com mais 30 leitos clínicos. Enquanto a vacinação ainda não está disponível para todos, pedimos para a população fazer a sua parte, evitando aglomerações, usando máscaras e mantendo a higienização das mãos”, disse o secretário de Saúde de Natal, George Antunes.

Continuar lendo OS 30 LEITOS NO HOSPITAL DOS PESCADORES NAS ROCAS SERÃO EXCLUSIVOS PARA O ATENDIMENTO DE PACIENTES DA COVID-19

O RN CHEGOU AO MAIOR NÚMERO DE PACIENTES EM LEITOS CRÍTICOS DESDE O INÍCIO DA PANDEMIA

Por Norton Rafael e Leonardo Erys, Inter TV Cabugi e G1 RN

 

Leitos de UTI Covid-19 no Hospital Belarmina Monte, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal — Foto: Ariel DantasLeitos de UTI Covid-19 no Hospital Belarmina Monte, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal — Foto: Ariel Dantas

O Rio Grande do Norte chegou nesta terça-feira (23) ao maior número de pacientes internados com Covid-19 em leitos críticos (UTI e semi-intensivo) desde o início da pandemia. Ao todo, 388 pessoas estão internadas em tratamento intensivo da doença em leitos públicos e privados no estado.

O aumento de internações em UTIs e semi-intensivos cresceu 79% em apenas um mês. Em 23 de janeiro, eram 216 pessoas internadas.

Antes, o maior número de pacientes internados em leitos críticos no estado havia sido registrado em 28 de junho, quando 363 pessoas sofriam com o agravamento da Covid-19 nos hospitais do Rio Grande do Norte.

Os dados constam no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

Na edição desta terça-feira (23), a pasta informou que os leitos críticos em hospitais particulares do estado atingiram os 100% de ocupação, com 153 pacientes. Na rede pública, a ocupação é de 77,4%, com 235 internados.

Considerando também os leitos clínicos, o estado chegou a 687 pacientes internados por Covid-19 nesta terça-feira (23), o segundo maior número de toda a pandemia. O maior também foi registrado no dia 28 de junho, quando chegou a 692.

De acordo com o Regula RN, plataforma que monitora em tempo real as internações no estado, o RN tem atualmente 84,2% de ocupação dos leitos críticos no geral, sendo a Região Metropolitana de Natal a que mais preocupa, com 88,3%.

Com mais pacientes com necessidade de atendimento intensivo na fila (28) do que leitos críticos disponíveis (26), praticamente não há mais vagas na Região Metropolitana para pacientes graves de Covid-19.

Pelo menos três internados da Grande Natal precisaram ser transferidos de avião para hospitais pelo interior do estado. Dois seguiram para leitos críticos em Mossoró e um para Caicó.

O Regula RN indica ainda que atualmente oito hospitais do Rio Grande do Norte estão 100% de ocupação nos leitos críticos:

  • Hospital de Campanha de Natal
  • Hospital Giselda Trigueiro
  • Hospital Maternidade Divino Amor
  • Hospital Regional Alfredo Mesquita
  • Hospital Regional João Câmara
  • Hospital Regional Tarcísio Maia
  • Hospital Lindolfo Gomes Vidal
  • Hospital Universitário Onofre Lopes

O Rio Grande do Norte ultrapassou também nesta terça-feira o número de 3,5 mil mortes por Covid-19 desde o início da pandemia. Os casos confirmados da doença já somam mais de 161 mil.

Com o sistema pressionado, recentemente a Prefeitura de Natal anunciou a abertura de mais 10 leitos de UTI para Covid-19 no Hospital de Campanha. Já o governo do RN também prevê a abertura de mais 40 leitos para tratamento intensivo da doença.

Fonte: G1 RN
Continuar lendo O RN CHEGOU AO MAIOR NÚMERO DE PACIENTES EM LEITOS CRÍTICOS DESDE O INÍCIO DA PANDEMIA

NO ACRE, MÉDICO ATENDE PACIENTES DENTRO D’ÁGUA

Em meio à enchente, médico do Acre atende pacientes dentro da água

Henrique Melo*, da CNN em São Paulo

20 de fevereiro de 2021 às 21:04

O médico Rodrigo Damasceno atende pacientes embaixo d'água em Tarauacá, no AcreO médico Rodrigo Damasceno atende pacientes embaixo d’água em Tarauacá, no AcreFoto: Lucas Melo

Acre enfrenta uma enchente histórica nos últimos dias. As fortes chuvas que começaram no início desta semana elevaram perigosamente o nível de rios no estado e causaram inundações em diversos municípios.

Segundo o Corpo de Bombeiros do estado, cinco rios já ultrapassaram as cotas de transbordamento. No total, mais de 23 mil famílias foram atingidas pelas inundações e cerca de 88 mil pessoas foram afetadas em todo o Acre.

Em meio ao caos, o médico Rodrigo Damasceno tem ido às ruas ajudar a população. Em Tarauacá (380 km de Rio Branco), cidade onde mora, o rio atingiu a marca de 11 metros, dois metros acima da cota de transbordamento e alagou mais de 80% do município. Segundo o médico, que foi prefeito da cidade entre 2012 e 2016, alagamentos são comuns na região mas a situação atual é chocante.

“É uma cidade baixa, entre dois rios (Tarauacá e Muru), e é relativamente comum períodos de alagamentos. Na minha época á frente do município, enfrentamos vários alagamentos, mas nenhum próximo do que estamos nos deparando agora, tanto em dimensão quanto em impactos sociais”, disse.

O médico também alerta para o efeito econômico: “Nosso município também é muito vulnerável no aspecto social, e a população está passando por esse momento difícil de pandemia“.

Nesta semana, Rodrigo viralizou nas redes sociais após uma foto em que ele dentro da água atendendo um bebê em um barco. “Nesses atendimentos, temos dificuldade de locomoção. Tem momentos em que é melhor andar nas ruas alagadas para atender as pessoas”.

À CNN, ele contou mais sobre o encontro: “Após sair de uma casa em que realizamos atendimento, me deparei com essa criança, que sofria com um caso de pneumonia. Dei antibiótico para a mãe e apliquei a medicação para baixar a febre, assim eles foram para casa mais sossegados”.

O médico também descreveu o impacto da inundação no sistema de saúde do município: “Praticamente 80% da população está debaixo d’água e muitos postos de saúde estão sem funcionar. Esse trabalho que a gente faz é para facilitar o atendimento às pessoas. Juntei minha equipe, consegui alguns remédios e fui atender a população”.

A foto de Rodrigo e a situação crítica em todo o estado chamaram a atenção de celebridades, como o DJ Alok, que se disponibilizou a ajudar. Nas redes sociais, o artista compartilhou imagens dos alagamentos e recebeu resposta do governador do Acre, Gladson Cameli (PP), que informou que o estado necessita de colchões, cestas básicas e muito mais. Cameli pede que as pessoas realizem doações para a Associação do Ministério Público do Acre para ajudar a população.

Na última terça-feira (17), o governador decretou situação de emergência e instituiu, temporariamente, o Gabinete de Crise no estado do Acre. Cameli disse que o momento crítico também é causado pela pandemia do novo coronavírus e pela epidemia de dengue no estado.

O governo estadual solicitou ajuda ao governo federal e ao Exército brasileiro para atender as famílias atingidas. Durante a semana, Cameli se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes e com o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas Alves para oficializar o suporte da União ao estado. O governo federal decidiu liberar R$ 450 milhões para auxiliar os municípios alagados em todo o país.

Além das enchentes, o estado sofre também com a alta dos casos do novo coronavírus e de dengue. O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Acre, de 12 de fevereiro, indica que já foram notificados 1.552 casos de dengue, além de outros 5.353 em investigação. Ainda não foram registrados óbitos pela doença neste ano.

Em relação à Covid-19, o estado contabiliza 54.743 casos e 957 óbitos. Na última semana, o estado bateu seu recorde semanal de novas infecções, com mais de 2 mil registros. Neste sábado (20), 91% dos leitos de UTI estão ocupados, enquanto 85% dos leitos clínicos estão preenchidos.

Fonte: CNN

Continuar lendo NO ACRE, MÉDICO ATENDE PACIENTES DENTRO D’ÁGUA

MECANISMO DE RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL NÃO INVASIVO PODE REDUZIR A NECESSIDADE DE INTERNAÇÕES DE PACIENTES COM COVID-19 EM UTIS

 

Capacete criado no CE pode reduzir internações em UTI por Covid-19 em até 60%

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

Atualizado 19 de fevereiro de 2021 às 08:5

Elmo pode reduzir em 60% a necessidade de internação em UTIElmo, mecanismo de respiração artificial não invasivo, pode reduzir em 60% a necessidade de internação em UTI, de acordo com testes Foto: Tatiana Fortes/Governo do Ceará

Com a alta de casos e internações causadas pelo novo coronavírus no Brasil desde o fim de 2020, voltou a crescer também a demanda por leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e por equipamentos como respiradores e ventiladores pulmonares.

