PONTO DE VISTA: ATÉ QUANDO VAMOS CONTINUAR ASSISTINDO OS MINISTROS DO STF RASGAR A CONSTITUIÇÃO?

Caro(a) leitor(a),

A arrogância e insolência, marcas registradas do ministro Gilmar Mendes continuam em alta nas suas falácias. Diante da ameaça da instalação da CPI da Lava Toga, para investigar os atos abusos de autoridade e corrupção dele, Dias Toffoli e Ricardo Lewandoviski, veio a público mais uma vez, na base do desespero, destacar que: “Se a CPI da Lava Toga for instalada, o STF manda trancá-la”. 

Nós não temos obrigação de entender que um ministro do STF falou algo tão autoritário e ditatorial, porque estava se sentindo acuado e ficou nervoso. Afinal, sub-entende-se que alguém que chegou àquele cargo está absolutamente preparado para trabalhar sob pressão, ou seja, é inerente do cargo. Portanto, o fato é que um dos elementos da mais alta côrte brasileira agiu como um ditador ao invés de defender a democracia e a constituição. Pelo contrário, nesse momento ele rasgou, mais uma vez, a Constituição.

E ai, vai ficar assim? 

Gilmar dá tiro no pé: “Se a CPI da Lava Toga for instalada, o STF manda trancá-la”

Percebendo que o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, não suportando mais a pressão, começa a dar sinais claros de que poderá instalar a CPI da Lava Toga, o ministro Gilmar Mendes resolveu entrar em cena.

O todo poderoso declarou ao jornal Folha de S.Paulo que a Lava Toga “é flagrantemente inconstitucional”.

Na sequência mandou um recado direto ao grupo de senadores que luta em prol da CPI.

“(…) Se essa CPI fosse instalada, produziria nenhum resultado. Certamente, o próprio Supremo mandaria trancá-la.”

Um autêntico tiro no pé do ministro falastrão.

A ameaça vai insuflar os senadores, que vão pressionar ainda mais e provavelmente terão êxito.

E, caso a ameaça Gilmar se cumpra, não tenham dúvida, os pedidos de impeachment fatalmente serão desengavetados.

E o de Gilmar certamente será o primeiro.

Quem viver, verá!

da Redação

Fonte: Jornal da Cidade On Line

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0