SAÚDE FEMININA: PONTO G, ELE EXISTE. VEJA O PASSO A PASSO DE COMO CHEGAR LÁ!

Na coluna SAÚDE FEMININA deste sábado um artigo sensacional para desmistificar o famoso, mas muitas vezes inalcançável “PONTO G”. Aqui você vai descobrir com encontrá-lo e como tirar todo o proveito dessa área do seu corpo ainda tão desconhecida pela maioria das mulheres. Leia o artigo e saiba tudo sobre o assunto.

AFINAL, COMO FAÇO PARA ENCONTRAR MEU PONTO G?

Por Hannah Rimm e Zahra Barnes – Women’s Health EUA

Como encontrar o ponto G
Foto Shutterstock

ponto G é um dos assuntos mais debatidos quando se trata da saúde sexual das mulheres. Desculpe o trocadilho, mas vamos direto ao ponto: sim, definitivamente essa área existe e é absolutamente acessível.

“O ponto G é a esponja uretral posicionada contra a parede vaginal”, explica Carolanne Marcantonio, terapeuta sexual sênior e co-fundadora da Wise Therapy (EUA). “Semelhante a um pênis ereto, a esponja fica maior quando excitada, para que você possa encontrá-la melhor.”

Dito isto, algumas pessoas podem pensar que o ponto G não existe simplesmente porque nem toda mulher tem um. “Além disso, ele envolve a uretra, o que pode fazer você sentir vontade de fazer xixi e nem sempre isso é prazeroso”, completa Marcantonio. Então, se você não gosta dessa sensação, não faz mal – apenas pule essa parte quando estiver se tocando.

Mas se você sem querer passou por seu ponto G algumas vezes e ficou tipo “NOSSA” – ouça. Não é apenas o seu ponto G que parece incrível. “Quando o ponto G é estimulado, ele empurra o clitóris e os ligamentos clitoriais, o que causa prazer”, explica Marcantonio. “Tudo está conectado”.

Agora que você sabe que existe, como encontrar o ponto G?

Primeira coisa: você precisa saber onde procurar. O ponto G está entre o osso púbico e a parte da frente do colo do útero, a cerca de duas polegadas da abertura vaginal, na parede frontal da sua vagina (a que fica mais perto do estômago e não das costas). E apesar de ser considerado um mistério da sexualidade humana, uma vez que você o encontra, pode desbloquear o duplo orgasmo vaginal e clitoriano (sim!).

Mas antes de colocar os dedos, procure estar excitada. Isso porque assim mais sangue corre para sua região pélvica e o local fica mais elevado e mais fácil de ser encontrado. Então acenda algumas velas, fantasie, veja alguma pornografia feminista ou o que preferir. Uma vez que você está no ponto, Marcantonio recomenda “inserir seu (s) dedo (s) de dois a três centímetros para cima, curvando-o (s). Em seguida, balance-os em direção ao umbigo.”

Seu ponto G pode parecer mais áspero do que outras partes de sua vagina, ou uma área estriada, mas nem sempre é o caso. “Não há uma textura específica que você precise procurar”, diz Marcantonio. “A melhor maneira de achar é experimentar.”

Encontrei! E o que devo fazer agora?

“Use uma pressão firme e profunda para acariciar a área. Tente um movimento circular ou mais de uma técnica para cima e para baixo”, indica Yvonne K. Fulbright, educadora de sexualidade (EUA). Outro método popular é mover seus dedos em um movimento “venha aqui”.

Tenha em mente que o ponto G não está na parede frontal da vagina. Em vez disso, é algo que você pode sentir pelo centro da parede frontal ou um pouco à esquerda ou à direita do centro. Já que não está lá, você pode precisar de mais pressão do que pensa para acertá-lo.

Se você está lutando para encontrar o ponto G com os dedos, ou apenas quer mais pressão do que seus dedos podem produzir, Marcantonio recomenda tentar um brinquedo sexual curvo e não vibratório. Dica: lubrifique antes de inseri-lo lentamente e faça um movimento de balanço em direção ao seu umbigo.

Se estiver se sentindo bem até agora, aumente o ritmo e crie muitas fricções ao aumentar suas chances de orgasmo. “Estimular a área criará sensações se for um ponto quente para você. Algumas pessoas descrevem uma sensação em todos os órgãos genitais e corpo”, diz Fulbright. “Outras dizem que ficam muito mais molhadas”. Ainda melhor, ela diz que as mulheres relataram que os orgasmos do ponto G são mais cheios, mais intensos, mais emocionais e mais encorpados do que a variedade clitoriana. É claro que, se você não o alcança, mas se sente bem de qualquer maneira, isso também é incrível. Conhecer melhor o seu corpo é sempre uma coisa boa.

“A sensibilidade do ponto G também varia com base no ciclo menstrual”, diz Marcantonio. De fato, “todos os pontos de prazer podem mudar à medida que o corpo progride através de seu ciclo”. Então não surte se a sensação mudar ao longo do mês – isso é apenas o seu corpo trabalhando normalmente.

Estimular o ponto G pode me ajudar a ejacular?

Se você estiver interessada em ter uma ejaculação feminina, tocar seu ponto G pode ser o caminho certo. “Embora nem todo mundo consiga, e a ejaculação não seja igual a orgasmo, a estimulação do ponto G é frequentemente relacionada ao potencial de ter um squirt – como é chamada a ejaculação feminina –, já que isso geralmente ocorre quando a mulher está chegando ao pico durante a estimulação do ponto G”, explica Fulbright.

A ejaculação feminina vem do “acúmulo de líquido na esponja uretral”, acrescenta Marcantonio. Se bastante líquido se acumula e é seguido por pressão intensa (tanto no ponto G como no clitóris), a ejaculação pode ocorrer. Isso nem sempre acontecerá – isso depende de quão hidratada você é –, mas se estiver excitada, definitivamente vale a pena tentar. Apenas, lembre-se de colocar uma toalha antes de tentar.

Mais importante ainda, lembre-se de que todo corpo é diferente. Por isso, se a sua primeira tentativa de estimulação do ponto G não for um sucesso total, continue experimentando. Afinal, a prática leva a perfeição, certo?

Fonte: Womens Health Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0