Pensando em tratar pacientes com insuficiência respiratória, incluindo a causada pela Covid-19, pesquisadores do Ceará desenvolveram o Elmo, um mecanismo de respiração artificial não invasivo que pode reduzir em 60%, de acordo com a comprovação dos testes, a necessidade de internação em UTI e a intubação de pacientes com Covid-19.

Recentemente, a Secretaria da Saúde do Ceará doou ao estado do Amazonas – que enfrentou a partir das primeiras semanas de janeiro o momento mais grave da pandemia – 65 unidades do aparelho e capacitou profissionais da saúde para utilizá-lo em pacientes internados com o novo coronavírus.

Mas, afinal, como o Elmo funciona e por que ele pode ser uma ferramenta importante para desafogar os sistemas de saúde em todo o país?

O equipamento envolve toda a cabeça do paciente e é fixado no pescoço em uma base que veda a passagem de ar. Com a aplicação de oxigênio e ar comprimido, o Elmo gera uma pressão positiva (em relação à pressão atmosférica) que ajuda pacientes com dificuldade de oxigenação.

Dessa forma, ele é indicado para o tratamento de pacientes com quadro clínico moderado, mas também auxilia casos que começam a evoluir para gravidade.

“A ideia do Elmo surgiu em abril de 2020, na primeira onda da pandemia aqui no Brasil, como uma iniciativa de várias instituições para achar soluções para a falta de respiradores e leitos”, explicou à CNN o médico pneumologista e intensivista Marcelo Alcantara Holanda, Superintendente da Escola de Saúde Pública (ESP) do Ceará e idealizador do Elmo.

“Mas, em vez de produzir um respirador mecânico do zero, algo que nunca foi feito no Ceará, coloquei essa ideia de fazer um capacete que pudesse ser uma interface, um dispositivo para administrar oxigênio com segurança ao mesmo tempo em que fornece uma pressão nas vias aéreas, facilitando a entrada e a saída de ar no pulmão que está doente”, completou.

Raul Gonzalez Lima, professor titular da Poli-USP, afirmou que, por ser desenvolvido com um material flexível, o capacete é benéfico para pacientes que precisam de fluxo contínuo de ar e oxigênio.

“Não tenho todos os detalhes da tecnologia do Ceará, mas quando você coloca pressão no material que eles utilizam isso aumenta o volume do capacete, que funciona bem para um fluxo contínuo de ar e oxigênio”, afirmou.

Força-tarefa pelo equipamento

Holanda destacou que foi montada uma força-tarefa que, só na fase de prototipagem, contou com a participação de mais de 40 pessoas entre pesquisadores, voluntários e equipe de apoio da ESP, da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade de Fortaleza (Unifor).

“O Elmo surgiu do espírito solidário entre pessoas e instituições. Isso foi fundamental para uma ideia inovadora ser aplicada com êxito na solução de um problema grave”

Marcelo Alcantara Holanda, idealizador do Elmo

“Demos uma contribuição muito significativa e continuamos com novas ideias para melhorar a qualidade do equipamento, já que essa é, digamos, a versão 1.0”, afirmou Holanda.

“A tendência é que ele seja aperfeiçoado. Em Fortaleza o pessoal está muito empolgado para fazer melhorias progressivas e, à medida que o Elmo é usado em larga escala e colhemos dados, podemos aperfeiçoá-lo.”

Ele explicou ainda que, por não depender de respiradores, o equipamento tem um custo relativamente baixo – estimado entre R$ 1,2 mil e R$ 1,5 mil.

Além disso, o Elmo pode ser esterilizado e reutilizado em outros pacientes, além de aumentar a segurança dos profissionais de saúde, já que, por ser vedado, não permite a proliferação de partículas de vírus.

“Também é eficiente para outras situações em que o problema do pulmão for a oxigenação, como em pneumonias e outras situações comuns, como um edema pulmonar.”

Passo a passo da instalação do Elmo nos pacientes
Passo a passo da instalação do Elmo nos pacientes
Foto: Reprodução/Esmaltec

Autorização da Anvisa e produção em série

Depois de ser testado por cinco meses ao longo de 2020 em pacientes no Hospital Leonardo da Vinci, em Fortaleza – comprovando sua eficácia no tratamento de insuficiência respiratória –, o equipamento recebeu em outubro aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para produção em escala industrial, que ficou a cargo da emprsa Esmaltec.

“Fomos convidados pela Unifor para integrar o time de desenvolvimento do capacete hiperbárico, através da parceria com pesquisadores, universidades e entidades de saúde e a nossa equipe de engenheiros fez o projeto dos componentes exclusivos e investimos em moldes de injeção específicos e únicos para esse produto”, afirmou Marcelo Pinto, diretor superintendente da Esmaltec, em nota.

A empresa afirmou que ficou encarregada pela parte fabril, pela comercialização e pelos registros de patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o que foi feito em julho. Já a produção do Elmo foi iniciada em dezembro.

Também em dezembro, a Esmaltec doou 250 unidades do capacete de respiração para utilização na rede pública do Ceará. Desses, 200 foram destinados a hospitais públicos e 50 para a Escola de Saúde Pública (ESP). Neste ano, mais 300 aparelhos foram doados à Secretaria da Saúde cearense. Já a rede privada de saúde recebeu 100 unidades do Elmo.

Segundo a Pinto, a linha de produção da empresa tem capacidade para atender uma demanda de até 100 peças/dia – até o momento, já foram enviados mais de 700 unidades para secretárias e hospitais, das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

“Estamos recebendo consultas de vários hospitais e instituições da área da saúde de todas as regiões do pais. O grande desafio durante o processo foi garantir um equipamento acessível a todos, principalmente quando se compara com preços de ventiladores hospitalares que tem preços bem elevados”, completou, destacando que o Elmo é comercializado por menos de R$ 2 mil.

“Nossa participação nesse projeto não busca a lucratividade, isso fazemos como fabricante de eletrodomésticos da linha branca. O que nos motiva com o Elmo é gerar valor à sociedade e contribuir para o bem estar das pessoas.”

Uso no Amazonas

Depois de doar 65 unidades do equipamento para o governo do Amazonas – que devem beneficiar 10 unidades de saúde amazonense –, a Secretaria da Saúde do Ceará realizou, no começo de fevereiro, o treinamento de 74 profissionais de saúde amazonenses para usar o capacete de respiração assistida.

A fisioterapeuta e bolsista da ESP Ingrid Sá foi uma das três responsáveis pela capacitação de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas, além de engenheiros clínicos no Amazonas.

À CNN, ela destacou a parceria entre os dois governos e o interesse dos profissionais amazonenses em utilizar o Elmo nos pacientes com Covid-19.

“O Elmo será mais um recurso para ajudar [os profissionais do Amazonas] no tratamento dos pacientes com Covid-19. Além de não ser invasivo e ter baixo custo, acreditamos que ele será importante para ajudar nas internações”, afirmou.

Além da parte teórica sobre o funcionamento do aparelho, os profissionais passaram por uma simulação com um voluntário para experimentar o uso do capacete em situação próxima à realidade.

“Nossa orientação para eles foi que não deixem o Elmo para uso apenas em último caso e, sim, que o utilizem assim que a lista de recomendações [para uso do capacete] começar a ser preenchida”, explicou Sá.

Ela destacou ainda que foi criado um grupo focal por meio de um aplicativo de comunicação para que os profissionais no Ceará possam dar suporte durante os primeiros usos no Amazonas.

Para participar do treinamento, Sá, a também fisioterapeuta Betina Santos e a enfermeira Rebeca Bandeira foram imunizadas com a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

À CNN, a Secretaria da Saúde do Ceará esclareceu que a doação dos aparelhos foi feita a pedido do governo amazonense. A pasta afirmou ainda que os hospitais que quiserem adquirir o Elmo devem entrar em contato diretamente com a empresa responsável.

Já a Secretaria de Saúde do Amazonas informou que recebeu 40 unidades do aparelho e que “está providenciando a distribuição delas entre as unidades da capital”.

Equipamento semelhante

Raul Gonzalez Lima é coordenador de uma parceria da USP com a iniciativa privada que desenvolve um capacete que, adaptado a um respirador artificial, dispensa o uso do tubo endotraqueal em pacientes internados em UTIs.

O aparelho, batizado de Escafandro, teve alguns protótipos testados ao longo de 2020, incluindo a produção de um lote piloto, mas ainda não entrou em produção em larga escala.

À CNN, Lima afirmou que a equipe está trabalhando na modificação de alguns subsistemas e na simplificação de seu uso. Ainda não há, porém, um prazo para a conclusão dessas modificações.

Ele explicou ainda que o Escafandro, por ser destinado a pacientes já internados em UTI, se difere do Elmo por ter como objetivo trabalhar com um fluxo pulsado de ventilação.

“Alguns pacientes estão com músculos da respiração fadigados e, portanto, precisam de um descanso. Para eles, a respiração pulsada ajuda muito, porque é uma pressão positiva que se impõe para entrar no pulmão e, com isso, os músculos acabam relaxando e descansando, o que é benéfico para sua recuperação.”

