SEGUNDO INDEC, A INFLAÇÃO NA ARGENTINA CHEGOU A QUASE 60% EM ABRIL

Inflação na Argentina alcança maior patamar em 30 anos

Dados de abril sinalizam que a alta dos preços deve ultrapassar 65% no fim do ano, conforme prevê o Banco Central

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner, ao tomarem posse do governo do país - 10/12/2019 | Foto: Charly Diaz Azcue/Senado da Argentina

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner, ao tomarem posse do governo do país – 10/12/2019 | Foto: Charly Diaz Azcue/Senado da Argentina

A inflação na Argentina chegou a quase 60% em abril, informou o Instituto de Estatística e Censos (Indec). Trata-se do maior avanço da inflação em 12 meses desde janeiro de 1992, sob o governo do então presidente Carlos Menem.

No quarto mês do ano, os preços aumentaram 6% em relação a março, queda de quase 1 ponto porcentual em relação ao registrado do mês anterior, quando ocorreu o maior aumento mensal dos últimos 20 anos (quase 7%).

Os dados sinalizam que as projeções do Banco Central do país estão corretas. A autoridade monetária estima que a inflação na Argentina no fim deste ano deve ultrapassar 65%. A meta do governo está entre 40% e 50%.

Em março, o presidente do país, Alberto Fernández, fechou um acordo com o Fundo Monetário Internacional para renegociar uma dívida de mais de US$ 40 bilhões. Uma das promessas é baixar a inflação da Argentina.

Inflação na Argentina em abril

A alta dos preços foi puxada pelos setores de roupas e calçados (cerca de 10%), restaurantes e hotéis (pouco mais de 7%), saúde (quase 6,5%) e comidas e bebidas (quase 6%). Pelo segundo mês consecutivo, a categoria que mais impactou em todas as regiões foi alimentos e bebidas não alcoólicas.

Fonte: R7

Deixe uma resposta