PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 13 DE MAIO DE 2021 POR G1

 

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 13 DE MAIO DE 2021 POR G1

SECRETÁRIO DA CULTURA MÁRIO FRIAS, PASSOU POR CATETERISMO DE EMERGÊNCIA NA ÚLTIMA QUARTA-FEIRA

Secretário Mário Frias, da Cultura, passa por cateterismo de emergência

É a segunda vez que ator passa pelo procedimento em seis meses

Pedro Pedruzzi, da Agência Brasil, em Brasília

12 de maio de 2021 às 20:42

Secretário da Cultura Mário Frias Secretário da Cultura Mário Frias Foto: Divulgação

O secretário especial de Cultura do governo federal Mário Frias passou por um cateterismo de emergência no final da tarde desta quarta-feira (12), em Brasília, e está em observação em um hospital privado da capital.

A informação foi divulgada em nota oficial pela Secretaria de Comunicação Social (Secom) do Ministério das Comunicações, que acrescentou que o ator, de 49 anos, “se recupera bem” do procedimento.

O cateterismo é um exame feito para diagnosticar obstruções nos vasos sanguíneos que irrigam o coração, assim como outros problemas estruturais do órgão. Ele é feito introduzindo-se um fino catéter na artéria do paciente, o que permite a visualização da região cardíaca.

É a segunda vez que Frias passa pelo procedimento em menos de seis meses. No dia 11 de dezembro do ano passado, ele teve um princípio de infarto e também passou por cateterismo. O ator está no cargo desde junho de 2020. A Secretaria Especial de Cultura é vinculada ao Ministério do Turismo.

Continuar lendo SECRETÁRIO DA CULTURA MÁRIO FRIAS, PASSOU POR CATETERISMO DE EMERGÊNCIA NA ÚLTIMA QUARTA-FEIRA

FACHIN EXIGE EXPLICAÇÕES DE JUÍZ FEDERAL DE CURITIBA O MOTIVO DE MANTER BENS DE LULA BLOQUEADOS

Fachin manda juiz de Curitiba explicar motivo de manter bloqueio de bens de Lula

Juiz Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, não atendeu a um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Gabriela Coelho da CNN, em Brasília

12 de maio de 2021 às 19:57

Fachin manda juiz de Curitiba explicar manutenção de bloqueio de bens de Lula

 O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou o juiz Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, se explicar o motivo de não atender a um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e manter o bloqueio de bens do ex-presidente em processos da Operação Lava Jato.

“Antes da análise do pleito liminar, solicitem-se informações à autoridade reclamada, encarecendo o envio de esclarecimentos acerca das noticiadas providências adotadas nos procedimentos que veiculam as medidas assecuratórias decretadas em desfavor do reclamante, bem como das razões pelas quais naquele juízo continuam a tramitar, considerada a extensão da ordem de habeas corpus concedida nos autos do HC 193.726. Instrua-se o ofício com cópia da inicial desta reclamação. Após, encaminhem-se os autos à Procuradoria-Geral da República para manifestação”, afirmou o ministro em despacho.

A defesa do ex-presidente Lula apresentou ao Supremo Tribunal Federal apresentou uma reclamação contra decisão do juiz Luiz Antônio Bonat.

Em março, a defesa de Lula recorreu da decisão de Bonat, que havia mantido os bloqueios de bens de investigados nos processos relacionados ao triplex, sítio de Atibaia, doações ao Instituto Lula e sede do Instituto Lula.

Na decisão, dada na última sexta-feira (7), Bonat destacou que, caso o ministro do STF defina pela liberação dos bens bloqueados, imediatamente serão executadas as providências, independentemente do envio dos processos para outra vara federal.

No dia 15 de abril, o Plenário do Supremo Tribunal Federal votou, por 8 a 3, para confirmar a liminar do ministro Luiz Edson Fachin que decidiu pela incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba para processar e julgar os casos do tríplex no Guarujá (SP), do sítio de Atibaia (SP) e de duas ações envolvendo o Instituto Lula.

Continuar lendo FACHIN EXIGE EXPLICAÇÕES DE JUÍZ FEDERAL DE CURITIBA O MOTIVO DE MANTER BENS DE LULA BLOQUEADOS

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 12 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

A CPI da Covid ouve Fábio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação do governo. Grávidas com comorbidades não podem tomar vacina AstraZeneca. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) afirma correr o risco de ter de fechar no meio do ano por falta de verba. O Assunto analisa justamente a asfixia das universidades federais. Mahmoud é o primeiro eliminado do “No Limite”. E tem live do Imposto de Renda no G1.

O que tem na CPI

Hoje quem depõe é Fábio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação do governo. Demitido em março, ele disse em entrevista recente que a “incompetência” do Ministério da Saúde atrasou a compra de vacinas. Sabe-se, por exemplo, que o governo não quis comprar 70 milhões de doses que a Pfizer ofereceu ainda em 2020, na gestão Pazuello. Segundo Gerson Camarotti, o possível fogo amigo de Wajngarten preocupa os governistas. Em tempo: Pazuello é esperado na CPI na semana que vem.

Ao depor ontem, o diretor da Anvisa evitou criticar Bolsonaro, de quem é amigo, mas expôs suas divergências com o presidente em relação a aglomerações e ao uso de cloroquina. Antonio Barra Torres também confirmou que esteve numa reunião que discutiu mudar a bula da cloroquina para incluir o tratamento contra a Covid-19. Ele disse que vetou a proposta. O vídeo abaixo resume o depoimento:

CPI da Covid: Diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, depõe na CPI da Covid
CPI da Covid: Diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, depõe na CPI da Covid

Vacinação de grávidas

Mudou a orientação do Ministério da Saúde para a vacinação de gestantes contra a Covid-19. Agora, só devem tomar vacina as grávidas que têm comorbidades. A recomendação é usar CoronaVac e Pfizer. A vacina da AstraZeneca foi vetada para esse grupo depois que a Anvisa foi avisada sobre a morte de uma gestante por trombose. Ainda não se sabe se há relação entre o óbito e a vacina, e por isso a suspensão é uma medida preventiva. A Anvisa reitera que a vacina da AstraZeneca é segura e pode ser aplicada em outros grupos.

Crise na UFRJ

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) apresenta a situação orçamentária da universidade, que afirma correr o risco de ter de fechar no meio do ano por falta de verba. Ao G1, o vice-reitor Carlos Frederico Leão Rocha diz que “não dá para manter” o funcionamento com o orçamento destinado.

O Assunto analisa justamente a asfixia das universidades federais. A precarização começou com a crise econômica, em 2015, e se aprofundou no governo Bolsonaro, que desde o início hostilizou essas instituições com palavras e gestos. Ouça:

Voo 447 Rio-Paris

O Tribunal de Apelações de Paris ordenou que as empresas Air France e Airbus sejam julgadas por “homicídio culposo”, devido responsabilidades indiretas no acidente de 2009, quando o voo 447 Rio-Paris caiu no mar e matou 228 pessoas. Os advogados da Airbus anunciaram que irão apelar para a Suprema Corte.

Terra Yanomami

Garimpeiros trocaram tiros com a PF na terça-feira (11) na Terra Yanomami
Garimpeiros trocaram tiros com a PF na terça-feira (11) na Terra Yanomami

Agentes da PF foram recebidos a tiros por garimpeiros na Terra Yanomami, em Roraima. Veja no vídeo acima. Os policiais estavam lá para investigar o conflito que ocorreu na segunda (10) entre garimpeiros e indígenas e que, segundo uma organização local, deixou 3 invasores mortos. O Exército também deve enviar reforços para a reserva indígena, a maior do país.

Tensão aumenta

Palestinos acusam Israel de derrubar prédio de 13 andares em Gaza
Palestinos acusam Israel de derrubar prédio de 13 andares em Gaza

Israel e Hamas intensificam conflitos. Ontem, um bombardeio de Israel derrubou um prédio residencial de 13 andares na Faixa de Gaza. A torre abrigava um escritório usado pela liderança política do Hamas, governantes islâmicos de Gaza. Veja no vídeo acima.

‘No Limite’

Mahmoud no 'No Limite' — Foto: Reprodução/GloboMahmoud no ‘No Limite’ — Foto: Reprodução/Globo

Mahmoud é o primeiro eliminado do “No Limite”, que começou sua nova temporada ontem. Ele foi o mais votado por sua equipe, a Calango, que perdeu a primeira prova de imunidade da edição e por isso teve de escolher um membro para deixar o programa.

Anota aí

Hoje tem live do Imposto de Renda no G1. Tem dúvidas sobre a declaração? Manda aqui que um especialista vai responder. Começa às 19h.

Flopou?

“Girl From Rio” cai nas paradas e fãs de Anitta culpam gravadora por ausência em playlists. Faixa sumiu de ranking global e levou fãs a fazerem mutirão para forçar Warner a usar seu poder para influenciar plataformas de streaming.

Canta, Juliette

Juliette desperta interesse de gravadoras, mas carreira de cantora pode demorar a decolar. Sony, Warner e Universal dizem ter interesse em contratar a ex-BBB, que ainda estuda propostas. Ela já assinou com empresa que cuida da imagem da Anitta e foi cortejada por Luan Santana.

Mega-Sena

O concurso 2.371 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 27 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h, na cidade de São Paulo.

Previsão do tempo

Veja como fica o tempo nesta 4ª feira
Veja como fica o tempo nesta 4ª feira
Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 12 DE MAIO DE 2021 POR G1

SENADOR DIZ QUE INTEGRANTES DA CPI DA COVID-19 ESTÃO TENTANDO CRIAR NARRATIVA PARA CONDENAR BOLSONARO POR CONTA DA CLOROQUINA

À CNN, senador diz que CPI da Pandemia tenta criar narrativa anticloroquina

Jorginho Mello (PL-SC) diz que senadores da oposição tentam usar medicamento para ‘condenar’ o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Gregory Prudenciano e Rudá Moreira,

da CNN, em São Paulo e em Brasília

11 de maio de 2021 às 19:05

Mandetta teve momento de palanque político na CPI, diz senador Jorginho Mello

Integrante da ala governista da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, o senador Jorginho Mello (PL-SC) disse à CNN nesta terça-feira (11) que senadores da oposição estão tentando criar na CPI uma narrativa para “condenar” o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por conta da cloroquina, medicamento sem eficácia no tratamento da Covid-19 e que frequentemente é defendido pelo presidente com esta finalidade.

“Se fala muito em cloroquina, cloroquina, a gente vê na CPI uma narrativa de querer condenar o presidente porque ele receitou esse remédio, e isso não é possível. Já passamos nessa história da cloroquina, já estamos na Anvisa agora”, reclamou o senador, para quem Bolsonaro jamais receitou a cloroquina. “Ele [Bolsonaro] falou que era um remédio que ele tomou, que era para a malária, para lúpus. Agora, quem resolve se usa ou se não usa é o médico”, argumentou.

O senador elogiou a participação do diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, à investigação. Jorginho Mello disse que o depoimento prestado por Barra Torres “foi o melhor depoimento” já prestado até aqui, e que o chefe da agência sanitária “não se furtou de responder absolutamente nada”.

Questionado sobre as divergências expostas por Barra Torres entre ele próprio e o presidente Jair Bolsonaro, Mello explicou que chefe do Executivo nacional “é um homem diferenciado”, dono de posições pessoais que o levam a não usar máscaras, por exemplo, mas que tem garantido a independência da Anvisa, que atua como “instituição de estado”.

“Ele [Barra Torres] disse ‘eu defendo o uso de máscaras, defendo o álcool [uso do álcool em gel], defendo isso e aquilo, distanciamento, mas, agora, com relação ao presidente, é uma posição pessoal dele e que ele tem que eu não tenho’. É muito normal o que ele disse”, afirmou Mello.

Em seu depoimento à CPI da Pandemia nesta terça-feira, Antonio Barra Torres disse que há declarações de Bolsonaro que vão contra o que a Anvisa defende. O diretor da agência também confirmou que houve uma proposta de incluir por decreto presidencial o tratamento contra a Covid-19 da bula da cloroquina, mas que ele mesmo rechaçou a ideia.

Em março de 2020, Barra Torres esteve ao lado de Bolsonaro em uma manifestação em frente ao Palácio do Planalto na qual o presidente foi em direção aos manifestantes, sem máscara, e cumprimentou dezenas de pessoas. Na CPI, o chefe da Anvisa disse que a cena deixou uma “imagem negativa” e disse que, hoje, “se pensasse cinco minutos, não teria feito”.

Continuar lendo SENADOR DIZ QUE INTEGRANTES DA CPI DA COVID-19 ESTÃO TENTANDO CRIAR NARRATIVA PARA CONDENAR BOLSONARO POR CONTA DA CLOROQUINA

EM NOTA A ANVISA ESCLARECE QUE A SUSPENSÃO IMEDIATA DA VACINA ASTRAZENECA EM GRÁVIDAS SE DEU APÓS A MORTE DE GESTANTE E FETO, DEPOIS DE TER SIDO VACINADA

Anvisa: Pedido para suspender vacinação em grávidas foi após morte de gestante

Agência afirma que ocorreu um ‘evento adverso grave’, o que significa que ainda não há conexão confirmada com imunizante

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

11 de maio de 2021 às 18:30 

Atualizado 11 de maio de 2021 às 18:47

Profissional de saúde prepara dose da vacina da AstraZeneca contra Covid-19Profissional de saúde prepara dose da vacina da AstraZeneca contra Covid-19Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters

 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta terça-feira (11), em nota, que a decisão de propor a “suspensão imediata” do uso da vacina da AstraZeneca em grávidas foi tomada após uma gestante e o feto que carregava morrerem dias após a vacinação.

A Anvisa fala em “evento adverso” e não em “efeito adverso”. Ou seja, não há, ao menos até o momento, confirmação de nexo causal entre a vacina e o caso da gestante, acometida com um acidente vascular cerebral.

A agência pondera que não foram registrados outros casos semelhantes e que se baseia no “princípio da precaução”. A recomendação foi enviada pela Anvisa ao Ministério da Saúde na segunda-feira (10) e levou diversos estados a suspenderem preventivamente o uso do imunizante em gestantes.

Em nota, a Anvisa reforça que o uso em grávidas não está previsto na bula da vacina, pelo imunizante não ter sido testado em mulheres gestantes.

“O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina por gestantes sem orientação médica”, diz o texto.

Continuar lendo EM NOTA A ANVISA ESCLARECE QUE A SUSPENSÃO IMEDIATA DA VACINA ASTRAZENECA EM GRÁVIDAS SE DEU APÓS A MORTE DE GESTANTE E FETO, DEPOIS DE TER SIDO VACINADA

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 11 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

CPI da Covid abre a semana com o diretor da Anvisa. Saiba o que esperar desse depoimento. Veja como foi a condenação de Luis Felipe Manvailer pelo assassinato de Tatiane Spitzner. Anvisa recomenda suspender a aplicação da AstraZeneca em grávidas. O Assunto analisa a crise na Colômbia. Hoje sai a inflação de abril. A morte de Bob Marley completa 40 anos. E à noite estreia a nova versão de ‘No Limite’, só com ex-BBBs.

AstraZeneca suspensa para grávidas

A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão da aplicação da vacina contra Covid da AstraZeneca/Fiocruz em grávidas. O imunizante vem sendo usado em gestantes com comorbidades, mas agora elas só poderão receber doses da CoronaVac e da Pfizer. Clique aqui e entenda a decisão da agência reguladora.

Hoje tem CPI

O diretor da Anvisa, Antonio Barra Torres, depõe hoje na CPI da Covid. A sessão está marcada para as 10h, e o G1 transmite. Barra Torres falará sobre os processos de aprovação das vacinas. Até agora, a Anvisa liberou quatro (CoronaVac, AstraZeneca/Oxford, Pfizer e Janssen) e barrou a Sputnik V, decisão criticada por representantes da vacina russa.

O diretor da Anvisa também deve ser questionado sobre uma suposta proposta levada ao governo para alterar a bula da cloroquina e incluir o tratamento para a Covid-19. Quem citou a existência desse documento foi o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, ao depor na semana passada. Segundo o relato, o diretor da Anvisa foi contra a mudança — que de fato não ocorreu. Agora os senadores querem saber se essa minuta de decreto existiu mesmo, e quem é o autor.

Como se sabe, diversos estudos já comprovaram que a cloroquina é ineficaz contra o coronavírus.

Condenado

A advogada Tatiane Spitzner e Luis Felipe Manvailer — Foto: Reprodução: Facebook e RPCA advogada Tatiane Spitzner e Luis Felipe Manvailer — Foto: Reprodução: Facebook e RPC

Quase 32 anos de prisão. Essa é a pena de Luis Felipe Manvailer, condenado por assassinar a mulher, a advogada Tatiane Spitzner, em 2018 no Paraná. O corpo de Tatiane foi encontrado na calçada, após cair do 4º andar. O laudo indicou que ela foi esganada. A pena é por homicídio com três agravantes (feminicídio, meio cruel e motivo fútil) e fraude processual. O julgamento durou 7 dias. Detalhe: Manvailer foi condenado por um júri formado só por homens. Ele poderá recorrer, mas continuará preso.

Terra Yanomami

Três garimpeiros morreram e quatro ficaram feridos em um conflito na Terra Yanomami, a maior reserva indígena do país, em Roraima. Um indígena levou um tiro na cabeça e sobreviveu. A informação é do presidente do Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuanna, Junior Hekurari Yanomami. A PF investiga.

Retrato do abandono

Criança Yanomami desnutrida em aldeia, em Roraima — Foto: Arquivo PessoalCriança Yanomami desnutrida em aldeia, em Roraima — Foto: Arquivo Pessoal

Rodou o Brasil a foto de uma menina Yanomami desnutrida. Para o missionário Carlo Zacquini, que a divulgou, a imagem retrata o abandono das aldeias no atual governo. “Todas elas sem assistência. Não há equipes. Tem postos de saúde que estão fechados há meses”, afirma. O líder local Dário Kopenawa Yanomami conta que há um surto de malária na região. Leia a reportagem.

Paulo Gustavo

Missa de Sétimo Dia de Paulo Gustavo será hoje, às 18h30, no Cristo Redentor. A cerimônia terá transmissão ao vivo no Multishow. O Globoplay estará com sinal aberto.

Inflação

O IBGE divulga hoje a inflação de abril. Há expectativa porque em março o IPCA acelerou e fez o índice acumulado de 12 meses, usado como referência, subir para 6,10% e estourar o teto da meta do governo. Isso não ocorria há quatro anos. Em março, os principais vilões da inflação foram o gás de botijão e os combustíveis.

Imposto de Renda

O prazo para declarar o Imposto de Renda termina no dia 31. Se você ainda tem dúvidas, veja aqui 50 perguntas que já foram respondidas.

Vacinas

Grávidas com doenças preexistentes (comorbidades), pessoas com deficiência e funcionários do Metrô serão vacinados contra a Covid-19 a partir de hoje no estado de SP.

Na vacinação da gripe, começa hoje o atendimento a pessoas com mais de 60 anos e professores. Quem tomou a vacina da Covid-19 deve esperar pelo menos 15 dias para receber a da gripe.

Jerusalém

A crise em Jerusalém escalou mais um pouco depois que o Hamas disparou foguetes contra Israel, que respondeu com bombardeios em Gaza. Desde sexta (7), centenas de palestinos ficaram feridos em confrontos com a polícia israelense no complexo da mesquita de Al-Aqsa, que é considerado um local sagrado pelos dois lados. A colunista Sandra Cohen lista 4 fatores que alimentam as tensões em Jerusalém.

O Assunto

A proposta de reforma tributária, que aumentaria impostos para itens de necessidade básica, levou milhares de colombianos às ruas. A reação das forças de segurança do país foi brutal: mais de 30 mortos, centenas de desaparecidos e inúmeros relatos de abusos cometidos pelas forças de segurança. Ouça a análise da crise colombiana:

Censo na China

População chinesa chegou a 1,41 bilhão de habitantes, aponta censo. Em comparação com a pesquisa de 2010, a população chinesa cresceu em 72 milhões de habitantes, o que equivale a um aumento de 5,38% em 10 anos.

40 anos sem Bob Marley

Imagem de Bob Marley no 'Museu Bob Marley', em Kingston, Jamaica — Foto: Jorge Reyes/Mexsport/Mexsport via AFP/ArquivoImagem de Bob Marley no ‘Museu Bob Marley’, em Kingston, Jamaica — Foto: Jorge Reyes/Mexsport/Mexsport via AFP/Arquivo

Artistas do reggae citam músicas favoritas que marcaram legado do cantor. Zeider, do Planta & Raiz, Tales, do Maneva, e outros cantores falam sobre ícone jamaicano, que morreu em 11 de maio de 1981, vítima de câncer

‘No Limite’

Estreia hoje a nova versão de ‘No Limite’, o primeiro reality da TV brasileira. Todos os 16 participantes são ex-BBBs. O programa apresentado por Andre Marques terá 16 semanas de duração e muitos perrengues, entre eles a temida prova da comida. O vencedor leva R$ 500 mil. Saiba tudo aqui.

Futebol

Corinthians e Inter de Limeira abrem hoje, às 16h, as quartas de final do Campeonato Paulista.

Previsão do tempo

Nova frente fria começa a subir pelo país
Nova frente fria começa a subir pelo país
Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 11 DE MAIO DE 2021 POR G1

STF FORMOU MAIORIA NA INVESTIGAÇÃO DE COTA PARLAMENTAR DE SENADORES E DEPUTADOS EM MANDATOS CRUZADOS

STF reconhece foro privilegiado de senadores e deputados em mandatos cruzados

Entendimento fixado pela corte vale para senadores que foram eleitos deputados federais, ou deputados federais que se elegeram senadores

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília

10 de maio de 2021 às 17:49

STF reconhece foro privilegiado de senadores e deputados em mandatos cruzados

O plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta segunda-feira (10) para determinar que deve permanecer na Corte a investigação que apura suposto uso irregular de cota parlamentar pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC), enquanto ele era deputado federal.

Esta é a primeira vez que o Supremo se posiciona sobre como se deve proceder nos inquéritos e ações penais em caso de mandatos cruzados (quando um parlamentar deixa uma casa legislativa e vai para outra, no âmbito federal). Os ministros analisam um recurso apresentado pela Procuradoria-Geral da República.

Em setembro do ano passado, a relatora, ministra Rosa Weber, atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e autorizou abertura de inquérito para apurar irregularidades no uso da cota parlamentar por nove deputados federais e um senador. Na mesma decisão, a ministra determinou que a investigação contra o senador Márcio Bittar deveria ir para a primeira instância da Justiça Federal do Distrito Federal, já que o parlamentar, na época dos fatos, era deputado federal, mas em 2019 assumiu como senador. A PGR, então, recorreu.

Na prática, o entendimento fixado pela corte vale para senadores que foram eleitos deputados federais, ou deputados federais que se elegeram senadores. Os ministros votaram a favor de que políticos alvos de ações criminais continuem respondendo ao processo na Corte, o que se reconhece por foro privilegiado, quando fazem essa mudança de Casa legislativa ao fim do mandato, sem a necessidade de que essa ação seja enviada a outra instância judicial.