Fonte: CNN

 

Continuar lendo MECANISMO DE RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL NÃO INVASIVO PODE REDUZIR A NECESSIDADE DE INTERNAÇÕES DE PACIENTES COM COVID-19 EM UTIS

SAIBA COMO ESTÃO OS PACIENTES DO AMAZONAS QUE RECEBEM TRATAMENTO CONTRA COVID-19 EM NATAL

Como estão os pacientes do Amazonas que recebem tratamento contra a covid-19 no RN

Heilysmar Lima

 – Atualizado em: 

Foto: Robson Araújo

Devido ao caos instaurado na rede de Saúde do Amazonas, dezenas de pacientes com covid-19 foram transferidos para outras cidades do país. Natal foi um dos destinos. Atualmente, a capital potiguar tem três hospitais com pessoas vindas do estado do Norte. Neste domingo (31), as unidades informaram o estado de saúde deles.

No Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), 10 pacientes com covid-19 estão internados. De acordo com o boletim médico, três deles estão internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e os outros sete estão em enfermarias. “Há 1 paciente intubado, 7 em máscara com suporte de oxigênio e 2 com cateter nasal de oxigênio”, informou o hospital.

No caso do Hospital Giselda Trigueiro, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap-RN) comunicou que há quatro pacientes internados na unidade. Segundo a secretaria, todos estão em condições estáveis.

Já no Hospital de Campanha de Natal, o boletim mais recente divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde Natal aponta que são 17 paciente internados. Desses, 14 estão internados em enfermarias. Os outros três estão sob cuidados intensivos.

Nesse sábado (30), nove pacientes tiveram alta do Hospital de Campanha. De acordo com a prefeitura, as pessoas que receberem alta serão acolhidas na Associação Casa do Divino Mestre, mantida pela Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Neópolis. Ainda no sábado, 14 pacientes desembarcaram na Base Aérea de Natal para receberem cuidados contra a covid-19 em Natal.

Continuar lendo SAIBA COMO ESTÃO OS PACIENTES DO AMAZONAS QUE RECEBEM TRATAMENTO CONTRA COVID-19 EM NATAL

PACIENTES TRANSPLANTADOS FAZEM PROTESTO DEVIDO A FALTA DE MEDICAMENTOS NO ESTADO

Por Julianne Barreto e Leonardo Erys, Inter TV Cabugi e G1 RN

 

Protesto aconteceu em frente à sede da Unicat, em Natal — Foto: CedidaProtesto aconteceu em frente à sede da Unicat, em Natal — Foto: Cedida

Os pacientes transplantados do Rio Grande do Norte têm sofrido com a falta de medicamentos nos últimos meses no estado. A reclamação deles é de que pelo menos desde novembro não há quantidade suficiente para atender a todos os que necessitam do remédio na rede pública.

Sem a normalização da situação, nesta sexta-feira (29), data em que estava prevista, mas foi adiada a chegada de um lote dos remédios, pacientes e familiares protestaram em frente à sede da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat), em Natal.

O remédio em falta é o Tacrolimo, nas dosagens de 1mg e 5 mg, que é fundamental para o bom funcionamento do órgão transplantado nos pacientes. Caso ele não seja tomado, há a possibilidade de o corpo reagir negativamente, rejeitando o órgão, e serem necessárias sessões de hemodiálise.

“O medicamento é de suma importância para a gente não rejeitar o nosso rim, mas infelizmente nós temos a resposta da Unicat que só vai chegar daqui para próxima semana. Mas a gente não tem como esperar a próxima semana”, reclamou a aposentada Patrícia Grace, que faz uso da medicação.

“Muita gente não pegou desde o mês passado. Mais ou menos desde o final de novembro que vem faltando essa medicação. Então não temos como esperar porque nosso rim não espera. Ele pode chegar a rejeitar, por falta de medicação. E aí, vamos parar na máquina de hemodiálise novamente, por falta de medicação?”.

De acordo com a Unicat, a aquisição da medicamento é de responsabilidade do Ministério da Saúde. “No momento o órgão está com dificuldade na aquisição deste componente desde o ano passado não consegue atender as necessidades dos estados”, disse em nota.

A Unicat prevê o recebimento de um novo lote do Tacrolimo 1 mg do Ministério da Saúde no próximo dia 5 de fevereiro. O de 5 mg “está com previsão de envio para os estados para o final de fevereiro”, segundo a unidade. A quantidade não foi informada.

Atualmente, o Rio Grande do Norte tem 657 pacientes cadastrados para receber o Tacrolimo 1 mg e 40 para receber o Tacrolimo 5 mg. O lote recebido na última semana (de 4 mil comprimidos), segundo a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), foi suficiente para atender 100 pacientes.

Pacientes se preocupam

Assim como a aposentada Patrícia Grace, outras mais de 600 famílias no estado dependem desses medicamentos. E alguns deles já veem as cartelas acabando, como é o caso de Fernando Luiz de Lima, que mora em Jucurutu, no interior do RN.

Através de uma rede de apoio entre os transplantados, ele conseguiu alguns comprimidos emprestados de outro paciente, que tinha alguns sobrando. Mas a preocupação já toma conta para os próximos dias.

“Eu só tenho cinco envelopes. Estava previsto chegar no dia 29, agora está previsto para o dia 5. E aí como é que fica a nossa situação? Querem fazer nós voltarmos para hemodiálise? Ou então morrer e diminuir os transplantados?”, reclama ele.

“Cadê a responsabilidade? O negócio é sério, não é brincadeira. Estão lutando com ser humano, não é com bicho”.

Mas nem sempre é possível conseguir uma caixa de medicamentos emprestada com alguns outro transplantado, que também necessita fazer uso do remédio. É o que lembra o personal trainer Victor Araújo, que também participou do protesto nesta sexta-feira (29), por conta da mãe, que é transplantada renal há sete anos.

“O recebimento desses medicamentos tem sido com bastante transtorno desde dezembro, porque o pessoal da Unicat não tem recebido a quantidade certinha dos medicamentos, inclusive quando recebem, eles repassam de forma muita rápida e nem todos recebem. Acaba ficando gente sem medicamento. E quem recebe já tem a quantidade certa para tomar e infelizmente não pode estar doando”, diz.

Além disso, a possibilidade de comprar é praticamente nula pra maioria dos pacientes, já que o custo é muito alto. Segundo eles, em média, o Tacrolimo custa R$ 1 mil por caixa.

Quem também reclama é o autônomo João Maria, transplantado há seis anos.

“Eu posso chamar de negligência. Nenhum deles (gestores) passou por um processo de hemodiálise, que só sabe quem passa. Eu fiz 13 anos de hemodiálise e estou transplantado há seis. A gente está cobrando não é à toa. É um direito nosso que está adquirido pela Constituição Federal. A gente quer resposta sobre isso urgente. Não tem Tacrolimo e para mandar fazer é caro”, citou.

Fonte: G1 RN
Continuar lendo PACIENTES TRANSPLANTADOS FAZEM PROTESTO DEVIDO A FALTA DE MEDICAMENTOS NO ESTADO

SETE PACIENTES DO AMAZONAS RECEBEM ALTA DO HOSPITAL DE CAMPANHA DE NATAL E RETORNAM PARA MANUS

Por G1 RN

 

Pacientes do Amazonas recebem alta no Hospital de Campanha de Natal e retornam a Manaus — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV CabugiPacientes do Amazonas recebem alta no Hospital de Campanha de Natal e retornam a Manaus — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Sete pacientes oriundos do Amazonas receberam alta médica nesta quarta-feira (27) e deixaram o Hospital de Campanha de Natal, onde receberam tratamento contra a Covid-19 nos últimos dias. De acordo com a direção da unidade hospitalar, eles estão fora do período de transmissibilidade da doença. O grupo retorna a Manaus em voos comerciais ainda nesta quarta-feira, com embarque às 18h05 e 20h05, no Aeroporto de Natal. As passagens foram custeadas pelo governo do Amazonas e Ministério da Saúde (MS).

Dos sete pacientes, são dois homens e cinco mulheres. O mais novo tem 23 anos e a mais velha tem 66. Na despedida, nesta quarta-feira, todos exibiam cartazes com a frase “eu venci a Covid-19” e receberam os aplausos da equipe médica

Pacientes do Amazonas transferidos para Natal com Covid-19 recebem alta e conhecem o mar

Quatro deles fizeram questão de ir até o mar – o Hospital de Campanha de Natal funciona em um hotel desativado na Via Costeira, à beira-mar – antes de seguir para o aeroporto. Marcos Gomes, 36 anos, um dos pacientes de Manaus que recebeu alta, falou que não conhecia o mar. “Foi emocionante”, falou.

O Hospital de Campanha de Natal recebeu 29 pacientes do Amazonas no total – 16, em um primeiro momento, e mais 13 posteriormente. Todos ficaram em uma ala específica da unidade. Quatro deles apresentaram quadro mais grave e estão internados em UTIs.

Saliciano Lima, diretor do Hospital de Campanha, contou que foi feita a coleta RT-PCR de todos eles para estudo posterior, mas ressaltou que a evolução clínica do grupo amazonense seguiu o mesmo tratamento dos pacientes locais.

