AUTOCONHECIMENTO: É APENAS O SER QUE IMPORTA PARA ALMA E NÃO O TER OU FAZER

Sua Alma não se importa com o que você faz para ganhar a vida, mas o que você é enquanto faz o que faz e a forma como você experiencia sua atividade é o mais importante para lhe trazer uma vida mais leve, sem a frustração de querer ou fazer algo que está fora de alcance. É sobre essa reflexão que o texto publicado hoje, aqui na coluna AUTOCONHECIMENTO, vem esclarecer e fazer você conhecer o verdadeiro objetivo da sua alma.

A Alma não se preocupa em ter ou fazer

Imagem ilustrativa de uma alma
Geralt / Pixabay / Canva

“Sua Alma não se importa com o que você faz para ganhar a vida — e quando sua vida terminar, você também não se importará com isso.

Sua alma só se importa com o que você está sendo enquanto está em atividade.”

Esse trecho foi tirado do Livro “Conversando com Deus”, de Donald Wash

Eu não sei quanto a você que está lendo agora essa frase e talvez não tenha refletido sobre isso antes, ou não dessa forma, mas quanto a mim, eu li e reli várias vezes, porque em algum lugar dentro de mim existia um questionamento quanto a isso.

Eu tenho que ser alguém de destaque? Eu tenho que ter uma profissão reconhecida, bem-vista, bem remunerada? Caso não tenha, ser invisível aos olhos da sociedade é o meu lugar. Fugir do que me compete fazer também não seria um escape para não me envolver com o mundo e sua dinâmica cheia de problemas, bem como ficar isenta de estresse e competividade entre outros, para que meu Ego se sinta seguro, amado e reconhecido.

Quando você começa a entender que, seja lá o que estiver fazendo, e pode até ser algo que não goste tanto, esse é o seu lugar neste momento e isso não te tira o direito de querer algo melhor, menos cansativo, menos estressante, mas, de fato, o seu lugar agora pode não ser o seu ideal.

E a sua alma não precisa de status, fama e reconhecimento. Ela só se importa com o que você está sendo enquanto está em atividade. A alma procura um estado de existência, não de ação.

Isso nos dá uma ideia de que podemos estar em qualquer atividade, seja a mais simples, como cuidar de uma casa, ser porteiro de um prédio, ter uma banca de frutas na feira, ser diretor de uma grande empresa, trabalhar viajando, ser ator ou cantor… Não importa!

Mulher trabalhando em um notebook, de costas para a imagem
KatarzynaBialasiewicz / Getty Images Pro / Canva

Você eu podemos, sim, almejar ter uma profissão diferente, mais dinheiro, melhores condições de vida, um trabalho mais leve… mas o que você é enquanto faz o que faz e a forma como você experiencia sua atividade é o mais importante para lhe trazer uma vida mais leve, sem a frustração de querer ou fazer algo que está fora de alcance.

Imagina se não tivesse pessoas trabalhando no recolhimento do lixo, caminhoneiros para transportar alimentos ou profissionais em tecnologia que desenvolvem serviços e produtos que facilitam nossa vida hoje… Cada um com sua importância, cada um sendo aquilo que compete ao momento.

Não procure mudar de área pensando apenas em fazer algo que goste ou porque se sente menor, inferior e até invisível perante a sociedade. Comece gostando do que faz, mas se, por acaso, isso for insustentável, mude. Não passe a vida num ponto onde não há amor nem alegria em ação, onde trabalhar é um fardo insuportável.

“Se você escolher a Evolução da sua alma, não obterá isso por meio das atividades físicas do corpo. Lembre-se de que você não pode ter o que quer, mas pode experimentar o que tem”

E o mais engraçado disso é que, quando você para de almejar o sucesso e bens materiais, o caminho fica aberto para obtê-los.

E pode ser que nesse estágio essas coisas sirvam para seu bem-estar e o daqueles que te cercam, mas não mais objeto de desejo que nunca tem fim.

Se isso for Utopia não sei, mais pelo que me parece é um caminho menos doloroso e com menos expectativas frustradas, de mais Consciência do que dá pra fazer, para onde quero ir, do lugar que ocupo, e acima de tudo do que Sou no lugar que ocupo.

Escrito por Alline Neto

Deixe uma resposta