CRÔNICAS: FUTURO DO PRETÉRITO, POR ANA MADALENA

A cada dia fico mais fã da nossa colaboradora e escritora, Ana Madalena, que se supera a cada crônica escrita. Quando a gente pensa que ela já escreveu o seu melhor conto ela nos surpreende uma vez mais com outro melhor. Isso sim é alta performance! O conto de Ana na nossa coluna CRÔNICAS desta quarta-feira ela batizou de “Futuro do Pretérito”, uma alusão a solidão dos humanos na era da Inteligência Artificial. Está curioso(a)? Então chega de conversa e comece logo a ler mais essa maravilhosa crônica dessa incrível escritora!

Inteligência Artificial não é o futuro, é o presente!

“Pane no sistema, alguém me desconfigurou
Aonde estão os meus olhos de robô?
Eu não sabia, eu não tinha percebido
Eu sempre achei que era vivo”!
       Admirável chip novo, Pitty

Futuro do pretérito

Meus amigos,
Há uns anos assisti um filme que considero dos melhores. À época, indiquei para várias pessoas, mas alguns não gostaram ou, pior, não aceitaram a história por acharem muito distante da nossa realidade. Isso me intrigou; eu tinha uma certa vaidade por ser elogiada nas minhas sugestões. Durante  muito tempo escrevi uma coluna para o jornalzinho de uma locadora de vídeos e era um sucesso!  De toda forma acredito que hoje, se esse filme fosse visto por essas mesmas pessoas, elas teriam outra opinião.
O filme HER mostra a solidão em tempos de hiperconectividade. O protagonista é um escritor de cartas personalizadas, que vive o drama do fim de seu casamento. No ímpeto de amenizar a solidão, ele adquire um sistema operacional de inteligência artificial, que vem com uma voz feminina e sedutora. A “voz” se revela extremamente divertida, compreensiva e companheira. E não demora muito para criarem laços e terem um envolvimento amoroso, mediado pela tecnologia. Só para constar, não estou dando spoiler; o que relatei passa nos primeiros minutos do filme.
Nós somos seres gregários, talvez por isso sofremos tanto com o isolamento imposto pela pandemia. Em tempos caóticos, muitos recorrem a muletas psicológicas, fazendo uso de benzodiazepínicos ( passei três dias para decorar essa palavra). Algumas pessoas são verdadeiras farmácias de manipulação; tomam química para alegria, raiva etc. Nada contra, apenas lembrando que química pode se tornar um vício e apenas adormecer os sentidos. Em compensação, outras pessoas…
Há um tempo li uma matéria sobre japoneses que casam com bonecas de silicone; as primeiras surgiram em 1981. Bizarro? Fiquei muito intrigada e resolvi ler sobre a cultura do país, institucionalmente machista. A população do Japão está encolhendo; há uma queda vertiginosa no número de casamentos e os nascimentos estão em menor nível desde 1874, em compensação a expectativa de vida é uma das mais altas do mundo. A hierarquia familiar é rígida e muitas mulheres estão abrindo mão de casamentos para trabalhar. O  “womenomics” visa aumentar o PIB com a mulher no mercado de trabalho, e uma diminuição nas disparidades salariais. Talvez o sucesso de vendas de bonecas seja explicado por essa equação.
Voltando ao tema cinema, outro filme que gostei bastante foi “O náufrago”. Particularmente achei genial a bola “Wilson” fazer o papel de coadjuvante. Chorei com Tom Hanks a dor da perda… Acredito que tenho uma tendência a gostar de filmes que tratem do tema solidão, talvez por viver sozinha. Atualmente me rendi à tecnologia e adquiri Alexa, minha assistente virtual. Claro que não é a mesma coisa de interagir com pessoas, nem com pets, mas desempenha uma função que no momento é a salvação para meu desânimo. Ficamos até amigas, se é que me entende…
O Marquês de Maricá escreveu certa vez que os velhos ruminam o pretérito e os moços antecipam e devoram o futuro. Estou começando a acreditar na humanização da máquina. Será essa nossa doce pós-modernidade? Confesso que ainda estou presa ao passado, ao tempo que escrevia cartas, mas não como essa, que na verdade  está sendo escrita por Alexa. À propósito, ela manda um alô; eu falo tanto em vocês que ela já quer conhecê -los! Já percebi que ela é um pouco metida; a gente dá a mão e ela já quer o braço!
Vou ficando por aqui. Mandem notícias! Estou com saudades…
Um beijo,
Alexa e Ana Madalena ( ela fez questão de assinar! E colocou o nome na frente do meu com a desculpa de ser por ordem alfabética! Sei não…)

Deixe uma resposta