DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL: A SOLIDÃO PASSA A SER ALGO NORMAL QUANDO NOS ENCONTRAMOS COM NOSSO EU SUPERIOR

O texto a seguir na nossa coluna DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL deste domingo nos convida a refletir sobre o lado bom da Solidão. Desmistifica a conotação de algo ruim quando explica que : “Quando despertamos e compreendemos que somos Um com o Criador, Centelha Divina, que somos o Eu Superior, nada mais nos falta ou nos limita. Passamos a ser o Todo!” Então sugiro que leia o texto completo a seguir e reflita sobre o assunto. É provável que você deixe ter medo e/ou receio da solidão ou tê-la como inimiga!

A Solidão

Solidão: monge vestindo uma túnica laranja sentado no chão de um templo budista enquanto lê um livro, com a frase "A solidão é perigosa e viciante. Quando você se dá conta da paz que existe nela, não quer mais lidar com pessoas" de Carl G Jung escrita em branco na parte superior esquerda da imagem.

“A solidão é perigosa e viciante. Quando você se dá conta da paz que existe nela, não quer mais lidar com pessoas” – Carl G. Jung

Sabe, um dia a gente compreende que não é um ser pela metade, então tudo aquilo que nos ensinaram – de que precisa de cara-metade, metade da laranja, bla, bla, bla e todas as coisas que no fundo só nos fazem sentir a obrigação de estar em um relacionamento, seja por medo de estar sozinho, seja por fracasso social, por utilidade ou por tantas outras coisas – cai por terra e não passa de idealizações para tirar nosso poder pessoal.

Quando despertamos e compreendemos que somos Um com o Criador, Centelha Divina, que somos o Eu Superior, nada mais nos falta ou nos limita. Passamos a ser o Todo!

O amor nos conecta com todos os seres, e não por utilidade, mas por compaixão, no sentido bom da palavra. Por benevolência.

Ah, como é bom existir sem medo, sem cobranças e nem paranóias impostas por uma sociedade doente.

Como é bom estar com pessoas por amor, não por necessidade. Como é bom tratar saúde, não doença. Como é bom agradecer, em vez de reclamar. São nossas escolhas diárias que fazem a nossa vida.

Honro meu passado e tudo o que ele me ensinou, mas abro mão da dor, do sofrimento e do apego.

Eu escolho ser livre e feliz com total facilidade, alegria e glória.

E você? Está esperando alguém te fazer feliz, te dizer o que fazer ou ser, qual caminho seguir ou pagar as suas contas?

Você é o amor!

Reflexão escrita pela nossa Editora Chefe: Mônica Damini

Fonte:

Escrito por Eu Sem Fronteiras

Deixe uma resposta