BOAS NOTÍCIAS: NÚMEROS DE PESQUISA SOBRE CRENÇA DOS BRASILEIROS NA VACINA CONFIRMAM QUEDA DO NEGACIONISMO
Campanha da gripe encerra em dez dias; 232 mil pessoas ainda não compareceram. Foto: Daniel Castellano / SMCS

Começa a se firmar a convicção dos brasileiros sobre a importância de se vacinar depois de um terceira onda fortíssima, que chegou a triplicar o número de mortes/dia no Brasil. Uma nova pesquisa de opinião detectou que 84% da população quer se vacinar. Veja os dados da pesquisa e sua evolução com relação as anteriores.

84% dos brasileiros agora querem se vacinar: negacionismo em queda?

A ficha do brasileiro está caindo e pelo jeito, o negacionismo vai entrando em descrédito depois de tantas mortes. Nova pesquisa Datafolha revela que aumentou o número de pessoas que querem ser vacinadas no Brasil e, por outro lado, várias daquelas que se recusavam a receber a vacina agora admitem a possibilidade.

Subiu para 84% o percentual da nossa população que quer ser vacinada. Em janeiro eram 79%, aumento de 5 pontos percentuais em dois meses.

Já o percentual de pessoas que recusavam a vacina e diziam que não iriam se imunizar de jeito algum também caiu. Eram 17% em janeiro, agora são 9%, redução de 8 pontos percentuais. Os que não sabiam responder eram 4%, agora são 2%.

E as mulheres são as mais conscientes nesse momento crítico da saúde pública: 86% delas querem se vacinar, contra 82% dos homens.

Motivo

A mudança na cabeça do brasileiro acontece à medida que a covid-19 se alastra de forma desenfreada e descontrolada pelo Brasil – atual campeão mundial de mortes por dia – e mata amigos, ídolos e familiares.

Só neste sábado, 20, morreram 2.438 pessoas, segundo o Ministério da Saúde. Em um ano a doença já acabou com mais de 292 mil vidas apenas no nosso país.

Renda e escolaridade

A pesquisa Datafolha, feita entre os dias 15 e 16 março de 2021 em todas as regiões do país, com 2.023 brasileiros – com margem de erro de dois pontos percentuais – foi divulgada neste domingo, 21, pelo jornal Folha de São Paulo.

O levantamento mostra que os brasileiros que ganham mais e têm mais estudo são mais conscientes, ou seja, a intenção de se vacinar é maior de acordo com os níveis de renda e escolaridade.

Entre os brasileiros que estudaram até o ensino fundamental, o percentual que pretende se vacinar é de 81%. Percentual que sobe para 86% dos que concluíram o ensino superior.

Entre os brasileiros que ganham até 2 salários mínimos, o percentual é de 84%, enquanto entre os que recebem mais de 10 salários, 88% querem se vacinar.

Bolsonaro

A pesquisa mostra que muita gente ainda se deixa levar pelas ideias negacionistas do presidente da república.

Entre os que avaliam como bom ou ótimo (76%) o governo Bolsonaro, o desejo de se vacinar é menor.

Já entre os que avaliam como ruim ou péssimo o governo, o percentual dos que pretendem se vacinar é maior: 89%, ante 84% na média da população.

Vacinação obrigatória

O levantamento também questionou os entrevistados se a vacinação contra o coronavírus deveria ser obrigatória ou não no Brasil – o presidente Bolsonaro defende que não seja obrigatória.

E os números mostram que a mentalidade da população está mudando: Em janeiro 55% achavam que a vacinação deveria ser obrigatória. Agora são 70%.

Também em janeiro, 44% diziam que a vacinação não deveria ser obrigatória. Agora esse percentual caiu para 30%.

Vacinados

Até este sábado, 5,54% da população brasileira – 11.721.357 de pessoas – havia recebido a primeira dose da vacina contra a Covid-19, segundo o consórcio de veículos de imprensa.

A segunda dose foi aplicada em 1,96% (4.140.109 milhões).

Até o momento, o país conta apenas com 2 vacinas: a de Oxford e a CoronaVac.

Com informações do G1

Fonte: Só Notícia Boa

Deixe uma resposta