REFLEXÃO: A SUA RELAÇÃO COM O TEMPO PODE MELHORAR MUITO ATRAVÉS DA CONTEMPLAÇÃO

A nossa REFLEXÃO desta quarta-feira é sobre  a nossa relação com o tempo, que está sempre escorrendo das nossas mãos. Sempre estamos achando que o tempo que temos é pouco e que não dá para fazermos tudo o que planejamos e gostaríamos de fazer. Entretanto, isso ocorre por causa da falta de contemplação. Da não observação das pequenas coisas que acontecem ao nosso redor diariamente, pois estamos no automático. Então esse texto lhe convida a desligar o automático e passar a contemplar a vida. Assim você dominará o tempo a seu favor!

Tempo histórico e regimes de historicidade

Dominando o teu Relacionamento com o Tempo

Mensagem de 25 de Maio de 2020

A verdade é que a maioria de nós tem uma relação bastante contraditória com o tempo.

Nunca é o suficiente. Estamos sempre atrasados. Passa muito rápido. Não podemos fazer coisas importantes porque não temos tempo suficiente.

Nada disso é útil. A maior parte é besteira.

Vamos pegar o primeiro: nunca há tempo suficiente. Isso é poderoso porque há alguma verdade: o tempo é limitado e precioso. Nós morreremos e, embora não saibamos quanto tempo resta nesta vida, sabemos que é limitado. É importante lembrar que devemos aproveitar ao máximo nosso tempo limitado!

Mas o tempo também é abundante. Pense nos últimos anos – pode parecer que eles passaram muito rapidamente, mas, na verdade, tivemos tantas horas que não podemos contar. Tivemos uma enorme abundância de horas. Talvez não os gastássemos com sabedoria (sei que perdi algumas horas), mas tivemos muito tempo. Ainda o fazemos, hoje e este mês e este ano.

A chave é ver essa abundância e senti-la em seu corpo. É como a abundância de oxigênio no ar ao nosso redor: é limitado e precioso, mas temos bastante e podemos respirar livremente e com alegria. Em algumas situações, o oxigênio é tão limitado que pode ser fatal … mas na maioria das vezes, temos mais do que suficiente para nossas necessidades.

Isso é verdade para o tempo. Temos mais do que suficiente para nossas necessidades. Podemos fazer coisas incríveis com o tempo que temos – veja os parques da Vinci e Gandhi e Rosa e Tolstoi e Curie. Não se trata de quanto tempo temos, mas como usamos, como experimentamos.

Com isso dito, gostaria de propor algumas maneiras pelas quais podemos mudar para que possamos dominar nosso relacionamento com o tempo.

  1. Veja o presente no tempo que temos. Todo dia que temos é um grande presente. Temos que ter esse tempo! Nós o usamos para fazer algo, amar, sentir alegria e risos, ouvir música, ver a natureza, mover-se, ler, sentir. Isto é incrível! Em vez de analisar o pouco tempo que temos, podemos apreciar o tempo que temos como um presente incrível e poderoso. Toda hora é um presente tremendo. Todo momento. Podemos ver o presente no tempo que temos e apreciá-lo plenamente? Como isso mudaria a forma como você se sente sobre o seu dia?
  2. Use o tempo intencionalmente e com alegria. Se toda hora é um presente, vamos desperdiçá-lo? Ou podemos usá-lo intencionalmente, para algo que é importante e significativo para nós? (Aliás, o descanso é importante. O autocuidado é significativo.) Podemos usar esse presente da melhor maneira possível? E podemos experimentá-lo com alegria, com total apreciação? Como isso pode mudar a forma como usamos nosso tempo?
  3. Seja honesto sobre suas prioridades. Muitas vezes usamos o tempo como desculpa para não fazer algo ou como motivo para dizer não. Todos fazemos isso: “Desculpe, não tenho tempo”. Essa é uma maneira de respeitar nossas fronteiras, mas não é totalmente honesta. Todos temos tempo – precisamos apenas priorizá-lo, porque o tempo não é ilimitado. Optamos por gastar nosso tempo com base no que é importante para nós. Se não estamos ajudando os sem-teto ou salvando órfãos … não é porque não temos tempo. É porque escolhemos priorizar ganhar dinheiro, cuidar de nossa família, cuidar de nós mesmos ou fazer algo mais significativo. Se formos honestos conosco sobre nossas prioridades, não precisamos usar o tempo como desculpa. Podemos apenas dizer que não é minha prioridade no momento e ver as coisas que escolhemos como prioritárias como a maneira como gostaríamos de gastar nosso tempo.
  4. Crie espaço no seu dia. Se você tem algumas prioridades claras, por que não criar um tempo para fazê-las acontecer? Muitas vezes sentimos que queremos priorizar algo, mas não temos tempo. Então precisamos fazer o tempo. Se não pudermos, basta admitir que não é uma prioridade no momento. Se for uma prioridade, vamos ver se podemos criar o espaço.
  5. Não deixe as coisas se familiarizarem. Muitos de nós sentimos que o tempo está voando cada vez mais rápido a cada ano. Provavelmente, devido a um fenômeno em que não notamos coisas quando elas se tornam realmente familiares. É como passar pelo seu bairro a caminho de casa, sem ver nada disso. É tudo familiar e você está no piloto automático. É assim que vivemos a maior parte de nossos dias – as coisas ficam realmente familiares e não percebemos. E se pararmos de deixar as coisas ficarem muito familiares? E se olharmos para tudo como se fosse a primeira vez que o vimos? De repente, o tempo se tornaria menos embaçado e estaríamos totalmente no momento.
  6. Imagine que você vai morrer em um ano. Isso pode parecer horrível para alguns, ou muito escuro… Mas contemplar nossa morte é uma maneira de mudar nosso relacionamento para a vida. Mudar como nos relacionamos com o tempo. Então, se você imaginou, por exemplo, que iria morrer em breve … você pode gastar o tempo que resta de forma mais intencional. E aqui está algo bastante certo: se você sabe que tem pouco tempo para viver, esse tempo diminui de repente e se torna muito mais vívido. É o que acontece quando contemplamos a morte – o tempo se torna vívido, mais lento, real.
  7. Saboreie e esteja totalmente presente para diminuir o tempo. Se pensarmos no tempo como um prazer a ser saboreado, poderemos nos tornar completamente presentes. Pense nas horas do seu dia como uma bebida deliciosa, esperando para ser saboreada. Que delícia! Como é maravilhoso estar vivo! O tempo não é apenas areia escorregando por entre os dedos, mas prazer sendo saboreado em nossas bocas.Experimente cada uma delas e pratique habitando completamente cada prática. Entregue-se totalmente à prática e veja o que muda. Seu relacionamento com o tempo pode nunca ser o mesmo.

