‘Própria deputada revelou surpresa’, diz Ana Flor sobre encontro de Bolsonaro com Kicis

Própria deputada revelou surpresa’, diz Ana Flor sobre encontro de Bolsonaro com Kicis

Pouco depois de divulgar em rede social ter testado negativo para a Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro, fez um aceno ao seu grupo de apoiadores mais radical ao visitar a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF).

Bolsonaro estava recluso no Palácio da Alvorada desde o início de julho quando confirmou ter contraído o novo coronavírus.

Bia Kicis não escondeu a surpresa da visita. A deputada foi destituída nesta semana do posto de vice-líder do governo no Congresso.

A mudança na liderança faz parte de movimentos do presidente para ampliar a base de apoio na Câmara e no Senado. Essa estratégia tem “esvaziado” a linha mais radical e ideológica que o apoia desde antes do início do governo. Neste mês, o mesmo grupo perdeu o comando do Ministério da Educação.

A deputada foi eleita com a bandeira da defesa de ideias bolsonaristas. Bia Kicis está entre os parlamentares mais radicais do Congresso, atuando na defesa do governo e de teses do ideólogo Olavo de Carvalho

O aceno de Bolsonaro ocorre menos de 24 horas depois de ver apoiadores terem contas no Twitter suspensas em cumprimento à determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão judicial atinge perfis de 16 investigados no inquérito das Fake News.

O presidente se incomoda com o cerco ao grupo que o apoia de forma incondicional, sejam blogueiros, empresários ou políticos. Entre eles está Bia Kicis. A visita deste sábado indica uma tentativa de manter essa base de apoio, mesmo após trocas em lideranças ou comandos de ministérios.

Bolsonaro já disse publicamente considerar que o STF tomava medidas contra a sua “mídia”. Parte daqueles que tiveram contas bloqueadas voltou às redes com contas novas, ou utilizando o perfil de outras pessoas.

A dúvida é se o presidente seguirá na fase apaziguadora, em busca de governabilidade, ou se irá voltar a atacar ações da Justiça que miram seus familiares e grupos próximos a ele.

Fonte: G1

Deixe uma resposta