DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: O QUE PENSAMOS SER O FIM É SÓ UM INÍCIO

Escolhemos um texto muito especial para REFLEXÃO na publicação da coluna DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL desta quinta-feira. O tema “A senda de luz” aborda os meandros, labirintos, ilusionismo, percalços e enganos, pelos quais passamos nessa caminhada evolutiva, que ao contrario do que, a princípio, possamos imaginar é muito mais longa exaustiva, a ponto de o autor estabelecer metas para nos fazer entender que o que pensamos ser o fim é só um início, pois a nossa existência é cíclica. Então convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e fazer o seu juízo de valor!

A senda de luz

Devemos alcançar a meta apenas para descobrir que o que pensamos ser o fim é só um início. A luz do sol ilumina o caminho – o sol físico e o sol interior – até o infinito

Wayne Gatfield*

SENDA DE LUZ

“O crepúsculo  possui uma magia indefinível. É um momento em que o véu entre os mundos parece fino; se o sentimos, uma grande beleza penetra nosso coração e colore tudo com ternura.”

No artigo “O Farol do Desconhecido”, Blavatsky escreveu: “O farol da verdade é a natureza sem o véu ilusório dos sentidos. Ele só pode ser alcançado quando o Adepto se tiver tornado o mestre absoluto de seu eu pessoal, capaz de controlar todos os sentidos físicos e psíquicos com o auxílio de seu ‘sétimo sentido’, através do qual ele é dotado também da verdadeira sabedoria dos deuses.”

“O farol sobre o qual os olhos de  todos os verdadeiros teósofos estão fixos é o mesmo, rumo ao qual, em todas as idades, a alma humana aprisionada tem lutado. Esse farol, cuja luz não brilha sobre nenhum mar terreno, mas que se reflete nas profundezas sombrias das águas primordiais do espaço infinito, é chamado por nós, como pelos antigos teósofos de Sabedoria Divina.”

Esta está nas lendas e contos de fadas de todo o mundo. A maioria fala da busca por algo: o Santo Graal, o Velo de Ouro ou a mão de uma princesa, simbolizando a busca de realização da Sabedoria Divina e as provações do caminho para essa meta.

A luz é sempre confortante, seja do sol, da lua, das estrelas ou a suave luz do nosso lar. Mais profunda ainda é a luz interna. A luz é a mesma em todos os níveis, mas difere por suas interações com nossos diferentes veículos; a mais inferior é a luz física.

As diferentes intensidades e tonalidades da luz em diferentes épocas do ano podem ter efeito na consciência da pessoa. Às vezes um dia nublado produz uma luz que causa uma melancolia positiva sobre a mente  as emoções, fazendo perceber aquilo que os japoneses chamam de mono-no-aware, a “pungência e beleza da existência transitória”.

Todos sabemos como um dia de sol aumenta o vigor, mas isso é sutilmente diferente de acordo com o mês. O efeito do sol de primavera não é o mesmo que o do verão ou inverno. Há muita variação, dependendo também da pessoa que o experimenta.

O crepúsculo possui uma magia indefinível. É um momento em que o véu entre os mundos parece fino; se o sentimos, uma grande beleza penetra nosso coração e colore tudo com ternura. George William Russel  escreveu: “Queremos que nessa hora o místico esteja em casa, menos metafísico e científico do que de costume, mais verdadeiramente ele mesmo. É costume, a essa hora, ceder um pouco e sonhar, deixando que as ternas fantasias que o dia suprime entrem na mente. Todas as coisas se tornam estranhamente suaves e unidas. As ruas comuns assumem algo da grandeza dos templos egípcios; as crianças correm atrás das outras e, enquanto fogem, olham para nós com olhares que há muito esquecemos; embalados pelo silêncio, deixamos de lado as duras arestas materiais e lembramos que somos espíritos.”

As crianças olham o mundo maravilhadas, mas são jovens demais para exprimir esses sentimentos em palavras. À medida que crescemos perdemos essa visão e começamos a intelectualizar tudo. Ficamos frios. Mas, se desenvolvemos o lado espiritual e poético da nossa natureza, penetramos numa segunda infância, num nível inteiramente diferente. “A princípio a montanha é apenas uma montanha; depois vemos que não é realmente uma montanha; no fim, é apenas uma montanha novamente”. Este ditado zen expressa o processo de reconquistar a inocência da infância com o acréscimo das nossas experiências. É a jornada da vida: partir da perfeição inconsciente, ter consciência da nossa imperfeição; e finalmente realizar a perfeição conscientemente. Isso se houver perfeição talvez tudo seja relativo.

Assim, temos que reconquistar estado infantil que perdemos, como dizem os ensinamentos espirituais. Estamos procurando a luz que jamais brilhou sobre terra ou mar, mas que ajuda a navegar o vasto oceano da sabedoria divina rumo ao nosso destino, ou, até onde sabemos, aos diferentes estágios de uma jornada sem fim.

Todos os heróis dos mitos alcançaram a meta tornando-a seu único interesse. Venceram dificuldades aparentemente insuperáveis focando a atenção no objeto da busca. Alguns ficaram pelo caminho, mas os mais bravos triunfaram. Krishna diz, na Bhagavad-Gita, que se focarmos a atenção nele chegaremos a ele. A melhor maneira é pensar em Krishna como o Eu Superior.