Leo Babauta
Fonte: https://eraoflight.com/ — Rafael Issa Gama e Marco Iorio Júnior — Tradutor e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz

Fonte: Trabalhadores da Luz

Continuar lendo REFLEXÃO: A SUA RELAÇÃO COM O TEMPO PODE MELHORAR MUITO ATRAVÉS DA CONTEMPLAÇÃO

REFLEXÃO: O QUE PODEMOS ENTENDER SOBRE ILUMINAÇÃO QUANDO O BUDA DIZ QUE É O FIM DO SOFRIMENTO?

Nesta terça-feira trago mais um excelente texto publicado por Beth Michepud em seu Blog Sabedoria Universal sobre “Iluminação”. O que é Iluminação? O texto a seguir revela através da visão do ilustre escritor Eckhart Tolle e dos ensinamentos do Buda como alcançar a Iluminação. 

Iluminação, o que é isso?

 em 

iluminar

Trago hoje um trecho do livro “O Poder do Agora”, de Eckhart Tolle, que nos faz refletir sobre nossa própria evolução enquanto seres divinos que somos, e nos ajuda a perceber qual o maior obstáculo para a iluminação. Espero que gostem tanto quanto eu, e, com toda certeza recomendo a leitura deste livro. É revelador!

“Por mais de 30 anos um mendigo ficou sentado no mesmo lugar, debaixo de uma marquise. Até que um dia uma conversa com um estranho mudou sua vida:

– Tem um trocadinho aí para mim, moço? – murmurou, estendendo mecanicamente seu velho boné.

– Não, não tenho – disse o estranho. – O que há nesse baú debaixo de você?

– Nada, isso aqui é só uma caixa velha. Já nem sei há quanto tempo sento em cima dela.

– Nunca olhou o que ela tem? – perguntou o estranho.

– Não – respondeu. – Para quê? Não tem nada, não!

– Dá uma olhada dentro – insistiu o estranho, antes de ir embora.

O mendigo resolveu abrir a caixa. Teve que fazer força para levantar a tampa e mal conseguiu acreditar ao ver que o velho caixote estava cheio de ouro.

Eu sou o estranho sem nada para dar, que está lhe dizendo para olhar para dentro.

Não de uma caixa, mas sim de você mesmo. Imagino que você esteja pensando, indignado: “Mas eu não sou um mendigo!”

Infelizmente, todos que ainda não encontraram a verdadeira riqueza – a radiante alegria do Ser e uma paz inabalável – são mendigos, mesmo que possuam bens e riqueza material. Buscam, do lado de fora, migalhas de prazer, aprovação, segurança ou amor, embora tenham um tesouro guardado dentro de si, que não só contém tudo isso, como é infinitamente maior do que qualquer coisa oferecida pelo mundo.

A palavra iluminação transmite a ideia de uma conquista sobre-humana – e isso agrada ao ego –, mas é simplesmente o estado natural de sentir-se em unidade com o Ser. É um estado de conexão com algo imensurável e indestrutível. Pode parecer um paradoxo, mas esse “algo” é essencialmente você e, ao mesmo tempo, é muito maior do que você. A iluminação consiste em encontrar a verdadeira natureza por trás do nome e da forma. A incapacidade de sentir essa conexão dá origem a uma ilusão de separação, tanto de você mesmo quanto do mundo ao redor. Quando você se percebe, consciente ou inconscientemente, como um fragmento isolado, o medo e os conflitos internos e externos tomam conta da sua vida.

Adoro a definição simples de Buda para a iluminação: “É o fim do sofrimento.” Não há nada de sobre-humano nisso, não é mesmo? Claro que não é uma definição completa.

Ela apenas nos diz o que a iluminação não é: não é sofrimento. Mas o que resta quando não há mais sofrimento? Buda silencia a respeito, e esse silêncio implica que teremos de encontrar a resposta por nós mesmos. Como ele emprega uma definição negativa, a mente não consegue entendê-la como uma crença, ou como uma conquista sobre humana, um objetivo difícil de alcançar. Apesar disso, a maioria dos budistas ainda acredita que a iluminação é algo apenas para Buda e não para eles próprios, pelo menos, não nesta vida.”

Luz e Paz!
Continuar lendo REFLEXÃO: O QUE PODEMOS ENTENDER SOBRE ILUMINAÇÃO QUANDO O BUDA DIZ QUE É O FIM DO SOFRIMENTO?

REFLEXÃO: UM OPORTUNIDADE DE VOCÊ REVELAR A SUA MELHOR VERSÃO

Uma mensagem do mensageiro Siriano sobre “Ajustes Finais” é o destaque desta segunda-feira na coluna REFLEXÃO. O mensageiro nos saúda com alegria, pois informa que “a dança-das-cadeiras-da-densidade já se precipita, e não tardará mais a derrubar os interesses de centralização e manutenção de poder pelo qual brigam os adeptos das sombras”. O que quer dizer que os dias dos adeptos das sombras e das baixas vibrações estão contados e novos tempos vse encaminham. Então lhe convido a ler o texto completo a seguir, refletir e tirar as suas conclusões!

AJUSTES FINAIS •AarayA

O Mensageiro Siriano Através de Dinnho Beduzupo 29/05/2020

Postado por Patrizia Gardona em 30 maio 2020 às 10:59

Amadas Almas, Saudações!

