PAPA FRANCISCO NEGA INFORMAÇÃO DE UMA POSSÍVEL RENÚNCIA

Papa Francisco desmente rumores de possível renúncia

A agência Reuters publicou uma entrevista na qual o pontífice nega qualquer plano de deixar o cargo a curto prazo

Na entrevista, Francisco voltou a condenar o aborto e compará-lo a um assassinato

Na entrevista, Francisco voltou a condenar o aborto e compará-lo a um assassinato | Foto: Reprodução/Vatican News

Portais de todo o mundo noticiaram, nos últimos meses, rumores de que o papa Francisco estaria planejando renunciar em breve, principalmente em razão de problemas de saúde. A agência Reuters, no entanto, publicou nesta segunda-feira, 4, uma entrevista na qual o papa nega a informação. Pelo contrário, ele disse que irá ao Canadá neste mês e que planeja ir a Moscou e a Kiev o mais rápido possível, depois de voltar do continente americano.

De acordo com os boatos propagados na mídia, a renúncia estaria prevista para o fim de agosto, quando cardeais de todo o mundo irão se reunir para discutir uma nova Constituição do Vaticano, haverá uma cerimônia para empossar novos cardeais e uma visita à cidade italiana de L’Aquila, associada ao papa Celestino V, que renunciou ao papado em 1294.

Segundo a Reuters, Jorge Bergoglio, 85 anos, riu da pergunta e disse que “nunca passou pela minha cabeça” renunciar. “Por enquanto, não; por enquanto, não. Realmente”, enfatizou o pontífice. No entanto, voltou a repetir que poderia renunciar algum dia se a saúde debilitada tornasse impossível para ele dirigir a Igreja — algo quase impensável antes de Bento XVI.

Francisco também negou que esteja com câncer e deu detalhes de sua enfermidade no joelho, que fez com que, em maio, aparecesse em uma cadeira de rodas e cancelasse a viagem programada para junho ao Congo e ao Sudão. Ele disse ter sofrido “uma pequena fratura” no joelho quando deu um passo em falso enquanto um ligamento estava inflamado e que não quer uma operação, porque a anestesia geral na cirurgia no colón do ano passado teve efeitos colaterais negativos.

Papa volta a condenar o aborto

O papa argentino também repetiu sua condenação ao aborto, após a decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos rever uma posição de 49 anos e delegar aos Estados a competência para legislar sobre o tema. Comparou o aborto a “contratar um assassino de aluguel” e lançou uma pergunta ao repórter da Reuters: “É legítimo, é certo eliminar uma vida humana para resolver um problema?”.

Questionado sobre o fato de políticos católicos norte-americanos, como o próprio Joe Biden e a presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, defenderem o aborto, Francisco preferiu não polemizar: “Quando a Igreja perde sua natureza pastoral, quando um bispo perde sua natureza pastoral, isso causa um problema político. Isso é tudo o que posso dizer”.

Deixe uma resposta