POESIA: O BANDO DE LAMPIÃO, POR JESSIER QUIRINO

Na nossa coluna POESIA desta sexta-feira você vai assistir o nosso Jessier Quirino declamando na forma cantada uma poesia de sua autoria, que foi publicada no livro Paisagem de Interior, “O bando de Lampião” e reúne, em levada de coco, as alcunhas dos cangaceiros que acompanharam Virgulino Lampião. Não perca mais essa obra prima desse artista extraordinário.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: O BANDO DE LAMPIÃO, POR JESSIER QUIRINO

POESIA: PASSAGEM SÓ DE IDA, POR ALLAN DIAS CASTRO

Nesta terça-feira você vai ler, ver e ouvir mais uma incrível poesia do incrível Allan Dias Castro, “Passagem só de ida” – extraída do Voz ao verbo 180 numa interpretação magnífica do próprio autor. Então não saia dai, aperte o play e comece logo a assistir!

Quando a gente fica preso ao arrependimento

E o peso desse sentimento nos deixa estagnados

É preciso perceber que culpa não significa aprendizado

Querer voltar no tempo por algo que fez ou deixou de fazer

Já é perder tempo outra vez, sem nem perceber

Não repetir o que nos deixou arrependidos

É finalmente ter aprendido com aquela situação Ao se livrar da corrente da autopunição

Você percebe que liberdade é abrir mão

Do medo de dizer adeus

Quantos pensamentos, julgamentos e até sentimentos

Que você carrega já não são mais seus?

Recomeçar, nem sempre significa

Voltar ao ponto de partida

Se a vida que você tem buscado

Estiver do outro lado da despedida

É preciso atravessar o passado

Com passagem só de ida

Aprendizado é fazer com que

O tempo nos ensine, e não nos atrase

Dê as boas-vindas a uma nova fase Livre de culpa, mágoa, revolta

Só vai!

Liberdade não tem volta — Texto: Passagem só de ida – Allan Dias Castro Voz ao verbo 180 #vozaoverbo #poesiafalada #autoral #allandiascastro

Fonte:

Continuar lendo POESIA: PASSAGEM SÓ DE IDA, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: ROLANDRO BOLDRIN DECLAMA O POEMA “A CHEGADA DE SUASSUNA NO CÉU

VAMOS TERMINAR A SEMANA COM BOA POESIA NESTA SEXTA-FEIRA E ROLANDO BOLDRIN É QUEM DECLAMA O POEMA “A CHEGADA DE SUASSUNA NO CÉU” (KLÉVISSON VIANA / BULE-BULE). UMA BELA E REFINADA HOMENAGEM AO IMORTAL DRAMATURGO E FILÓSOFO ARIANO SUASSUNA. ESSA É IMPERDÍVEL!

Fonte: YOUTUBE

Continuar lendo POESIA: ROLANDRO BOLDRIN DECLAMA O POEMA “A CHEGADA DE SUASSUNA NO CÉU

POESIA: MEU NOME NÃO TEM SUSTANÇA, POR JESSIER QUIRINO

Continuar lendo POESIA: MEU NOME NÃO TEM SUSTANÇA, POR JESSIER QUIRINO

POESIA: AS APARÊNCIAS ENGANAM, POR BRÁULIO BESSA

Continuando a nossa homenagem ao icônico Bráulio Bessa, apresentamos nesta terça-feira, aqui na coluna POESIA , mais uma soberba performance desse incrível poeta declamando “As aparências enganam”, de sua autoria. Um show que vale a pena ver e/ou rever.

Publicado em 7 de out de 2018

Fonte: https://www.youtube.com/

Continuar lendo POESIA: AS APARÊNCIAS ENGANAM, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: DIFÍCIL FOTOGRAFAR O SILÊNCIO, POR ANTÔNIO ABUJAMRA

Na nossa coluna POESIA desta sexta-feira você vai assistir e curtir o poema “Difícil fotografar o silêncio”, de Manoel de Barros, numa performance espetacular, declamado por Antônio Abujamra. Então senta ai na sua poltrona, se acomode e aprecie!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: DIFÍCIL FOTOGRAFAR O SILÊNCIO, POR ANTÔNIO ABUJAMRA