Diante dos efeitos mais diretos dessa Transição Planetária, muitos terranos iniciam seus próprios primeiros contatos com seu lado divinal Eu Sou, através da melhor versão que acessam com as boas práticas. Quem nos acompanha os apontamentos sabe do que falamos, e para estes dirigimos as próximas palavras. [sorriso]

Regozijem-se, Pozinhos de Estrelas, pois a dança-das-cadeiras-da-densidade já se precipita, e não tardará mais a derrubar os interesses de centralização e manutenção de poder pelo qual brigam os adeptos das sombras.

Vocês perguntam a razão de tantas coisas “ruins” surgindo em sua mídia justo nessa altura de transformação e a razão é justamente essa: limpeza das chagas sociais do planeta. Tudo o que dessoa da energia remissora da Nova Terra, será redirecionado para ponto onde o que vibram lhes é mais confortável, familiar, como desejam.

Não há “castigo”, “penalização” ou qualquer coisa que lhes valha. Tudo sempre foi, desde o princípio e até hoje, questão de escolha e consequência direta dessa escolha. Não há “culpados” ou “inocentes”; quem semeou, colhe, objetivamente dessa forma.

Para essa altura de todos os acontecimentos, estamos felizes pela melhor versão de quem se permitiu transformar o que lhes pareceria um castigo em oportunidade de amadurecimento íntimo e elevação consciencial/espiritual. Sem desculpas, sem vitimizações; existia algo para ser feito e seguiram nessa direção, sem esperar por mais nada.

À essa altura vocês já aprenderam e trabalham de posse do conhecimento de que cada qual possui seu livre-arbítrio, seu direito de escolha, e que por ele é guiado sempre. Sem julgamentos ou ataques de ego desgovernado, oferecem amorosamente seu melhor exemplo através de suas atitudes, e quem teve de seguir ou se afastar do que viu, exerceu sua condição primária em plenitude. E tudo isso é igualmente sagrado e devido.

Amanhã, quando tiverem de se lembrar desses dias conturbados, sentirão em si a vibração magnética de quem fez o que podia ter feito – isso é o sentimento de sua melhor versão (vocês simplesmente saberão que é assim). [sorriso]

Inexiste um padrão pre-estabelecido para identificar seu grau de comprometimento com sua melhor versão. Isso porque cada um tem seu próprio histórico evolutivo, que aciona ou desativa determinados gatilhos para tais percepções do meio e de si mesmos. Tudo muito natural, consequente, fluídico. Logo, não sofram lucubrando sobre o assunto; quando chegar sua hora, a compreensão lhes fará sorrir e o mundo se expandirá bem diante de seus olhos, como uma espécie de milagre.

Família, a FRATERNIDADE SÍRIUS segue suas atividades servindo-lhes em apoio aos demais coletivos, na intenção de despertá-los para a necessidade de ancorarem na escala que lhes é devida para esse Agora. Existe muito trabalho, mas existem também significativas conquistas sendo atingidas, reafirmadas através do engajamento efetivo de quem são perante o Multiverso e além dele.

Assim sendo, desbloqueiem-se de seus vícios mundanos, das práticas desagregadoras, das posturas separatistas, dos julgamentos impróprios quanto à ideologias e similares, e vão tratar de seguir adiante com mais leveza e amor em seus corações.

Muitos de vocês se elevam para isso, mas muitos outros precisarão de mais de seu tempo linear, entendam. Por esta razão seguir para a próxima fase de Gaia ainda não se dará por agora; existem etapas que precisarão ser refeitas em outras esferas civilizatórias, como parte importante de seus desenvolvimentos evolutivos de base. E há Amor Incondicional em tudo isso também!

Permaneçam focados no direcionamento da Luz legítima – esse que lhe provocam para bons pensamentos, bons sentimentos e ações altruístas. O Planetinha Azul conta muito com todos vocês, em contraponto com àqueles que optam por se servir de uma qualidade energética de baixa escala, repleta de informações e conceitos que em nada lhes somam de positivo, associados ao medo e afins.

Ingressamos nos tempos dos ajustes finais para a derrocada do Denso sobre suas cabeças. Fiquem firmes, Servidores da Luz! Porque a vitória já é! [sorriso]

Selamat Matah! (A Paz esteja convosco!)

Amorosamente,

AarayA de Sírius Real | Família •AarayA

NOTA DO CANAL: O sentimento de que tudo parece estar desmoronando está presente, mas verifica-se com alguma facilidade que é mesmo assim quando o Novo pede espaço. Pois que venha o melhor, porque para isso também estamos aqui. ❤

Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
https://www.decoracaoacoracao.blog.br/
https://lecocq.wordpress.com
Instagram – @blogdecoracaoacoracao

Fonte: Portal Arco Íris

Continuar lendo REFLEXÃO: UM OPORTUNIDADE DE VOCÊ REVELAR A SUA MELHOR VERSÃO

REFLEXÃO: DEIXE SUA LUZ BRILHAR LIVREMENTE SEM VERGONHA NEM CULPA

Um momento de REFLEXÃO é necessário para você se interiorizar e descobrir a luz que está represada dentro do seu ser que precisa ser liberada sem restrições, pois só assim você será um ser verdadeiro, sem medos ou culpas e só assim terá condições de ser quem realmente você é. Desta forma terá condições mostrar todo o brilho e iluminar os que estão ao seu redor ainda nas trevas sem rumo. Portanto leia esse magnífico texto, reflita e faça o seu juízo de valor!

SOLIDÃO, UMA ETAPA NECESSÁRIA DO SEU CAMINHO

Mensagem de Jeshua canalizada por Pamela Kribbe maio de 2020

Postado por Patrizia Gardona em 23 maio 2020 às 11:37

Queridos amigos,

Eu Sou Jeshua e saúdo-os de coração. Percebam a luz que está presente aqui; ela está fluindo dos seus corações. Eu acolho a sua luz em mim, e depois a reflito de volta a vocês, para que saibam, sintam e se lembrem de quem vocês são – trabalhadores da luz, portadores da luz.

