FOI AUTORIZADA POR PAZUELLO EM CARÁTER EMERGENCIAL A AMPLIAÇÃO DE VAGA DO MAIS MÉDICO EM MANAUS

Pazuello autoriza ampliação emergencial de vagas do Mais Médicos em Manaus

Por Diego Freire, da CNN, em São Paulo

Atualizado 19 de janeiro de 2021 às 02:36

Ministro da Saúde, Eduardo PazuelloMinistro da Saúde, Eduardo Pazuello

Em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (19), o ministro da Saúde Eduardo Pazuello autorizou a ampliação emergencial e temporária das vagas do Projeto Mais Médicos para o Brasil na cidade de Manaus.

O texto da portaria informa que a medida é tomada “em razão da situação de emergência ocasionada pela pandemia novo Coronavírus (Covid-19)”.

Pazuello libera, pelo “período improrrogável de um ano”, a abertura de 72 novas vagas para profissionais médicos na cidade por meio do programa.

“Os profissionais que lograrem êxito no chamamento público serão alocados no Município de Manaus/AM e continuarão a desempenhar suas atividades no âmbito do Projeto até o prazo final do termo de adesão e compromisso”, diz o texto.

Mais detalhes sobre o recrutamento serão divulgados posteriormente em edital.

Nos últimos dias, a capital amazonense enfrentou uma grave crise de saúde pública diante do aumento de hospitalizações por Covid-19, com falta de cilindros de oxigênio para atendimento de paciente. Em transmissão nas redes sociais, Pazuello admitiu um “colapso” do sistema de saúde local.

Na última sexta-feira, o ministro de Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, que já disponibilizou o envio de cilindros de oxigênio para o estado do Amazonas, também ofereceu a ajuda de 107 médicos graduados na Venezuela para reforçar os atendimentos.

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que a Venezuela foi o único país a se prontificar a ajudar o estado na crise de falta de oxigênio.

O Programa Mais Médicos (PMM) é descrito, no portal do Ministério da Saúde, como “parte de um amplo esforço do Governo Federal, com apoio de estados e municípios, para a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, levando profissionais de medicina a regiões onde há escassez ou ausência de atendimento.

Deixe uma resposta