DOIS TRADICIONAIS GRUPOS CULTURAIS DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE FORAM RECONHECIDOS COMO PATRIMÔNIO CULTURAL E IMATERIAL DO MUNICÍPIO

Boi Calemba e Congos de Combate se tornam patrimônio cultural imaterial de SGA

22 nov 2021

Boi Calemba e Congos de Combate se tornam patrimônio cultural imaterial de SGA - Prefeitura de São Gonçalo do Amarante

Dois dos mais tradicionais grupos culturais de São Gonçalo do Amarante/RN foram reconhecidos oficialmente como patrimônio cultural imaterial do município, o centenário Boi Calemba Pintadinho, do mestre Dedé Verissimo, e o Congos de Combate, de Santo Antônio do Potengi.

As leis 1.959 e 1.960 foram sancionadas pelo prefeito Paulo Emídio, após aprovação da Câmara Municipal, e publicadas no Jornal Oficial do Município (JOM), nesta quarta-feira (10).

“A cidade Berço da Cultura Popular do Rio Grande do Norte da mais um passo para perpetuar esses grupos, que fazem parte da história e identidade de São Gonçalo do Amarante”, destaca Abel Neto, presidente da Fundação Cultural Dona Militana.

BOI DE CALEMBA PINTADINHO

O “Boi-Calemba” é a versão potiguar do “bumba meu boi”. Também conhecido como Boi de Reis, é um auto popular que trata da morte e ressurreição de um boi. É composto por “enfeitados” e “mascarados”, divididos em Mestre, Galantes e Damas. Executando cantigas antigas, eles fazem a coreografia ao som da rabeca. O figurino é enfeitado com fitas coloridas e espelhos, proporcionando um interessante efeito visual. Os mascarados representam a parte cômica da dança. O trio formado por Birico, Mateus e a Catirina se apresentam usando roupas vermelhas, rostos pintados e se utilizam dos gestos e paródias dos galantes. Outras figuras integram a apresentação como a Burrinha, o Jaraguá e o Boi. Os instrumentos utilizados são a rabeca, o pandeiro e alguns instrumentos de corda, podendo ser substituídos pela sanfona.

Em São Gonçalo do Amarante-RN, o Grupo Boi Calemba Pintadinho é um dos grupos mais tradicionais do Rio Grande do Norte, possuindo mais de 100 anos de existência.

CONGOS
O congo é uma prática africana que foi adaptada no Brasil pelos escravos e filhos de escravos, que reúne não só elementos temáticos africanos, mas também ibéricos, cuja difusão vem do século XVII. No Brasil, os missionários católicos conseguiram conservar estas danças guerreiras e batizaram-nas introduzindo elementos do cristianismo. Os escravos, que na sociedade colonial constituíam-se simples instrumento de trabalho, tinham, graças à influência da igreja, a permissão de comemorar certos dias do ano, com festas, estes dias eram comemorados com a congada, permitida pelos patrões e pela igreja. A dança era incentivada pelas autoridades para manter a ordem nas senzalas. É que os negros se confortavam em assistir seus reis representados nas congadas. Não se tem ideia em que região brasileira surgiu à congada.

Representam uma “Embaixada da Rainha Ginga”, soberana africana ao Rei Cariongo seu irmão, cujo objetivo principal é o trânsito das tropas da rainha pelas terras do rei, resultando na morte do príncipe, filho dele.

Em São Gonçalo do Amarante, o “Congos de Guerra” é um grupo folclórico de Santo Antônio do Potengi remanescentes dos antigos Congos de Saiote, também do município.

Os Congos contam a história de uma batalha entre as hostes guerreiras de dois soberanos africanos, o rei Henrique Cariongo e sua famosa irmã, a rainha Ginga.

Os cantos são diversos e a indumentária varia de acordo com a criatividade, praticamente feita na base da improvisação. Os personagens principais são o rei Cariongo, o príncipe Sueno, seu filho, o secretário do rei, o embaixador da rainha Ginga, além dos soldados de Cariongo e de sua irmã, aproximadamente quinze brincantes. O repertório musical inclui marchas guerreiras, benditos e outras cantigas. O núcleo dramático é praticamente todo o auto: o combate entre os dois monarcas. A dança é acompanhada pela rabeca, violão, pandeiro, triângulo e agogô, tornando o folguedo uma grande festa.

Fonte: Política em Foco

Deixe uma resposta