SEGUNDO INFORMAÇÕES DAS SECRETARIAS DE SAÚDE E DOS HEMOCENTROS, 16 ESTADOS E DISTRITO FEDERAL ESTÃO COM ESTOQUES DE SANGUE BAIXO OU CRÍTICOS

Bancos de sangue de 16 estados e do DF estão com estoques baixos ou críticos

Manutenção dos estoques de bancos públicos de sangue depende da regularidade das doações

Giulia AlecrimCarolina FigueiredoLucas Rocha

da CNN

em São Paulo

Cinco estados estão com estoques normalizados: Ceará, Rio Grande do Norte, Roraima, Paraná e AmapáCinco estados estão com estoques normalizados: Ceará, Rio Grande do Norte, Roraima, Paraná e AmapáDiego Nigro/PCR

Uma única doação de sangue pode beneficiar até quatro pessoas. A manutenção dos estoques de bancos públicos de sangue depende da regularidade das doações.

Segundo um levantamento da CNN, realizado com base em informações das secretarias de Saúde e dos hemocentros, 16 estados e o Distrito Federal estão com estoques baixos ou críticos nos bancos de sangue.

Além do DF, a escassez atinge Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Bahia, Pernambuco, Amazonas, Tocantins, São Paulo, Mato Grosso, Maranhão, Acre, Piauí, Sergipe, Goiás, Pará e Rondônia.

Outros cinco estados estão com estoques normalizados, considerando a maioria dos tipos de sangue: Ceará, Rio Grande do Norte, Roraima, Paraná e Amapá. Já os estados do Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Alagoas e Paraíba não responderam à solicitação da CNN.

Critérios para a doação de sangue

  • Estar alimentado e evitar alimentos gordurosos 3 horas antes da doação
  • Caso seja após o almoço, aguardar 2 horas
  • Dormir pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas
  • Ter de 16 a 69 anos e pesar acima de 50 kg
  • Já ter doado antes dos 60 anos, caso tenha entre 60 e 69 anos
  • Máximo de quatro doações anuais para homens e três para mulheres
  • Intervalo mínimo entre uma doação e outra de dois meses para homens e de três meses para mulheres

Doação de sangue beneficia pessoas com talassemia

As talassemias são um grupo de doenças hereditárias crônicas associadas à redução ou ausência de hemoglobina – substância dos glóbulos vermelhos do sangue responsável pelo transporte de oxigênio para o organismo.

Pessoas com talassemia podem apresentar sintomas variados, incluindo anemia persistente, aparência pálida, aumento do baço, distúrbios cardíacos e endócrinos, atraso no crescimento, além de infecções recorrentes.

Segundo o Ministério da Saúde, o tratamento e acompanhamento desses pacientes geralmente é realizado pela Rede Nacional de Hematologia e Hemoterapia (Hemorrede), integrada pelos Hemocentros Coordenadores Estaduais e hemorredes regionais.

O tratamento contribui para evitar complicações da doença que, em casos mais graves, pode levar à necessidade de transplantes de medula óssea.

Pacientes com o tipo de talassemia com anemia grave necessitam de transfusões de sangue de forma regular, geralmente a cada 20 dias, em média, para sempre, desde os primeiros dias de vida.

Sistema Único de Saúde (SUS) oferece o atendimento integral, desde o diagnóstico, monitoramento e o transplante de medula óssea quando indicado.

Segundo dados do Ministério da Saúde, até abril já foram registrados 930 pacientes com a doença no Brasil. Entre os pacientes, cerca de 36% tem entre 20 e 39 anos.

Deixe uma resposta