Na sessão BOAS NOTÍCIAS deste domingo mais uma descoberta na luta contra o Alzheimer que pode ajudar na sua prevenção. Veja a reportagem completa e saiba como.

Criada droga feita de couve-de-bruxelas para tratar Alzheimer

Foto: Reprodução Daily Mail

Foto: Reprodução Daily Mail
A couve-de-bruxelas, uma espécie de mini hortaliça, rica em vitamina A, é a base para uma nova droga anti-Alzheimer.
A medicação foi desenvolvida por cientistas das Universidades de Aberdeen, na Escócia e Durham, no Reino Unido. Segundo eles, a droga tem “muito potencial” para interromper as células cerebrais que levam à doença.
O medicamento é composto de vitamina A “sobrecarregada”, que é encontrada em vegetais como brotos e cenouras.

A droga também pode beneficiar ALS – ou doença de Lou Gehrig – que afeta os músculos dos braços, pernas, boca e sistema respiratório.
A pesquisa foi realizada junto com a empresa de desenvolvimento químico High Force Research. Os resultados da pesquisa no laboratório serão publicados no ano que vem.
Vitamina A
Quando decomposta pelo corpo, a vitamina A se transforma em uma substância química chamada ácido retinóico, que é crucial para o desenvolvimento do sistema nervoso.
Níveis mais altos de ácido retinóico no corpo poderiam deter os danos aos nervos e aumentar o número de células nervosas, esperam os pesquisadores.
O projeto custou £ 250.000, pouco mais de 1 bilhão de reais.
Os cientistas demoraram dois anos para desenvolver sinteticamente a vitamina A e esperam que estejam a um passo do tratamento de Alzheimer, Parkinson e neurose motora.
“Estamos avançando com uma nova terapia que poderia ser usada para ajudar pessoas com a doença de Alzheimer”, disse o professor Peter McCaffery, que pesquisa a vitamina A na Universidade de Aberdeen, na Escócia.
“Nosso trabalho ainda está em um estágio inicial, mas acreditamos que este é um desenvolvimento positivo e que as novas drogas parecem proteger [as células nervosas]”.
“E essas super versões da vitamina A estão fazendo a diferença, pelo menos no laboratório, acrescentou McCaffery.
“Estamos basicamente tentando criar uma versão massivamente amplificada do que a vitamina A já faz para o corpo.
“Agora queremos testá-las ainda mais e solicitar as patentes necessárias, mas estou satisfeito com a forma como as coisas progrediram desde 2016”, concluiu.
Com informações do Daily Mail
Fonte: Só Boa Notícia

Deixe uma resposta