POESIA: A FLOR E A NÁUSEA DE CARLOS DRUMOND DE ANDRADE É O 9º POEMA MAIS IMPORTANTE DA LITERATURA BRASILEIRA

Seguindo com a apresentação da série “As 10 poesias mais importantes da literatura brasileira” chegamos a 9ª colocada: A Flor e a Náusea de Carlos Drummond de Andrade, neste momento especial, declamada e interpretada por Eliza Morenno, arte-educadora no Instituto de Arte Tear, atriz, escritora e co-fundadora da poesia viral produções.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: A FLOR E A NÁUSEA DE CARLOS DRUMOND DE ANDRADE É O 9º POEMA MAIS IMPORTANTE DA LITERATURA BRASILEIRA

POESIA: “TEM QUEM QUEIRA” DE ANTÔNIO VIEIRA, POR IRACEMA MIRÃO LIMA

Esse poema, muito brejeiro, tem um tom de bom humor, de ironia, de sarcasmo, muito bem delineado, muito bem colocado, e foi tema de uma novela de sucesso, “Da cor do Pecado”, é uma canção bem brasileira, bem popular. A letra não deixa de ser bastante interessante por tocar num ponto crucial de nossas experiências românticas, ou de vida mesmo, quando nos deparamos com um momento de decidir se seguimos em frente ou buscamos uma outra alternativa para uma situação de vida. E ele dá várias situações como: falta de dinheiro, ele oferece trabalho, falta de companhia ele oferece “vá procurar brincar, está triste vá procurar brincar”, está solitária existe alguém que gosta, “vá procurá-la”. Enfim, resumindo aconselha a viver a vida porque ela é passageira e se a gente “não quiser tem quem queira”. Portanto, deixo aqui meu recado afirmando que concordo plenamente com ele de que sempre temos opção. A vida é cheia de escolhas e é claro que quando escolhemos um caminho deixamos os outros milhares de caminhos. Porém quando esse caminho que escolhemos está satisfazendo nossas melhores expectativas nossas melhores ambições nossos desejos do coração não há porque não seguir adiante. Então, penso que as escolhas bem feitas, feitas a partir de ponderações, reflexões e do melhor de nós, que é a nossa intuição, não deixam nada a desejar. Portanto “se tu não quer”, não tem problema não, “tem quem queira” escolher o melhor para si e para quem estiver ao nosso redor. Como sempre tiramos disso uma máxima, digamos assim, de vida que é: viver a vida é saber escolher, fazendo as escolhas adequadas às nossas reais necessidades às nossas prioridades, com sabedoria. E onde vamos buscar essa sabedoria senão nos bons livros dos filósofos, dos sábios que conhecemos? E o maior sábio de todos, na minha opinião, é Jesus Cristo, que deixou um legado há mais de dois mil anos e nunca pôde ser esquecido.

Comentário de Iracema Mirão Lima

Fonte:

Continuar lendo POESIA: “TEM QUEM QUEIRA” DE ANTÔNIO VIEIRA, POR IRACEMA MIRÃO LIMA

POESIA: INSPIRAÇÃO, MARIO DE ANDRADE, PAULICEIA DESVAIRADA, 1922

O oitavo poema mais importante da literatura brasileira, nessa série dos 10 poemas mais importantes, é Inspiração de Mario de Andrade, Pauliceia Desvairada de 1922, poeta da 1ª geração do nosso modernismo, que é um hino de amor a cidade de São Paulo. No vídeo a seguir é declamado por Paulo Roberto Brito Pimentel. 

Fonte:

 

Continuar lendo POESIA: INSPIRAÇÃO, MARIO DE ANDRADE, PAULICEIA DESVAIRADA, 1922

POESIA: POR AMOR DE ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: POR AMOR DE ALLAN DIAS CASTRO
Allan Dias Castro, como nasce um poema

Nesta sexta-feira você vai ver, ouvir e curtir o dos poemas do grande poeta Allan Dias Castro, recitado por ele, que se chama “Por Amor”, onde ele indaga: por que continuar depois de uma perda? Então comece bem a sua sexta-feira assistindo a essa pérola de POESIA.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: POR AMOR DE ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: ANTÍFONA DE CRUZ E SOUZA É O 7º POEMA MAIS IMPORTANTE DA LITERATURA BRASILEIRA

