ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE:

Em publicação feita na coluna BOAS NOTÍCIAS do dia 03 de novembro deste mesmo ano, pesquisadores descobriram no deserto do Atacama o que chamaram de “Mina de Ouro genética”, as plantas que crescem nesse icônico deserto e que os pesquisadores acreditam ter encontrado a chave para a incrível resistência e adaptabilidade das plantas que sobrevivem às condições extremas. Na edição desta sexta-feira você vai conhecer com mais profundidade o segredo dessas plantas e as soluções que elas podem trazer para os desafios que a humanidade já enfrenta, com escassez de alimentos. 

O tesouro genético que permite vida no deserto mais seco do planeta

Carlos Serrano (@carliserrano)

BBC News Mundo

Deserto do AtacamaCRÉDITO,GETTY
Legenda da foto, Uma equipe de pesquisadores acredita ter encontrado a chave para a incrível resistência e adaptabilidade das plantas que sobrevivem às condições extremas do Atacama

As características do deserto do Atacama, no Chile, jogam contra a vida.

Depois dos polos, este é o local mais seco do planeta. Além da escassez de água, o solo possui poucos nutrientes. A luz solar produz radiação extremamente elevada e grande parte de seu território está a mais de 2,5 mil metros acima do nível do mar.

Mesmo assim, dezenas de espécies de plantas, ervas e arbustos conseguem sobreviver nesta .

E como elas fazem isso? De acordo com especialistas, a resposta a essa pergunta é fundamental para encontrar soluções para os desafios que a humanidade já enfrenta.

Cacto no deserto do AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, A vida no deserto do Atacama se desenvolve sob condições extremas

A compreensão desses mecanismos de adaptação pode fornecer pistas valiosas para a produção de safras capazes de viver em áreas onde há escassez de alimentos para as pessoas. Ou em áreas que estão se tornando mais desérticas devido às mudanças climáticas

Agora, um grupo de pesquisadores afirma ter encontrado uma série de estratégias genéticas que explicam a resistência e adaptabilidade das plantas do Atacama.

Em que consiste essa descoberta, cujos autores comparam com a descoberta de uma mina de ouro?Seca no deserto do Atacama

CRÉDITO,GETTY

Legenda da foto,As mudanças climáticas estão criando regiões cada vez mais áridas

Genética e evolução

Durante dez anos, uma equipe de botânicos, microbiologistas, ecologistas e especialistas em genômica e evolução analisou o clima, a temperatura, o solo e a vegetação em 22 zonas de diferentes altitudes dentro do Atacama.

Em seguida, eles colheram amostras do solo e de 32 espécies de plantas para analisar suas sequências genéticas em laboratório.

Segundo Rodrigo Gutiérrez, coautor da pesquisa e professor do Departamento de Genética Molecular e Microbiologia da Pontifícia Universidade Católica do Chile, a maioria dessas plantas nunca havia sido estudada.

Pesquisadora colhendo amostras no AtacamaCRÉDITO,MELISSA AGUILAR

Legenda da foto, Os pesquisadores coletaram amostras das plantas para analisar a sequência genética delas

Como parte da análise, Gutiérrez e sua equipe compararam o genoma de 32 espécies do Atacama com outras 32 espécies geneticamente semelhantes, mas que não haviam passado pelo processo de adaptação no deserto.

O objetivo era reconstruir a história evolutiva das plantas do Atacama para identificar as mudanças genéticas que permitiram sua adaptação a condições extremas.Flores no AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, Cientistas querem descobrir o que faz plantas serem capazes de crescer com vigor no Atacama

Mutações e bactérias

O estudo rendeu dois grandes resultados.

O primeiro foi que eles identificaram mutações em 265 genes presentes em várias plantas do Atacama.

Segundo os pesquisadores, essas mutações podem ser resultado de processos evolutivos que facilitam a adaptação das plantas às condições desérticas.

Entre esses genes, por exemplo, eles encontraram alguns que estão relacionados à reação à luz solar e à fotossíntese, e que ajudam as plantas a resistir à radiação extrema do Atacama.

AtacamaCRÉDITO,GETTY

Legenda da foto, Diversos tipos de plantas crescem no deserto do Atacama

Eles também descobriram genes relacionados à resposta das plantas ao estresse e ao sal, bem como outros envolvidos em processos de desintoxicação.

Esses genes, segundo os autores, podem estar associados à adaptação das plantas às condições hostis e pobres em nutrientes dessa região.

A segunda descoberta foi perceber que algumas espécies de plantas desenvolvem bactérias no solo ao redor de suas raízes.

Essas bactérias otimizam a absorção de nitrogênio, um nutriente fundamental para o crescimento das plantas, que é escasso no Atacama

ADNCRÉDITO,GETTY,

Legenda da foto, Cientistas descobriram genes relacionados à resposta das plantas ao estresse e ao sal, bem como outros envolvidos em processos de desintoxicação

Segurança alimentar

Algumas plantas do Atacama estão intimamente relacionadas a tipos de culturas essenciais, como grãos, legumes e batatas.

Por isso, Gutiérrez descreve sua descoberta como uma “mina de ouro genética” que pode ser usada para desenvolver lavouras mais resistentes em áreas afetadas pelo aumento da desertificação.

“Nosso estudo é relevante para regiões que estão se tornando cada vez mais áridas, com fatores como as secas, temperaturas extremas e a presença do sal na água e no solo, que representam uma ameaça significativa à produção global de alimentos”, diz o pesquisador.

Por sua vez, Gloria Coruzzi, pesquisadora do Center for Genomics and Biological Systems da New York University e coautora do estudo, acredita que, “em uma era de mudanças climáticas aceleradas, é fundamental descobrir as bases genéticas para melhorar a produção de safras e a resiliência sob condições secas e pobres em nutrientes”.AtacamaCRÉDITO,MELISSA AGUILAR

Legenda da foto, Algumas plantas do Atacama estão intimamente relacionadas a tipos de culturas essenciais, como grãos, legumes e batatas

A BBC Mundo consultou Elizabeth Weretilnyk, professora da McMaster University, no Canadá, e especialista em adaptação de plantas a ecossistemas adversos, que não participou da pesquisa.Homem em plantio de hortaliçasCRÉDITO,GETTYL .

Legenda da foto, O estudo pode ser útil para garantir a segurança alimentar em várias partes do mundo

Para Weretilnyk, este estudo mostra que é possível “acelerar a descoberta de genes e características adaptativas que podem orientar os esforços para melhorar as safras que são menos tolerantes ao estresse.”

Weretilnyk também espera que este estudo inspire mais pesquisas em busca de “um futuro com maior segurança alimentar”.

Fonte: BBC News

Deixe uma resposta