MINISTÉRIO DA SAÚDE ACOMPANHA BRASILEIRO COM CASO SUSPEITO DE VARÍOLA DOS MACACOS

Governo cria grupo para monitorar varíola dos macacos e acompanha caso de brasileiro

Infecção de brasileiro foi registrada na Alemanha; ainda não há casos da doença no Brasil

Da CNN

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) formou uma Câmara Técnica Temporária para monitorar os desdobramentos a respeito do vírus monkeypox, conhecido como varíola dos macacos. O Ministério da Saúde, por sua vez, acompanha o caso suspeito de um brasileiro que está na Alemanha (confira abaixo).

A medida do Ministério da Ciência foi tomada na quinta-feira (19). O grupo tem caráter consultivo e foi batizado de CâmaraPox MCTI.

De acordo com a pasta, a iniciativa foi “necessária diante dos casos de infecção registrados no Reino Unido, Portugal, Espanha e Estados Unidos em maio de 2022”.

Até o momento, não há registros de casos de varíola dos macacos no Brasil.

Integram o grupo, por enquanto, sete especialistas brasileiros da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade Feevale. Eles já produziram dois informes técnicos sobre a doença, envolvendo as principais formas de contágio e as informações disponíveis sobre os casos registrados em outros países.

Segundo o ministério, o comitê presta assessoramento técnico-científico à pasta sobre as estratégias e necessidades na área de ciência, tecnologia e inovação necessárias na área de saúde.

Ministério da Saúde acompanha caso de brasileiro na Alemanha

O Ministério da Saúde informou que o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde enviou aos estados as informações disponíveis sobre a doença até o momento para orientar os profissionais de saúde.

“O Ministério da Saúde acompanha o caso suspeito de um brasileiro que está na Alemanha e já solicitou informações adicionais à Organização Mundial da Saúde (OMS) e ao Ministério da Saúde da Alemanha”, afirmou a pasta em nota.

“A varíola dos macacos é uma doença viral endêmica no continente africano e que, até o momento, não há notificação de óbitos entre os casos detectados em países não endêmicos”, acrescentou.

Publicado por Wellington Ramalhoso

Deixe uma resposta