Nesta terça-feira, aqui na coluna POESIA, continuamos exibindo os 10 poemas mais importantes da literatura brasileira e chegamos ao 7º, que é o poema “Antífona” de Cruz e Souza, representante do simbolismo, que se opõe ao parnasianismo. Uma escola que busca a sonoridade das palavras. Então aproveite para conhecer mais e melhor esse poeta maravilhoso.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: ANTÍFONA DE CRUZ E SOUZA É O 7º POEMA MAIS IMPORTANTE DA LITERATURA BRASILEIRA

POESIA: ANTÍFONA DE CRUZ E SOUZA

Na sequência da nossa série das 10 poesias mais importantes da literatura brasileira temos nesta edição o poema “‘Antífona de Cruz e Souza. Um clássico imperdível. Algo bem sutil que, de forma alguma, transcreve a realidade da periferia. Nada como a tranquilidade e a satisfação de saber que o nosso líder encontra-se em combate.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: ANTÍFONA DE CRUZ E SOUZA

POESIA: PROFISSÃO DE FÉ DE OLAVO BILAC, POR JOÃO ARAÚJO

Continuando a nossa série dos 10 poemas mais importantes da literatura brasileira apresentamos o 6º lugar, com o poema “Profissão de fé” de Olavo Bilac recitado por João Araújo que é compositor, poeta, percussionista e produtor musical, natural de Recife/PE. Assista, ouça e aprecie mais uma obra prima da literatura brasileira.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: PROFISSÃO DE FÉ DE OLAVO BILAC, POR JOÃO ARAÚJO

POESIA: NAVIO NEGREIRO DE CASTRO ALVES

A nossa série dos 10 melhores poemas da literatura brasileira continua nesta sexta-feira, aqui na coluna POESIA, com o 5º poema, de Castro Alves narrado pelo incrível e inenarrável Paulo Autran. Este vídeo contém cenas dos filmes Amistad e 12 anos de escravidão. Assista e se regozije com essa obra prima!

Continuar lendo POESIA: NAVIO NEGREIRO DE CASTRO ALVES

POESIA: LEMBRANCAS DE MORRER DE ÁLVARES DE AZEVEDO, POR CID MOREIRA

Na sequência da série dos 10 melhores e maiores poemas da literatura brasileira, hoje vamos apreciar o poema “Lembranças de morrer” de Alvares de Azevedo, poeta da 2ª geração do romantismo, “geração do mal do século”, daqueles caras que querem morrer de amor. Então assista ao vídeo completo a seguir e contemple essa maravilha de poesia.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: LEMBRANCAS DE MORRER DE ÁLVARES DE AZEVEDO, POR CID MOREIRA

POESIA: CANÇÃO DO EXÍLIO DE GONÇALVES DIAS, POR CID MOREIRA

Continuando com a série dos 10 melhores poemas da literatura portuguesa hoje vamos ouvir “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias (1823-1864), poeta nascido em Caxias, Maranhão, era filho de português com mestiça, formado em direito pela Universidade de Coimbra. Sua mais famosa obra “canção do Exílio” foi escrita ainda em Coimbra e você vai apreciar agora sob a interpretação de nada mais nada menos que Cid Moreira!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: CANÇÃO DO EXÍLIO DE GONÇALVES DIAS, POR CID MOREIRA

POESIA: MARÍLIA DE DIRCEU DE TOMAZ ANTÔNIO GONZAGA

Continuando com a série dos 10 melhores poemas da literatura portuguesa hoje vamos ouvir “Marília de Dirceu Soneto II, poema de Tomaz Antônio Gonzaga, poeta da língua portuguesa que nasceu na ilha de Moçambique e viveu de 1744 a 1810.

O nome arcádico é Dirceu, foi um jurista, poeta e ativista político participante da Inconfidência Mineira, movimento pela independência de Minas Gerais, precursor do processo que conduziu à separação do Brasil de Portugal. Considerado o mais proeminente dos poetas árcades, é ainda hoje estudado em escolas e universidades por seu “Marília de Dirceu”. A poesia de Tomás António Gonzaga apresenta as típicas características árcades e neoclássicas: o pastoril, o bucólico, a Natureza amena, o equilíbrio etc. Paralelamente, possui características pré-românticas (principalmente na segunda parte de Marília de Dirceu, escrita na prisão): confissões de sentimento pessoal, ênfase emotiva estranha aos padrões do neoclassicismo, descrição de paisagens brasileiras, etc. O convívio com o Iluminismo põe em seu estilo a preocupação em atenuar as tensões e racionalizar os conflitos.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: MARÍLIA DE DIRCEU DE TOMAZ ANTÔNIO GONZAGA