Fonte: G1 RN

Continuar lendo SETE PACIENTES DO AMAZONAS RECEBEM ALTA DO HOSPITAL DE CAMPANHA DE NATAL E RETORNAM PARA MANUS

SEGUNDO SECRETARIA DE SAÚDE DO RN, EM RELAÇÃO AO OXIGÊNIO PARA PACIENTES INTERNADOS A SITUAÇÃO É TRANQUILA

Por G1 RN

 

Cilindros de oxigênio em Natal, RN — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV CabugiCilindros de oxigênio em Natal, RN — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

A Secretaria Estadual de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) informou que o estado tem uma situação ‘tranquila’ em relação a oxigênio para pacientes internados e, no momento, não há risco de faltar.

“Nós temos hoje uma segurança de abastecimento de oxigênio nas nossas unidades. Nós temos leitos clínicos e críticos disponíveis, e oxigênio disponível, não só para paciente Covid, mas de todas as demandas que requerem o uso de oxigênio para tratamento”, disse a secretária adjunta de Saúde do estado, Maura Sobreira.

O Rio Grande do Norte disponibilizou 10 leitos para pacientes do AM, mas não há data definida para a transferência.

De acordo com o Regula RN, na tarde desta sexta (15), o RN estava 67,8% dos leitos ocupados. A pior situação é na região Seridó que está com 88,6% dos leitos ocupados. O RN tem, segundo a Sesap, 127.847 casos confirmados de Covid-19 e 3.149 mortes pela doença.

Continuar lendo SEGUNDO SECRETARIA DE SAÚDE DO RN, EM RELAÇÃO AO OXIGÊNIO PARA PACIENTES INTERNADOS A SITUAÇÃO É TRANQUILA

CIÊNCIAS: KIT DE RASTREAMENTO DE CÂNCER DOMESTICO DE PROSTATA ESTÁ SENDO TESTADO

Cientistas de duas universidades em Ontário, Canadá estão desenvolvendo o primeiro kit de teste doméstico portátil do mundo projetado para fazer o rastreamento de câncer. O dispositivo permite aos pacientes monitorar seu próprio sangue em busca de biomarcadores exclusivos do câncer de próstata. Esse é uma avanço substancial que vai facilitar a descoberta precoce do câncer em muitos pacientes. Então, leia o artigo completo a seguir e saiba dos detalhes dessa excelente notícia.

Novo protótipo portátil está sendo desenvolvido para kit de rastreamento de câncer em casa

 

 

Engenheira biomédica Leyla Soleymani – por Georgia Kirkos, McMaster University

Cientistas de duas universidades em Ontário, Canadá, relataram progresso em seus esforços para lançar o primeiro kit de teste doméstico portátil do mundo projetado para fazer o rastreamento do câncer.

Um kit de rastreamento domiciliar para diferentes tipos de câncer seria uma mudança no jogo na busca por um monitoramento de saúde mais proativo. Para esse fim, pesquisadores das universidades McMaster e Brock estão desenvolvendo um dispositivo que permite aos pacientes monitorar seu próprio sangue em busca de biomarcadores exclusivos do câncer de próstata.

O dispositivo funciona de forma muito semelhante aos monitores que as pessoas com diabetes usam para testar seus níveis de açúcar no sangue.

Normalmente, quando os pacientes enviam amostras de sangue para um laboratório, os médicos procuram biomarcadores específicos que indiquem sinais de que um câncer pode estar presente. Esses biomarcadores são substâncias químicas dentro do corpo que podem indicar condições normais ou anormais se estiverem super ou sub-representadas em uma amostra de sangue.

Um biomarcador para câncer de próstata, por exemplo, pode ser a presença de uma substância química chamada antígeno específico da próstata (PSA). Níveis anormalmente altos desse antígeno são um indicador para os médicos de que o câncer de próstata pode estar se desenvolvendo no corpo do paciente. Amostras de sangue colhidas nos estágios iniciais para encontrar níveis elevados de PSA podem, portanto, fornecer aos pacientes a chance de tratar o câncer mais rapidamente, levando a melhores resultados.

O dispositivo desenvolvido na McMaster and Brock permite aos usuários misturar uma gota de seu sangue em um frasco contendo um líquido reativo preparado pelo laboratório. Os usuários então colocam essa mistura em uma tira e inserem no sistema de leitura do dispositivo. Então, após alguns minutos, o dispositivo mede a presença de PSA e informa o usuário sobre o grau em que o câncer pode estar presente.

Se os usuários puderem fazer um teste como este no conforto de sua própria casa – evitando uma ida ao consultório médico – mais pessoas podem estar verificando sua própria saúde e, possivelmente, detectar doenças em um estágio anterior. Também reduziria o número de vezes que os pacientes precisam sair de casa para fornecer amostras de sangue, uma vez que tenham sido diagnosticados.

Leyla Soleymani, engenheira biomédica da McMaster e presidente de pesquisa do Canadá em dispositivos biomédicos miniaturizados, liderou a equipe responsável pelo hardware do dispositivo, incluindo o chip que lê a amostra.

“Este é mais um passo em direção à medicina verdadeiramente personalizada”, disse ela em uma declaração de McMaster. “Estamos nos afastando de equipamentos centralizados e baseados em laboratório para esse tipo de teste.”

Os pesquisadores também apontam que essa tecnologia pode ser facilmente adaptada para medir outros marcadores, dependendo da forma do câncer ou de outra doença crônica. O dispositivo também permitiria que os pacientes continuassem a monitorar sua saúde após o tratamento.

Dispositivos futuros poderiam pesquisar por biomarcadores adicionais indicando condições anormais de outros tipos de câncer. A equipe também acredita que a tecnologia pode ser facilmente adaptada para medir indicadores de outras doenças crônicas além do câncer. Muitas doenças podem ser identificadas, como a equipe expressou em sua publicação acadêmica de prova de conceito, usando uma abordagem de “código de barras biológico”.

Mais testes, além do estudo de prova de conceito, serão necessários antes que a equipe possa buscar aplicações comerciais. Mas o desenvolvimento seria um grande salto em frente, aumentando a acessibilidade do monitoramento de saúde proativo e personalizado em casa.

Fonte: Good News Network

Continuar lendo CIÊNCIAS: KIT DE RASTREAMENTO DE CÂNCER DOMESTICO DE PROSTATA ESTÁ SENDO TESTADO

SAÚDE: O SUS ESTÁ MAIS ÁGIL PARA PACIENTES QUE PROCURAM ATENDIMENTOS PARA INÍCIO DO TRATAMENTO DE CÂNCER DE MAMA, SEGUNO DADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Outubro Rosa | Dados do Ministério da Saúde mostram que início do tratamento do câncer de mama para pacientes que procuram atendimento no SUS está mais ágil

Publicado em 18 minutos atrás

Em

Por Redação

O início do tratamento do câncer de mama para pacientes que procuram atendimento no SUS está mais ágil. Dados apresentados nesta quarta-feira (7) pelo Ministério da Saúde de janeiro e julho de 2020 mostram que, em 99,57% dos casos atendidos, o tempo entre o diagnóstico e o tratamento do carcinoma in situ, estágio inicial do câncer de mama, foi de até 30 dias. No mesmo período de 2019, isso aconteceu em 99,16% dos casos.

Em 75,54% dos atendimentos, o tempo de até 60 dias entre o diagnóstico e o tratamento em todos os estágios do câncer de mama no SUS foi respeitado.

Ter o diagnóstico precoce do câncer de mama aumenta a possibilidade de um tratamento menos agressivo e de cura da doença. Por isso, a campanha Outubro Rosa 2020 busca conscientizar as mulheres sobre a importância de ficar atenta para a prevenção e para os sinais da doença.

Foi após uma mamografia, ao fazer exames de rotina, que a bibliotecária Rosa Maria de Abreu, de 58 anos, descobriu o câncer de mama, em 2015. Ela passou por cirurgia, quimioterapia e hoje está curada.

“O fato de ter sido feito por meio de um exame preventivo, foi diagnosticado bem no início. É fundamental para gente ter acesso a tratamento. O diagnóstico preventivo antes de estar muito avançado é maravilhoso”, disse. “Façam o exame de toque que algumas podem detectar já bem no início alguma alteração na mama. Tudo tem que ser diagnosticado, que não tenham medo”, alertou.

O depoimento de Rosa Maria foi exibido durante o lançamento, pelo Ministério da Saúde, da campanha Outubro Rosa que é celebrada anualmente. Neste ano, o slogan é “Cuidado com as mamas, carinho com seu corpo”.

“A campanha do Outubro Rosa que vem na televisão, no seu trabalho, que você recebe um folheto, é muito importante pra ela lembrar de se olhar, se cuidar, porque a prevenção ainda é o melhor remédio”, avaliou Rosa Maria.

A cerimônia de lançamento da campanha contou com a presença da primeira-dama, Michelle Bolsonaro e da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Sintomas e Sinais

Entre os sintomas que podem ser um indicativo do câncer de mama estão o surgimento de caroço fixo e, geralmente, indolor, no seio. Essa é a principal manifestação da doença, presente em cerca de 90% dos casos, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Outros sinais são pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito, pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço e saída espontânea de líquido anormal pelos mamilos.

Esses sinais e sintomas devem ser investigados por um médico para que seja avaliado o risco de ser câncer.