A relatora, Rosa Weber, cuja posição não formou maioria, votou por negar o recurso, entendendo que o foro por prerrogativa de função “acaba quando o agente público, dele detentor, passa a ocupar cargo público ou exercer mandato eletivo distinto daquele que originalmente atraiu a regra especial de competência.”

Medida impositiva

Já o ministro Edson Fachin teve um entendimento diferente. Para ele, a competência do STF pode alcançar os parlamentares no exercício de mandato em casa legislativa diferente daquela em que houve uma suposta prática ilícita.

“O entendimento só vale para mandatos no Legislativo Federal, não sendo aplicado, por exemplo, se um deputado estadual se torna deputado federal. Além disso, se houver interrupção ou término do mandato parlamentar, sem que o investigado ou acusado tenha sido novamente eleito para os cargos de deputado federal ou senador da República, exclusivamente, o declínio da competência é medida impositiva”, disse Fachin.

O ministro Edson Fachin é acompanhado, até o momento, pelos ministros Alexandre de Moraes, Nunes Marques, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

No plenário virtual, que dura uma semana, em vez de debater e fazer a leitura dos votos, os ministros depositam os documentos no sistema do STF. Os ministros têm até esta terça-feira (11) para votar.

Continuar lendo STF FORMOU MAIORIA NA INVESTIGAÇÃO DE COTA PARLAMENTAR DE SENADORES E DEPUTADOS EM MANDATOS CRUZADOS

NESTA TERÇA-FEIRA (11) A CPI DA COVID-19 OUVIRÁ O DIRETOR -PRESIDENTE DA ANVISA

CPI inicia segunda semana ouvindo diretor da Anvisa sobre vacinas e cloroquina

Segundo apuração da analista da CNN Renata Agostini, Antonio Barra Torres levará ‘malas de documentos’ e assessores para responder aos senadores

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo

11 de maio de 2021 às 04:30

Antonio Barra Torres, presidente-diretor da AnvisaFoto: CNN (10.fev.2021)

Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia de Covid-19 inicia a segunda semana de depoimentos e ouve nesta terça-feira (11), às 10h, o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres.

A oitiva de Barra Torres estava marcada para a última quinta-feira (6), mas com o alongamento do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a sessão precisou ser adiada.

Vacinas e bula da cloroquina

A convocação do diretor-presidente da Anvisa foi solicitada por quatro parlamentares. Em um dos requerimentos, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) questiona o fato de a agência ter negado autorização à vacina Sputnik V.

Os outros requerimentos foram expedidos pelos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE), Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Pandemia, e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente do colegiado.

Para Randolfe, Barra Torres precisa explicar por que houve “atraso e omissão” na compra de imunizantes. “Só foi possível chegar a essa situação catastrófica por conta dos inúmeros e sucessivos erros e omissões do governo no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil”, afirmou o senador no requerimento.

De acordo com a âncora da CNN Daniela Lima, o diretor-presidente da Anvisa também terá que explicar o episódio sobre a tentativa de alteração da bula da cloroquina para indicar o medicamento para o tratamento de Covid-19.

Os membros da CPI querem que Barra Torres diga de maneira detalhada quem sugeriu a mudança, em quais circunstâncias e quais foram as testemunhas do episódio, relatado pela primeira vez à comissão pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM).

Malas de documentos

Já sabendo que não terá vida fácil à frente da comissão, Barra Torres se prepara com diretores do órgão para a oitiva, e deve basear suas respostas em documentos que pretende levar ao Senado. As informações são da analista da CNN Renata Agostini.

A ideia é que Barra Torres traga respostas “ultra-técnicas” para os senadores, sempre apresentando documentos para basear suas falas. O diretor-presidente da Anvisa deve chegar ao Senado com malas de documentos.

Para se preparar para a audiência, Barra Torres fez diversos encontros com diretores da Anvisa, que estarão no Congresso no dia da audiência. O intuito é que a agência dê demonstração de “espírito de corpo” para os senadores — como se não fosse apenas o diretor, mas toda a agência depondo à CPI.

Outros depoimentos

Também foram convocados para prestar depoimento na CPI da Pandemia o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten, e dois representantes da Pfizer no Brasil: Marta Diez, que assumiu o cargo em 2021, e seu antecessor, Carlos Murillo. Fernando Marques, presidente da União Química, representante da Sputnik V no Brasil, também deve ser ouvido.

Para a próxima semana, a terceira de audiências na comissão, dois depoimentos já estão marcados: do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o do ex-ministro de Relações Exteriores Ernesto Araújo.

A oitiva de Pazuello estava marcada para a terça-feira (4), porém ele alegou que teve contato com pessoas que testaram positivo para a Covid-19 e teve o depoimento reagendado para o dia 19.

Já Araújo seria ouvido nesta quinta-feira (13), mas a comissão adiou a fala para a quinta-feira (20) de forma a dar mais tempo para as oitivas com Wajngarten e com os dirigentes da Pfizer.

 Veja quem irá falar à CPI da Pandemia nesta semanaVeja quem irá falar à CPI da Pandemia nesta semana Foto: CNN Brasil

Veja a programação das audiências na CPI da Pandemia nesta semana:

Terça-feira (11)

  • Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa

Quarta-feira (12)

  • Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência

Quinta-feira (13)

  • Marta Diez, presidente da Pfizer Brasil
  • Carlos Murillo, ex-presidente da Pfizer no Brasil
  • Fernando Marques, presidente da União Química, representante da vacina Sputnik V no Brasil

Veja a programação das audiências na próxima semana:

Quarta-feira (19)

  • Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde

Quinta-feira (20)

  • Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores

Audiências sem data definida:

  • Nísia Trindade, presidente da Fiocruz
  • Dimas Covas, diretor-presidente do Instituto Butantan
  • Marcellus Campêlo, secretário de Saúde do Amazonas

(Com informações de Murillo Ferrari e Agência Senado)

Continuar lendo NESTA TERÇA-FEIRA (11) A CPI DA COVID-19 OUVIRÁ O DIRETOR -PRESIDENTE DA ANVISA

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 10 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

Um novo lote de vacinas da Pfizer começa a ser distribuído aos estados. A CPI da Covid entra na 2ª semana de depoimentos. A Europa avança no relaxamento das restrições. A mãe e o marido de Paulo Gustavo falam ao Fantástico.

Vacina da Pfizer

Começa hoje a distribuição de mais 1,1 milhão de doses da vacina da Pfizer. O lote deve ser usado nas capitais para dar a 1ª dose a pessoas com doenças preexistentes (comorbidades), mulheres grávidas e que tiveram bebê recentemente. Esse novo envio faz parte de um contrato que prevê 100 milhões de doses.

Agenda da CPI

A vacina da Pfizer será o assunto da semana na CPI da Covid. Os senadores querem saber por que o governo Bolsonaro não quis as 70 milhões de doses oferecidas em agosto de 2020. Se essa compra tivesse acontecido, provavelmente o Brasil teria hoje mais gente vacinada. E menos mortos.

A agenda começa amanhã com o diretor da Anvisa, Antonio Barra Torres. Na quarta (12), quem fala é Fábio Wajngarten. O ex-secretário de Comunicação do governo culpa o ex-ministro Pazuello pelo fracasso das negociações. E na quinta (13) teremos o depoimento dos representantes da Pfizer. O G1 transmite tudo.

O depoimento de Pazuello é no dia 19, e o colunista Octavio Guedes conta que os senadores combinaram de chamá-lo de “senhor”, e não de “general”. Há uma razão. Entenda aqui por quê.

Adeus a Paulo Gustavo

Dona Déa, a mãe de Paulo Gustavo, conversou com o Fantástico. “A morte é uma coisa certa na vida. A gente só espera que uma mãe vá na frente. Então, é muito duro”, afirma. Assista:

Mãe de Paulo Gustavo fala sobre a perda do filho: ‘Uma mãe jamais deveria passar por isso’
Mãe de Paulo Gustavo fala sobre a perda do filho: ‘Uma mãe jamais deveria passar por isso’

Thales Bretas, o marido de Paulo Gustavo, também deu entrevista, a primeira desde que ficou viúvo. “Essa ausência é avassaladora. É um silêncio que não fazia parte da minha vida há sete anos”, diz.

Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, fala pela primeira vez desde a morte do ator: 'Vai ser pra sempre o amor da minha vida'
Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, fala pela primeira vez desde a morte do ator: ‘Vai ser pra sempre o amor da minha vida’

Falta de medicamentos

A falta de medicamentos para intubar pacientes com Covid-19 está atrasando cirurgias de animais de estimação em SP. Os estoques de anestésicos e sedativos foram redirecionados, o que causou desabastecimento no mercado veterinário. Leia a reportagem.

Reabertura

Com o avanço da vacinação e a queda nas mortes por Covid-19, a Europa começa a relaxar as medidas restritivas. O Reino Unido deve anunciar hoje a liberação de pequenas reuniões em ambientes fechados (veja detalhes). A Espanha suspendeu o toque de recolher noturno, e as ruas de Barcelona lotaram imediatamente. Veja no vídeo:

Em Barcelona, jovens celebram "liberdade" após fim do estado de emergência
Em Barcelona, jovens celebram “liberdade” após fim do estado de emergência

Jerusalém: o que acontece?

Centenas de palestinos ficaram feridos nos últimos dias em confrontos com a polícia de Israel em Jerusalém. A violência começou na sexta (7), quando palestinos foram impedidos de entrar no complexo da mesquita Al-Aqsa no dia mais sagrado para o Islã. Outro fator de tensão é a ocupação de áreas palestinas por colonos judeus. Entenda o que está acontecendo.

Sobrevivemos

Como se esperava, os destroços do foguete chinês lançado em abril para levar equipamentos ao espaço reentraram na atmosfera. Mas a queda foi no Oceano Índico, perto das Maldivas, e ninguém se feriu. Aliás, a maior parte dos componentes se desintegrou no atrito com o ar. Deu tudo certo. Saiba como foi.

O Assunto

No episódio de hoje, Renata Lo Prete conversa com a professora Deisy Ventura, coordenadora de um estudo da USP que analisou ações do governo Bolsonaro na pandemia. Segundo ela, há evidências de que a estratégia do governo foi deixar o coronavírus correr solto para gerar uma barreira natural de imunidade. O resultado está aí: 422 mil mortos até agora. “Essa intencionalidade vai além do discurso, ela se deu na prática”, diz Deisy. Esse é um dos assuntos que estão na mira da CPI da Covid. Ouça:

Economia

  • Auxílio emergencial: Caixa libera saques para nascidos em julho
  • Lista: 100 concursos públicos que estão com inscrições abertas
  • Imposto de Renda: como declarar ajuda indenizatória para quem fez parte do BEm

Rainha Malu

Malu, de ‘Disco Arranhado’, fez uma tatuagem com caminhão no braço — Foto: Reprodução/Instagram/Malu

“Disco Arranhado”, uma das músicas mais tocadas do Brasil, só explodiu após a gravação de Malu, uma jovem cantora de arrocha de Vitória da Conquista, na Bahia. Natielle de Oliveira Santos tem 19 anos e uma ambição: ser a nova musa dos caminhoneiros. “Acho chique”, diz. Ela foi descoberta quando era vendedora e cantava na loja. Conheça a história dessa estrela em ascensão.

Futebol

A final do Carioca terá Fla x Flu. No Gauchão, vem aí mais um Gre-Nal. No Paulista, as quartas de final estão definidas com São Paulo, Corinthians e Palmeiras classificados. O Santos ficou de fora, mas evitou o rebaixamento. O América-MG eliminou o Cruzeiro e vai encarar o Atlético-MG na decisão do Mineiro. Assista abaixo aos gols do Fantástico:

Gols do Fantástico: estaduais definem confrontos das finais
Gols do Fantástico: estaduais definem confrontos das finais
Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 10 DE MAIO DE 2021 POR G1

PREFEITO LICENCIADO DE SÃO PAULO, BRUO COVAS CONTINUA INTERNADO E SEGUE CONFIANTE NA LUTA CONTRA O CÂNCER

Continuo a lutar sem baixar a cabeça, diz Bruno Covas sobre tratamento de câncer

Prefeito licenciado de São Paulo fez postagem nas redes sociais neste domingo (9)

Thiago Vinícius Ramos Alves Da CNN, em São Paulo

09 de maio de 2021 às 18:45

Continuo a lutar e sem baixar a cabeça”, diz Bruno Covas

Internado para tratamento contra um câncer, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), publicou uma mensagem em suas redes sociais neste domingo (9), contando como está sua luta contra o câncer. Ele está internado há uma semana no Hospital Sírio Libanês, após apresentar sangramento no estômago.

“Continuo a lutar aqui no hospital. Sem baixar a cabeça e sem perder minha motivação. Muita força, foco e fé. E espero logo estar junto de vocês para agradecer por todo carinho. Feliz Dia das Mães e bom domingo!’, escreveu.

Covas está internado em uma Unidade Semi-Intensiva e não tem previsão de alta. Segundo o boletim médico divulgado na última quinta-feira (6), o prefeito será submetido a radioterapia.

Licença e tratamento

Covas anunciou que se afastaria do cargo de prefeito de São Paulo por 30 dias no último dia 2. Em nota, a prefeitura afirmou que o afastamento foi motivado pelo surgimento de novos focos de câncer em seu sistema digestivo.

“Com o surgimento de novos focos, o Prefeito de São Paulo precisará de dedicação integral ao tratamento e entende que não será compatível com as suas responsabilidades e compromisso com a cidade e os paulistanos”, diz o texto.

Em suas redes sociais, o prefeito postou um comunicado dizendo que tem sido “o mais transparente possível com a situação” de sua saúde e agradeceu o apoio recebido.

“Obrigado a todos. O apoio e carinho que recebo é essencial para superar os desafios que venho enfrentando. Com força, foco e fé, venceremos”, disse Covas. Com a licença, o vice Ricardo Nunes assumiu o posto por 30 dias.

Continuar lendo PREFEITO LICENCIADO DE SÃO PAULO, BRUO COVAS CONTINUA INTERNADO E SEGUE CONFIANTE NA LUTA CONTRA O CÂNCER

LÍDER DA BANCADA FEMININA FALA SOBRE FALTA DE ESPAÇO NA CPI DA COVID-19

Bancada feminina cobra mais espaço em CPI: ‘Temos que matar um leão por dia’

Da CNN, em São Paulo

07 de maio de 2021 às 04:30

Neste momento, o impeachment não tende a prosperar', diz Simone Tebet - ISTOÉ Independente

 

No segundo dia de depoimentos da CPI da Pandemia, as declarações do ex-ministro da Saúde Nelson Teich acabaram dividindo a cena como uma confusão entre senadores governistas e a bancada feminina do Senado. No dia anterior, o presidente da comissão Omar Aziz (PSD-AM) havia concedido às senadoras um lugar na fila na hora de fazer perguntas às testemunhas. Uma vez que a CPI é composta apenas por homens, a bancada feminina negociou a participação de algumas representantes nos encontros, ainda que sem direito a voto ou à apresentação de requerimentos.

Mas quando chegou a vez dos membros da CPI perguntarem a Nelson Teich, o senador governista Ciro Nogueira (PP-AL) não gostou do rearranjo de Aziz: “Vou aceitar hoje, em respeito à senadora, mas isso não foi discutido, não está em regimento e a gente fica sempre com o papel de ser o vilão dessa situação, de queremos cumprir o regimento aqui dentro e que o trabalho seja levado a sério”. A fala foi dirigida à senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), e ela e outras senadoras da bancada feminina reagiram.

Neste episódio do E Tem Mais, Monalisa Perrone fala com a líder da bancada feminina do Senado, a senadora Simone Tebet (MDB-MS). Na conversa com Monalisa, Thais Arbex e Caio Junqueira, a senadora fala da importância das mulheres não apenas na CPI, mas também em outros espaços de poder e decisão política. “Nossa luta não vem de agora, temos que matar um leão por dia para empoderar todas as mulheres em todas as áreas”, afirma Tebet.

Fonte: CNN

Continuar lendo LÍDER DA BANCADA FEMININA FALA SOBRE FALTA DE ESPAÇO NA CPI DA COVID-19

MÉDICO INTENSIVISTA DO INCOR EXPLICA QUAIS OS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA RECUPERAR A BAIXA OXIGENAÇÃO DOS PACIENTES

Diretor da UTI do Incor explica os tratamentos respiratórios para a Covid-19

Carlos Carvalho afirma que o ECMO é usado quando nem a taxa de 100% da ventilação mecânica é capaz de manter a oxigenação do indivíduo

Produzido por Layane Serrano, da CNN em São Paulo

08 de maio de 2021 às 10:23

Diretor da UTI do Incor explica os tratamentos respiratórios para a Covid-19

Nesta semana, o Brasil perdeu o ator, diretor, roteirista e humorista Paulo Gustavo, 42 anos, pela Covid-19. Internado desde 13 de março, o artista fazia uso do ECMO, uma técnica de oxigenação por membrana extracorporal.

O médico intensivista e diretor da UTI respiratória do Incor, Dr. Carlos Carvalho, que tratou Paulo Gustavo nos últimos 10 dias de internação, explica, em entrevista à CNN, quais são os procedimentos adotados nos hospitais para recuperar a baixa oxigenação dos pacientes.

Carvalho diz que os protocolos começam com a medição da taxa de oxigenação, que é feita por um oxímetro. Quando a taxa fica abaixo do nível normal, é necessário que o paciente receba a suplementação do oxigênio via um cateter nasal que leva o oxigênio adicional aos alvéolos dos pulmões. Se isso não for suficiente para se adequar, o paciente é colocado em uma máscara que, segundo Carvalho, oferece uma quantidade maior de oxigênio ao indivíduo.

“Ou seja, eu aumento a concentração de oxigênio no ar que estou liberando para o paciente respirar. Se ainda não for o suficiente, usamos um tipo de máscara oficial que tem uma bolsinha que se enche de oxigênio e, com isso, fica oferecendo ainda mais [oxigênio]”, afirma.

Depois da adoção da máscara, há ainda protocolos de ventilação não invasiva, ou seja, que não requer intubação, uma vez que o respirador artifical é conectado com o pulmão do paciente através de uma máscara.

“Se isso não for suficiente, o paciente precisa de intubação. Para fazer a intubação, ele tem que estar dormindo e analgesiado para não sentir o desconforto que esta técnica traz. Mas esta técnica é salvadora. Coloca-se um tubo de um plástico especial que conecta a via externa com a traquéia, que levará o ar para os pulmões.”

O médico explica que em nosso dia a dia nós respiramos uma atmosfera com 20% de oxigênio, mas quando o indivíduo é intubado significa que esta porcentagem já não é suficiente e se faz necessário trabalhar com concentrações mais altas de oxigênio no ar. “Com a ventilação mecânica, eu consigo controlar de 21% a 100% e, quando eu tenho que intubar, o paciente está tão grave que eu preciso de 100%. À medida que eu vou tratando e ele vai melhorando, eu posso ir diminuindo.”

Quadro com linha do tempo de tratamentos feitos com Paulo GustavoQuadro com linha do tempo de tratamentos feitos em Paulo Gustavo Foto: Reprodução / CNN

Já o ECMO, segundo o médico, é usado quando nem a taxa de 100% da ventilação mecânica é capaz de manter a oxigenação do indivíduo. “Quando nem essas ações funcionam, a ECMO é uma opção. Ela é um sistema que imita pulmão e estas membranas fininhas chamadas de alvéolos, onde o ar chega pela respiração, o sangue passa pelo batimento cardíaco e esse contato entre o ar e o sangue promove a troca do oxigênio e a saída do gás carbônico”, explica.

Continuar lendo MÉDICO INTENSIVISTA DO INCOR EXPLICA QUAIS OS PROCEDIMENTOS ADOTADOS PARA RECUPERAR A BAIXA OXIGENAÇÃO DOS PACIENTES

SEGUNDO VICE-LÍDER DO GOVERNO, PAZUELLO NÃO PRECISA DE TREINAMENTOS PARA RESPONDER A CPI DA COVID-19

Governo não tem razão para temer o depoimento de Pazuello’, diz Marcos Rogério

Fala do vice-líder do governo no Congresso vem depois de o ex-ministro ter pedido adiamento da oitiva, alegando que teve contato com pessoas com Covid-19

Produzido por Jorge Fernando Rodrigues

08 de maio de 2021 às 12:32

Governo não tem razão para temer o depoimento de Pazuello', diz Marcos Rogério

O vice-líder do governo no Congresso e integrante da CPI da Pandemia, Marcos Rogério (DEM-RO), disse neste sábado (8) em entrevista à CNN que o governo não tem razão para temer o depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e que o general não precisa de treinamentos para responder à CPI.

A fala vem depois de Pazuello ter pedido adiamento da oitiva, que deve acontecer no próximo dia 19 de maio, alegando que teve contato com pessoas que testaram positivo para Covid-19. A oposição, da qual o ex-ministro Mandetta faz parte, alega que o general está com medo de ser inquirido.

“O Governo não tem razão para temer o depoimento do ex-ministro Pazuello. E outra, treinamento, com todo respeito, você pode até estabelecer alguma linha de comportamento num ambiente como esse, mas você não consegue treinar alguém de uma hora para outra para ir em uma CPI falar sobre fatos que ocorreram dentro do Ministério. Mais do que isso, alguém que chegou ao topo da carreira militar do exército, certamente já foi muito bem treinado no ponto de vista da pressão e da intimidação. Talvez uma orientação mais protocolar”.

Ele afirma que há uma tentativa de transformar os depoimentos das testemunhas em uma espécie de “tribunal da inquisição” e que a participação do atual ministro Marcelo Queiroga parece transformar a CPI da Covid em “CPI da Cloroquina”.

“Essa pandemia é cercada de incertezas. Não há afirmações absolutas em relação à CPI. No último depoimento que tivemos do atual ministro Marcelo Queiroga, o que pareceu é que se tratava da CPI da Cloroquina”, critica.

Marcos Rogério afirma que perguntou diretamente aos ex-ministros de saúde se haviam recebido ordem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para implementar a cloroquina. “Todos eles afirmaram que não. Perguntei, novamente, indiretamente se houve ordem dada pelos demais ministros, também disseram que não”.

Em semana agitada em Brasília, três ministros da saúde do governo Bolsonaro foram ouvidos na CPI da Covid: Henrique Mandetta, Nelson Teich e o atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga. Tratamento precoce e uso de cloroquina foram temas chaves nos depoimentos.

Para a semana que vem, a CPI aprovou a convocação do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do ex-secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fabio Wajngarten. Os senadores também querem ouvir representantes do Instituto Butantan, da Fiocruz, da Pfizer e da União Química, responsável pela vacina Sputnik V no Brasil.

