SEGUNDO JORNAL, MILHÕES EM AÇÕES FORAM OCULTADOS NA SUIÇA PELO REI JUAN CARLOS I

 

Juan Carlos I ocultou na Suíça milhões em ações, diz jornal

Segundo publicação, monarca tinha contas no país para a fundação Zagatka, em que foram encontrados movimentos milionários de possíveis propinas

INTERNACIONAL

Da EFE

Rei Juan Carlos I ocultou dinheiro em bancos suíços

O rei Juan Carlos I, da Espanha, ocultou em dois bancos suíços milhões de euros em ações de grandes empresas do país, através de contas da Fundação Zagatka, que supostamente teria sido utilizada para cobrar propinas, conforme publica nesta terça-feira (24) o jornal local El Confidencial.

A publicação aponta que, durante quase duas décadas, o pai do atual monarca, Filipe VI, foi acionista do BBVA, Banco Santander, Iberdrola, ACS, Ence, Abertis, Endesa, Acciona e Repsol, entre outras companhias e que o responsável por estes investimentos era a Fundação Zagatka, por sua vez, dirigida pelo primeiro de Juan Carlos I, Álvaro de Orleans.

Segundo documentos a que teve acesso o El Confidencial, as contas da fundação nos bancos Credit Suisse e Lombard Odier registraram movimentos de compras de ações em “valores milionários”, com o dinheiro proveniente de supostas operações de propinas por intermediação.

Desta forma, a Zagatka investia automaticamente essas comissões no mercado de ações e produtos financeiros para tentar obter novos ganhos.

Quando eram efetuadas vendas parciais dessas ações, o dinheiro obtido era empregado, supostamente, por Juan Carlos I para pagar voos privados, estadias em hotéis ou simplesmente ter disponibilizada alguma quantia em dinheiro.

Entre as operações realizadas, o El Confidencial detalha uma realizada em 6 de janeiro de 2009, em que a Fundação Zagatka adquiriu 35 mil ações da Iberdrola por cerca de 235 mil euros; outra seis dias depois, com o recebimento de 1,5 mil euros de dividendo por 15 mil ações do Banco Popular, além de um bônus ganho de 5,2 mil euros por títulos do BBVA.

Além de empresas espanholas cotada na bolsa de Madri, a fundação apontada como ligada ao rei Juan Carlos I, registrou operações com fundos de investimento internacionais, como a seguradora suíça Swissa Re, a companhia petrolífera francesa Total, e a empresa alemã de energia Eon.

Além disso, a Zagatka teve em sua carteira de investimentos, porcentagem de outras multinacionais, como Alstom, Henkel, Carlsberg, Carrefour, Telecom, Sanofi, Bayer, Allianz, Veolia e BHP Billition.

Em 2015, 44% do patrimônio da fundação era composto por participação em empresas, com uma administração de ativos que girava em torno de 13 milhões de euros. Em agosto de 2018, último dado apresentado pelo “El Confidencial”, a parcela do patrimônio era de 59%, embora o valor tenha caído para 7,8 milhões de euros.

Juan Carlos I, que em junho de 2014 abdicou em favor de Felipe VI e se tornou rei emérito, tem estado envolvido em diversas informações sobre possíveis negócios ocultos, após ter tido grande prestígio na sociedade espanhola durante anos. Desde agosto deste ano, o monarca ele vive fora da Espanha.

Desde que passou o reinado para o herdeiro, o rei perdeu a inviolabilidade concedida pela Constituição do país, como chefe de Estado. Atualmente, há três investigações em aberto contra ele, por suposta ocultação de capital; por uma conta aberta na Suíça e uma suposta cobrança de propina; e outra por uso de cartões de créditos.

 

Deixe uma resposta