Fatores de risco

O câncer de mama não tem apenas uma causa. A idade é um dos mais importantes fatores de risco. Cerca de 4 em cada 5 casos ocorre após os 50 anos, de acordo com o Inca.

O sedentarismo, o consumo de bebidas alcoólicas, a obesidade e histórico familiar de câncer de mama e de ovário também aumentam o risco da doença.

Prevenção

De acordo com o Inca, cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como praticar atividade física, ter alimentação saudável, manter o peso corporal adequado, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e amamentação.

Diagnóstico precoce

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais em grande parte dos casos. Para isso, é importante que as mulheres façam o autoexame que pode revelar pequenas alterações mamárias.

Em caso de permanecerem as alterações, elas devem procurar logo os serviços de saúde para uma avaliação.

Ministério da Saúde recomenda que, a cada dois anos, seja ofertada para mulheres entre 50 e 69 anos, a mamografia de rastreamento, exame realizado mesmo quando não há sinais nem sintomas suspeitos.

“Fica uma observação: quanto mais cedo tratar, mais chance de curar, quanto mais cedo detectar, mais chance de tratar e de curar. É simples assim. O ministério recomenda que o rastreamento desse câncer, ele é muito forte entre 50 e 69 anos, é o ponto mais importante. Mas todas as outras idades também são importantes, desde a jovem mulher”, afirmou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Atendimento e  tratamento no SUS

O SUS oferta atenção integral à prevenção e ao tratamento do câncer de mama. O controle passa pelo diagnóstico precoce na Atenção Primária à Saúde e pelo rastreio mamográfico.

Mesmo com a Covid-19, o Sistema Único de Saúde (SUS) continuou com o atendimento e a oferta de tratamento às pacientes com câncer de mama. O SUS oferece cirurgias como mastectomias, cirurgias conservadoras e reconstrução mamária, além de radioterapia e quimioterapia.

O Ministério da Saúde também conta com o Plano de Expansão da Radioterapia no Sistema Único de Saúde (PERSUS) que já implantou 24 aceleradores lineares, com um investimento de R$ 700 milhões. O objetivo do plano é ampliar e criar novos serviços de radioterapia em hospitais.

Prognóstico

estimativa do Instituto Nacional do Câncer, vinculado ao Ministério da Saúde, é que, em 2020, sejam registrados 66.280 novos casos de câncer de mama em mulheres no Brasil.

Fonte: Conexão Política

Continuar lendo SAÚDE: O SUS ESTÁ MAIS ÁGIL PARA PACIENTES QUE PROCURAM ATENDIMENTOS PARA INÍCIO DO TRATAMENTO DE CÂNCER DE MAMA, SEGUNO DADOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

HOSPITAL DA PM EM NATAL ENCERRA UTI VOLTADA PARA COVID-19, APÓS REDUÇÃO DE PACIENTES

Com redução de pacientes, Hospital da PM encerra UTI Covid em Natal

 SAÚDE

O Hospital Central Coronel Pedro Germano (Hospital da Polícia Militar) encerrou nesta sexta-feira (28) as atividades da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tratamento de pacientes diagnosticados com a Covid-19.

A medida foi possível devido à redução dos casos de coronavírus no Estado. De acordo com o hospital, os leitos serão reaproveitados para o tratamento de outros diagnósticos.

Ao todo atuaram na UTI 40 médicos, 11 fisioterapeutas, 19 enfermeiros, 60 técnicos de enfermagem e 22 higienistas e maqueiros. Foram seis meses de trabalho de uma equipe multiprofissional composta por militares e civis.

Fonte: Blog do BG

Continuar lendo HOSPITAL DA PM EM NATAL ENCERRA UTI VOLTADA PARA COVID-19, APÓS REDUÇÃO DE PACIENTES

SEM CASOS DE COVID-19 HOSPITAL TARCÍSIO MAIA EM MOSSORÓ FAZ INVERSÃO DE UTI

Sem casos de Covid-19, Hospital Tarcísio Maia libera UTI para pacientes gerais; VÍDEO

UTI montada para atender só pacientes com Covid-19, com mais leitos, passa a ser destinada ao atendimento geral, enquanto que UTI geral agora é dedicada aos pacientes com coronavírus

Redação
23/08/2020 | 12:47

Com a redução no ritmo de avanço da pandemia do novo coronavírus no Rio Grande do Norte, a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) inverteu na última sexta-feira 21 as duas unidades de tratamento intensivo (UTI) do Hospital Tarcísio Maia, em Mossoró, na região Oeste do Estado.

A partir de agora, a UTI que foi montada para atender exclusivamente pacientes com Covid-19 passa a ser destinada ao atendimento geral, enquanto que a UTI geral agora é dedicada aos pacientes com coronavírus. Com a inversão, agora são 20 leitos gerais e apenas 9 para Covid.

Segundo a Sesap, a inversão aconteceu porque caiu a demanda por leitos para tratar Covid-19 em Mossoró. No dia do fechamento da UTI para coronavírus, não havia pacientes internados com a doença na unidade.

Pelas redes sociais, a governadora Fátima Bezerra comemorou o fechamento de leitos para tratar a Covid. Ela compartilhou um vídeo no Instagram feito por profissionais de saúde do hospital. Nas imagens, eles narram os momentos de dificuldade vividos na UTI.

“Foram 136 dias de muita luta e medo, mas acima de tudo muita vontade de vencer. 211 profissionais de saúde, entre médicos (22), enfermeiros (21), fisioterapeutas (36), técnicos de enfermagem (120) e higienistas (12). Heróis anônimos de carne, osso e sentimento cuidaram de 227 pacientes. 227 ‘amores de alguém’”, afirmaram os profissionais de saúde, em cartazes apresentados no vídeo.

Eles continuam: “As portas da temida UTI Covid (agora não mais Covid) se abrirão para receber mais vidas para salvarmos, como escolhemos fazer, mas dessa vez sem o peso dos capotes, dos óculos e do medo. Ainda não é o fim, a Guerra contra todas as ameaças invisíveis que existem continua. E nós continuaremos aqui por vocês”.

Na legenda, a governadora escreveu: “Gratidão”.

Continuar lendo SEM CASOS DE COVID-19 HOSPITAL TARCÍSIO MAIA EM MOSSORÓ FAZ INVERSÃO DE UTI

HOSPITAL EM ASSU RECEBE O INCREMENTO DE LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

Rede hospitalar do Oeste recebe incremento de leitos para atendimento geral e de Covid-19

Hospital Regional Nelson Inácio dos Santos recebeu 10 leitos de UTI e 6 leitos clínicos

Redação
18/08/2020 | 22:37

Em cumprimento à agenda no interior do Estado, a governadora Fátima Bezerra participou nesta terça-feira (18) da solenidade de entrega de novos leitos no Hospital Regional Nelson Inácio dos Santos, em Assu, na região Oeste. Para tratamento exclusivo Covid, foram ativados 10 leitos de UTI e 6 leitos clínicos, que já estão em funcionamento, e mais 2 leitos serão instalados até o final do mês. A unidade ganhará reforço também no setor de internação geral: 10 leitos clínicos serão instalados nas próximas semanas, para reativação de um setor que estava parado havia quatro anos.

Em seu discurso, a governadora lembrou que “a Sesap não mediu esforços para que o Vale do Açu contasse com esses leitos de UTI. Estamos atendendo a essa reivindicação antiga da população e vamos lutar para que esses leitos fiquem como legado do Governo”. Maura Sobreira, secretária adjunta da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), reforçou que “o Plano de Contingência de Enfrentamento ao Coronavírus tem contemplado a assistência hospitalar em todo o RN. Com a abertura destes leitos, já prontos para entrar no sistema Regula RN, todas as regiões de saúde agora contam com leitos de UTI”.

Os 10 leitos de UTI exclusivos para tratamento Covid entregues pela governadora se somam aos 4 leitos clínicos e 2 de estabilização, com respiradores, monitores de sinais vitais, aspiradores e desfibriladores, abertos no dia 10 de junho. Desde então, foram registrados 31 pacientes recuperados e que tiveram alta hospitalar.

O Governo do RN investiu R$ 437 mil, através da Sesap para a estruturação dos novos leitos. Os 6 monitores e 10 respiradores usados nas UTIS foram doados pelo Projeto Todos Pela Saúde. O Estado também custeou materiais e insumos como roupas de cama e banho, além de ter assumido contratos de manutenção, como a gasometria, que vão aumentar o custo mensal da unidade.

A fala do diretor geral, Alberto Luiz de Lima Trigueiro, destacou o trabalho do governo: “O hospital tem 21 anos e há todo esse tempo era aguardada a implantação destes leitos. Só temos a agradecer à governadora”.

A Sesap aumentou e capacitou a equipe técnica que atua no hospital: 61 profissionais foram lotados na unidade, além da contratação da Cooperativa Médica para cobrir 124 plantões de 12 horas por mês. A secretaria também ofertou duas capacitações em ventilação mecânica para todos os profissionais que atuarão na UTI. Atualmente o hospital conta com: 245 servidores efetivos e 47 contratados de limpeza e vigilância e 65 servidores temporários.

Presente à ocasião, o deputado estadual George Soares lembrou o benefício “a pelo menos 240 mil pessoas do Vale do Açu e região salineira” e completou: “Quando a governadora assumiu, esse hospital estava caótico. Meu obrigado pela sua determinação”. O deputado estadual Francisco do PT reconheceu: “Quero destacar que a senhora está fazendo a diferença, governadora, nesse momento difícil”.

A instalação de novos leitos só foi possível graças à reforma realizada no local, no valor de R$ 640 mil, financiada com recursos federais destinados aos gastos com saúde na pandemia. O projeto contemplou novos pontos elétricos, pintura, recuperação de banheiros, adequação nos leitos e parede de isolamento.

Ainda em 2020, foi realizada a informatização da farmácia central do hospital, possibilitando maior controle na distribuição de insumos e medicamentos, regularizando estoque e evitando faltas tão comuns no passado. Em maio de 2019, por meio do Banco Mundial, foi encaminhada uma ambulância para a unidade.

O Hospital Regional Nelson Inácio dos Santos tem área de abrangência para atendimento de pacientes dos seguintes municípios: Assu, Fernando Pedroza, Angicos, São Rafael, Itajá, Ipanguaçu, Alto do Rodrigues, Pendências, Porto do Mangue, Carnaubais, Paraú e Triunfo Potiguar. A unidade é dotada de centro de referência em obstetrícia, que funciona 24 horas (em sistema de urgência e emergência); mais centro de cirurgias eletivas; clínica médica para internamentos e retaguarda para UPA de Assu e prontos socorros municipais. Representando a Secretaria Municipal de Assu, Lilian Fagundes agradeceu a ação em nome de todos os municípios beneficiados.

Estiveram presentes ao evento o vice-governador Antenor Roberto; secretária adjunta do Gabinete Civil, Samanda Alves; a assessora especial da governadoria, Inês Almeida; a professora Aldeísa Silva, representando a 11ª Direc; a Diretora de Relações de Gênero do SINTE, Fátima Costa; e o representante do mandato do senador Jean Paul, Tércio Pereira.

Fonte: Agora RN 

Continuar lendo HOSPITAL EM ASSU RECEBE O INCREMENTO DE LEITOS PARA PACIENTES DA COVID-19

PACIENTES INTERNADOS COM CORONAVIRUS NO HOSPITAL DE CAMPANHA DE NATAL 75% JÁ TIVERAM ALTA

Após 3 meses, Hospital de Campanha de Natal já deu alta a 75 % dos pacientes

Até o último levantamento, realizado no dia 28 de julho, 52 pacientes estão internados no local, sendo 41 nos leitos clínicos e 11 na Unidade de Terapia Intensiva

Por Redação – Publicado em 04/08/2020 às 18:38

HCN conta com 120 leitos, sendo 100 de enfermaria e 20 UTIs com respiradores, monitores cardíacos, bombas de infusão, estrutura para realização de hemodiálise

Em funcionamento há três meses, o Hospital de Campanha de Natal (HCN) tem sido uma das peças fundamentais no sucesso obtido por Natal no enfrentamento à pandemia da Covid-19. Nesse período, foram 611 pacientes admitidos e tratados na unidade. A taxa de pessoas curadas, que receberam alta na unidade, atingiu o patamar de 75,77% (419 pacientes). Já o número de óbitos foi de 134, com um percentual de 24,23%.

Até o último levantamento, realizado no dia 28 de julho, 52 pacientes estão internados no local, sendo 41 nos leitos clínicos e 11 na Unidade de Terapia Intensiva. O HCN conta com 120 leitos, sendo 100 de enfermaria e 20 UTIs com respiradores, monitores cardíacos, bombas de infusão, estrutura para realização de hemodiálise. Além disso, contam com tomógrafo, laboratório, farmácia, sala de assistência social e necrotério.

“Viabilizamos o Hospital de Campanha de Natal em tempo recorde. A taxa de pacientes curados comprova o acerto da gestão em implementar a iniciativa que reforçou nossa rede. Além do HCN, também ampliamos os leitos no Hospital Municipal, reestruturamos as Unidades de Pronto Atendimento, definimos horário maior de funcionamento para 10 Unidades Básicas de Saúde, implementamos os Centros de Enfrentamento à Covid, realizamos ações de testagem e estamos intensificando medidas de fiscalização. Graças a tudo isso e à contribuição do natalense, estamos atingindo essa queda da doença. Vamos seguir trabalhando para manter esses bons números”, ressaltou o prefeito de Natal, Álvaro Dias.

Diariamente, 450 profissionais da saúde atuam na linha de frente do HCN somando esforços à Prefeitura do Natal no combate ao Coronavírus na capital. São médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos bioquímicos, assistentes sociais, técnicos de enfermagem, engenheiros clínicos, técnicos de laboratório, técnicos em radiologia e auxiliares de farmácia que cuidam das pessoas que chegam à unidade com a Covid-19.

Em atenção aos que trabalham na linha de frente, ainda no final de julho, foram iniciadas no Hospital de Campanha atividades de Práticas Integrativas Complementares, oferecendo alguns serviços para os profissionais que lá atuam com: Auriculoterapia; Massoterapia; Relaxamento; Reflexologia. Outra iniciativa importante que tem ajudado a humanizar o atendimento no local é a terapia através de música.

A dinâmica de recebimento de pacientes é bem clara no Hospital de Campanha. O HCN é uma unidade de porta fechada, ou seja, não é para o cidadão que está com os sintomas se dirigir direto para o local. Ele deve buscar primeiramente as Unidades Básicas de Saúde, os Centros de Enfrentamento a Covid ou as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que irão fazer a avaliação dos casos e a posterior regulação do paciente para o Hospital de Campanha, se assim for preciso.

Continuar lendo PACIENTES INTERNADOS COM CORONAVIRUS NO HOSPITAL DE CAMPANHA DE NATAL 75% JÁ TIVERAM ALTA

PREFEITO DE NATAL SANCIONA LEI QUE PERMITE A ENTREGA DE IVERMECTINA E CLOROQUINA À PACIENTES CONDICIONADOS À AVALIAÇÃO MÉDICA COM SINTOMAS LEVES DE CORONAVIRUS

Álvaro Dias sanciona lei que permite entrega de ivermectina e cloroquina para pacientes

Uso dos medicamentos está condicionado à avaliação médica, a partir do momento de identificação de sintomas ou sinais leves do coronavírus

Por Redação – Publicado em 31/07/2020 às 18:03

Kit de medicamentos será distribuído de acordo com a receita médica

Visando ao enfrentamento do novo coronavírus no município de Natal, o prefeito Álvaro Dias sancionou duas leis que tratam do combate à Covid-19, aprovadas pela Câmara Municipal do Natal (CMN) e publicadas na edição desta sexta-feira (31) do Diário Oficial do Município (DOM).

A Lei n.º 7.044, de 08 de julho de 2020, autoriza a Secretaria Municipal de Saúde (SMS-Natal) a disponibilizar, gratuitamente, um kit de medicamentos aos pacientes infectados pela Covid-19 que possuam receita médica com a indicação de tratamento com fármacos, como hidroxicloroquina, cloroquina, ivermectina, azitromicina ou outros medicamentos que venham a ser liberados e preconizados pelo Ministério da Saúde, Conselho Federal de Medicina (CFM) e Conselho Regional de Medicina – RN (Cremern).

O uso dos fármacos está condicionado à avaliação médica, a partir do momento de identificação de sintomas ou sinais leves da doença, com realização de anamnese, exame físico e exames complementares, em Unidade de Saúde. É importante frisar que o médico é responsável pelo tratamento do paciente e, caso prescreva os referidos medicamentos, deverá aplicar o Termo de Ciência e Consentimento para o uso da cloroquina.

O kit de medicamentos será distribuído de acordo com a receita médica, utilizando o protocolo regulamentado pelo Ministério da Saúde, somente para adultos (maiores de 18 anos). Os medicamentos deverão ser entregues em um sistema organizado por etapas, de forma que evite aglomerações à população. O receituário médico deve ser de controle especial em nome do paciente. Para retirar o medicamento, o paciente, acompanhante ou responsável, deverá apresentar receita médica legível em nome do paciente e documento oficial com foto. A Lei terá o prazo de vigência em consonância com o período de aplicação das medidas e restrições de deslocamento decorrentes do vírus Covid-19 estabelecidas pela Prefeitura de Natal.

A segunda Lei sancionada (Lei n. º 7.046, de 08 de julho de 2020), implanta, em caráter de excepcionalidade, e enquanto durar a pandemia, o uso da telemedicina no sistema público de saúde de Natal para todas as especialidades da medicina, de acordo com o disposto na Lei n. 13.989, de 15 de abril de 2020 e na Portaria do Ministério da Saúde n. 567, de 20 de março de 2020.

A telemedicina é o exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde, dispostos na Lei n. 13.989, de 15 de abril de 2020. O Conselho Regional de Medicina fica com a incumbência de fiscalizar o procedimento previsto na Lei, enquanto que a Prefeitura se encarregará de realizar campanha publicitária para informar e incentivar o uso da telemedicina pela população natalense, durante a pandemia.

Fonte: Agora RN

Continuar lendo PREFEITO DE NATAL SANCIONA LEI QUE PERMITE A ENTREGA DE IVERMECTINA E CLOROQUINA À PACIENTES CONDICIONADOS À AVALIAÇÃO MÉDICA COM SINTOMAS LEVES DE CORONAVIRUS

RN ESTÁ COM NÍVEL CRÍTICO DE ESTOQUE DE ANESTÉSICO E BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES USADOS EM PACIENTES QUE PRECISAM SER ENTUBADOS EM UTIS

Por Igor Jácome, G1 RN

 

No RN, MPF cobra fornecimento de medicamento contra câncer - Unicat — Foto: Reprodução/Inter TV CabugiNo RN, MPF cobra fornecimento de medicamento contra câncer – Unicat —

O Rio Grande do Norte está com nível crítico de estoque de medicamentos anestésicos e bloqueadores neuromusculares usados na sedação de pacientes em leitos críticos de Covid-19 e outras doenças que precisam ser intubados em UTIs, por exemplo. Segundo levantamento feito pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) na semana passada (12 a 18 de julho), dos 22 remédios pesquisados, 16 estavam com estoques totalmente zerados e apenas três contavam com estoque para três dias ou mais.

De acordo com o Conass, o RN estava entre os seis estados com a situação mais preocupante no país. A situação teria se agravado por causa do aumento expressivo de internamentos, provocados pela Covid-19. Somente em junho, o país teria usado quantidade superior à de todo o ano de 2019. Os remédios são usados, por exemplo, em pacientes internados em UTIs, intubados, usando ventilação mecânica, como os infectados pelo coronavírus.

Nesta sexta-feira (23), o diretor técnico da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat), Thiago Vieira, afirmou queo estado recebeu uma remessa enviada pelo Ministério da Saúde e, por isso, ainda conta com estoque disponível para cerca de 10 dias a 12 dias. A previsão leva em consideração número de internados, tendência de queda e média de consumo por paciente.

Segundo a pesquisa do Conass, medicamentos como a “Fentanila, Citrato 0,05 mg/ml” que tem um consumo médio mensal de 56,2 mil ampolas estava com estoque suficiente para apenas meio dia, na semana passada. O Brometo de Rocurônio, usado na intubação traqueal – procedimento usado em pacientes graves de Covid-19, por exemplo, estava zerado. O consumo médio mensal, de acordo com o levantamento, é de 30,2 mil ampolas. Utilizado em sedações em unidades de terapia intensiva (UTI), o Midazolam 5 mg/ml era o medicamento com mais estoque.

“A situação é crítica no país inteiro em virtude de termos um ‘boom’ de internações e não termos fornecedores com os quantitativos que todo o país precisa. Na semana passada o governo federal pegou esses mesmos medicamentos em um país vizinho, que foi o Uruguai, para mandar para o Rio Grande do Sul e para Santa Catarina. Hoje a indústria nacional não consegue dar conta da quantidade de insumos necessários para manter os pacientes que estão em leitos críticos, intubados, de maneira confortável”, considerou Thiago Vieira.

De acordo com ele, a pandemia também atrapalhou a importação dos sais usados na produção dos medicamentos e a indústria não consegue entregar a quantidade solicitada pelos estados. O estado espera receber mais uma remessa na próxima semana.

“Não temos notícias de falta atualmente nos hospitais. Pode haver uma falta pontual de algum medicamento, mas com a disponibilidade de um substituto”, considerou.

Fonte: G1 RN
Continuar lendo RN ESTÁ COM NÍVEL CRÍTICO DE ESTOQUE DE ANESTÉSICO E BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES USADOS EM PACIENTES QUE PRECISAM SER ENTUBADOS EM UTIS

HOSPITAIS DO RN SÓ DISPÕEM DE DOSES SUFICIENTES PARA DOIS PACIENTES PICADOS POR COBRA JARARACA

Por G1 RN

 

Hospital Giselda Trigueiro é um dos hospitais de referência para picadas de animais peçonhentos no RN — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV CabugiHospital Giselda Trigueiro é um dos hospitais de referência para picadas de animais peçonhentos no RN

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), emitiu um alerta do Programa de Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos da Subcoordenadoria de Vigilância Ambiental (Suvam) sobre a necessidade de reforçar as medidas de prevenção contra acidentes envolvendo serpentes no estado. Isso por que os estoques estão críticos. De acordo com a pasta, só a soro antiofídico suficiente para dois pacientes picados por jararaca em estoque, neste sábado (11).

Acidentes com jararacas são comuns no estado. Em janeiro deste ano, uma mulher de 49 anos picada por um animal acabou morrendo, mesmo após tomar o soro. O caso aconteceu no município de Dix-Sept Rosado, na região Oeste. Por causa do baixo estoque, os soros só são distribuídos entre quatro hospitais de referência em Natal, Mossoró, Caicó e Pau dos Ferros. De acordo com a pasta, porém, os estoques estão vazios em Mossoró e Pau dos Ferros, ambas as cidades no Oeste.

De acordo com a secretaria, o problema é decorrente da crise de abastecimento de soros antivenenos – utilizados para tratar picadas de serpentes e outros animais peçonhentos – que afeta todo o país. Os soros antivenenos são fornecidos unicamente pelo Ministério da Saúde, que desde 2013 vem enviando um número de soros menor do que o solicitado pelos estados.

“O cenário se deve às adequações necessárias, por parte dos laboratórios produtores, para cumprir as normas exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em virtude disso, são recomendadas algumas estratégias para o enfrentamento da escassez desses insumos, como o controle diário e minucioso dos estoques, centralização em unidades estratégicas e o uso racional desses imunobiológicos”, disse a pasta.

Segundo a técnica responsável pelo controle dos soros da Sesap, Luanna Oliveira, “o estoque de soro antibotrópico (contra jararaca) está muito reduzido, tornando-se insuficiente para atender a demanda crescente dos acidentes. Na rede hospitalar de referência para esses atendimentos no RN, dispomos apenas do quantitativo para atender dois acidentes graves”, disse.

Segundo a Sesap, novos pedidos foram feitos, mas a situação do Ministério da Saúde também é delicada com estoques reduzidos para atender todos os estados, além de enfrentamento de dificuldades com a diminuição dos voos para transporte dos insumos.

Crise antiga

Em 2013, o estado reduziu de 19 unidades hospitalares para seis, os hospitais de referência para picada de cobras, para centralizar mais o estoque. Diante da nova crise vivenciada em 2019, foi necessário centralizar ainda mais a oferta desse serviço e atualmente há no RN quatro unidades hospitalares que recebem os insumos: Hospital Giselda Trigueiro (Natal), Hospital Tarcísio Maia (Mossoró), Hospital Regional do Seridó (Caicó), Hospital Dr. Cleodon Carlos de Andrade (Pau dos Ferros). Em Mossoró e Pau dos Ferros, porém, o estoque está vázio.

Prevenção

Segundo a Sesap, entre os cuidados para prevenção de acidentes com serpentes recomendados pelo Ministério da Saúde estão: usar sapatos fechados de cano alto ou perneiras ao caminhar na mata ou entre folhas secas; ter muita atenção e usar luvas de couro ao manejar locais onde as serpentes possam estar presentes, como matas, tocas, troncos e lenhas de árvores. No amanhecer e no entardecer, é preciso evitar aproximar-se de vegetação muito próxima ao chão, gramados ou até mesmo jardins, pois é nesse momento que serpentes estão em maior atividade.

Outra recomendação é não colocar as mãos desprotegidas em buraco e cupinzeiros, folhas secas, monte de lixo, lenha e palhas, evitar acúmulo de lixo ou entulhos que possam atrair ratos ou outros pequenos animais, um dos principais alimentos das serpentes. Trabalhadores rurais devem fazer uso de equipamentos de proteção individual (EPI).

“Em caso de acidente, deve-se lavar o local da picada apenas com água e sabão, procurar o serviço de saúde mais próximo. Se capturar o animal, levá-lo junto para ser identificado, o que ajudará no tratamento, com o uso do soro específico para cada tipo de envenenamento ou informar ao médico o máximo possível de características do animal, como: fotos, tipo do animal, cor, tamanho. Além disso, não se deve amarrar o braço ou perna picada, fazer prática de torniquetes ou garrotes, perfurar o local da picada nem utilizar materiais como pó de café, folhas, álcool, querosene, ou outros contaminantes, nem chupar o local da picada”.

Centro de Assistência Toxicológica

A Sesap disponibiliza o Ceatox, para orientação por telefone em qualquer situação de envenenamento. O Ceatox funciona em regime de plantão permanente 24h por meio dos números telefônicos: 0800 281 7005 / 3232.4295 / 98125-1247 / 98803.4140 (WhatsApp).

