SAIBA QUAIS AS MELHORES CIDADES DO BRASIL PARA MORAR E TRABALHAR

Descubra as melhores cidades para se morar (e trabalhar) no Brasil

Wesley Santana, colaboração para CNN Brasil Business

 Atualizado 12 de fevereiro de 2021 às 15:18

Resultado de imagem para Descubra as melhores cidades para se morar (e trabalhar) no Brasil

Está enganado quem pensa que as capitais são os melhores lugares para se viver no Brasil. De acordo com o Índice de Desafios da Gestão Municipal elaborado pela consultoria Macroplan, que classificou as 100 maiores cidades do Brasil segundo quesitos como educação, saneamento, saúde e segurança, apenas Curitiba (PR) e Vitória (ES) aparecem no top 10.

A campeã do ranking é Maringá (PR) com uma taxa de 0,756, em uma escala que vai até 1,000. O município se destaca pela segurança: o número de homicídios e mortes no trânsito vem caindo ao longo dos últimos anos. Além disso, a cidade conta com boa estrutura de saúde pública, o que fez com que saltasse seis posições desde o último levantamento.

Na segunda posição, aparece Jundiaí (SP) com um índice bem próximo, de 0,746. O município de 420 mil habitantes se destaca pela estrutura de saneamento, que quase alcançou a nota máxima da categoria (0,960). Os moradores contam com coleta de lixo e 99% deles têm acesso a abastecimento de água. Já o tratamento de esgoto abrange 98% dos lares.

Completando o pódio está São José do Rio Preto (SP), que tem um bom desempenho em educação. A taxa de aprovação do ensino fundamental é de 96%, enquanto a média nacional é de 90%.

Impactos na saúde

De acordo com o estudo, 55 das 100 localidades mapeadas tiveram queda nas taxas de saúde. Um exemplo disso é Campina Grande (PB) que perdeu 31 posições no ranking, passando do 49º para o 80º lugar. Neste caso específico, a taxa de mortalidade infantil aumentou em 51% no período de um ano, atingindo a marca de 15,4 por cada 100 mil habitantes, de acordo com o DataSUS.

Certamente, a crise de 2020, provocada pelo novo coronavírus, deve aprofundar as desigualdades nacionais e mostrar a disparidade que existe entre as mais de 5 mil cidades brasileiras, como destacam os coordenadores do estudo. Para eles, os prefeitos que assumiram seus cargos no início de 2021 têm desafios agudos, principalmente em relação à taxa de desemprego elevada e um contexto fiscal bastante preocupante.

“A agenda de recuperação econômica e a redução das desigualdades necessitarão, mais do que nunca, de articulação entre os entes da federação, terceiro setor e iniciativa privada, do uso intensivo de dados, evidências e inovação no setor público”, destaca a economista-sênior e coordenadora do Índice, Adriana Fontes.

São Paulo versus Rio de Janeiro

Em um comparativo entre as cidades mais populosas do Brasil, a capital paulista teve um desempenho superior em 2019. A metrópole aparece em quarto lugar na disputa entre as capitais brasileiras, atrás de Curitiba, Vitória e Belo Horizonte (MG). Já no ranking geral, ocupa a 19ª posição, enquanto o Rio de Janeiro fica no 42 lugar.

De São Paulo vem a melhor performance nacional em segurança pública. Segundo o mapeamento, apresenta o menor índice de homicídios: são 3,7 casos por 100 mil habitantes. Em 2019, foram 909 óbitos provocados por acidentes de trânsito.

Já no Rio de Janeiro, o número de homicídios foi três vezes maior, superando 11 mortes a cada 100 mil pessoas. No trânsito, porém, o número foi bem menor, de 382 durante todo o ano, o que coloca a cidade abaixo da média nacional, de 5,7 registros por 100 mil habitantes.

Deixe uma resposta