POESIA: ANCESTRAIS, SOBRE RENASCER PARA A LIBERDADE, POR ALLAN DIAS CASTRO
Allan Dias Castro, como nasce um poema

Uma grande coincidência está acontecendo nesta terça-feira, aqui no Blog do Saber. O tema recorrente nas diversas colunas é “Liberdade”. Também aqui na coluna POESIA temos um belíssimo poema recitado pelo talentoso Allan Dias Castro: “Ancestrais”, que versa sobre renascer para a liberdade. Assista, reflita e faça o seu juízo de valor!

Voz ao verbo 160 – Ancestrais (Allan Dias Castro)

Quantas gerações dormem dentro de um sonho?

Seus bisavós, avós, seus pais?

Às vezes são tantas, que nem você desperta mais

Mas um sonho não é um bastão de frustrações hereditárias

Por mais que hajam opiniões contrárias

Basta que uma pessoa seja a favor de fazê-lo acontecer: Sim, você.

Pensa nessa vida como se fosse uma viagem

Nossos ancestrais nos deram a passagem

Mas ninguém pode viajar no lugar de alguém

Quem nunca escutou frases como: Sempre foi assim na nossa família,

Isso não está no nosso sangue, não é pra gente

Nem tente, porque ser realizado não é nossa realidade

Tenha vontade, mas tenha mais limites.

Eu diria, respeite essas opiniões, mas não acredite

São escolhas, existe uma diferença

Entre quem diz que sabe o caminho e quem caminha

Repito, respeite: cada um fez o que pôde

Com as possibilidades que tinha

Por isso não existe culpa

O que nos deixa estagnados

É viver olhando pra trás procurando culpados

Aquele que é capaz de olhar o passado

E agradecer, já entendeu:

Por mais parecidos que sejam os caminhos

Cada um tem que fazer o seu

Os que vieram primeiro nos deram a chance

De aprender até como erros

Honrar as antigas gerações

É cortar o cordão umbilical das frustrações

Isso é dar à luz à própria vida

É renascer pra liberdade

Assumir a responsabilidade do seu sonho

É escolher sua realidade

Fonte:

Deixe uma resposta