ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE: DOIS DESABAMENTOS FORAM REGISTRADOS  EM FALÉSIAS NA PRAIA DE PIPA

Perigo: Trechos de falésias desabam em Pipa

Heilysmar Lima

Atualizado em:

Foto: Divulgação

Mais dois desabamentos de falésias foram registrados na praia de Pipa, no município de Tibau do Sul, nesta quinta-feira (02). Os deslizamentos aconteceram na Baía dos Golfinhos e na Praia do Centro. As informações foram confirmadas pelo Tenente-Coronel Marcos de Carvalho, coordenador da Defesa Civil do Rio Grande do Norte.

Segundo ele, a movimentação de maior intensidade aconteceu na Baía dos Golfinhos, em um ponto próximo ao que uma família foi atingida por outro deslizamento e morreu, em 2020. À época, a queda de parte de uma falésia matou Hugo Pereira, Stella Souza e Sol, filho de 7 meses.

“O local onde caiu hoje fica à esquerda do ponto houve o desastre com a família”, explicou Carvalho, ao explicar a localização partindo de um observador que esteja no mar.

Desta vez, ninguém se feriu. O segundo desabamento registrado foi na Praia do Centro. Segundo o coordenador da Defesa Civil, o movimento no local foi menos intenso.

O professor Rodrigo de Freitas, do Departamento de Geografia da UFRN e que integra o Projeto Falésias, explicou à reportagem que o local já era monitorado pelas equipes da universidade. Ele contou ainda que vai ao local para realizar um novo levantamento das áreas.

O ponto 4 foi onde houve o deslizamento na Praia do Centro | Foto: Cedida

O coordenador da Defesa Civil disse que os locais já foram isolados, tanto na praia quanto na parte superior das falésias. “A defesa civil do município foi ao local e realizou os isolamentos. A sinalização também foi reforçada. A situação, no fim da manhã, continuava estável, sem grandes preocupações”, pontuou.

O tenente-coronel ainda relacionou os deslizamentos ao período chuvoso e tratou a queda como movimento natural das falésia, mas reforçou os perigos, já que se trata de áreas com a presença de pessoas.

“É natural a falésia liberar blocos, sobre tudo no período chuvoso que tem água infiltrando. Fica tudo mais pesado. Então, é normal que ocorram tombamentos. Quando não há população por perto, é só uma queda. Mas quando é uma área densamente ocupada, como é o caso, evidentemente que se deve redobrar os cuidados”, comentou.

Ele ainda completou que “estamos redobrando a atenção nessas áreas monitoradas desde o início de maio. A população tem sido mobilizada para com os cuidados”.

Fonte: Portal da Tropical _ Notícia

Deixe uma resposta