SEGUNDO MOURÃO, PESSOS PODEM DISCORDAR DA SUA VISÃO MAS  NÃO PRECISAM  OFENDÊ-LO

Podem discordar da minha visão, mas não precisam ofender’, diz Mourão

 

Igor Gadelha

Por Igor Gadelha, CNN  

 Atualizado 21 de novembro de 2020 às 20:13

Mourão: “Podem discordar de minha visão, mas não precisam ofender” - O Antagonista

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou à CNN que sua opinião de que “não existe racismo” no Brasil foi dada com base em estudos sobre a formação da nacionalidade brasileira. Ele disse que pessoas podem discordar da visão, mas não precisam ofendê-lo.

“Essa é minha opinião à luz do estudo da formação de nossa nacionalidade. Inclusive fui claro ao comparar com o que vi em outro país. Pessoas podem discordar de minha visão, mas não precisam ofender”, declarou o general da reserva à coluna, por meio de mensagem de texto.

A explicação foi dada por Mourão horas após ele comentar, nessa sexta-feira (20), a morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos que morreu após ser espancado por seguranças do supermercado Carrefour, em Porto Alegre (RS).

Mourão classificou a morte como “lamentável”, disse que o caso é de uma “segurança totalmente despreparada”, mas negou que o crime possa ter sido motivado por questões raciais. “Para mim, no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil. Isso não existe aqui”, afirmou.

“Digo para vocês o seguinte, porque eu morei nos EUA: racismo tem lá. Eu morei dois anos nos EUA, e na escola em que eu morei lá, o ‘pessoal de cor’ andava separado. Eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil. Saí do Brasil, fui morar lá, era adolescente e fiquei impressionado com isso aí. Isso no final da década 60”, disse.

“Mais ainda, o pessoal de cor sentava atrás do ônibus, não sentava na frente do ônibus. Isso é racismo. Aqui não existe isso. Aqui você pode pegar e dizer é o seguinte: existe desigualdade. Isso é uma coisa que existe no nosso país”, acrescentou Mourão. A colocação provocou fortes reações de movimentos anti-racistas.

Fonte: CNN

Deixe uma resposta