Fonte:CNN

Continuar lendo SEGUNDO VICE-LÍDER DO GOVERNO, PAZUELLO NÃO PRECISA DE TREINAMENTOS PARA RESPONDER A CPI DA COVID-19

SOBRE UMA POSSÍVEL CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, MANDETTA DIZ “ESTÁ PRONTO”

Estou pronto’, diz Mandetta à CNN sobre possível candidatura à Presidência

De acordo com o ex-ministro, o primeiro ato de Pazuello como chefe da pasta já tirou credibilidade dele

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo

Atualizado 08 de maio de 2021 às 00:14

Estou pronto', diz Mandetta sobre possível candidatura à Presidência

Em entrevista exclusiva à CNN, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) afirmou que “está pronto” para uma possível candidatura à Presidência da República nas eleições de 2022.

“O meu nome está aqui, eu não sou candidato de mim. Eu quero um projeto para a gente defender ideias. Se perguntar para mim, você está pronto? Eu estou pronto. Se perguntar para mim, você vai, você tem coragem para ir para uma das campanhas mais sórdidas, baixas, invasivas, pelos comentários do presidente e do filho do presidente, eu estou pronto”

Luiz Henrique Mandetta

“Eu pertenço a um partido político que tem ideais a apresentar, tenho mais de 35 anos, sou nascido aqui no Brasil, estou em dia com minhas obrigações eleitorais, ou seja, reúno as obrigações básicas [para se candidatar à presidência]”, prosseguiu o ex-ministro da Saúde.

Na avaliação de Mandetta, tanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entram na corrida eleitoral já desgastados. Para o médico, ambos têm “passados que serão lembrados por todos os brasileiros”.

O ex-ministro entende que tanto Lula como Bolsonaro estão no “teto” e, por isso, não há uma tendência para expansão de base eleitoral.

Especificamente sobre o atual chefe do Executivo, Mandetta acredita que Bolsonaro não será reeleito.

“O Collor foi o primeiro a não se reeleger. Ele [Bolsonaro] vai ser o segundo, porque, primeiro, ele precisa terminar o mandato para pensar em reeleição. Agora, espero que ele não continue, porque ele não está à altura do cargo”, afirmou.

Sobre uma terceira via para as eleições presidenciais, o ex-ministro afirmou que ela só confirmará se houver anseio da população.

Pazuello

O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta disse ter a impressão de que o general Eduardo Pazuello está “com medo de ser inquirido” na Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia de Covid-19.

Para o médico ortopedista, o militar — que também foi ministro da Saúde — tem medo de saber o que será revelado a cerca das decisões tomadas por ele. Mandetta ressaltou também que o primeiro ato de Pazuello como chefe da pasta já tirou a credibilidade dele, que foi a tentativa de mudar a forma de divulgação dos números da Covid-19 no Brasil.

“Ele [Pazuello] se submeteu a um papel de retirar as funções do Ministério da Saúde. O primeiro ato dele foi de não divulgar números. Teve que vir ordem do STF para divulgar os números. Ele perdeu a credibilidade na saída”, afirmou.

Além de esconder dados, Mandetta avalia que Pazuello também promoveu o uso da hidroxicloroquina – remédio sem eficácia comprovada contra Covid-19 –, não adquiriu as vacinas que lhe foram ofertadas, desistiu de todo plano de testagem brasileiro e deixou de analisar as novas cepas que surgiam.

“Fez um trabalho de baixa qualidade e sempre com muita subserviência”, declarou.

Fonte: CNN

Continuar lendo SOBRE UMA POSSÍVEL CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, MANDETTA DIZ “ESTÁ PRONTO”

EX- MINISTRO DA SAÚDE EDUARDO PAZUELLO NÃO TEM PERFIL PARA SUPORTAR PROVOCAÇÕES, AFIRMA INTEGRANTES DO GOVERNO

Temperamento explosivo e autoritário de Pazuello preocupa governo

Auxiliares de Pazuello afirmam que o ex-ministro não tem perfil para suportar provocações

Thais Arbex e Bárbara Baião Da CNN, em Brasília

 Atualizado 07 de maio de 2021 às 23:14

Temperamento explosivo e autoritário de Pazuello preocupa governo

O temperamento explosivo e, por muitas vezes, autoritário do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tem preocupado integrantes do governo que acompanham a preparação do general para o depoimento na CPI da Pandemia no Senado, no próximo dia 19.

A avaliação é a de que Pazuello está muito bem respaldado, do ponto de vista de informações, para enfrentar os questionamentos dos senadores, mas tanto na Praça dos Três Poderes quanto na Esplanada dos Ministérios a forma como o ex-ministro vai se comportar na CPI é tida como crucial para que seu desempenho seja satisfatório.

Nesta quinta-feira (6), o advogado criminalista Zoser Hardman, chamado pelo próprio ex-ministro para auxiliá-lo em sua estratégia de defesa na CPI, afirmou ao âncora da CNN Kenzô Machida que “não há preocupação com o conteúdo das respostas, mas com a forma como ele irá responder”.

Segundo relatos feitos à CNN, durante o treinamento a que tem sido submetido, Pazuello chegou a demonstrar irritação e deixou transparecer um tom considerado autoritário. O perfil do ex-ministro preocupa, inclusive, os senadores governistas que estão na CPI. A avaliação é de que, se o general adotar uma postura muito beligerante, pode ser difícil fazer sua defesa.

Pessoas que acompanham o ex-ministro da Saúde não escondem que, de fato, o perfil de Pazuello é de confronto. Auxiliares de Pazuello afirmam que o ex-ministro não tem perfil para suportar provocações e, certamente, não repetirá o comportamento do sucessor, Marcelo Queiroga. Ouvido pela CPI na quinta-feira (06), Queiroga buscou refúgio em termos técnicos e não respondeu a perguntas mais ácidas dos senadores. Ainda de acordo com esses auxiliares, o general não baixará a guarda se, por ventura, as perguntas o induzirem a respostas que o responsabilizem por eventuais erros.

A preocupação de uma ala do governo com o depoimento na CPI também tem gerado um impasse em relação ao futuro do general dentro do governo. O presidente Jair Bolsonaro pretende oficializá-lo como Secretário Especial de Modernização do Estado, subordinado à Secretaria-Geral da Presidência, de Onyx Lorenzoni. Uma ala do governo, no entanto, acredita que o melhor, neste momento, é aguardar os desdobramentos das investigações antes de nomeá-lo.

O Planalto chegou a traçar uma estratégia para convencer a CPI a autorizar o depoimento de Pazuello por videoconferência e, com isso, diminuir a atmosfera de pressão sobre o general.

No entanto, a articulação submergiu depois que o próprio general decidiu não comparecer presencialmente à Comissão, por ter tido contato com duas pessoas que testaram positivo para o vírus. A CNN apurou que a decisão pegou de surpresa, inclusive, ministros do Planalto que estão atuando na preparação do ex-ministro Pazuello.

Fonte: CNN
Continuar lendo EX- MINISTRO DA SAÚDE EDUARDO PAZUELLO NÃO TEM PERFIL PARA SUPORTAR PROVOCAÇÕES, AFIRMA INTEGRANTES DO GOVERNO

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 07 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

Ação mais letal da polícia no Rio deixa 25 mortos no Jacarezinho. Na CPI da Covid, o ministro da Saúde evitou falar sobre cloroquina. O Brasil ultrapassa a marca de 15 milhões de casos de Covid. Começa nesta quinta o julgamento do impeachment do governador Carlos Moisés, de Santa Catarina. As lives do final de semana e a carona que Jacira, mãe de Gil, pega com o ex-BBB.

Horror no Rio

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 25 mortos, incluindo um policial. Foi a operação policial mais letal da história da cidade. Moradores relataram execuções. Também falaram em corpos no chão, invasão de casas e celulares confiscados. A polícia afirmou que o tráfico aliciava menores e que proibia namoros. A ação foi repercutida pela imprensa internacionalAssista abaixo o que aconteceu no Jacarezinho.

VÍDEO: Moradores relatam cenas de terror no Jacarezinho
VÍDEO: Moradores relatam cenas de terror no Jacarezinho

CPI da Covid

Em depoimento à CPI da Covid, o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, evitou o tema cloroquina: não respondeu se é a favor do remédio, respondeu que não autorizou a distribuição do medicação em sua gestão (veja no vídeo abaixo). No entanto, declarou que o tratamento precoce não é decisivo no enfrentamento a pandemia, mas sim a vacinação. Ele também não respondeu a respeito da demora na aquisição de vacinas da Pfizer.

VÍDEO: 'Eu não autorizei distribuição de cloroquina na minha gestão', diz QueirogaVÍDEO: ‘Eu não autorizei distribuição de cloroquina na minha gestão’, diz Queiroga

 

Números da pandemia

O Brasil passou a marca de 15 milhões de casos de Covid contabilizados e registrou 2.531 mortes nas últimas 24 horas, totalizando 417.176 óbitos desde o início da pandemia.

Impeachment em SC?

Começa hoje o julgamento do impeachment do governador de Santa Catarina, Carlos Moisés. Cinco desembargadores e cinco deputados estaduais decidem se ele cometeu crime de responsabilidade na compra de respiradores. O G1 vai acompanhar em tempo real.

Eduardo Cunha

O Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), com sede em Brasília, revogou a prisão domiciliar do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) decretada na Operação Sépsis. Sua defesa diz que ele ficará em liberdade.

Lives da semana

Ivete, Alcione, Luan, Daniel, Fafá de Belém, Festival Fixe e mais shows para ver em casa. Veja dias e horários.

Na carona do ex-BBB Gil

Gil do Vigor e mãe, Jacira — Foto: Reprodução / InstagramGil do Vigor e mãe, Jacira — Foto: Reprodução / Instagram

Mãe de Gil do Vigor pega carona na fama de ex-BBB e recebe 40 convites para comerciais. Com mais de 300 mil seguidores em rede social, Jacira Santana disse que se inspira na apresentadora Ana Maria Braga. “Tenho maior amor por ela”, afirma.

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 07 DE MAIO DE 2021 POR G1

A PRESSÃO SOBRE O MINISTRO DA SAÚDE, MARCELO QUEIROGA FAZ PARTE DA ESTRATÉGIA DE SENADORES DA OPOSIÇÃO EM PREPARAR TERRENO PARA DEPOIMENTO DE PAZUELLO

Estratégia de pressão sob Queiroga é prévia para depoimento de Pazuello na CPI

Um senador do grupo que forma a maioria da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado relatou que a estratégia, de fato, era apavorar Pazuello e Barra Torres

Thais Arbex

Por Thais Arbex, CNN  

07 de maio de 2021 às 00:41

O ministro da Saúde Eduardo PazuelloEduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde
Foto: Carolina Antunes/PR (6.ago.2020)

A pressão sobre o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que tem marcado a sessão da CPI da Pandemia desta quinta-feira (6) faz parte de uma estratégia do chamado G7, grupo que reúne senadores independentes e de oposição, para preparar o terreno para os depoimentos do ex-ministro Eduardo Pazuello e do presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres.

Em caráter reservado, um senador do grupo que forma a maioria da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado relatou que a estratégia, de fato, era apavorar Pazuello e Barra Torres.

Além de as perguntas terem sido feitas num tom mais incisivo, os senadores do G7 também mostraram uma articulação conjunta para a sequência dos questionamentos. Depois da primeira bateria de questões feitas pelo senador Renan Calheiros (MBD-AL), relator da CPI, a estratégia é a de que os demais integrantes do grupo majoritário repitam as dúvidas, mas as formulem de outra maneira. A ideia é que o depoente acabe sucumbindo à pressão.

A avaliação do grupo é a de que, nesta quinta, durante o depoimento de Queiroga, a estratégia deu certo. Senadores ouvidos pela CNN citam, por exemplo, a pressão para que o ministro da Saúde desse sua opinião sobre o uso da hidroxicloroquina, medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19.

Embora Queiroga tenha conseguido se esquivar de um posicionamento claro, senadores do G7 avaliam que, em um determinado momento, o ministro acabou “entregando” as informações que a CPI queria. Uma delas, por exemplo, quando o ministro reconheceu que a hidroxicloroquina pode causar arritmias cardíacas e que não autorizou a distribuição do medicamento em sua gestão à frente da pasta.

“Eu não autorizei distribuição de cloroquina na minha gestão. Eu não tenho conhecimento de que esteja havendo distribuição de cloroquina na nossa gestão”, disse Queiroga, após ser questionado.

Continuar lendo A PRESSÃO SOBRE O MINISTRO DA SAÚDE, MARCELO QUEIROGA FAZ PARTE DA ESTRATÉGIA DE SENADORES DA OPOSIÇÃO EM PREPARAR TERRENO PARA DEPOIMENTO DE PAZUELLO

RENAN CALHEIROS E ARTHUR LIRA QUE SEMPRE ESTIVERAM EM LADOS OPOSTOS, AGORA ENSAIAM UMA APROXIMAÇÃO PARA 2022

Continuar lendo RENAN CALHEIROS E ARTHUR LIRA QUE SEMPRE ESTIVERAM EM LADOS OPOSTOS, AGORA ENSAIAM UMA APROXIMAÇÃO PARA 2022

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 6 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

CPI da Covid ouve o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. Ontem, Nelson Teich falou que deixou a pasta após pressão para o uso da cloroquina. O corpo do ator Paulo Gustavo será cremado, em cerimônia restrita, no Rio. Campeã do “BBB21”, Juliette não descarta carreira de cantora. E a chuva de meteoros que pode ser vista no Brasil.

CPI da Covid

 — Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich disse, na CPI da Covid, que deixou o cargo após pressão do governo federal de “ampliação do uso da cloroquina” para tratar pacientes com a doença. Ele, que ficou 28 dias no cargo, afirmou ainda que percebeu que não teria autonomia para atuar à frente da pasta.

Os números da Covid

O Brasil registrou 2.791 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou 414.645 óbitos. Em casos confirmados, 14.936.464 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 75.652 no último dia.

Bolsonaro e China

O presidente Jair Bolsonaro insinuou que a China pode ter criado o coronavírus. Em discurso no Palácio do Planalto, ele questionou: “Os militares sabem o que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra?”

Adeus a Paulo Gustavo

Moradores do Rio fazem um grande aplauso em homenagem a Paulo Gustavo
Moradores do Rio fazem um grande aplauso em homenagem a Paulo Gustavo

A quarta foi marcada por homenagens ao ator e humorista Paulo Gustavo, que morreu, aos 42 anos, vítima de Covid-19. Nas redes sociais, Thales Bretas, marido do comediante, postou: “Nossa caminhada tinha tudo pra ser longa!; sempre te amarei”. No início da noite, fãs aplaudiram o ator pela janela em diversas cidades do país (veja no vídeo acima). corpo do ator vai ser cremado, em cerimônia restrita.

Julgamento no PR

Segue o julgamento de Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a Tatiane Spitzner, em Guarapuava, em 2018. G1 acompanha em tempo real.

Luto coletivo em SC

Foram enterradas as cinco pessoas mortas no atentado à escola infantil Pró-Infância Aquarela em Saudades, no Oeste de Santa Catarina. A cerimônia de sepultamento reuniu centenas de pessoas que foram homenagear as três crianças e as duas funcionárias vítimas do ataque à faca na terça (4). Uma outra criança que ficou ferida passou por uma cirurgia e está internada.

Campeã do ‘BBB21’

Juliette, vencedora do "BBB21" — Foto: DivulgaçãoJuliette, vencedora do “BBB21” — Foto: Divulgação

Juliette não descarta carreira de cantora, mas diz que usou música no reality apenas para fugir do caos. Ela soltou a voz inúmeras vezes ao longo do jogo e surpreendeu o público e artistas, que elogiaram o talento vocal da maquiadora. Mas ela contou em entrevista coletiva a jornalistas, um dia após a final, que nunca pensou em ser cantora.

9 bebês de uma vez!

Um dos 9 recém-nascidos do Mali no Marrocos em foto de 5 de maio de 2021 — Foto: Youssef Boudlal/ReutersUm dos 9 recém-nascidos do Mali no Marrocos em foto de 5 de maio de 2021 — Foto: Youssef Boudlal/Reuters

Nove filhos de uma vez! Já pensou? Uma mulher do Mali dá à luz 9 bebês de uma vez. Mas e agora? Veja perguntas e respostas sobre o caso raro.

Eta Aquáridas

chuva de meteoros Eta Aquáridas alcançará seu pico nesta quinta no Hemisfério Sul. Esses meteoros são resquícios da passagem do cometa Halley. Será possível observar até 30 meteoros por hora. No Brasil, o melhor horário para observar o fenômeno será entre 2h e 4h.

Fonte: G1

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 6 DE MAIO DE 2021 POR G1

EQUIPAMENTO QUE ESTIMULA MÚSCULOS DE PACIENTES DA COVID-19 SEDADOS É DESENVOLVIDO POR PESQUISADORES BRASILEIROS

Pesquisadores brasileiros desenvolvem técnica que diminui sequelas da Covid-19

Procedimento estimula músculos em pacientes sedados e, até o momento, só está disponível em hospitais particulares

Jairo Nascimento, da CNN, em São Paulo
Atualizado 05 de maio de 2021 às 21:57

Pacientes que precisam ser internados para tratar a Covid-19 ficam, em média, 22 dias no hospital, de acordo com dados de uma pesquisa que traça o perfil dos doentes divulgada pelo SUS. Tanto tempo parado – e muitas vezes desacordado – pode deixar a recuperação ainda mais lenta, mas uma técnica desenvolvida no Brasil tem ajudado a minimizar os efeitos de sequelas nos pacientes.

Pesquisadores brasileiros desenvolveram um equipamento que estimula músculos de pacientes sedados com correntes elétricas, como se a pessoa que recebe este tratamento estivesse em uma academia ou sendo atendida por fisioterapeutas.

De acordo com o CEO da Visuri, Henrique Martins, a técnica “mantém todo o sistema neuromuscular do paciente intacto, enquanto o mesmo está desacordado, com segurança”. “O procedimento mede todas as condições e entrega doses rigorosas, mas sem causar lesões”, afirmou Martins.

O aparelho só está disponível em hospitais particulares, mas há negociações com o governo federal para que ele chegue ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Sequelas da internação

Um estudo da Academia Nacional de Medicina (ANM) indica que 20% dos pacientes internados por semanas pela Covid-19 desenvolvem algum tipo de problema. São sequelas mais profundas das já conhecidas pela infecção, como fadiga, perda de olfato ou dores de cabeça.

As síndromes pós-Covid podem causar doenças pulmonares, cardíacas, psiquiátricas e até musculares.

“Quando você tem uma inflamação muito grave, como acontece com os pacientes com infecção pelo sars-cov-2, a Covid, você tem um comprometimento de todos os seus músculos e nervos. Você fica completamente enfraquecido, sem forças. Você não consegue, por exemplo, movimentar as mãos, você não consegue andar, você tem dificuldade para falar. E essa complicação demora algumas semanas para que você possa recuperar. Você tem que fazer todo um período de reabilitação para você aprender a fazer isso tudo… Andar, falar, deglutir, comer”, afirmou Ederlon Resende, membro da Associação de Medicina Intensiva Brasileira

Fonte: CNN

Continuar lendo EQUIPAMENTO QUE ESTIMULA MÚSCULOS DE PACIENTES DA COVID-19 SEDADOS É DESENVOLVIDO POR PESQUISADORES BRASILEIROS

O BRASIL PODERÁ RECEBER EM BREVE DOSES DE VACINAS EXCEDENTES DOS EUA

Bolsonaro afirma que Estados Unidos podem enviar vacinas ao Brasil em breve

Segundo Bolsonaro, governo tem feito “todo o possível” para ampliar o programa de vacinação contra a Covid-19 no Brasil

Gregory Prudenciano, da CNN, em São Paulo

05 de maio de 2021 às 21:03

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair BolsonaroFoto: Mateus Bononi/Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quarta-feira (5) que os Estados Unidos podem anunciar em breve o envio ao Brasil de doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19.

Segundo Bolsonaro, seu governo tem feito “todo o possível” para ampliar o programa de vacinação contra a Covid-19 no Brasil. Os Estados Unidos já passaram da marca de 200 milhões de doses de vacinas aplicadas e têm doses excedentes do imunizante da AstraZeneca.

Na semana passada, o governo americano anunciou que vai compartilhar 60 milhões de doses da vacina, o que despertou o interesse de vários países preocupados em acelerar suas vacinações.

A novidade foi mencionada pelo presidente em entrevista coletiva dada no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, após Bolsonaro receber Robson Nascimento de Oliveira, ex-motorista do jogador de futebol Fernando Lucas Martins. Robson foi condenado à prisão na Rússia por tráfico de drogas, ao ser pego com um medicamento que é permitido no Brasil, mas proibido na Rússia.

No momento em que falou sobre a possibilidade do envio das doses de vacinas ao Brasil, Bolsonaro argumentava que seu governo tem mantido boas relações diplomáticas com nações importantes, como os Estados Unidos, a Rússia e também a China.

China

Nesta quarta-feira, a relação comercial e diplomática entre o Brasil e a China voltou ao noticiário depois que o presidente da República levantou a possibilidade de o coronavírus causador da Covid-19 ter sido criado em laboratório.

Sem citar nominalmente a China, maior parceiro comercial do Brasil há mais de uma década, Bolsonaro falou em “guerra química” e em “guerra bacteriológica” e questionou: “Qual o país que mais cresceu seu PIB [Produto Interno Bruto]? Não vou dizer para vocês”.

Em 2020, o PIB da China apresentou expansão de 2,3%, enquanto a maior parte das grandes economias do planeta registrou retração. Para efeito de comparação, o PIB do Brasil encolheu 4,1%, o dos Estados Unidos caiu 3,5% e o da Alemanha ficou 5% menor do que no ano anterior. No entanto, o impacto da pandemia na economia chinesa aconteceu antes do resto do mundo, já que o novo coronavírus foi primeiro encontrado no país asiático.

A fala de Bolsonaro repercutiu politicamente e rendeu comentários preocupados do senador Omar Aziz, que preside a Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia.

“Hoje foi ruim, viu, e chama de guerra química e tal. E a gente está dependendo, a gente está na mão dos chineses para trazer o IFA [insumo farmacêutico ativo], nós não temos produção de IFA aqui e não vamos ter tão cedo”, disse Aziz.

Questionado se teria sido “mal compreendido” ao falar da China, Bolsonaro respondeu que não mencionou a palavra “China” e reclamou da imprensa.

“Vocês da imprensa não falam onde nasceu o vírus. Falem, ou estão temendo alguma coisa?”, disse o presidente.

Fonte: CNN

Continuar lendo O BRASIL PODERÁ RECEBER EM BREVE DOSES DE VACINAS EXCEDENTES DOS EUA

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 05 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

Jovem e talentoso, Paulo Gustavo se foi. Não resistiu à Covid. Veja textos, fotos, vídeos sobre o ator e a repercussão da morte que mexeu com o país. Depoimento de Luiz Henrique Mandetta abriu a CPI da Covid no Senado. Hoje, é a vez do também ex-ministro da Saúde Nelson Teich falar aos senadores. Enquanto isso, Jair Bolsonaro convoca aliados e alguns ministros para definir estratégias na CPI. Com grande votação, Juliette é a campeã do “Big Brother Brasil 21″ e leva R$ 1,5 milhão.

