NASCE NO DF OS PRIMEIROS BEBÊS GÊMEOS DO BRASIL COM GENÉTICA DE DUAS FAMÍLIAS

Por Caroline Cintra, g1 DF

 

Gustavo Catunda e Robert Rosselló com os gêmeos Marc e Maya — Foto: Rafael Nunes e Mariana AerreGustavo Catunda e Robert Rosselló com os gêmeos Marc e Maya — Foto: Rafael Nunes e Mariana Aerre

Gustavo Catunda e Robert Rosselló têm motivo duplo para agradecer: na última quarta-feira (23) eles se tornaram pais dos gêmeos Marc e Maya. A história, que tinha tudo para ser a realização do sonho de um casal gay que busca a paternidade, tem um ingrediente ainda mais especial: os engenheiros civis são o primeiro casal gay do Brasil a ter filhos com o gene das duas famílias.

O nascimento dos bebês só foi possível após a aprovação da Resolução 2.294/2021, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que permite o uso de óvulos de parentes, de até quarto grau, para gerar bebês por meio de reprodução assistida. No caso, foi usado o sêmen de Robert e o óvulo da irmã de Gustavo, e quem carregou os gêmeos no ventre durante 35 semanas foi Lorenna Resende, prima de Gustavo.

O casal criou o perfil @2depais no Instagram para compartilhar todo o processo de fertilização in vitro, a gestação e a tão esperada e sonhada chegada de Marc e Maya, as 11h da manhã do dia 23 de fevereiro. “É o resultado da nossa história de amor”, dizem os pais.

A história de amor de Gustavo e Robert começou há mais de 10 anos, quando eles se conheceram no primeiro semestre da faculdade de engenharia civil. No começo, tornaram-se grandes amigos e, dois anos depois, começaram a namorar. Foi a primeira e única experiência homoafetiva dos dois.

“Sempre sonhamos em ter filhos. Era uma conversa que tínhamos enquanto amigos. Sempre falávamos que nossos filhos iriam brincar juntos. Uma das primeiras conversas que tivemos foi: tá, e agora, como vamos fazer para ter filhos?”, conta Gustavo.

Com o passar dos anos, eles dizem que começaram a pensar nas possibilidades de colocar o sonho em prática. Desde o início, o desejo era que o bebê tivesse a genética dos dois pais, mas, à época, isso não era possível no Brasil.

O casal começou a pensar em outras formas de paternidade, como adoção ou barriga de aluguel. Para a segunda opção teriam que fazer o processo em outro país.

“Até que minha prima aceitou ser nossa barriga solidária e voltamos com a ideia inicial de fazer a misturinha de nós dois. Vejo uma movimentação de energia muito grande. Às vésperas da gente assinar a compra dos óvulos, num banco internacional, a lei mudou no Brasil”, lembra Gustavo.

Ansiedade e realizaçãoCasal e prima, que gerou primeiros bebês do Brasil que têm genética de dois pais — Foto: Rafael Nunes e Mariana AerreCasal e prima, que gerou primeiros bebês do Brasil que têm genética de dois pais — Foto: Rafael Nunes e Mariana Aerre

Gustavo contou ao g1 que, desde o início do processo, o casal ficou ansioso. “A gente tentava levar da forma mais tranquila possível, mas cada etapa é desgastante”. Mas, com o apoio da família, ele e Robert dizem que conseguiriam passar por tudo com “leveza e risadas”.

Deixe uma resposta