PONTO DE VISTA: AS AUTORIDADES NÃO TÊM CACIFE PARA COBRAR ORDEM SE NÃO DÃO O EXEMPLO

A nossa coluna PONTO DE VISTA desta quarta-feira faz uma  singela homenagem ao amigo, palestrante, empresário e mentor Nélio Wanderley, que escreveu um texto irretocável sobre a sua visão na nossa atual realidade política e econômica, chegando a conclusão que “o vírus mais letal é um povo dividido”. Que visão precisa, realista e franca da nossa situação atual em meio a maior pandemia da história da humanidade que já ceifou as vidas de mais de 350 mil brasileiros. É sabido por todos que a união faz a força e a desunião causa a destruição. Vale a pena insistir nesse cabo de guerra? Então convido você a ler esse texto magnífico, refletir, tirar as suas conclusões e tomar uma atitude!

E se deputados e senadores andarem armados no Congresso? | Ruth de Aquino - O Globo

O vírus mais letal é um povo dividido

Quando se vê o poder Executivo:
 – Reprimindo uso de medicamentos para tratamento precoce.
– Permitindo que a população se aglomere em ônibus lotados, sem tomar nenhuma providência.
– Sucateando o setor de saúde e fazendo obras faraônicas em outros setores.
– Aglomerando pessoas e sem fazer uso de máscara protetora.
– Fazendo Lockdown indiscriminado destruindo empresas, empregos e renda.
– Perseguindo ambulantes e abandonando a população a própria sorte sem renda para sobreviver.
– Fazendo licitações a toque de caixa e posteriormente sendo apurado desvios, comissões e produtos impróprios para uso ou não entregues.
– Puxando o tapete do outro mesmo sabendo que quem vai perder é o povo.
– Colocando a polícia para prender o cidadão de bem que precisa trabalhar.
– Usando as polícias para perseguir o povo e largando o mesmo nas mãos dos bandidos por falta de ação ostensiva ao crime.
– Fazendo jogo de força, criando uma crise por dia através de palavras, atos e ações.
Quando se vê o poder Legislativo:
– Colocando pautas bombas para enfraquecer outro poder sob a proposta de criar dificuldade para gerar facilidade.
– Não fazendo o seu papel de melhorar as leis existentes, facilitando a vida de todos através da tranquilidade, transparência e segurança das empresas.
– Não agindo em de forma contundente para prorrogação das eleições municipais para mais 2 anos, momento em que a população já estaria vacinada.
– Fazendo jogo de força, criando uma crise por dia através de palavras, atos e ações.
Quando se vê o poder Judiciário:
– Insistindo em fazer uma eleição municipal no momento mais perigoso em que já se começava a queda da curva de contaminação e mortes.
– Priorizando decisões que elevam o nível de instabilidade política, enfraquecendo o comando central e transferindo o poder em época de crise.
– Julgando soltura de bandidos e quando era o momento prioritário para reprimir os bandidos da máfia da verba da saúde que estão dando risada do povo.
– Aliviando uso de provas legais para alguns e autorizando uso de provas ilegais para outros.
– Abrindo investigação, julgando, prendendo e em um futuro próximo condenado em uma só instância.
– Fazendo jogo de força, criando uma crise por dia através de palavras, atos e ações.
Quando se vê a População:
– Aglomerado em festas clandestinas seja em praias paradisíacas ou favelas.
– Denunciando pequenos atos como por exemplo: Três crianças tomando banho em uma piscina de um condomínio as 21hs, provocando um aparato policial para reprimir essa “aglomeração”.
– Difundindo Fakenews indiscriminadamente, sem olhar a fonte, o contexto ou a veracidade dos fatos.
Quando falta Exemplo de cima, não se pode exigir o cumprimento pela parte de baixo!
Nélio Wanderley

Deixe uma resposta