DEFESA DE LULA PEDE QUE O MINISTRO DO STF LEWANDOWSKI TRANQUE AÇÕES DO SÍTIO DE ATIBAIA E DOIS PROCESSOS ENVOLVENDO O INSTITUTO LULA

Defesa de Lula pede que Lewandowski tranque ações de instituto e sítio

O plenário do STF deve julgar entre amanhã e quinta-feira (15) o recurso da PGR contra a anulação das condenações do ex-presidente na Lava Jato de Curitiba

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília

Atualizado 13 de abril de 2021 às 19:17

Defesa de Lula pede que Lewandowski tranque ações de instituto e sítio de Atibaia

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu nesta terça-feira (13) que o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), tranque a ação do sítio de Atibaia e dois processos envolvendo o Instituto Lula. Nos três casos o petista é acusado pelo Ministério Público Federal no Paraná de ter recebido vantagens indevidas da Odebrecht.

O plenário do STF deve julgar entre amanhã e quinta-feira (15) o recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a anulação das condenações do ex-presidente na Lava Jato de Curitiba.

Se Lewandowski não aceitar o trancamento, a defesa solicita que as provas obtidas no acordo de leniência da Odebrecht não sejam utilizadas, já que não houve acesso da defesa ao processo.

Segundo a defesa descreve no pedido, houve o descumprimento de decisões do Supremo que determinaram o compartilhamento dos elementos de prova e demais dados do acordo de leniência fechado entre a força-tarefa da Lava Jato de Curitiba e a construtora.

“Desde 2017 os advogados de Lula tentam acesso à íntegra do acordo de leniência e ao material trocado entre a “Lava Jato e autoridades estrangeiras. Desde então, os membros da extinta força-tarefa passaram a afirmar, inclusive perante o STF, que não tinham nada documentado com as autoridades de outros países em relação ao acordo de leniência da Odebrecht”, diz a defesa na peça.

‘Esquema vultuoso’

Na semana passada, conforme a CNN mostrou, a Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que contatos diretos com autoridades estrangeiras no âmbito da Operação Lava Jato eram harmônicos e corriqueiros.

A manifestação, assinada pelo subprocurador da República, Hindemburgo Chateaubriand, se deu em uma ação dos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que defende que o material coletado pela Operação Spoofing (aquela que apura conversas vazadas de procuradores) mostra que a Lava Jato manteve cooperação informal com autoridades estrangeiras para investigar alvos da operação, entre eles Lula.

O sub-procurador afirmou ainda que “no esquema vultuoso de corrupção descoberto pela lava jato, identificou-se que os investigados abriram contas em bancos estrangeiros para receber dinheiro de propinas.”

Deixe uma resposta