A maior inspiração e o propósito de cada um de vocês é manifestar toda a luz do seu coração e da sua alma aqui na Terra. Sinta esse desejo em você, em todas as células do seu corpo. Você está aqui para deixar sua luz brilhar livremente, sem vergonha ou culpa.

Faça isto agora, abra todas as células do seu corpo e sinta a luz dentro delas – permita que essa luz se irradie! Deixe-a jorrar das profundezas do seu abdome, através do seu coração, da sua garganta, dos seus olhos. A luz quase explode para fora, porque quer fazer isso, é da sua natureza brilhar como um sol.

Você já reprimiu demais a sua luz! Agora é o momento de superar as inibições, a repressão, a resistência. Que alívio poder fazer isso, porque é preciso muita força para reter a luz que deseja irradiar-se do seu interior com naturalidade. Esconder sua luz exige um esforço considerável e cria muito estresse, além de deixa-lo doente, deprimido, amargurado e frustrado.

Você está aqui na Terra para atender ao chamado da sua alma, e é isto que o tornará livre e feliz. Então, por que lhe parece tão difícil? Porque você está lutando contra sua luz, mesmo enquanto está sentado aqui [ouvindo ou lendo isto]. Você tem medo da sua luz e esse medo cria a resistência, a dissimulação, o ajuste ao que você considera apropriado e certo. Isto cria os muros de defesa que você construiu ao redor de si.

Sinta, agora, que a alma dentro de você está mais forte do que nunca. Sua alma quer nascer na Terra aqui e agora. Sinta o desejo ardente da sua alma, e a alegria e contentamento que o acompanham. O fogo em você não conhece nenhuma insegurança; ele é cheio de paixão; ele inflama e inspira, portanto, permita que ele se mostre.

Deixe que o fogo, a luz da sua alma, flua por você. Sinta a luz juntar-se ao seu redor, e receba a alma no seu corpo. Inspire aquele que você é. Você não deve nenhuma justificativa nem explicação a ninguém por ser quem você é. “Este é quem eu sou. Esta é a minha essência, meu ser.”

Todos vocês, no decorrer da vida, tiveram sua estrutura de crenças abalada. A crença absoluta de que “Eu Sou O Que Sou” foi prejudicada em todos vocês. Em alguns casos, isto aconteceu antes de começar a vida atual. Em algumas vidas passadas, você pode ter sofrido ferimentos mentais e físicos que o afetaram e obscureceram sua capacidade de ver quem você era e enxergar sua luz original.

Pode ser também que você se lembrasse da sua própria luz, quando nasceu nesta vida atual, mas tenha sido incapaz de manter essa memória. Você foi influenciado pelo seu ambiente, que era governado por medo, raiva, insegurança e dúvida. Todos conhecem o sentimento de ter perdido o caminho interior, e então começam a procurar a luz fora de si mesmos.

Este é o destino de praticamente toda criança, porque, no início de sua vida na Terra, ela é vulnerável. Enquanto bebê, você é física e emocionalmente vulnerável, então, instintivamente, procura e confia nas informações do seu ambiente. E faz isto de várias maneiras. Uma parte sua anseia pelo calor do amor, como um cobertor quentinho que o envolva… aquela confiança e segurança que toda criança deseja.

Mas também pode haver um medo profundo presente em você, ao encarnar mais uma vez na Terra, especialmente se você carrega mágoas e cicatrizes de vidas anteriores, que são o motivo da sua forte necessidade de ser amado e reconfortado na sua primeira infância. Você se volta para as pessoas ao seu redor com a esperança de receber luz e força delas.

Há um outro motivo pelo qual você se aproxima das pessoas à sua volta e que não é o desejo de receber – é o desejo de doar. Assim como todos aqui presentes, você é uma alma sensível. Há uma tal profundidade em seu coração e espírito, que mesmo quando criança ou bebê, você já tinha uma percepção sutil do mundo e das pessoas que o rodeavam. Embora seu cérebro físico não estivesse plenamente desenvolvido, seus sentidos estavam.

Seu coração estava aberto e você percebia a dor da sua mãe e do seu pai, e as energias negativas em seu ambiente. De alguma forma, graças à lembrança do propósito da sua alma, você queria ajudar a curá-los e acertar as coisas para eles, e trazer harmonia às suas vidas. Você queria ajudar seus pais trazendo luz para eles. Você ainda estava tão próximo daquela outra dimensão da qual você e sua alma vieram, que sentia esse impulso com muita intensidade.

Tanto no anseio por amor e segurança, quanto no impulso profundo de querer curar, doar e trazer consciência, você pode se apegar ao mundo ao seu redor de um modo que pode se tornar – e que se tornou – muito doloroso. Pois, nesta Terra, você pode se perder ao doar e querer curar o mundo, exatamente da mesma forma que pode se perder no desejo por cuidados e luz vindos de fora.

O que acontece nessa perda precoce de si é que você não percebe totalmente quem você é e de que maneira se destaca no mundo que o rodeia. Nesse desejo semiconsciente de dar e receber, você fica confuso a respeito de si e de quem você é, porque, com isso, se torna dependente do mundo à sua volta.

Você começa a relacionar o doar com o receber. Você espera que, se compartilhar desinteressadamente com os outros, simpatizar-se e compreender os outros, tranquiliza-los e curá-los, você receberá de volta a confiança e a segurança pela qual tanto anseia, e o reconhecimento da luz que você realmente é, num mundo que lhe parece estranho.

Mais cedo ou mais tarde, você experimenta e descobre que esta abordagem da vida o desvia do caminho. E esta descoberta é dolorosa, porque você realiza parcialmente a missão da sua alma compartilhando sua luz, querendo transformar energias negativas em harmonia. Entretanto, para se tornar, de fato, um trabalhador da luz autoconsciente, é preciso que você se afaste um pouco dessa dinâmica (consciente ou semiconsciente) de dar e receber, do desejo de receber luz e força de fora.