Fonte: G1 RN
Continuar lendo HOSPITAIS DO RN SÓ DISPÕEM DE DOSES SUFICIENTES PARA DOIS PACIENTES PICADOS POR COBRA JARARACA

GOVERNO DO ESTADO DAR ESCLARECIMENTOS SOBRE CONTRATO DE AMBULÂNCIAS PARA PACIENTES COM CONVID-19

Governo do Estado esclarece sobre contrato de ambulâncias para pacientes Covid

Sobre os questionamentos externados pelo deputado estadual Gustavo Carvalho, em sessão legislativa do dia 08.07.2020, relativos à contratação de ambulâncias para os pacientes acometidos pela Covid, o Governo do Rio Grande do Norte tem a esclarecer que:

A celebração do contrato de n.º 80/2020, para a operação de ambulâncias que visam transportar pacientes acometidos pela Covid das unidades de saúde para a rede integrada de hospitais do estado, se deu com o objetivo de garantir o direito à saúde pública de toda população e em cumprimento à recomendação conjunta dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e da Defensoria Pública do Estado.

No documento, além de conceder um prazo de 72 horas para “atenuação do cenário de crise e de colapso no serviço de transporte sanitário”, os órgãos de controle reforçaram que a Secretaria de Saúde Pública (Sesap) poderia se valer do previsto no artigo 4º da lei federal de n. 13.979/20, que prevê a dispensa de licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde destinados ao enfrentamento da pandemia.

MPs e Defensoria concederam, ainda, um prazo de cinco dias para apresentação de relatório que demonstre as medidas adotadas.

A Sesap seguiu rigorosamente o rito da legislação citada quando da contratação de seis ambulâncias, com equipe de profissionais e insumos, para realizar a transferência dos usuários com sintomas graves de infecção humana causada pela pandemia. Neste sentido, faz-se necessário ressaltar que, com todo o esforço do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a quantidade de pacientes a serem transportados encontrava-se acima da capacidade de operação. Toda a transparência e zelo com o bem público foram, como de praxe, cuidadosamente respeitados.

Esclarecemos, ainda, que a contratação se deu por estimativa, uma vez que as diárias das ambulâncias com profissionais da área médica somente serão pagas se os serviços forem requisitados, evitando, assim, o desperdício de dinheiro público.

Quanto à empresa vencedora do certame, informamos que esta atendeu aos critérios estabelecidos no chamamento público e que foram observadas as condições especiais de habilitação previstas na norma federal. Neste aspecto, faz-se necessário observar que a exigência que constava no edital inicial, no sentido de que os veículos a serem contratados tivessem necessariamente o nome da empresa no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV), foi alvo de impugnação, por ser considerada cláusula de restrição de mercado. A data de abertura da empresa e localização de sua sede, ambas questionaras pro parlamentar, não podem servir de vedação por parte do ente público.

O Governo reitera, por fim, como papel prioritário, nesse momento crítico, o de assegurar a prestação dos serviços contratados, o que já vem acontecendo; de evitar desperdício de recursos públicos e, em especial, de vidas, sempre com total publicidade e disponibilização de informações a todos os órgãos de controle. Essa, repetimos, é prática habitual do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, que prima pelo zelo, ética e transparência.

Fonte: Blog do BG
Continuar lendo GOVERNO DO ESTADO DAR ESCLARECIMENTOS SOBRE CONTRATO DE AMBULÂNCIAS PARA PACIENTES COM CONVID-19

SAÚDE: IMT DA UFRN EM PARCERIA COM HEMONORTE PARTICIPAM DE PESQUISA PARA USO DE PLASMA EM PACIENTES COM QUADRO GRAVE DE COVID-19

 

Hemonorte participa de pesquisa para uso do plasma em pacientes com Covid-19

 SAÚDE

O Instituto de Medicina Tropical da UFRN (IMT) e o Hemonorte receberam recentemente aprovação do Comitê Nacional de Ética e Pesquisa para o projeto que vai avaliar o uso do plasma de pacientes curados da Covid 19 em pessoas que estão com quadro grave da doença.

A seleção dos doadores e receptores será realizada pelo IMT, ficando o Hemonorte responsável pela coleta do plasma através de um procedimento especial chamado aférese.

Os dados obtidos com essa pesquisa vão ajudar o Ministério da Saúde e a Anvisa a consolidar ou aprovar o uso do plasma terapêutico como ferramenta de tratamento para o Coronavírus.

De acordo com o diretor geral do Hemonorte, Rodrigo Villar, “esse tipo de terapia já foi usada em outras epidemias como a H1N1, Ebola e a SARS, com resultados positivos”.

Além disso, o Ministério da Saúde aprovou recentemente o uso do plasma fora da pesquisa clínica. O Hemonorte vai receber a doação de sangue de doadores com mais de 30 dias de recuperação dos sintomas e disponibilizar o plasma para os casos que os médicos achem necessário.

As bolsas de plasma convalescente serão armazenadas de forma especial e enviados às unidades de saúde que estão tratando pacientes com Covid-19.

Continuar lendo SAÚDE: IMT DA UFRN EM PARCERIA COM HEMONORTE PARTICIPAM DE PESQUISA PARA USO DE PLASMA EM PACIENTES COM QUADRO GRAVE DE COVID-19

PARCERIA DO GOVERNO DO RN COM LIGA CONTRA O CÂNCER É CELEBRADA

MPRN, MPF/RN, MPT/RN, Governo e Liga celebram acordo para criação de 60 leitos hospitalares para pacientes com Covid-19

 SAÚDE

Foto: reprodução/Liga

O Ministério Púbico do Rio Grande do Norte (MPRN), o Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPT/RN), o Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Norte (MPT/RN), o Governo do Estado e a Liga Norte-riograndense contra o Câncer celebraram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para incrementar a quantidade de leitos hospitalares disponíveis na rede estadual de saúde pública para o enfrentamento da Covid-19. O documento foi assinado neste domingo (26) e consiste na adequação dos procedimentos para a celebração de convênio entre o Governo e a Liga.

O convênio prevê a transferência de recursos públicos com o objetivo de incremento e disponibilização à rede estadual de saúde pública de até 60 novos leitos hospitalares destinados ao enfrentamento da Covid-19. Inicialmente, 40 leitos serão construídos no Hospital Doutor Luiz Antônio, em Natal, sendo 20 de UTI adulto e outros 20 leitos de enfermaria destinados ao internamento de pacientes oncológicos suspeitos ou confirmados de Covid-19. Os demais 20 leitos serão construídos na Policlínica e serão destinados aos pacientes em geral, suspeitos ou confirmados da doença, caso a SESAP considere necessário tal incremento. A implantação desses leitos vai obedecer a uma lógica progressiva de abertura, com vistas à racionalização da despesa pública.

No TAC, o Governo e a Liga se comprometem a implantar e manter em atividade regular uma Comissão de Acompanhamento do TAC, estabelecer um protocolo técnico de atendimento específico para a Covid-19, elaborar um Plano Operativo, distribuir dados/informações e cooperação, métodos de gestão e apoio logístico cooperado de recursos humanos e ainda assegurar as condições de saúde e segurança do trabalho aos profissionais contratados da área da saúde, especialmente quanto ao uso de equipamentos de proteção individual adequados ao risco existente, devendo também ser garantido o adicional de insalubridade.

Diante da situação emergencial ocasionada pela pandemia da Covid-19, para poder cumprir o estabelecido no TAC, o Governo do Estado se comprometeu a utilizar de todos os meios legalmente previstos para formalização do convênio com a Liga.

A Liga se comprometeu a executar o que foi pactuado de acordo com o Plano Operativo elaborado em conjunto com o Governo do Estado e a prestar contas dos recursos financeiros (dentre os quais eventuais rendimentos das aplicações financeiras). Além disso, terá que transferir ao patrimônio do Estado, ao final da crise da Covid-19, todos os leitos hospitalares e equipamentos adquiridos com os recursos oriundos do acordo firmado, além de insumos não empregados na sua execução.

A Liga deverá manter atualizadas na plataforma RegulaRN (http://regulacao.saude.rn.gov.br/) as informações sobre número de leitos disponíveis para Covid-19 e os bloqueados, classificando-os em UTI, Semi-intensivo e Enfermaria/retaguarda, bem como também a quantidade de respiradores em funcionamento, danificados e em manutenção.

O Governo do Estado vai efetuar o repasse imediato do montante de R$ 4 milhões para a Liga. Esses recursos serão utilizados para implementação dos 40 leitos iniciais. Para essa primeira fase do convênio, O Governo do Estado vai repassar um total de R$ 22 milhões para a Liga.

O Governo ainda se comprometeu a criar um espaço na Página de Transparência dedicado exclusivamente à divulgação das despesas relacionadas à celebração do ajuste previsto no TAC, juntamente com as ações de combate à Covid-19, nele constando os empenhos, contratos, fornecedores e demais informações decorrentes do dever de transparência.

Caso o Governo do Estado e a Liga descumpram quaisquer das obrigações contidas no TAC firmado, poderão responder de acordo com as medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis. O Ministério Público vai manter procedimento de acompanhamento para fiscalizar a execução de eventual instrumento decorrente do termo de compromisso, a fim de garantir sua lisura e plena execução, devendo os gestores e beneficiários colaborarem com a sua instrução.

Fonte: Blog do BG

Continuar lendo PARCERIA DO GOVERNO DO RN COM LIGA CONTRA O CÂNCER É CELEBRADA

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar

Fechar Menu
×

Carrinho