OPINIÃO: A VERDADE SOBRE O DÓLAR QUE A ESQUERDA NÃO QUER VER

Caro(a) leitor(a),

Achei fantástico e muito didático o artigo a seguir de Frederico Rodrigues acerca da verdade sobre o dólar para os esquerdistas de plantão que estão criticando o dólar a 4,20. Eles esquecem o que aconteceu nos governos petistas e de corrigir valores pela inflação. Leia o artigo completo a seguir e entenda como foi!

Esquerda esquece de corrigir valores pela inflação para culpar Bolsonaro pelos erros do PT

Mas o esquerdismo é uma doença mental que impede o paciente até mesmo de fazer contas simples. É natural então que universitários que gritam “Lula Livre” não tenham capacidade para perceber que, ao fazer comparações de dados econômicos históricos, é necessário que se corrija pela inflação do período.

Vamos lá:

1. A maior cotação histórica do dólar, se deu em 2002, quando Lula estava prestes a ser eleito, e todo investidor sensato estava com medo de que ele colocasse em ação o discurso comunista que ele vivia pregando na TV. Inclusive revogar o plano real. Em valores atualizados, representa R$ 8,42 ou até mesmo R$ 12,10, se não levarmos em conta a inflação do dólar.

2. Logo após ser eleito, Lula foi agraciado com um cenário externo extremamente favorável, o que acabou causando a queda do dólar. Lula não fez nenhuma reforma econômica e durante seu governo surgiram os maiores esquemas de corrupção da história do Brasil. Resultado, o PT não aproveitou os tempos bons para preparar o Brasil para tempos difíceis.

3. Isso se refletiu no governo Dilma, que recebeu o Dólar a R$ 1,65 (chegou a R$1,56) e nos entregou a R$ 4,15 em jan de 2016. O dólar só começou a retroceder em 2016 quando seu impeachment estava iminente.

4. Bolsonaro recebeu um país quebrado pela corrupção e pela incompetência petista, e mesmo assim se dispôs a fazer as reformas necessárias e tem colhido bons resultados na área econômica (inflação controlada, número recorde de geração de empregos, corte de gastos).

5. A alta do dólar atual se deve mais ao cenário externo, com a Argentina que faz parte do Mercosul sob risco de calote e as guerras tarifárias entre China e EUA. Além é claro, a insegurança jurídica provocada pelo STF ao modificar o entendimento de uma lei para soltar Lula, o cara que quebrou o país.

6. Em resumo, Bolsonaro não teve o cenário externo favorável que Lula teve e mesmo assim se esforça para fazer as reformas necessárias e colhe bons resultados. Lula e sua política desastrosa fez o Brasil ficar em último lugar no crescimento entre os BRICs.

Engraçado nenhuma Agência de Checagem ter aparecido para verificar isso. Devem estar ocupados fingindo cegueira.

Frederico Rodrigues

Analista Político e Membro da Direita Goiás.

Fonte: Jornal da Cidade On Line

Deixe uma resposta