É preciso libertar-se dessa necessidade para começar realmente a brilhar a partir da sua própria essência, das profundezas do seu próprio ser. Todas as formas de dependência do mundo exterior acabam afastando-o da sua alma. Então, seu caminho leva-o primeiro a aceitar sua solidão, a ser um “eu” antes de poder se conectar com o mundo e as pessoas ao seu redor com força e amor independentes.

Quando adulto, logo que inicia um caminho espiritual, você é desafiado a enfrentar os antigos medos da sua criança interior, que estava procurando segurança do lado de fora de si mesma, e lhe dar o que ela precisa. Este é um grande passo que você deve dar.

Assim como inúmeros trabalhadores da luz, é provável que você se pergunte por que tantas vezes se sente solitário e incompreendido pelas pessoas que o rodeiam, sejam elas seus familiares ou, mais tarde, professores e colegas da escola e do trabalho. “Por que tenho esta sensação de ser diferente, este sentimento de alienação? Por que isto acontece comigo?” Digo-lhe que parte do seu caminho, do caminho da sua alma, é passar por um período intenso de solidão.

Só vivenciando essa solidão, você poderá descobrir – e descobrirá – que você próprio é que deve acender a chama, acender a luz no seu interior. A solidão é como um túnel que você atravessa – que você deve atravessar – para realmente tornar-se independente do mundo. Na expressão “estar no mundo, mas não ser do mundo”, “ser do mundo” significa que você é influenciado pelas exigências do mundo exterior, tais como ser ou não reconhecido e aceito, ser ou não bem-sucedido. “Ser do mundo” afasta-o da sua alma.

Portanto, estou lhe pedindo que dedique um instante agora para cuidar de si mesmo. Imagine que você está irradiando a luz que mencionei há pouco – a luz que deseja tanto brilhar livre e desimpedidamente sobre o seu medo mais profundo e sua necessidade de segurança e confiança.

Acolha completamente essa necessidade, envolvendo-a com o calor da sua alma e do seu coração. Pegue sua criança interior no colo ou leve-a ao seu coração. Sinta, nessa criança, as mágoas, as feridas e cicatrizes da dor, da perda, do medo, mas sinta também sua luz grandiosa e perceba como isto é capaz de satisfazer totalmente a criança.

Esta criança esperou muito tempo por você. Ao nutrir sua criança interior com sua luz – aqui na Terra – você cura velhos traumas do passado e cria independência. E enquanto está fazendo isto, sinta a energia sustentadora, poderosa da Mãe Terra sob seus pés. Ela quer receber você; você é bem-vindo aqui na Terra.

Permita que a luz flua através de si e o conecte com a Terra enquanto você acalenta a criança interior, nas profundezas do seu ser, oferecendo-lhe o que ela precisa. Deixe sua luz fluir por seus pés e sinta como a Mãe Terra o acolhe aqui e agora.

Obrigado

Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
https://www.decoracaoacoracao.blog.br/
https://lecocq.wordpress.com

Continuar lendo REFLEXÃO: DEIXE SUA LUZ BRILHAR LIVREMENTE SEM VERGONHA NEM CULPA

REFLEXÃO: PENSAR, AGIR, FALAR E SENTIR COM O CORAÇÃO E A INTUIÇÃO

O Coração é o centro da nossa consciência maior que deve nos guiar em conjunto com a intuição, percepção sensorial que se origina na mente localizada no cérebro. Essa ligação deve ser sempre no sentido coração-mente e não o contrário. No texto a seguir uma REFLEXÃO sobre esse fluxo consciencial que se inicia no coração e termina na cabeça!

Você vive no coração ou foge para a cabeça?

