Blog do Saber, Cultura e Conhecimento!

JANET YELLEN É ANUNCIADA POR BIDEN COMO PRÓXIMA SECRETÁRIADO TESOURO

 

Biden anuncia Janet Yellen como próxima secretária do Tesouro

Presidente eleito, que só assume cargo em janeiro de 2021, está montando equipe. Na última semana, ele anunciou nomes para política externa

INTERNACIONAL

Da EFE

Janet Yellen será nova secretária do Tesouro

Christopher Aluka Berry/Reuters – 4.1.2019

O democrata Joe Biden, virtual vencedor das eleições presidenciais dos Estados Unidos, anunciou nesta segunda-feira os membros de sua eventual equipe econômica na Casa Branca, entre eles Janet Yellen como secretária do Tesouro.

Como secretário adjunto do Departamento do Tesouro, Biden escolheu Wally Adeyemo. A equipe econômica ainda conta com Neera Tanden, como diretora do Escritório de Administração e Orçamento; Cecilia Rouse, como presidente do Conselho de Assessores Econômicos; e Jared Bernstein e Heather Boushey, como membros do Conselho de Assessores Econômicos.

Se confirmada pelo Senado, Yellen será a primeira mulher a dirigir o Departamento do Tesouro em seus 231 anos de história, e também a primeira pessoa a também ter exercido ao longo da carreira a presidência do Conselho de Assessores Econômicos e do Federal Reserve (Fed, banco central).

Como secretária do Tesouro, ela será responsável por liderar o trabalho do futuro governo na recuperação econômica da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, que deixou milhões de pessoas desempregadas.

Como presidente do Fed entre 2014 e 2018, ela se destacou, entre outras fatores, por prestar mais atenção do que de costume à função de promover um mercado de trabalho forte, além de manter a inflação, o que rendeu críticas de republicanos que consideravam que ela estava passando dos limites.

Junto a Yellen no Tesouro estará Adeyemo, especialista em política macroeconômica e proteção ao consumidor com vasta experiência em segurança nacional.

Além de Yellen, Tanden também pode marcar época ao ser confirmada como diretora do Escritório de Administração e Orçamento, tornando-se a primeira mulher de origem indiana a liderar o departamento.

Até então presidente e diretora executiva do think thank Center for American Progress, Tanden foi escolhida por Biden para chefiar um escritório responsável pelos gastos e planos políticos do governo, desde a elaboração de propostas orçamentárias da Casa Branca até a redação de iniciativas de políticas nacionais e a aprovação dos testemunhos da maioria dos funcionários do governo perante o Congresso.

A seleção de Rouse também marca outra nomeação sem precedentes, e que também deve ser aprovada pelo Senado. Ela pode se tornar a primeira negra a dirigir o Conselho de Assessores Econômicos em seus 74 anos de história.

Rouse é economista e decana da Escola de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade de Princeton, e já foi membro do órgão que agora poderá comandar.

Bernstein e Boushey, escolhidos para o Conselho de Assessores Econômicos, foram, respectivamente, economista-chefe nos primeiros anos de mandato de Barack Obama, e cofundador do Washington Center for Equitable Growth.

 

Continuar lendo JANET YELLEN É ANUNCIADA POR BIDEN COMO PRÓXIMA SECRETÁRIADO TESOURO

JOE BIDEN É CONVIDADE PARA FAZER PARTE DA CÚPULA DA OTAN

 

Presidente eleito nos EUA, Joe Biden é convidado para cúpula da Otan

Trump havia reduzido presença militar no Afeganistão, e secretário da Otan defende manutenção da operação por incerteza nas negociações de paz

INTERNACIONAL

Da AFP

 

Biden é convidado para cúpula da Otan

Joshua Roberts/Reuters – 25.11.2020

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, anunciou nesta segunda-feira (30) que propôs ao presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, organizar uma cúpula da Aliança em Bruxelas após sua posse em janeiro de 2021, a fim de tomar decisões importantes.

“Convidei Joe Biden para participar de uma cúpula da Otan no início do próximo ano, em uma data a ser determinada, para discutir assuntos importantes, incluindo decisões a serem tomadas sobre a manutenção ou retirada da missão da Aliança no Afeganistão”, anunciou durante uma conferência de imprensa.

presidente americano Donald Trump decidiu reduzir o contingente dos Estados Unidos da missão ‘Resolute Support’ da Otan no Afeganistão, que conta atualmente com 11 mil soldados, mais da metade dos quais não são americanos, disse Jens Stoltenberg.

“A missão vai continuar apesar da retirada das forças americanas, o que reduz a presença americana no Afeganistão, mas decisões difíceis terão de ser tomadas em 2021 se o Talibã não respeitar os seus compromissos”, insistiu o secretário-geral da Aliança.

“Não temos nenhuma garantia de que as negociações de paz serão bem-sucedidas e enfrentaremos um dilema. Ou a Aliança deixa o Afeganistão e o país corre o risco de se tornar um novo refúgio para terroristas que operam contra nós, ou a Otan fica, com uma nova missão, mas vai enfrentar o risco de combates”, explicou.

A adaptação da Otan ao novo contexto de segurança global, o fortalecimento militar da Rússia, a ascensão da China, as tensões entre os aliados são assuntos a serem discutidos entre os líderes da Aliança durante uma cúpula, enfatizou.

“Joe Biden é um grande apoiador da Otan. Ele conhece bem a Aliança, o que é uma coisa boa para nós”, sublinhou Jens Stoltenberg numa alusão às dificuldades encontradas durante a presidência de Donald Trump.

 

Continuar lendo JOE BIDEN É CONVIDADE PARA FAZER PARTE DA CÚPULA DA OTAN

CONFIRMADA A LIDERANÇA DE BIDEN EM WISCONSIN APÓS CONTAGEM DE VOTOS

Wisconsin encerra recontagem e confirma liderança de Biden

Nos dois maiores condados do Estado, candidato democrata teve liderança de 20 mil votos sobre o atual presidente, Donald Trump

INTERNACIONAL

por Reuters

Recontagem em Wisconsin confirma vitória de Biden

ROBERTO SCHMIDT / AFP

A recontagem das cédulas da eleição presidencial nos dois maiores condados de Wisconsin terminou neste domingo (29), confirmando que o democrata Joe Biden derrotou o presidente Donald Trump no Estado crucial por mais de 20 mil votos.

O condado de Dane encerrou sua recontagem neste domingo, segundo o escrivão do condado, alguns dias depois de encerrada a recontagem do condado de Milwaukee. Cada recontagem terminou com poucas mudanças no resultado final dos mais de 800 mil votos depositados no Estado. No final, a vantagem de Biden sobre Trump em Wisconsin aumentou em 87 votos.

Fonte: R7

Continuar lendo CONFIRMADA A LIDERANÇA DE BIDEN EM WISCONSIN APÓS CONTAGEM DE VOTOS

SERÁ DIFÍCIL QUE SUPREMA CORTE ANALISE AÇÕES SOBRE AS ELEIÇÕES, É O QUE ACHA TRUMP

 

Trump acha difícil que Suprema Corte analise ações sobre eleição

Enquanto presidente não reconhece derrota, equipes trabalham com transição de governos e Biden pode ser empossado em janeiro de 2021

INTERNACIONAL

por Reuters

Trump duvida que Suprema Corte analise ações

Yuri Gripas/Reuters – 29.11.2020

O presidente Donald Trump questionou neste domingo (29) se a Suprema Corte virá a analisar algum caso com as suas alegações sem provas de ampla fraude eleitoral, enquanto um importante representante do Partido Republicano afirmou que uma transição para a Presidência de Joe Biden parece inevitável.

Os comentários de Trump em uma entrevista por telefone com a Fox News sugeriram uma resignação crescente com os resultados da eleição de 3 de novembro, que deram a Casa Branca ao seu adversário democrata Biden, e foram feitos no momento em que a equipe do presidente levou um novo golpe.

A recontagem das cédulas da eleição presidencial nos dois maiores condados de Wisconsin terminou neste domingo, confirmando que Biden derrotou Trump no Estado crucial por mais de 20 mil votos.

O senador republicano Roy Blunt, presidente do comitê de posse do Congresso, afirmou que espera que o democrata Biden seja empossado como presidente em 20 de janeiro.

“Estamos trabalhando com a administração Biden, o provável governo tanto na transição quanto na cerimônia de posse, como se fôssemos seguir adiante”, afirmou Blunt, do Missouri, ao programa “Estado da União”, da CNN, embora não tenha realmente reconhecido que Trump perdeu a eleição de 3 de novembro.

O governador Asa Hutchinson, do Arkansas, é um dos poucos republicanos que se referem a Biden como presidente eleito.

“A transição é o importante. As palavras do presidente Trump não são tão significativas”, disse Hutchinson, ao Fox News Sunday, acrescentando que ele entendia a razão legal para Trump não estar admitindo a derrota.

Acusações de fraude

Trump usou sua entrevista no Sunday Morning Futures, da Fox News Channel, para repetir as alegações que ele tem feito, sem evidências, de uma ampla fraude eleitoral, acusações que foram rejeitadas por vários juízes.

Suas equipes de campanha e jurídica perderam dúzias de ações ao não conseguirem convencer juízes de irregularidades eleitorais em EsMichigan, Georgia, Arizona e Nevada, todos cruciais à vitória de Biden.

Trump não deixou claro quais passos legais tomará a seguir.

“O problema é que é difícil levar à Suprema Corte”, disse Trump, sem esclarecer se ele achava que a corte se recusaria a analisar uma apelação ou se a sua equipe eleitoral talvez nem faça uma.

A equipe legal de Trump tem dado declarações conflitantes sobre o caminho que será tomado depois de uma derrota em uma corte federal, na sexta-feira, em um caso que buscava desafiar a vitória de Biden na Pensilvânia.

“Para a SCOTUS! (acrônimo de Suprema Corte dos Estados Unidos, em inglês)”, escreveu a advogada eleitoral de Trump, Jenna Ellis, no Twitter, após a decisão, indicando um plano de apelar à Suprema Corte.

Depois, no entanto, o advogado de Trump, Rudy Giuliani, teria dito à emissora One America News que a equipe legal ainda estava ponderando qual caso seria apropriado à instância judicial mais alta do país.

Trump disse que continuará a lutar contra os resultados da eleição, dizendo que “não mudará de ideia em seis meses”.

Seus comentários pareceram sinalizar a intenção de continuar contestando o resultado, mesmo depois de deixar o poder. Auxiliares dizem que ele tem discutido vários empreendimentos de mídia, incluindo começar um novo canal de televisão ou uma empresa de redes sociais para mantê-lo nos holofotes para uma potencial tentativa de voltar à Casa Branca, em 2024.

 

Fonte: R7
Continuar lendo SERÁ DIFÍCIL QUE SUPREMA CORTE ANALISE AÇÕES SOBRE AS ELEIÇÕES, É O QUE ACHA TRUMP

PARA BARRAR IMIGRAÇÃO ILEGAL, FRANÇA E REINO UNIDO ASSINAM ACORDO

Reino Unido e França assinam acordo para barrar imigração ilegal

Acordo vai aumentar as patrulhas e tecnologia no Canal da Mancha, rota usada por imigrantes para tentar chegar ao Reino Unido em pequenos barcos

INTERNACIONAL

por Reuters – Internacional

 

Canal da Mancha separa o Reino Unido da França

Divulgação/Nasa

Reino Unido e França assinaram um novo acordo neste sábado (28) para tentar impedir a imigração ilegal através do Canal da Mancha, ao aumentar as patrulhas e a tecnologia na esperança de fechar uma rota perigosa usada por imigrantes para tentar chegar ao Reino Unido em pequenos barcos.

A ministra do Interior britânico, Priti Patel, disse que, segundo o acordo, o número de policiais que patrulham as praias francesas dobrará e novos equipamentos, incluindo drones e radares, serão empregados.

Este ano, centenas de pessoas, incluindo algumas crianças, foram flagradas atravessando para o sul da Inglaterra de acampamentos improvisados ​​no norte da França – navegando em uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo em botes de borracha sobrecarregados. Alguns imigrantes morreram afogados.

Patel disse em comunicado que o acordo representa um passo à frente na missão dos dois países de tornar inviáveis ​​as travessias no canal. “Graças a mais patrulhas policiais nas praias francesas e maior compartilhamento de inteligência entre nossas agências de segurança, já estamos vendo menos imigrantes deixando as praias francesas”, declarou.

O Reino Unido e a França planejam continuar um diálogo estreito para reduzir as pressões imigratórias na fronteira compartilhada durante o próximo ano, acrescentou ela.

Fonte: R7
Continuar lendo PARA BARRAR IMIGRAÇÃO ILEGAL, FRANÇA E REINO UNIDO ASSINAM ACORDO

ARGENTINA, O SEGUNDO PAÍS MAIS AFETADO DA AMÉRICA LATINA DECRETA O FIM DA QUARENTENA

 

Após 8 meses, Argentina decreta fim da quarentena

País é o segundo mais afetado pela covid-19 na América Latina, atrás apenas do Brasil. Apenas duas cidades continuarão confinadas até dezembro

INTERNACIONAL

Do R7

Argentina decreta fim da quarentena Argentina decreta fim da quarentena
Uma das quarentenas mais longas do mundo, a Argentina anunciou que, depois de oito meses, o confinamento será encerrado. Apesar do fim do isolamento, o presidente Alberto Fernández pediu que a população continue se cuidando e respeitando as medidas de proteção contra o novo coronavírus. O país havia decretado quarentena no dia 20 de março.Apenas as cidades de Bariloche e Puerto Deseado, na Patagônia, seguirão confinadas até o dia 20 de dezembro. A capital, Buenos Aires, começou o processo de saída do confinamento no começo de novembro.A Argentina, que tem mais de 1 milhão de casos de covid-19 e é o segundo país da América Latina mais afetado pela pandemia, atrás apenas do Brasil, é o quarto em número de casos por milhão de habitantes. Apesar da alta taxa de transmissão, autoridades afirmaram que os casos caíram 30% na última semana.

A decisão pelo fim do confinamento também está ligada a queda na popularidade de Fernández, que foi eleito em 2019.

Nesta semana também, o país desrepeitou as medidas de proteção durante o velório de Diego Maradona, craque e ídolo do futebol argentino morto na quarta-feira (25). Mais de um milhão de pessoas compareceram à cerimônia, que não teve distanciamento social ou uso de máscaras.

 

Continuar lendo ARGENTINA, O SEGUNDO PAÍS MAIS AFETADO DA AMÉRICA LATINA DECRETA O FIM DA QUARENTENA

POR FALTA DE PROVAS, JUSTIÇA DOS EUA REJEITA RECIRSO DE DONALD TRUMP

Justiça dos EUA rejeita recurso de Trump por falta de provas

Juízes de uma corte de apelações recusou ação movida pela campanha do presidente para suspender certificação dos resultados da Pensilvânia

INTERNACIONAL

Da AFP

Trump segue protestando contra o resultado da eleição

Uma corte federal rejeitou de maneira taxativa as denúncias feitas pela campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, de que a eleição presidencial foi injusta e se recusou a suspender a vitória do democrata Joe Biden no estado da Pensilvânia.

Ao revisar os argumentos do comitê do republicano, que afirma que a eleição do dia 3 de novembro teria sido “roubada”, três juízes de uma corte de apelação indicaram de forma unânime que a equipe de Trump não apresentou denúncias genuínas nem evidências para sustentar sua tese.

“As acusações de injustiça são algo sério. Mas dizer que algo foi injusto não faz com que tenha sido injusto”, escreveu a corte. Na ação, que era um recurso contra a decisão de uma instância inferior, a campanha de Trump alegava uma suposta discriminação.

Derrotas na Justiça

Esta é a última de uma série de derrotas sofridas pela campanha de Trump em todo o país desde a eleição. Em nenhum tribunal estadual as ações que pediam revisão dos resultados das urnas foram aceitas nem foi provada a existência de fraude.

Enquanto isso, Trump segue colocando dúvidas na validade da vitória de Biden e ainda insiste na tese de fraude.

Na semana passada uma corte da Pensilvânia rejeitou os argumentos do advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, de que milhões de votos deveriam ser descartados.

Na quinta o governo da Pensilvânia certificou oficialmente os resultados e a campanha de Trump apelou para uma corte federal para paralisar o processo.

Fonte: R7

Continuar lendo POR FALTA DE PROVAS, JUSTIÇA DOS EUA REJEITA RECIRSO DE DONALD TRUMP

NA FRANÇA UM PROJETO DE LEI QUER EQUIPARAR A GLOTOFOBIA A OUTROS TIPOS DE CRIMES DE PRECONCEITO

 

Por que a França pode criminalizar a discriminação pelo sotaque

Um projeto de lei quer equiparar a glotofobia ao racismo e outros tipos de crimes de preconceito; aprovado pela Assembleia Nacional, ele agora será apreciado pelo Senado

INTERNACIONA

por BBC NEWS BRASIL

 

A parlamentar Laetitia Avia propôs a nova nova lei, enquanto o primeiro-ministro Jean Castex foi ridicularizado por seu sotaque

Imagine um conhecido político, líder de seu partido, em meio a um frenesi de jornalistas e sendo questionado por alguém que tem um forte sotaque.

Ele olha para a repórter, como se não tivesse entendido nada, e diz zombando dela: “Desculpe, não entendi uma palavra. Alguém pode me fazer uma pergunta em português adequado?” Chocante, certo?

Foi o que aconteceu na França, em uma cena registrada entre Jean-Luc Mélenchon e uma repórter da TV regional francesa. A ofensa cometida por ela? Ter um forte sotaque do sul do país.

Sotaques regionais na França são há muito tempo alvo de um desdém paternalista parisiense.

Ai de qualquer pessoa com uma pitada do sul em sua voz que queria crescer em sua carreira na radiodifusão ou na política nacional, na academia e no serviço público.

Fale como um parisiense

Se quer se comunicar na França (e não apenas provocar risos), então, você se conforma com isso e fala como em Paris. Existem muitas aulas online para ensiná-lo como.

Mas os tempos estão mudando e, pela primeira vez, uma medida está sendo tomada em prol dos 30 milhões de cidadãos franceses que falam com sotaque regional. Isso é quase metade da população do país, de 67 milhões.

Um projeto de lei foi aprovado na quinta-feira (26/11) na Assembleia Nacional, que é equivalente no Parlamento francês à Câmara dos Deputados do Congresso brasileiro, para tornar crime discriminar um indivíduo com base no sotaque.

“Eu também já corrigi ao longo do tempo meu sotaque, primeiro ao entrar na Sciences-Po (universidade), depois ao me tornar advogada. Então, conheço este assunto pessoalmente”, disse a parlamentar Laetitia Avi, que propôs a lei.

A criminalização da glotofobia, nome dado a este tipo de discriminação, que agora foi equiparado a outros tipos de discriminação já previstos em lei, como por raça, gênero ou deficiência física, teve 98 votos a favor e 3 contra.

A pena prevista é de três anos de prisão e multa de 45 mil euros (R$ 285 mil).

O projeto deverá ainda ser votado pelo Senado nas próximas semanas. Se aprovado, seguirá para promulgação.

Por que um sotaque pode prejudicar sua carreira

“Ter um sotaque regional na França significa automaticamente que você é tratado como um caipira, amável, mas fundamentalmente pouco sério”, disse o deputado Christophe Euzet, que é de Perpignan, na Catalunha francesa.

“É inimaginável na França que você possa ter alguém com sotaque sulista ou mesmo do norte, por sinal, como comentarista no Dia do Armistício ou falando sobre política do Oriente Médio. É um problema pessoal para muitas pessoas que descobrem que precisam abrir mão de parte de sua identidade se quiserem progredir em suas carreiras.”

Isso também remete a uma questão política, argumentou Euzet. “O movimento dos coletes amarelos foi um exemplo clássico do que acontece quando milhões de pessoas olham para seus representantes em Paris e sentem que não têm nada em comum com eles.”

Mas espere um minuto. O primeiro-ministro da França, Jean Castex, não é famoso por ser o primeiro no cargo a falar com sotaque?

“Sim”, disse Euzet. “Mas quanto tempo Castex precisou para ser levado a sério como político?”

Como os sotaques franceses diferem

A França não se orgulha de sua diversidade de sotaques da mesma forma que alguns outros países.

Houve um esforço a partir da Revolução Francesa para suprimir os idiomas regionais, como o occitano e o bretão, e, depois, os sotaques derivados delas.

As escolas foram o primeiro instrumento usado para isso, depois, a mídia de massa.

A maior família de sotaques atual é a do sul, marcada, entre outras coisas, pela pronúncia do normalmente mudo “e” no final das palavras, e os famosos “pang” e “vang” no lugar de pain e vin (pão e vinho) .

Outros sotaques regionais podem ser encontrados na Córsega, no leste da França, na Alsácia (influenciada pelo alemão), na Bretanha e no norte, influenciados pelo dialeto local ch’ti.

Em muitas áreas rurais da França, os sotaques estão preservados entre os idosos, mas são ouvidos com menos frequência entre os jovens.

Há também o sotaque banlieue, popular entre as pessoas de origem imigrante e caracterizado por consoantes duras e fala rápida.

Um mito é que o melhor francês é falado pelo povo da região de Tours, no vale do Loire. Sob o Antigo Regime, os membros da corte mantinham castelos ao longo do Loire e trouxeram com eles o vernáculo de Paris.

 

Continuar lendo NA FRANÇA UM PROJETO DE LEI QUER EQUIPARAR A GLOTOFOBIA A OUTROS TIPOS DE CRIMES DE PRECONCEITO

SERÁ RETOMADO SEGUNDA FEIRA (30) O JULGAMENTO DO EX-PRESIDENTE DA FRANÇA NICOLAS SARKOZY

Julgamento de Nicolas Sarkozy será retomado segunda-feira (30)

Se condenado por corrupção, ex-presidente da França pode receber pena de até 10 anos de prisão e ainda pagar uma multa milionária

INTERNACIONAL

Da AFP

Ex-presidente da França Nicolas Sarkozy

Bertrand GUAY / AFP

julgamento por corrupção contra o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy será retomado na segunda-feira (30), depois que o tribunal penal de Paris rejeitou nesta quinta-feira (26) um pedido de um de seus co-acusados para adiar por motivos de saúde.

O tribunal recusou a solicitação apresentada por um dos acusados junto a Sarkozy, o juiz aposentado Gilbert Azibert, de 73 anos, que pediu um adiamento do julgamento para não se expor à covid-19.

França vai investigar atuação do governo durante pandemia

Com base em um exame médico que solicitou, o tribunal concluiu que Azibert estava em condições de comparecer e ordenou que se apresente pessoalmente na segunda-feira às 13h30 (09h30 de Brasília), antes de suspender a audiência até essa data.

Este julgamento, que deve durar três semanas, é inédito já que Nicolas Sarkozy é o primeiro ex-presidente da França a sentar na cadeira dos réus.

Antes dele, apenas um ex-presidente francês, Jacques Chirac, seu antecessor e mentor político, foi julgado e condenado por desvio de verba pública quando era prefeito de Paris mas, devido a problemas de saúde, nunca compareceu ao tribunal.

Este processo, conhecido na França como o caso “dos grampos” tem sua origem em outro caso que ameaça Sarkozy, o das suspeitas de que recebeu financiamento do governo líbio de Muamar Gadafi durante a campanha presidencial de 2007 que o levou ao Eliseu.

Os juízes decidiram grampear o telefone do ex-presidente e foi assim que descobriram que tinha uma linha secreta em que usava o pseudônimo “Paul Bismuth”.

Segundo os investigadores, algumas conversas que mantinha nesta linha revelaram a existência de um pacto de corrupção. Através de seu advogado Thierry Herzog, Sarkozy teria tentado obter informação secreta de outro juiz através do juiz Azibert.

Azibert teria tentado também influenciar seus colegas a favor de Sarkozy. Em troca, Sarkozy teria prometido ao magistrado ajudá-lo a obter um cargo muito cobiçado no Conselho de Estado de Mônaco.

Sarkozy, presidente de 2007 a 2012, nega as acusações e prometeu que se mostrará “combativo” neste julgamento.

Caso seja declarado culpado, Sarkozy, que saiu da política após sua derrota na disputa pelo Eliseu em 2016, poderia ser condenado a uma pena de até 10 anos de prisão e uma multa máxima de um milhão de euros (1,2 milhão de dólares).

Fonte: R7

Continuar lendo SERÁ RETOMADO SEGUNDA FEIRA (30) O JULGAMENTO DO EX-PRESIDENTE DA FRANÇA NICOLAS SARKOZY

PARA TENTAR CONTER SEGUNDA ONDA DA COVID-19 APÓS FIM DO LOCKDOWN, REINO UNIDO ANUNCIA NOVAS RESTRIÇÕES

 

Reino Unido anuncia novas restrições após fim do lockdown para tentar conter segunda onda de covid-19

Regiões serão divididas em três níveis, revisadas a cada duas semanas, com limitações à circulação de pessoas.

INTERNACIONAL

por BBC NEWS BRASIL

 

Primeiro-ministro Boris Johnson anunciou novas medidas para tentar conter aumento de casos

PA Media

O Reino Unido sai na próxima semana de um novo lockdown, mas, diante do aumento de casos de covid-19 no país, não entra em um período de flexibilização das medidas de distanciamento social.

Nesta quinta-feira (26/11), o primeiro-ministro do país, Boris Johnson, anunciou que algumas regiões ainda terão de seguir restrições mais rígidas à circulação de pessoas para tentar conter a segunda onda da pandemia e evitar uma sobrecarga no sistema de saúde.

O Reino Unido é o quinto país com maior número de mortes pela doença causada pelo novo coronavírus. São mais de 56 mil, total superado apenas pelas cifras de Estados Unidos, Brasil, Índia e México.

A curva de óbitos chegou a arrefecer no país, mas, passado um período de queda, eles voltaram a crescer em outubro, assim como o volume de casos. O novo lockdown nacional fora decretado em novembro.

O sistema que entra em vigor no próximo dia 2 de dezembro estabelece três níveis diferentes de restrições, que serão reavaliados para cada região a cada duas semanas.

Mais de um terço da população da Inglaterra se encontra em áreas que serão submetidas a medidas mais duras, que inclui a proibição de reuniões de pessoas além daquelas que dividem um mesmo domicílio.

No total, cerca de 23 cidadãos de pessoas em 21 áreas estarão sob as regras do nível três — incluindo Birmingham, Leeds e Sheffield.

Cidades como Londres e Liverpool se encaixarão no nível dois, enquanto Ilha de Wight, Cornualha e Ilhas de Scilly — onde não houve nenhum caso de covid-19 registrado na semana passada — serão as únicas áreas da Inglaterra no nível um.

O primeiro-ministro argumentou que as novas restrições são necessárias para manter a doença sob controle e alertou que suavizar as medidas pode criar um risco de “perda do controle” da covid-19.

“Isso pode enfraquecer nossos ganhos duramente conquistados e nos forçar a voltar a um lockdown nacional no Ano Novo”, afirmou.

As medidas têm como objetivo reduzir o número de reprodução do vírus, conhecido como Rt — que sinaliza, na prática, a quantas pessoas um indivíduo infectado é capaz de transmitir a doença.

Quando o número está acima de 1, a doença se propaga exponencialmente; abaixo desse patamar, o total de infectados tende a diminuir com o tempo, já que, nessa situação, uma pessoa não consegue contaminar mais de uma.

O premiê anunciou ainda o reforço da testagem nas áreas sob o nível três de restrições, atribuindo essa estratégia à abordagem bem-sucedida adotada em Liverpool, que estará sob o nível dois.

Questionado por jornalistas, Johnson afirmou que as novas medidas não configurariam uma continuação do lockdown.

“Em todos os níveis, lojas estarão abertas, cabeleireiros, serviços pessoais estarão abertos, academias estarão funcionando, locais de culto estarão abertos para também, então isso é uma coisa muito diferente”, disse ele.

“E estou convencido de que em abril as coisas realmente vão estar muito, muito melhores”, acrescentou.

 

Continuar lendo PARA TENTAR CONTER SEGUNDA ONDA DA COVID-19 APÓS FIM DO LOCKDOWN, REINO UNIDO ANUNCIA NOVAS RESTRIÇÕES

Fim do conteúdo

Não há mais páginas para carregar

Fechar Menu
×

Carrinho