POESIA: EPÍLOGOS DE GREGÓRIO DE MATOS, POR RAPPIN HOOD

Nesta sexta-feira estamos iniciando, aqui na coluna POESIA uma nova série de 10 poemas escolhidos de cada fase por que passou a POESIA brasileira. E para começar vamos ouvir “Epílogos” de Gregório de Matos, para muitos o primeiro poeta brasileiro. Então se acomode na poltrona, ouça, assista e curta esse obra prima da POESIA brasileira.

Gregório de Matos viveu de 1636 a 1696 e qualquer semelhança da sua obra com o momento atual não passa de mera coincidência (ou não). A voz e o som é de Rappin Hood e faz Parte de uma apresentação do Museu da Língua Portuguesa em SP. Aqui temos trechos selecionados do poema. Leia-o todo, vale à pena.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: EPÍLOGOS DE GREGÓRIO DE MATOS, POR RAPPIN HOOD

POESIA: OS MAIS PERFEITOS VOTOS DE FELIZ ANO NOVO, POR BRÁULIO BESSA

Na nossa primeira edição da coluna POESIA do Blog do Saber você vai ouvir um mix com poemas de Bráulio Bessa que somados, formam a mais linda mensagem de Feliz Ano Novo 2022! Isso porque é tudo que cada um de nós mais precisa e merece para fazer de 2022 um ano memorável, inesquecível e pra lá de perfeito!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: OS MAIS PERFEITOS VOTOS DE FELIZ ANO NOVO, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: “PRU QUE”, POR ROLANDO BOLDRIN

Na nossa última publicação do ano de 2022, aqui na coluna POESIA do Blog do Saber vamos encerrar o ano com mais uma espetacular interpretação desse incrível apresentador, ator, compositor, cantor, prosador e poeta Rolando Boldrin, onde declama “Pru que”, um poema de Pompílio Diniz, no seu programa Sr. Brasil. Então convido você a assistir, curtir e apreciar essa extraordinária performance!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: “PRU QUE”, POR ROLANDO BOLDRIN

POESIA: COCO DO PÉ DE MANGA, POR JESSIER QUIRINO

Terça-feira é dia de POESIA aqui no Blog do Saber e hoje nós vamos com Jessier Quirino, esse poeta genial, interpretando “Coco do pé de manga”, ao vivo no espetáculo Vizinhos de Grito. Então se acomode ai na sua poltrona, assista, curta e aprecie muito!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: COCO DO PÉ DE MANGA, POR JESSIER QUIRINO

POESIA:DURANTE, POR ALLAN DIAS CASTRO

O destaque desta sexta-feira, aqui na coluna POESIA é o texto “Só por hoje”, tirado direto da página 19 do livro de Allan Dias Castro “A Monja e o Poeta”, no capítulo sobre o AGORA. Ele fala que: “O TEXTO QUE ME SALVOU NESSE ANO INTEIRO , UM DIA DE CADA VEZ. A frase final no quadro marcou bastante também, e lembrar dela diariamente será minha busca para 2022”. Então assista o grande poeta declamando essa maravilha de poesia!

Fonte:

 

Continuar lendo POESIA:DURANTE, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: CORAÇÃO DE MANUÉ SECO, POR ROLANDO BOLDRIN

Hoje, aqui na coluna POESIA do Blog do Saber, você vai assistir a mais uma irretocável apresentação de Rolando Boldrin, apresentador do programa Sr. Brasil, declamando desta feita, o poema “Coração de Manué Seco” do poeta Catulo da Paixão Cearense. Para você começar sua sexta-feira e seu fim de semana se divertindo, relaxando e apreciando o talento desse maravilhoso artista.