 em 

emoção

Se vivemos racionalizado tudo, não damos espaço para nossa essência se manifestar e muito menos agir. Paul Ferrini nos traz esta reflexão muito apropriada, não só para o momento pelo qual todos estamos passando, mas para a vida inteira.
“Ficar no coração não é fácil. Pois é no coração que entramos em acordo com a experiência que estamos vivendo. Quando o coração está aberto, a experiência é bem recebida. Nós a aceitamos e permitimos que seja integrada com a nossa alma. Quando o coração está fechado, rejeitamos a experiência. Nós nos defendemos contra a decepção ou contra a mágoa e fugimos para a cabeça.
Quando a experiência passa a ser intelectualizada somos roubados não só dos baixos, mas também dos altos da vida emocional. Perdemos a capacidade de sentir compaixão por nós mesmos e pelos outros. Perdemos a sensibilidade não somente para a dor e para o sofrimento, mas também para a beleza e para a felicidade.
Quando nosso coração está verdadeiramente aberto, tanto a felicidade quanto a dor são experimentadas sem inventar estórias, sem pintar a realidade de cor de rosa. Elas não significam nada diferente do que realmente são. Sentir dor não significa que somos maus, nem que outros sejam maus, assim como sentir felicidade não quer dizer que somos bons. Não há interpretações, só há disposição e boa vontade para aceitar e receber a experiência lá dentro. No coração aberto, o riso e as lágrimas se mesclam. É um lugar de intensa contradição, um lugar rico, um banquete variado de experiências que não podem ser racionalizadas, domadas, antecipadas, nem entendidas.
O medo e o condicionamento nos encorajam a rejeitar os aspectos da experiência que sejam novos, inesperados ou que não nos pareçam seguros. A alma fica dividida quando uma parte da experiência passa a ser vista como inaceitável. Passamos a ter bom e ruim, inconsciente e consciente, desejado e não desejado. Dessa forma somos capazes de ter uma experiência sem senti-la. Podemos fugir para a cabeça, nos distanciar, nos desconectar emocionalmente. Ainda que este tipo de dissociação seja compreensível quando se trata de uma reação a eventos traumáticos, ele passa a ser disfuncional em resposta aos altos e baixos da vida diária.
Quando só estamos dispostos a aceitar o que nos é familiar ou aquilo que pensamos que queremos, ficamos presos na rotina e nos padrões do nosso passado. Ficamos estagnados emocionalmente e intelectualmente. Ficamos rígidos, ego-centrados e previsíveis. A energia da vida passa a ser investida na manutenção das defesas do ego, garantindo que o status quo permaneça intacto.
Viver no coração significa deixar que tudo entre. Significa estar com a experiência, mesmo que ela seja difícil ou confusa. Para estar no coração, temos que adiar a tomada de decisões com frequência, até que fiquemos completamente familiarizados com o conteúdo total da nossa consciência.
Ficar no coração ajuda-nos a assimilar os caprichos de nossa experiência, ainda que isso leve algum tempo para acontecer. Quando não temos pressa, percebemos que as contradições iniciais acabam se resolvendo sozinhas. Tudo vai ficando mais claro conforme vamos honrando os variados pensamentos e sentimentos da nossa alma. É uma função da nossa inteireza, quando sentida.
Tomar decisões antes de ter passado algum tempo com todos os nossos pensamentos e sentimentos contraditórios, acaba agravando qualquer que seja o conflito que estejamos experimentando em nossa vida externa. Quando sentimos urgência ou pressão para solucionar ou decidir alguma coisa, geralmente isso significa que estamos fugindo para a cabeça, tentando fazer com que “alguma coisa aconteça” que ainda não está pronta para acontecer. E, inevitavelmente, isso conduz a conflitos externos e a decepções. As portas não se abrem, não importa com que frequência ou com que força possamos bater nelas. Como não estamos em harmonia interna, não conseguimos ficar em harmonia com os outros. Como não estamos em nosso próprio “fluxo”, não conseguimos fluir com a vida conforme ela vai se manifestando ao nosso redor.
É preciso ter coragem para estar presente na paisagem emocional interna quando a chuva e a neblina obscurecem a vista. Quando a visibilidade é mínima, tudo o que podemos fazer é colocar um pé na frente do outro. Quando um monte de conflitos e emoções se agitam na alma, tudo o que podemos fazer é trazer gentilmente a consciência para onde estamos. Se nos apressarmos no meio da chuva e da neblina, desviaremos do caminho e cairemos.Um acidente vai nos atrasar muito mais de alcançar nosso objetivo do que o mau tempo e, daí, vamos desejar ter sido mais pacientes.
Ser paciente conosco mesmos e com o nosso próprio processo é o segredo de viver no coração. Podemos estar no coração e não “saber” o resultado de uma situação. Na verdade, a disposição “para estar sem saber” é essencial para estar presente aqui e agora, seja o que for que estivermos experimentando. “Saber” quase sempre diz respeito ao passado. Quando não precisamos mais saber, podemos ficar neste momento.”
Luz e Paz!
Continuar lendo REFLEXÃO: PENSAR, AGIR, FALAR E SENTIR COM O CORAÇÃO E A INTUIÇÃO

REFLEXÃO: A LENDA DAS AREIAS NOS ENSINA A SERMOS RESILIENTES

Um conto Sufi “A lenda das areias”,  extraído do livro “O buscador da verdade” de Idries Shah é texto em destaque da nossa coluna REFLEXÃO desta terça-feira. Um texto de extraordinária sabedoria, de onde podemos tirar algumas lições e aprendizados importantes para as nossas vidas. Detre elas aprendermos a ser RESILIENTES é vital para superar alguns obstáculos na nossa caminhada. Portanto, lhe convido a ler o texto completo a seguir, refletir e tirar suas conclusões!

A lenda das Areias

 em 

surio

Todos estamos trilhando o caminho da evolução e, muitas vezes, nos sentimos como se não tivéssemos saída para ultrapassar um percalço. Mas sempre há!! Cada ser vivo possui uma essência nata e é ela que vai prevalecer. Trago hoje um conto sufi, “A lenda das areias”,  extraído do livro “O buscador da verdade” de Idries Shah.

“Vindo desde as suas origens em distantes montanhas, após passar por inúmeros acidentes de terreno nas regiões campestres, um rio finalmente alcançou as areias do deserto. E do mesmo modo como vencera as outras barreiras, o rio tentou atravessar esta de agora, mas se deu conta de que suas águas mal tocavam a areia nela desapareciam.

Estava convicto, no entanto, de que fazia parte de seu destino cruzar aquele deserto, embora não visse como fazê-lo.

Então uma voz misteriosa, saída do próprio deserto arenoso, sussurrou:
– O vento cruza o deserto, o mesmo pode fazer o rio.
O rio objetou estar se arremessando contra as areias, sendo assim absorvido, enquanto o vento podia voar, conseguindo dessa maneira atravessar o deserto.
– Arrojando-se com violência como vem fazendo não conseguirá cruzá-lo. Assim desaparecerá ou se transformará num pântano. Deve permitir que o vento o conduza a seu destino.
– Mas como isso pode acontecer?
– Consentindo em ser absorvido pelo vento.
Tal sugestão não era aceitável para o rio. Afinal de contas, ele nunca fora absorvido até então. Não desejava perder a sua individualidade. Uma vez a tendo perdido, como se poderá saber se a recuperaria mais tarde?
– O vento desempenha essa função – disseram as areias. – Eleva a água, a conduz sobre o deserto e depois a deixa cair. Caindo em forma de chuva, a água novamente se converte num rio.
– Como posso saber que isto é verdade?
– Pois assim é, e se não acredita, não se tornará outra coisa senão um pântano, e ainda isto levaria muitos e muitos anos; e um pântano não é certamente a mesma coisa que um rio.
– Mas não posso continuar sendo o mesmo rio que sou agora?
– Você não pode, em caso algum, permanecer assim – retrucou a voz. – Sua parte essencial é transportada e forma um rio novamente. Você é chamado assim ainda hoje por não saber qual a sua parte essencial.
Ao ouvir tais palavras, certos ecos começaram a ressoar nos pensamentos mais profundos do rio.

