DE PONTA-CABEÇA: MUDANÇA

A coluna DE PONTA-CABEÇA desta terça-feira chama o leitor para uma REFLEXÃO quanto às escolhas que fazemos sobre Mudança. Por que mudar? Para que mudar? Boa leitura!

É difícil mudar de hábito, não é mesmo? Mais difícil ainda quando você não enxerga benefício na mudança. Então, por que mudar?

Na verdade, mudar faz parte da nossa vida enquanto humanos. Não existe ser vivo mais adaptável do que o homem. A gente se adapta a clima, a vegetações, a pessoas, a línguas, a culturas, a atividades, a absolutamente tudo. No início, parece sempre muito duro, mas bastam algumas repetições e está feito.

Algumas mudanças são impostas, outras, consequências conscientes e há ainda aquelas que são consequências que procuramos mas não as calculamos. E, de repente, surpresa!

Mudar para agradar os outros, mudar para se agradar. De toda forma, a mudança vem por necessidade. E mudar é sair da zona de conforto. Então, se a mudança traz algum benefício para alguém, por que não mudar?

Mudar tem que fazer sentido. Mas nem sempre vai parecer bom. Nem sempre vai parecer a coisa certa. Porque, enquanto não há adaptação, não há justificativa. Quando tudo está ruim, a gente procura ainda mais motivos para continuar ruim ou para parecer pior do que na realidade é.

Mas, depois que a gente se adapta, tudo se encaixa. Tudo faz sentido. Nada poderia ser mais perfeito.

Incrível esse ser humano.

Acredite, nunca foi tão fácil se adaptar. Hoje, com a mídia, todos os canais de comunicação, a livre troca de informações, você conhece um  mundo inteiro sem sair de casa. Você aprende quantas línguas você quiser sem sair de casa. Você lê livros, você vê filmes, você descobre novos sabores, você conhece pessoas, você se aventura de todas as formas sem pôr o pé para fora de casa.

Na verdade, esse novo way of living pode ser bastante perigoso, pois existe uma linha tênue entre o descobrir o novo e o permanecer no mesmo lugar. Afinal, para permanecer no mesmo lugar, basta permanecer no mesmo lugar, literalmente.

Então, em teoria, hoje, há poucas coisas que podem nos surpreender. Porque a gente já sabe de tudo. A gente já viu na novela. A gente já viu no filme. A gente já viu no jornal. A gente já ouviu na rádio. A gente já viu em um vídeo enviado pelo whatsapp.

E, para falar bem a verdade, novelas, filmes, jornais, rádios, estão todos atrasados. Porque, com certeza, a gente já viu ou já ouviu através dos nossos contatos no whatsapp primeiro. Muito provavelmente, por alguém que a gente nem conhece. Ou por alguém com quem a gente não costuma falar.

E, pasme, hoje, a surpresa mais surpreendente é o óbvio. Porque ninguém mais espera o óbvio. São muitas novidades, possibilidades. O óbvio ficou para trás. Os meus grandes desafios, hoje, são:

  • Mudar para aceitar ser recompensada por um trabalho voluntário
  • Mudar meu perfil acelerado para trabalhar em uma empresa de ar mais leve e mais preocupada com o bem estar dos funcionários

E há quem reclame.

Bizarro. Nunca me senti tão de ponta-cabeça.

Autoria: Deborah Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0