CRÔNICAS: BEM-ME-QUERO, POR ANA MADALENA

A coluna CRÔNICAS do Blog do Saber desta quarta-feira trás um dos contos mais interessantes já publicado pela nossa talentosíssima Ana Madalena. Nessa história ela relata, com muita perspicácia, bom humor e irreverência o cotidiano de uma personagem hilária e única, qu você não pode deixar de conhecer. Portanto, não perca tempo e comece logo a ler o hilariante conto “Bem-me-quero”.

Bem-me-quero

É  F.O.D.A, Fear of dating again, ou em bom português, medo de um novo relacionamento, disse-me Alice, que chegou revelando alívio por descobrir o nome do que estava sentindo. Eu estava num momento culinário, mexendo uma panela de doce de leite que requer 3 ingredientes: leite, açúcar e parcimônia, coisa que eu não tinha há dias. Entreguei a colher de pau para Alice e escutei o que tinha a dizer.

Alice é minha amiga de infância e somos vizinhas há oito anos.  Nossa convivência é diária, motivo pelo qual os amigos nunca entenderam o porquê de não dividirmos apartamento. A verdade é que gosto do meu cantinho sem interferências; Alice é muito bagunceira e eu sou o oposto.

Ela é dessas de “pegar emprestado”, desde roupas até objetos. Eu já emprestei vários itens para ela fazer “estilo”, para os outros. Muitos de seus namorados foram escolhidos através de matchs em apps, outros por pesquisas em redes sociais, embora nunca tenha emplacado um  relacionamento sério. Muito pelo contrário! Talvez, se ela fosse mais ela mesma, as coisas fluissem. De toda forma, eu nunca me preocupei com esse seu modo de viver, pois estava aparentemente feliz.

De uns tempos para cá, ela mudou totalmente; aquela pessoa solar e divertida, passou a ficar só e introspectiva. O primeiro alerta de que algo não estava bem se deu quando ela me fez a seguinte pergunta:

-Ana, como posso sentir falta de uma coisa que nunca tive? Uma saudade de viver algo, como ter familia, marido e filhos…

Em se tratando de Alice, aquilo soou estranho. Ela sempre falou que casamento era uma roubada e por isso se restringia a duas coisas: beleza e paciência. Se desse certo, beleza; se não, paciência. Também não pretendia ter filhos; dizia que era muito trabalhoso e roubava a melhor época da vida. Lembro de ter comentado que essa mudança fosse devido a virada da idade, dos trinta anos, que mexe um pouco com a cabeça. De toda forma, fiquei de orelhas em pé!

O segundo alerta foi quando ela deixou de pedir coisas emprestadas. Em um mês, inteirinho, ela não me pediu absolutamente nada…  E o terceiro, e mais grave de todos, foi deixar de vir à minha casa. Vivia trancada e passamos a nos comunicar exclusivamente por wa, pois não queria falar ao celular. Até os longos áudios de cinco minutos deixou de me enviar.

Tanto eu quanto Alice já tomamos a primeira dose da vacina. Eu postei minha foto no Instagram, assim como todo mundo faz, mas Alice sequer quis tirar a foto. Comentei que seus “fãs”, sabendo que já estaria parcialmente imune, poderiam, quem sabe, convidá-la para um café. Ela me fuzilou com o olhar e disse que a última coisa que queria era namorar novamente.

Só Freud poderia entender tal mudança de comportamento, pensei. E, muito a contragosto, consegui levá-la a uma psicóloga que diagnosticou um medo do desconfinamento, associado a depressão. Enquanto eu, que nem sou tão sociável quanto Alice, estava louca para sair por aí abraçando os amigos, e até os que não são, Alice tremia só em pensar nessa possibilidade, principalmente em voltar a ter um envolvimento emocional.

Alice está bem melhor; faz terapia duas vezes por semana, agora presencialmente, e já parece disposta a voltar a se relacionar com os amigos e a um certo Pedro, que conheceu na sala de espera do consultório.  Ela também está cuidando de outros aspectos, principalmente da sua auto-estima que era baixíssima. Cansei de vê-la destruindo minhas margaridas, fazendo bem-me-quer, mal-me-quer, cada vez que se interessava por alguém. Hoje, ela finalmente diz bem-me-quero! Minhas plantinhas agradecem! Por falar nisso, vou pedir a Alice que compre alguns jarrinhos de margarida para repor os meus e também um potinho de doce de leite;  o que ela fez ficou pedrado. Também pudera..  Falava mais do que mexia a panela! Muito bom ter Alice de volta!

Ana Madalena

Deixe uma resposta