Recordou vagamente um estágio em que ele, ou uma parte dele, não sabia qual, fora transportada nos braços do vento. Também se lembrou, ou lhe pareceu assim, de que era isso o que devia fazer, conquanto não fosse a coisa mais natural.
E o rio elevou então seus vapores nos acolhedores braços do vento, que suave e facilmente o conduziu para o alto, e para bem longe, deixando-o cair suavemente tão logo tinham alcançado o topo de uma montanha, milhas e milhas mais distante.

E porque tivera suas dúvidas, o rio pode recordar e gravar com mais firmeza em sua mente os detalhes daquela sua experiência. E ponderou:
– Sim, agora conheço a minha verdadeira identidade.
O rio estava fazendo seu aprendizado, mas as areias sussurraram:
– Nós temos o conhecimento porque vemos essa operação ocorrer dia após dia, e porque nós, as areias, nos estendemos por todo o caminho que vai desde as margens do rio até a montanha.
E é por isso que se diz que o caminho pelo qual o Rio da Vida tem de seguir em sua travessia está escrito nas Areias.”

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: A LENDA DAS AREIAS NOS ENSINA A SERMOS RESILIENTES

REFLEXÃO: VAMOS SILENCIAR PARA OUVIR A RESPOSTA DE DEUS

No nosso momento de REFLEXÃO deste domingo trago um texto que pode ajudar muitas pessoas, que neste momento tão difícil deve estar esperando uma resposta de Deus, possam ouvir o sussurro da voz de Deus e assim enxergar o caminho de luz após um longo e tenebroso inverno. Então convido você a ler o texto completo a seguir refletir e tirar suas conclusões! 

Resposta de Deus Para Você - YouTube

A resposta de Deus

É como mergulhar em um mar de águas geladas. Por toda parte o frio, o abandono. Ninguém à vista, nada de sorrisos calorosos, mãos amigas, solidariedade.

É assim quando o mundo nos vira as costas, os amigos fogem, e nada parece dar certo.

Nesses momentos temos vontade de perguntar: Onde estão as pessoas gentis, os bons sentimentos? Onde se escondeu o amor, que todos louvamos?

Nos escaninhos da alma então cresce um sentimento infeliz: o de que não somos dignos de ser amados. E queremos tanto ser amados!

Queremos alegrias, carícias, gentilezas e sorrisos. Se isso nos falta, resta uma sombra cinzenta, um coração partido.

E é assim que da garganta parte um pedido de socorro, um grito que corta os céus e chega a Deus. E que diz, entre soluços: Meu Pai, será que podes me ouvir? Estás aí? Deixa-me sentir Tua mão por um só instante.

E se a alma está atenta, o coração aberto, a luz abre caminho entre as sombras. É como o sol surgindo após a chuva, seus raios dissipando nuvens pesadas, seu calor se espalhando pela Terra.

É a resposta de Deus. Sua voz soa nos nossos ouvidos, sussurrando: Sim, meu filho, estou aqui. Confia, espera, supera, aguarda. Estou aqui.

Somente essa voz divina tem o poder de restaurar nossa alma, de tornar cálida a água gelada que nos cerca.

Deus é alegria. Estar unido a Ele é alcançar o permanente contentamento, Sua voz ecoando no coração, consolando, explicando. É como música feliz que leva para longe as mágoas, restaura a paz e devolve o sorriso.

Por isso, nas horas árduas, quando a solidão se instalar e as lágrimas chegarem, apenas silencie a voz na garganta.

Deixe apenas a alma falar. E em vez de queixas, permita que a voz secreta busque Aquele que criou todas as coisas. Dirija ao Pai Divino uma oração de reconhecimento e amor. Algo mais ou menos assim:

Na caminhada dos dias, nos caminhos do Mundo, na humildade de minha alma, eis-me aqui, meu Amigo, meu Amado.

Faz da minha vida o que for melhor para mim. Mesmo que meus pés sangrem, mesmo que meus lábios só emitam gemidos, confio em Ti.

Ouvir Tua voz na natureza é como recordar uma canção de infância. Violões em notas claras traduzindo brisas e risadas de criança. À Tua sombra existe serenidade e paz. A paz que sempre busquei.

És minha água, meu sol, o ar mais puro. Por isso meu único pedido é que me deixes apenas Te amar.

* * *

Deus está em toda parte, e, obviamente, em ti e contigo também.

Procura encontrá-Lo, não somente nas ocorrências ditosas, senão em todos os fatos e lugares.

Reserva-te a satisfação de ser cada dia melhor do que no anterior, de forma que Ele em ti habite e, sentindo-O, conscientemente, facultes que outros também O encontrem.

Redação do Momento Espírita, com pensamentos finais do cap. 33 do livro Episódios diários, do Espírito Joanna de Angelis, psicografado por Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

Fonte: Momento de Reflexão

Continuar lendo REFLEXÃO: VAMOS SILENCIAR PARA OUVIR A RESPOSTA DE DEUS

REFLEXÃO: ESTAMOS TODOS CONECTADOS E SOMOS UM SÓ

Nesta terça-feira trago um texto que é pura FÍSICA QUÂNTICA para refletirmos na coluna REFLEXÃO. A humanidade começa a perceber que somos todos co-criadores de tudo e estamos todos conectados, seja positiva ou negativamente. É  a Lei da atração. Também estamos despertando para entender que ao respirarmos amor além de oxigênio nossas mentes estão entrelaçadas aqui e no astral de nossos pensamentos e assim, juntos nada é impossível e o improvável não existe. Convido você a ler o texto completo a seguir, refletir e tirar suas conclusões!

Todos somos um

 em 

 

stum1

Hoje, mais do que nunca, estamos tendo certeza de que não há evolução sem união, sem fraternidade, sem amor. Eu fico pensando que o Universo deu um jeito de acordar a humanidade para isso.

Vivemos, no passado remoto e recente, uma pandemia de excessos de poder, de desrespeito para com a natureza viva (humana, vegetal, mineral…) e de completa falta de consciência do amor.

Acredito que, aprendendo a reconhecer que somos co-criadores de tudo, viveremos em um planeta onde, ao invés de respirarmos somente oxigênio, respiraremos amor. Não podemos muita coisa sozinhos, mas juntos nada é impossível e o improvável não existe. O breve texto é de autoria de Julio Nunes, que nos lembra da necessidade de união e da perseverança em vigiar nossos pensamentos, porque mesmo que você não acredite, eles criam nossa realidade física.

“Não estamos sozinhos e nada construímos sós. Pensamos e agimos em comunhão com todos os seres do universo. Nossas mentes estão entrelaçadas aqui e no astral de nossos pensamentos.

Não somos indivíduos isolados, nem nossa essência partiu de nossos ancestrais. No contexto da criação, somos todos um só.

Nossos pensamentos sincronizam-se com o coletivo para que as coisas aconteçam. Mas todo desejo precisa de um apoio divino para que se materialize.O acaso só existe porque o construímos com nossas convicções. Em todo pensamento negativo e duvidoso, atraímos pessimismo e desordem. Mas quando refletimos dentro dos padrões de positivismo, recebemos confiança, felicidade…

Os pensamentos formatam nossos desejos que impulsionam essas escolhas. Nossas ideias influenciam toda a humanidade.”

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: ESTAMOS TODOS CONECTADOS E SOMOS UM SÓ

REFLEXÃO: RECOMEÇAR TODO OS DIAS FAZ PARTE DESSA CAMINHADA ASTRAL

Vamos refletir com um autor desconhecido, porém altamente sensível e inteligente que nos chama a uma REFLEXÃO sobre o recomeçar, o reiniciar constante e diário que nada mais é do que o aprendizado diário a que viemos encarar para evoluir, crescer e conquistar a vida plena. Portanto convido você a ler a mais um texto maravilhoso publicado por Beth Michepud, refletir e tirar suas conclusões!

Reiniciando em 3… 2…1

 em 

recomeço

Estamos passando por uma fase atípica, e cada um de nós lida de uma forma diferente com esta situação. Há quem consiga enxergar tudo com mais leveza e há quem se desespere. O momento é de percebermos que somos luz, e que para fazer com que ela se expanda e se agregue à energia do todo, precisamos recomeçar. É como se você tivesse um problema em seu computador e tivesse que fechar um programa que estava tentando acessar e reiniciar. Assim é conosco. Vamos reiniciar, sem perder o quanto já vivemos e aprendemos. Apenas respeitando todas as possibilidades que este momento nos traz. 

Às vezes, nos indagamos: por que recomeçar? E o que é recomeçar? Quantos de nossos dias são vividos com a esperança de que o amanhã será melhor? A vida, na sua rotina dia-noite-dia, é um eterno reinício, um eterno recomeçar.

A cada instante há um recomeço na vida, um recomeço da confiança, de fé, em dias de alegria e realização.

Na repetição de dias e noites, pode-se encontrar a significância do recomeço. Se erramos hoje, por que não buscar o acerto no amanhã? Se ofendemos ontem, por que não pedir desculpas hoje?

Quase sempre, o tempo para reflexão tem sido adiado. Buscamos realizar tarefas e mais tarefas, sem uma estação ocasional para meditar sobre um reinício.

O reinício diário, um recomeço diário. O começo do recomeço na manhã. O recomeço da vida no clarear do dia, o recomeço da vida no Sol que  nasce.

A simplicidade do existir… nela está a razão para recomeçar. Esquecer o que se passou há anos, há meses, há dias, há horas, há instantes. Por que e para que lembrar, relembrar o que perturbou a paz, o que infamou a alegria?

Os que de nós não enxergam, na rotina da vida, um recomeço, não vêem as auroras que brilham e brilharão. Para eles, a vida não é mais que uma contagem de calendário … dias, meses, anos.

Para eles, o por-do-sol não revela o principiar da noite que, bela, lenta e calma, oferece o charme das estrelas, a cumplicidade da lua com o encanto do céu, seduz o sono, reconstrói a esperança, suaviza a dor.

A vida não é um acaso. O reinício não é uma circunstância. Felicidade não é um estado de espírito. Crer não é casual. Viver é recomeçar… todos os dias, pelo alvorecer da nossa compreensão, pela confiança do nosso entardecer, pela infância da brandura que todo ser humano deve ter no coração.

Recomeçar é acreditar que a vida se renova nos nossos pensamentos e, sobretudo, nas nossas atitudes, no fazer e refazer de nossa conduta. É preciso agir, pois, não se pode, de si para si, pensar que a oportunidade de recomeçar é inexaurível, pois, a cada dia, vidas se iniciam e se findam.

Um dia… um certo dia, talvez já não se possa, nesta vida, recomeçar. Não deixemos que o tempo passe e, com ele, a ocasião de recomeçar  num  novo dia que podemos encher de felicidade.

Recomeçar… de um ponto… de um lugar. Recomeçar com um gesto, com uma palavra, com um abraço. O sucesso nessa empreitada depende de nós.” (autoria desconhecida)

Luz e Paz!

Fonte: Sabedoria Universal

Continuar lendo REFLEXÃO: RECOMEÇAR TODO OS DIAS FAZ PARTE DESSA CAMINHADA ASTRAL

REFLEXÃO: CARTA À SOLIDÃO, PARECE QUE AGORA NÃO TEM JEITO, POR ROSSANDRO KLINJEY

Na nossa REFLEXÃO desta terça-feira trago um monólogo sensacional do extraordinário psicólogo Rossandro Klinjey intitulado “Carta à solidão”. “Talvez você seja o remetente desta carta. E o convite no final é também destinado a você. Descobriu?! Mesmo nos momentos mais tumultuados é saudável aceitar esse convite que vez ou outra a solidão nos faz” Rossandro Klinjey). Portanto, convido você a assistir a leitura dessa carta insólita, reflea e tire suas conclusões!

Fonte:

Continuar lendo REFLEXÃO: CARTA À SOLIDÃO, PARECE QUE AGORA NÃO TEM JEITO, POR ROSSANDRO KLINJEY

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar