O CNN SINAIS VITAIS MOSTRA RECURSOS DA MEDICINA PARA TRAZER DE VOLTA A VISÃO DE PACIENTES COM DIFERENTES QUADROS CLÍNICOS

CNN Sinais Vitais mostra como a medicina avança na recuperação da visão

Falta de óculos e a catarata são responsáveis por 74,8% de todos os casos de deficiência visual no país, de acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia

Lucas Rocha

Michelle Trombelli

da CNN

em São Paulo

CNN Sinais Vitais mostra os avanços da medicina para recuperar a visão | CNN Brasil

Uma esfera de apenas 24 milímetros de diâmetro e com peso de 7 gramas e meio. Um dos órgãos mais preciosos para a sobrevivência dos seres humanos ao longo da história e para o convívio social. É a partir dos olhos que uma pessoa estabelece cerca de 90% do contato com o mundo exterior.

CNN Sinais Vitais desta semana mostra os recursos da medicina para trazer de volta a visão de pacientes com diferentes quadros clínicos.

A reprise do programa apresentado pelo cardiologista Roberto Kalil, vai ao ar na quarta-feira (2), às 22h30, logo após o Jornal da CNN, na faixa nobre da CNN Brasil.

O episódio apresenta as principais causas de cegueira reversível e os caminhos para que os pacientes consigam voltar a enxergar. A falta de óculos juntamente com a catarata são as principais condições que impossibilitam as pessoas de ver adequadamente.

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, os dois problemas, facilmente tratados, são responsáveis por 74,8% de todos os casos de deficiência visual no país. “É inacreditável que existam pessoas no Brasil que não enxergam por falta de óculos. Vivemos um momento de grande avanço da tecnologia, e as pessoas não têm acesso a algo tão básico”, afirma Kalil.

O acesso à oftalmologia ainda é restrito no país porque a especialidade não faz parte da atenção primária do Sistema Único de Saúde (SUS). O programa acompanhou alguns serviços de ponta que atendem pelo SUS e que conseguem devolver a visão aos pacientes.

“Hoje, a gente consegue, com a ajuda de um celular e um técnico de enfermagem, tirar uma fotografia do fundo de olho do paciente que está na periferia. A imagem é enviada para cá e analisada por um médico. Já fizemos 80 mil exames desse tipo pelo SUS. Aí só precisam vir para consulta aqueles cuja imagem indicou alteração”, conta Rubens Belfort Junior (veja entrevista no vídeo acima), presidente do Instituto da Visão, ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O retorno da visão

No episódio, a equipe acompanha uma cirurgia de catarata e o exato momento em que uma jovem volta a enxergar, depois de um transplante de córnea. O programa mostra também um dos maiores Bancos de Olhos do mundo, que fica em Sorocaba, no interior de São Paulo.

“Muitas vezes, o paciente do SUS com problemas na córnea fica aguardando encaminhamento, mas não precisa. Pode se inscrever no nosso site e terá um atendimento inicial por telemedicina. Confirmando que é uma pessoa que realmente precisa de transplante, ela rapidamente entra na fila de espera”, explica Edil Vidal De Souza, superintendente do Banco de Olhos de Sorocaba.

Para o professor titular de Oftalmologia da Faculdade de Medicina da USP, Remo Susanna Junior, além de recuperar a visão, o grande desafio da sua profissão é impedir que as pessoas fiquem cegas. “Ajudar alguém a voltar a enxergar é muito gratificante. Mas evitar que isso aconteça é ainda mais. Já sabemos que mais de 90% dos casos de cegueira são evitáveis, desde que as pessoas tenham acesso ao especialista e ao tratamento”, diz ele.

Deixe uma resposta