Devemos assumir a condição de seres imortais – nossos eus vêm e vão, mas nossa essência não muda. Nas palavras de A Voz do Silêncio: “Tenhas paciência, candidato, como quem não teme fracasso, nem corteja o êxito. Fixa o olhar da tua alma na estrela cujo raio és, a estrela chamejante que brilha nas escuras profundidades do ser permanente, nos ilimitados campos do Desconhecido. Tenhas perseverança, como aquele que tem de resistir eternamente. As tuas sombras vivem e desaparecem; aquilo que em ti viverá para sempre, aquilo que e ti conhece (porque é conhecimento não é de vida transitória: é o homem que foi, que é e será, para quem a hora nunca soará.”

As sombras são os nossos eus passageiros. Na vasta escala das coisas, nossos poucos e curtos anos nesta vida em particular são como o ditado Zen: “A vida é como um cavalo galopante que visualizamos através da rachadura na parede.”

Todos  estamos nessa peregrinação interior e devemos encontrar o caminho ao longo de estradas muitas vezes enevoadas, que às vezes nos leva por terrenos belos, às vezes agrestes Encontramos amigos e instrutores; temos aventuras e perigosas provações, mas nossa determinação nos impulsiona para diante e o sol ilumina nosso caminho. Mesmo que ele desapareça por trás das nuvens de nossa própria criação, sabemos que ainda está lá e retornará no tempo devido.

Na escuridão a lua pede emprestada a luz do sol e nos dá conforto, até que o amanhecer lança seu feitiço sobre o mundo e nossa esperança se fortalece. Então chega o momento em que ouvimos o ímpeto do rio da vida e alcançamos a ponte que devemos atravessar. Sentiremos a emoção de saber que esta é a consumação dos nossos  esforços ao longo de muitas vidas, e que logo sonhos e pesadelo passarão; enfrentaremos uma grande escolha que por fim terminará na nossa libertação e na elevação de toda a humanidade. Luz no Caminho nos diz: “Porque em ti está a luz do mundo, a única luz que pode ser projetada sobre o caminho. Se és incapaz de percebê-la dentro de ti, é inútil que a procures em outra parte. Está fora do teu alcance, porque, quando chegares a ela, já não te encontrarás a ti mesmo. É inatingível, porque retrocede sempre. Estarás no seio da luz, mas nunca tocarás a Chama.”

Devemos alcançar a meta apenas para descobrir que o que pensamos ser o fim é só um início; até onde sabemos, não existe fim na busca. A luz do sol ilumina o caminho – o sol físico e o sol interior – até o infinito.

No caminho ajudamos uns aos outros; entendemos as limitações humanas e desejamos perdoar “não sete vezes, mas setenta e sete”, o mais gentilmente possível para com quem erra. Aprendemos que a jornada não é solitária, mas feita com nossos companheiros peregrinos, e que temos o bem da humanidade em nossa mente à medida que seguimos. E, de um  certo modo, o progresso é uma ilusão, porque já estamos lá – precisamos apenas afastar as nuvens que nos impedem de ver o sol sempre brilhante do nosso ser interior.

Todas as vidas podem ser uma aventura em busca do Santo Graal– as lutas, os desapontamentos e as alegrias são grãos para o moinho. Se  desenvolvemos a correta atitude, todas as experiências ajudam no caminho. Quando olhamos para o mundo devemos imaginar que estamos numa montanha olhando para baixo, para tudo que se passa – a mente inferior cria divisões entre países, religiões, partidos, famílias, mas internamente somos todos  o mesmo. Essas diferenças são apenas “a cruel  heresia da separatividade  que nos afasta dos demais”, como diz A Voz do Silêncio.

Permitimos que a ilusão nos separe; construímos muralhas em vez de pontes e olhamos os outros através dos nossos próprios equívocos; não fazemos concessões  à limitada natureza humana; esquecemos de tirar a venda dos nossos olhos antes de criticar os olhos do outro. “Que aquele sem pecado atire a primeira pedra.”

Se queremos que as pessoas amem umas às outras, devemos mostrar o caminho da melhor maneira possível. Assim, terminarei com uma citação de “O Novo Ciclo”, de Blavatsky: “Ninguém está tão  ocupado ou é tão pobre que não possa cria um nobre ideal e segui-lo. Por que então hesitar em limpar a senda rumo a este ideal, através de todos os obstáculos, de cada pequeno impedimento da vida social, para marchar diretamente em frente até a meta a ser alcançada? Aqueles  que fizesse este esforço logo descobririam que a ‘porta estreita’ e a ‘senda espinhosa’ levam aos amplos vales de horizonte ilimitado, àquele estado onde não mais existe morte, porque a pessoa se sente voltando a ser um deus! É verdade que as primeiras condições exigidas são absoluto desapego, ilimitada devoção ao bem-estar dos outros e completa indiferença ao mundo e suas opiniões. Para dar o primeiro passo nessa senda, o motivo deve ser absolutamente puro; nenhum pensamento deve afastar os olhos do objetivo, nenhuma dúvida deve agrilhoar os pés. Existem homens e mulheres qualificados para isto, cujo único objetivo é residir sob a égide de sua natureza divina. Que eles tenham coragem para viver a vida sem ocultá-la aos olhos dos outros! A opinião de ninguém deve ser considerada superior à voz de sua própria consciência. Que essa consciência, portanto, desenvolvida ao seu mais elevado grau, nos guie em todos os atos comuns da vida. Quanto à conduta de nossa vida interna, concentremos toda a atenção no ideal que estabelecemos, e olhemos para além, sem prestar atenção à lama sob nossos pés.”

“Na escuridão a lua pede emprestada a luz do  sol e nos dá conforto, até que o amanhecer lança seu feitiço sobre o mundo e nossa esperança se fortalece. Então ouvimos o ímpeto  do rio da vida e alcançamos a ponte que devemos atravessar.”

Fonte: Revista Sophia -ano 19-nº 89

Deixe uma resposta