Paulo Gustavo se foi

Paulo Gustavo — Foto: Fernando Souza/Agência O Dia/Estadão Conteúdo/ArquivoPaulo Gustavo — Foto: Fernando Souza/Agência O Dia/Estadão Conteúdo/Arquivo

O ator e humorista Paulo Gustavo morreu no Rio ontem, aos 42 anos, de Covid-19. O criador de Dona Hermínia estava internado desde 13 de março no Hospital Copa Star, em Copacabana, na Zona Sul.

Ele conquistou o Brasil com humor acessível, fez história e interpretou personagens marcantes. Veja abaixo a trajetória do ator, que tinha a mãe como inspiração, “na carreira e na vida”.

VÍDEO: Paulo Gustavo teve mãe como inspiração na carreira e na vida
VÍDEO: Paulo Gustavo teve mãe como inspiração na carreira e na vida

“Meu irmão, eu te amo e pra sempre vou te amar”, disse a atriz Mônica Martelli, amiga de longa data de Paulo Gustavo. “Tô com raiva por esse momento que o país atravessa”, afirmou Marcelo Adnet. Repercussão reúne também Fábio Porchat, Angélica, Xuxa, Caetano Veloso, Claudia Leitte, Fátima Bernardes e outros. Clique aqui e leia.

Paulo Gustavo interpreta a personagem Dona Hermínia — Foto: Globo/Victor PollakPaulo Gustavo interpreta a personagem Dona Hermínia — Foto: Globo/Victor Pollak

CPI da Covid

Em depoimento à CPI da Covid no Senado, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse que o governo federal não quis fazer campanha de comunicação oficial contra a doença. Também afirmou que uma minuta de decreto presidencial propôs que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alterasse a bula da cloroquina para que o medicamento fosse indicado no tratamento da Covid-19. Mandetta declarou ainda que Bolsonaro se aconselhava sobre a pandemia com fontes de fora do Ministério da Saúde. O ex-ministro falou por mais de sete horas.

Veja em 5 minutos o que rolou na CPI no vídeo abaixo:

CPI da Covid: Ex-ministro Mandetta depõe por mais de 7 horas
CPI da Covid: Ex-ministro Mandetta depõe por mais de 7 horas

Estratégia do governo na CPI

Jair Bolsonaro convocou reunião com líderes e senadores governistas da CPI da Covid a fim de traçar estratégias para as próximas sessões de depoimentos. Participam os ministros Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral).

O avanço da Covid

O Brasil registrou 3.025 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e totaliza 411.854 óbitos desde o início da pandemia. Em casos confirmados, são 14.860.812 brasileiros que já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 69.378 desses confirmados ontem. Quase 33 milhões de pessoas tomaram a primeira dose da vacina.

Vacina brasileira

Candidata à vacina brasileira contra Covid-19, a Versamune começará a ser testada em humanos em junho e a aplicação na população em geral está prevista para dezembro, informou ao G1 Helena Faccioli, CEO da Farmacore, a start-up de biotecnologia que desenvolve o imunizante com apoio da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto (SP).

Consagração de Juliette

Juliette na final do 'BBB21' — Foto: Reprodução/GloboJuliette na final do ‘BBB21’ — Foto: Reprodução/Globo

Juliette é a campeã do “Big Brother Brasil 21”. A advogada e maquiadora embolsa R$ 1,5 milhão, após incríveis 90,15% dos votos e derrotar na final Camilla de Lucas (5,23%) e Fiuk (4,62%). Ao longo dos quase 100 dias da edição, ela passou por três paredões e foi líder uma vez, na última prova pela liderança.

Lei de Segurança Nacional

A Câmara dos Deputados aprovou projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional e define, no Código Penal, crimes contra a democracia. Entenda.

Crime em escola infantil

Três crianças e duas funcionárias de uma escola infantil de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, morreram após um ataque à faca. O assassino, um jovem de 18 anos, deu golpes contra o próprio corpo e está internado. Veja quem são as funcionárias e crianças vítimas do ataque. Entenda o que se sabe e o que falta saber sobre o caso.

Crime no Paraná

Começou o julgamento do caso Tatiana Spitzner. Em 2018, a advogada foi encontrada morta após cair do 4º andar do apartamento onde morava, em Guarapuava (PR). O marido dela, Luís Felipe Manvailer, foi preso no dia da morte e indiciado por homicídio qualificado. Ele nega ter cometido o crime. O julgamento prossegue hoje e o G1 acompanha em tempo real.

Mega-Sena

Uma aposta de Nova Brasilândia D´Oeste, Rondônia, acertou as seis dezenas do concurso 2.368 da Mega-Sena e leva sozinha o prêmio de R$ 37.429.107,24. Veja as dezenas sorteadas: 04 – 07 – 13 – 25 – 36 – 58. Para o próximo sorteio, na quinta-feira (6), o prêmio previsto é de R$ 2 milhões.

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 05 DE MAIO DE 2021 POR G1

PROJETO QUE REVOGA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL DE 1983 É APROVADO PELA CÂMARA E ACRESCENTADO AO CÓDIGO NOVAS TIPIFICAÇÕES AOS CRIMES CONTRA O ESTADO DEMOCRÁTICO

Câmara dos Deputados aprova projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional

Texto original havia sido apresentado em 2002, pelo então ministro da Justiça, Miguel Reale Jr.

Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília

Atualizado 04 de maio de 2021 às 22:00

Câmara dos DeputadosProjeto de Lei foi aprovado nesta terça-feira (4) na Câmara dos Deputados Foto: Flickr/Vismar Ravagnani

Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta terça-feira (4), um projeto de lei que revoga a Lei de Segurança Nacional, de 1983, e acrescenta no Código Penal novas tipificações aos crimes contra o Estado Democrático de Direito.

O texto original havia sido apresentado em 2002, pelo então ministro da Justiça, Miguel Reale Jr., e entrou na pauta da Câmara após o aumento do número de inquéritos abertos com base na Lei de Segurança Nacional. Agora, a matéria segue para a análise do Senado.

No Twitter, o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), defendeu a aprovação do projeto por ser uma “revisão importante para a defesa das instituições, bem como para a proteção das liberdades e garantias fundamentais”.

O texto-base foi aprovado pelos deputados após acordo entre a maioria dos partidos. O relatório da deputada Margarete Coelho (PP-PI) também revoga o artigo 39 da Lei 3688/1941, a Lei de Contravenções Penais, referente a associações secretas.

De acordo com o texto aprovado pelos deputados, não serão considerados crimes contra o Estado Democrático de Direito manifestações críticas aos Poderes, atividade jornalística e manifestações políticas, como passeatas e greves.

Somente PSOL e PSL se posicionaram contra o texto. Para o PSOL, a revogação da Lei de Segurança Nacional não deveria vir acompanhada de mudanças no Código Penal referente a crimes contra o Estado Democrático de Direito. Já o PSL argumentou que a lei não tem sido utilizada de forma autoritária.

Já, segundo o relatório da parlamentar, parece “claro que a antiga lei elaborada em período ditatorial, imaculada pelo espírito autoritário e antidemocrático deve de fato ser substituída por legislação mais moderna”.

Na prática, ao serem incluídos no Código Penal, os itens referentes a crimes contra o Estado Democrático de Direito deixam de ser associados à Lei de Segurança Nacional, criada no fim do período ditatorial, e utilizada para criminalizar ações contrárias aos Poderes da República.

A matéria também tipifica 10 crimes no Código Penal. São eles:

  • atentados à soberania e à integridade nacional
  • abolição violenta à democracia
  • espionagem
  • golpe de Estado
  • comunicação enganosa em massa
  • interrupção do processo eleitoral
  • sabotagem
  • violência política
  • atentado ao direito de manifestação
Continuar lendo PROJETO QUE REVOGA LEI DE SEGURANÇA NACIONAL DE 1983 É APROVADO PELA CÂMARA E ACRESCENTADO AO CÓDIGO NOVAS TIPIFICAÇÕES AOS CRIMES CONTRA O ESTADO DEMOCRÁTICO

POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA A DEPUTADA FLORDELIS IRÁ À JÚRI POPULAR

Justiça determina que Flordelis seja levada à júri popular

Outros nove acusados também serão submetidos à julgamento no Tribunal do Júri pela morte do pastor Anderson do Carmo

Por Luiza Muttoni, da CNN no Rio de Janeiro
 Atualizado 04 de maio de 2021 às 23:33
A deputada FlordelisA deputada Flordelis
Foto: Claudio Andrade/Câmara dos Deputados

deputada federal Flordelis e outros nove acusados pela morte do pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, serão levados à júri popular. A decisão é da juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, do 3º Tribunal do Júri de Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

Denunciada como mandante do assassinato, a parlamentar responde por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima), tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada.

Em razão da imunidade parlamentar, Flordelis só pode ser presa em flagrante por crime inafiançável, mas cumpre medidas cautelares, monitorada por tornozeleira eletrônica.

Também serão submetidos a julgamento pelo Tribunal do Júri, Marzy Teixeira da Silva, Simone dos Santos Rodrigues, André Luiz de Oliveira (o “bigode”), Carlos Ubiraci Francisco da Silva (o “neném”), Rayane dos Santos Oliveira, Flávio dos Santos Rodrigues, Adriano dos Santos Rodrigues, Andrea Santos Maia e  Marcos Siqueira Costa.

A juíza decidiu manter a prisão de todos os acusados, pois “não houve modificação da situação de fato que justificasse sua alteração”.

Nesta terça-feira (4), familiares do pastor Anderson do Carmo entraram com um pedido de indenização na Justiça contra Flordelis.

Na ação, foram pedidos, a título de danos morais, R$ 500 mil para Jorge, pai de Anderson; R$ 200 mil para Cláudia, irmã; e R$ 100 mil para Nádia, que é tia e madrinha da vítima, totalizando R$ 800 mil.

Anderson do Carmo foi assassinado a tiros dentro de casa e Flordelis nega as acusações.

Continuar lendo POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA A DEPUTADA FLORDELIS IRÁ À JÚRI POPULAR

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 04 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

A CPI da Covid começa a esquentar hoje, com os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Eles não podem mentir. O Brasil se aproxima dos 410 mil mortos pelo novo coronavírus. Bruno Covas, que luta contra um câncer, e Paulo Gustavo, que trava dura briga contra a Covid, seguem internados. O desabamento de um viaduto deixou 20 mortos no metrô do México. E o ‘BBB21’ termina nesta terça: Camilla, Fiuk e Juliette disputam o prêmio.

Mandetta e Teich na CPI da Covid

Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta — Foto: Clauber Cleber Caetano/PR; Isac Nóbrega/PR; José Dias/PRNelson Teich e Luiz Henrique Mandetta — Foto: Clauber Cleber Caetano/PR; Isac Nóbrega/PR; José Dias/PR

A CPI da Covid ouve hoje Luiz Henrique Mandetta, pela manhã, e Nelson Teich, à tarde, os dois primeiros ministros da Saúde do governo de Jair Bolsonaro. Eles irão falar na condição de testemunha e não podem mentir, sob o risco de incorrer no crime de falso testemunho.

Mandetta esteve à frente da pasta entre janeiro de 2019 e abril de 2020. Teich, seu sucessor, comandou o ministério por menos de um mês, entre 17 de abril e 15 de maio do ano passado. Ambos deixaram o cargo após divergências com Bolsonaro relativas às políticas de contenção do coronavírus.

Marcelo Queiroga e Eduardo Pazuello também serão ouvidos nesta semana.

Vacina da Pfizer/BioNTech

O Ministério da Saúde começou a enviar aos estados 500 mil doses da vacina contra a Covid-19 produzida pela Pfizer/BioNTech. A pasta orientou adotar um intervalo de 3 meses entre a 1ª e a 2ª dose, embora a fabricante tenha recomendação diferente: intervalo de 21 dias. O ministério diz seguir regras do Reino Unido. Entenda aqui.

CoronaVac em falta?

Já em relação à CoronaVac, vacina mais usada no Brasil, sete capitais interromperam a aplicação da 2ª dose por falta de imunizante. Clique aqui e veja quais são.

Pandemia sem controle

O Brasil registrou 1.054 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou 408.829 óbitos desde o início da pandemia. Com 37.451 casos, são 14.791.434 brasileiros que já tiveram ou têm o novo coronavírus.

O Assunto

Brasil e Índia, muito em comum

Aglomerações, variantes mais infecciosas, gestão confusa durante a pandemia… São várias as semelhanças entre os colapsos de Brasil e Índia diante da Covid-19. Entenda.

Luta contra o câncer

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que se afastou do cargo para tratar um câncer no sistema digestivo, segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês, no Centro da capital paulista. Ele foi intubado na manhã de ontem e extubado à tarde, após um sangramento no estômago ser estancado.

Paulo Gustavo

Internado desde 13 de março para se recuperar da Covid-19, o ator Paulo Gustavo piorou subitamente e teve uma embolia pulmonar. Segundo o hospital, o quadro é “instável e de extrema gravidade”.

Tragédia no México

Imagem aérea mostra região de acidente de trem do metrô depois que um viaduto desabou parcialmente na Cidade do — Foto: Pedro Pardo / AFP PhotoImagem aérea mostra região de acidente de trem do metrô depois que um viaduto desabou parcialmente na Cidade do — Foto: Pedro Pardo / AFP Photo

Um trem do Metrô da Cidade do México descarrilou e despencou após um viaduto desabar, deixando 20 mortos e 49 feridos.

Caso Henry

Monique e Jairinho, mãe e padrasto de Henry, foram indiciados por homicídio duplamente qualificado, com emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima. Agora, o promotor do caso decidirá se denuncia ou não o casal.

BBB21

Camila, Juliette e Fiuk — Foto: Globo/João CottaCamila, Juliette e Fiuk — Foto: Globo/João Cotta

‘BBB21’ termina nesta terça, e Camilla, Fiuk e Juliette disputam o prêmio. Mas o reality já deixa saudades. Foi uma edição marcada por cancelamentos, recordes de rejeição dos participantes e discussões sociais. Veja a nossa retrospectiva.

Mega-Sena

O concurso 2.368 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 38 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h.

Previsão do tempo

Chuva segue caindo na região norte do país durante a semana
Chuva segue caindo na região norte do país durante a semana
Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 04 DE MAIO DE 2021 POR G1

MINISTÉRIO DA ECONOMIA ESTUDA AUXÍLIO FINANCEIRO PARA JOVENS “NEM-NEM” QUE FIZER CURSO PREPARATÓRIO

Governo quer dar bolsa de até R$ 300 para jovem ‘nem-nem’ que fizer cursos

Ministério da Economia quer incluir jovens que nem estudam e nem trabalham em novo programa de apoio a trabalhadores informais

Adriana de Luca, da CNN, em São Paulo 

03 de maio de 2021 às 22:53

 

Ministério da Economia está estudando o lançamento de um novo tipo de auxílio financeiro: o bônus de inclusão produtiva. A princípio, apenas os trabalhadores informais seriam os beneficiados, mas o governo também pretende incluir os jovens que nem estudam e nem trabalham, os chamados “nem-nem”.

Eles receberão entre R$ 200 e R$ 300 com a condição de fazer um curso preparatório. As empresas poderão contratar e treinar essas pessoas, oferecendo, portanto, uma oportunidade de ingresso no mercado de trabalho.

O número de jovens “nem-nem” atingiu recorde no ano passado por causa da pandemia de Covid-19. Foi o caso da radialista Gabriela Godoy Biasoli, 23, por exemplo, que se formou na faculdade em 2019 e tinha planos de começar uma pós-graduação na Europa em 2020.

Desempregada, o planejamento foi frustrado por conta do coronavírus. “Temos muitos profissionais com anos de experiência disponíveis para o mercado e eu sou recém-formada, então fica muito competitivo”, disse Biasoli.

De acordo com uma consultoria de análise de dados, entre 2012 e 2020 o número de jovens fora da escola ou faculdade vinha diminuindo lentamente. No entanto, o percentual de pessoas dessa faixa etária que está fora do mercado de trabalho saltou no começo da disseminação da Covid-19 no Brasil no ano passado.

No fim de 2020, 25% das pessoas entre 15 e 29 anos nem estudavam e nem trabalhavam. No segundo trimestre de 2020, esse índice atingiu um recorde de 29%.

Fonte: CNN
Continuar lendo MINISTÉRIO DA ECONOMIA ESTUDA AUXÍLIO FINANCEIRO PARA JOVENS “NEM-NEM” QUE FIZER CURSO PREPARATÓRIO

SEGUNDO VICE-LÍDER NO CONGRESSO, O GOVERNO NÃO COMETEU CRIME E NÃO PRECISA SE PREOCUPAR COM CPI

Governo não cometeu crime e não precisa se preocupar com CPI, diz vice-líder

Senador Marcos Rogério afirmou que sonegar informação ao Congresso Nacional é crime de responsabilidade

Produzido por Rudá Moreira e texto por Renato Barcellos, da CNN, em Brasília e São Paulo
03 de maio de 2021 às 20:53
Governo não cometeu crime e não precisa se preocupar com CPI, diz vice-líder

 

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) afirmou em entrevista exclusiva à CNN que o governo federal não cometeu crime e, portanto, não precisa se preocupar com a CPI da Pandemia. Para ele, “sonegar informação ao Congresso Nacional” é um tipo de crime de responsabilidade.

“O governo jamais praticou esse crime e tenho certeza de que não o faria nesse momento”, ressaltou.

Segundo o vice-líder do governo no Congresso, não há muito o que se esperar em termos de novidades, visto que todos os fatos que devem ser abordados na comissão são públicos.

“Eu fico observando algumas provocações que a oposição faz como se fosse uma absoluta novidade. Em um processo administrativo, você não tem ato secreto. A Constituição no [artigo] 37 vai dizer que um dos princípios da administração é a publicidade dos atos”, disse.

Questionado sobre a atuação do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, também do DEM, Marcos Rogério disse que “não se sentia à vontade” para tecer comentários e afirmou que o objetivo dele é mostrar a visão de quem estava à frente da pasta no momento.

Ainda segundo o senador, ele seguirá a mesma posição amanhã, já que “acompanhou de perto” a gestão de Mandetta na pasta.

“Não seria ético da minha parte fazer uma avaliação neste momento porque seria tendenciosa. O ideal é que todos eles [ex-ministros da Saúde] tenham o direito de prestar depoimento olhando para quando eram ministros”, afirmou.

Fonte: CNN
Continuar lendo SEGUNDO VICE-LÍDER NO CONGRESSO, O GOVERNO NÃO COMETEU CRIME E NÃO PRECISA SE PREOCUPAR COM CPI

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 03 DE MAIO DE 2021 POR G1

Por G1

 

O Brasil começa a semana com quase 408 mil mortes pela pandemia, com a aplicação da 2ª dose da CoronaVac suspensa em 8 capitais e na expectativa com os depoimentos da CPI da Covid. Caixa libera saques e transferências do auxílio emergencial de mais uma parte dos beneficiários. Prouni abre inscrições para vagas remanescentes. Concursos abertos reúnem mais de 11 mil vagas pelo país. E a final do ‘BBB 21’ está formada: Fiuk, Camilla de Lucas e Juliette vão disputar o prêmio de R$ 1,5 milhão.

Números da pandemia

Brasil registra 1.210 mortes em 24 horas por Covid e total passa de 407 mil
Brasil registra 1.210 mortes em 24 horas por Covid e total passa de 407 mil

O país registrou 1.210 mortes pela doença nas últimas 24 horas e totalizou neste domingo (2) 407.775 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 2.407. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -16%, indicando tendência de queda nos óbitos decorrentes do vírus.

Vacinação

A aplicação da segunda dose da CoronaVac está suspensa em oito capitais brasileiras, segundo levantamento do G1. A paralisação ocorre nas seguintes cidades: Aracaju, Belo Horizonte, Campo Grande, Fortaleza, Porto Alegre, Porto Velho, Recife e Rio.

De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a interrupção é resultado da conduta de seu antecessor no comando da pasta, Eduardo Pazuello. “[O atraso] decorre da aplicação da segunda dose como primeira dose”, afirmou. “Logo que houver entrega da CoronaVac, [o problema] será solucionado.”

CPI da Covid

CPI da Covid no Senado inicia depoimentos nesta semana — Foto: Edilson Rodrigues/Agência SenadoCPI da Covid no Senado inicia depoimentos nesta semana — Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Começa nesta semana os depoimentos da CPI da Covid no Senado. Devem ser ouvidos o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os demais chefes da pasta no governo Bolsonaro: Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello. Também presta depoimento o diretor da Anvisa, Antônio Barra Torres.

Veja abaixo as datas:

  • Terça-feira (4) – Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, ex-ministros da Saúde;
  • Quarta-feira (5) – general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
  • Quinta-feira (6) – Marcelo Queiroga, atual ministro da Saúde e Antonio Barra Torres, presidente da Anvisa.

No fim de semana, integrantes da CPI da Covid decidiram apresentar requerimento para convocar o ministro da Justiça, Anderson Torres, para explicar fala vista como ameaça indireta aos trabalhos da comissão.

O Assunto

As consequências nefastas da pandemia para o sistema de ensino e o mercado de trabalho são tema do episódio de O Assunto. O economista e pesquisador do Insper Naércio Menezes disseca questões como a evasão, que dobrou entre 2019 e 2020, e a ascensão dos chamados “nem-nem”. Ouça abaixo:

Auxílio emergencial

Auxílio Emergencial libera saques — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Auxílio Emergencial libera saques — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal libera nesta segunda os saques e transferências da primeira parcela do auxílio emergencial aos beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família nascidos em fevereiro, que receberam a parcela em poupança social digital no dia 9 de abril.

Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), em foto de 15 de abril — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOO prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), em foto de 15 de abril — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), decidiu se licenciar por 30 dias do cargo para dar continuidade ao tratamento que enfrenta contra um câncer no sistema digestivo. A licença foi anunciada pelo próprio Covas, em comunicado publicado nas redes sociais neste domingo.

Caso Henry

Caso Henry: Monique diz que defesa montou farsa para proteger Jairinho; veja novas cartas
Caso Henry: Monique diz que defesa montou farsa para proteger Jairinho; veja novas cartas

Fantástico teve acesso com exclusividade a uma nova carta da mãe do menino Henry, Monique Medeiros, escrita na cadeia.

Assim como o primeiro relato, esta segunda mensagem traz uma versão diferente do depoimento que Monique prestou à polícia. Ela conta o teria acontecido nos dias que se seguiram à morte de Henry e acusa o seu primeiro advogado de ter montado uma farsa. Veja no vídeo acima.

Educação

O Programa Universidade para Todos (Prouni) abre nesta segunda as inscrições para vagas remanescentes, aquelas que não foram preenchidas na chamada regular, aberta em janeiro.