Fonte:

 

Continuar lendo POESIA: CORAÇÃO DE MANUÉ SECO, POR ROLANDO BOLDRIN

POESIA: SENHOR DOUTOR, POR PATATIVA DO ASSARÉ

Nesta terça-feira, aqui na coluna POESIA, a nossa homenagem vai para o grande poeta cearense Patativa do Assaré, numa apresentação no Festival Massafeira 1979. “O festival foi responsável pelo lançamento de Patativa no mundo fonográfico, em que fez um enorme sucesso com sua poesia autenticamente popular e de forte crítica social”. Desta feita ele declama “Senhor Doutor”.

Fonte:

Continuar lendo POESIA: SENHOR DOUTOR, POR PATATIVA DO ASSARÉ

POESIA: OUÇA A VOZ DO CORAÇÃO, POR BRÁULIO BESSA

Nesta sexta-feira você vai começar o dia ouvindo a acolhedora poesia de Bráulio Bessa, que mais uma vez nos faz refletir sobre o óbvio que muitas vezes a gente deixa passar: a importância de ouvir a voz do coração! É importante, claro, considerar a opinião de pessoas que tem autoridade afetiva sobre nós, mas nosso coração tem sabedoria suficiente para nos ajudar a tomar as melhores decisões. Ouça o poema, ouça de novo e de novo até se conscientizar desta verdade que pode facilitar muito a sua vida daqui para frente… Namastê!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: OUÇA A VOZ DO CORAÇÃO, POR BRÁULIO BESSA

POESIA: SOBRE OCUPAR O SEU LUGAR NO MUNDO, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: SOBRE OCUPAR O SEU LUGAR NO MUNDO, POR ALLAN DIAS CASTRO
Allan Dias Castro, como nasce um poema

Aqui na coluna POESIA desta terça-feira você vai ver e ouvir mais um belíssimo e reflexivo poema do talentoso Allan Dias Castro sobre ocupar o seu lugar no mundo, que você consegue respeitando os seus próprios passos. Então assista, ouça, reflita e curta muito!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: SOBRE OCUPAR O SEU LUGAR NO MUNDO, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: DEFINIÇÃO DE SAUDADE, DE BRÁULIO BESSA

Aqui na coluna POESIA desta sexta-feira, você vai ouvir mais um belíssimo poema de Bráulio Bessa, onde homenageia Santana, o cantador, lembrando de um poema de Antônio Pereira que fala sobre “saudade” e o inspirou a escrever “definição de saudade”. Então ouça, curta e aprecie!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: DEFINIÇÃO DE SAUDADE, DE BRÁULIO BESSA

POESIA: EU, A CAMA E A NOBELINA, POR JESSIER QUIRINO

Hoje temos o inenarrável Jessier Quirino no seu Papel de Bodega, aqui na coluna POESIA declamando “Eu, a cama e a Nobelina, um poema do paraibano Zé Laurentino, um dos primeiros a inspirarem a obra Quiriniana. Sobre o matuto que perdeu a mulher, mas ficou com a cama. É simplesmente imperdível!

Fonte:

Continuar lendo POESIA: EU, A CAMA E A NOBELINA, POR JESSIER QUIRINO

POESIA: GENTILEZA É ECO, POR ALLAN DIAS CASTRO

POESIA: GENTILEZA É ECO, POR ALLAN DIAS CASTRO
Allan Dias Castro, como nasce um poema

Nesta terça-feira você vai curtir, aqui na coluna POESIA, mais um extraordinário poema desse consagrado poeta Allan Dias Castro, que recita, de sua autoria: “Gentileza é eco”, do seu Voz ao Verbo 168. Então dê o play e aprecie!

Ninguém é obrigado
A ser gentil com quem está do lado
Mas gentileza é uma escolha diária
Pra quem entendeu que a leveza é necessária
Na vida de quem trata os outros
Como gostaria de ser tratado
Tá todo mundo ocupado
Correndo atrás do prejuízo
Fazendo o que for preciso
Pra chegar aonde nunca quis
E de tanto perguntar “qual o preço pra ser feliz?”
Não percebe o valor de um simples sorriso
Gentileza é eco
E quem escolhe por ela
Acaba sendo escolhido
Sim, o que eu quero pra mim
Vou receber refletindo
Simples assim
Pra quem que escolheu ser gentil
A vida retribuiu sorrindo —Gentileza é eco – Texto Allan Dias Castro Voz ao verbo 168 

Fonte:

Continuar lendo POESIA: GENTILEZA É ECO, POR ALLAN DIAS CASTRO

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar