CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE APROVA EM PRIMEIRO TURNO PROJETO DE LEI QUE PROÍBE LINGUAGEM NEUTRA NA GRADE CURRICULAR

Proibição do ensino de “linguagem neutra” em Belo Horizonte é aprovada em 1º turno

Projeto será enviado para comissões que analisarão emendas no texto e, em seguida, voltará para apreciação em segundo turno

Douglas Porto

Leonardo Rodrigues

da CNN

em São Paulo

 

A Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou, nesta terça-feira (5), em primeiro turno, um projeto de lei que proíbe o uso da linguagem neutra na grade curricular, no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas e em editais de concursos públicos.

A medida segue agora para as comissões em que serão analisadas as emendas apresentadas ao texto. Posteriormente, voltará ao plenário para apreciação em segundo turno.

O PL 54/2021, de autoria do vereador Nikolas Ferreira (PL), propõe sanções administrativas para as instituições de ensino e aos profissionais que violarem o uso da língua portuguesa considerada padrão.

Ainda é determinado que as secretarias responsáveis empreendam todos os meios necessários para valorização da língua portuguesa considerada culta.

Segundo o texto, devem ser fomentadas iniciativas de defesa aos estudantes na aplicação de qualquer aprendizado que destoe das normas e orientações legais de ensino.

Para a vereadora Duda Salabert (PDT), contrária ao projeto, os surdos serão muito prejudicados com a aprovação do texto. “Há que se lembrar que as Libras tem como estrutura pronominal a linguagem neutra”, explica.

Já de acordo com Flávia Borja (Avante), o projeto preserva as crianças. “Vocês [vereadores que se opuseram ao texto] não estão preocupados com a educação. Linguagem neutra é uma ferramenta da ideologia de gênero. É preciso defender nossas crianças nas escolas”.

Deixe uma resposta