Os interessados terão até as 23h59 de terça-feira (4) para se candidatarem. As inscrições devem ser feitas no site do programa. O resultado será divulgado em 7 de maio.

Concursos

Pelo menos 103 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (3) e reúnem 11.089 vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. Os salários chegam a R$ 32.781,77 na Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação.

A final do ‘BBB 21’

Fiuk, Juliette e Camilla de Lucas, finalistas do 'BBB 21' — Foto: Reprodução/TV GloboFiuk, Juliette Fiuk ,Juliett e Camilla de Lucas, finalistas do ‘BBB 21’ — Foto: Reprodução/TV Globo

Estão definidos os três finalistas do ‘BBB 21’. Fiuk, Camilla de Lucas e Juliette vão disputar o prêmio de R$ 1,5 milhão. A definição aconteceu neste domingo (2), com a eliminação de Gilberto, que deixou a casa no último paredão da edição do reality show.

Agora, o público escolhe quem deve vencer o programa. A grande final vai ser nesta terça-feira (4).

Superfãs do BBB deixam até de ver o programa para votar 9 mil vezes em um mesmo paredão
Superfãs do BBB deixam até de ver o programa para votar 9 mil vezes em um mesmo paredão

Língua Portuguesa

Experiência no Museu da Língua Portuguesa, que tem visitação aberta para alunos de escolas — Foto: Marcelo Brandt/G1Experiência no Museu da Língua Portuguesa, que tem visitação aberta para alunos de escolas — Foto: Marcelo Brandt/G1

O Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, terá uma série de atividades para celebrar o Dia Internacional da Língua Portuguesa, comemorado em 5 de maio. A programação é gratuita.

Serão cinco dias de eventos gratuitos, de 3 a 7 de maio, incluindo transmissões ao vivo pela internet e exibição de vídeos.

De onde vem o que eu como

O alho, a cebola, a pimenta e o cheiro verde são as ervas e especiarias de maior fôlego no Brasil — Foto: Tiard Schulz/UnsplashO alho, a cebola, a pimenta e o cheiro verde são as ervas e especiarias de maior fôlego no Brasil — Foto: Tiard Schulz/Unsplash

Sabia que além de temperar, o alho também vai reforçar sua vitamina C e ter ação anti-inflamatória? Ele possui propriedades medicinais, assim como outros condimentos, que também podem ser usados no shampoo e na maquiagem.

Previsão do tempo

Previsão do tempo: risco de temporal para algumas áreas do Norte e Nordeste
Previsão do tempo: risco de temporal para algumas áreas do Norte e Nordeste
Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 03 DE MAIO DE 2021 POR G1

BRUNO COVAS DECIDE SE LICENCIAR POR 30 DIAS DO CARGO DE PREFEITO PARA TRATAMENTO CONTRA O CÂNCER

Com câncer, Bruno Covas decide se licenciar do cargo de prefeito de São Paulo

O vice-prefeito Ricardo Nunes (MDB) assumirá a prefeitura da capital paulista após autorização da Câmara Municipal

Caio Junqueira

Por Caio Junqueira, CNN  

 Atualizado 02 de maio de 2021 às 18:54

Bruno Covas decide se licenciar do cargo de prefeito por 30 dias para tratar câncer | Jovem Pan

Com câncer no sistema digestivo, Bruno Covas (PSDB) irá se licenciar do cargo de prefeito de São Paulo por 30 dias para realizar o tratamento contra a doença. A informação foi confirmada à CNN pelo vice-prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Em nota, a prefeitura de São Paulo afirmou que o tucano precisará se dedicar integralmente ao tratamento de novos focos da doença, o que “não será compatível com as suas responsabilidades e compromisso com a cidade e os paulistanos”.  O ofício com o pedido de afastamento será enviado nesta segunda-feira (3).

Para a mudança da chefia da capital, é preciso que seja aprovado um projeto de lei na Câmara Municipal de São Paulo. Ricardo Nunes afirmou que enviará ao presidente da Casa, Milton Leite (DEM), o pedido para que a licença de 30 dias de Covas seja a partir de terça-feira (4).

O presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (DEM), informou que assim que notificado dará publicidade ao pedido de licença médica e comunicará o vice-prefeito que passa a responder pelo comando da cidade. Segundo Leite, o processo é meramente formal, não havendo necessidade de qualquer tipo de aprovação pela Casa.

Nunes disse que conversou com o prefeito Bruno Covas, que informou estar seguindo uma orientação médica para que fique em repouso.

Tratamento e internação

Na última terça-feira (27), Bruno Covas, que tem 40 anos, recebeu alta hospitalar após internação no hospital Sírio-Libanês. Segundo o boletim médico, ele recebeu tratamento quimioterápico e imunoterápico, ambos “bem tolerados”.

Com a liberação do hospital, Covas prossegue com aplicações dos tratamentos com duração de 48 horas a cada duas semanas, informou o boletim.

Em post feito no Instagram, Bruno Covas publicou o boletim médico de sua alta. “Partiu casa! Mais uma vitória entre muitas batalhas. Agradeço a todos pelas rezas, orações e pensamentos positivos. O tratamento continua. O carinho e força que recebi durante todos esses dias são essenciais para continuar lutando e acreditando”, escreveu na publicação.

Quando foi internado pela última vez, a equipe médica encontrou novos pontos de câncer em Covas, que desde 2019 foi diagnosticado com a doença no trato digestivo. No dia 21 de abril, os médicos informaram que o prefeito apresentou também acúmulo de líquidos nos pulmões e no fígado.

No dia 16 de abril, o prefeito também usou as redes sociais para comentar o boletim médico em que foi revelado que ele apresenta novos pontos de câncer no fígado e nos ossos.

“Abaixar a cabeça!? De jeito nenhum. Vou seguir lutando. Ainda tenho muito trabalho a fazer. Obrigado a todos pelo carinho de sempre. Rezas, orações, pensamentos positivos que recebo de todos os cantos me fazem mais forte nessa batalha. #forçafocoefé”, escreveu Covas, no Instagram.

Fonte: R7

Continuar lendo BRUNO COVAS DECIDE SE LICENCIAR POR 30 DIAS DO CARGO DE PREFEITO PARA TRATAMENTO CONTRA O CÂNCER

SEGUNDO SENADOR DA CPI, ESSA INVESTIGAÇÃO NÃO PODE SER PARA OBSTRUIR AS CAUSAS DE MILHARES DE MORTES PELA COVID-19

Investigação não pode obstruir causas de mortes, diz senador da CPI da Pandemia

Em entrevista à CNN, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) comentou expectativas sobre os depoimentos que têm início nesta semana

Jorge Fernando, Layane Serrano e Lucas Rocha, da CNN, em São Paulo

Atualizado 02 de maio de 2021 às 19:33

Randolfe Rodrigues - ÉPOCA | Tudo sobre

Em entrevista à CNN neste domingo (2), o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, comentou expectativas sobre os depoimentos do processo, que terá início nesta semana.

“Essa investigação não pode ser para obstruir as causas que levaram às milhares de mortes. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas, pelo menos 90 mil mortes poderiam ter sido evitadas. O que a CPI quer buscar como resposta é o que poderia ter sido feito e o que faltou em fazer para salvar esses nossos compatriotas”, afirmou Rodrigues.

Segundo o senador, o depoimento mais esperado da semana é o do ex-ministro Eduardo Pazuello. Rodrigues elencou fatos ocorridos no Brasil durante a pandemia, durante a gestão do ex-ministro.

Segundo ele, sob o comando de Pazuello, “O Brasil deixou de adquirir ou adquiriu tardiamente as vacinas que precisávamos para o enfrentamento da pandemia. Foi sob a gestão do Pazuello que foi aplicado por orientação do próprio Ministério da Saúde, o chamado tratamento precoce, sem eficácia comprovada. Sob a gestão ocorreu o dramático colapso no fornecimento do oxigênio em Manaus, onde pessoas morreram por asfixia”, afirmou.

Sobre o diálogo com o governo federal

O senador afirmou que não foi procurado por integrantes do governo para diálogo sobre a condução da CPI – o que considera adequado.

“O governo do presidente Jair Bolsonaro se não tem nada a dever, não terá o que temer desta Comissão Parlamentar de Inquérito que é contra o coronavírus, não contra o governo ou a favor de oposição. Se o governo tomou todas providências para impedir que nós chegássemos a este colapso sanitário que chegamos, se o governo tomou todas as providências necessárias para aquisição de vacinas, não há o que temer”, disse.

Depoimentos de ex-ministros da Saúde

A comissão irá ouvir os ex-ministros da Saúde, começando por Luiz Henrique Mandetta (DEM), na próxima terça-feira (4). No mesmo dia, à tarde, Nelson Teich realizará depoimento à comissão. Em relação ao ex-ministro Mandetta, Rodrigues afirmou que serão buscados esclarecimentos sobre as medidas tomadas para evitar a chegada do vírus ao país e quais as razões contribuíram para a saída do cargo. Em relação a Nelson Teich, o senador apontou que serão questionados aspectos sobre o tratamento precoce com o uso da hidroxicloroquina.

Na quarta-feira (5), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que comandou a pasta por quase um ano, será ouvido. A produção e distribuição no país de remédios sem comprovação científica contra a Covid-19 é um dos temas que serão questionados no depoimento. Também serão abordados o projeto do aplicativo de auxílio para a prescrição do chamado kit Covid, o TrateCov, e as falhas na logística da pasta durante a crise.

Segundo Rodrigues, até o momento, o ministro da Economia Paulo Guedes não está no radar para ser ouvido pela CPI. Já o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deve ser ouvido por conta da política do governo em relação às vacinas. “Por que não foram adquiridas as vacinas da Pfizer, se teve alguma obstrução na aquisição da Sputnik V, por que o Brasil aderiu tão tardiamente ao consórcio internacional Covax Facility são algumas questões inevitáveis que devemos ouvir do ex-ministro Ernesto Araújo”, disse.

Depoimentos do Ministério da Saúde e Anvisa acontecem na quinta-feira

Na quinta-feira (6), serão ouvidos o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres. Segundo Rodrigues, da parte da Anvisa, serão questionadas possíveis interferências políticas na autorização de vacinas. “É importante entendermos quais critérios a Agência Nacional de Vigilância Sanitária está adotando para a autorização de novas vacinas e a celeridade em relação ao enfrentamento da pandemia”, disse.

“Em relação ao ministro da Saúde, é importante sabermos quais medidas estão sendo adotadas caso tenhamos eventualmente uma terceira onda; se existe ou não incompatibilidade entre as diretrizes do Ministério da Saúde no enfrentamento da pandemia, que advoga pelo uso de máscaras e contra as aglomerações, e o que pensa o palácio do Planalto. É importante saber por que somente em setembro teremos a conclusão da vacinação de todos os grupos prioritários e a crise que muitas capitais estão vivendo de colapso no fornecimento da segunda dose da vacina”, completou.

Ministro da Justiça será ouvido pela CPI

O ministro da Justiça, Anderson Torres, será convocado a depor à CPI. O grupo de senadores de oposição e independentes, que controla os trabalhos da CPI, tomou a decisão após entrevista à revista Veja na qual Torres declarou que irá requisitar informações sobre os inquéritos que envolvem governadores em desvios de recursos da saúde.

O grupo considerou as declarações como ameaça aos trabalhos do colegiado e realizou um requerimento que deverá ser debatido na próxima sessão deliberativa prevista para o dia 11 de maio.

“O depoimento do senhor atual ministro da Justiça foi um pouco nesse sentido, se engana quem acredita que terá algum tipo de sucesso com intimidações. Nós teremos foco na investigação. Quem não for aliado do vírus e não for aliado da pandemia não tem o que temer”, disse.

Continuar lendo SEGUNDO SENADOR DA CPI, ESSA INVESTIGAÇÃO NÃO PODE SER PARA OBSTRUIR AS CAUSAS DE MILHARES DE MORTES PELA COVID-19

APÓS POSSE DO ATUAL GOVERNADOR DO RIO, WITZEL DESISTE DE RECURSO E DESEJA SORTE

À CNN, Witzel diz que desistiu de recurso: “Desejo boa sorte ao vice. Acabou”

Ex-juiz federal pretende agora dedicar à família o tempo que tiver

Stéfano Salles, da CNN no Rio de Janeiro

01 de maio de 2021 às 16:11

Wilson WitzelO governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC)Foto: Adriano Ishibashi – 26.mai.2020/Estadão Conteúdo

Após a cerimônia de posse do agora governador Cláudio Castro neste sábado (1) na Assembleia Legislativa o Palácio Guanabara, o ex-governador Wilson Witzel (PSC) informou à CNN que desistiu de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para anular o julgamento. Ele tinha anunciado a opção pelo recurso na sexta-feira (30), logo após o Tribunal Especial Misto formar (TEM) maioria em favor de seu impeachment.

“Não vou recorrer. Desejo boa sorte ao vice-governador. Não há recurso possível. Acabou. Fica para a história fazer o julgamento. Vou cuidar da minha família”, disse Wilson Witzel.

O Tribunal Misto aprovou o impedimento do ex-juiz federal por unanimidade – foram 10 votos a 0. Depois dessa votação, também por unanimidade, o colegiado aprovou a inabilitação de Witzel para o exercício de funções públicas por cinco anos.

O ex-governador não compareceu ao julgamento e o acompanhou on-line, de sua residência, no Grajaú, Zona Norte da capital. É o mesmo local para onde ele teve que voltar, depois que o tribunal decidiu que, em meio ao processo, na condição de governador afastado, ele não poderia continuar a residir no Palácio Laranjeiras.

Na ocasião, o TEM decidiu ainda que Witzel deveria ter seu salário reduzido em um terço enquanto durasse o afastamento.

Witzel tem 53 anos e governou o Rio de Janeiro por um ano e oito meses, até decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que o afastou do cargo em virtude das investigações de irregularidades nos contratos emergenciais firmados pela Secretaria de Estado de Saúde no início da pandemia de Covid-19.

O mandato do governador foi a primeira experiência eleitoral do ex-juiz federal, que deixou a magistratura no início de 2018 para concorrer ao governo do estado.

Continuar lendo APÓS POSSE DO ATUAL GOVERNADOR DO RIO, WITZEL DESISTE DE RECURSO E DESEJA SORTE

APÓS DECLARAÇÃO, MINISTRO DA JUSTIÇA ANDERSO TORRES ENTROU NO RADAR DA CPI DA PANDEMIA

CPI da Pandemia quer convocar ministro da Justiça

Anderson Torres entrou na mira do G-7 após declarações de que irá requisitar informações sobre os inquéritos que envolvem governadores em desvios de recursos

Caio Junqueira

Por Caio Junqueira, CNN  

 Atualizado 01 de maio de 2021 às 21:47

CPI da Pandemia quer convocar ministro da JustiçaO ministro da Justiça, Anderson Torres, entrou no radar da CPI da Pandemia.

O motivo foram declarações que ele deu em entrevista à revista Veja deste final de semana na qual defendeu uma CPI ampla e declarou que irá requisitar informações sobre os inquéritos que envolvem governadores em desvios de recursos da saúde.

Integrantes do G-7, o grupo de sete senadores de oposição e independentes que controla os trabalhos da CPI, consideraram as declarações uma ameaça aos trabalhos do colegiado e fez um requerimento no qual pede sua convocação.

“Fizemos um requerimento e devemos debatê-lo na próxima sessão deliberativa.  Ele ameaçou de maneira indireta a CPI e isso é crime”, disse à CNN o senador Randolfe Rodrigues. A próxima sessão deliberativa deverá ocorrer no dia 11 de maio.

Por meio de sua assessoria, o ministro da Justiça disse que “está absolutamente tranquilo com uma eventual convocação para a CPI”.

Continuar lendo APÓS DECLARAÇÃO, MINISTRO DA JUSTIÇA ANDERSO TORRES ENTROU NO RADAR DA CPI DA PANDEMIA

RENAN CALHEIROS TRAÇOU ESTRATÉGIA PARA ACALMAR MILTARES SOBRE O RUMO DA CPI DA COVID

Renan Calheiros traça estratégia para acalmar militares e aproximá-los da CPI

No episódio desta sexta (30) do podcast Horário de Brasília, Daniela Lima e Renata Agostini contaram que senador quer abrir caminho para colaboração

Renata Agostini
Thais Arbex

Por Renata Agostini e Thais Arbex, CNN  

Atualizado 30 de abril de 2021 às 17:39

Renan Calheiros traça estratégia para acalmar militares e aproximá-los da CPI | CNN 360º - YouTube

Relator da CPI da Pandemia, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) traçou uma estratégia para acalmar os militares sobre os rumos da comissão, que inclui encontros com representantes das Forças Armadas e envio de mensagens, nos bastidores, de que as tropas não estarão no centro das investigações.

O assunto foi um dos temas do episódio desta sexta-feira (30) do podcast Horário de Brasília, apresentado por Daniela Lima e Renata Agostini. A dupla comentou que o movimento de Renan é importante porque o senador e o chamado G7, grupo que reúne parlamentares de oposição e independentes, já debatem a convocação do ex-comandante do Exército Edson Pujol, que entrou em choque com Bolsonaro e foi substituído recentemente pelo presidente.

O objetivo de Renan é aproximar os militares dos trabalhos da CPI, convencendo-os a colaborar com a apuração. O senador indicou a interlocutores que planeja realizar encontros com integrantes das Forças Armadas a partir da próxima semana.

O movimento atende a dois objetivos. De um lado, Renan quer rebater um discurso que, na visão do senador, será explorado por Jair Bolsonaro: de que a CPI pretende emparedar os militares. De outro lado, oferecer uma saída política às tropas, ao sinalizar que a CPI pretende apontar que os militares foram arrastados para o centro da crise pelo Palácio do Planalto – e não por decisão própria.

A avaliação de Renan, transmitida a interlocutores, é que o movimento será importante especialmente num momento em que a imagem do presidente da República está desgastada com parte dos militares, após a troca rumorosa dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Isso porque a ideia não é blindar as tropas de pedidos de informações ou de convocações. O incremento na produção de cloroquina promovido pelo Exército terá de ser apurado, já que investigar a recomendação do uso de ivermectina e hidroxicloroquina pelo governo é uma das frentes consideradas mais promissoras por Renan e seus aliados.

Na próxima quarta-feira (5), o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, será o primeiro militar a depor à CPI da Pandemia. Durante a semana, também serão ouvidos pela comissão outros nomes que ocuparam o posto de titular da pasta no governo Bolsonaro: Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich vão depor na terça (4) e o atual ministro, Marcelo Queiroga, é esperado na quinta-feira (6).

O atual ministro da Defesa, Walter Braga Netto, ficou fora da primeira rodada de oitivas. Mas não está descartada a sua convocação. Sobre Pujol, Renan indicou a pessoas próximas que o ex-comandante do Exército pode esclarecer pressões feitas pelo Palácio do Planalto sobre as tropas.

Apresentado por Daniela Lima e Renata Agostini, o Horário de Brasília é transmitido ao vivo e com vídeo no site da CNN Brasil e no canal da emissora no YouTube, às sextas-feiras, a partir de 12h30. Depois, os episódios podem ser acessados on demand nas principais plataformas de podcast: Apple Podcasts, Spotify, Amazon Podcasts e Deezer.

Fonte: CNN
Continuar lendo RENAN CALHEIROS TRAÇOU ESTRATÉGIA PARA ACALMAR MILTARES SOBRE O RUMO DA CPI DA COVID

COM AFASTAMENTO DE WITZEL FINALIZADO, SAIBA QUEM É CLÁUDIO CASTRO O NOVO GOVERNADOR DO RIO DE JANEIRO

Quem é Cláudio Castro, o novo governador do Rio de Janeiro

Cantor católico, advogado e assessor legislativo, Castro foi de vereador novato a governador do estado em apenas quatro anos

Anna Satie e Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo

30 de abril de 2021 às 16:56

O governador em exercício Cláudio Castro, que assumiu o governo do RJAgora, com o processo de impeachment do governador afastado, WIlson Witzel (PSC), finalizado, Castro pode assumir de vez a chefia do Executivo fluminense já neste sábado (1º)Foto: Reprodução/CNN (4.set.2020)

Cláudio Bomfim de Castro e Silva, de 42 anos, será o novo governador do Rio de Janeiro. Com a condenação do governador afastado Wilson Witzel (PSC) em um processo de impeachment, Castro tomará posse em definitivo como ocupante do Palácio das Laranjeiras, com mandato até dezembro de 2022.

A cerimônia de posse, que dará fim à interinidade que dura oito meses, deve acontecer já neste sábado (1.º), entre 10h e 11h, no Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Assim como Witzel, Castro é filiado ao Partido Social Cristão (PSC). O novo governador do Rio é  advogado, católico e autor de dois álbuns de música religiosa. Em 2019, tomou posse, aos 40 anos, como o mais jovem vice-governador fluminense desde a redemocratização.

Investigação e interinidade

Em 28 de agosto de 2020, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou Wilson Witzel do governo do Rio de Janeiro. A decisão partiu de uma operação contra suspeita de desvios em contratos públicos que também resultou na prisão de Pastor Everaldo, ex-presidenciável e presidente nacional do PSC, partido tanto de Witzel quanto de Castro.

O novo governador do Rio de Janeiro também foi ele mesmo um dos alvos da investigação de corrupção em contratos públicos do Executivo fluminense, na mesma operação autorizada pelo STJ em que Witzel foi afastado. Castro nega qualquer envolvimento.

Juiz federal de carreira, Wilson Witzel deixou a magistratura para concorrer a governador em 2018 pelo PSC. Sem fechar coligação com nenhum outro partido, fato que pode ser explicado também pelo baixo desempenho das primeiras pesquisas, Witzel acabou tendo um nome da própria legenda como candidato a vice, Cláudio Castro, vereador de primeiro mandato da capital.

Com a posse de Castro como novo governador, o Rio de Janeiro passa a não ter mais vice-governador até o fim do atual mandato. Caso Cláudio Castro precise se afastar por qualquer motivo, o cargo será assumido pelo presidente da Assembleia Legislativa, posto exercido hoje pelo deputado estadual André Ceciliano (PT).

Bolsonaro

A chapa formada por Wilson Witzel e Cláudio Castro foi eleita em 2018 com o apoio da família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sobretudo do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Quando foi afastado do cargo, Witzel já havia se distanciado politicamente do presidente da República. Recentemente, em entrevista à CNN, o agora ex-governador acusou Jair Bolsonaro de persegui-lo.

Após a sua posse como governador interino, Cláudio Castro foi elogiado pelo senador Flávio Bolsonaro, que o considerou “mais humilde e realista” do que Wilson Witzel.

Enquanto vice-governador de Witzel, Castro esteve à frente do Detran e do DER (Departamento de Estradas e Rodagem). Durante a pandemia, coordenou o Mutirão Humanitário, que distribuiu cestas básicas e kits de limpeza em 13 cidades do Rio.

Religião, música e direito

Cláudio nasceu em Santos (SP), mas foi morar no Rio ainda criança. Graduado em Direito, Cláudio Castro dividiu a parceria, tanto na música quanto na política, com o deputado estadual Márcio Pacheco (PSC). O parlamentar também é cantor católico e já dividiu palco com Castro, que foi vocalista da banda Em Nome do Pai.

O primeiro álbum solo do governador foi lançado em 2011 e também se chama Em Nome do Pai, em homenagem à antiga banda, que começou na paróquia São Francisco de Paula, na Barra da Tijuca, zona oeste carioca. Seu último lançamento é de 2015, o disco Dia de Celebração. No Spotify, Castro tem 88 ouvintes mensais.

O site oficial do governo do Rio de Janeiro também apresenta Castro como advogado, “músico, compositor e evangelizador”.

A primeira atuação do novo governador na política data de 2004, quando se tornou chefe de gabinete de Márcio Pacheco, então vereador no Rio de Janeiro. Castro o acompanhou quando Pacheco se tornou deputado estadual, a partir de 2011, com dois afastamentos do gabinete da Alerj para tentar ele mesmo de eleger.

Na primeira tentativa, em 2012, Castro não conquistou um mandato de vereador, que viria no pleito seguinte. Nas eleições de 2016, Cláudio Castro foi eleito com 10.262 votos, total que seria insuficiente para garantir-lhe o mandato sem depender do coeficiente partidário.

O principal puxador de votos do PSC naquela eleição foi Carlos Bolsonaro, que recebeu 106.657 votos. O filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro mudou de partido após o pleito e hoje faz parte do Republicanos.

Tomou posse como vereador em 2017 e dois anos depois já visitava, como vice-governador, a Câmara Municipal, onde recebeu em maio de 2019 a medalha Pedro Ernesto, mais importante honraria do legislativo carioca.

Entre as 11 propostas de sua autoria como vereador, estão a criação de incentivos ao esporte, a publicização da fila de espera para serviços de saúde e o tombamento do escotismo como patrimônio imaterial do Rio de Janeiro.

Ao lado do vereador Felipe Michel (PP), foi Castro quem editou o decreto legislativo que concedeu o título de cidadão honorário a Witzel — em dezembro de 2018, após vitória na eleição.

Continuar lendo COM AFASTAMENTO DE WITZEL FINALIZADO, SAIBA QUEM É CLÁUDIO CASTRO O NOVO GOVERNADOR DO RIO DE JANEIRO

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 30 DE ABRIL DE 2021 POR G1

Por G1

 

impeachment de Wilson Witzel será julgado no Rio. O país contabiliza mais de 400 mil mortos por Covid e “O Assunto” analisa a tragédia brasileira na pandemia. Vacinas da Pfizer chegam ao Brasil. Pocah foi eliminada do “BBB21” e o reality entra na reta final. Leilão da Cedae sai ou não? Um coração 3D salva bebê. E as lives que podem ajudar a ficar em casa.

Impeachment de Witzel

Foto de arquivo de 26 de março de 2020 do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) — Foto: Wilton Junior / Estadão ConteúdoFoto de arquivo de 26 de março de 2020 do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) — Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo

O julgamento do impeachment de Wilson Witzel (PSC), que pode torná-lo inelegível por cinco anos e afastá-lo definitivamente do cargo de governador do Rio, começa nesta manhã. O G1 vai acompanhar em tempo real.

Mais de 400 mil mortos

No dia em que bateu a triste marca de 400 mil mortes por Covid-19, o Brasil registrou 3.074 óbitos nas últimas 24 horas e totalizou. São 401.417 óbitos desde o início da pandemia. A CPI da Covid avança no Senado, mas é marcada por bate-boca.

O Assunto

Episódio analisa a marca devastadora de mais de 400 mil mortos pela Covid. O novo coronavírus já roubou, inclusive, quase dois anos da expectativa de vida dos brasileiros. A vacinação lenta, restrições em baixa e inverno chegando pode levar o país para 500 mil vítimas sem muita demora. Ouça o podcast

CPI da Covid

VÍDEO: Sessão da CPI da Covid tem bate-boca entre senadores
VÍDEO: Sessão da CPI da Covid tem bate-boca entre senadores

CPI da Covid aprovou a convocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos ex-ministros da pasta no governo Jair Bolsonaro: Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello. O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, também foi convocado. Mas a reunião teve bate-boca: veja no vídeo acima.

Vacinas

O primeiro lote de vacinas da Pfizer chegou ao Brasil. O avião com 1 milhão de doses pousou no aeroporto de Viracopos, em Campinas. A distribuição será feita apenas às capitais.

BBB na reta final

Pocah no 'BBB21' — Foto: Reprodução / TV GloboPocah no ‘BBB21’ — Foto: Reprodução / TV Globo

Pocah foi eliminada do “Big Brother Brasil 21”, com 73,16% dos votos. Ela disputou o paredão com Gilberto (14,94%) e Camilla de Lucas (11,9%). Na reta final do reality show, a noite ainda tem a última prova da edição, de resistência, que garante ao vencedor um lugar na final.

Leilão da Cedae

Está previsto para esta tarde o leilão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). G1 vai acompanhar de pertoEntenda o projeto de infraestrutura.

Perfil violento

Luciano Silva foi preso por suspeita de usar marreta para matar Rosely Bispo dentro de um vagão do Metrô em São Paulo — Foto: Reprodução / Polícia Civil / Arquivo pessoalLuciano Silva foi preso por suspeita de usar marreta para matar Rosely Bispo dentro de um vagão do Metrô em São Paulo — Foto: Reprodução / Polícia Civil / Arquivo pessoal

O aposentado Luciano Gomes da Silva, de 55 anos, preso por suspeita de assassinar a auxiliar de limpeza Roseli Dias Bispo, 46, com golpes de marreta na estação Sé do Metrô, já foi acusado de cometer outros crimes antes: em 2005, atacou dois homens na mesma estação; e, em 1993, matou a noiva. Ele ficou preso por mais de dois anos e outros 18 anos esteve internado num manicômio. Veja mais do perfil de Luciano.

Tragédia em Israel

Tumulto em festival religioso em Israel deixa dezenas de mortos
Tumulto em festival religioso em Israel deixa dezenas de mortos

Um tumulto em um festival religioso em Israel deixou dezenas de mortos. O número oficial de vítimas ainda não foi divulgado, mas a imprensa local informa entre 38 e 44 mortos e mais de 100 feridos, a maioria pisoteada após queda de arquibancada. Veja imagens da tragédia no vídeo acima.

Coração 3D

VÍDEO: Impressão 3D ajuda a salvar a vida de recém-nascido no RJ
VÍDEO: Impressão 3D ajuda a salvar a vida de recém-nascido no RJ

Um coração feito em impressora 3D salvou a vida de um recém-nascido com uma cardiopatia grave, em um procedimento inédito. Médicos imprimiram uma réplica do órgão do pequeno Ryann para estudar a melhor forma de operá-lo. Clique aqui e entenda ou assista ao vídeo acima.

Lives da semana

Gusttavo Lima, Solange Almeida e mais shows para ver em casa. Veja agenda e horários de transmissões.

‘Disco arranhado’

As voltas de ‘Disco arranhado’
As voltas de ‘Disco arranhado’

Como a música rodou por 4 anos até virar hit nacional ao unir funk e arrocha. Balada do baiano Tierry virou bachata da dupla mineira César Menotti & Fabiano, voltou à Bahia no arrocha de Malu e virou hit nacional com funk de Lucas Beat, do interior de SP. Veja a jornada no vídeo acima.

Previsão do tempo

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 30 DE ABRIL DE 2021 POR G1

REFERINDO-SE A DISTRIBUIÇÃO DE VACINAS CONTRA COVID-19 DO GOVERNO FEDERAL, MINISTRO DA SAÚDE AFIRMOU QUE “NEGACIONISMO É QUERER NEGAR O ÓDIO”

Negacionismo é querer negar o ódio’, diz ministro da Saúde em chegada de doses

Marcelo Queiroga esteve no aeroporto de Viracopos, em Campinas, para receber primeira remessa de doses da Pfizer

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo
Atualizado 29 de abril de 2021 às 21:24
Negacionismo é querer negar o ódio', diz ministro da Saúde em chegada de doses

Após receber o primeiro lote de vacinas da Pfizer no aeroporto de Viracopos, em Campinas, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que “negacionismo é querer negar o ódio”, referindo-se ao cronograma de distribuição de vacinas contra Covid-19 do governo federal.

A primeira remessa com um milhão de doses da Pfizer chegou ao Brasil nesta quinta-feira (29). O ministro da Saúde e outras autoridades acompanharam a chegada dos imunizantes.

“Nos próximos seis dias nós vamos distribuir 16 milhões de doses de vacinas. Não há como negar, negacionismo é querer negar o ódio. Nós vacinamos a nossa população [em uma escala] sem precedentes. A verdade vos libertará, vamos conhecer a verdade, vamos confiar no governo”, afirmou o ministro, citando versículo da Bíblia.

A expectativa é que o governo federal inicie a entrega das doses da Pfizer aos governadores a partir deste sábado (1). Ao longo da semana, mais 650 mil doses do imunizante serão enviadas ao Brasil. No mês de maio, o acordo é de 2,5 milhões doses, e até o final de junho, 15 milhões de vacinas Pfizer/BioNTech deverão ser entregues.

“Recebemos a incumbência do nosso líder, o presidente Jair Bolsonaro, de estar hoje no aeroporto de Viracopos para receber os imunizantes. O governo federal tem que levar imunizantes que sejam efetivos e que sejam aprovados pelas nossas vigilâncias sanitárias, é assim que vamos conquistar a confiança”, disse Queiroga.

O ministro destacou que o imunizante teve pesquisa realizada no Brasil. “Milhares de brasileiros participaram de ensaios clínicos, esse é o compromisso do governo federal com a ciência, com o desenvolvimento de pesquisas de qualidade. Vamos continuar firmes para vacinar a nossa população”.

Fonte: CNN

Continuar lendo REFERINDO-SE A DISTRIBUIÇÃO DE VACINAS CONTRA COVID-19 DO GOVERNO FEDERAL, MINISTRO DA SAÚDE AFIRMOU QUE “NEGACIONISMO É QUERER NEGAR O ÓDIO”

CPI DA COVID TERÁ O GOVERNO FEDERAL COM SEU PRIMEIRO FOCO DE INQUÉRITO, AFIRMA SENADORES

CPI vai partir da investigação sobre o governo federal, afirmam senadores

Cúpula da CPI da Pandemia quer evitar que investigação fique sem foco

Gregory Prudenciano, da CNN, em São Paulo

Atualizado 29 de abril de 2021 às 19:36

CPI vai partir da investigação sobre o governo federal, afirmam senadores

Os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), respectivamente o relator e o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, informaram nesta quinta-feira (29) o plano de trabalho da investigação, que terá o governo federal como seu primeiro foco do inquérito.

Calheiros e Randolfe afirmaram que a decisão está lastreada no despacho que deu início à CPI, assinado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). De acordo com os senadores, esse documento justifica que a CPI parta da apuração sobre a conduta federal e avance para estados e municípios diante de “fatos conexos” e da destinação de verbas federais.

“O plano foi construído a partir do despacho do senador Rodrigo Pacheco, os termos são os termos do despacho que diz ‘determina-se a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito nos termos do requerimento do senador Randolfe Rodrigues para investigar ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19, notadamente os acontecimentos de Manaus, no Amazonas, e com os fatos conexos em relação a transferências de recursos federais'”, citou, de cabeça, o senador Randolfe Rodrigues.

Assim, ainda na sessão desta quinta-feira, a CPI decidiu convocar para prestar depoimentos o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e seus antecessores.

Aliado do governo federal, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) chegou a discutir com Renan Calheiros na sessão desta quinta-feira. O senador por Rondônia reclamou que a CPI não poderia ficar circunscrita aos requerimentos do relator, mas que deveria abarcar também sugestões dos outros integrantes.

Calheiros e Rodrigues disseram temer pela dispersão do foco da CPI, e afirmaram que o plano de trabalho é tão somente um “roteiro”. Afirmaram também que os próximos requerimentos serão apreciados sem distinção política e que deve prevalecer “a busca pela verdade”.

“Na medida que nós caminhamos, os requerimentos darão os parâmetros da própria investigação”, disse o relator da CPI.

Renan Calheiros também afirmou que, a partir dos termos do despacho do presidente do Senado, a CPI vai investigar não só os repasses da União a estados e municípios, mas também os critérios destes repasses, isto é, se os recursos foram distribuídos a partir de critérios técnicos.

Subrelatorias

Questionado sobre a possibilidade de criação de subrelatorias na CPI da Pandemia, Randolfe Rodrigues disse que o modelo será decidido pela maioria dos senadores que compõem a CPI, mas afirmou que o modelo de subrelatorias é “uma faculdade” e disse que a maioria das CPIs das quais ele mesmo participou não aderiram ao formato.

“Se for necessário criar, as subrelatorias existirão na medida das suas necessidades. O problema da subrelatoria é uma ficção, houve uma tentativa para a dispersão do foco da CPI”, disse Randolfe.

Requerimentos e convocações aprovadas

Nesta quinta-feira, a CPI da Pandemia aprovou nesta quinta-feira (29) a convocação dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do atual comandante da pasta, Marcelo Queiroga, para serem ouvidos na comissão na próxima semana.

Mandetta e Teich participarão como testemunhas na terça-feira (4). Na quarta-feira (5), será a vez do general Eduardo Pazuello. Já na quinta-feira (6), serão ouvidos Queiroga e o atual presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, cuja convocação também foi aprovada pelos senadores.

Além das 5 testemunhas, os senadores também aprovaram 6 requerimentos de informação apresentados pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL). A CPI vai pedir ao governo federal todas as informações sobre processos administrativos de contratação e demais tratativas relacionadas às aquisições vacinas e insumos.

Renan também solicitou toda regulamentação do governo federal no âmbito da lei 13.979, das medidas de enfrentamento da pandemia, todos os registros de ações e documentos do governo sobre medicamentos sem eficácia comprovada e tratamento precoces, inclusive indicados em aplicativos e documentos, além de atos normativos de estratégias e campanhas de comunicação do governo federal e do Ministério da Saúde.

Estão na lista de informações pedidas também o que se refere aos contratos, convênios e ajustes da União que resultaram em transferência de recursos para estados e capitais.

Continuar lendo CPI DA COVID TERÁ O GOVERNO FEDERAL COM SEU PRIMEIRO FOCO DE INQUÉRITO, AFIRMA SENADORES

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 29 DE ABRIL DE 2021 POR G1

Por G1

 

CPI da Covid começa, de fato, a trabalhar nesta quinta-feira, quando o país pode atingir a marca de 400 mil mortos pelo novo coronavírus. Joe Biden dicursou para celebrar seus primeiros 100 dias no governo dos Estados Unidos. A China lançou foguete que leva primeira parte de sua Estação Espacial. A Cedae será ou não leiloada? Conheça o “rei das lives”. E “O auto da boa mentira” estreia.

CPI da Covid

Integrantes da CPI da Covid se reúnem hoje para votação do plano de trabalho e dos requerimentos com pedidos de informação e convocação de testemunhas. Serão convocados ministro e ex-ministros da Saúde de Jair Bolsonaro. Ao menos 11 pedidos de senadores aliados do governo foram produzidos no Palácio do Planalto.

Ontem, senadores governistas pediram ao STF que Renan Calheiros seja impedido de integrar a CPI da Covid. O relator no STF será Ricardo Lewandowski.

Avanço da pandemia

O Brasil registrou 3.019 novas mortes por Covid ontem e se aproxima da marca de 400 mil vítimas da doença. País contabiliza 14.523.807 casos e 398.343 óbitos. A média móvel está em 2.379 mortes por dia.

Falta de vacinas

Mais de 30,7 milhões de pessoas tomaram a primeira da vacina contra a Covid, e 14,6 milhões tomaram a segunda dose. Mas cidades de ao menos 18 estados suspenderam nesta semana a aplicação da 2ª dose da CoronaVac por falta de imunizante: veja quais cidades anunciaram a suspensão.

100 dias de Joe Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, diante de Kamala Harris e Nancy Pelosi no 1º discurso ao Congresso americano. — Foto: Chip Somodevillaat/Pool via REUTERSO presidente dos EUA, Joe Biden, diante de Kamala Harris e Nancy Pelosi no 1º discurso ao Congresso americano. — Foto: Chip Somodevillaat/Pool via REUTERS

Em discurso para marcar os 100 primeiros dias no governo, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou, entre outros temas, que “herdou uma nação em crise”, celebrou a vacinação em massa contra o coronavírus, e pediu plano trilionário para aquecer o mercado. O discurso diante de 2 mulheres no Congresso é históricoentenda por quê.

O Assunto de hoje analisa os 100 dias de BidenOUÇA:

Estação espacial chinesa

Foguete chinês leva o módulo central da estação espacial — Foto: AFP PhotoFoguete chinês leva o módulo central da estação espacial — Foto: AFP Photo

China lançou o primeiro módulo de sua estação espacial, cuja montagem levará mais de um ano e será realizada em 10 missões, incluindo quatro tripuladas. Deve estar operacional em 2022.

Censo 2021

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, determinou que o governo federal tome as providências para realizar o Censo demográfico, suspenso por falta de recursos.

Cedae: leilão ou não?

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) vota nesta quinta-feira decreto que pode suspender o leilão da Cedae, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos. A venda está prevista para ser realizada nesta sexta-feira (30).

Daniel Silveira vira réu

O STF decidiu por unanimidade tornar réu o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) no inquérito que investiga atos antidemocráticos. Em fevereiro, ele foi detido por ter publicado um vídeo no qual defende o AI-5, instrumento de repressão mais duro da ditadura militar, e a destituição de ministros do STF. As duas reivindicações são inconstitucionais.

Cunha tem prisão revogada

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região revogou a prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha. Cunha, porém, segue em prisão domiciliar por conta de outra prisão preventiva.

Rei das lives

Anselmo Troncoso durante transmissão da live Cachaça e Cabaré 2 — Foto: DivulgaçãoAnselmo Troncoso durante transmissão da live Cachaça e Cabaré 2 — Foto: Divulgação

Quem é Anselmo Troncoso, responsável pela transmissão de grandes shows online na pandemia.

Cinema

Pôster de 'O auto da boa mentira' — Foto: DivulgaçãoPôster de ‘O auto da boa mentira’ — Foto: Divulgação

“O auto da boa mentira” estreia nos cinemas nesta quinta-feira com humor e absurdo de Ariano Suassuna. Filme com Renato Góes, Leandro Hassum, Cássia Kis, Jesuíta Barbosa e Nanda Costa é dividido em quatro histórias baseadas nas entrevistas e frases do escritor.

Fonte: G1

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 29 DE ABRIL DE 2021 POR G1

COM PRISÃO REVOGADA PELO TRF-4 EDUARDO CUNHA DEIXARÁ DE USAR TORNOZELEIRA ELETRÔNICA

TRF-4 revoga a prisão de Eduardo Cunha

Com a decisão, ex-presidente da Câmara poderá deixar de usar tornozeleira eletrônica, mas seu passaporte seguirá retido

Thais Arbex

Por Thais Arbex, CNN  

Atualizado 28 de abril de 2021 às 18:11

TRF-4 revoga prisão preventiva do deputado cassado Eduardo Cunha - Folha PE

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) revogou nesta quarta-feira (28) a prisão do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Com a decisão, o ex-deputado, que cumpria prisão em regime domiciliar, poderá deixar de usar tornozeleira eletrônica, mas seu passaporte seguirá retido.

Apesar da decisão do TRF-4 desta quarta-feira, o ex-deputado seguirá em casa, devido a uma cautelar de recolhimento domiciliar contra ele oriunda da operação Sepsis, que apura desvios na Caixa Econômica Federal.

O habeas corpus do TRF-4 também determina a retirada da tornozeleira eletrônica. A partir de agora, os advogados de Cunha farão uma consulta ao TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), em Brasília, para saber quais são as condições da prisão preventiva determinada por esse tribunal no âmbito da Sepsis. Não há, inclusive, uma definição sobre o uso do aparelho de monitoramento.

A decisão de revogar a prisão preventiva do ex-deputado, que foi unânime no tribunal, atendeu a um pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Cunha.

Leia a íntegra da nota da defesa de Cunha:

“O TRF-4 finalmente fez justiça ao ex-presidente Eduardo Cunha: ele já tinha o direito de estar em liberdade, inclusive com prazo para progressão de regime. Mas mais do que isso: nunca houve justificativa para uma prisão preventiva, e isso se torna mais grave em razão dos prazos alongados, que nada mais eram do que uma condenação disfarçada de medida cautelar. 

O TRF-4, enfim, mostra que as operações da Lava Jato não podem ser baseadas em presunções como forma de fundamentar prisões preventivas e que as regras do processo devem valer para todos: investigados, investigadores e juízes. E isso tudo se torna ainda mais relevante em razão da prisão preventiva ter sido determinada por um juiz suspeito e parcial, que é Sergio Moro.

Há ainda uma cautelar de recolhimento domiciliar da Justiça Federal do DF, que, diante da retirada da tornozeleira, a defesa esclarecerá junto ao TRF-1 se permanece e como.”

Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, Rafael Guedes de Castro e Delio Lins e Silva, advogados de Eduardo Cunha

Prisão preventiva

O ex-presidente da Câmara foi preso preventivamente em outubro de 2016, por ordem do então juiz Sergio Moro, e seguia detido desde então.

Em março de 2017, Cunha foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão por Moro, em regime fechado, pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, em desdobramentos da Operação Lava Jato.

Conforme a sentença, o ex-deputado solicitou pagamento de 1,3 milhão de francos suíços em propina para exploração da Petrobras em um campo de petróleo no Benin, na África, e recebeu o valor em uma conta na Suíça, configurando o crime de lavagem de dinheiro.

Em seguida, a defesa de Cunha recorreu à segunda instância da Justiça Federal, que reduziu a pena para 14 anos e seis meses de prisão. Desde março de 2020, após decisão da juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal em Curitiba, o ex-deputado estava em prisão domiciliar, por causa da pandemia de Covid-19, e precisava usar tornozeleira eletrônica.

Na análise do pedido de habeas corpus, os magistrados do TRF-4 entenderam que o tempo de prisão preventiva havia extrapolado o limite do razoável.

Fonte: CNN

Continuar lendo COM PRISÃO REVOGADA PELO TRF-4 EDUARDO CUNHA DEIXARÁ DE USAR TORNOZELEIRA ELETRÔNICA

RELATÓRIO FINAL DO IMPEACHMENT DE WITZEL SERÁ ENTREGUE AO TRIBUNAL ESPECIAL MISTO NESTA QUINTA- FEIRA

Relatório do impeachment de Witzel será entregue nesta quinta-feira

Julgamento de seu afastamento definitivo ocorre na sexta

Solimar Luz, da Agência Brasil

29 de abril de 2021 às 02:46

Wilson Witzel (PSC-RJ), governador afastado do Rio de Janeiro (23.abr.2021)Wilson Witzel (PSC-RJ), governador afastado do Rio de Janeiro (23.abr.2021)Foto: Reprodução/CNN

O relatório final do processo de impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, será entregue quinta-feira (29) ao Tribunal Especial Misto, responsável por julgar o caso.

Já as alegações finais da Defesa deverão ser apresentadas nesta terça-feira, três dias antes do julgamento. A sessão está prevista dia 30, sexta-feira, com início às 9h.

Witzel foi afastado do Executivo fluminense após denúncias de envolvimento em esquema de desvios de recursos que deveriam ter ajudado no combate à pandemia de covid-19 no estado. As denúncias vieram à tona depois da prisão do ex-secretário de saúde Edmar Santos, que narrou todo o suposto esquema de corrupção em delação premiada. Wilson Witzel nega as acusações.

O Tribunal Especial Misto é composto por cinco desembargadores e cinco deputados estaduais, entre eles o relator, Waldeck Carneiro. Segundo o parlamentar, a expectativa é que seu relatório e voto contribuam para que o julgamento aconteça de forma justa.

Waldeck avalia que o processo contra Witzel é importante para a história do Tribunal de Justiça, do ponto de vista jurídico-político. E também de muita responsabilidade, principalmente num estado como o Rio de Janeiro.

De acordo com o rito do processo, depois da abertura da sessão nesta sexta-feira, que será feita pelo presidente do TJ e do Tribunal Especial Misto, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, a acusação terá a palavra por 30 minutos, mesmo tempo destinado à defesa.

Em seguida, o relator do processo fará a leitura do relatório e do seu voto, sendo seguido pelos demais membros da Corte Especial. Se houver sete votos a favor do  impeachment,  Witzel será definitivamente afastado do cargo.

Continuar lendo RELATÓRIO FINAL DO IMPEACHMENT DE WITZEL SERÁ ENTREGUE AO TRIBUNAL ESPECIAL MISTO NESTA QUINTA- FEIRA

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 28 DE ABRIL DE 2021 POR G1

Por G1

 

CPI da Covid foi instalada e vai começar a trabalhar. A Anvisa quer mais dados para decidir sobre liberação de testes da Butanvac. Um ministro que tomou vacina ‘escondido’. A falta de dinheiro pode parar obras de moradia popular e ainda provocar mais desemprego. A morte da voz da ArlequinaArthur deixa o BBB21 e um novo paredão foi formado na reta final do reality. Como gastar – ou investir – milhões em músicas.

CPI da Covid

Criada para apurar ações e omissões do governo federal e eventuais desvios de verbas enviadas aos estados para o enfrentamento da pandemia, a CPI da Covid foi instalada no Senado. Omar Aziz (PSD-AM) é o presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice; e Renan Calheiros (MDB-AL), relator. A comissão tem 90 dias para trabalhar e pode gerar punições. O plano de ação será votado amanhã.

Avanço da pandemia

O Brasil registrou 3.120 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e agora totaliza 395.324 óbitos. A média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias está em 2.399. Já tiveram ou têm o novo coronavírus 14.446.541 pessoas.

Butanvac

 — Foto: Getty Images/BBC Foto: Getty Images/BBC

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitou informações ao Instituto Butantan para avaliar se libera a realização do primeiro estudo clínico em humanos com a Butanvac. De acordo com a agência, tanto o pedido quanto o protocolo do estudo clínico estão incompletos. O Butantan afirmou que irá “viabilizar os esclarecimentos”.

Vacina ‘escondida’

Ministro Luiz Eduardo Ramos — Foto: Ueslei Marcelino / ReutersMinistro Luiz Eduardo Ramos — Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

O ministro Luiz Eduardo Ramos, da Casa Civil, afirmou que tomou “escondido” a vacina contra a Covid-19 e que tenta convencer o presidente Jair Bolsonaro a se vacinar também. A declaração foi divulgada pela rádio CBNClique aqui e OUÇA.

Redução de jornada e salários

O presidente Jair Bolsonaro assinou a medida provisória que recria o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda em razão da pandemia da Covid. A medida autoriza empresários a reduzir salários e carga horária e até a suspender contratos de trabalho. Uma outra MP faz mudanças em regras trabalhistas. Veja quais são elas.

Redução na renda

Pesquisa aponta que quase metade dos trabalhadores viram renda diminuir ou acabar na pandemia,. Para os próximos meses, levantamento mostra que 3% dos entrevistados esperam uma perda total da renda e 9% acreditam numa redução parcial.

Sem dinheiro para habitação popular

Entre as áreas atingidas pelo facão do governo Bolsonaro no Orçamento de 2021, poucas perderam tanto quanto o financiamento de moradia para as famílias de menor renda: 98% dos recursos foram cortados. O Assunto analisaOUÇA.

A voz de Arlequina

Relembre alguns personagens dublados por Iara Riça
Relembre alguns personagens dublados por Iara Riça

Morreu a atriz e dubladora Iara Riça, de 56 anos, e dona das vozes de personagens como Arlequina, Jean Grey de X-Men Evolution e Florzinha, de “As Meninas Superpoderosas”. Ela estava internada desde março, por causa de um aneurisma cerebral. Veja no vídeo acima alguns personagem dublados por Iara.

BBB21

Arthur no 'BBB21' — Foto: Reprodução / TV GloboArthur no ‘BBB21’ — Foto: Reprodução / TV Globo

Arthur foi eliminado do “Big Brother Brasil 21”, com 61,34% dos votos. Ele disputou a permanência no jogo com Camilla de Lucas (30,77%) e Pocah (7,89%). Na reta final do reality show, Juliette ganhou a última prova da liderança, e foi formado um novo paredão com Camilla, Gilberto e Pocah.

Mega-Sena

O concurso 2.366 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 28 milhões. O sorteio ocorre às 20h, em São Paulo.

Reflorestamento em Brumadinho

Pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) estão usando técnica nova para acelerar a recuperação da vegetação afetada pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG). As mudas são cópias com mesmo DNA das árvores destruídas no desastre em 2019. Entenda.

Música à venda

Por algumas centenas de milhões de dólares, um investidor pode sair com o catálogo inteiro de Bob Dylan, Neil Young, Shakira, Paul Simon e outros grandes compositores. O negócio não é novo, mas desde o ano passado ficou mais comum. Em resumo, a música pop está em período de vendas. Mas como isso funciona? Clique aqui e entenda.

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 28 DE ABRIL DE 2021 POR G1

MEDIDAS PROVISÓRIAS EDITADA PELO PRESIDENTE FLEXIBILIZA LEI TRABALHISTA, REDUZ JORNADA E SALÁRIO

Governo edita MPs para reduzir jornada e salário e flexibilizar lei trabalhista

Os textos das medidas devem ser publicados no Diário Oficial da União nesta quarta-feira (28)

Thais Herédia e Ligia Tuon, do CNN Brasil Business, em São Paulo

 Atualizado 27 de abril de 2021 às 22:20

Governo edita MPs para reduzir jornada e salário e flexibilizar lei trabalhista

O presidente Jair Bolsonaro editou, nesta terça-feira (27), duas Medidas Provisórias que fazem parte do combate aos impactos econômicos da pandemia de Covid-19, conforme antecipou no domingo Igor Gadelha, comentarista da CNN. Os textos das medidas devem ser publicados no Diário Oficial da União na quarta-feira (28).

Elas são uma reedição das MPs 936 e 927, do ano passado, que criaram o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), programa que permite suspensão de contratos e a redução de jornada e salários dos trabalhadores formais, além da permissão para alterar diversas leis trabalhistas.

A segunda prevê diversas medidas temporárias, como o teletrabalho, a antecipação das férias, a concessão das férias coletivas, o aproveitamento e antecipação de feriados, o banco de horas, a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho e adiar o recolhimento do Fundo de Garantia (FGTS), entre outras.

Pela norma, as empresas poderão adiar o recolhimento do FGTS dos funcionários por um período de quatro meses. Os empregadores terão até o fim do ano para fazer o pagamento desses débitos, uma flexibilização que também havia sido adotada em 2020 e não traz prejuízo ao trabalhador, que apenas levará mais tempo para ver o depósito cair em sua conta do fundo de garantia.

BEm: mesmas regras de 2020

O BEm valerá por 120 dias, com a possibilidade de ser prorrogado caso haja disponibilidade de recursos. As regras devem ser as mesmas adotadas em 2020, com acordos para redução proporcional de jornada e salário em 25%, 50% ou 70%, ou suspensão total do contrato.

A adesão continua sendo por acordo e abrange todos os empregadores, com exceção de órgãos públicos, empresas estatais e organismos internacionais. Serão beneficiados também empregados domésticos, empregados com jornada parcial e aprendizes.

Desta vez, porém, o custo do programa será bem menor, de R$ 10 bilhões, podendo atender até 4,5 milhões de trabalhadores. No ano passado, a medida custou mais de R$ 33 bilhões e garantiu a manutenção de mais de 10 milhões de empregos formais.

MP libera recursos

Para garantir recursos aos programas, o presidente também editou uma terceira Medida Provisória, que abre crédito extraordinário no valor de R$ 9,98 bilhões. Desse total, R$ 9,8 bilhões devem ir para o pagamento do BEm, que compensa parte da perda salarial do trabalhador que integra o acordo. O benefício médio é estimado em R$ 2.050,82.

As MPs estavam na Casa Civil desde a semana passada, logo depois de o Orçamento de 2021 ter sido sancionado. Mas, até hoje, Bolsonaro não tinha validado as duas medidas.

Medidas esperadas por empresas

A renovação do BEM era uma das medidas mais esperadas, especialmente por empresários do setor de serviços, bares e restaurantes. Com a piora da pandemia neste início do ano e a volta das medidas de restrição e fechamento do comércio, muitos estabelecimentos ficaram sem caixa para manter o negócio e o salários de seus funcionários.

Pesquisa feita pela Abrasel, entidade que representa o setor de bares e restaurantes, apontou que 91% dos estabelecimentos não puderam pagar a folha de salários em abril. Este número era de 14% no início do ano.

Fonte: CNN

Continuar lendo MEDIDAS PROVISÓRIAS EDITADA PELO PRESIDENTE FLEXIBILIZA LEI TRABALHISTA, REDUZ JORNADA E SALÁRIO

EM DEPOIMENTO À PF, EX-MINISTRO DA SAÚDE EDUARDO PAZUELLO CULPA SERVIDORES E GOVERNADOR DO AMAZONAS PELA CRISE DE OXIGÊNIO NO ESTADO

Depoimento de Pazuello à PF culpa servidores e governo do Amazonas por erros

Depoimento foi prestado dentro do inquérito que investiga a responsabilidade de sua gestão na crise do oxigênio de Manaus no início do ano e foi obtido pela CNN

Caio Junqueira

Por Caio Junqueira, CNN  

 Atualizado 27 de abril de 2021 às 20:27

Depoimento de Pazuello à PF culpa servidores e governo do Amazonas por erros

Principal alvo da CPI da Covid, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello traçou em um depoimento à Polícia Federal no dia 4 de fevereiro parte de sua estratégia de defesa que levará à comissão.

O depoimento foi prestado dentro do inquérito que investiga a responsabilidade de sua gestão na crise do oxigênio de Manaus no início do ano e foi obtido pela CNN. Em oito páginas, destacam-se basicamente dois pontos:

  • a atribuição de responsabilidade pelo caos no Amazonas ao governo do estado;
  • a atribuição de responsabilidade a servidores da pasta pelo que o ex-ministro classificou como dois erros que geraram grande polêmica.

Um dos erros seria o TrateCov, aplicativo desenvolvido pelo ministério para ajudar médicos a identificar diagnósticos de Covid-19 que saiu do ar dias depois por sugerir a indicação de remédios sem comprovação científica.

O aplicativo é alvo também da CPI e já entrou na primeira lista de assuntos de requerimentos apresentada pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL).

No depoimento, Pazuello disse “que o aplicativo foi disponibilizado cerca de dois dias depois, tendo sido imediatamente tirado do ar ao ser identificado uma falha; que a falha consistia em indicação no uso da hidroxicloroquina, diante de sintomas que não tinham relação com a Covid; que o objetivo do aplicativo não era a recomendação do medicamento, mas auxiliar o médico no diagnóstico; que, quando o médico optasse pelo medicamento, o aplicativo sugeriria a posologia ideal; que o desenvolvedor do aplicativo, servidor do Ministério da Saúde, responsável pela falha, seja pessoal ou por invasão, foi ouvido e imediatamente afastado; que o declarante não sabe dizer o nome do servidor; que o aplicativo foi projetado para uso exclusivo de médicos, sem acesso da população em geral; que entre as razões para a retirada do ar do aplicativo estava o acesso aberto a qualquer pessoa da população”.

Pazuello também disse que o ministério não recomenda a hidroxicloroquina e que segue as recomendações do Conselho Federal da Saúde. Disse também que só enviou o medicamento para estados e municípios que pediram.

“Que o Ministério da Saúde não tem protocolo para uso de qualquer medicamento, estando aí incluída a hidroxicloroquina; que o Ministério da Saúde publica estudos científicos com caráter informativo para profissionais da saúde a respeito da eficácia de diversos medicamentos. Inclusive da hidroxicloroquina para tratamento de doenças, inclusive do Covid; que as orientações do Ministério da Saúde são baseadas nas orientações do Conselho Federal de Medicina; que o Ministério da Saúde apenas disponibiliza os medicamentos tais como hidroxicloroquina e outros, em razão de demandas dos estados e municípios, ficando a cargo de médicos locais receitarem para os pacientes; que, para que haja o envio de qualquer medicamento por parte do Ministério da Saúde, é necessário que haja uma pactuação prévia com Conass e Conasems, que não existe o envio de medicamentos por parte do Ministério da Saúde sem a demanda prévia do estado”.

Pazuello também atribui a outro erro de um servidor do Ministério da Saúde o fato de ter subsidiado a Advocacia-Geral da União (AGU) com uma informação que, da forma como acabou sendo apresentada ao STF (Supremo Tribunal Federal), compromete o ex-ministro.

A AGU, tendo por base informação do ministério, informou ao STF que o então ministro soube do colapso do oxigênio no dia 8 de janeiro depois que a White Martins, principal fornecedora de oxigênio para o Amazonas, encaminhou um e-mail à pasta. Pazuello disse à PF que esse documento nunca foi entregue diretamente ao ministério, mas sim à Secretaria de Saúde do Amazonas.

“Que questionado acerca do recebimento de documento da White Martins notificando a respeito de possível insuficiência no fornecimento de oxigênio para a demanda existente no estado do Amazonas, explicou que: o documento mencionado nunca foi entregue oficialmente ao Ministério da Saúde, bem como a empresa nunca realizou contatos informais com representantes do ministério; que, questionado sobre a existência de relatório do Ministério da Saúde que cita o referido documento, explicou que houve equívoco por parte de um servidor do Ministério da Saúde ao subsidiar a AGU com informações que foram apresentadas na ADPF 756; que o equívoco se deu em virtude do prazo exíguo de 48 horas para a apresentação da resposta junto ao STF; que o documento chegou ao conhecimento do Ministério da Saúde via secretário da Saúde do estado do Amazonas quando da busca de elementos para apresentação de resposta ao Supremo Tribunal Federal por intermédio da AGU na ADPF 756”.

A menção ao estado do Amazonas também é feita quando a PF questiona quando de fato Pazuello soube da crise de oxigênio no estado. Em uma primeira reunião com o governador no dia 4 nada foi informado, segundo o então ministro da Saúde.

“Que no dia 4 o declarante convocou uma reunião com o governador do Estado e sua equipe, oportunidade na qual foi discutida a apresentação das demandas e necessidades do Estado e conhecimento da organização hospitalar do Estado;(…) que não foi identificada nem apresentada nenhuma demanda pela falta de oxigênio”.

Em outra reunião, no dia 6, o mesmo teria ocorrido e a situação ficou assim até o dia 7 à noite.

“Que no dia 06, aproveitando a estada do governador em Brasília, o declarante convocou uma reunião com todos os secretários e com a equipe que retornou de Manaus para a apresentação da situação verificada em Manaus; que nessa reunião não houve qualquer menção sobre a falta de oxigênio na cidade de Manaus, por parte do governador do Estado; que no dia 7 foram desenvolvidas várias ações por parte do ministério para atender às demandas que foram verificadas; que até o dia 7 à noite o Ministério da Saúde não havia recebido qualquer tipo de informação, seja por e-mail, telefone, WhatsApp, oficio, ou qualquer conversa informal acerca da possível falta de oxigênio em Manaus-AM”.

Pazuello diz que o assunto oxigênio só foi tratado pela primeira vez com ele no dia 8 pela manhã, mas ainda sem referência a um eventual colapso.

“Que no dia 8 pela manhã o declarante recebeu uma ligação do secretário de Saúde do Estado do Amazonas, o qual solicitou tão somente o transporte de 150 cilindros de oxigênio de Belém – PA para Manaus – AM, sem qualquer referência ao colapso no fornecimento de oxigênio.”

O colapso só foi informado, segundo o ex-ministro, no dia 10 de janeiro. “Que no dia 10, domingo, às 21 horas, o declarante realizou uma reunião com o governador do Estado do Amazonas, oportunidade na qual foi relatado um problema de abastecimento de oxigênio no Estado do Amazonas.”

Outro lado

Confira o posicionamento da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas:

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) esclarece que todas as informações sobre a atuação do Governo do Estado e do Governo Federal na crise de oxigênio já foram prestadas à Polícia Federal pelo secretário de Saúde, Marcellus Campêlo.

Ressalte-se que a primeira vez que a empresa White Martins levou ao conhecimento da secretaria que estava com dificuldade no abastecimento de oxigênio foi em 7 de janeiro de 2021. Ainda assim, a reunião foi para informar sobre aumento no consumo e para pedir apoio logístico do governo para suprir a necessidade  naquele momento.

Na noite do mesmo dia, o secretário de Saúde ligou para o ministro Eduardo Pazzuelo, que o orientou a acionar o Comando Conjunto das Forças Armadas no Estado a fim de solicitar apoio no transporte de oxigênio até Manaus, o que foi providenciado no dia seguinte.

As  informações com detalhe cronológico dos fatos constam no depoimento do secretário ao qual essa emissora também já teve acesso.

Continuar lendo EM DEPOIMENTO À PF, EX-MINISTRO DA SAÚDE EDUARDO PAZUELLO CULPA SERVIDORES E GOVERNADOR DO AMAZONAS PELA CRISE DE OXIGÊNIO NO ESTADO

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 27 DE ABRIL DE 2021 POR G1

Por G1

 

A Anvisa negou o pedido de autorização para a importação da vacina Sputnik, produzida na Rússia. A CPI da Covid começa hoje, com a instalação da comissão, eleição de presidente e vice e a indicação do relator. Mais de 392 pessoas já morreram no Brasil por causa do novo coronavírus. A Superlua Rosa pode ser vista no país. E prefeito de São Paulo, Bruno Covas, pode ter alta.

Sputnik V é barrada

Após cinco horas de debates e apresentação de relatórios, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou o pedido de autorização excepcional para a importação da Sputnik V, vacina contra a Covid-19 produzida na Rússia. Análise aponta falta de dados e risco de doenças por falha em fabricação.

CPI da Covid

A 2ª Vara da Justiça Federal de Brasília concedeu liminar que suspende a eventual indicação do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para relator da CPI da Covid. O pedido foi formulado pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP), uma das principais defensoras do presidente Jair Bolsonaro.

Mas o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que isso é “antirregimental”. “Decisão judicial não pode me obrigar a tomar uma decisão ilegal”, afirmou Pacheco.

Com isso, o Senado instala nesta manhã a CPI da Covid, com a eleição de presidente, vice e a indicação de um relator.

Mais de 392 mil mortes pela Covid

O Brasil registrou 1.279 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totaliza 392.204 óbitos. A média móvel de mortes nos últimos 7 dias está em 2.451.

O Assunto

Episódio analisa a disseminação desenfreada da Covid na Índia: número diário de novos casos sem precedente, variante, colapso na Saúde e desconfiança generalizada de que a contagem de óbitos esteja seriamente subestimada. Ouça:

Fiscalização ambiental

O delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva afirmou que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fez uma ‘inversão’ e ‘tornou legítima a ação dos criminosos’ nas ações de fiscalização na Amazônia. Ele disse ainda que o ministro e aliados tentaram dificultar a ação de órgãos ambientais no estado.

‘Superlua rosa’

Superlua vista em São Joaquim nesta segunda (26) — Foto: Mycchel Legnaghi/ São Joaquim OnlineSuperlua vista em São Joaquim nesta segunda (26) — Foto: Mycchel Legnaghi/ São Joaquim Online

Os brasileiros poderão ver o fenômeno da ‘superlua rosa’ nesta madrugada, a primeira das duas previstas para este ano – a outra, que se aproximará um pouco mais da Terra, acontece daqui um mês.

Bruno Covas

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), participa virtualmente de evento de entrega de um novo hospital na capital, no dia 15 de abril de 2021. — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOPrefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), participa virtualmente de evento de entrega de um novo hospital na capital, no dia 15 de abril de 2021. — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Internado para tratar câncer, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, pode ter alta hoje. Médico diz que drenagem de líquido nos pulmões deu certo.

Previsão do tempo

Veja como fica o tempo neste começo de semana

Veja como fica o tempo neste começo de semana

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 27 DE ABRIL DE 2021 POR G1

JUSTIÇA FEDERAL DE BRASÍLIA DETERMINOU QUE RENAN CALHEIROS NÃO PODERÁ SER O RELATOR DA CPI DA PANDEMIA

Liminar derruba Renan Calheiros da relatoria da CPI da Pandemia

Justiça acolheu pedido de liminar feito pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)

Caio Junqueira

Por Caio Junqueira, CNN   n

 Atualizado 26 de abril de 2021 às 20:01

RedeGN - Liminar derruba Renan Calheiros da relatoria da CPI da Pandemia

A Justiça Federal de Brasília determinou nesta segunda-feira (26) que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) não poderá ser relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, que está marcada para ser instalada nesta terça-feira (27) no Senado Federal. A Justiça acolheu uma ação popular ajuizada pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP).

Na decisão, assinada pelo juiz Charles Renaud Frazão de Moraes, o magistrado acolheu os argumentos apresentados por Zambelli de que Renan não poderia ser o relator pelo fato de ser pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

A CPI da Pandemia pretende investigar ações e omissões do governo federal no combate à Covid-19 e também o uso de verbas da União por governadores e prefeitos, ou seja, o governador de Alagoas, Renan Filho, pode se tornar alvo do inquérito.

Na sexta-feira (23), o senador Renan Calheiros se declarou parcial para relatar temas sobre o estado de Alagoas na CPI.

Renan vinha sendo apontado como favorito à relatoria da investigação por fazer parte de uma articulação de senadores independentes e de oposição que formam maioria entre os 11 parlamentares titulares da CPI. O mesmo grupo também pretende tornar Omar Aziz (PSD-AM) o presidente da comissão, enquanto Randolfe Rodrigues (Rede-AP) deve ficar na vice-presidência.

Desde que o nome de Renan surgiu como favorito para relatar a CPI, o governo se moveu politicamente para tentar impedir que isso acontecesse. Em entrevista exclusiva à CNN nesta segunda-feira (26), o deputado federal e ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG) defendeu que Renan não tem “nenhuma condição” de ocupar a relatoria.

Além de Renan, o senador Jader Barbalho (MDB-PA) também é pai de um governador, Helder Barbalho (MDB-PA). Jader Barbalho deverá integrar a comissão como suplente.

‘Medida esdrúxula’

O senador Renan Calheiros foi às redes sociais para criticar a decisão.

“1) A decisão é uma interferência indevida que subtrai a liberdade de atuação do Senado. Medida orquestrada pelo governo Jair Bolsonaro e antecipada por seu filho. A CPI é investigação constitucional do Poder Legislativo e não uma atividade jurisdicional.

2) Nada tem a ver com Justiça de primeira instância.
Não há precedente na história do Brasil de medida tão exdrúxula como essa. Estamos entrando com recurso e pergunto: por que tanto medo?”

Continuar lendo JUSTIÇA FEDERAL DE BRASÍLIA DETERMINOU QUE RENAN CALHEIROS NÃO PODERÁ SER O RELATOR DA CPI DA PANDEMIA

STF DECIDIRÁ AÇÃO DE JORNALISTA CONTRA O MINISTRO GILMAR MENDES

Ação de jornalista contra Gilmar Mendes será decidida pelo Supremo

Jornalista Rubens Valente foi condenado a pagar indenização a Gilmar Mendes por trechos de livro em que o ministro é citado

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília

26 de abril de 2021 às 22:12

Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal)Gilmar Mendes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal)
Foto: Divulgação/STF

Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu nesta segunda-feira (26) um recurso em que o jornalista Rubens Valente questiona indenização após ser processado pelo ministro Gilmar Mendes em razão do lançamento do livro Operação Banqueiro, com 462 páginas. Na corte, o processo, enviado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) após pedido da defesa do jornalista, ainda não tem relator.

A obra, publicada em 2014, narra a prisão e os bastidores da soltura do banqueiro Daniel Dantas na Operação Satiagraha, da Polícia Federal, em 2008, e inclui um capítulo que descreve a atuação de Mendes no caso, ocasião em que concedeu dois habeas corpus a Daniel Dantas em menos de 72 horas.

Como o ministro Gilmar Mendes é parte do processo, o sistema de sorteio de relatores da corte vai excluí-lo da relatoria. Assim, a ação pode ficar com outros ministros. O processo não pode ser distribuído ao presidente do STF para não o sobrecarregar, nem ao vice-presidente quando este estiver ocupando o cargo.

Em fevereiro de 2019, a 3ª Turma do STJ fixou o valor da indenização em R$ 60 mil que devem ser divididos igualmente entre Rubens e a editora.

Ao mover a ação, a acusação argumentou que em diversos trechos do livro houve descontextualização de fatos com intenção de atingir a honra do ministro. Em primeira Instância, o pedido de Gilmar Mendes havia sido negado pelo juiz Valter André de Lima Bueno, da 15ª Vara Cível de Brasília. Na sentença, o juiz disse que “não foi demonstrada a divulgação de informação falsa ou o intuito difamatório nos trechos relacionados na inicial, não sendo o caso, portanto, de acolher a pretensão do autor [Gilmar Mendes]“.

O ministro do STF apresentou recurso ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios e a decisão foi revisada para condenar os réus em indenização no valor de R$ 30 mil cada. No acórdão, o desembargador relator, Hector Valverde, argumentou que Rubens “ultrapassou a informação de cunho objetivo, havendo adjetivação e utilização de frases ofensivas à honra do apelante, mormente em virtude da tentativa de desclassificação de sua atuação no exercício da magistratura”.

Gilmar era o presidente do STF quando concedeu um habeas corpus a Daniel Dantas, principal alvo da Satiagraha, anulada pelo STJ em 2011. Nas ações, o ministro alega, em sua defesa, que o autor do livro o acusou de parcialidade em sua atuação como juiz.

Lados

O jornalista Rubens Valente disse à CNN que o juiz responsável pelo caso analisou detalhadamente o livro e concluiu que não há nenhuma ofensa pessoal contra o ministro e nenhum erro material na obra.

“Não foi feita nenhuma perícia no livro, nem judicial nem independente. Nunca fomos ouvidos em depoimento pelos magistrados do Tribunal de Justiça e do Superior Tribunal de Justiça. A decisão dessas cortes diz que eu atingi a honra do ministro, mas eu simplesmente narrei fatos verificáveis, muitos dos quais são públicos, que foram fartamente noticiados por toda a imprensa na época. Considero essas decisões um ataque à liberdade de expressão e de imprensa, que criam um precedente perigoso para todos os jornalistas e veículos de comunicação do país, e por este motivo recorremos à suprema corte do país. Queremos que a suprema corte se manifeste sobre fundamentos do estado democrático de direito e da Constituição”, afirmou o jornalista.

Já Luiz Fernando Emediato, editor da Geração Editorial, responsável pela publicação do livro, afirmou que considera esse processo um absurdo kafkiano. “Fomos condenados sem provas por algo que não está no livro. Tenho grande respeito pelo ministro Gilmar Mendes e não consigo entender como ele insiste neste enorme erro, nos obrigando a algo inédito: dizer ao STF que um ministro do mesmo STF é injusto conosco”, concluiu.

O ministro Gilmar Mendes não retornou o contato da reportagem.

Continuar lendo STF DECIDIRÁ AÇÃO DE JORNALISTA CONTRA O MINISTRO GILMAR MENDES

PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 26 DE ABRIL DE 2021 POR G1

Por G1

 

Oscar consagra “Nomadland”. Mãe de Henry Borel muda versão sobre a morte do filho. Em quatro meses de 2021, Brasil tem mais mortes por Covid-19 do que no ano de 2020 inteiro. Restituição do IR. Quem recebe o auxílio emergencial nesta segunda-feira. Documentário do Globoplay mostra como ficou a vida de Karol Conká após a saída do BBB21. Nova edição de No Limite anuncia seus participantes.

Oscar 2021

Chloé Zhao, diretora de "Nomadland", posa com os dois Oscars que venceu neste domingo (25) — Foto: Chris Pizzello/Pool via REUTERSChloé Zhao, diretora de “Nomadland”, posa com os dois Oscars que venceu neste domingo (25) — Foto: Chris Pizzello/Pool via REUTERS

Adiada pela pandemia, a cerimônia do Oscar aconteceu neste domingo (25) e, confirmando muitas expectativas, consagrou “Nomadland”. O drama venceu como melhor filme, melhor direção (Chloé Zhao) e melhor atriz (Frances McDormand). Zhao se tornou a segunda diretora a vencer na categoria; antes dela, só Kathryn Bigelow havia ganhado, em 2010.

Caso Henry Borel

Monique Medeiros, mãe do garoto Henry Borel, escreveu uma carta de 29 páginas na cadeia, na qual ela muda a versão sobre a morte do filho e afirma que vivia um relacionamento abusivo com Jairinho. Ela afirma que o vereador era um homem dominador e violento, e que se sentia ameaçada por ele.

Fantástico teve acesso com exclusividade ao relato (assista à reportagem abaixo). Você também pode ler os principais trechos da carta de Monique clicando aqui.

Exclusivo: mãe de Henry muda versão sobre morte do filho e diz que Jairinho é violento
Exclusivo: mãe de Henry muda versão sobre morte do filho e diz que Jairinho é violento

Covid fora de controle

A Covid-19 já matou mais brasileiros em quatro meses de 2021 do que em todo o ano de 2020, segundo dados do consórcio de imprensa. Em 113 dias, 195.949 mortes foram registradas, contra 194.976 no ano passado.

O Brasil soma 390.925 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, com 1.316 registradas nas últimas 24 horas; a média móvel de óbitos é de 2.498 por dia. O número de casos confirmados até aqui é de 14.339.412.

Vacinação no Brasil

29.031.874 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 no Brasil até agora. Números do consórcio de imprensa mostram que, deste total (13,71% da população), 12.579.100 já tomaram as duas doses.

O episódio desta segunda-feira (26) do podcast O Assunto diz como o Vietnã, um país sem grandes recursos e com vacinação ainda incipiente, conseguiu controlar o novo coronavírus e é exemplo para o mundo. Ouça abaixo:

IR 2021

Para os contribuintes que entregaram a declaração do Imposto de Renda, a dúvida agora é uma só: quando e quanto eu vou receber de restituição? O primeiro lote está programado para o dia 30 de maio. Saiba o calendário e como fazer o cálculo do quanto você tem a receber.

Já que é para tombar…

Eliminada do BBB21 com recorde de rejeição, Karol Conká foi seguida de perto depois de deixar o reality show. O resultado disso é “A vida depois do tombo“, novo documentário do Globoplay (estreia no dia 29 de abril) que mostra como a cantora lidou com o “cancelamento” fora da casa.

Assista abaixo o que esperar do documentário:

'A vida depois do tombo' mostra virtudes e defeitos de Karol Conká que o Brasil não viu
‘A vida depois do tombo’ mostra virtudes e defeitos de Karol Conká que o Brasil não viu

Já dentro da casa do BBB21, o ritmo é de reta final. Neste domingo (25), a youtuber Viih Tube foi eliminada, com 96,69% dos votos, em um Paredão contra Fiuk (2,6%) e Gilberto (0,71%). Após a saída da influenciadora, Gilberto venceu a prova do líder e um novo Paredão foi formado, com Camilla de Lucas, Arthur e Pocah (vote aqui em quem sai).

No Limite

Enquanto o Big Brother Brasil 21 caminha para a final, um novo reality show vem aí. Previsto para estrear no dia 11 de maio, No Limite anunciou neste domingo os 16 participantes desta edição; todos são ex-BBBs. Confira oito deles abaixo e o restante aqui.

Participantes de "No Limite" — Foto: DivulgaçãoParticipantes de “No Limite” — Foto: Divulgação

Continuar lendo PRIMEIRAS NOTÍCIAS DO DIA 26 DE ABRIL DE 2021 POR G1

MINISTROS DA SAÚDE E DA CASA CIVIL SE REUNÍRAM PARA DISCUTIR MEDIDAS CONTRA TRANSPORTES LOTADOS NA PANDEMIA

Ministros se reúnem e prometem medidas contra transporte lotado na pandemia

Marcelo Queiroga, da Saúde, e Luiz Ramos, da Casa Civil, se encontraram neste domingo para discutir o enfrentamento da pandemia

Rudá Moreira e Juliana Elias, da CNN, em Brasília e São Paulo

25 de abril de 2021 às 18:44

ReuniãoOs ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil) em reunião neste domingo (25)Foto: Reprodução/Twitter (25/04/2021)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o ministro da Casa Civil, o general Luiz Eduardo Ramos, participaram de reunião realizada neste domingo (25) no Ministério da Saúde, em Brasília, para discutir temas relacionados ao enfrentamento da pandemia no país.

Na saída do encontro, Ramos afirmou ao repórter da CNN Pedro Teixeira que a reunião serviu para fazer ajustes na condução das ações relacionadas à pandemia e, principalmente, em questões ligadas à mobilidade urbana. O ministro disse ser um absurdo a aplicação de medidas de ‘lockdown’ sem que haja uma solução para a lotação nos transportes públicos.

“Passamos a tarde de domingo no @minsaude [Ministério da Saúde] traçando estratégias de testagem da população, de mobilidade urbana, transporte público e em discussões prévias sobre o Plano da Saúde Suplementar no Enfrentamento da Pandemia”, escreveu Ramos em seu Twitter, após o encontro.

Ramos foi um dos ministros realocados pelo presidente Jair Bolsonaro em uma reforma ministerial que trocou os chefes de sete pastas no início de abril, após baixas e conflitos na equipe ministerial de Bolsonaro.

Luiz Eduardo Ramos, que estava à frente da Secretaria de Governo, passou, então, a assumir a Casa Civil, no lugar do também general Walter Souza Braga Netto, agora no Ministério da Defesa.

Queiroga, quarto ministro à frente da Saúde nos dois anos de mandato de Bolsonaro, assumiu a pasta em março no lugar de Eduardo Pazuelo, que deixou o cargo sob questionamentos a respeito da conduta do governo em meio à escalada da pandemia no país.

Continuar lendo MINISTROS DA SAÚDE E DA CASA CIVIL SE REUNÍRAM PARA DISCUTIR MEDIDAS CONTRA TRANSPORTES LOTADOS NA PANDEMIA

O FUTURO JURÍDICO DE LULA SERÁ JULGADO EM VARA CRIMINAL ONDE JÁ FOI ABSOLVIDO DUAS VEZES

Lula será julgado em foro no qual já foi duas vezes absolvido

Varas criminais que vão receber processos da Lava Jato são especializadas em crimes financeiros, como corrupção e lavagem de dinheiro

Ricardo Brandt, colaboração para a CNN Brasil

25 de abril de 2021 às 06:00

Ex-presidente Lula durante discursoEx-presidente Lula durante discurso Foto: Marcelo D. Sants/Framephoto/Estadão Conteúdo

O futuro jurídico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será decidido no quarto andar do prédio da Justiça Federal, em Brasília. Ali funcionam as duas varas criminais do Distrito Federal, responsáveis pelos novos julgamentos das ações penais contra o ex-presidente abertas em Curitiba – o berço da Operação Lava Jato. Foi também onde o petista obteve duas absolvições, a primeira delas em julho de 2018 – quando estava preso e condenado a 9 anos e 6 meses -, em processo em que foi acusado por tentativa de obstrução à Justiça, uma suposta tentativa de compra do silêncio do delator Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras.

Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) da última quinta-feira (22) estabeleceu que a Justiça Federal do Distrito Federal tem a competência legal para julgar Lula, pelos supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro denunciados pela força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF), em Curitiba.

A maioria dos ministros seguiu voto do relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin, que em março acatou pedido da defesa e declarou a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba e do ex-juiz Sérgio Moro para julgar o ex-presidente, nos processos vinculados ao esquema de desvios na Petrobras. Ao anular duas condenações de Lula, Fachin evitou a nulidade total dos processos, buscada pela defesa em outro recurso sobre a parcialidade de Moro, e assim costurou uma saída de sobrevida para as acusações, com o envio dos casos para Brasília para reinício de instrução e novos julgamentos.

Seguiram o voto do relator os ministros Luís Roberto Barroso, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Os ministros Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski votaram pelo envio das ações para São Paulo, por envolverem crimes de lavagem de dinheiro no Estado, mesmo entendimento defendido pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

A vez do sorteio

São quatro processos criminais: do triplex do Guarujá (que ocultaria propinas da OAS), do sítio de Atibaia (envolvendo OAS e Odebrecht), da compra do terreno para a sede do Instituto Lula e das doações à entidade (pela Odebrecht). Nos dois primeiros, Lula foi condenado e as sentenças foram confirmadas em segunda instância no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
Os processos devem ser distribuídos entre os quatro juízes da 10ª e da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, especializadas em julgamentos de casos de crimes financeiros, como de corrupção e de lavagem de dinheiro, envolvendo organizações criminosas.

Na 10ª Vara Federal – que atua na área há mais tempo e por onde já passaram casos emblemáticos, como as instruções do processo do mensalão -, o titular é o juiz Vallisney de Souza Oliveira, e o substituto, Ricardo Augusto Soares Leite. A 12ª Vara Federal tem como titular o juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, e como substituta, a juíza Pollyanna Kelly Maciel Medeiros Martins Alves.

Mensalão e Lava Jato

Não é a primeira vez que Lula é réu na Justiça Federal do DF. Ele foi absolvido em duas ações da Lava Jato, em 2018 e 2019. Além de ser inocentado em 2018, na 10ª Vara, no caso da tentativa de obstrução delatada por Cerveró e pelo ex-senador Delcídio Amaral (então líder do governo Dilma Rousseff), o ex-presidente foi absolvido em 2019 pelo juiz titular da 12ª Vara no processo que imputou formação de organização criminosa e que ficou conhecido como o caso do “Quadrilhão do PT”.

O ex-presidente também é réu em dois processos penais abertos na 10ª Vara pelo juiz Vallisney de Oliveira. Um deles, aberto em 2016, por suposto esquema de corrupção na compra dos 36 caças Gripen, da empresa sueca SAAB, em 2015. Ele é acusado de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Em outra ação aberta em 2017, o petista é acusado de receber propinas pela edição de uma medida provisória em 2009 que estendeu benefícios tributários para montadoras.

Além de Lula, foram réus nas varas especializadas em crimes do colarinho branco do DF o ex-presidente Michel Temer, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB/RJ), os ex-ministros Guido Mantega (PT), Geddel Vieira Lima (MDB), Moreira Franco (MDB), o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os delatores da J&F, os irmãos Joesley e Wesley Batista e o lobista Lúcio Funaro, entre outros, já foram processados ali. É onde também serão julgados os hackers que invadiram e vazaram mensagens dos investigadores da Lava Jato e de Moro.

Sobrecarga

Assim como a 13ª Vara Federal, em Curitiba, as duas varas da Justiça Federal no DF que receberão os processos da Lava Jato contra Lula são especializadas na atuação em processos de lavagem de dinheiro e organizações criminosas. A diferença está na estrutura e nas ferramentas disponíveis para agilizar os processos.

A criação das varas especializadas em lavagem de dinheiro e crimes financeiros em geral, em 2003, buscou otimizar a atuação do Judiciário nos casos de crimes desse tipo em uma época de explosão de casos, lembra Gilson Dipp, ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ex-corregedor nacional da Justiça e um dos idealizadores da resolução editada pelo Conselho da Justiça Federal (CJF).

“Com essas varas vieram o caso Banestado, depois o mensalão e agora a Lava Jato. A maior conquista recente do Judiciário brasileiro foi a criação das varas de lavagem de dinheiro, que inspirou vários países”, afirmou Dipp em entrevista para a CNN. Um dos problemas, segundo ele, foi a falta de estrutura adequada para as varas e uma melhor definição de que tipo de casos deveriam ser concentrados nesses juízos especiais, para se evitar sobrecarga e riscos de impunidade.

Em julho de 2005, por exemplo, os mandados de buscas realizadas pela PF em endereços ligados a Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Ney Suassuna (MDB-RJ) – a origem do mensalão, primeiro grande escândalo do governo Lula – saíram da 10ª Vara do DF. Foi também o local em que os réus do processo do mensalão (Ação Penal 470) foram ouvidos em 2007.

A 10ª Vara Federal Criminal foi a única especializada em crimes de lavagem de dinheiro da capital federal até 2018, quando a 12ª foi transformada para absorver a crescente demanda de processos, oriundos das descobertas da Lava Jato, ela tinha cerca de 2,3 mil ações penais em trâmite na época.

“Houve uma concentração de processos e muita visibilidade para os juízes. E eles não receberam um apoio funcional e material dos respectivos tribunais regionais federais”, afirmou Dipp. Por serem especializadas, essas varas não deveriam estar sujeitas à sobrecarga processual.

Entre 2016 e 2017, tanto o juiz Vallysney de Oliveira como o juiz Ricardo Leite foram alvos de ataques por suposta morosidade nos processos e decisões relativas à Operação Zelotes. O caso acabou arquivado na Corregedoria do CNJ. Na época, Ricardo Leite explicou ao órgão que suas decisões “obedeceram ao princípio do livre convencimento motivado” e também “não foram reformadas em grau recursal”, no TRF-1. “Suposta morosidade e o acúmulo de processos são resultado da sobrecarga de demandas relacionadas a temas complexos.” Sustentou ainda que “os dados reais da produtividade revelam o incremento da eficiência da vara, com recente diminuição do acervo”.

Em nota divulgada em 2017, a 10.ª Vara Federal rebateu publicamente as acusações de morosidade e suposto envolvimento com delatores da J&F – que depois não se comprovou – e listou “mais de 20 grandes operações criminais” como  Lava Jato,  Greenfield (sobre desvios nos fundos de pensão federal), Cui Bono, Zelotes, Swissleaks, Bullish, entre outras, que teriam sido instruídas com celeridade.

Risco de Prescrição

Com histórico de sobrecarga processual, falta de estrutura adequada para o volume crescente de processos contra a corrupção, envolvendo organizações criminosas, e acusações de morosidade, a 10.ª Vara Federal Criminal recebeu em março uma das ações de Curitiba, sobre doações da Odebrecht para o Instituto Lula.

O processo foi distribuído para o juiz Ricardo Leite, que já colocou Lula no banco dos réus no processo da Lava Jato por tentativa de obstrução à Justiça e depois o absolveu. Em janeiro de 2018, Leite ainda mandou a Polícia Federal apreender o passaporte do ex-presidente, que viajaria para a África do Sul, dias depois de o TRF-4 confirmar a condenação em segunda instância.

Os outros três processos ainda serão distribuídos. No caso do tríplex, o processo voltou à estaca zero, com a declaração de parcialidade de Moro e anulação de todos os atos e provas pelo STF. Nos demais, caberá aos novos juízes a decisão de validar ou não as provas e atos de instrução dos processos.

Foram anuladas pelo STF apenas as decisões da 13ª Vara Federal de Curitiba, como aceitação das denúncias feitas pelo MPF e julgamentos. Como Lula tem mais de 70 – o prazo de prescrição dos crimes imputados a ele cai pela metade -, a possibilidade de ele nem sequer ser sentenciado aumenta.

O presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), André Eduardo Brandão de Brito Fernandes, reconhece que as varas do Distrito Federal são mais assoberbadas e que o recebimento de processos volumosos e com grande atenção pública eleva a pressão em um ambiente já no limite. “Certamente os juízes tentarão evitar a prescrição dos crimes. Essas varas especializadas foram muito bem pensadas e são eficientes, apesar dos ataques nos julgamentos recentes do Supremo. Haverá pressão, mas os juízes estão prontos para isso.”

A defesa de Lula sustenta na Justiça desde 2016 que a 13ª Vara Federal de Curitiba e Moro eram incompetentes para julgar os casos investigados pela Lava Jato. O advogado Cristiano Zanin Martins afirma que o ex-presidente foi vítima de um processo político e acusado e condenado sem provas e de forma ilegal por Moro.

O defensor sustenta também que o magistrado era parcial e que todos os atos dos processos são nulos – argumento acolhido pela maioria do Supremo, em um dos processos. Segundo ele, Lula esteve ilegalmente preso por 580 dias e foi “vítima de perseguições e constrangimentos irreparáveis”. Em nota, a defesa disse que o STF “reconheceu que o ex-juiz Sérgio Moro quebrou a regra de ouro da jurisdição: agiu de forma parcial em relação ao ex-presidente Lula.”

Continuar lendo O FUTURO JURÍDICO DE LULA SERÁ JULGADO EM VARA CRIMINAL ONDE JÁ FOI ABSOLVIDO DUAS VEZES

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar