POESIA: HOMI NÃO CHORA, POR ROLANDO BOLDRIN

Neste sábado vamos assistir, aqui na coluna POESIA, a mais um show do inigualável Rolando Boldrin, declamando um poema de sua autoria inspirado em seu Pai, cujo título é “Homi não chora”. Então não deixe de ver, curtir e refletir sobre essa obra prima da nossa cultura.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: HOMI NÃO CHORA, POR ROLANDO BOLDRIN

POESIA: NÃO JULGUE SEM CONHECER, POR BRÁULIO BESSA

A nossa coluna POESIA desta terça-feira nos trás mais um magnífico poema do incrível Bráulio Bessa, que nesta pandemia teve que se recolher para a sua intimidade e nos deixou um tanto que órfãos da sensibilidade. Hoje ele vem declamar “Não julgue sem conhecer” e por quê não dizer, “Não julgue para não ser julgado?”.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: NÃO JULGUE SEM CONHECER, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: CORDEL CONTRA TODO TIPO DE PRECONCEITO POR BRÁULIO BESSA

Pesquisando a gente encontra e eu encontrei algumas pérolas do grande cordelista Bráulio Bessa nesse período de pandemia, onde ele não tem se apresentado no programa Encontro com Fátima Bernardes. Nesta edição da coluna POESIA você vai conhecer “Cordel contra todo tipo de preconceito” de sua autoria. Então vamos ouvir, curtir e refletir sobre seus versos!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: CORDEL CONTRA TODO TIPO DE PRECONCEITO POR BRÁULIO BESSA

POESIA: A PAIXÃO SEGUNDO SEU MATEUS, POR JESSIER QUIRINO

Na nossa coluna POESIA deste domingo você vai curtir e se divertir muito com mais um causo excepcionalmente bem contado pelo incomparável Jessier Quirino. Desta vez ele declama “A Pixão segundo Seu Mateus”. Um espetáculo simplesmente imperdível!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: A PAIXÃO SEGUNDO SEU MATEUS, POR JESSIER QUIRINO

POESIA: RECOMEÇO, POR BRÁULIO BESSA

Nesta quinta-feira, atendendo a pedidos estamos republicando um poema maravilhoso do inigualável Bráulio Bessa: “Recomeço”, que publiquei aqui na coluna POESIA em 18/12/2018. Só pra matar a saudade desse cabra da peste talentosíssimo, mas que por causa da pandemia parou de produzir as suas obras primas espetaculares. Então, minha gente, vamos curtir esse craque do cordel em ação!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: RECOMEÇO, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: TRÊS LÁGRIMAS, POR ROLANDRO BOLDRIN

Neste sábado, o nosso destaque aqui na coluna POESIA dispensa apresentação, mas eu vou apresentar: Rolando Boldrin, recitando “Três Lágrimas”, de autoria de Campos Negreiros. Uma obra prima da poesia, um poema sensacional e um narrador incomparável. Então assista, reflita e faça seu juízo de valor!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: TRÊS LÁGRIMAS, POR ROLANDRO BOLDRIN

POESIA: JESSIER QUIRINO E ENDEREÇO DE MATUTO

Hoje você vai se divertir até umas horas com o inigualável Jessier Quirino,aqui na coluna POESIA declamando mais um grande poema de sua autoria: Endereço de matuto. Preste atenção pra não se perder o fio da meada, pois endereço de matuto não nome de rua, não tem número, nem CEP. Tem é muito referencial como: um açude, um pé de pau, uma subida, um cercado, uma porteira!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: JESSIER QUIRINO E ENDEREÇO DE MATUTO

POESIA: DIALETO NORDESTINO – UMA RESPOSTA AO PRECONCEITO, POR BRÁULIO BESSA

O nosso incomparável Bráulio Bessa anda meio esquecido e sumido. Não tem feito suas aparições semanais no programa Encontro com Fátiam Bernardes, como era de costume, por causa da pandemia do coronavírus, mas nós vamos fazer uma homenagem aqui ao nosso maior representante do cordel nordestino. Hoje vamos repostar uma das suas maiores realizações: Dialeto Nordestino – uma resposta ao preconceito. Então vamos matar a saudade e curtir este grande artista!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: DIALETO NORDESTINO – UMA RESPOSTA AO PRECONCEITO, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: ONDE NASCE UM POEMA 6 – HORA CERTA, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: ONDE NASCE UM POEMA 6 – HORA CERTA, POR ALLAN DIAS CASTRO
Allan Dias Castro, como nasce um poema

O destaque desta sexta-feira na nossa coluna POESIA é o incrível Allan Dias Castro, com o texto Hora Certa, direto da página 23 do livro Voz ao Verbo. Uma reflexão sobre família, sociedade, cobrança, amor próprio. Então assista ao vídeo completo e reflita sobre essa inspiração!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: ONDE NASCE UM POEMA 6 – HORA CERTA, POR ALLAN DIAS CASTRO

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar